Editorial
10 nov 2021, 44 comentários

Chora Que Eu Te Escuto

Quarta feira e temos dois Choras! Vem ver, ler, e ajudar as meninas!

01 – Confusa

Oi, Cony! Meu Chora diz respeito a minha carreira. Vamos a ele:
Tenho 33 anos, sou de SP, solteira, sem filhos e formada em direito. Sempre quis fazer concurso público e há 4 anos eu realizei o meu sonho: fui aprovada num grande concurso federal. Salário ótimo, estabilidade e no dia-a-dia um trabalho que eu amo! Como o concurso é federal, eu fui lotada inicialmente em Macapá, capital do Amapá. No início isso não foi problema, já que eu estava animada com a aprovação. Além disso, havendo remoção, eu conseguiria voltar pra SP.Só que o tempo passou, a crise econômica se agravou, as nomeações de mais aprovados ficaram mais difíceis e, por consequência, a remoção também. Nesses 4 anos eu nunca senti realmente que a minha vida era Macapá. Eu até fiz amigos lá, saía com eles, conheci pessoas novas e tal, mas eu sempre estava pensando em conseguir voltar pra SP. Até meus médicos e meu cabelereiro eu mantive em SP, aproveitava as visitas aos amigos a à família pra resolver essas coisas.Só que com o passar do tempo isso começou a me incomodar. Parecia que a minha vida estava suspensa, sabe? A sensação era de que eu estava esperando voltar pra SP pra minha vida andar. Some-se a isso o fato de eu sentir muita falta de tudo em SP, da minha família, dos amigos, ad agitação da cidade, das várias opções de restaurantes etc. :/Algumas coisas na minha vida de fato estão pausadas: Meu sonho é comprar meu apartamento, mas pra mim não faz sentido comprar em Macapá nem comprar em SP agora, sendo que eu não vou morar nele tão cedo. Até minha vida amorosa fica um pouco prejudicada, já que eu fico com receio de me envolver com alguém em Macapá, ser removida e ter que namorar a distância. Como eu disse, eu amo o que eu faço e tenho um ótimo salário e jogar tudo pro alto pra voltar pra SP desempregada não é uma opção. A remoção ainda é possível, mas isso depende de várias questões financeiras e políticas. O que pega é a falta de previsão. Eu não tenho ideia de quanto tempo vou ficar aqui. Podem ser 6 meses, mas também podem ser mais 5 anos. Já pensei em continuar no meu emprego e voltar a estudar para algum concurso que me permitisse ficar em SP, mas não tem nenhum concurso aberto ou em vias de abertura e só quem já estudou pra concurso sabe como é pesado, extenuante e estressante. Me dá preguiça só de pensar em começar tudo de novo.Várias pessoas já me falaram que agora a minha vida é em Macapá e pra eu não ficar com essa ansiedade pra voltar, mas é difícil desapegar. Por isso resolvi mandar esse chora, pra você e suas leitoras (principalmente as concursadas e concurseiras) me darem uma luz. Fico onde estou, aproveitando a vida sem pensar na remoção ou foco em estudar pra tentar voltar pra SP?Beijos

Amiga, acho que seus amigos tem razão… sua vida agora é Macapá e é o que temos pra hoje. Acho que coisas grandes, tipo comprar uma casa, um apartamento, podem ficar pra depois. Vai juntando dinheiro mas não deixa de viver suas coisas aí não. Se aparecer um namorado, que seja bem vindo. O dia de amanhã a gente nunca sabe. Vai vivendo o agora, se a gente foca muito no amanhã, o dia de hoje passa desapercebido e sem valor algum, e nisso vai um dia, dois, três, semanas, meses, anos… e aí? Não tente controlar o que você não tem controle, abrace seu sucesso aí e é isso mesmo. Foi sua escolha fazer o concurso e está super realizada né? Para cada escolha, uma renúncia. É a vida.

Chora 02 – Aflita

Oi Cony! Já te acompanho faz um tempo por aqui e pelo instagram também e adoro suas dicas e sou super influenciada por você. Meu choras é o seguinte.
Estou noiva e vou me casar ano que vem. Amo muito meu noivo e de verdade, ele é tudo o que eu pedi à Deus em minhas orações, mas…(sempre tem um mas né?) ele é totalmente desleixado com sua aparência.
Ele é proprietário de uma barbearia aqui na nossa cidade, então ele acompanha esse estilo e deixou a barba crescer. Até aí tudo bem, eu adoro a barba grande dele, mas acho que ele poderia se vestir melhor. Seu “uniforme” pra tudo é: camiseta preta com estampa de banda ou algo ligado a rock, bermuda, meia preta até metade da canela e tênis (que é o mesmo usado para trabalhar, malhar e sair). Ou seja, ele está com 36 anos mas ainda se veste como um adolescente de 16.
Por estar acima do peso (ele pesa 140 kg e tem 1,98) ele acha que qualquer outro estilo de roupa fica feio, chama muita atenção ou ele fica parecendo gay (super preconceito, eu sei). Mas por outro lado tbm, ele não se cuida para tentar emagrecer. Sempre come muita besteira e malha apenas 1x na semana. Nem ao médico ele vai. Vive reclamando de dores no joelho, mas nunca fez nenhum exame para tentar descobrir o que é.
Já tentei dar dicas sutis que ele precisa melhorar, já dei roupas com estilo mais arrumadinho, mas ele simplesmente não usa.
Sei que não posso querer mudá – lo, pois já o conheci assim. Fomos amigos por 4 anos antes de começar a namorar e ele sempre teve esse estilo, mas também acho que sempre podemos ser uma melhor versão de nós mesmos, e geralmente quando estamos num relacionamento, queremos estar mais arrumados para o parceiro e para nós mesmos.
Às vezes me sinto até desmotivada, pois me arrumo tanto para sair e ele chega em casa de camiseta, calça jeans e tênis.
O que eu faço Cony e leitoras do blog? Como melhorar o estilo do boy sem deixar de lado sua essência e sem transforma – lo em outra pessoa?

Então, as dicas que eu ia te passar, você já fez 🙁 Ia te falar justamente pra dar uns toques de leve, dar umas roupinhas mais bacanas pra ele, ir aos poucos sabe? Aqui em casa fiz assim com o Leo, mas ele nem tinha um estilo tão ruim, só precisava de uns ajustes, fui dando umas dicas, uns presentes e ele aceitou super bem… O problema no seu caso é que parece que seu noivo tá 100% fechado e não aceita essa “mini lapidação discreta” (kkkk) que você está tentando dar. O negócio amiga, é que ele TEM QUE QUERER mudar, se ele não quer, não insista. Eu sei que é chato você sair toda linda e ele de qualquer jeito, sei que você se preocupa com a saúde dele, sei que por mais que isso pareça “bobagem” é uma questão sim, incomoda, desanima, irrita… Mostra esse Chora pra ele que eu vou dar um recado: Noivo da Aflita, você ama ela né? Quer ela feliz certo? Ela é bonita, vaidosa, se cuida e quer que você também se cuide um pouco! Você trabalha com a vaidade masculina, você deixa seus clientes mais bonitos, tem que ser exemplo e não é só na barba não! Quanto mais você for admirado, mais valor tem seu trabalho e tenho certeza que você quer isso. Uma coisa puxa a outra. Além disso, cuidado com a imagem não é só estética e futilidade, é muito além, é mostrar uma pessoa bacana, cuidadosa, organizada, responsável (sim, uma imagem desleixada não passa confiança!) e respeito pra quem convive com você, incluindo seus clientes. Eles merecem isso né? E quem merece mais é a sua noiva, que está ao seu lado e te incentiva todos os dias a ser uma pessoa melhor. Escuta ela, só vai te acrescentar 🙂

  • CHORAS ABERTOS!!! Mande seu desabafo, sua dúvida, sua angústia, seu problema para constanza@futilish.com e no assunto coloque em letras maiúsculas CHORA QUE EU TE ESCUTO. Manterei seu anonimato!
Editorial
18 fev 2021, 19 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Haja choradeira hein meu povo? Vamos lá!

Chora 01 – Sarah

Cony esse é meu terceiro chora, escrevi dois em momentos diferentes da minha vida. E sempre que me “aperreio” corro chorar pra ti, e tu me dá sempre uma luz .

Então é o seguinte, sou divorciada do pai da minha filha, sofri por 7 anos com aquele relacionamento abusivo, me libertei, sofri muito, voltei morar com meus pais, nao deu certo, aluguei um apto até ai tudo ok. Superei. Acontece que eu comecei namorar um conhecido das antigas do tempo do ensino médio e tava tudo lindo, até a relação ficar um pouco mais séria. Eu tinha a sensação que estava sempre em segundo plano, que ele era individualista demais e filhinho da mamãe também. Eis que precisei fazer uma cirurgia no útero, combinamos tudo: minha mãe ficaria com a minha filha e ele me acompanharia. Pasmem, um dia antes da cirurgia ele me fala que não iria comigo porque estava atrasado com umas coisas do trabalho, fiquei bem brava e terminei. Não só pelo fato anterior mas por alguns outros como: não lembrou de comprar meu presente de natal e nem falo pelo presente em si, mas pela falta de consideração. Outro fato o irmão dele foi grosso comigo diversas vezes e ele nunca falou nadinha. Outro fato peguei uma conversa dele com uma amiga em comum que ela rasgava de falar mal de mim e ele não me defendia e ainda falava que estava fazendo só merda na vida. Então acumulou tudo e terminei. Mas terminei gostando muito dele. Meu coração fala dá mais uma chance e meu amor próprio fala para de ser trouxa e bola pra frente. Socorro gente estou sofrendo bastante com essa situação, já não tenho mais lágrimas de tanto que choro.

Eita que da próxima vou cobrar a “consulta” hein hahahaha. Fia, muita reclamação pra um início de relacionamento e uma coisa ficou MUITO clara: você não é prioridade pra ele e isso já é fator eliminatório de bofes. Não foi no dia que você operou e precisou dele, não foi pra te “defender” do irmão grosseiro, não foi pra te mimar no Natal, não foi pra tomar seu partido da amiga que fala mal. Qual a dúvida? Tá gastando lágrima a toa. Bola pra frente. Se valorize.

Chora 02 – Juliette

Oi Cony, vamos de drama familiar sobre parentes inconvenientes.
Casei a pouco tempo, e como não morava perto do meu então namorado, não convivi tanto com a família do meu hoje marido.
Sempre me trataram bem e me dei bem com todos, alguns me tornei mais próxima como meu sogro e a irmã do meu marido, outros nem tanto, como o irmão dele e esposa. Minha sogra sempre me tratou bem, mas até hoje não sei ao certo qual o sentimento dela por mim e explicarei o pq  mais adiante.
Depois que passei a morar com meu marido, comecei a fazer vários encontros na minha casa, almoços, jantares, churrascos… gosto de receber em casa e sempre chamo os familiares do meu lado e do lado dele.
Me aproximei do irmão dele e esposa e daí percebi que  oq meu sogro já me adiantava era verdade: eles simplesmente se convidam pra vir na minha casa! E detalhe, quando estão aqui não tem a mínima noção, se chegam pra almoçar, ficam pro café da tarde, jantar e se estendem até a madrugada. As vezes já aconteceu de estar nos meus sogros e eles se convidarem pra minha casa, sendo que fico bem constrangida em dizer não.
Detalhe: eles nunca nos convidam pra ir na casa deles com a desculpa que está sempre bagunçada por causa das crianças. O q passou a me incomodar mesmo foram as atitudes da minha sogra: ela nunca nos convida pra nada, chegou o ponto de ser aniversário do filho dela cunhado inconveniente e ela nem nos chamar, passamos lá por outro motivo e descobrimos que ela iria cortar um bolo. Só um exemplo, mas ela dificilmente nos convida pra algo, sendo que sempre lembro deles.

Percebi que ela faz diferença entre os filhos, pois meu marido é bem sucedido na profissão dele e o irmão ficou estagnado, nunca gostou de estudar, teve filhos super novo e não desenvolveu na carreira. Penso que independente da situação financeira, todos gostam de ser lembrados. No meu casamento, meu sogros nem sequer deram um jogo de copos, já meus familiares sempre vem com um mimo.

Resumidamente, não estou acostumada com gente inconveniente e passei a dizer um não categórico aos “ autos convites “ do meu cunhado, mas me sinto bem constrangida, odeio me passar por chata ou mal educada, pois percebi que eles me olham feio. Há outra saída?

Também estou bem chateada com as atitudes dos meus sogros e perdi totalmente a vontade de convida-los pra minha casa. Sempre dava lembrancinhas em aniversários, natal, até dia das mães, agora também não sinto mais vontade. Acha que eles tem algo mal resolvido comigo? Não consigo fazer a egípcia quando algo me incomoda.

Uma coisa que tenho reparado nos Choras é que muitas mulheres são casadas, namoram, são noivas de caras bacanas mas tem encrenca com a família deles e transformam isso num problemão. Gente, foca no marido! Se tiver um bom relacionamento com a familia dele, ótimo, se não tiver, seja apenas política. Faça apenas o necessário, o de bom senso e boa educação e pronto. Não esperem nada em troca, caso contrário vão arrumar picuinha pro resto da vida. “Ah eu fiz um almoço e chamei todo mundo. A sogra fez um jantar e não me chamou”. Larga pra lá! Da próxima chama só sua família, alterna os convites mas não se martirizem por esse tipo de problema. Se ela trata um filho diferente do outro, problema deles… Seu marido reclama? O que importa é o casamento. Tá bom? Tá gostoso, tá rolando respeito, amor, carinho, cuidado, lealdade? Pronto! Ah não ser que esteja diretamente interferindo no seu relacionamento, apenas releve. Preze pela sua saúde mental. E SEMPRE, mas SEMPRE, coloquem limites, sem se preocupar em ser tachada de chata, metida ou sei lá o que. Na casa de vocês, mandam vocês! Se alguém estiver sendo inconveniente, já abra o jogo logo pra não virar algo maior. Não carregue um peso que não te pertence ou que é desnecessário. Não tente controlar ou mudar o que você não pode.

  • Chora ABERTÍSSIMOS, comecei a responder só 2 por semana porque estão acabando os casos. Então quem quiser participar, mande seu problema, relato, angústia, dúvida para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO!