Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
31 mar 2021, 22 comentários

Chora Que Eu Te Escuto

Toda vez que começo a escrever o Chora, me lembro que é mais uma quarta feira de pandemia… mas tá quase acabando, vamos acreditar nisso!

Chora 01 – Carminha

Vamos de desabafo familiar

Na minha infância dentro de casa tive uma boa educação, estudei em colégios ok, uma vida graças a Deus confortável. Tenho lembranças boas desse tempo. Minha família nunca foi rica, mas minha mãe sempre fez “os corres” dela para dar o melhor para eu e meu irmão. Meus pais se separaram quando eu tinha 13 anos. Sofri demais, e quando se tem essa idade, você não sabe lidar muito bem com esse tipo de coisa, enfim.  Desde então, nunca tivemos apoio paterno ele não quis mais saber da gente, arrumou outra família e foi viver a vida dele. Foi complicado, deixou marcas, mas hoje sei bem lidar com isso, e até entendo o porquê de algumas coisas.

Na minha adolescência sempre corri atrás das minhas coisas: estudar, trabalhar…. Mesmo minha mãe falando que não precisava. Era para eu estudar e passar em concurso público para não trabalhar em empreguinho. Cresci escutando isso. O pensamento da minha família é só quem se dá bem, é quem passa em concurso público. Todas as minhas tias e mãe são servidoras públicas, e razoavelmente ganham bem. Só que os filhos, ngm é concursado.  É uma hipocrisia sem fim.  Nessa trajetória conheci meu marido, casei com 18 anos, arrumei um emprego bom e estável.  E hoje com 30 anos, tudo que tenho é graças a muito esforço. E com isso ganhei minha sogra, que me adotou como filha. Sempre me tratou muito bem. E, mesmo morando longe, me liga, manda msg. Se faz presente na minha vida, e nas minhas conquistas.

Porém, com a mesma educação dentro de casa, eu e meu irmão somos totalmente diferentes. Meu irmão tem 35 anos, fez faculdade e nunca trabalhou.  Ficava o dia todo trancado no quarto jogando vídeo game, e dormindo.  Minha mãe achava que ele estava estudando para concurso, mas nunca passou em um. Sempre empurrou isso com a barriga.  E ela nunca reclamou. Dentro de casa tinha tudo pronto para ele, comida, roupa lavada. Ela dava uma ajudinha financeira, muito boa por sinal. Depois de algum tempo descobri isso.  

Só que ele, cansado dessa vida dura (SQN) falou que queria ir embora da nossa cidade. Ele sempre reclamou daqui, dizia que não tinha oportunidade, lazer e etc. Nisso, nessa outra cidade arrumou uma namorada, que ficou grávida de gêmeos. Foi um baque para minha mãe, pq eu cresci escutando que se eu ou ele arrumasse filho fora do casamento era pra gente se virar, que ela não queria problema dentro da casa. Tudo ela falava isso. “Não traga problema para mim, Se resolva na rua.”  Depois, de assimilar essa notícia, que foi uma confusão. Minha mãe passou pano. E ainda mobilizou todas as  minhas tias  para ajudar financeiramente ele e a namorada. 

Atualmente a namorada dele tb não trabalha, e os dois vivem de amor, ou sei lá o que é aquilo. 

 Minha mãe banca essa brincadeira de casinha deles, paga aluguel, contas, alimentação das crianças. Sendo q comigo quando eu quis sair de casa, pedi para ela ser minha fiadora do aluguel ela falou que era para eu me virar. Não tinha como me ajudar.  Eu sempre relevei isso, e nunca vi como problema, pq eu corria atrás das minhas coisas.

Já a alertei, q o q ela faz é erradíssimo, ele nunca vai dá valor em nada, pq tem tudo fácil. Fora q a namorada dele quando me manda msg, só reclamação. Já até me afastei pq não quero escutar mais.

Minha mãe vive indo para casa dele, a alegria da vida são os netos. E desde de novembro de 2020 quando ela chegou, não tivemos mais contato.  Minha mãe é assim, se eu não ligo, ela tb não liga. Não chega junto como família para me apoiar em nada. Se eu não a levasse na minha casa, ela nem saberia onde moro. Nunca fez questão de saber de nada da minha vida. Passa pano em tudo e acha que tá tudo bem e que é feliz assim. 

O problema, às vezes me pego pensando: Será que estou certa de me afastar da minha mãe, mesmo ela não fazendo questão?  Me dá um desânimo dessa situação, e de tentar entender o lado dela.  E eu não sou uma filha ingrata, apesar de tudo sempre tive todo respeito e amor por ela. Pelo contrário, agradeço por tudo que ela já fez por mim. 

Miga, terapia. Apenas terapia e MUITA terapia. Esquece o que sua mãe faz pelo seu irmão, pode ser injusto, pode ser mimo demais, pode ser qualquer coisa, mas é a relação que ela quer ter com ele e ponto final. Não adianta falar, é filho dela e ela sempre o mimou. Fico com dó da sua cunhada… imagina, engravidar de gemeos de um cara que não faz nada e é bancado pela mãe. Pensa nisso. Você construiu sua vida, tá de boa, tem suas coisas, seu marido. Sua relação com sua mãe é essa e não adianta força-la a se interessar mais pro você. Trate isso como algo que você tem que aprender a lidar, a entender e conviver, mas não espere que as coisas mudem e ela vire uma supermãe presente na sua vida, que ela vai dar um chute na bunda do seu irmão e mandar ele se virar sozinho, ou ir na sua casa de surpresa te parabenizar por alguma conquista. Não espere nada, apenas aprenda a lidar. Tem mães que são assim, ela deve te ver como uma mulher forte e determinada que dá conta de tudo, e vê seu irmão como um menino indefeso… Não se desgaste por isso, foque em seu bem estar.

Chora 02 – Odete

Sou a amiga que perdeu o interesse na amizade.. e me sinto péssima por isso! Nos conhecemos há cerca de 20 anos atrás por amigos em comum. O papo era ótimo, saídas, viagens, jantares! Mas a vida dela foi mudando.Casamento problemático, família problemática, filhos (não problemáticos, mas muda muito a vida de uma pessoa), carreira problemática. Enfim, eu fui me afastando, pois não sabia lidar com esse peso. E ela sempre me cobrando atenção. A verdade eh que não sinto vontade, não me sinto mais à vontade.Minha vida eh corrida e essa relação não eh minha prioridade. Sempre que ela aparece, me sinto a pior pessoa do mundo. Vou me sentir pra sempre assim?

Fia, a gente cresce e a vida muda, não se culpe por isso. Acontece, a gente perde interesse por algumas roupas, por novela, por comidas, por lugares e sim, por pessoas também. Você não é obrigada a se relacionar com quem não te faz bem, com quem modifica sua energia, com quem não te agrada. Não tem nada de errado com isso, e quando isso acontece apenas tenha a sensibilidade de se afastar lentamente e sem magoar a outra pessoa. Uma mensagem de feliz aniversario, uma de Natal, e por aí vai.

  • Choras ABERTOS! Mande seu email para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO. Pode desabafar sobre o que quiser, que a aqui te escutaremos e aconselharemos!
Lifestyle
Bem Estar
30 mar 2021, 22 comentários

Emagrecer ou Ser Emagrecida?

Senta que lá vem história…

Nos últimos 7 anos, ganhei cerca de 14kg. Se for olhar pela lógica saudável da coisa, cerca de 2kg por ano não é tão assustador assim. É até “aceitável” porém é aquela coisa… ganha um kg, deixa pra lá, acha que logo consegue perder. Ganha 2… 3… 4… 8… 10kg e quando percebe, aquele seu peso que você achava super normal e ok, virou uma lembrança e cada vez mais difícil de ser revivida.

Pois foi assim que quando me pesei e vi que de 60, 62 kg, já estava com quase 75 kg, a luz vermelha acendeu. Não me achava “gorda” confesso, ainda mais por eu ter 1,73 de altura, estava tudo muito bem espalhado hahaha. Mas sabe quando você se sente pesada, com dificuldade de fazer algumas coisas, quando coloca algumas roupas que antes ficavam tão bem e agora não ficam mais? Pois é. Eu estava assim. Vi que precisava fazer algo, mas cadê força de vontade? Todo mundo falando que eu estava bonita, marido não reclamava de nada, mas na hora de amarrar um tênis, eu lembrava que eu não era assim. Também sentia que meus braços não “fechavam” com o tronco direito, ficava meio levantadinho, fora o atrito entre as coxas que antes não existia e agora mal me deixava cruzar as pernas!

Um dia o Leo (meu marido) se pesou ao meu lado e estava com 77kg (ele) isso porque virou vegetariano durante a pandemia e perdeu bastante peso. Eu com quase 75, ele, bem mais alto que eu. E na minha cabeça, me julguem, eu não poderia nem deveria ser mais pesada que ele.

Só que desta vez eu quis realmente emagrecer e não ser “emagrecida”. Não queria remédio (já tomei sibut&*ˆ%$, fiz GH, HCG, mas sempre perdi pouco peso e voltava rápido), não queria dieta louca, alimentos difíceis de achar, queria algo que mesmo que se fosse devagar, fosse menos doloroso, menos agressivo e que durasse pra sempre. Ou seja, aprender a comer e fazer exercícios. Não teve jeito, era isso mesmo.

Pedi informacao no Instagram sobre nutricionistas em BH, mas daquelas raiz, que me dessem COMIDA COMIDA para comer e não barrinha X, pózinho de pirlimpipim, farinha feita pelas anciãs virgens do Himalaia, queria comida simples que eu pudesse achar em qualquer supermercado. Recebi MUITAS, eu disse, MUITAS, indicações, cada pessoa me indicou uma nutricionista diferente praticamente, só duas tiveram poucas repetições e entrei em contato com a duas. A que me respondeu mais rápido, ganhou minha presença kkkk

Bom, fui e vou falar pra vocês… eu sou uma pessoa difícil. Daquelas que já foi em todas as nutris da cidade, da mais cara a mais barata e que sabia exatamente o que ouviria naquele consultório. Mas fui, o que tinha que fazer eu já meio que sabia mas… fui. Chegando lá, após apresentar alguns exames, ficou decidido que tipo de REEDUCAÇÃO ALIMENTAR eu faria. Reeeducação viu gente, nada de dietas temporárias malucas que me deixassem ansiosa, triste ou sofrida.

Aliada a reeducação, resolvi pegar firme nos exercícios. Não parei durante a pandemia, mas treinar em casa, digo, dentro de casa, na sala, não é a mesma coisa que ir pra rua. Voltei pras aulas presenciais com meu personal trainer, na quadra e academia do prédio, com todos os cuidados, e comecei o desafio. Uma coisa curiosa é que detesto fazer ginástica, sempre acho que estou perdendo tempo, que poderia estar fazendo outra coisa mas aprendi a engolir o choro e ter isso como rotina na minha vida. Afinal, além de querer emagrecer, tenho problema nos joelhos e o remédio pra isso é…. MUSCULAÇÃO.

Nos primeiros dias perdi 2kg e lembro de ter ficado meio incrédula: “ah, com um copo d’água recupero esse peso“, afinal, foram anos sem conseguir emagrecer nada, como assim já tinha perdido 2? Mas os dois foram realmente eliminados, e não perdidos porque não voltei a encontrar rsrs. Aquilo me deu um gás sabe… Vi que poderia perder mais! Me agarrei nas indicações da nutri, virei a paciente chata que manda mensagem com dúvida de tudo e depois de um tempo, tudo ficou meio que automático.

O exercício ajudou demais, afinal a gente perde gordura mas tem que definir os músculos né? Os dois aliados não tem erro! Só que, é devagar. Bem devagar. Tem mês que não perco NADA, nenhum grama sequer, mas do nada, um kg some. O negócio é não desistir, porque quando a gente começa a ver as mudanças no corpo, vai dando cada vez mais vontade de fazer direito.

E vivem me perguntando: “Constanza, como é sua dieta? Conta pra gente o que você come todo dia!” Gente, minha dieta é MINHA dieta, é tão pessoal que não gosto de indicar muita coisa do que faço não. Só que reduzi o consumo de glúten e derivados de leite e gostei muito do resultado. Outra coisa que posso adiantar e acho que vale pra geral é diminuir o consumo de álcool. Ainda mais nessa pandemia que eu estava bebendo todos os dias, sim, TODOS OS DIAS! Não tipo alcóolatra, mas uma long neck um dia, uma taça de vinho outra, uma gin tônica outro dia… Daí minha nutri pediu para eu beber apenas 2 vezes por semana, moderadamente. Olha, como a gente desincha viu?

Bom, comecei essa historia toda em Outubro do ano passado, já são 5 meses que estou em reeducação e perdi quase 10 kg, estou atualmente com 66 kg. Estou super feliz, minha meta são 63 kg e vou manter o foco para conseguir até antes de Julho. Sei que não pode ter pressa, caso contrário a gente perde o foco e tem vontade de desistir! Tô mais disposta, animada, continuo odiando malhar mas vou de qualquer jeito, na força do ódio mesmo, mas me olhar no espelho e gostar do que vejo, vale esse “esforço”. Entre “aspas” porque comer direito e se exercitar não é mais do que nossa obrigação, cuidar do nosso corpo é cuidar da nossa moradia e como falei esses dias, é nossa escolha: ou cuida da saúde, ou cuida da doença. AHHHH, e meus exames melhoraram MUITO. Estavam ok antes, mas agora estão ótimos.

Pela primeira vez em MUITOS anos, em MUITAS tentativas frustradas de perder peso e emagrecer, estou conseguindo. Quando paro pra pensar que já se foram praticamente 10 kg, quase não acredito, pois não imaginava poder perder nem 1 kg sequer.

Ser “emagrecida” é fácil, rápido mas não é saudável e nem duradouro. Emagrecer é um aprendizado, lento, às vezes difícil, mas que quando o resultado vem…. ele fica!