Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
29 jul 2020, 41 comentários

Chora Que Eu Te Escuto

Ah para. Já é quarta feira de novo????? GENTE SOCORRO!

Vamos pro Chora de hoje, o último foi polêmico, o que teremos de novo por aqui?

Chora 01 – Capuccina

Acompanho seu blog e todos os Choras desde os 14/15 anos quando ainda nem conhecia esses dramas de relacionamento hahaha Hoje tenho 21 anos e namoro há 1 ano e meio com um cara super gente boa (da mesma idade). Mora com a mãe, mas é financeiramente independente, sustenta os dois. Nós éramos amigos por anos antes de começarmos a namorar e ela sempre me adorou. Quando começamos a namorar, ela mudou completamente. No nosso primeiro dia juntos ela mandou pra ele: “avisa pra ela que eu sou chata”… Ela oscila muito entre gostar de mim (por eu ser super caseira, não gosto de balada, não fico até tarde fora, nos conhecemos na Igreja… Ela é mega tradicional e controladora) e me odiar! Eu sou muito tranquila e sempre tentei relevar todas as situações que ela já me colocou: Vários surtos dizendo que não queria que eu fosse na casa dela nunca mais (nunca falou na minha cara, mas fala pra ele, que me conta), já me ignorou várias vezes em público… Mas depois parece que ela esquece e fica tudo normal. Além de temperamental, ela é super ciumenta e abusiva com ele. Se ele faz qualquer coisa que ela não queria, ela esculacha sem dó. Ele ignora, diz que já está acostumado a conviver com isso. Isso me incomoda mas não posso me meter, né? Tento nem comentar sobre coisas que não me atingem diretamente. Até que um dia ele me contou que ela me chamou de piranha e disse que não queria me ver nunca mais (só porque ele passou alguns dias vindo aqui em casa direto, e dormiu aqui no final de semana). Achei um absurdo sem tamanho! Todo mundo que eu converso sobre isso diz que eu não devia levar em consideração já que ela não falou isso diretamente pra mim, e sim pra ele, e ele que não deveria ter me contado… Mas eu prezo muito pela sinceridade num relacionamento  e entendo o porquê dele ter contado. Mas fiquei muito chateada. Agora ela já quer voltar a falar normal comigo mas eu não sei nem como agir perto dela sabendo que ela falou tanta coisa de mim, mesmo que tenha sido da boca pra fora. Eu detesto ter que fingir que tá tudo bem. De gente que faz o auê e no dia seguinte exige que você esteja de boas eu já tô cheia… Não queria, mas já fico projetando como vai ser se a gente casar e eu tiver que conviver com esse inferno por anos. Não consigo lidar bem com essas oscilações de humor dela. Mas por outro lado não quero chatear meu namorado e tenho medo dele pensar “po, mas quando minha mãe resolve ficar de boa você também não colabora”. Mas eu não consigo esquecer todas os ocorridos anteriores. Help!! Tô exagerando? O que fazer?

Esse moço não tem que te contar essas coisas nãoooo! Só vai envenenar ainda mais sua relaçao com a mãe dele. Pra que gente? A mulher tá super ciumenta, uma hora ela “quieta” (assim esperamos) mas ele não precisa ficar de leva e trás de desaforo não. Fala pra ele que se ele quiser que você tenha uma relação pelo menos aceitável com a mãe dele, que não tem conte as tretas que ela fala de você. Concordo com seus amigos. A fofoca só existe quando tomamos conhecimento dela.

Chora 02 – Pingada

Oi Cony, sou sua seguidora Dino, adoro vc. Meu chora é  diferente, meu caso é com meu filho,  ele nunca aceitou a minha separação com o pai, na época ele tinha 6 anos, fiquei 2 anos sozinha evitando qualquer relacionamento para protege-lo, passamos muita dificuldade, perdi meu emprego, meu ex não dava um centavo, tudo de ruim de uma vez só, mas fui a luta, trabalhei, refiz minha vida, até que arrumei um companheiro e após 1 ano e meio de namoro resolvemos nos casar, ele já na fase de adolescente fazia de tudo para atrapalhar,  resolvemos mudar de cidade e fomos para o interior,  meu marido fez questão de montar toda uma estrutura confortável para ele, mas tudo em vão,  nos finais de semana com o pai, ele voltava diferente, até que ele resolveu morar com o pai, fui contra, tentei tirar da cabeça dele isso, mas o pai apoiou e fez de tudo para que isso acontecesse, quase  enlouqueci  pensei em largar tudo e voltar para cidade junto dele, mas fui para terapia e como o ex sempre foi ausente, fui aconselhada a deixá-lo com o pai e assim foi, nossa relação melhorou, porém sempre senti uma rejeição por parte dele, o pai sempre omisso e o jogava contra mim, infelizmente mãe perdoa tudo e fui vivendo, agora já moço, formado quis morar sozinho, fui comprei um apto pra ele e no pacote a namorada foi junto reformei e mobilhei tudo, mas é assim tenho sempre que estar implorando para vir a minha casa, Natal e Ano Novo nunca podem passar comigo, fico sempre com as migalhas estou cansada, tenho 53 anos , vivo feliz com meu marido, mas um pedaço dentro de mim morreu, me sinto excluída, ele não conta as coisas pra mim, mas quando  precisa $$$sabe onde buscar. Gostaria de um conselho, minha vontade é não procurar mais, a nora tb não ajuda muito nessa relação,  sempre busca desculpas para que não venham me visitar.  Tenho mais 2 filhos com meu marido e ele nem faz questão dos irmãos. E é assim que vamos vivendo. Grande beijo e obrigada.

Ô meu Deus, vem cá dar um abraço vem? Senti daqui sua tristeza… Qual o erro de uma mulher refazer sua vida, encontrar novo amor, depois de ter passado tanto perrengue? O seu filho é mal agradecido, me desculpe, mas é o que me parece. Agora, sendo bem neutra e querendo entender bem os dois lado, será que não tem algo que magoou ele na sua separação? Não sei como foi, se teve gritos, violencia, mas porque ele tomou tanto o lado do pai? E agora crescido, o que deveria ter feito ele amadurecer e te dar valor, continuar assim? Mulher do céu, você ainda deu um apartamento pra ele e te trata assim. Me conta, já conversou com ele? Do jeitinho que você tá contando aqui pra gente, já falou isso tudo pra ele? Já demostrou sua tristeza, sua decepção? Tente fazer isso mas mais como uma maneira de entender o motivo dele te tratar assim, não como uma cobrança ou como carência sabe? Acho que a conversa entre vocês dois é algo muito importante. Espero de coração mesmo que isso se resolva e você fique em paz.

Chora 03 – Americana

Boa tarde Constanza, tudo bem? Sempre acompanho o “chora” e chegou minha vez de chorar hahaha. Esse meu email foi motivado por ler seu post sobre o término de um relacionamento de quase 15 anos. Li, reli, pensei, repensei.Namoro há uma década. Fiz faculdade, pós graduação. Ele “tentou”, mas não quis estudar nem trabalhar nos negócios familiares. Decidiu seguir uma carreira artística, a qual sempre apoiei. Ele mudou de cidade por conta disso, eu fui atrás, arrumei uma pós e um emprego nesta cidade. Porém, depois de anos sem retorno financeiro, ele passou um período bastante deprimido com o fim de um projeto artístico de anos. Passamos por uma crise, pois depois desse tempo todo, não tínhamos planos concretos de uma vida juntos. Ele tem suporte financeiro da família, o qual eu sou contra, e acho que ele se acomodou. Eu passei estes anos todos fazendo uma poupança e planos para uma vida juntos. Enfim, depois de vários conflitos nesse sentido, decidi “aceitar” esta condição dele e seguir na relação. Mas tenho sentido profundamente que meu sentimento mudou. Não sinto a mesma saudade de antes, não sinto vontade de fazer planos, estou passando um tempo com a família na minha cidade de origem e não sinto vontade de voltar para ficar junto. Já tentei conversar inúmeras vezes, fui honesta com o que penso sobre a vida a dois, ofereci para pagar terapia ou achar um psicólogo a valor social (sou psicóloga e tenho contatos), ofereci para ir ao psiquiatra, pesquisei cursos que ele poderia se interessar, apoiei todos os planos, enfim, me sinto saturada. 
Só que como nos damos bem, temos vários amigos em comum, gostos parecidos, e somos um casal que se dá bem, eu me sinto uma carrasca por esse sentimento ter mudado. Tenho medo de tomar uma decisão errada, mas ao mesmo tempo, sei que estou sendo injusta de ficar numa relação onde me sinto mais uma amiga, mãe ou irmã mais velha do que uma namorada. Sinto que mudamos muito nesses anos todos e queremos coisas diferentes, mas fico lutando contra o que sinto.

Miga, você está perdendo tempooooo! Me vi em várias frases do seu relato, e posso te aconselhar com toda certeza: sai desse relacionamento. Ele está acomodado e NÃO VAI MUDAR. Não será por você nem por ninguém, ele vai mudar só quando ele quiser. E se não quiser, você passará o resto da sua vida cuidando dele como se fosse um filho ou irmão mais novo e cheia de esperança que um dia ele vai acordar, mas não vai. A pessoa quando não quer fazer algo, quando nem tem iniciativa, não vai ter. E se isso é uma pedra no seu sapato, já toma outro rumo pra sua vida. Se dar bem, ter amigos em comum, gostos parecidos, não vale uma vida inteira insatisfeita, infeliz e ANGUSTIADA, porque sei bem que o que você sente quando olha pra ele ou quando está com ele é ANGUSTIA, e isso é muito ruim. Vai viver, a vida é linda, tem tanta gente bacana no mundo, às vezes não será alguém que terá muitos amigos em comum, às vezes será alguém que não tem exatamente os mesmos gostos, mas procure alguém que você ADMIRE. A admiraçao é a coisa mais linda, mais gostosa e mais preenchedora de coração de se sentir por um parceiro, tô te falando. Vai por mim. Ah, e pode ser que um dia seu namorado mude sim, PODE SER, mas você não merece passar mais anos angustiada e na espera de um milagre né? Deseje boa vida pra ele e vá viver a sua com tudo o que você tem direito.

  • Vamos dar uma fechadinha no recebimento dos Choras? Consegui acumular um tiquinho por aqui! Assim que desafogar aviso ok?
LifestyleComportamento
Bem Estar, Cotidiano
24 jul 2020, 76 comentários

Ser Ou Não Ser Vegetariano?

Aposto que estão lendo este título com estranheza, afinal eu nunca falei sobre isso e vivo comendo carne.

Sim, sou carnívora, adoro um churrasco e ao mesmo tempo AMO AMO AMO os animais. Contraditório, eu sei, e nem sei explicar se o fato de eu comer carne é vergonhoso e incompreensível ou não diante do meu amor pelos bichos. Sério, não sei me defender.

Mas bem, o Leo, meu marido, virou vegetariano. Já tem alguns meses e no começo eu falava: “mas você nem gosta de cachorro!” e não é que ele NÃO GOSTE de cachorro, é que ele nunca teve um na vida e não sabe como lidar com esse amor que a gente sente por eles e que nos faz tratar como se fossem pessoas da família. Leo nunca me forçou a virar vegetariana e eu nunca o forcei a voltar a comer carne, é questão de respeito mútuo mesmo.

Mas bem, esses dias ele me chamou e disse: “escrevi o motivo de ter virado vegetariano, queria que você lesse.” E eu li, e achei tão interessante que resolvi publicar para vocês.

Vem com a gente:

“Nunca tive cachorros ou gatos ou muita proximidade com animais. Quando criança, meu pai tinha alguns passarinhos, mas fora disso, meu contato com animais sempre foi distante.

Esse é um dos principais enganos quando me perguntam porque virei vegetariano. “É porque gosta de animais?

Outra coisa que supõem de forma errada tem a ver com questões espirituais. “Você é espírita ou segue alguma religião que obriga a não consumir carne?” A resposta é não. 

Embora eu tenha um interesse e procure um caminho espiritual, não é por este motivo.

Então, porque me tornei vegetariano?

Para entender isto, dois pontos são fundamentais.

Primeiramente, embora não tenha animais de criação, tem sido muito marcante perceber o carinho intenso e a relação de verdadeira amizade que diversos amigos, parentes e até minha própria esposa Cony, tem com seus animais de estimação.

Para muita gente, o animal de estimação chega a ser uma pessoa da família. Muitas pessoas tem uma relação tão terna com animais, que chega a ser uma prioridade cuidar deles, mais até do que de outros seres humanos. 

Isto tudo pra dizer que esse carinho com os animais é muito marcante e, embora não tenha um bicho de estimação, entendo perfeitamente o tanto que esses animais são queridos e acrescentam na vida das pessoas. Eles são capazes de demonstrar carinho, tem uma relação com seus donos que é inviolável como no caso dos cães, e tem sentimentos que, poderíamos dizer, remetem a emoções humanas, como alegria, dor, prazer.

Obviamente, os animais de estimação, como gatos, cachorros, etc, não são comidos, mas o que os diferencia de um bovino, um suíno, um leitão, ou outros animais que estão na cadeia alimentar humana? Tais animais também tem vida e sensibilidades. Também nascem com instinto a vida. É nosso direito tirar a vida deles? Temos essa possibilidade, mas eticamente é o melhor a ser feito?

Em segundo lugar, gostaria de contar minha experiência com a alimentação em si. Fiz um caminho que foi até mesmo natural, de reduzir o consumo de carnes, quando nem pensava em ser vegetariano ainda.

Comecei, naturalmente, a enriquecer meu prato com outros sabores. Comecei a acostumar e até curtir alimentos que nunca havia gostado. 

Ë curioso como nosso paladar se adapta e convido a todos para experimentar aos poucos novos gostos. É lógico que ao provar um brócolis, ou uma baroa, ou um repolho, pela primeira vez, a experiência não foi agradável para mim. Mas aos poucos, parece que o paladar acostuma, e alguns desses alimentos estão entre meus preferidos hoje em dia.

E com essa redução de carne, meio que sem querer, comecei a me sentir mais leve, com uma digestão menos pesada, com menos peso no estômago e gazes intestinais, o que foi positivo. Além disso, tem impacto nos níveis de colesterol, tive mais facilidade de manter peso, etc.

Do ponto de vista nutricional, é interessante saber que é plenamente possível substituir as carnes de forma muito eficiente com diversos alimentos como as leguminosas como feijão, lentilhas, grão de bico e ervilha e também produtos de origem animal mas que não são carnes, como ovos e queijos. Algumas colheres de feijão já substituem um bife, em termos de proteínas. A vitamina B12 é a mais complicada de ser substituída, mas uma vez que não me tornei vegano, ovos e queijos continuam na minha dieta e são fontes muito boas dessa vitamina.

Dessa forma, porque matar animais para matar a fome, se existem alimentos que substituem a carne plenamente?

Sabemos que a indústria da carne é também muito poluente e que desmata nossas florestas e degrada diversos recursos naturais. 

Enfim, esse assunto é muito mais amplo e tem diversos pontos de vista que não deu tempo de abordar.

Respeito quem consome carne mas existem boas razões para mudarmos nossos hábitos e fazermos escolhas em nossas vidas. Viemos ao mundo para aprendermos a viver e evoluirmos como seres humanos, e porque não fazer novas escolhas?”

  • Dá uma bela chacoalhada no cérebro né? Não sei se prefiro continuar fazendo “vista grossa”, se aprendo a defender o meu não vegetarianismo, ou se faço um mea culpa e assumo ser um ser não tão bom por gostar de comer carne. O que vocês acham?