29
Jun 2016
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Quais serão os dramas de hoje??

Caso 01 – Brenda

Tenho 20 anos, técnica em edificações, trabalho em uma empresa de renome a nível nacional, conquistei muitas coisas desde cedo, como o meu carro próprio, o que é muito para uma menina com uma família tão simples. Tenho minha independência financeira. Mas vim aqui pra falar sobre meu relacionamento passado. Eu e meu ex nos conhecemos desde crianças, crescemos juntos. Na adolescência nos aproximamos e nos tornamos amigos, inclusive até hoje fazemos parte do mesmo círculo de amizade. Depois de alguns anos de muita proximidade, ele começou a gostar de mim e eu só soube um ano depois, pois ele não queria atrapalhar nossa amizade. Mas só fomos namorar após 3 anos dele ter me contado, ou seja, ele esperou 4 anos por mim e nesse tempo todo não ficou com ninguém.

Sempre carinhoso, atencioso, presente, cuidadoso ao extremo e acima de tudo meu melhor amigo – sabia de exatamente tudo da minha vida e eu da sua-. Sobre o nosso namoro à única coisa que tenho a reclamar é que por ele trabalhar muito às vezes acabava não me dando a atenção necessária, mas ele conseguia suprir isso logo depois. Era um namorado incrível, fazia de tudo por mim.

Porém em uma discussão nossa, entrei no seu facebook. Tinha a senha dele, porém confiávamos muito um no outro então nunca tive a vontade desesperada de vasculhar suas conversas. Mas nesse dia não. Até que em uma das conversas, vi uma em que ele conversava com uma antiga conhecida que não via há anos, em que pedia uma chance, queria ficar com ela. Essa menina negou desde o principio, pois ele tinha namorada -EU – tanto que a conversa não se prolongou. Nesse mesmo dia nós estávamos fazendo 6 meses de namoro, saímos pra comemorar e tudo, fora um texto enorme que ele tinha me mandado sobre os seis meses. Mas eles não chegaram a ficar. Fiquei com ódio, louca com ele. Fiquei sabendo dessa conversa dois meses depois, ou seja, com quase 8 meses de namoro. E meninas como vemos até aqui nos choras mesmo, que algumas aguentam mil e umas traições, eu não suportei saber nem que ele já tinha pensado nessa possibilidade.

Terminei com ele nesse mesmo dia, pelo telefone. Ele ficou louco, não acreditava, implorava que não terminasse. Eu pude ver que ele já tinha se arrependido, porém não tinha me contado, pois nos dias que sucederam após a conversa nosso namoro que era ótimo melhorou 100%. Fora que ele tinha esperado 4 anos pra ficarmos juntos né. Mas não voltei e nem tive recaídas.

Já fazem 8 meses que terminamos e ele já fez o suficiente para provar que realmente se arrependeu e que me ama. E eu não tenho dúvidas que o amo também. Se eu deixar, todos os dias ele pede pra voltar. Manda mensagem, conversamos numa boa e como eu disse ainda fazemos parte do mesmo grupo de amigos, ou seja, estamos sempre nos vendo. Já mandou carta, já mandou rosas, e até uma aliança, liga pro meu trabalho, fica atrás de mim, fora todas as outras coisas que fez e ainda faz pra me provar que realmente me ama, todos os dias… Mas confiança ainda é algo muito difícil de ter. O amo muito, mas às vezes penso, que mesmo que ele não tenha ficado com a menina, será que isso não pode acontecer um dia? Isso martela demais em minha cabeça mas a saudade e a falta que um faz ao outro está enoooorme.

Tem outro porém… Como disse no começo tenho minha independência financeira, sempre lutei muito pelas minhas coisas e pela minha família, não é ganância, mas a vontade de vencer na vida. Estou cursando um curso que sei que futuramente me trará ainda mais estabilidade financeira. A questão é que ele não pensa assim. Por enquanto só trabalha, seis dias por semana, quer seguir uma carreira que eu sei que trará muito aperto futuramente. Mas nem a faculdade começou a cursar, sempre adiou. E isso sempre me deixava com um pé atrás, pois sempre quis alguém que caminhasse ao meu lado e não atrás de mim. Quando namorávamos sempre conversamos sobre isso, mas ele sempre pensou assim e eu não quero assumir um relacionamento em que ele dependa de mim futuramente, pois hoje no meu trabalho atual ganho mais do que ele ganha, e percebia que isso o frustrava às vezes. Meninas me deem um help, o amo muito, mas tem a desconfiança, quero voltar mas tem um futuro incerto financeiramente. O que fazer?

Já ouviu falar que quem procura, ACHA? Pois é, se eu procurar vou achar, se a leitora que está lendo agora procurar, vai achar, se a tiazinha da esquina procurar, também vai achar. Então o melhor é, NÃO PROCURAR. A gente faz muitas coisas por bobagem, às vezes estava num dia brigado, estava numa crise, por qualquer motivo ele pode ter procurado essa pessoa. Como também pode ser por pura safadeza ou por infantilidade, já que imagino que ele deve ter a mesma idade que você e convenhamos, homens são muito mais imaturos que as mulheres. Enfim, ele pisou na bola e você terminou. Se fosse SÓ por isso, eu te aconselharia a voltar, já que o menino tá mega arrependido e te provou isso durante esse tempo todo MAS vejo que você tem um outro motivo, esse sim bem mais concreto e sensato, que é essa incompatibilidade de futuros. Isso sim é bem mais sério e pode te trazer fortes frustrações. Acho melhor você tratar esse ponto com ele, e não o do quase-chifre. Talvez você não voltou pra ele até hoje mais por esse problema do que o fato que originou a separação. Aproveite que estão terminados e pense no relacionamento como um todo e racionalmente!

d5698f03173eb51e3f23302b5d0a7954

Caso 02 – Kelly

Eu tenho 24 anos, sou solteira e me sinto extremamente sozinha, mas não do tipo sozinha que quer estar em um relacionamento ou algo assim, sozinha do tipo “sem amigos”. Na infância/adolescência fui muito retraída e tímida, então fazer amigos era sempre um desafio para mim. Mesmo assim, consegui encontrar algumas pessoas com afinidades em comum comigo, porém acabei me afastando dessas pessoas porque mudei para o interior de SP e perdi o contato com todas elas. Ao voltar a morar na capital, tentei retomar o contato com esses poucos amigos, porém tive a impressão de que as afinidades que tínhamos já não existiam mais. Eu mudei muito e meus amigos também enquanto estivemos longe e simplesmente não consigo me identificar com eles. Fiz alguns poucos amigos enquanto estive no interior também, mas eles continuam lá então não costumo vê-los com frequência. Enfim, me sinto “desenturmada” e isso faz com que eu me sinta muito sozinha. Por mais que saia sozinha sempre que tenho vontade de fazer algo, as vezes companhia faz falta. A questão é que me sinto perdida: como começar uma rede de amigos? O que fazer para que as amizades durem? Por favor me ajuda!

Você tem que parar para ver o porque não está fazendo amizades! Faça uma auto-análise, pois para mim está claro que o problema está em algum tipo de atitude sua. Não existe fórmula para ter amigos, a gente anda com quem se identifica e como toda relação, existe uma troca. Amigos são irmãos que a gente escolhe. A gente briga, faz as pazes, liga de madrugada, chama pra festa, chama pra ir na padaria, vai na casa do outro pra fazer nada, conversa bobagens, conta segredos, fica feliz com as conquistas deles, fica triste junto nos momentos de tristeza, ajuda na hora que precisa, na hora que não precisa também, leva lanche pra dois quando vai encontrar, manda mensagem só pra dizer oi, não precisa fazer cerimônia para contar algo, fala a verdade sempre, seja boa ou ruim… enfim… Amizade é algo gostoso, natural e simplesmente acontece. Se as suas não estão durando, é porque algo está errado. Você diz que fez amigos no interior mas eles continuam lá. Ok, existe telefone sabia? Você tinha amigos em SP e se afastou porque mudou de cidade. Quantas vezes foi visitar eles, quantas vezes chamou eles para te visitarem? Ligava com certa freqüência??? Pare, analise, e descubra o que pode ser! Amizade não se descarta por causa da distância, eu tenho verdadeiros AMIGOS IRMÃOS espalhados no mundo todo, e mesmo sem ver eles por anos, sempre mantenho contato… Pense…

e7951d57c002face5ccc4c46978fcb6f

Caso 03 – Andrea

Namorei sério dos meus 21 aos 29 anos, foi um relacionamento de descoberta para os dois, primeiras vezes em quase tudo, novidades,  inexperiências, alegrias e tristezas.

No início, estava apaixonada e confesso que não via nada que me incomodasse nele, mas com o tempo conheci o boy profundamente  e vi que, como eu, ele era uma pessoa inexperiente, mas não tinha bom senso nas coisas mais bobas.

Eu terminei com ele diversas vezes, mas ele sempre pedia para voltar e os motivos pelos quais terminava (que eram sempre por atitudes que eu não aprovava nele), acaba voltando atrás e sempre chegávamos a um acordo, ele falava que ia mudar e que gostava muito de mim e reiniciávamos o namoro.

Bom, com o passar do tempo, tudo voltava a ser como antes, ele parecia ser bipolar, ora me tratava bem, ora era muito calado ou extremamente grosso, não tinha iniciativas que eu julgava serem necessárias, pois tudo eu tinha que tomar a frente, enfim, esperei mudança que não veio, guardei muita mágoa, o nosso relacionamento ficou tóxico e eu me conscientizei que não o amava mais e com ajuda de amigas e do seu blog(vi muitos exemplos de abusos bem parecidos com o meu caso), consegui tomar uma decisão definitiva e terminar com ele.

Como todo o fim, foi triste, mas também, novidade ser solteira novamente depois de quase 7 anos namorando…tenho bastante amigas solteiras também, então aproveitei para sair para onde quer que fosse convidada, fiz a minha primeira viagem internacional com uma amiga, desengavetei e coloquei em prática vários sonhos, fui fazer pós graduação, inglês, fiz novas amizades e claro, conheci novos boys(superei rápido até!). Rs

Fiquei 1 ano nessa vibe e curti muito sem foco nenhum, conheci vários caras de vários perfis. Confesso que fiquei chocada com tanta novidade, saí da bolha do namoro e me vi conhecendo homens muito diferentes, em estilo, tanto na forma de se vestir e estilo de vida mesmo, coisas que eu achei um pouco estranhas, por exemplo, homens que não sei se são gays, bi, afeminados ou são apenas estilosos.

Me pergunto cadê aqueles homens com H maiúsculo? O que aconteceu com os homens enquanto eu estava namorando?

Isso não se restringe apenas para a parte física, o fato é que eu fiquei muito exigente e vejo defeitos e diferenças que eu acho bastante insuportáveis, por exemplo, diferenças de ideias, culturais, religião, forma de encarar a vida…não quero repetir os erros do meu antigo relacionamento e embarcar em algo que está na cara que vai dar errado…

Sempre que saio com alguém e vejo um indício de algo que reprovo, já risco da lista e volto a estaca zero.

Tenho 30 anos, sinto falta de um novo relacionamento bacana, saudável, quero ter uma família, aprendi e superei muitas coisas, mas não consigo ir em frente, seguir para algo novo com alguém…não sei se é um bloqueio meu, ficar focando só nas diferenças ou se a coisa realmente está difícil no mundo dos solteiros…

Sindrome de Chandler Bing, aquela que se a pessoa tiver um dedinho do pé torto, já não serve mais. Tava até pra escrever sobre isso aqui no blog! A quantidade de mulheres e homens bacanas, bonitos, bem de vida que conheço e todos solteiros, é assustadora. Mas fazem exatamente o que você está fazendo. As pessoas estão procurando perfeição. Se tiver uma coisinha que não agrada, já descarta e parte pra outra e por aí vai. Acho que temos que focar no que gostamos das pessoas e não nos defeitos. Apenas levar os defeitos em conta se eles forem totalmente inadmissíveis, mas o resto… ah, o resto a gente trabalha com o tempo! É conversando, explanando, moldando e sendo moldados que os relacionamentos dão certos. Enquanto você ficar nessa de reparar mais nos defeitos e diferenças, ficará sozinha. Fato! Não te digo para aceitar qualquer coisa, mas quando encontrar alguém que tenha qualidades que você acha imprescindíveis e que os defeitinhos forem bobos, tente trabalhar isso. As coisas mudam, as pessoas mudam, a gente se acostuma, a gente aprende a conviver!

83ebdb43f8fcbc8c33f4383e96fe401f

  • Teremos mais uma semana de Chora e libero hein! Já podem começar a escrever 🙂
  • Alguém sacou de onde tirei os nomes desta vez??
73 Comentários
  1. #1
    Juliana
    29.06.2016 - 12:28

    Kelly, amiga, vamos trabalhar um pouquinho pelas amizades, né? Eu moro fora do país vai fazer 5 anos e mantenho contato com todo mundo com quem eu tinha contato quando morava aí. Aliás, tem gente que virou mais amiga ainda DEPOIS que eu me mudei – tem coisa melhor pra manter contato com as pessoas do que internet hoje em dia? Acesso tem um monte, redes sociais, imessage… Aproveita pra se renovar e renovar as energias, mas as amizades só vão resistir se você fizer sua parte!

  2. #2
    Mona
    29.06.2016 - 12:42

    Barrados no Baile?? Kkkkkk

  3. #3
    Danielle Rocha
    29.06.2016 - 12:43

    Ameiii, Barrados no Baile!!! Desci a barra para confirmar o nome da Donna e era Andrea, saiu do obvio hehehe…
    Beijos sua linda!

  4. #4
    Marcia Karine
    29.06.2016 - 12:53

    Barrados no Baile? Eu me identifiquei com os três casos. Pode isso? Vou nem opinar… Rsrsrs

  5. #5
    Jéssica Diane
    29.06.2016 - 13:00

    Para a Andrea! O conselho da Cony é perfeito e nunca esqueça que você não deve ser perfeita! E outra..ficar solteira também é bom, continue aproveitando isso, com certeza uma hora você esbarra com alguém bacana!

    beijos

  6. #6
    29.06.2016 - 13:18

    hahaha BARRADOS NO BAILE!!! Amei!!!

  7. #7
    Dani
    29.06.2016 - 13:54

    Brenda, eu quase nunca comento mas acho que no seu caso tenho algo a acrescentar.
    Quando tinha uns 25 anos, comecei um namoro com um cara fofo, querido, que me amava DEMAIS (nunca tinha sido alvo de um amor assim, na realidade acho que nunca mais fui). Todos os meus amigos o adoravam. MAS. Tinha um problema parecido com o seu.
    Eu já era formada em uma área concorrida, tinha uma carreira começando, e zero preguiça de trabalhar. Acordava cinco, quatro, três da manhã para trabalhar, fazer minhas coisas. E o bonito dormindo. Fazia outros cursos, trabalhava na sexta até as 11 da noite em outra cidade, chegava em casa e o bonito tinha assistido quatro filmes (e feito um belo jantar pra mim). Eu morava sozinha, pagava minhas contas, tinha minhas coisinhas. E o cara sempre sempre SEMPRE com problema de dinheiro, não tinha dinheiro pra UM INGRESSO DE CINEMA. Mas trabalhar que é bom, pouco. Tinha uma profissão maldefinida, “trabalhava com internet”, mas naquele esquema, sabe? A única diferença é que ele era alguns anos mais velho que eu, então era uma situação já bem definida, sabe?
    Incomodada basicamente com isso, terminei o namoro. Mas coincidencias acontecem, a gente se encontrou por acaso um dia, ele continuava louco por mim, fraquejei, voltamos.
    Nesse segundo momento, ele continuava sendo um maravilhoso namorado mas ZERO perspectiva de futuro. Eu sonhava com viagens, um apartamento legal, e pra ele se desse pra pagar as contas do mês tava ótimo. Eu sei que nesse lenga lenga namorei quase uns dois anos com ele.
    Até que um dia caiu a ficha que realmente se eu queria ter uma familia, filhos, etc, eu teria que bancar TUDO sozinha. Que não adiantava, ele não ia sair do lugar. Nesse tempo ele sempre teve mil projetos que nunca iam prqa frente. E eu caminhando. Mas queria viajar, ele não tinha dinheiro, eu ia sozinha. Queria jantar num lugar bacana, eu tinha que pagar, SEMPRE, todas as vezes, e ele ainda ficava meio se sentindo humilhado se alguma amiga fosse junto com o namorado que não tinha problema financeiro. Enfim, vi que aquilo não era a vida que eu queria e dei um fim no namoro.
    Foi a melhor coisa: depois que esse cara saiu da minha vida é impressionante como minha carreira DESLANCHOU. Apareceram mil oportunidades que eu nem sonhava, tudo tomou um rumo que eu não imaginava. Hoje tenho a impressão que a vibe dele era táo péssima que ele tava meio que me ancorando.
    Depois de um tempo apareceu um cara ÓTIMO, super bacana, acabamos casando e hoje já temos um tempão juntos, filhos, etc. Temos uma relação de parceria, ambos temos sucesso em nossas profissões e nos aajudamos, trabalhamos juntos pra conquistar nossos objetivos.
    Em resumo: meu conselho é SAI FORA. Você é super jovem, tem um monte de caras bacanas espalhados pelo mundo. Tem um mundo de possibilidades te esperando, não deixa uma âncora te prender.
    Dessa história toda só me arrependo por ter dado uma segunda chance pro mala – esses dois anos que namorei com ele no “segundo tempo” no fim foram meus últimos anos antes do meu atual marido e eu poderia ter aproveitado mais as baladas de solteira rs.
    boa sorte!

    • #8
      Sabrina
      30.06.2016 - 08:52

      Oi Brenda e Dani, nunca comentei no blog da Coni apesar de acompanhar diariamente, por muitos anos. Acho que me identifiquei um pouco com o seu caso, mas com um resultado diferente! Estou com o meu marido, entre namoro e casamento, há 12 anos. No começo, ele, filho de família muito rica, depois da morte do pai, acabou perdendo tudo e ficou desempregado. Eu, terminando minha primeira pós-graduação. Ai veio depressão (nele), falta total de dinheiro e muita desmotivação. Nesse momento eu já era concursada. Não queria terminar com ele! Comecei, com carinho, a incentivá-lo a voltar a estudar, a fazer cursos…. Ele sempre foi trabalhador, apesar de todo o dinheiro, mas continuava arredio. Mas eu identificava esse perfil “guerreiro” nele, sabe? Mesmo totalmente (totalmente MESMO) adormecido. Fui pentelhando até que ele resolveu sair do sofá, fazer redução de estômago, mudar de cidade e tentar um emprego. Estava desempregado há 4 anos! Moral da história: fez faculdade na FGV, faz MBA internacional, nunca mais ficou desempregado!! Ganha menos que eu? Sim! Mas vejo o esforço! Agora quer fazer mestrado para dar aulas!! Sempre almejando mais! A crise financeira atrapalha um pouco os seus sonhos? Sim!! Mas tem a vontade! Se vc perceber que o que falta é incentivo, vá em frente! Volte o namoro e ajude-o a crescer! No futuro, poderá ser ele a ajudá-la, já que vivemos em um mundo de economia tão incerta. O cara é preguiçoso mesmo? Faça como a Dani! pé na bunda e vai ser feliz!!!! Boa sorte!!!

    • #9
      Fernanda
      30.06.2016 - 09:48

      Vou até salvar seu comentário aqui e ler sempre!

      • #10
        Dani
        30.06.2016 - 10:24

        Sabrina, perfeita sua colocação, pra Brenda pensar qual é o caso dela.
        A diferença entre as nossas histórias é bem clara: o meu falecido era ACOMODADO. Sempre mil projetos e ideias, mas eu saia pra trabalhar o cara tava em casa, voltava o cara tava em casa. Trabalhar não era muito a dele. Mesmo. Isso tava bem claro. O seu marido tinha fatores externos que estavam interferindo, aí realmente é o caso de entender, ter paciência e dar uma força. Que ótimo que deu certo!

  8. #11
    Heloisa
    29.06.2016 - 14:07

    Cony, minha situação é bem parecida com a Andréa, terminei agora um relacionamento de 10 anos e os seus textos me ajudaram muito nessa fase por isso ia adorar se rolasse um post com “dicas” pra se acostumar novamente a essa vida de solteira e sobre essa síndrome de Chandler Bing

    beijos

  9. #12
    Gabriela
    29.06.2016 - 14:36

    Cadê o Cid Moreira para narrar o trecho do caso 1 onde o rapaz ficou QUATRO anos no 0 x 0 esperando a moça?…

    • #13
      Carine
      29.06.2016 - 15:39

      kkkkk… Também não levei muita fé nisso não, mas enfim….

    • #14
      Mary
      29.06.2016 - 18:26

      Esqueci de falar disso! Cid Moreira foi ótimo kkkkkk
      Se namorando ele estava insistindo pra ficar com a outra moça, é muuuuuito difícil acreditar q em 4 anos solteiro ele ficou sozinho. Mas enfim, não acho que isso seja uma informação pra se apegar agora, os outros aspectos do relacionamento é que devem ser analisados, não isso..

    • #15
      eduarda
      01.07.2016 - 14:21

      kkkkkkkkkkkkkk….. gente, vcs sao muito engraçadas….
      A gnt pensa em uma coisa e sempre aparece um serzinho que posta… kkkkkkk… adoreiii!!!!!

  10. #16
    Mary
    29.06.2016 - 14:46

    Caso 01 – acho que você deve pensar bem na situação como um todo e não apenas nos pedidos dele para voltar. Quanto à falta de confiança foi uma coisa realmente chata, a traição só não aconteceu porque a menina não quis, foi ele quem procurou e insistiu. Se você está disposta a continuar depois disso, o jeito é passar uma borracha e seguir em frente, não adianta deixar o assunto pairando no ar pra surgir em qualquer briguinha. Agora o segundo ponto é bem mais complicado, é algo que impacta demais no relacionamento. Ambição demais é ruim, mas de menos também é. Concordo com a Cony, acho que é hora de pensar racionalmente.

    Caso 02 – acho que um pouco mais de esforço pode ajudar. Amizade é dedicação, algo que não depende de distância. Eu também sou tímida, mas quando encontro pessoas que gosto, me abro com facilidade. E se for pra fazer amizade, tem que se entregar (eu penso assim).

    Caso 03 – Vejo tanto isso acontecer! Acho que temos que estabelecer requisitos sim para um relacionamento, mas não metas de perfeição inatingíveis. Defina o que você não suportaria em hipótese nenhuma e pequenos defeitos que não estão nessa lista você para de considerar ou compara imediatamente com as qualidades. Perfeição não existe, nem você está oferendo isso, então como pode exigir? Lembre-se também que o intuito não é achar alguém igual a você, mas sim alguém que, mesmo diferente, faça você se sentir bem.

  11. #17
    Mari
    29.06.2016 - 15:01

    Gente, não se entendi a história da Kelly de forma errada, mas senti que era muito mais sobre como fazer novos amigos, ideias de lugares para conhecer pessoas, etc, do que sobre como manter os amigos do interior. Uma necessidade de companhia física.
    Não sei se entendi dessa forma pq passo por esse problema e também sou tímida e introvertida. Mudei do interior para Belo Horizonte para fazer mestrado. Dei o azar da minha turma ser composta basicamente por pessoas mais velhas, casadas ou namorado, com uma leve dificuldade para acolher uma solteira nos programas. Entao é uma questão complexa pensar: onde posso conhecer mais gente e fazer novos amigos?? (aproveitem para dar ideias)

    • #18
      marina
      29.06.2016 - 16:35

      Também entendi dessa forma!!

    • #19
      Luana
      30.06.2016 - 08:49

      Concordo com você, Mari! Talvez manter os amigos antigos faça parte da questão, mas acho que o que ela realmente quer é dicas de como fazer novos (claro, depois de fazer novos amigos, terá que mante-los também).

    • #20
      Jusb
      30.06.2016 - 08:54

      Também entendi dessa forma, e fiquei realmente esperando dicas do tipo, porque de uma maneira mais branda, também sofro desse problema. Mas uma coisa que realmente me ajudou e tem me ajudado foi passar a frequentar lugares novos pra conhecer novas pessoas, como um curso de línguas, de culinária, etc.
      Outra coisa: fazer programas que gosta é uma ótima forma de se aproximar de pessoas que curtem as mesmas coisas, o que, além de já te dar um assunto inicial, é uma forma de encontrar possíveis companhias pra esse tipo de atividade. Se você gosta de teatro, por exemplo, vá a uma oficina; se gosta de música clássica, vá a um concerto. Eu gosto muito de fazer trilhas, e sempre reclamei porque nenhum dos meus amigos me acompanhava nisso. Um belo dia, descobri que todo domingo a prefeitura daqui disponibilizava um guia pra subir uma pedra num parque aqui da cidade, e resolvi ir sozinha mesmo, já que se fosse esperar por alguém pra ir comigo, nunca iria. E foi ótimo, porque lá conheci três moças super alto astral e a afinidade foi instantânea, e sempre chamamos umas às outras para esse tipo de atividade. Esse foi só um exemplo, claro, mas acho que pode se aplicar a várias outras situações.
      Uma coisa que também é importante é estar aberta a conhecer pessoas. Explico: no trabalho sempre me dei bem com todo mundo, mas nunca tinha criado laços íntimos com ninguém, apesar de todos serem sempre muito legais comigo. Foi aí que percebi que eu nunca dei muita abertura: era sempre reservada, não falava muito da minha vida, simplesmente chegava, fazia meu trabalho e ia embora. Óbvio, sem ser ríspida com ninguém, mas a questão é que eu realmente não permitia às pessoas se aproximarem mais, não parava pra conversar enquanto tomava um café na cozinha, simplesmente pegava minha xícara e voltava pra sala, por exemplo. Eu até tinha um lema (interno, of course), de que eu ia pra trabalhar, não pra fazer amigos. Foi quando um dia eu acabei conversando um pouco mais com uma colega, vi quão legal ela era, e fui me dando conta de quanto eu poderia estar perdendo por me portar dessa maneira. Não deixei de ser quem eu era (na parte reservada), mas passei a interagir realmente com as pessoas, a aceitar convites pra happy hour (o que antes sempre dava um migué), e as coisas foram fluindo naturalmente, criamos um grupinho de meninas que sai com alguma frequência, e claro, tem aquelas que sou menos próximas, e aquelas que tenho mais intimidade/afinidade, e nisso as amizades vão se formando.
      Por isso, resumindo, acho que duas coisas são fundamentais: 1) conhecer pessoas e 2) estar aberta a elas. O resto é questão de tempo e de encontrar gente com afinidade com você 🙂

      • #21
        Constanza
        30.06.2016 - 10:09

        Mas antes de fazer novas amizades, as pessoas têm q aprender a manter as que já tem. Se não fica uma troca eterna e nunca terá um amigo pra sempre. Entendi q ela desfaz as amizades sempre q muda, então sempre q mudar terá q eliminar uns amigos e fazer outros? Não… Primeiro tem q ver o pq não segura amizades e depois sim ir atrás de novas!

  12. #22
    Ju Freitas
    29.06.2016 - 15:19

    Andrea, você tem que lembrar que você também não é perfeita. E que é gostoso crescer como pessoas juntos.

  13. #23
    Mariana
    29.06.2016 - 15:23

    Caso 1: você precisa analisar o relacionamento como um todo. Ele teve a intenção de trair e só não traiu pq a menina não quis, então é algo a considerar. Segundo ponto é: se o seu futuro não bate com o dele, pq insistir nisso e quebrar a cara depois?
    eu passei por isso um tempo. Namorei um cara que não tinha foco nenhum na vida… Os planos que ele fazia não iam pra frente, sempre mudava de ideia, e além de tudo, vivia num pindaíba surreal! Não aguentei isso! Também me tornei independente muito cedo, aos 20 anos… Então, é difícil lidar com esse tipo de pessoa mesmo.

    Caso 2: entendo a situação, mas faça um esforço maior para manter contato com seus amigos existentes. Enquanto isso, procure conhecer pessoas novas, frequentar lugares novos, barzinhos, etc

    Caso 3: Ninguém é perfeito nesse mundo! A gente se acostuma com as alguns defeitos de algumas pessoas. Claro que não é tudo que deve passar “batido”, mas nao precisa ser a ferro e fogo também. Se deixe levar um pouco.

  14. #24
    Carine
    29.06.2016 - 15:38

    CASO 2 – Kelly, além do que a Cony já falou sobre manter as amizades existentes, ou seja, passar a criar pontes ao invés de muros, você precisa se abrir para conhecer gente nova. Experimente frequentar lugares e fazer coisas que você goste e achará lá pessoas com gostos parecidos com os seus, como por exemplo, fazer aula de dança, entrar para um grupo de trilha, fazer um cursinho de línguas, pós graduação, algum esporte que te agrade, etc. Assim você terá a oportunidade de conhecer pessoas que se encaixem nos mesmos nichos que você. E esteja aberta para isso e faça sua parte mostrando o que vc tem de melhor. Boa sorte! :*

  15. #25
    Elisangela
    29.06.2016 - 15:50

    Barrados no baile!!! Amava!!!

  16. #26
    Carla Mendes
    29.06.2016 - 16:07

    Clarooooooo!
    Muito legal lembrar de Beverly Hills, 90210!!!!
    Cony beijos!
    Te adoro!

  17. #27
    Lara
    29.06.2016 - 16:46

    Cony, discordo: QUEM PROCURA, NÃO DEVE ACHAR!!!! Não é normal ter a confiança traída. Se achou, é pq o cara era desleal, caia fora!

    • #28
      Constanza
      29.06.2016 - 17:42

      Sempre vai achar, sempreeee! Não necessariamente uma traição, mas vai achar uma amiga, uma foto, uma conversa, um numero de telefone estranho, qq coisa que vai te deixar com a pulga atras da orelha. Sempre acha por isso melhor não procurar. Da mesma forma que se eles procurarem nas nossas coisas, tb vao achar qq coisinha pra ficar cismados! Isso vale para os dois lados.

      • #29
        Mary
        29.06.2016 - 18:20

        Concordo plenamente! Quem procura, acha motivo de sobra! Foi por isso que parei de olhar o celular do namorado, graças a Deus consegui. Nunca achei nada concreto, mas isso não significa que eu ficava bem, pelo contrário. Ia nas conversas com os amigos e ficava tentando achar significado nos papos, quando alguma coisa me encucava eu não podia perguntar e aí ficava o clima mais chato. Não podia dizer que olhei, não tinha como questionar um papo que não tinha nada de mais, mas por dentro eu ficava me despedaçando, criando mil e uma histórias diferentes de traição e obviamente descontando na relação. Continuo atenta, tenho minhas cismas, o ciúme não acabou 100%, mas consegui me livrar desse mal que é ficar mexendo em celular alheio e estou super bem! Se for pra descobrir algo, vou descobrir. Mas ficar imaginando não faz bem nem a mim nem à relação.

        • #30
          Constanza
          29.06.2016 - 19:49

          Pois é, a gente acaba criando um filme inteiro com algo que nem sabemos ao certo o que é. Imaginacao feminina é FODA hahahaha. Melhor não olhar. Se for pra saber, a gente vai saber por outros meios.

      • #31
        Ana Luiza
        29.06.2016 - 19:02

        Concordo contigo Cony, e se a pessoa PROCURA, é pq a confiança já não é lá aquelas coisas.

      • #32
        Loire
        29.06.2016 - 19:10

        Exatamente…

        • #33
          Larissa
          30.06.2016 - 09:56

          Tenho uma amiga que fala: “você pode até procurar, mas esteja pronta para lidar com o que achar”. e é isso mesmo. não acho que sempre vai achar não, acho que o ideal é não ter nada. mas se vai procurar esteja pronta para lidar com o que vier. se nao estiver pronta, melhor não fuçar.

    • #34
      Adriana
      29.06.2016 - 20:10

      Também acho que quem procura, NÃO deve achar! Uma coisa é o que a imaginação cria, outra é uma conversa pedindo pra ficar com a menina, isso é um fato! Acho que não se deve procurar pq ninguém merece viver nessa paranoia e concordo que cedo ou tarde a pessoa acaba sabendo por outros meios…

    • #35
      Ci
      29.06.2016 - 22:08

      Gente, achar motivo para ter ciúmes é uma coisa (coisa que inventamos na nossa cabeça), mas achar motivo real é outra. Isso que ela achou nao foi coisa da cabeça dela. O cara queria trair! Isso é motivo sim pra ela nao voltar com ele. Isso é desonestidade, gente! Um cara que fica com esse tipo de conversa com outras meninas no face, whatsapp, e afins, é um cara desleal. Mesmo que nunca tenha traído de fato. Se eu não faço esse tipo de coisa, por que tenho que achar um cara que faça isso normal?
      Eu nao voltaria com ele pelo motivo do crescimento profissional e pela “quase traição” também.

    • #36
      Susana Monteiro
      30.06.2016 - 00:16

      Lara, concordo plenamente! Eu nem pensaria duas vezes, terminaria no ato. Confiança não pode ser depositada de graça, ela é (e deve ser) testada. Não passou no teste, tchau. rs Meu marido pode procurar o quanto for, não vai achar nada, não vou me ofender com isso, não me incomodaria, porque sou leal. Quem não deve não teme =)

    • #37
      Carol Oliveira
      04.07.2016 - 11:27

      Concordo Lara. Cada um aceita o amor que acha que merece, e vejo muita mulher, mas muita mesmo, aceitando traição, mentira, história mal contada, porque, afinal, quem procura acha. Acontecer, perdoar e seguir em frente, ok, é uma opção que cabe a cada um. Mas não, não acho NADA normal crer que preciso enfiar a cabeça na terra, tal qual um avestruz, pois “quem procura acha”.
      Beijos!

      • #38
        Constanza
        04.07.2016 - 13:20

        Mas pior que acha viu… sempre sempre sempre, qq coisinha, dos dois lados, entao melhor não procurar e viver feliz. Não to falando que vai achar uma TRAIÇÃO propriamente dita, mas que vai encontrar qq coisa pra ficar cismada, isso vai. O que os olhos não veem o coração não sente 🙂

  18. #39
    Patrícia
    29.06.2016 - 17:30

    Kelly, tenho um problema parecido com o seu e, com o que descobri sobre mim, talvez eu possa te ajudar um pouco. Minhas duas dicas são: confie em você e tente se mostrar vulnerável. Explico: aprendi que, para uma nova amizade acontecer, não basta ter afinidade. Isso ajuda, definitivamente! Mas, para mim, precisei ter mais auto-confiança para me mostrar para o novo amigo, para conversar, para me expor, para expressar minhas opiniões. Quando eu ficava com receio de ser julgada ou avaliada pela nova amizade eu acabava me fechando em uma concha, ficando “em cima do muro”, evitando expressar minhas opiniões. E, como eu não me expunha, não me expressava, eu não me tornava interessante para o outro, sabe? E a gente espera que nossos amigos sejam pessoas interessantes, certo? Então, a primeira coisa é essa: não achar que está sendo avaliada e se mostrar como é. A gente é legal e vai achar gente bacana que sabe nos apreciar!
    O segundo ponto é relacionado e vale para cultivar a amizade e estreitar laços com quem a gente já conhece: mostrar-se vulnerável para os amigos. Eu tinha a impressão de que, para ser amada, para ser querida, eu tinha que ser perfeita. Que meus amigos não iam gostar de mim se soubessem das minhas dificuldades, das minhas falhas. E assim, para os amigos, parecia que nada me abalava, eu era perfeita. E isso fazia com que as pessoas não se aproximassem. Que as amizades ficassem superficiais. Na verdade, nossos amigos não gostam de gente perfeita. Eles não são perfeitos e preferem se relacionar com gente normal, que seja que nem eles, que tenha dificuldades que nem eles. Ninguém quer ficar se medindo em uma pessoa que transmite a ideia de perfeição. Por isso, minha sugestão é que você fale das suas dificuldades, ria de si mesma, demonstre quando você estiver triste ou feliz, fale de seus desejos e dos seus problemas. Seus amigos querem se sentir úteis e vão adorar poder te ajudar. Isso mostra confiança e estreitas as relações.
    A última coisa – e nisso eu ainda estou trabalhando – é que a gente tem que procurar: ligar, falar no whatsapp, chamar para sair, sugerir programas. A gente não pode ser só passivo na relação, sempre esperando que o outro nos procure. Sei que é uma delícia quando o amigo mostra que quer estar com a gente. Mas, na verdade, a gente também tem que mostrar para o outro que faz questão de estar com ele, né? Enfim, boa sorte para nós!

    • #40
      Taiza
      29.06.2016 - 20:09

      Nossa, amei!!!

    • #41
      Luana
      30.06.2016 - 08:53

      Ótimas dicas!!

    • #42
      Kelly
      03.07.2016 - 22:38

      É bem assim que me sinto mesmo. Tenho que trabalhar nesse último item que você citou

  19. #43
    Herica
    29.06.2016 - 17:47

    Cony,
    Barrados no Baile.

    Para ultima amiga, Andrea: todos os homens têm defeitos.
    Seja forte agora, pois vou fazer uma revelação bombástica : vc tbem tem defeitos….

    Todos temos qualidades também. Homens e mulheres.
    Você precisa escolher o defeito que vc suporta.

    Eu sou casada há 5 anos e sou uma pessoa muito, mas muito feliz.
    Meu marido é perfeito com as suas imperfeições.

    Eu não gosto de algumas coisas dele, mas as suporto, pq as qualidades que eu valorizo são as qualidades que ele tem.

    Quando solteira eu pensava, nunca poderei me relacionar com um cara mulherengo. Isso me tiraria a paz e eu ficaria infeliz.

    De fato meu marido é super caseiro, grude mesmo, companheiro, PORÉM(tudo nessa vida tem porém) é machista.

    Eu amo o lado companheiro dele, mas me irrito com o machismo dele.

    Então querida, decida o que vc suporta e o que vc não suporta. Pq até chocolate tem um lado ruim… Engorda.

    Bjussss

    P.S. Amo o fufu. Conyta gosto tanto do fufu e de vc que as vezes penso que se te ver na rua já vou chegar abrançando.. A íntima. Kkkk

    • #44
      Constanza
      29.06.2016 - 18:10

      Pois chegue e abrace 🙂

    • #45
      Taiza
      29.06.2016 - 20:07

      “Então querida, decida o que vc suporta e o que vc não suporta. Pq até chocolate tem um lado ruim… Engorda.”

      Vou rir disso pra sempre. Verdade verdadeira.

    • #46
      Erika/SP
      30.06.2016 - 08:33

      Amei seu comentário, xará!!!! 😀 Clap, clap!!!

  20. #47
    Lívia
    29.06.2016 - 18:08

    Acho engraçado sempre que leio esses Choras de pessoas que não conseguem fazer amizades.. eu poderia dizer a mesma coisa de mim, mas em relação à relacionamentos… Amizades sempre surgiram como uma coisa natural pra mim, nunca não tive uma melhor amiga, e olha que sou bem independente.

    Meu conselho é pra procurar um psicólogo.. isso porque só pelo relato não dá pra gente entender o que se passa… vai lá, chega e fala “olha, eu não consigo fazer amigos, me ajuda?”.. o psicólogo, ouvindo sua história, vendo sua postura, seu jeito de olhar, falar, se portar, vai poder te dar conselhos legais!

    E se mostre aberta às pessoas.. minhas melhores amigas eu fiz desabafando, contando besteiras pelas quais eu tinha passado, perrengues e etc. Faça isso, não desperdice boas oportunidades. Aquela colega de trabalho que vc acha simpática pode se tornar uma boa amiga. Numa oportunidade que tiver, conta pra ela de um boy que esteja conversando, um perrengue no namoro.. certamente ela terá histórias pra compartilhar.. e assim nasce uma amizade! Pessoas compartilhando vivências e criando afinidades!

    Boa sorte!

  21. #48
    Valeria
    29.06.2016 - 18:59

    Resumo do chora de hoje: só mulher chata, Meu Deus! Fico com pena dos namorados que aguentam todos estes mimimis. Gente, para sermos felizes temos que aprender a relaxar e dar importância ao que é realmente imprescindível.

    • #49
      Iasmin
      30.06.2016 - 23:47

      Chata é você, mulher! Eu hein…nem todo mundo é tão “bem resolvido” como você que pode se dar ao luxo de tratar mal os outros via Internet…

    • #50
      Anna
      01.07.2016 - 21:04

      Credo! Quanta falta de sororidade. Muito triste isso….

  22. #51
    Agatha
    29.06.2016 - 19:07

    As pessoas só deveriam casar com alguém que de fato admiram.
    De fato, a gente quando se envolve com alguém olhamos o conjunto.
    Já pensou você dormir com alguém todos os dias, e não ter razões maravilhosas pra compartilhar a vida com essa pessoa, apesar dos pequenos contratempos ?!
    Você pensar mais nos defeitos do outro e esquecer o lado bom é sinal que aquela pessoa não é certa pra você !!
    Alguém que não está disposto a se sacrificar por você não é a pessoa ideal para estar ao seu lado..!!
    Eu não sei se tive sorte de acertar em cheio com meu esposo, mas ele é o meu porto seguro, a pessoa que mais confio neste mundo. Eu torço para que as pessoas encontre sua alma gêmea, ou aquilo que elas quiserem chamar..!!

  23. #52
    Taiza
    29.06.2016 - 20:03

    Kelly, muito difícil recomeçar um círculo social depois de uma mudança, sei por experiência própria. Mas não deixe de cultivar as amizades que deixou para trás lá na cidade onde morava. A maioria das pessoas não cultiva amizades, deixa morrer, e quando volta os amigos já estão em outra. Procure ser sociável, e uma coisa q aprendi depois de velha, sou bem mais velha que vc: bom humor derruba muitas barreiras! Não to falando pra ser a toiça que só dá risada, mas aproveitar uma deixa de um colega pra falar uma besteirinha ajuda que é uma beleza! 😉

  24. #53
    Eliane Silveira
    29.06.2016 - 20:23

    Faz um post sobre a Sindrome de Chandler Bing, acho que vai ficar legal…rsrsrs 😀

  25. #54
    Priscila
    29.06.2016 - 21:10

    1.caso: Se vc tivesse que voltar, teria voltado. A quase traição só foi o estopim para a falta de perspectiva e por não acreditar que ele possa querer progredir, construindo agora pra colher lá na frente.
    2.caso: Acho que a sua dificuldade eh em fazer novas amizades. Eu nunca tive essa dificuldade, mas amizades não surgem de uma hora pra outra. Puxe papo, cumprimente aquele desconhecido que você cruza todos os dias no ônibus, metrô. Se tem vergonha de interações cara a cara (eu sempre cumprimento motorista, cobrador, etc kkkkk), participe de fóruns de internet em assuntos que seja do seu interesse. Um assunto já vai ter. O Facebook tem grupos de taaaantos assuntos e tantas pessoas maravilhosas. Fiz amizades sinceras no Orkut há quase 10 anos! Saio pra caramba e conheci meu namorado na internet (e não no esquema: Barzinhos, viagens, academias que sempre me aconselharam). Vai criando oportunidades. E se o seu desejo eh retomar a amizade com o pessoal de sempre, faça contato: Whats, ligação, email, um comentário alegre em uma postagem de Facebook, instagram. Vai em frente.
    3.caso: Se permita conhecer e se divertir com os errados enquanto não encontra a pessoa certa. E quando encontrar a certa, ela vai ter defeitos e também encontrará defeitos em você. Existem defeitos e defeitos: O tal homem másculo pode ter variáveis e estar em um machista. Mas esse machista pode passar tanta confiança que pode se tornar uma quantidade.

  26. #55
    Roberta
    29.06.2016 - 21:59

    Nossa, Cony! Não acredito q vc passou um pano pro safado qndo comentou o caso da Brenda!

    Brenda, menina! Não volta pra esse imbecil, não! Ele faltou com respeito com vc completamente! Vc dá dessas, de pedir pra ficar com outros caras? Pq ele teria esse direito, então? Pelo amor de Deus! Quem procura não tem q achar nada! Se achar não é culpa sua! Corta a relação com esse cínico. Ele só se arrependeu pq vc flagrou. Imagina se a menina topa? Por mim, nem adianta mais conversar com ele sobre futuro. Seu futuro com ele é: ser trouxa!

  27. #56
    Lih
    29.06.2016 - 22:22

    Para o caso 1 – Brenda

    Brenda, me identifiquei muito com seu caso. Sabe eu conheci meu marido qnd tinha 18 anos e ele 19. Nos conhecemos pela internet e ficamos mtmt apaixonados…Mas tinha um porém..Ele não queria nada com nada! Eu ja trabalhava numa gande empresa ( que estou ate hoje) , ganhava meu dinheiro, pagava minha faculdade…E ele não queria nem saber de trabalho! Qnd nos conhecemos nem a pipoxa do cinema ele pagou Pq não tinha dinheiro…mas ah como eu o amava…Ele não aceitava fazer estágio, queria entrar logo como contratado kkkkkk..Lembro q conversei muito com ele, muit muitooo..Dei toda força do mundo, mostrei q a vida não era assim, paguei cursos e posso te falar? Hj meu marido ganha mt mais q eu, eh formado, tem varias certifições na sua área, coordena uma equipe de mais de 10 pessoas, eh responsável ama estudar e eh mt trabalhador. Ele brinca q eu fi z um investimento nele…Minha sogra me ama por isso kkkkk..Somos casados ha 6 anos , ele tem 30 e eh outra pessoa. As coisas mudam, vcs são novos e precisam conversar pra se entender…Eu o amava muito e me dediquei demais pra ajuda-lo e graças a Deus valeu a pena!!! Qnt ao ciúme, eh natural…Ele realmente aprontou e isso dói, mas se vc o ama como diz e ele ta arrependido vale dar uma chance. Ja se passaram meses e ele não desistiu de vc! Não podemos deixar nosso orgulho falar mais alto q a nossa felicidade! Siga seu coração, mas tenha em mente q se vc o ama DE VERDADE vai valer a pena!

  28. #57
    Sil
    29.06.2016 - 22:43

    Concordo com a Mari, entendi que o questionamento da Kelly não foi sobre como manter os amigos q ela já tem mas sim como fazer novas amizades. Ela quer ter a presença física das pessoas e até tentou reencontrar os amigos antigos da capital mas não deu certo e quer encontrar novos. Eu tb passo pelo mesmo problema, estou até numa situação um pouco melhor pq os amigos q estão distante eu consigo manter, estamos sempre em contato mas estou numa cidade nova e quero fazer novas amizades mas não sei onde encontrar. As pessoas do trabalho são casadas, estão em outra vibe, faço pilates, na minha turma tb todo mundo é casado. E aí, como fazer novos amigos???

  29. #58
    Cristina
    29.06.2016 - 23:33

    HAHAHAHA
    “Cadê os homens com H?” foi ótimo… Depois de 6 anos namorando também confesso que fico meio perdida nesse “novo mundo”. As coisas parecem ter mudado um pouco nesse aspecto..

  30. #59
    Naomi
    30.06.2016 - 08:48

    Kelly – quer ser minha amiga? Haha
    Passo pelo mesmo problema que você, me mudo com frequência, mantenho alguns amigos mas é complicado mesmo fazer novos..
    Começar um curso de línguas, fazer uma pós ou praticar um esporte ajuda bastante na hora de fazer novas amizades.
    Já leu esse post do coisasdediva? http://www.coisasdediva.com.br/2016/06/sobre-sair-sozinha-e-saber-aproveitar-propria-companhia

    Boa sorte 🙂

    • #60
      Kelly
      03.07.2016 - 22:31

      Li esse texto sim e super me identifiquei!

  31. #61
    Jusb
    30.06.2016 - 09:48

    Esse comentário quero fazer pra Brenda, mas não vou falar da parte da quase traição, porque pra mim isso já está superado. Como a Cony falou, pode ter sido por mil motivos no dia, mas acho sim que ele já deu provas de que está arrependido. Então a não ser que haja algum outro motivo pra desconfiança, eu não vejo problema nesse ponto.
    Mas quero falar mesmo é da parte financeira, porque já estive nas duas situações, e discordo um pouco do que a Cony e as outras meninas vêm dizendo.
    Explico: sempre tive uma pequena independência financeira, porque desde o ensino médio estagiava, então conseguia pagar minhas contas e eventualmente comprar umas coisinhas. Mas no meu relacionamento anterior, ele, já formado e empregado, ganhava o dobro do que eu, e ainda que procurássemos sempre dividir tudo, frequentemente eu não conseguia acompanhar algumas coisas. Conseguia pagar minhas contas, conseguia viajar com meu dinheiro, mas inegavelmente ele me ajudava um pouco, nem que seja me dando a estabilidade que eu precisava pra torrar toda a minha poupança na nossa viagem de férias por exemplo. Importante dizer que embora já empregada, nessa época eu ainda estava na faculdade, então essas ajudas eram muito importantes mesmo. O relacionamento terminou por uma série de motivos, porque ele era basicamente um babaca, mas isso não vem ao caso.
    Mas o fato é que agora o jogo virou: me formei, ganhei um incentivo salarial com isso, e hoje namoro com um cara que ganha bem menos que eu, e inclusive teve que largar a faculdade porque não tinha mais como pagá-la (isso eu acho realmente trágico). E as coisas andam tão apertadas pra ele, que se eu quero jantar fora, eu tenho que pagar, se é pra ir passar um final de semana numa pousadinha nas montanhas, eu tenho que pagar. Óbvio que essas coisas me enchem um pouco. Às vezes dá vontade de fazer algumas loucurinhas, e sei que não rola porque simplesmente não tenho como bancar tudo sozinha sempre. PORÉM, tem alguns pontos que são importantes, e que no meu caso específico me ajudam a continuar.
    Primeiro: meu ex namorado já fez isso por mim, e meu atual namorado já fez isso por ex namoradas, quando era ele que estava em uma boa situação. Ou seja, o mundo dá voltas, as situações vão se invertendo, hoje estou bem, amanhã posso estar mal, e a gente vai assim, ajudando e sendo ajudado. Por isso acho importante ver com quem você se relaciona, e tentar ver como essa pessoa reagiria se fosse uma situação contrária, como por exemplo, saber que meu ex namorado já “bancou” ex namoradas que eram pobretas, em uma época anterior que era ele quem tinha uma situação financeira melhor. Nós conversamos abertamente sobre isso, e inclusive uma vez, logo depois de ele contar de um amigo que estava bem desconfortável porque estava ganhando menos que a namorada, perguntei como ele se sentia com a nossa situação, se não se sentia desconfortável também. A resposta dele foi a seguinte: óbvio que ele não ficava feliz de me ver pagar tudo, queria poder ajudar mais, até mesmo pra gente fazer mais coisas, mas que não se sentia mal/humilhado/envergonhado por um motivo muito simples: já tinha feito isso por outros e sabia como é, e sem dúvidas faria isso por mim atualmente, se ainda pudesse.
    Outra coisa importante é ver o nível de acomodamento, ver se a pessoa está acomodada nessa situação, se está te sugando, ainda que inconscientemente, se não busca algo melhor (não conseguir é diferente de não buscar!). Vocês podem estar passando por uma situação temporária, e pode ser que em algum momento a vida dele super deslanche. Uma coisa que sem dúvidas pesou muito pra mim é a idade de vocês: quando eu tinha 20 anos eu não fazia idéia do que queria da vida! Muito embora você tenha amadurecido e adquirido responsabilidades muito rápido, sinceramente eu não o culpo. Uns poucos gênios sortudos são bem sucedidos na vida com 20 anos, e que bom que você é um deles! Mas definitivamente eu não cobraria “um futuro definido” pra alguém dessa idade. Óbvio que se as coisas continuarem as mesmas daqui uns anos as coisas podem ficar insustentáveis, mas acho sim que muita coisa pode acontecer pros dois.
    Sei como é difícil abrir mão de planos porque o outro não pode acompanhar, porque vivo isso na pele. Mas será que não fazemos cobranças demais não? Hoje vivo melhor, mas há apenas 4 anos não tinha nada definido na minha vida e ganhava uma miseriazinha com meu estágio, e isso faz com que minha visão sobre as coisas não seja assim tão radical.

    • #62
      Sabrina
      30.06.2016 - 13:17

      Jusb, perfeito!!! Muito parecido com a situação relatada por mim, um pouco acima!! É exatamente isso: uns fazem por nós, nós fazemos por outros e assim o mundo gira! Nesse caso, o x da questão é como o cara se comporta diante da situação: aproveita da sua boa vontade e melhor condição financeira e abusa, sem dó nem piedade, ou entende a situação momentanea e não se acomoda? Lá em casa, como não temos condição de ir com frequência a restaurantes, mas por causa do salário do meu marido do que do meu, já que acabo assumindo outras obrigações dentro de casa, ele aprendeu a cozinhar os pratos que mais gosto, pechincha para comprar sempre bons ingredientes… E assim vamos vivendo, nos fortalecendo/aproximando cada vez mais e suportando (no sentido de dar suporte rsrs) um ao outro em cada momento da vida!

  32. #63
    Nina
    30.06.2016 - 10:30

    Não vou opinar nada…só vim pra falar do Síndrome de Chandler Bing! hahahahahaahahah Rindo hoooooras!
    Imaginei a voz da Janice já: Chandleeeeeeeeeer…hahahahaah
    mt amor!

  33. #64
    Maria Angela
    30.06.2016 - 11:30

    Caso 3 – fico triste, muito triste de ouvir algo como isto. Homem com H é o que em sua definição? Aquele ogro musculoso de romance? Pois eu conheço gays que são homens com H. Honestos, responsáveis, gentis, protetores e acima de tudo extremamente respeitosos. A orientação sexual de alguém não define seu caráter.A aparência física também não. O que importa nesta vida são valores como honestidade, responsabilidade, gentileza e respeito. O resto é perene e perece.

  34. #65
    Amanda
    30.06.2016 - 11:58

    Uma vez o pai de uma amiga disse o seguinte: ” Só é CORNO quem é CURIOSO”.
    Levo isso para minha vida, concordo plenamente com você Cony.
    Podemos criar algo que nem existe apenas por ver algo estranho.

  35. #66
    Cássia Lopes
    30.06.2016 - 12:05

    Barrados no Baile!!!
    Amo!
    Vou falar só pra Andrea.
    Miga, você nunca vai achar alguém perfeito. Como a Cony disse você tem que exaltar as qualidades e tentar suportar os defeitos (desde que não sejam inconcebíveis pra você).
    Porque você tem defeitos também e o par também vai ter que aceitá-los e suportá-los.
    Amo meu marido ele é ótimo comigo. Somos muito felizes. Mas ele tem algumas características que me deixam louca. Sério. Mas tento aguentar. Tento suportar. Tento conversar. Brigamos. Enfim. Vamos vivendo.
    Acho que o mundo hoje em dia está assim, sabe? As pessoas não aguentam mais conviver com quem é diferente delas. Você não consegue incluir crianças autistas ou com deficiência (desculpe, sou mãe então estou muito envolvida com isso). As pessoas não sabem aceitar, não percebem que somos todos diferentes. Que cada um é cada um. Com suas limitações, defeitos. Mas enfim…É isso.

  36. #67
    Mari
    30.06.2016 - 12:20

    Brenda…vou tocar num ponto que talvez nem todas concordem…pelo que li, desde pequeno seu ex vive em função da relação de vocês. Ao que parece, ele nunca teve experiência com outras mulheres e nunca viveu a fase de “pegação”, motivo pelo qual aposto minhas fichas que foi o que o levou ao “quase-chifre”. Eu sinceramente acredito que essa fase é muuuito importante para ambos os sexos, a fase se sair, paquerar etc…se alguém nunca teve isso pode até ser que nunca traia, haja vista ser também questão de caráter, mas COM CERTEZA vez ou outra pensará que poderia ter aproveitado mais a vida…se isso…se aquilo!
    Logo….vai curtir!!! Se vcs tiverem que ficar juntos, cartamente a vida se encarregará disso!
    Beijocas!

  37. #68
    Cris
    30.06.2016 - 16:03

    Caso 02-

    Muitas vezes uma séria doença, chamada transtorno de personalidade evitativa pode ser confundida com nariz em pé, frescura ou seletividade exagerada.

    Vejam o que acontece:
    “Pessoas que sofrem com esse transtorno costumam também ser muito preocupadas com críticas e rejeições, não fazem novas amizades facilmente, até porque acreditam ser inferiores aos demais. Além disso, dificilmente, assumem riscos ou estão abertas a novas experiências, por mais simples que pareçam.”

    Ou seja, tem gente fresca no mundo, há casos de timidez, mas também há casos em que é necessária ajuda profissional!

  38. #69
    Carol
    30.06.2016 - 18:12

    Kelly, vamos ser migas?
    Tbm sofro pra manter as amizades. Digo que não sei ser amigas dos meus amigos =/ Mudei pra SP há um tempo mas conto nos dedos de uma mão os amigos que fiz. E olha que tem anos…Pelo menos curtir Fufu já é uma afinidade ahahahaha

    • #70
      Kelly
      03.07.2016 - 22:33

      Vamos, Carol! Tamo junto rs

  39. #71
    Lívia Santiago
    30.06.2016 - 22:55

    Eu me identifiquei com o caso da Brenda. Aconteceu exatamente o mesmo comigo. Chegaram ao meu conhecimento provas de uma “quase traição” dele, e não tinha como ignorar. Ele veio com exatamente o mesmo papo, que era fogo de palha, que não tinha feito nada e que não teria coragem de concretizar, bla bla bla. Eu fiquei muito sentida, porque minha opinião é de que a infidelidade começa na intenção. Pra mim não tem meia traição. Uma coisa é achar alguém bonito, pensar “ô lá em casa” e seguir a vida. Outra coisa bem diferente é partir pra ação e tentar concretizar. Isso é infidelidade sim, afinal, ele não foi forçado a pedir ninguém pra sair. Ele QUIS trair, não importa se ele não chegou nos finalmente. Pra mim esse era o principal. Sem contar que: se eu descobri aquela tentativa, imagina o que ele pode ter feito que não chegou ao meu conhecimento? Enfim. Fato é que eu acabei passando por cima de tudo (contra todos os meus instintos e convicções), e continuamos juntos. Demorei MUITO pra perdoar, foi uma sombra por muito tempo no nosso relacionamento, motivo de várias brigas. Mas nunca esqueci (não, quem perdoa não tem que esquecer, só se livrar da mágoa). Com certeza isso abalou minha confiança nele. Não que eu seja paranóica (nunca fui MESMO, nunca olhei celular nem nada, acho total invasão de privacidade). Mas se acontecer algo assim de novo, eu não vou me surpreender. Eu acho esse sentimento ruim. A gente tem que se surpreender por alguém trair nossa confiança. As atitudes dele que geraram esse sentimento chato.

    Sobre a falta de ambição, fiquei surpresa da maioria ter achado o mais grave! Quem disse que num casal oa dois tem que ganhar igual? E se ele ganhasse mais que você ou tivesse mais ambição, estaria tudo bem? Então é “natural” o homem ganhar mais que a mulher e se dedicar mais à carreira? Não, não é. Somos todos humanos, com seus sonhos e paixões. Desde que conheço meu namorado eu percebi que ele não tem grandes ambições, pra ele é suficiente um emprego que pague as contas e sobre o suficiente pra ele se dar aos luxos que ele gosta. Quem sou eu pra julgar o que cada um tem como objetivo? Ele tem que desistir da vida que ele escolheu pra ele e se violentar com uma carreira que vai fazê-lo infeliz só pra me acompanhar na minha ambição? Claro que não! Eu ficaria extremamente chateada se dosse o contrário, comele me dizendo o que eu tenho que fazer na minha vida profissional.

    Não vou dizer que esse assunto é ponto pacífico na nossa relação, porque ele quer muito acreditar que ele é mais ambicioso do que realmente é, rs. Mas fora isso, eu não me sinto no direito de interferir nisso. Nessa questão financeira, eu fiquei em paz. Eu sou super ambiciosa, acabei de ser promovida, ganho 5x mais do que ele, e acho que estou só começando; ele está de boa com o trabalho menos remunerado dele, é feliz assim e vivemos muito bem. Ele já se incomodou com a “pressão social” de ganhar menos, mas chegamos juntos à conclusão de que à infelicidade dele se forçando a ser alguém que ele não é só iria destruir nosso relacionamento. Ele super me apoia em tudo, mais do que as esposas de muitos colegas de trabalho.

    Dividindo as contas de casa proporcionalmente, ele temos luxos dele bancados pelo salário dele, eu os meus. Se queremos fazer algo grande juntos, tipo uma viagem longa, fazemos o mesmo. Ele nunca se sentiu confortável comigo sendo “a provedora majoritária”. Mas como eu me sentiria injustiçada se fosse o contrário e meu namorado quisesse dividir 50-50, chegamos nesse acordo. Fica a sugestão, caso vocês fiquem juntos. Vamos destabulizar esse negócio de que é tranquilo homem ganhar mais que mulher e bancar tudo, mas se for o contrário o cara é descansado.

    Enfim, fica a minha experiência, mas cada caso é um caso. Depende totalmente do que cada um acha aceitável ou não. Como diz minha avó, você escolhe um companheiro não só pelas suas qualidades, mas principalmente pelos defeitos que você escolheu aceitar.

  40. #72
    Iasmin
    30.06.2016 - 23:21

    Brenda –

    Amiga, você acha mesmo que ele ficou 4 anos sem ficar com ninguém? Não, amiga, isso não aconteceu. Ele foi discreto, apenas isso. E nem sei se isso cabe para um cara que estava paquerando pelo Facebook sabendo que a namorada tinha a senha. Você é tão nova, tantas coisas ainda por vir. Acabei de ver a minha irmã terminar o casamento depois de 1 ano casados (mais 7 anos de namoro) com um cara que simplesmente não tinha futuro e não aguentava mais ser cobrado por isso, e depois de tudo que ela fez pra ver se ele andava pra frente, ele terminou tudo dando como o seguinte motivo: ela estava muito gorda…Se você acha que um cara não tem muito futuro, pense muito bem!

  41. #73
    Caroline G.
    03.07.2016 - 18:49

    Credo!! Discordo do primeiro conselho. Eu procuro sim, e não acho! Não perdoaria uma traição dessas…

Comente