ConstanzaComportamento
Cotidiano
22 mar 2020, 9 comentários

Festa Temática – Anos 20

Eu e Leo fomos convidados há duas semanas para uma festa temática, anos 20, estilo Grand Gatsby! Foi a festa de aniversário da Lu, Chata de Galocha e não poderia ser mais a cara dela. A festa foi numa casa LINDA aqui em BH, um espaço super acolhedor e que tem todo esse ar vintage, a Casateliê.

Estava tudo mais que perfeito, aliás, foia Mariella que organizou a festa da Lu, e vocês sabem que todas as minhas festas também é a Mari que faz né? Ela arrasa, já anota aí a dica de cerimonial perfeito em BH, Mariella Carvalho.

Gente, eu AMO festa temática, amo montar produções e fiquei felizona em montar algo num tema que eu nunca tinha me jogado antes, os anos 20!

Dei uma pesquisada no Pinterest, tanto para a roupa, acessórios quanto para make e cabelo e achei maravilhoso aprender um pouco mais sobre uma época tão linda e chique da moda.

Moda é história, não tem como desvencilhar uma coisa da outra. A moda é exatamente o reflexo do que acontece no mundo naquele momento e nos anos 20 várias coisas me chamaram a atenção.

Descobri que foi a década que a mulherada se libertou dos espartilhos do século XIX, aqueles que super apertavam a cintura, e também daquelas saias super armadas. Sabem por que? Porque em 1914 se iniciou a Primeira Guerra Mundial, os homens foram pra guerra e a mulherada teve que ocupar vários lugares de trabalho até então masculinos. E convenhamos que não dava para trabalhar naquela armadura vitoriana né? Os vestidos ficaram mais soltos, mais retos, mais curtos, mais confortáveis! O cabelo também ganhou praticidade e se encurtou.

Na maquiagem, sobrancelhas finas (muito finas por sinal, algumas até pinçavam ela completamente e faziam o risco de lápis), olhos esfumados e a boca escura de preferência em formato de coração. Remetia um pouco aos looks de boneca, tanto é que a moda naquela época era o sapato boneca.

Foi na época da alta de Hollywood, Greta Garbo, Bette Davis, Marlene Dietrich era as Divas da época. Fumar era chique por isso as piteiras em quase todos os looks. Foi uma década uma marcada pela alegria, pelo design (Art Déco), pelo final da Primeira Grande Guerra, pela liberdade, prosperidade, pelas festas, pelo glamour e luxo ao som de jazz e blues. Nos acessórios reinavam os colares de pérolas, as plumas, as franjas, o brilho!

Momento Futilish de Cultura: o que era uma MELINDROSA?

“Melindrosa é um termo típico dos anos 1920 usado para se referir ao novo estilo de vida da mulheres jovens, que usavam saias curtas, aboliram o espartilho, cortavam seus cabelos curtos (popularmente conhecidos como à la garçonne ou bob cut, hoje também como corte chanel), ouviam e dançavam provocativamente o jazz e o charleston e desacatavam a tradicional conduta feminina. Nos países de língua francesa e em outros países como Portugal, eram conhecidas como as garçonnes, nos de língua inglesa, como flappers, e melindrosas mais usada no Brasil. Usavam das brincadeiras com homens um estilo de vida, até então abominada como bons modos para as mulheres.

As melindrosas eram constantemente vistas como impetuosas por usar maquiagem excessivamente, beber, tratar o sexo como algo casual, fumar e dirigir, ou seja, fazer tudo que fosse tido como um desafio as normas radicais e limitadoras de outrora. As melindrosas tiveram suas origens em um período de liberalismo econômico, conhecido como os “anos loucos”. A turbulência social, a política e o aumento dos intercâmbios culturais através de viagens transatlânticas que seguiu-se ao final da Primeira Guerra Mundial, assim como a exportação do jazz à Europa, difundiram essa moda.” (FONTE: Wikipédia)

Quem mais surgiu nos anos 20? Ela, a revolucionária Coco Chanel! Adaptou a roupa masculina ao mundo feminino, inseriu as listras, cores como bege, marinho, preto. Cabelo curto, tanto é que o nome do corte veio dela! O empoderamento feminino foi fortíssimo nos anos 20.

Mas toda a alegria dos anos 20 durou até 1929, quando teve a grande quebra da bolsa de NY, os investidores perderam tudo e se deu início a grande depressão…

Mas vejamos um pouco em imagens, do que foi a moda durante os anos 20?

E agora querem ver como traduzi todo esse estilo dos anos loucos para a festa temática???

Eu AMEI me montar e montar o Léo! Vou dar os créditos de tudo aqui ok?

  • Vestido: da Arte Sacra, marca maravilhosa de roupa de festa daqui de BH. E achei ele TÃO, mas TÃO anos 20 que nem se eu tivesse mandado fazer sob medida! Perfeito demais!
  • Minha make e cabelo fiz no Tif’s Alameda, no momento da foto meu batom já tinha sumido mas era o Diva da MAC.
  • Meu acessório de cabelo eu mesma montei! No dia da festa mesmo fui na Galeria do Ouvidor, aqui no centrão de BH e comprei uma tiara e um pente numa loja de noivas. Cada peça custou certa de R$ 40! Daí fui em outra loja e comprei umas plumas que prendi com grampo.
  • O colar de pérolas também comprei na Galeria do Ouvidor, e paguei R$ 10 em cada um. Comprei 2!
  • A piteira comprei na Galeria também, numa loja de fantasias e custou R$ 14.
  • A roupa do Leo TODINHA é da SR Estilo, daqui de BH, eles alugam ternos, camisas, tudo. E tem coisas lindas viu?

E assim foi nossa noite de Anos 20! A festa foi linda linda e já quero mais festa temática! Depois da quarentena, claro. Gostaram?

ConstanzaComportamento
Cotidiano
24 jan 2020, 115 comentários

10 Coisas Que Odeio Em – Vida de Influenciadora

O título original era Vida de Blogueira, mas hoje em dia tudo virou meio que uma coisa só. Nem toda influenciadora tem blog e como vou listar coisas mais gerais, vou me denominar como influenciadora mesmo.

Mimetizando. Ninguém tá me vendo. @casacorminas

Muita gente acha que a nossa vida é a coisa mais linda e maravilhosa e legal e cool e cheia de dinheiro do mundo né? Mas nem é… Tudo vira trabalho, tudo é conteúdo, tudo tem que ser medido ao ser dito, não tem sábado e domingo, não… enfim, vou listar aqui!

  • Misturar a vida pessoal com a profissional – é TÃO contraditório o que vou dizer aqui mas juro que não sei explicar de outra maneira. Por um lado, mostramos nossa casa, nossos relacionamentos, nossa família mas existe uma linha tão fina entre expor tudo e querer manter um lado “protegido” que muitas vezes não sabemos como lidar e vejo MUITO isso internet afora. Por exemplo: você mostra um namoro, o dia a dia, as viagens etc. Daí você termina o namoro mas não quer falar sobre isso entende? E algumas pessoas ficam perguntando o que aconteceu, “cadê fulano”, imaginam motivos pra uma traição, ficam perguntando nos comentários das fotos coisas como “Alguém sabe porque fulana terminou o namoro?” como se a influenciadora não estivesse ali, lendo tudo. É pesado mas… pera, não era ela que mostrava tudo e agora acha ruim se alguém pergunta? O que mais me irrita é as vezes ser tachada como “pessoa pública”. Somos? Somos. Mas as vezes não queremos ser e precisamos de um silêncio. Sabe aquela pessoa sensata que sabe que deu merda na sua vida mas te respeita e espera você falar, você se sentir a vontade para comentar? Pois é, acho que falta isso na internet. É difícil explicar… eu sei.
  • Não existe lazer. Não existe. Sabe aquela foto linda na praia? Teve produção atrás. Sabe aquele jantar romântico? Teve uma pausa para a foto, montar a mesa bacana quebrando todo o romantismo. Sabe a balada com as amigas? Teve que fazer stories e evitar ao máximo aparecer em cenas comprometedoras. Sabe o evento top, a presença no show, aquele coquetel cheio de gente chique, os camarotes com bebidas caras? É trabalho. Dá para curtir, claro, mas curtir em ritmo de trabalho. Sei que isso é de cada um, mas como disse no início, tudo é conteúdo e se não mostramos parece que estamos “trabalhando” e não fazendo o serviço direito sabe? Gente, é MUITO difícil desconectar! Vocês não tem noção… e como isso é triste. Meu sonho era conseguir controlar o vício em redes sociais, mas ao mesmo tempo é meu trabalho. E aí? Como vive?
  • Muitos eventos. “Ah para né Constanza, você vai achar ruim ir em eventos tops com comida e bebida de graça?” Antes fosse só isso meu povo. Eu gosto de eventos, gosto de ver pessoas, gosto de conhecer coisas novas mas vocês não imaginam a energia gasta nisso. Energia! Energia do corpo! E são MUITOS eventos, tem semana que tem evento todo santo dia! Eu já cheguei num ponto que não vou em todos, escolho os que mais me agradam e vou. Mas fazer “social” repetidamente, dia após dia é muito puxado. A gente tem que estar arrumada, cara boa, maquiada, cabelo impecável, papo bom, alegre, disponível para fotos, simpática o tempo todo. E isso cansa pracarai. Sério.
  • Pessoas/marcas colocando preço no meu trabalho ou querendo permutar tudo. Gente, cá entre nós, as Dinos que estão sempre aqui… eu larguei meu trabalho “normal” para virar blogueira, porque o blog estava me dando mais dinheiro, prazer e realização do que o trabalho antigo. Continuo pagando contas, e as contas se pagam com DINHEIRO! Não é com roupa, com sapato, com acessório ou maquiagem. Quer oferecer permuta? Ok, ofereça, mas converse antes com a influenciadora, veja se ela trabalha assim, se tem como entrar num acordo, mas nunca ache “desepeito” se uma negar trabalhar em troca de produtos. A gente precisa do dim dim também.
  • Pessoas interesseiras aparecendo o tempo todo. Isso é uma coisa que muito me atormenta porque me entrego e me abro demais muito facilmente. Meia hora comigo e conto a minha vida toda. Ou melhor, contava, estou me policiando mais em relação a isso. Muitas, mas MUITAS pessoas se aproximam para tirar algum proveito, seja conseguir acessos a eventos, seja conseguir um “publi” amigo, ganhar coisas, enfim… acho isso tão triste… tem até homem que se aproxima pra ganhar holofote! E teve uma época que eu achei que não tinha ninguém de “verdade” perto de mim, achei que a Constanza não era interessante por si só… foi tenso.
  • Pessoas que perguntam “mas qual é seu trabalho de verdade?” AHHHHHHHHH PARAAAAA! gzuis, vem passar 24 horas comigo vem! Fora que o Futilish (seja no blog, no Insta, no Face, no Twitter, no Pinterest) é UMA EMPRESA! Pago impostos, contador, emito Nota Fiscal, pago funcionária, servidor, programador… é uma empresa e um trabalho como qualquer outro.
  • Tem uma coisa que vocês vão achar bem idiota mas que eu fico tensa rsrsrs. Ir em desfiles. Sabe por que? Porque fila A de desfile é a coisa mais disputada da vida e geralmente eu sempre to na fila A (que é a primeira fileira, aquela na beiradinha da passarela). As marcas que pedem quem eles querem ali, os RP organizam, e seria tão lindo entrar, achar seu lugar VAZIO e já sentar (e ainda ter seu jabá ali te esperando intocável…). Mas daí você entra, se der sorte, encontra seu lugar disponível mas tenha CERTEZA que não vai durar muito, pois as “migas” vão encaixando mais e mais “migas” e num lugar que caberia uma bunda, tem que caber 3. Ou 4. E ai de você se não der um espacinho pra outra sentar quase no seu colo. DETESTO. Ah e pra piorar, na hora do desfile, ela vai enfiar o celular na sua cara para fimar a passarela. Complicado ainda mais para uma pessoas que sofre de ansiedade como eu.
  • Instagram/Blog sair do ar no dia que tem que fazer um job. Meu Deus, acho que é a pior sensação do mundo. A coisa que mais me deixa stressada na vida é não conseguir cumprir a agenda do cliente principalmente quando é por algum motivo que não está sob meu controle.
  • Ver como alguns influenciadores enganam as pessoas. Vish que polêmico isso não? Olha só, esses dias uma pessoa me disse que sou meio grossa e por isso não tenho muitos seguidores. Ok, talvez não tenha um número muito grande mesmo mas são todos de verdade, todos estão aí porque acham meu conteúdo interessante e são mais de 100 mil pessoas interessadas (falando de Instagram) e tenho mais de 10 anos de blog ativo, visitado diariamente e que paga tooooodas minhas contas. E isso é muito melhor que ter um personagem fictício, número inflado, pouco engajamento e provavelmente pouca vida na internet! E eu sou na rede social EXATAMENTE quem sou fora dela. Se tô num dia ruim, ou eu sumo ou vou aparecer com a cara ruim mesmo. Já vi influenciadoras que chamam seus seguidores de “amores” “flores” “amadas”, fazem cara de meiga, de fofa, de docinha, algumas até mudam o tom de voz e quando desligam, fecham a cara e ainda solta um “ain que saco fazer stories”. Acho isso muito pior do que ser de verdade e as vezes passar uma impressão mais dura. Sei lá… apenas não consigo ser “fofinha” o tempo todo.
  • Engatando no ponto anterior, ODEIO QUEM FORJA NÚMEROS PARA CONSEGUIR MAIS VISIBILIDADE E JOBS! Isso prejudica DEMAIS quem faz um trabalho sério e honesto. Já fiz vários posts aqui no blog ensinando as pessoas e marcas – principalmente – como verificar se um influenciador tem número reais ou não. Acho uma falta de ética sem tamanho… a pessoa engana o seguidor e ainda engana o cliente oferecendo números que não existem! Se a pessoa é capaz de fazer isso para conseguir trabalhos, vocês acreditariam num produto que ela faz propaganda??? Não né? E acaba queimando a imagem de geral e prejudicando quem trabalha com ética e credibilidade. É um mercado muito injusto e sem lei.
  • Não se esqueçam que influenciadores são pessoas comuns, humanos, e tem dia ótimo, dia bom, dia ruim e dia péssimo. Não é porque um dia ele te cumprimentou com pressa, porque não conversou o suficiente, porque tirou uma foto rápido, que ele é sempre assim. Tem dia que a gente tá super cansada, tá atrasada, com dor de barriga, segurando xixi, dor de cabeça, problemas pra resolver e nem sempre dá para ser a pessoa mais simpática do mundo. Claro que nem sempre é assim, eu AMO AMO AMO quando me param para me dar um abraço (e gosto de abraço abraço, aquele apertado!), afinal é o reconhecimento do trabalho mas tem dia gente que nem dá vontade de sair de casa. Como todo mundo.

Acabou que fiz 11 pontos hahahaha. Mas ó, por favor, não estou reclamando da minha vida não hein? Só quero “desromantizar” a vida da blogueira. Eu sou completamente apaixonada pelo que faço, não me vejo fazendo outra coisa, adoro comunicar, adoro escrever (como podem perceber hahaha), adoro reunir pessoas com um mesmo propósito, adoro passar informação relevante, amo discutir problemas comuns e desejos comuns com pessoas que querem o mesmo, AMO transformar vidas, seja pela estética, seja por conselhos… não tem nada que me faça mais feliz do que receber um feedback de uma pessoa que nunca vi na vida me agradecendo por eu ter ajudado ela em algum momento. Fico imensamente feliz quando junto pessoas, mesmo sem minha presença. Adoro que as pessoas se “encontrem”! Cony Connecting People hahahaha.

Se eu tenho uma missão nesta vida, é ajudar vocês a sentirem melhor e mais felizes e faço o possível para que seja da melhor maneira. Não sou a mais meiga do mundo, mas tudo aqui é de verdade e de coração.

Sabe foto rycah? Temos! Achei que o look de hoje ficaria maravilhoso com um batom vermelho. Escolhi o Elegant Red do @oboticario e esse batom não poderia ter outro nome melhor. Ele é realmente ELEGANTÉRRIMO! A cor é super intensa e com uma passada só já fica bem pigmentado. Não é nada seco pelo contrário é cremoso hidrata os lábios e tem longa duração. Ficou chique sim ou sim? #naoprecisomasquero #qgfhitsnocidadejardim @fhits PH @julianadesouza
  • E em algum momento farei As 10 Coisas Que Mais Amo em Ser Influenciadora tá? São bem mais de 10, mas tentarei resumir!