Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
12 ago 2020, 38 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Parei de contar as quartas feiras. Vamos lá de novo:

Chora 01 – Vert

Oi Cony, sigo o seu blog há anos, prai desde 2013, e adoro!

O meu choro é sobre meus sogros. Eles não são más pessoas, mas passam a vida convidando para ir lá em casa. Domingo, feriado, dia 1 de janeiro, natal, carnaval, festa junina, chegando de viagem, quando eu só quero ir para casa e sentir o conforto de ter chegado… Todos os dias livres do ano basicamente. Acontece que meu namorado quer sempre ir lá e eu não. Prefiro passar meu tempo de outras formas, tipo almoçar fora, praia, ficar em casa sem nenhum compromisso com ninguém entende?

Isso sempre nos traz problemas, principalmente em épocas festivas e feriados, no ultimo mês cheguei ao meu limite e disse ao meu namorado (moramos juntos há 2 anos, e estamos juntos há 12 anos) que não queria mais ter o domingo determinado para ir na casa deles e sugeri outro dia, tipo sábado a noite, depois de uma puta discussão ele aceitou porque eu basicamente disse que não iria ceder mais… Agora estamos vendo se no futuro isso vai continuando nos trazendo problemas como casal. 

Meus sogros e namorado são pessoas bem conservadoras e não tem essa de não aparecer no final de semana, por isso ir de 15 em 15 dias simplesmente não é opção… Mas me sinto bem presa junto deles, é como se não pudesse dar minha opinião, é como se eu não gosto de alguma coisa que eles gostam de fazer esta errado… por exemplo, no dia 1 de janeiro eles fizeram almoço e ficam pro jantar e nem saímos durante o dia inteiro, para mim é péssimo ficar um dia inteiro a mesa conversando e jogando jogos, prefiro sair, mas não tem essa abertura e estou farta… parece que sempre tem que ter uma desculpa ou compromisso para não ir, por exemplo, se vamos almoçar lá, meu namorado não aceita que simplesmente eu quero ir para casa ao final do almoço ou da tarde, ele quer ficar e pronto. Isso me faz mas não sei se sou egoísta ou se tenho meu direito. Meu maior medo é que isso faça com que nosso relacionamento chegue ao fim um dia.

Enquanto família mais alargada, tios e primos eles são bem diferentes da minha família, parecem não se sentir a vontade entre eles e quando alguém fala que vai embora mais cedo parece ser olhado com admiração… tudo isso para mim é bem estranho e incomodo apesar de já conviver com eles há anos, mas não tem nada que possa fazer…

Me ajudem meninas, esse assunto de sogros precisa deixar de ser tabu! Beijo

Menina que texto confuso. Franzi a testa várias vezes pra entender direito… Você tem que ir pra casa dos sogros ou eles que vão pra sua casa??? De toda maneira, você tem que fazer o que te deixa a vontade e que não force sua natureza. Se seu namorado vai lá almoçar todo domingo, você pode ir como também pode NÃO ir, ou ir e voltar antes, fazer suas coisas, sair com suas amigas, ficar em casa a tôa. Pra que se amarrar nos compromissos do boy assim? Precisa disso não viu?

Chora 02 – Adidas

Casamento nunca foi um sonho mas sempre pensei que se um dia acontecesse deveria ter uma pequena cerimônia religiosa e eu e o amado adotaríamos um nome de casal. Enfim, conheci alguém que a princípio me pressionou muito para nos casarmos. Quase terminei o relacionamento por causa disso, mas no final das contas nos casamos após 5 meses de namoro. Eu já o tinha namorado há 13 anos atrás então na verdade foi um reencontro. A questão é que eu acho lindo quando um assume o sobrenome do outro e forma um nome de casal e eu compartilhei isso com ele, mas ele não quis por dizer que dava trabalho. Só isso! Por que daria trabalho. No final das contas ele concordou em alterarmos os nomes após o casamento civil o que não aconteceu, ele simplesmente esqueceu e mesmo eu tendo falado disso várias vezes ele não moveu uma palha pra fazer isso por mim, mesmo tendo prometido. Ele sempre me diz coisas do tipo “Você é tudo pra mim”, “Faço tudo por você”, mas são palavras vazias quando na prática ele não foi capaz de me dar essa prova de amor. Hoje estamos com quase dois meses de casados e eu carrego essa mágoa enorme. Já tivemos sérias brigas por conta disso. Eu tive que engolir que não alteramos o nome e pronto, mas a cada dia que passa fica mais difícil fingir que está tudo bem, principalmente porque eu faço tudo para agradá-lo. Já conversei com ele sobre o assunto, mas ele simplesmente “se faz de besta” e deixa pra lá pq dá trabalho. Enfim, ele não se incomoda com meu incômodo e eu sinto como se nem estivesse casada, afinal, no nome é como se ainda fôssemos solteiros. Não me sinto dele e nem como se ele fosse meu, não me entendam mal, não quero ter posse sobre ele, jamais, na verdade sou uma mulher independente, mas essa questão do nome foi um sonho frustrado. Ele prometeu mas não fez, e agora todas as vezes que ele diz que me ama automaticamente vem na minha mente “mentiroso”, “falso”, isso está me destruindo e matando o meu sentimento por ele. É como se fosse um gatilho mental, ele diz que me ama e eu apenas não acredito mais. Penso seriamente em me divorciar, agora nem quero mais mudar de nome, pois nada que é conquistado através de brigas e ofensas vale a pena. Eu só quero recuperar minha paz de espírito. Me arrependo de ter casado, estava melhor sozinha. Não consigo ver com clareza essa situação, o que acham?

Ah mulher vou concordar com ele. Acho que dá trabalho mesmo, eu nem cogitei em mudar, sequer dei essa opção… acho isso tão pequeno frente as maneiras de demonstrar o amor, o carinho e o respeito que pelo jeito ele super demonstra pra você. Acho que você está superdimensionando algo, menosprezando um relacionamento inteiro e pedir prova de amor desse jeito… Que triste se arrepender de ter casado porque ele não quis mudar o nome… pensa assim não, a gente tem que abrir mão de algumas coisas também. Nem sempre tudo vai ser do jeitinho que você quer e tá tudo bem!! Mas se mudar o nome tem esse peso tão grande assim pra você – e juro que eu não vejo nada demais em não ter o nome do outro – e ter conversado com ele não adiantou e nem vai superar isso, não amargue mais o casamento e volte pra solteirice. Também me incomoda um pouco o seu relato no início, que casou forçada, que não queria… enfim, será que você o ama mesmo?

Chora 03 – Nike

Cony, adoro seu blog, estou passando por um momento muito delicado e já não sei o que fazer. Me casei há 8 meses, tenho uma filha de 26 anos e meu marido um filho de 21, ambos moram conosco.O problema é o filho dele, não quer saber de estudar, trabalhar, passa a noite acordado e dorme durante o dia. Logo que mudamos ele compartilhava o banheiro com
minha filha, foi tanto stress pela falta de higiene e desorganização dele que dei um banheiro menor para minha filha usar e acabar com o aborrecimento. Depois ele pegou minha chave de casa e escritório, fiquei louca procurando e la vem ele dizendo que pegou enganado. Fez a
mesma coisa com meu carregador de celular, comprei outro depois ele disse que tinha pego enganado. Certo dia comeu minha marmita que estava na geladeira , sendo que tinha comida em outros potes. Mudou a senha da internet, ficamos 5 dias sem conexão, até que descobrimos que ele tinha mudado pra ficar mais rápida só pra ele. Outro dia vi uma mensagem dele para o pai dizendo que era melhor quando morava so os dois. Tambem teve
um episodio que o pai descobriu que ele estava pegando o carro dele para dar rolê a noite, não falou nada pra não se aborrecer. A gota d´água essa semana foi ele colocar vários cabides de roupa na tela de proteção da sacada do prédio, o pai reclamou ele tirou… e colocou na tela da janela do quarto dele.Fiquei muito brava! O pai recolheu tudo e nem falou nada com ele, disse que não queria se aborrecer. Ele poderia mandar o filho morar com a mãe ou no antigo apto dele que esta alugado, mas fica inerte…As vezes acho que eu deveria relevar essas coisas pra evitar brigas. Mas não consigo. Todas as brigas em casa é pela teimosia e folga dele, to pensando em desistir de tudo e voltar para minha casa. Me ajudem, por favor.

Moça, como assim mandar o rapaz pra casa da mãe dele ou outro lugar pra você ficar numa boa? Pensa que aí é a casa dele, que antes morava ele e o pai e agora moram mais duas mulheres “estranhas” com ele. É compreensível sim que ele esteja dando certo trabalho… Acho que tá faltando é diálogo… você ja sentou com ele pra conversar, com carinho, respeito, educação, inserir a nova família na cabeça dele, fazer ele entender que as coisas mudaram, que agora vocês 4 são uma nova família, que tem que viver em paz, tranquilidade, com harmonia, que você gosta dele como se fosse um filho seu? Porque assim sim ele te tratará com o mesmo carinho e respeito! Não é brigando, discutido, querendo que ele saia da própria casa que vocês vão resolver isso. Se o caso ficar muito insustentável, terapia familiar aí! É realmente muita mudança pra um rapaz absorver (e homens demoram bem mais que mulheres em amadurecer, e vamos lá saber como era essa relação de pai e filho antes)… ele pode estar se sentindo invadido também. Conversem, conversem MUITO.

  • Choras ABERTOS! Pode mandar seu caso, sua angústia, seu problema, seu desabafo para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO! Seu anonimato está garantido!

Moda
Fashion News
11 ago 2020, 31 comentários

Veja o Vert!

Gente, olha que interessante… O mais novo tênis queridinho das fashionistas gringas é… brasileiro! Aqui se chama VERT mas lá fora é conhecido como VEJA. Mas como assim? Senta que lá vem história…

Em 2003, dois amigos franceses decidiram montar uma marca 100% ecológica, sustentável, para isso visitaram alguns países, alguns lugares para se inspirar mas se apaixonaram pela Amazônia. Eles queriam propor um produto que tivesse um impacto social positivo e que também fosse ecológico e como eram amantes de tênis, a Vert surgiu em 2004.

A fábrica fica em Novo Hamburgo, toda a borracha utilizada vem dos seringueiros da Amazônia, o algodão – orgânico – é do Nordeste do Brasil e os tecidos – originários de garrafas pet – em SP, porém, todo a parte do design e estilo, é feita em Paris.

Durante quase 10 anos, a Vert só era vendida fora do Brasil, onde se chama VEJA, de “ver” mesmo. E convenhamos, esse nome não ficaria muito bom aqui né? Mesmo porque conflita com os produtos de limpeza Veja, e legalmente, quando uma marca tem um nome muito forte, não pode ter outra com o mesmo nome, mesmo sendo produtos diferentes. Aqui virou Vert, verde em francês, e somente em 2013 começou a ser vendida no Brasil.

E tem mais curiosidade! Produzir um produto 100% ecológico pode custar até 7 vezes mais do que um que contamina o meio ambiente, porém os tênis da Vert tem preço médio de R$ 400, o que é “normal”, mas como conseguem isso? Eles investem ZERO em marketing e publicidade. Tudo é na base do boca a boca!

Mas bem, estamos em 2020 e hoje são os tênis ecologicamente corretos mais procurados! E o que faz esse tênis, tão normal e comum, apenas um tênis branco com um V do lado, ser esse sucesso todo???

  • Identidade própria – não está “batido” mas é facilmente reconhecido
  • Sentimento de pertencer ao grupo cool, que usa algo com aparência vintage, retro e de uma marca não tão conhecida assim
  • E claro, usar algo com responsabilidade social, que é a maior tendência mundial quando falamos de moda

Legal demais né?

Quer ver qual é o tênis? Esse aqui ó:

As gringa tuuuuudo estão usando! Aqui vende no site da Vert (aqui o LINK) e acha em multimarcas também mas o modelo mais clássico, o Esplar com a logo preta, acaba rapidão, mesmo porque eles não produzem em grande escala. E sim, comprei um, antes de fazer o post com medo de esgotar hahaha. Tô me achando cool e… ecologicamente correta!

  • Que tal? Bonito não é, tipo, é ok, normal, mas a história dele e o processo de fabricação é tão bacana que dá gosto de usar! O que acham?