Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
11 nov 2020, 41 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Choooooora coleguinha!

Chora 01 – Ar

Oi Cony! Vim aqui chorar. Sei que muitas vão me julgar e você vai me dar uma bronca, mas vamos lá, senta que lá vem história…Em 2007 conheci uma pessoa através do finado Orkut e desde que olhei para ele, sabia que ele tinha alguma “coisa”, minha intuição me dizia que ele era muito especial, mesmo que virtualmente. Começamos a conversar e nos apaixonamos, ainda que fosse algo não físico.Com o tempo, ele me apresentou o BDSM (sigla para Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo), que ficou mais conhecido em  2015 com o filme “50 tons de cinza”. Eu sempre tive a fantasia de ser dominada por um homem, sempre fui um pouco masoquista e logo me identifiquei completamente. Porém já estávamos muito envolvidos e ele em outra cidade.Quando finalmente ele comprou passagem para vir para minha cidade (Mais de 1.000km de distância), eu amarelei e terminei tudo. Na minha cabeça, não ia dar certo esse namoro a distância, e pensei também como você sempre diz, palavras… “Falar até papagaio fala”. Mas ele ficou muito mal, como eu conhecia amigos dele, soube que ele largou o estágio que fazia na época, reprovou na faculdade que ele amava, até procurou uma religião para se ajudar. E enquanto isso muita gente me odiando por ter feito isso com ele. Eu também fiquei muito triste, mas eu preferi que fosse assim e levei minha vida para frente, logo me casei, (nunca realizei a fantasia do BDSM),  tive filho, arrumei um emprego e se passaram 13 anos até que eu perdi o emprego e resolvi fazer uma conta no LinkedIn atrás de um novo emprego e com isso me recomendaram fazer “conexão” com o perfil dele, (o LinkedIn pega contatos de tudo que é email antigo e aparece lá.) Eu curiosa, fui perguntar como ele estava. Durante esses anos eu mantive ele bloqueado. E conversa vai, conversa vem, com o passar dos meses, tudo veio à tona de novo, tudo que eu senti há 13 anos, parecia ter voltado com muito mais intensidade. Ele me mostrou emails antigos que tentou me mandar, me mostrou a busca que fez no Google para saber se me encontrava de alguma forma e só conseguiu descobrir que eu havia me casado. Ele também se casou, mas porque a namorada engravidou e ele por ter tido uma infância difícil, resolveu se dedicar a construir uma família, ser um pai presente, ser fiel à esposa (ele não teve família e sofreu abuso da mãe). Só que a esposa acabou traindo ele e ele está em processo de divórcio, enfrentando um sofrimento por causa do filho, porque vai perder a convivência diária com ele.Enfim, ele é um homem maravilhoso, tudo que eu sempre quis. Eu que achava que não tinha mais libido, comecei a me descobrir novamente. Mas como viver isso sendo casada? Eu não menti para ele e quando vi que as coisas estavam indo fundo demais eu tentei acabar com tudo e ele disse que se afastaria de qualquer mulher casada, mas de mim não, pois sempre lembrou de mim ao longo desses anos.Ele me pediu para ser meu amante, me implorou que eu não me afastasse novamente, que eu o entendia como ninguém e eu de novo pensei no que você sempre diz “Falar até papagaio fala”.Eis que ele compra mais uma vez a passagem e me mostra. Eu apelei, falei que ele não pode aparecer na minha cidade de surpresa, sou casada e errei me envolvendo com ele, ainda que virtualmente. Fiz novamente ele cancelar tudo e decidi bloquear de uma vez por todas.Mas esse homem não desistiu e gravou vários vídeos no YouTube e me mandou, pediu perdão pela insensatez e falou tanta coisa, me dizendo que o amor dele não era palavras. Eu não aguentei e desbloqueei.Passei um tempo confusa, mas decidi deixar ele vir. Ele estava ciente de tudo, que eu não poderia ficar com ele de verdade, nunca escondi nada dele.Menti para o meu marido e fui encontrar meu amor antigo num hotel na minha cidade. Foi tudo maravilhoso, vivemos finalmente a fantasia que sempre sonhamos em relação ao BDSM e parecia um sonho, tantos sentimentos misturados… Além desses desejos sexuais, temos muito cuidado um com o outro, da maneira que conseguimos, mesmo a distância. Ele voltou para a cidade dele e nossa despedida foi como duas crianças chorando. Eu tinha decidido que seria só aquela vez e nunca mais. Só que estou muito apaixonada. Não vou jogar tudo para o alto, tenho consciência de que estou errada e sim, eu amo meu marido. Mas não tenho mais desejo sexual por ele há muito tempo (já tentei de tudo), e ele não me entende como esse amor distante me entende.Agora ele quer voltar para me ver novamente e me diz que quer se mudar para minha cidade, e mesmo eu duvidando das palavras dele porque, “Falar até papagaio fala”, ele faz planos muito concretos e mesmo sabendo que sou casada, ele diz que espera o dia que eu tiver coragem de me divorciar e pensar na minha felicidade.Meu marido também é maravilhoso. Mas é tão diferente. Eu sinto como se meu marido fosse um porto seguro, que cuida de mim, que é um ótimo pai. E meu amante é aquela paixão que todos sentem vontade de sentir e que eu nunca senti na minha vida.Estou tão confusa, já dei milhões de motivos para ele se afastar, já conversei abertamente e ele sempre me convence do contrário, mesmo eu afirmando que até papagaio fala. E eu não sou uma menininha boba que acredita em tudo que ele diz, mas eu sinto verdade nas palavras dele.Eu não sei no que isso vai dar, sei que pode dar muita merda, mas eu simplesmente não consigo abrir mão, não quero abrir mão dele. Eu nunca estive tão feliz, Cony. Ai meu Deus!

Temos que saber aplicar a teoria do Papagaio Falante… ela não é isolada, vem acompanhada de vários comportamentos e atitudes. No seu caso, o moço me parece bem incisivo e certo do que quer mas… miga, você está casada. Ponto. A história acaba aí. Não julgo o lance do Christian Grey, cada um sabe da maneira que gosta de transar e ninguém tem nada com isso, não julgo ser um amor surgido do Orkut e tal, mas sim o fato de você já ter uma família e não está considerando nem se separar. Não dá pra ter tudo na vida e antes de embarcar num romance extraconjugal, antes do cara ir morar de vez na sua cidade, põe na balança se vai valer a pena ou não. Na MINHA OPINIÃO, se você nem cogita largar seu marido, esquece essa aventura. Paixão passa e pode fazer um grande estrago na sua vida. Agora, se você pensa em separar e ficar com o Christian Grey, separe primeiro e depois dê sequencia a história. O que não é justo nem com eles e nem com você, é ficar nesse vou-não-vou e colocando em risco um monte de coisas AND pessoas. Faça as coisas do jeito certo, SEMPRE.

Chora 02 – Terra

Olá! Amo seu blog, acompanho há anos. Vamos ao meu caso, há alguns anos atrás namorei um rapaz ficamos pouquíssimas vezes e começamos a namorar, namoramos 15 dias e terminamos. Minha mãe o conheceu e teve nojo dele, muito nojo. Ele não era bonito e era pobre, durante os 15 dias que fiquei com ele ,ela me disse um milhão de vezes o quanto ele era pobre, feio e nojento, terminei com ele porque eu não quis mais. Bom, o que acontece é que ela me lembra todos os dias até hoje depois de anos dele. Ela repete diariamente o quanto ele era pobre, na verdade ele era um trabalhador como a maioria dos brasileiros, estudava e levava a vida normal. Todos os dias ela me diz que ele era feio, nojento, pobre, qualquer briguinha que a gente tem ela traz ele a tona, se eu e ela nos estranhamos, ela começa a xingar ele  de todos os nomes, quantas vezes de madrugada ela já acordou me falando coisas horríveis dele. Depois dos dias que namoramos nunca mais o ví, mas todos os dias ela faz questão de esfregar na minha cara que eu namorei com uma pessoa sem valor nenhum. Não sei como lidar com essa situação, tem sido motivo para inúmeras brigas nossas, quando ela começa com esse assunto eu já me altero. Nós duas nós damos muito bem e somos muito amigas mas, com essa situação não sei lidar.

Ihhhhh, sei lá hein… pra sua mãe ter essa birra toda do cara assim de graça, alguma coisa tem. Tenho escutado tanto caso bizarro que não me surpreenderia com nada… Da proxima pergunta pra ela: “Mãe, você ficou apaixonada por ele? Queria ter ficado você com ele? Porque pra ter essa fixação toda com um cara que até eu já superei, é porque você sentiu algo por ele heinnnn!” Aposto que ela vai parar de tocar no assunto.

Chora 03 – Fogo

Oii Cony, tudo bem? Você é a minha preferida, sempre acompanhei o Chora mas nunca me imaginei fazendo um. Tenho 25 anos, namorava há 5 anos e meio, foi meu primeiro namorado, passamos por muitas coisas juntos, amadurecemos juntos, éramos melhores amigos, ele me conhecia como ninguém. Tínhamos discussões pontuais, como por exemplo, a mãe dele, muitas vezes tentava me controlar financeiramente, sendo que tenho minha independência financeira, nunca pedi nada a ele e mesmo assim ficava incomodado com os meus gastos…e por último mas não menos importante, o quanto ele se transformava quando estava com os amigos, simplesmente esquecia que eu existia e era totalmente influenciado por eles, como se tornasse uma outra pessoa, mas quando eu questionava, sempre dizia que estava louca, e não era nada disso…mas, no ano passado quando estávamos prestes a terminar, nos sentamos, conversamos, e ele me prometeu melhorar nesses aspectos…pois bem, a partir daquele momento tivemos o nosso melhor ano, viajamos muito, sem brigas, sem discussões por besteira, pela primeira vez sentia que finalmente tínhamos nos entendido, até vir a quarentena….Todas as nossas brigas de antes ressurgiram de uma só vez, me fazendo perceber que ele não tinha mudado e nem me entendido, mas sim estava colocando tudo “embaixo do tapete” pra me agradar…até inveja por eu ter recebido aumento de salário, ele ficou. Como moro com meus pais e passei a trabalhar em casa, tomei pra mim como missão e obrigatoriedade de cuidar deles, os dois são do grupo de risco e não posso ser irresponsável trazendo  doença pra eles. Consegui entender o aviso que o mundo estava nos dando, parei pra refletir sobre tudo e entendi que precisamos de mudanças. Eu mudei muito, levo a sério a quarentena, e vou continuar até a vacina, só saio quando de fato é necessário, estou há 7 meses cumprindo da forma mais rígida possível, e fico indignada como as pessoas estão vivendo como não existisse nada…e ele foi uma dessas pessoas que não conseguiu entender. Desde o início da pandemia, ele saía pra visitar os amigos todo fds, viajando com VÁRIAS pessoas pra fazer trilha… tudo isso sem máscara, sem nenhuma proteção, e ainda questionando e discutindo o pq eu não o aceitava na minha casa, achando exagero…dei conselhos, pedia pra ele se cuidar, até pq ele também mora com os pais, mas não adiantava, dizia que se cuidava, mas nas redes sociais mostrava o contrário…Passei 5 meses aguentando, tentando “deixar pra lá” mas não aguentei, mudei muito nessa pandemia e percebi que o que eu mais almejo hoje, é a saúde dos meus pais e a minha saúde mental. Eu precisava ter amor próprio e me colocar em primeiro lugar. No final de agosto terminei, e até hoje ele faz questão de dizer aos quatro cantos que eu não tinha motivos, que agi de maneira exagerada, que não tinha necessidade…mas e a minha saúde mental? E a minha paz? Depois de 2 meses sem ter dúvidas da minha decisão, passei a me questionar se de fato tomei a decisão certa, choro de saudade, enquanto ele vive a vida como se nada estivesse acontecendo…Nesse momento 70% de mim me dá certeza que tomei a decisão correta, mas os outros 30% são de pura indecisão e não sei o que faço. Bjos Cony, te adoro!

Eu diria que os 30% são de carência mesmo, afinal você está de quarentena, mais do certa, cuidando dos seus pais e sem contato com ninguém! 70% de certeza é o suficiente para saber que você tomou a decisão certa, além disso, que namorado é esse que fica com inveja do seu crescimento profissional??? Só isso pra mim já é um grande alerta vermelho. Fica firme, parabéns pela consciência e não sofra, você demonstrou caráter e empatia, e ele não!

Essa frase se aplica ao primeiro caso também hein!

  • Choras ABERTOS! Podem mandar seus casos, suas dúvidas, suas indagações, seus desabafos, problemas, aflições para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO! Manterei seu anonimato!

Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
28 out 2020, 27 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Teremos casos eternamente? Acho que sim rsrsrs. Vamos lá!

Chora 01 – Bruxa

Oi Cony! Tudo bem? Acompanho seu trabalho há bastante tempo e agora senti a necessidade de buscar opiniões do Chora. Você tem propósito de vida? Do tipo acorda feliz porque vai fazer aquilo que ama, que enxerga crescimento, que não importa chuva ou sol você vai cumprir suas atividades feliz? Isso que estou pensando há alguns meses. Qual o meu, quando as pessoas sabem que encontraram o propósito? Imagino que comecei a pensar nisso por causa da quarentena, pois vi minha rotina ir pro ralo, e justamente eu fazia uma rotina tão cronometrada para não ter tempo a pensar “na vida” (tipo auto sabotagem). Hoje não consigo ficar a toa, descansar, simplesmente largada num canto. Sempre penso que deveria estar fazendo algo, produzindo, buscando algo maior, mais significativo, e ao mês tempo me sinto triste por não conseguir nada disso. Comecei terapia por conta do trabalho (aquela coisa que já passou pelo Chora, chefe autoritária, tudo é pra ontem, se não faz do jeito que ela quer você é lenta e burra, já falou abertamente numa reunião que prefere somente duas pessoas do time, enfim, totalmente sem gestão de pessoas). Me pego pensando em tudo isso, em tudo que não está bem durante o meu hobbie (pedalar) e isso não deveria acontecer, deveria ser o momento de desligar de tudo e curtir a atividade que amo. Enfim, vou levar esse aspecto também pra terapia, mas queria saber, o que fazer pra sair desse mar de tristeza, de que tudo tá mal, desandando, sem reconhecimento, sem suporte, sem o tal do propósito, sem algo pra se apegar e viver a vida e não simplesmente existir?

Menina, não serei boa pra te responder isso porque eu AMO o que faço, sou extremamente feliz com meu trabalho, com o reconhecimento, satisfeita com o que ganho (sempre dá para ganhar mais, melhorar, mas não posso reclamar de nada), tenho a vida que sempre quis ter e não me imagino fazendo outra coisa. Quando percebi isso? Quando larguei um emprego que não me fazia feliz pra me dedicar ao que amava. Claro que no início senti medo, achei que não daria conta de viver de blog, internet e afins mas graças a Deus só cresci e nem me imagino trabalhando no que fazia antigamente, parece que não era eu, ou que estava a espera dessa transição. Acho que o segredo é fazer o que se ama, estar atenta para as oportunidade e não subestimar os sinais… mas sei o quanto isso é difícil em geral, só sei que, se a gente não tiver coragem de se jogar no que realmente preenche e satisfaz, a vida passará e nunca saberemos o que poderia ter sido. O meu problema atual é que trabalho muito, o tempo todo e vivo pensando em coisas novas, meu lazer foi zerado mas não acho ruim… só que é ruim sabe? Eu não acho, mas inconscientemente eu preciso de uma pausa… enfim, também estou na terapia mas para aprender a desacelerar, acho que todos precisamos disso e sim, leve seu questionamento pra terapia, vai te ajudar muito!

Chora 02 – Caveira

O meu chora é com relação às minhas amizades. Eu sou o tipo de pessoa mais introspectiva, demoro a formar amizades verdadeiras. Normalmente, sinto que fico mais na área do coleguismo mesmo. 
Mas mesmo assim, formei um grupo sólido de amigas, ao todo somos em 04 mulheres. A questão é, desde que a pandemia – e consequentemente, a quarentena – começou sinto que elas desapareceram. Às vezes uma simples mensagem leva dias para ser respondida, isso quando é respondida. 

Entendo completamente que todo mundo tem seus afazeres pessoais e não pode viver 100% em prol do outro. Mas, no nosso caso, apenas eu trabalho em tempo integral e mesmo assim tenho tempo para responder, lembrar dos aniversários, comprar presentes e até festa online surpresa eu planejei. Acho que o mínimo de uma amizade é demonstrar carinho.
Todavia, não sinto reciprocidade, sabe? Parece que me esforço sozinha para manter a amizade. Se eu não incentivo encontros (mesmo os via internet), eles simplesmente não acontecem. Inclusive, quase sempre tem uma que desmarca, sem demonstrar interesse em marcar para outro dia.
Recentemente duas das amigas começaram um relacionamento (não entre si), então entendo que também queiram passar tempo com os namorados. Mas já perdi uma amizade muito querida por ela viver 100% em função do namorado, somente me procurando para falar de problemas no relacionamento  e nada mais.
Com esse grupo sinto que as coisas tem seguindo a mesma dinâmica, sempre que elas têm algum problema elas jogam no nosso grupo, mas quando sou eu, elas não respondem ou só dão respostas padrão.
Dei alguns toques, falei que estava achando elas afastadas, mas nada mudou muito. Eu já comecei a me afastar e não estou mais respondendo todas as mensagens como fazia antes, apesar de considerar isso mesquinho.
Fico triste porque, como eu disse, não tenho o costume de ter amizades muito profundas, fora uns 2 outros amigos, minha mãe e meu namorado, sinto que não tenho com quem conversar. Principalmente assuntos de mulher.

Sei que as pessoas precisam aprender a viver sozinhas, mas uma ou  outra amizade não machuca, né? Então queria saber se mais alguém passou por isso nesse período e considerou completamente normal ou se realmente não é algo comum. Será que tem como reparar a situação melhor só seguir em frente?

Acho que todo mundo está meio assim durante a pandemia, inclusive eu sou a amiga que sumiu e mal respondo mensagens. Sério, assumo! Minha rotina mudou tanto, tô tão imersa no meu mundo/casa, cheia dos afazeres domésticos, tenho o marido do lado o tempo todo pra conversar, que sinto que me afastei do mundo real sim. E não é por mal ou por ter acontecido algo interno, acho que é efeito da pandemia mesmo, as pessoas começaram a se saciar mais “internamente”… Continue fazendo o que sempre fez e não cobre tanto os outros, com o tempo você vai ter a resposta sobre suas amizades… Mas não fique achando que foi algo que você fez, que é por sua culpa, ou que tem algo estranho. Geralmente não tem NADA mesmo! E se você já falou que tá sentindo elas afastadas e pouca coisa mudou, fique na sua. Amizade não se força!

Chora 03 – Fantasma

Nunca tive muitas chances no amor enquanto adolescente. Sofri todo tipo de bullying com relação ao peso, a minha raça etc. 
O primeiro cara que me pediu em namoro demorei pra aceitar, porque insistia tanto que não parecia real. Quando aceitei durou pouco. Ele me traiu, na primeira oportunidade e com uma conhecida do nosso grupo de amigos.
Por causa dessa decepção, me enchi de autoestima e coragem e mudei até de país. Quis começar uma vida Nova. Tive vários rolos e toda vez que minha vida amorosa parecia que ia dar certo, acabava…ou era por causa de amigos, ou por ex namorada que aparecia grávida, ou por que afinal ele era casado, teve uma vez que nem houve explicação. Simplesmente acabou o amor.
Passado uns meses da última decepção, conheci um homem. Que em tudo era perfeito pra mim. Na conquista, na vontade de estar juntos, no carinho tudo. Ouvi pela primeira vez um sincero eu te amo. Ficamos noivos. Durou 4 anos. E em 2012 ele morreu. Sofri, fiquei doente e me traumatizou muito. Depois de um tempo resolvi ouvir a voz das pessoas ao meu redor e segui em frente.
Voltei ao zero, rolos sem futuros. E me apaixonei 2 vezes. Esse último terminou comigo no final de semana. Motivo: tudo o que eu fiz por ele, todo o amor que eu dei e demonstro ele interpretou como se eu jogasse na cara dele alguma coisa. Tudo q eu falei ele entendia como indireta. Quando era na brincadeira. E muitas coisas que ele falou p mim e me ofendia eu deixava passar. Ele me colocou pra fora da casa dele no meio da noite. Resultado…estou sofrendo horrores.
Quando o amor é demais? Devemos demonstrar amor? Quem ai gosta desse joguinho de vou deixar ele gostar mais de mim que eu dele? Não é suposto um casal gostar, se respeitar e superar discussões?
To perdida, decepcionada e desesperada. A vida passa tão rápido…só desejo ser feliz e sentir amor de volta, que dure mais tempo de preferência.

Já te adianto uma coisa, se tem joguinho é bem provável que dê problema em algum momento. O amor é leve, é natural, é recíproco, é na mesma intensidade, é tranquilo, não te faz sofrer, não te faz chorar e nem te faz duvidar. Se o “amor” te força a ser algo que você não é, se te força a falar coisas que você não falaria, se te força a sempre ter que se explicar ou pisar em ovos, não é amor. Sinto te dizer, mas muitas vezes a carência nos faz enxergar amor onde ele não existe. O amor também não tem que ser demonstrado o tempo todo pra ser visto, não se mede, não se compara, ele apenas EXISTE! E você vai saber quando o amor é de verdade quando perceber que tem alguem ao seu lado que te aceita exatamente como você é, que te respeita, que te ouve, que te apoia, que não te pressiona, que te admira e ainda é seu parceiro e companheiro. Existe isso? Existe SIM, mas isso acontece naturalmente, não é cobrado nem forçado, é NATURAL. A única coisa que você pode fazer enquanto não encontra isso em outra pessoa, é encontrar o AMOR EM VOCÊ MESMA. Ou seja, se respeite, seja sua melhor parceira, sua maior incentivadora, queira seu bem, se mime muito, se trate como uma princesa. Quando a gente está cheia de amor proprio, ele transborda e quem perceber vai te valorizar e te tratar como você mesma se trata. Fica bem e cuidado com a carência, ela é nossa pior inimiga.

  • Choras abertos amiguinhas! Mandem seus desabafos, suas dúvidas, seus medos, suas indagações para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO! Sua identidade será preservada viu? E TÁ CHEGANDO O HALLOWEEN!