Lifestyle
Decoração, Mi Casa Su Casa
14 jan 2018, 10 comentários

Mi casa, su casa – A loura do Banheiro! Parte 1

Fufulândia!

Alguém mais lembra dessa lenda urbana da década de 90?

Me acuerdo que geral tinha medo da tal loura. Enfim, #velhidades.

Quero começar o ano pagando os débitos, então vamos falar de… Banheiro da mãe.

CRENDEUSPAI!

Eu vivo de obra e sempre que fazemos uma reforma onde a pessoa vai continuar morando no local avisamos que é sofrido. E o motivo é simples:

Como vocês leram aqui: https://www.futilish.com/2017/08/mi-casa-su-casa-quanto-tempo-dura/

O revestimento do WC de minha mãe cometeu suicídio e se jogou da parede.

E eu comecei uma saga para reformá-lo às pressas e sem dinheiro.

Porque nóy que é assalariado, não temos um fundo de emergência. Aqueles ideais 6 meses de custo de vida guardadinhos numa aplicação rendendo para nos salvar quando algo inesperado acontecer na minha vida, não existem.

Então o que eu queria, gastar no máximo R$ 1.500,00 dinheiros em mão de obra, porque o resto a gente compra no roxinho e parcela. O foco era não gastar mais de R$ 5.000,00 …

Iniciei com os orçamentos  de mão de obra, umas indicações de conhecidos e talz.

Primeiro orçamento: R$ 2.500,00

Segundo orçamento: R$ 2.300,00

Dae bateu as palpitação né. Já posteguei as ideias, porque eu ia precisar juntar mais rúpias para poder pagar a mão de obra.

AÍ que mamys surgiu com a indicação do meu tio, de um desses moço que faz tudo, que estava terminando um trabalho de pintura na casa dele.

Pedi pro rapaz vir pra conversar e joguei aquele papo: ” Depois, quando eu terminar de pagar esse, quero fazer o outro também, então  capricha no precinho…”

Foi quando ele disse: “Vamos fazer os dois então, aí eu te faço um preço melhor.”

Huuuuuum… Brasileiro que sou, já pedi quanto custaria um, e quanto custaria dois.

“Se o senhor fizer dois, eu faço por R$ 1.000,00 se quiser só um, R$ 600,00”

Nesta hora eu escutei aquele carrapato que surgiu atrás da minha orelha e disse:

“Muito barato para ser bom.”

Eu foquei no preço bom e disse, vamos fazer logo os dois então!

Aí convidei mamys para ir escolher os revestimentos e ouvi um: Vai você e escolhe.

Gostaria de pedir que você que está me lendo, para que grave essa informação.

O fato é que, se antes eu tinha 5000 dinheiros para gastar em um banheiro, agora eu precisava gastar no máximo R$ 5.000,00 no material para dois ambientes, por motivos de: Limite disponível no cartão de crédito.

Corri lá na Panorama e grudei na especialista em revestimentos, a Jenyfer e começamos a missão.

Logo de cara eu resolvi fazer os dois banheiros iguais, porque em um imóvel de 75 metros eu acho válido manter a unidade de materiais.

E no escritório, depois da entrevista com o cliente a gente costuma selecionar 3 ou 4 modelos de revestimentos, mesmo sem saber onde vamos aplicá-los. Seriam:

Piso,

Detalhe de parede (as vezes são 2)

Parede geral.

Como eu estava SEM limitações de cores, e o banheiro original era inteiro branco:

Eu gostaria de mudar um pouco, mas sem fazer nada radical.

Montei dois conjuntos, um bege…

Lembrando que o orçamento era determinante, então eu fui em busca de revestimentos numa faixa de preço média.

Nem R$ 19,90 o metro quadrado, muito menos R$ 435,00 a peça.

E uma outra opção em branco e cinza:

Os preços estavam na mesma média, o detalhe da parede que era um pouco mais caro. Mas como detalhe é algo que vai em pequenas áreas, vale a pena pegar um mais bonitão.

Acabei não mandando foto para D. Necka (a.k.a. Mãe) apenas perguntei: Bege ou branco e cinza? e ela optou por branco e cinza.

WE HAVE A WINNER!

Entretanto muitos outros itens são necessários.

Ralo, torneira, cuba, acessórios porta toalha, vaso sanitário, caixa acoplada…

Escolhi um ralo com grelha (que fecha) porque evita a subida de insetos, caso sua região tenha esse tipo de problema. Eu tenho pavor de aranha então sempre uso esse.

Cuba é um item que é limitado pelo espaço que temos para colocar o móvel.

Aqui no Rufini 13A, a bancada fica com no máximo 65cm de largura, então eu queria algo pequeno, pra sobrar bancada nas laterais. Optei pela Deca L.41:

Além do preço amigo de R$ 69,90, ela tem 36cm de diâmetro, e apenas 31cm de corte na pedra, o que deixa livre pelo menos 17cm nas laterais.

Um cuidado muito importante é que a torneira seja compatível com a Cuba. Escolhi uma de bica média (pescoçuda) que é ótima para lavar as patas, a fuça e cuspir aquele monte de pasta de dente sem medo de errar o alvo.

Ela é da Perflex, uma marca intermediária, com uma boa garantia e R$ 89,00 é justo por uma boa torneira.

Adoro que o acionador dela é 3/4 de volta em forma de alavanca, então se você estiver com a mão molhada, consegue abrir e fechar sem sofrimento.

Tendo escolhido a torneira, é a vez de combinar os acessórios. Um que custa CARO PRA BURRO, é a duchinha higiênica:

Sério, 150 Temers por ela é algo que dói meu coração. E esse é um dos modelos mais baratos. Muitas vezes chegamos a trocar o modelo da torneira por causa da ducha, e ainda economiza-se 300-350 reais.

Sobre o cagadô, que eu expliquei como escolher um AQUI, optei pelo mais barato, yet menos feio, de 449,00.

E comprei a tampinha com amortecimento de 140 dinheiros, que até hoje me revolta.

Quanta coxinha de catupiry dá pra comer com esse dinheirão!

Eu lembro (mensalmente) que toda essa compra, para os dois banheiros, totalizou uns R$ 4.450,00

Contudo, tem um item que eu ia precisar, que é um filete metálico, que a gente usa MUITO nos nossos projetos, porque ele transforma o ambiente em algo extraordinário.

Como fazemos transições de pisos e de diferentes revestimentos com frequência, esse filete além de enobrecer faz com que o rejunte não fique desencontrado ou, quando necessário, a mudança de cor de rejunte seja discreta.

Só na próxima parte do diário é que será mais fácil de explicar. Porém o que eu não contava é que esse filete seria um regaço no orçamento. O que eu gostei MESMO, custava R$ 1.218,00 que era uma barra cromada de 7mm com 250cm de comprimento.

Acabei optando por uma mais simples, de 15mm de largura e 100cm de comprimento, ou seja, tem várias interrupções, mas custou “apenas” R$ 585,00.

No próximo capítulo, veremos a paginação, que é o modo que os revestimentos serão aplicados, a quebradeira toda e a colocação propriamente.

Quem viver, verá!

Beijo grande, não esqueçam de ver minha patroa divando no Instagran @Futilish e de comentar suas experiências aqui pra gente.

assilelo

 

Lifestyle
Decoração, Mi Casa Su Casa
17 set 2017, 60 comentários

Mi casa, su casa – Emergência! Evacuar!

Olá minhas leitoras divinas e meus leitores maravilhosos!

Tá tudo supimpa com vocês? (Vocês ao menos sabem o que supimpa significa? #tioidoso)

O post de hoje é um post que serve para o mundo todo, menos pra Sandy.

Vou falar de defecar! Não do ato, mas do aparato:

Como vocês ficaram sabendo AQUI, tivemos um caso de banheiro suicida no meu apto, e está rolando uma reforminha que estou registrando para fazer o diário de obra pras Fufu magnificas do meu coração.

Eis que eu me encontrei, quase lindo, quase alto, quase magro e quase rico numa situação diferente: eu estava escolhendo itens de banheiro para eu mesmo comprar. Então além dos detalhes técnicos eu tinha outro fator determinante: O escorpião que habita meu bolso.

Vamos primeiro de tudo para a parte teórica da coisa.

O trono é formado por 2 ou três partes, sendo: Bacia sanitária + assento, para quem tem a descida da água por dentro da parede com a válvula tipo hidra:

OU o mais comum atualmente: Bacia sanitária + assento + caixa acoplada, para quem mora em apartamentos ou opta por esse tipo para evitar (possíveis) transtornos de manutenção.

Sabendo disso abrimos um leque imenso de opções dentro das duas variáveis, inclusive o tamanho dos investimentos.

Contudo existem alguns detalhes que eu sempre saliento para meus clientes, que ajudam na funcionalidade e manutenção. Primeiro de tudo eu sempre indico os produtos que tem o “jato plus”:

EIKE TÊNIS SUJO! Perdão gente.

O jato plus eu chamo de “turbo do cocô”, afinal é um empurrãozinho extra – fisicamente é isso mesmo que ele faz.

Especialmente hoje em dia que – ainda bem – quase todos os modelos tem a descarga “ecológica” em duas potências – geralmente 3 e 6 litros essa força extra é bem vinda.

Agora a gente segue pro design da base do sanitário. Prefira sempre o que for mais liso possível, como esse:

No máximo, caso nenhum esteja disponível ou o valor seja absursdo… que tenha o parafusinho de fora, como esse:

Estes modelos com a base reta são bem mais caros, porque vai muito mais material para fabricar e também pela dificuldade de moldá-los.

Conhecendo isso evite os modelos com parafusos aparentes porque é ali que vai enroscar cabelo. É ali que o pano da limpeza vai prender e é neste mesmo parafuso do capiroto que você vai rasgar seu dedo tentando fazer a faxina. E agora me diga, tem lugar pior pra cortar o dedo do que no vaso sanitário?

Te rogo Fufu, se puder fugir feito uma gazela do leão de algum modelo, são esses:

Já imaginou a complicação de ficar alisando esse negócio cheio de curvinhas até tirar o pó?

Lembre-se que pra fazer isso você basicamente estará com a cara dentro do cagador.

E quem SEMPRE está presente nesses modelos mais simples? Quem? Quem:

Ele mesmo! O parafuso do Fred Kruguer.

Assim, pra deixar vocês já com uma noção de preço, um bom valor para um kit de Bacia sanitária + assento + caixa acoplada é de R$ 1.000,00 parece muito? Parece, e é. Entretanto me diga: Quantas vezes você troca isso na vida? Melhor comprar um razoável né?

Foi por isso que eu pulei o mais barato e comprei o 2º menor valor, porém com uma base lisinha (mas com parafuso do mal):

Sim, é um baita salto de R$ 198,00 para R$ 449,00 dinheiros, mas é a hora que você se agarra no nojo de limpar o vaso e enfrenta o escorpião.

Eu me lembro back in 2007 quando eu fui pela primeira vez com um cliente escolher esse tipo de produto. O valor era determinante e eu encontrei um com valor bem abaixo da média e tal, e o cliente só dizia:

“_Não. Esse não. Não quero esse.”

E eu pobre que sou, insistia no mais barato. Até que o vendedor se afastou e meu cliente disse (com um tom um pouco mais alto do que o normal):

“_Não vou comprar esse! Parece que ele tá rindo de mim!”

E desde então eu sempre enxergo os sanitários arredondados de um jeito diferente.

Mas vocês acham que acabou?

Tem que escolher o assento ainda. Assento é o que a gente chama de tampa mesmo.

Olha, se os preços são absurdos com a parte cerâmica da coisa, essa parte plástica não poderia ser tão mais absurda.

Tem desde aqueles de plástico que resseca, racham e beliscam a bunda:

Tem os que tem estofadinho, tem os que tem sistema de amortecimento para não bater:

E eu queria saber o que que esses daqui fazem pra custar 300 – 650 dinheiros:

Mas fiquei com medo de perguntar e me cobrarem a resposta.

Vamos falar daqueles que – literalmente – lavam e secam nossos países baixos:

Eles surgiram na Ásia, não sei onde especificamente, mas são conhecidos como japoneses.

Já tem aqui em Terra Brasilis um assento (tampa mesmo) que podemos compatibilizar com alguns modelos, além de alguns como este da foto, que já  vem com todo o sistema prontinho. Eles só precisam de uma tomada próxima além do que já é o padrão de instalação.

Tenho dois pedidos pra vocês, o primeiro é não zoar a tampa do vaso.

E o segundo – deixa eu ser cuidadoso nesse tópico – eu gostaria que vocês evitassem os “kits de decoração para banheiro”

E eu entendo que muitas vezes a gente traz o costume da família, da avó, da mãe, das tias… e não é que eu julgue todos esses conjuntos feios – apesar de uma parte significante deles serem feios mesmo.

Eu admiro o trabalho artístico, minha mãe mesmo faz crochê e eu acho incrível a capacidade de transformar um fio, com ajuda de um ferrinho, em algo completamente diferente.

PORÉM, tem dois componentes desses conjuntos que não tem como defender:

O tapetinho que “encaixa” no vaso, e o que “reveste” a tampa do próprio cagador. A não ser que eles sejam lavados cada vez que alguém que mija-de-pé use o banheiro, não dá pra conviver com todo o xixi que respingará neles e ficarão ali, saudando os moradores com um phedô incomparável.

Por sua atenção, obrigado.

Não esqueçam de deixar nos comentários dúvidas que vocês tenham sobre qualquer assunto relacionado a construção e decoração pra eu ir fazendo as matérias.

Não deixe de seguir nossa patroa no instagram como @futilish e euzin como @Tiolelofoz no instagram e no Snapchat.

As fotos utilizadas nos posts são coletadas na internet, e só apareceram aqui porque eu gostei, então, parabéns pra você que fez. Respeito muito seu trabalho e os créditos são seus. Se te incomodar a divulgação aqui, mande um email e eu substituo. BêXos.