Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
25 fev 2022, 21 comentários

Chora Que Eu Te Escuto

Hoje o Chora é dedicado aos cunhados e cunhadas! Vamos lá?

Chora 01 – Cunhada

Boa tarde! Estava pesquisando na internet, dicas pra me ajudar a lidar com essa situação que vou relatar agora, até que achei alguns desabafos em seu site e achei valido pedir uma opinião de uma pessoa de fora.
Então vamos lá: namoro a 5 anos e após alguns anos de namoro, comecei a perceber, uma relação em que minhas duas cunhadas (para ficar mais fácil de entender, cunhada A e cunhada B) eram super folgadas com o meu namorado (não somente com meu namorado, folgadas com todos, mas o caso que vou relatar é em relação ao meu namorado). Ele e a cunhada A dividem uma pequena empresa, onde no começo do namoro o carro que meu namorado tinha era para uso pessoal e também da empresa, minha cunhada tinha o dela somente de uso pessoal, e a empresa tinha seu próprio carro para uso também, então a empresa teria dois carros para serem usados, até aí ok. Chegou certo momento em que meu namorado quis trocar de carro, e o que ele escolheu não serviria mais para as necessidades da empresa. Desde esse momento, minha cunhada B que não é sócia da empresa, resolveu sair da casa dos meus sogros, ela já é a muito tempo independente e ganha super bem, mas mesmo assim, levou o carro dos meus sogros junto, para os mesmos não ficarem de apé, o carro da empresa foi emprestado até a bonita resolver devolver o carro, isso já faz mais de 6 meses, e promessa é sempre de que nesse mês ela vai comprar um carro e devolver o dos pais, o que nunca acontece. Agora vem o que deixa muito revoltada, o novo carro do meu namorado é um carro de passeio e uso pessoal, deveria ser pelo menos, mas como o carro da empresa está emprestado para seus pais, em virtude do que relatei acima, o carro do meu namorado está servindo como carro de carga e sendo usado todo dia para funções da empresa(funções essas que incluem principalmente entrega de grades volumes de mercadoria). Como se não bastasse isso, a cunhada A que é sócia e mora praticamente ao lado dessa empresa começou a vir trabalhar apé, o que não acontecia antes, então além de meu namorado deixar o carro a disposição da empresa o carro também fica à disposição da irmã para usar a hora que quiser e nem sequer pede se pode, simplesmente usa (já presenciei essa situação mais de uma vez). 
Outro fato é que todo santo dia meu namorado abre a empresa, e na maioria dos dias também fecha, quando precisei que ele saísse alguns minutos antes, a resposta foi sempre a mesma, não podia porque precisava fechar a empresa porque a cunhada A ia sair mais cedo, ele também trabalha todo sábado o dia todo e minha cunhada A fica de folga.Então comecei a questiona-lo o porquê disso, e pasmem, ele não acha que elas sejam pessoas folgadas.
Já tentei conversar várias vezes com ele, o que sempre acaba gerando uma briga, para que ele aprenda e dizer não e a se impor, a tentar apenas conversar com a cunhada B, para que a mesma compre logo um carro e devolva o dos seus pais, para que assim o carro da empresa possa voltar a ser usado na empresa. Já conversei com ele para conversar com a cunhada A, para que ela use seu carro, já que ela deixa estacionado em casa e todo dia usa o do meu namorado, para assuntos muitas vezes pessoais, sendo que se fosse necessário ela poderia buscar o carro dela em casa, já que ela mora praticamente ao lado da empresa. Às vezes acho que sou um pouco egoísta nessa história, mas não consigo ver as pessoas abusando da boa vontade dele e ele achando isso normal.

É revoltante? É, é sim. Mas pra quem é de fora. Pra eles está tudo certo e funcionando ok, então, se o maior lesado nessa história não reclama e acha que é normal, é assim mesmo e ponto final! Não tem que se meter. É coisa de família e enquanto isso não estiver te prejudicando, ou enquanto seu namorado não reclamar, não tem o que fazer. Cada família funciona de uma forma e se estão todos de acordo, that’s it!

Chora 02 – Cunhado

Cony, como vai? 
Tenho um dilema e quero um conselho, por isso estou escrevendo pro CHORA.
Minha questão é a família do marido. Acontece que tenho presenciado muitas “agressões” do irmão do meu marido com a esposa dele. Ele é divorciado e iniciou um segundo relacionamento (não são casados, mas é como se fosse) com uma pessoa que é muito bondosa e simples, personalidade muito diferente da dele. Ou seja, ela não reage a nada do que ele faz, aceita tudo literalmente de cabeça baixa. Eles tem 2 filhos pequenos. 
Ele a fez sair do trabalho pq segundo ele “o dinheiro que ela ganhava era tão pouco que não pagava nem a escola das crianças, por isso ela devia ficar em casa”. Tudo que ela faz tem que pedir autorização e dinheiro pra ele. 
Eu já presenciei brigas deles em que ele a mandava “calar a boca”, dizia que ela não estava na casa dela pra fazer o que quisesse, que era pra se juntar com pessoa X porque ela merecia era lixo. Enfim, agressões psicológicas e morais em geral. Eu sei que em briga de casal pessoas de fora não devem se meter, mas do meu ponto de vista, é clara a violência psicológica e financeira que ele comete contra ela. Me parece eminente que a agressão física ocorrerá no futuro. E cabe ressaltar que a bebida alcoólica está sempre presente no cotidiano deles. Pra mim é inadmissível que uma mulher que vive no século 21 não reaja a este tipo de agressão, portanto fico tendenciosa a defendê-la. Mas não tenho certeza se ela quer ser defendida e mudar esta situação. 
A minha dúvida é: devo me meter e defender uma mulher das agressões e da incerteza desse futuro ou ficar quieta no meu canto e não gerar stress com a família do boy? E como fazer isso?

Sou sua fã Dino e adoro seu trabalho! Obrigada por ser tão fantástica! Abraços!

Olha, complicada a situação… Eu tentaria ficar amiga dela, fazer ela se abrir, entender o que ela sente, se ela está bem, se ela percebe que está sendo agredida, porque, por mais incrível que pareça, tem gente que não quer ser ajudada ou tem relacionamentos que tem um nível de “agressão” (e deixo isso bem entre aspas aqui, não estou falando de agressão física, pelamordedeus) que os casais acham ok. Eu já cansei de ver casais próximos se xingando de uma maneira que EU jamais aceitaria. Mas eles aceitam, vivem assim e são felizes. O negócio é entender como é a relação deles, porque de fora a gente pensa muita coisa, mas só quem tá dentro sabe onde o sapato aperta. Dá vontade de intervir? Dá. Dá vontade de dar uma sacudida na moça? Dá. Mas se fosse assim, a gente sairia falando pra um monte de amiga separar. Fica amiga dela, fica próxima, escuta o que ela tem a dizer e SE ela tem algo a dizer. Mas observe, se um dia ela der sinais que precisa de ajuda ou se você presenciar agressão física, amiga, aí é voadora no cara de certa! Ah, e converse com seu marido, veja o que ele acha disso tudo, se ele vê o que você vê!

  • Quer participar do Chora? Quer desabafar? Contar um caso? Pedir um conselho? Mande seu email para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO. Sua identidade será mantida anonima!
Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
28 out 2021, 13 comentários

Chora Que Eu Te Escuto

Longas férias do Chora hein? Mas tenho recebido poucos casos e então dei uma segurada no restinho que tinha guardado. Não deixem o Chora morrer! Mandem seus desabafos, dúvidas, angústias para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO. Vejamos o que temos pra hoje!

Chora 01 – Chuva

Oi Cony, sou leitora dino e apesar de não interagir super leio seu blog (única news q eu assino) e acompanho seu trabalho bem de pertinho pq vejo em vc uma mulher que podia ser minha amiga. Seu estilo de vida é parecido com o meu, acho suas dicas ótimas, bem pé no chão, e adoro seus conselhos no Chora, sempre têm tudo a ver com o que eu diria então resolvi escrever e saber sua opinião numa coisa q ta me afligindo. Tenho um namorado 15 anos mais velho q eu amo e que me ama. Nos conhecemos há mais 20 anos e desde lá gostamos muito um do outro (nos amamos mesmo esse tempo inteiro) mas não conseguimos engrenar nada por conta de outros motivos. Pra dar um overview sobre ele, entendo q a diferença de idade pareça “muito” para algumas, considerando q eu to na casa dos 40, ele é um homem suuuuuper interessante, jovial, cabeça aberta, trabalha, faz doutorado, tudo super azeitado no sexo, enfim, não tem coisa ruim ou ponto negativo q mereça realce. Mas ele é um cara q qdo a gente diverge ele amarra a cara, fica o dia inteiro sem me procurar. Do meu lado, eu admito q sou uma pimenta ardida. Não sei se pq fico muito ligada nas questões feministas, em não me deixar oprimir pelo “patriarcado” (mt longe de ser uma “feminazi” mas sou ligada) e pq acredito na igualdade entre os sexos, aquele lance de dir iguais etc, eu não fico calada qdo não gosto de alguma coisa. Falo q não gostei. Poucos minutos depois q eu desabafo eu já esqueço, fico de boa, e.. procuro ele pq penso no tudo q caminhamos pra conseguirmos ficar juntos enqto ele, por sua vez, tá lá pistola lá “curtindo o bode”. Resultado, não conseguimos nos entender “rápido” nesses momentos. Ele acha q eu “começo” a confusão e eu acho q ele estende além do necessário.   Eu o amo de verdade, sei q ele tb me ama mas nessa hora, enqto estou procurando e ele diz q precisa de tempo pra “digerir” eu juro q penso em largar ele. Chutar o balde, fico recapitulando  pra mim mesma q não vou morrer por estar sozinha, q minha vida é muito boa, q tenho meus interesses, q vou viajar, procurar as amigas, essas coisas. Mas eu quero ser feliz com ele. Ele fez muitos movimentos reais pra possibilitar q a gente namorasse agora, e eu fiquei um tempão sozinha “esperando” q ele percebesse isso (q eu tava livre, q ele podia ‘vir”), valorizo esse relacionamento como nunca valorizei nenhum outro, sobretudo valorizo ele, mas não sei como lidar, não sei como mudar isso. Por conta da pandemia eu parei a analise e to aqui precisando de uma luz imparcial pra tentar me desviar desses momentos ruins e fazer isso tudo fluir melhor. O q vc acha, hein? “

Gata, quando um não quer, dois não briga. Se você gosta dele, ele é bom pra você e o problema é a pirraça, deixa ele pirraçar sozinho. Deixa falar, brigar, mesmo que você não concorde com uma palavra que ele fale no momento da discussão, deixa entrar por um ouvido e sair pelo outro! O stress não vale a pena… Mesmo porque você esquece tudo rápido, então pra que dar corda! Pensa nisso! Pelo seu relato tem muito mais prós do que contras… abstrai as sandices que ele possa te dizer e vai ser feliz.

Chora 02 – Brisa

“Cony, obrigada por esse espaço! Meu chora: sou uma pessoa feliz, sou bonita, inteligente e independente. Porém eu sofro muito por ciúmes. Mas não é um ciúmes normal, do tipo que desconfia, ciúmes do marido com as amigas dele, ciúmes dele ir para um bar sozinho etc. Eu me sinto mal até se ele seguir uma atriz bonita no Instagram, por exemplo. Não aguento pensar que ele está admirando outras mulheres, não aceito que ele assista pornografia, não consigo lidar com as ex, não me sinto bem se ele convive com mulheres que já ficou, sinto ciúmes das experiências sexuais dele antes de mim, fico o tempo todo imaginando que ele tem um monte de contatinhos, milhões de situações que me fazem mal. Não sei nem se posso chamar isso de ciúmes. Possessividade talvez. Mas me faz MUITO mal, me deixa ansiosa, sinto dor de cabeça, não consigo me concentrar em nada, tenho insônia, enfim, fico doente por isso. No início do relacionamento sou super alegre, amiga, sexo maravilhosa, super moderna, uma ótima companhia. Depois que me apaixono, acontece isso. Não aguento mais. Já fui até ao psiquiatra porque não é normal, eu sofro muito e prefiro não me apaixonar. Já fiz terapia também. Às vezes fico tranquila e depois começa tudo de novo. E eu sou adulta, tenho boleto pra pagar, emprego pra focar, filha pra cuidar. Não posso me dar ao luxo de ficar sofrendo por isso.Eu sou assim há anos e nada resolve.Eu já fiz de tudo que você puder imaginar, mas nunca encontrei uma forma de ficar em paz. São anos assim, fazendo terapia por anos, trocando de terapeuta, investigando infância, tomando remédios, mas não muda. Alguma leitora passa por isso? Pra você ter noção, eu soube que meu ex transou com outra mulher e passei mal. Mas é meu ex, não tenho nada com ele!!! Não consigo entender.”

Menina, eu ia indicar terapia, mas se você já fez, nem sei mais o que pode tentar. Vou te contar meu caso. Eu namorei uma pessoa por 15 anos e era extremamente ciumenta. Lembro que na época passava uma novela com a Giulia Gam que era a louca do ciúmes e eu me achava tipo ela. Nunca esqueci o nome do grupo que ela frequentava – MADA – Mulheres que Amam Demais Anonimas, e não é que ele existe mesmo e até tem site? Vou deixar o link AQUI pra vocês. Então, eu era master ciumenta, igual você, tinha ciúmes até da Rihanna hahahaha, sério, de chorar de raiva porque meu ex achava ela linda. Mas depois eu entendi porque eu era assim. Minha vida, era a vida dele. Eu vivia em função dele, dos horários dele, os meus amigos eram os amigos DELE, só fazia coisas com ele. Ficava sem chão se um dia, por exemplo, ele tivesse um compromisso sem mim. Eu ficava sem lugar, sem saber o que fazer naquele momento sozinha. Em um dos términos (porque era uma relação cheia de altos e baixos) eu fui morar nos USA e lá fiz amigos, comecei uma vida só minha, não sabia o que ele estava fazendo (não tinha nem whatsapp nem insta naquela época, então a gente ficava off mesmo), trabalhei igual burro de carga, vi que eu tinha vida própria, que era interessante sendo apenas eu e que era super capaz de viver sozinha. Quando voltei – e voltamos o namoro – eu tava com outra cabeça, já não tinha ciumes doentio e adivinha? Ele que começou a ter ciúmes, muito, de mim. Se meu relato em algum momento puder te ajudar, acho que se você se der conta que é uma pessoa com vida própria, que tem seu passado também, com amigos separados da turma dele, se você fizer a SUA rotina, cuidar da SUAS coisas, priorizar a SUA VIDA já é meio caminho andado! Foque em VOCÊ e seja segura de você mesma!

  • E aí? Ja mandou seu Chora? Estamos esperando hein!!