24
May 2017
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Vejamos as aflições de hoje:

Caso 01 – Corona

Meu marido e eu nos relacionamos há quase 11 anos, 5 de casamento. Acontece que desde sempre meu cunhado que é 10 anos mais novo que ele (hoje ele tem 28 e meu esposo 38)  nunca me engoliu por puro ciúmes e também acredito ter um pouco de inveja envolvida. Eu já tentei por inúmeras vezes mostrar que não havia motivos. Parece-me que ele tenta o tempo todo competir comigo, e eu sempre tolerando e relevando. Enfim, pra chegar no ponto onde minha paciência acabou preciso contar que há 1 ano e meio meu marido foi diagnosticado com depressão e síndrome do pânico. Ele trabalha numa instituição financeira onde as cobranças por resultados são desumanos, e como se isso já não bastasse, há tempos atrás ele sofreu um assalto dentro do trabalho e logo depois na troca do gerente geral começou a sofrer assédio moral e perseguição. Reuni a família e pedi que tivessem paciência, e tentassem não trazer mais problemas. Numa dessas conversas até liguei para o meu cunhado solicitando que o mesmo se reunisse com o meu marido para uma tarde de lazer, pois ambos estavam precisando e o meu cunhado havia recentemente terminado o relacionamento. Mas ele não perde oportunidades de tentar me atacar mesmo com todo esse meu esforço, até que um belo dia eu não aguentei mais fazer a egípcia e disse umas verdades à ele. Verdades essa que o fizeram me bloquear, ou seja, ele nem com um “bom dia” se dirige mais à minha pessoa. Isso pq ele sempre frequentou a minha casa e até passava alguns fds lá. Acontece que além de todo o transtorno na minha vida que o fato do meu marido estar com depressão me trouxe (ele se tornou agressivo, relapso, não tem mais interesse sexual, TOC’s entre outros) preciso aturar a família toda dele dando pitacos, que mesmo com a intenção de ajudar mais atrapalham que ajudam. Meu marido já tentou neutralizá-lo como pode mas não foi suficiente, acho que falta mais atitude dele, mas não me sinto confortável  e nem posso fazê-lo escolher entre a família e eu, mas por outro lado já não consigo lidar com toda a situação, ela tem sido maior que todo o lado bom que ainda existe. Já dei vários toques pra ele, e ele sempre acaba explodindo comigo. Estamos em crise, já mencionando por diversas vezes a separação. Eu ainda o amo, mas estou ficando doente. Ele só começou a frequentar terapia há 1 mês, até então estava se tratando com um neurologista, e a psicóloga só entrou quando eu dei o aviso  que nós terminaríamos de vez se ele não buscasse ajuda. Muita informação pra ele digerir, eu sei, mas por outro lado eu preciso me amar, me sentir amada e desejada e não ter que “disputar” ele com ninguém. Já não sei mais como proceder.

Menina que situaçãaaaao! Bom, se terapia ele já está fazendo, acho que você só tem que fazer a egípcia mesmo e esperar as coisas se ajeitarem. Cara, não é o cunhado que vai atrapalhar seu casamento! E outra coisa, toda historia tem 3 lados né? Como é que você está abordando a família do seu marido? Com que tom você se dirige ao seu cunhado? Tem que olhar suas atitudes também, as vezes você pode estar sendo arrogante com eles e cria essa situação. Observe!

Chora 02 – Sol

Namorei seis anos, éramos super felizes, porém no último ano deu uma esfriada, acredito que por culpa dos dois, até que há cinco meses atrás descobri umas mensagens suspeitas e terminei meu namoro. Não sei se ele me traiu, porém acredito que as coisas caminhavam para isso. Foi a primeira vez que tive uma desconfiança desse tipo. Nesse meio tempo conheci outraaaa pessoa. Um cara super legal, carinhoso. estamos juntos há quatro meses e há três meses namorando. E é aí que começam os problemas… Ele quer mostrar pra todo mundo que está comigo (fotos, festa em família, facebook…) porém, sinceramente, eu tenho um pouco de vergonha dele (sei que estou errada e me sinto péssima por isso), ele tem um coração enorme, porém tem um português ruim, não tem muitos modos sabe, ele é uma pessoa simples e minha família não…  Seria um choque para minha família e meus amigos…. Eu sei que de certa forma dei esperanças… Mas me entendam, eu namorei seis anos!!! Acabei dando corda sem querer, alimentando esperanças… Ele faz o tipo safadinho, nunca imaginei que ele estivesse a fim de namorar… Quando estou com ele me sinto muito bem, muito bem de verdade, mas ao mesmo tempo tenho vergonha de apresentá-lo. Somos muito diferentes, se namorarmos de verdade sei que vou ter que abrir mão de muitas coisas (baladas mais chiques, restaurantes melhores…) Sei que o certo seria terminar, mas não consigo por que gosto dele…. Aí isso me deixa mal… Me sinto horrível por sentir vergonha dele, ainda mais por que ele faz de tudo para me agradar… Me sinto um lixo na verdade… Mas não sei se gosto dele o suficiente para enfrentar o “preconceito” da minha família e abrir mão de fazer várias coisas que eu gosto (por que ele realmente não tem muitas condições…). Ao mesmo tempo meu ex quer voltar comigo e eu fico super balançada quando estou ele… Sinto muita falta, muita falta de verdade. Sinto falta da vida que eu tinha, de tudo que fazíamos. Mas também não consigo terminar com esse cara e voltar com meu ex… Meu dilema é esse: Volto com meu ex? Eu relamente gosto desse cara ou só estou ocupando minha cabeça? Por que eu sinto vergonha? Já fizemos várias coisas juntos, como terminar tudo sem magóa-lo? Parece que minha cabeça vai explodir… Se alguém puder me ajudar…  Nunca me senti tão mal (me sinto enganando todo mundo)…

Fia, você namorou 6 anos e emendou um namoro no outro. Você está super confusa. De verdade, acho que você deveria ficar um tempo sozinha, para saber o que realmente quer. Pode ser que não seja nenhum dos dois! E outra coisa… diferença social pesa SIM, uma hora você vai ter que lidar com isso, vai cobrar coisas deles, ficará insatisfeita. Eu sei que muitas vezes a gente tem que deixar a razão de lado e seguir o coração, mas quando as “estradas” são muito diferentes, ir pela razão é sempre a melhor escolha.

 

Chora 03 – Cristal

Tenho 50 anos e sou casada há 25, e tenho um filho adulto que já mora sozinho. Meu casamento foi muito bom no início, mas com o tempo deixou de ser um mar de rosas. Desde o namoro, meu marido me deu vários sinais que de seria machista e possessivo. Mas, você sabe, o amor nos cega, e sempre, sempre achamos que o tempo muda tudo para melhor. Só que não. O tempo, esse indecifrável tempo, muitas vezes, muda para pior. E, além disso, as pessoas mudam também. E, se não mudarem juntas, para a mesma direção, ferrou … Tive várias oportunidades para me separar. Umas histórias mal contadas aqui, uma falta de apoio e estímulo ali, umas grosserias acolá, enfim … Ainda estou aqui, antigamente por causa do filho pequeno, ele é um ÓTIMO pai. As vezes por causa da família, tanto a dele quanto a minha, ele gosta e trata muito bem a minha família. Mas, há pouco tempo, ele trouxe a mãe dele, idosa, para morar conosco, daí PQP … tudo piorou. E não é por causa dela, pois afinal deixamos de ter a liberdade que um casa, sem filhos em casa, tem. Mas, porque ELE se irrita muito com ela e, claro, com a vida limitada que passamos a ter. E desconta em quem ???  E eu, quando sou boa, eu sou boa, mas quando eu sou ruim, eu sou ótima, excelente. E eu, simplesmente cansei, não quero mais desculpas, nem promessas e nem espero que ele, afinal, mude. Não ligo mais pra ele, ignoro. Já disse que quero me separar, mas tenho pena da mãe dele. Pois, os dois, sozinhos, vão se matar ou enlouquecer um ao outro. E, eu não quero ser feliz às custas da infelicidade de outra pessoa. Eu não seria feliz plenamente, entende ? Eu sei que todas as nossas escolhas tem um preço, mas, eu não me vejo pagando tão caro. O que acham ?

Você já decidiu né? Só falta a coragem de tomar a atitude. Preste atenção nas suas palavras… você teve a chance de separar várias vezes e nunca o fez SOMENTE POR CAUSA DOS OUTROS! Ou pelo filho, ou pela família, agora pela mãe dele. Você não está pensando em você hora nenhuma! Até quando será assim? E outra coisa, sua felicidade não vai causar infelicidade dos outros, cada um é responsável pela sua própria felicidade. Pare de pensar no outros e comece a pensar em você! Tá nova, tá em tempo de retomar a vida e começar a ser feliz de verdade!

 

  • Choras fechados ok? Quando liberar eu aviso aqui!
68 Comentários
  1. #1
    Je romanciuc
    24.05.2017 - 18:23

    Pra menina da história 2: termina logo pq vc vai acabar de apegando e ele é que vai meter o pé na sua bunda e vc ainda vai ficar sofrendo!!!!
    Conhecimento de causa, essa diferença ai vc até pode relevar…. por um tempo, depois vai pesar muito!

    • #2
      Constanza
      24.05.2017 - 18:40

      Concordo!

    • #3
      Dani
      24.05.2017 - 20:04

      Entrei aqui pra dizer a mesma coisa. Já estive em um relacionamento assim, que acabou JUSTAMENTE por conta da diferença. Só que fui enrolando com a barriga, demorei pra terminar, ele se apegou demais e tudo só ficou mais difícil. no final a minha vida era um inferno, cada sucesso que eu tinha só o deixava mais pra baixo, ele evitava meus amigos pq se sentia diminuído, eu me ressentia pq estava abrindo mão de coisa demais por conta de um cara que eu nem gostava tanto assim, foi horrível. meu único arrependimento foi não ter terminado antes (durou uns 03 anos)
      depois que separamos minha vida profissional que tava marromeno DESLANCHOU, acho que o cara mandava uma energia ruim pra mim, sei lá.
      termina logo, fica um tempo sozinha e vai curtir!

    • #4
      Priscila
      24.05.2017 - 20:34

      Pensei a mesma coisa!
      Abrir mão de tudo pra depois sofrer!

  2. #5
    24.05.2017 - 19:03

    Pra mim, o melhor do Chora são os conselhos e opiniões da Cony, cada dia melhores. No começo, eu até opinava mais nos comentários, mas agora leio as tuas respostas, Cony, e penso que não poderia dizer nada melhor, mais objetivo ou mais certeiro.

    • #6
      Constanza
      25.05.2017 - 10:28

      Obrigada <3

  3. #7
    Thais
    24.05.2017 - 19:08

    Cristal, termina!! Não pelo seu atual, nem pelo ex. Por você!! É vida real e essas diferenças sociais só não causam problema em novela das nove. Não é preconceito, são diferenças como quaisquer outras. Se o cara não quisesse ter filhos e vc sim, vc iria colocar na balança o que prefere abrir mão, ne? É a mesma coisa, tem que por na balança se prefere abrir mão da sua vida antiga ou dessa paixão (pq amor só com o tempo). Não se culpa, vc só está sendo sensata e racional. As pessoas se iludem muito e depois não sabem pq sofrem. Seria muito mais injusto futuramente vc jogar tudo que abriu mão na cara dele. Quanto ao ex, pode ser amor ou pode ser carência, costume, vicio.. só o tempo pra dizer. Mas eu acho que enquanto vc for a mesma pessoa e ele também, voltar querendo resultados diferentes é sem lógica. Qualquer que tenha sido o motivo, pra fazer dar certo não bastam promessas, tem que haver uma transformação de dentro pra fora ou então seu relacionamento vai ser um looping eterno rs

  4. #8
    Fernanda
    24.05.2017 - 19:32

    Concordo em partes com o caso 2. Primeiro vou contar minha historia: Eu e meu marido temos uma diferença social muito grande. Eu cresci no melhor bairro da cidade, ele em um casabre no interior com a vó. Quando o conheci eu estava formando na faculdade e ele nao tinha fechado o fundamental. Mas me apaixonei. E ele tambem. Dei muita força pra ele estudar, completar o ensino médio, entrar na faculdade. Noivamos no dia em que ele se formou, com 7 anos de namoro. Casamos em uma festa pra 400 pessoas. Hoje temos 4 anos de casados e nos amamos como sempre. Eu ganho mais que ele hoje ainda, mas ele trabalha muito e nossas contas são divididas. Cada um dá metade do que ganha pra conta conjunta. Comprei o nosso apartamento sozinha, porque eu tinha condições e quando quero viajar para algum lugar q talvez ele não consiga dividir, banco a diferença. Brigamos as vezes por dinheiro sim, mas tbm por bagunça, atraso, etc, como muitos casais da mesma “classe”. Enfim… depois de td isso pq ainda concordo em partes? Só deu certo pq eu o amava muito, desde sempre. Tive vergonha no começo mas o queria comigo e superei. Não acho que a diferença social vai pesar no futuro se for de verdade, mas se não tiver amor, vai sempre ser uma desculpa…

    • #9
      Helô
      25.05.2017 - 12:33

      Quando o cara é esforçado assim, vá lá… Mas eu tive um relacionamento de 13 anos (3 de namoro e 10 de casamento), com uma pessoa com uma diferença imensa. Sem terminar o ensino fundamental, português sem a menor condição, postura? o que é isso mesmo? E eu fui em frente por achar que eu era uma pessoa horrível preconceituosa. Mas ele nunca quis evoluir, continuar os estudos ou tentar melhorar… Tudo o que eu precisava fazer, eu fazia sozinha, morria de vergonha. Como levar uma pessoa que não sabe nem segurar os talheres em uma festa da empresa? Esse era o menor dos problemas, ele não podia abrir a boca na casa dos meus pais, que só pelos erros de português eu já ficava roxa de vergonha. Ele era uma pessoa ótima, mas sem boas maneiras, estudo, educação, infelizmente a longo prazo não rola… Resultado? Divórcio, claro. E olha que eu tentei ajudar, mas na visão dele, quem precisa de ajuda sou eu… Como saber se no caso dela ele vai querer evoluir? Melhor ficar sozinha e tentar analisar “de fora”.

  5. #10
    Carla
    24.05.2017 - 20:11

    Cristal,
    Minha mãe vive num casamento falido pq passou a vida pensando nos outros. E esses outros vivem muito bem sem ela. As coisas se ajeitam. Pense em você primeiro. Você já cuidou do seu filho, aguentou e tentou o quanto deu. Vá ser feliz mulher!!!! É o conselho que daria a minha mãe. Beijos e coragem!

  6. #11
    Mariana
    24.05.2017 - 22:36

    Para o caso número 2: já passei por isso e te digo pra terminar com urgência. Se vc realmente gostasse e fizesse questão de estar com o carinha mais modesto, isso tudo sequer passaria na sua cabeça. Já tive um relacionamento assim, acho que por medo de ficar sozinha. Pode ser cruel dizer isso, mas se envolver com alguém com muitas diferenças sociais, financeiras e culturais não dá certo. Você pode até aguentar por um tempo mas depois vai cansar e jogar tudo na cara dele (como o fato de ter que abrir mão de várias coisas). Fique um tempo sozinha e reflita. Quem sabe vc até possa voltar com o ex, só tenha certeza disso.

  7. #12
    Cris
    24.05.2017 - 22:56

    Pra amiga da história 2: nossa história se parece na idade, em pensar sempre nos outros… ops… se pareceu. Tomei minha decisão e fui adiante. Me divorciei há alguns meses. E posso lhe dizer: estou BEEEM feliz!! E a vida dos tais “outros”?? Seguiu adiante também!Então, não coloque nas mãos dos outros a sua felicidade, ok?!

  8. #13
    Cris
    24.05.2017 - 22:58

    Desculpa…. me referi à história 3!

  9. #14
    Manuella
    25.05.2017 - 08:27

    Amiga do caso 2, aconteceu uma situação parecida comigo há alguns anos atrás. Posso te falar uma coisa?!? Até hoje eu olho para que eu fiz e fico tentando entender o pq. Dá até uma vergonhazinha, sabe? Tipo…o que eu esperava da situação?! Hoje estou casada com alguém do mesmo nível cultural meu e fico pensando como seria se eu tivesse ficado com a pessoa. Era alguém que não saberia nem conversar com meus amigos. Eu teria que abrir mão do “meu mundo” para viver no dele. pensa bem se é isso que você quer. E vou te falar uma coisa: vc até pode se relacionar com alguém de situação econômica inferior à sua, mas de nível cultural diferente não!! É muito difícil!!

    • #15
      Lia
      25.05.2017 - 14:26

      Ahhh, verdade! Concordo com esse ponto. Uma coisa é um nível econômico-financeiro diferente. Outra coisa é conciliar diferenças sócio-culturais. Falo por experiência própria. Eu e meu namorado temos situações econômicas bem diferentes. Ele ganha pouco, tem um trabalho independe e faz a linha “faço o que gosto, quando quero, sem estresse, sem pressão, vida simples, vida light, deboísmo”, entende? Ganho bem mais do que ele, porém, não o sustento, só fico com uma parte um pouco maior das contas da casa. Quando queremos viajar, coloco uma pressãozinha pra ele pegar mais uns trabalhos e eu não ter que arcar com a maior parte das despesas da viagem sozinha, afinal, tudo tem limite. Porém, ele é inteligente, culto, conversamos muito sobre tudo, temos mais afinidades do que diferenças e eu tenho muito orgulho e admiração pela pessoa que ele é, por viver plenamente, sem se importar tanto com coisas materiais. Se vcs conseguissem ceder um pouco cada um, ou seja, tu frequentar o meio dele e ele frequentar o teu, talvez encontrem um ponto de equilíbrio. Agora, pensa o seguinte, Sol, amiga: se tu acha que em nenhum momento vai conseguir sentir admiração e orgulho pela pessoa que ele é, salta fora duma vez!

      E só mais duas coisas: (1) voltar com o ex, não. Já estive nessa situação de emendar um namoro no outro. A gente compara o que não tem comparação, às vezes acha que o que tinha antes era melhor…a cabeça fica uma confusão só. Engrosso o coro: na dúvida, fica sozinha um tempo. E (2) pare de se importar tanto com o que os outros vão pensar, seus amigos, sua família…vergonha seria se o cara fosse um criminoso, mau caráter…mas é só uma pessoa um pouco mais simples 😉

  10. #16
    Natalie
    25.05.2017 - 09:18

    Caso 2: Eu namorei 5 anos com uma pessoa com muita diferença de estudo e social. Eu ainda tava estudando, fazendo Mestrado, e ele nem o colegial tinha terminado. Por um lado ele se estimulou, voltou a estudar, começou a fazer faculdade, mas logo largou. Não tinha ambição de querer melhorar, pra ele estava tudo bem ficar em “sub empregos” e ganhando pouco. Uma hora não deu mais. Terminei meu mestrado, estudei e passei num concurso público, comecei a ganhar uma grana razoável. Comecei a conviver com pessoas muito inteligentes, o que já estava incomodando muito, ficou insuportável. Aprender nós aprendemos algo com todo relacionamento, mas penso: Por que deixei ir tão longe? 5 anos! Se eu fosse você, ficava um tempo sozinha. Fiquei 2 anos sozinha, 1 ano sozinha MESMOOOO, sem nem beijar na boca, e depois conheci meu marido. Acho que vc precisa de um tempo sozinha

  11. #17
    Ana Paula
    25.05.2017 - 09:25

    Sol, esse cara gosta mesmo de vc ou vc é o “trofeuzinho” dele? Preste atenção, pois às vezes o fato de querer expor muito o relacionamento não é sinal de amor, mas ostentação da conquista. Talvez o fato de vc ser mais “refinada” do que ele o faça querer aparecer contigo, o que talvez não aconteceria se estivessem em pé de igualdade. Siga o conselho da Cony e dedique um tempo para vc, e faça a sua escolha com a cabeça fria, aberta… e quem sabe não seja nenhum dos dois… Haha

    Cristal, ADMIRAÇÃO

  12. #18
    Ana Paula
    25.05.2017 - 09:30

    Continuando o comentário anterior, que foi incompleto:
    Cristal, ADMIRAÇÃO é o que sinto quando vejo pessoas como vc, que não se deixam amargurar pela vida e sempre buscam melhorar, independente da idade e situação. Acho que vc já tem a resposta, mas falta colocar em prática a sua decisão. Só tome cuidado para não parecer a vilã da história, pois até o seu marido pode pensar que vc está separando por causa da sua sogra e usar isso contra vc, então deixe os seus motivos sempre bem claros. Boa sorte!

  13. #19
    soraia
    25.05.2017 - 09:51

    para a mulher do nº 1 . Você tem que se impor , quanto mais vc abaixa a orelha para eles mais eles te ofendem e sobem nas suas costas . Não devemos tolerar sermos tratadas mal ainda mais por um cunhado ! Se imponha , saiba falar se impor nada de palavrões ou puxar coisas do passado que não adianta . Mas exija respeito , e seu marido que continue na terapia e se for preciso ele que saia desse emprego .Saúde é a coisa mais importante que temos .

  14. #20
    Nina
    25.05.2017 - 10:07

    Podia ser Corona, Sol e Stella rs 😉

  15. #21
    Cris
    25.05.2017 - 10:13

    Caso dois!

    Muitos anos atrás eu vi uma história dessas no meu bairro!
    Tinha uma moça daquele tipo: inteligente, bonita e… pobre!
    Portanto, só se envolvia com cara de grana.
    Era lutadora e tal. Trabalhava, andava bem vestida.
    Aqui, acolá era carrão na porta dela à noite.
    Não sei se tinha namorado fixo mas, saía com pessoas finas, ia a bons lugares e, certamente, ganhava presentes.

    Um dia se apaixonou por um músico. Trabalhador, mas pobretão.
    Ao invés de carrão, estava a bicicletinha dele na porta dela.
    Era bonito de ver: eles sentavam na porta, ele cantava e tocava violão pra ela até tarde!

    Enfim… um belo dia, por todas essas questões, ela terminou com ele.

    A bichinha sofreu, minha gente.

    Por ironia da vida, viraram quase vizinhos e ela teve que suportar, por muito tempo, a felicidade dele com outra pessoa!

    Pq ele refez a vida, né gente!

    Ela mesma falou que se arrependeu.

    Com o tempo refez a vida mas… acho que derramou umas boas lágrimas até lá!

  16. #22
    psicóloga de boteco
    25.05.2017 - 11:21

    1. Corona: você já foi pra terapia também? Precisa se fortalecer para enfrentar essa barra.
    2. Sol: sinceramente… eu não me relacionaria com alguém culturalmente inferior. Financeiramente inferior, tudo bem, afinal, não brigamos tanto por igualdade? O que tem de mal a mulher sustentar mais a casa do que o homem? Mas no seu caso, eu acho que você precisa é ficar um tempo sozinha, para decidir o que realmente quer.
    Agora, é normal ter saudade de um namoro que foi bom, sem que isso signifique que ainda ama o sujeito. Por outro lado, se você realmente amasse o namorado atual, será que teria tantas dúvidas? São questões que só você pode resolver.
    3. Cristal: você ainda tem 50 anos, é nova, tem muito pela frente, já cumpriu as obrigações com a única pessoa que importa, o filho. Vai ser feliz!

  17. #23
    25.05.2017 - 11:32

    Olá Corona,
    Respeito imensamente a opinião da Cony, afinal, as opiniões dela são de peso né? Todavia,o seu cunhado está se colocando, ou sendo colocado no centro das atenções na sua vida…ou estou enganada? O bom desprezo faz as vezes, da boa convivência, já passei por muitas situações em que era hostilizada,sem a menor razão de ser, sabe aquele: “não gosto dela”? que as pessoas assumem, não gostam da gente, sem que tenhamos feito qualquer mal á elas, ou á alguém delas (pessoas)quando percebo que já fiz de tudo e ainda assim a pessoa me trata mal (demora um pouco para eu perceber que a pessoa não me quer bem)afinal porque né? Continuando, passo a ignorar a pessoa, tipo: nem olho na cara, não cumprimento, nada…nada…como se ela não existisse neste planeta, não demora muito a pessoa começa a me “amar”, vai por mim, desprezo dóóóiiii

  18. #24
    Angélica
    25.05.2017 - 11:46

    O caso 2 me fez refletir uma coisa que venho pensando há dias…
    Estou solteira faz mtos anos rs Eu sei que tenho uma dificuldade para me entregar rs Sou medrosa!
    Como alguém consegue namorar alguém depois de 01 mês saindo junto? Sério, isso seria surreal para mim. Em 01 mês saindo c algum carinha eu só falo de coisas superficiais rs Com 01 mês saindo eu não falei ainda sobre meus pais, não falo nada sobre minha família, condição financeira, eu não consigo mostrar do que gosto, não consigo dar minha opinião sobre certos assuntos como casamento, filhos, ambições pessoais e profissionais, etc. E para mim, isso deve ser conversado ANTES da palavra namoro. E isso só consigo começar a falar depois de sei lá, uns 4 meses de “pegação sem compromisso”.
    Estou ficando com um cara super gente boa, faz 2 meses. Fico pensando se vai evoluir ou não, deixo as coisas rolarem naturalmente. Não demonstro carinho demais nem de menos, e nem cogitei a palavra “exclusividade” ainda!
    Existe um certo e errado? Sou mto coração gelado/ frozen/ desapegada? Hahaha
    Só tive 01 namorado até hoje, tenho 29 anos e as pessoas se espantam! Eu levo a sério uma relação entre namorados.
    E outra, enfiei na minha cabeça que só vou começar a namorar depois de falar “eu te amo”! Gente, to sendo mto louca? As pessoas namoram antes de falar “eu te amo”?
    Meninas, me ajudem nesse sub chora! O meu já foi publicado, aí não quero mandar outro para não dar oportunidade para outras meninas!
    Cony o que vc acha? Deem suas opiniões meninas, please!

    • #25
      Constanza
      25.05.2017 - 13:29

      Claro que se namora antes de falar que ama! Aliás, a lógica é essa kkkk Eu já comecei a namorar em 15 dias, tudo depende!

      • #26
        25.05.2017 - 13:57

        Também já comecei a namorar rápido, Cony! Conheci meu marido numa terça-feira numa balada (juventude, saudades balada na terça!) e na sexta estávamos namorando oficialmente, apresentados às famílias e tudo. Já são quase 11 anos juntos, entre namoro e casamento. Então, não tem tempo certo. Tem casais que demoram anos pra engatar e dá certo. E tem outros apressadinhos (nós aqui!) que também dá certo!

      • #27
        Camila
        25.05.2017 - 14:30

        Para mim não faz sentido falar “eu te amo” antes de começar a namorar… hahaha

    • #28
      Lia
      25.05.2017 - 14:34

      Se tu só vai começar a namorar alguém depois de dizer eu te amo, sinto dizer que tu corre o risco de nunca namorar…pq o amor leva tempo e convivência. Amor é o que aparece depois que tu já viu tudo o que tinha que ver: defeitos, manias, chatices. Aí tu olha pra pessoa e começa a realizar que as qualidades se sobrepõem aos defeitos, começa a ver que tudo de bom e de ruim que acontece contigo, tu quer é compartilhar com aquela pessoa que faz parte da tua rotina. Amor é construção, guria.

    • #29
      Monique
      25.05.2017 - 14:52

      Claro que se fala eu te amo depois de namorar. Você vê que ama depois de um tempo de boa convivência, coisa que só é possível ter quando se namora.

      Também já comecei a namorar depois de 15 dias. Fui morar junto no 2º mês de namoro e agora estamos casados e felizes.

      Acho que você precisa se impor menos regras. Não existe isso de “só depois de um tempo X eu posso fazer isso ou aquilo”. Tente se libertar mais e deixar a vida fluir!

      beijos

    • #30
      Renata
      25.05.2017 - 14:54

      Eu comecei a namorar com meu noivo na terceira vez que saímos, uns 20 dias depois que saímos pela primeira vez. E estamos juntos há 5 anos. Mas tudo é relativo, eu era assim como você, até que encontrei uma pessoa que não me deixou divagar demais, então eu resolvi me permitir e não racionalizar tudo. E foi a melhor coisa que eu fiz. E sim, é super normal começar a namorar sem falar eu te amo, kkkkkkk. Acho que você está levando tudo a sério demais, às vezes um pouco de leveza cai bem. Boa sorte!

    • #31
      Renata Castro
      25.05.2017 - 15:38

      Também acho que se namora antes de falar ‘eu te amo’. Namoro serve pra conhecer a pessoa e, posteriormente, ver se quer casar e tals.

    • #32
      Alice
      25.05.2017 - 16:31

      Angélica, acho que vc está impondo barreiras demais na forma de se relacionar. Barreiras de tempo, de falar eu te amo, etc. Em relacionamento, tudo é relativo. Meu marido, por exemplo, disse que queria se casar comigo logo nos primeiros encontros, antes de a gente namorar! rsrsrs. Ele foi o melhor namorado que já tive e hoje estamos casados, esperando um bebê. Acho que tudo depende da pessoa com quem vc está e da sua vibe no momento. Se vc achar que vale a pena, se entrega mulher!

    • #33
      Anelise
      25.05.2017 - 18:51

      Já se vê q vc gosta de falar de si mesma kkkk Vai ver esse único namorado era bom ouvinte.
      Ninguém gosta, se apaixona, se envolve pelas informações que o outro passa viu
      É uma coisa mais de conexão.
      Vc não é coração de pedra. Seu caso é obvio: vc só gosta de vc.
      **Desculpe se pareceu rude, a intenção não é essa.

      • #34
        Angélica
        26.05.2017 - 22:03

        Oi! Achei rude sim, mas tudo bem…
        Eu nem gosto de falar sobre mim. E nem gosto “só” de mim, aliás sou um pouco insegura…
        Observação: Um julgamento leviano sempre será rude 😉

    • #35
      Ana Maria Bonfim
      25.05.2017 - 23:35

      Olha Angélica, eu acho que tudo depende, e que esses seus “prazos” estão muito rígidos.
      Voce pode demorar tanto pra se abrir, que o cara pode perder o interesse em te conhecer.
      Se em um mes vc ainda não fala mto de voce, talvez vc pode não parecer tão interessante assim e ele desencana;
      Filhos, casamento, conhecer família eu concordo que precisa já ter um tempo junto, mas as vezes a sintonia de 2 pessoas é tão grande, que pode acontecer bem antes do “ideal” – e tá tudo certo ué.
      E eu sempre namorei primeiro, e depois veio o “te amo”
      Na minha cabeça funciona assim
      Voce conhece a pessoa, fica, e gosta
      Repete a dose algumas vezes (aí depedende se vai ser vários dias na semana ou se só aos sábados)
      Mas depois de umas 8 a 10 saídas juntos, isso já configura como “estamos encaminhando pra algo mais sério, nao vale ficar com outra pessoa”
      Essa é a parte onde estão se conhecendo e voce precisa mostrar mais de voce!
      Depois vem a parte do sentimento, que é quando voce começa a de fato gostar da pessoa, e aí que o namoro começa,
      O eu “te amo” pode vir com alguns meses de relacionamento, numa mensagem, depois no telefone, até sair pessoalmente!
      Eu te aconselho a curtir mais o momento, e a se entregar mais quando rolar uma parada legal!
      Se o cara falar da mae dele num 2º encontro, e voce tiver algum caso da sua mae, pq nao falar?
      Não se resguarde tanto assim,
      As vezes conhecemos pessoas que nos damos tão bem, que parece que somos conhecidos há anos, cada caso é um caso.
      Boa sorte, e namore mais!
      Namoro nao é casamento.

    • #36
      Gabi
      26.05.2017 - 13:54

      Angélica, você é mucho lokaaaa!!! kkkkkk
      Mas agora falando sério mesmo, não dá para amar e ser amada antes de conhecer e se deixar conhecer… acho que o amor vem bem depois disso, requer tempo… E que maneira melhor para conhecer alguém senão namorando? Você vai ficar se pegando sem compromisso, correndo o risco de o cara sair com outras, você saber, vocês se magoarem, só porque ainda não se amam e só pode namorar depois de amar? Acho que nos dias de hoje isso não funciona…
      Eu fiquei até curiosa… sobre o que vocês conversam se você não pode falar nada sobre sua vida? Acho mais importante conhecer a pessoa, índole, gostos, valores e depois ver se vale a pena continuar uma relação… conversar é muito importante! Se solte mais! 🙂

    • #37
      Angélica
      26.05.2017 - 21:56

      Hahahaha gente, eu to rindo de nervoso rs!!!
      Eu tô cho-ca-da Brasiiiil!!!!! Morri c esses comentários, que banho de água fria kkkkk
      Eu jurava q geral ia concordar comigo! Eu to passada, me sentindo uma extraterrestre mucho loka como disse a amiga aqui de cima hahaha
      Eu preciso reler e refletir tudo isso, eu vou mudar, acho q isso já decidi! Cara, q difícil!!! Na real acho q sei o q acontece comigo, eu tô com medinho de me entregar, começar a namorar, criar mil expectativas, apresentar p a família, criar mais expectativa e levar um fora! E eu já passei por isso uma vez e a dor é terrível, não queria passar por isso de novo. Eu acho q me bloqueio tanto porq fico esperando o cara que vai ser para sempre, não queria começar a namorar e não ter essa certeza. Tb coloquei uma condição para mim q só iria namorar o cara q eu fosse casar, então eu preciso 1-conhecer a pessoa 2-falar e ouvir eu te amo 3-namorar 4- casar 5- ser feliz para sempre!!!!! É esse o cenário que eu queria viver! Comecei rindo e terminei o texto chorando, nossa eu nunca vou ter essa certeza se não tentar né?

    • #38
      Angélica
      26.05.2017 - 21:57

      Muuuito, muuuito obrigada Cony e meninas!!! Nossa eu tô arrepiada!!! Obrigada s2

    • #39
      27.05.2017 - 05:51

      Gente, descomplicaaaaaa!

      O grande destruidor de relacionamentos, qualquer um, até de amizade, é o diabo da regra: devo esperar uns dias pra ligar, se ele não ligar eu não ligo, só se falar eu te amo eu falo, só dar depois do décimo encontro, só apresento a família quando for sério… Deus, cadê a espontaneidade, deixar a coisa fluir??? Fui morar com meu namorado e atual marido quando tínhamos só 3 meses juntos! Mas éramos maduros o suficiente pra decidir isso juntos. Lembro que uma amiga quase me matou quando contei sobre a possibilidade. “Não, tem que namorar pelo menos um ano pra isso!”
      Sério, vivam a relação sem regras e respeitando as opiniões e os limites do outro, simples assim. Pode rolar mancada, pode sim, é normal. Vai ter cara que vai fugir depois da primeira transa? Vai, então parte pra outra. Vai ter o que não quer compromisso? Voa!
      Beijos a todas!

  19. #40
    Angélica
    25.05.2017 - 11:58

    Caso 1 – Corona:

    Achei o caso 1 complicadíssimo. Eu acho que vc deve dar um prazo, tipo 04 meses para as coisas melhorarem. Nesse período, vc tem que ser a pessoa que vai ceder, a pessoa inteligente e sensata. Nesse período você tem que ser mega evoluída e ignorar qualquer sentimento ruim vindo do seu esposo ou da família dele. Nesses 4 meses, dê MTO MTO MTO amor e carinho para o seu marido, esteja sempre disponível, esteja sempre presente, não o ignore, não faça joguinhos, seja muito carinhosa e não entre em vibe ruim. Se nesse tempo que vc tiver dando só amor, acontecer dele ou da família dele te magoar, respire fundo, não responda, e pense que tudo isso que vc está passando é para o seu bem, para sua evolução como ser humano. Acredito mto em energia, e as pessoas dão o que recebem! Desejo mto sabedoria à você, amiga! E se depois desse tempo as coisas não evoluírem, é hora de desapegar e entender que as coisas tem um fim, você deu seu máximo, você tentou e tirou lições desses aprendizados! Bola para frente!

    • #41
      Babi
      25.05.2017 - 14:57

      Que comentário maravilhoso!
      Aliás, tenho um pouco de implicancia dessa palavra mas sororidade aqui reina!

  20. #42
    Carol Oliveira
    25.05.2017 - 13:40

    Caso 1: acredito que você precisa fixar um prazo mediano no qual você se disponha a aguentar e apoiar seu marido nessa fase, até que a terapia traga alguma melhora. Fixe esse prazo pra vc mesma, e dentro dele faça o seu melhor, tentando ser o mais paciente possível. Expirado o prazo, se não houver melhora, aí vc terá feito a sua parte de todas as formas e ficará mais livre de eventual culpa pra terminar o relacionamento. Boa sorte!!!!

  21. #43
    Hérica
    25.05.2017 - 13:56

    Uma vez eu li aqui no seu blog: As pessoas fazem conosco o que nós permitimos.
    Isso mudou a minha vida de uma forma que você não tem ideia.
    Mudou na esfera amorosa, profissional, amizades, familiar…. tudo.
    Absolutamente tudo eu penso e vejo o que vou deixar as pessoas fazerem comigo. E posso falar, depois disso minha vida ficou muito mais feliz.
    Em todos os sentidos tbém. Parece que tudo começou a dar certo.
    Lendo os choras 1 e 3: só consigo enxergar que elas estão permitindo a situação.
    Eu sei que não é fácil. Também tive dificuldades para dar uns basta na minha vida, mas consegui.
    Então, pensem e reflitam o que eu estou deixando as pessoas fazerem comigo?
    Bjus

    P.s: Cony(minha amiga.kkk)sempre falo que amo minhas amigas, então quero falar pra vc.
    Conyta amo vc.

    bjusssss

    • #44
      Constanza
      26.05.2017 - 18:04

      ÔOOOO GENTEEEEE tb te amo mulher! vem ca dar um abraço!

  22. #45
    Marina
    25.05.2017 - 14:27

    Caso 1 – Corona:
    sei o que vc está passando, passo por isso também com uma cunhadA. Acho que ela tem ciúmes/inveja de mim e do meu relacionamento com o irmão dela, acho que às vezes ela compara o marido dela com o meu marido, a forma como o meu marido me trata, e sente ciúme… e também acha que eu roubei ou “separei” meu marido da família. Acontece que isso é uma coisa natural sabe… essa “separação”.
    Começa-se os planos pra iniciar uma nova família e “romper” com pai, mãe, irmãos (quero dizer: sair de casa, virar marido, pai, “homem da casa”, ser independente do berço). Mas não quer dizer que deixou de ser filho, irmão. Mas tem que separar as coisas. Entende o que quero dizer? Muitas pessoas não entendem isso, misturam muito as coisas (é filho fazendo papel de pai/mãe, irmão querendo cuidar da vida da família inteira (é o que acontece com a minha cunhada)), não conseguem entender que membros da mesma família podem ser diferentes, almejar coisas diferentes (parece que seu cunhado sente ciúme do irmão ter escolhido casar, sair de casa, etc), traçar caminhos diferentes. Essa cunhada por exemplo, casou, mora em outra cidade, mas ela depende do meu sogro, da minha sogra, dos irmãos, pra tudo. Ela não dá um passo sem consultar eles.
    Enfim, o que eu aprendi é que eu não posso misturar as coisas, ficar me misturando demais com a família dele (tipo como se eu tivesse nascido na família sabe?), ficar tentando agradar a qualquer custo. Precisa ter um limite.
    E muitas vezes sei que meu marido precisa deles em alguns momentos, apesar dele ser bem firme e saber cortar essa “invasão”. Mas de vez em quando ele cede sabe? E se não for uma coisa que me deixe chateada, que nos atrapalhe… eu deixo pra lá. Deixa ele lá, vai escutar as ladainhas da família ahaha, enquanto eu fico de cá. Depois ele volta e tá tudo ok. Mas se for uma situação invasiva, que vá me chatear, que vá interferir no nosso relacionamento, faço questão de conversar com ele sempre, pra ele refletir e ou até pra cortar antes de acontecer. E também pra eu não precisar fazer esse papel que é dele, o “corte”.
    E mais uma coisa: terapia vai muito bem pra vc também! Lidar com isso não é fácil, ainda mais que seu marido está com depressão… cuida de si, essa carga é muito grande e é importante vc tentar ser saudável, em primeiro lugar por vc , mas também por vcs!

  23. #46
    Karina
    25.05.2017 - 14:41

    CASO 1: trabalho em banco realmente é um dos mais estressantes da atualidade. O documentário “Quem está doente é o banco” mostra o assédio moral a que muitos bancários são submetidos. Ele está disponível online e você poderia assisti-lo junto com seu marido. Talvez o ajude perceber que não está sozinho nessa luta. Não deve estar sendo fácil pra você lidar com toda essa situação. Espero que seu marido melhore!

  24. #47
    Ariana
    25.05.2017 - 15:21

    Caso 2: lembrei da sereia da novela hahaha

    Também já senti vergonha e fico mais aliviada em saber que não sou a única.

  25. #48
    Gabi S.
    25.05.2017 - 15:38

    Não sou muito de comentar nos Chora, mas nesse..preciso!

    Cristal, LEIA a resposta da Cony! L-E-I-A! Leia muito, até você entender que a sua felicidade é sua, depende de você! Cuide da sua vida, de você…seja feliz!
    A mão do seu marido é responsabilidade dele e da família dele…realidades! Você pode ter carinho por ela, sentir por deixá-la com ele, e eu entendo! Mas ele é o filho, a responsabilidade não é sua!!

    Há muito tempo uma conhecida vivia reclamando da vida e de sua infelicidade por não conseguir engravidar, que só um filho poderia fazê-la feliz e etc. Uma amiga dela disse a seguinte frase: “Você não acha que é “pesado” demais colocar nas costas de outra pessoa (no caso um bebê) a responsabilidade por você ser ou não feliz?”. Nunca mais esqueci isso e fiquei com essa frase pra mim! isso mudou o modo como trato a MINHA felicidade… PENSE EM VOCÊ!

    Além disso, antes de fazer qualquer pessoa feliz (ou tentar) VOCÊ precisa estar feliz!

    Poxa, você é tão nova!! Vá curtir a vida!

    Beijo

  26. #49
    Liv
    25.05.2017 - 15:44

    Para o caso 2: Namorei com um cara que eu tinha vergonha dele, ele tinha poucos recursos financeiros e se esforçava ao máximo para me acompanhar. Porém, quando eu ia encontrar amigos eu tinha vergonha dele e dele com minha família.. Namorei por 8 meses e resolvi terminar, percebi que não o amava suficiente, caso contrário, eu jamais sentiria vergonha dele.
    Terminei e foi um alívio! Viver sem peso na consciência não tem preço!
    E vi que de fato, não o amava.

  27. #50
    isla wolff
    25.05.2017 - 16:07

    Fico pensando como a temática empoderamento tem feito muito de nós mulheres repensarmos nossos valores e desejos em relacionamentos quaisquer (namoro, casamento, solteirice, …), essas dúvidas e questionamentos são ótimos, estamos saindo da famosa ZONA DE CONFORTO e nos confrontando com nossas reais necessidades. Esse é o primeiro passo para que tudo comece a mudar: quando nos damos conta de que algo pode ser diferente do que é, já que não tem nos agradado.
    Voltamos a ter mais poder sobre nossas vidas, feliz por nós, bravas mulheres <3

  28. #51
    Lari
    25.05.2017 - 16:18

    Gente, não é por nada, mas parem de falar cultura “inferior”, ou se referir como se fosse inferior, isso é feio, ainda mais vindo de mulheres estudadas e e de classe média e alta que frequentam esse site. Digam que é uma cultura diferente, mas inferior? cultura é cultura, cada um tem a sua, independente de classe econômica ou social.

    • #52
      Anelise
      26.05.2017 - 19:56

      Palmas, Palmas!!! ‘
      E o q eu já vi de Playboy q é verdadeiramente inferior
      E de gente q tem pouco acesso q é de verdade superior
      Tem muito mais na vida do que os olhos podem ver.

  29. #53
    Graciele
    25.05.2017 - 16:49

    Pro caso 3
    Me vi nesta história, possessividade e arredio. Mas fui além amiga, terminei a pouco e me sinto como se tivesse tirado um peso das minhas costas… infelizmente quem está dentro do relacionamento demora a enxergar… Graças a Deus, entre a razão e a emoção, sempre sempre fico com a razão.
    Vá ser feliz, não espere que seja tarde demais… Como você disse, NUNCA vai mudar… e pense em você sempre!!!
    Bj linda

  30. #54
    Anelise
    25.05.2017 - 18:58

    Caso 1: vc acredita q se eliminar os outros, os problemas deles é q eles trazem pra ti, vc será feliz. Isso é errado.
    Vai ser feliz agora, Faz as tuas coisas como tu gosta. Vive do teu jeito. O mundo sempre vai apontar dedo, sempre vai ter alguém precisando do teu sacrifício.
    Caso 3: vide acima.
    Caso 2: vc não vai ser feliz para sempre nem com o pobre nem com o ex. O que vc faz com eles na tua vida é escolha tua. Ou volta e descobre q terminar e voltar não dá certo ou namora com o pobre e aprende bons valores (tá precisando) mas de qualquer forma eles não são o teu The One.

  31. #55
    Lila
    25.05.2017 - 18:58

    Caso 1:

    Teu cunhado te ama, esse é o caso clássico do ‘amor recolhido’, pode acreditar! Boa Sorte e vá ser feliz amiga.

  32. #56
    Nairana Baptista
    25.05.2017 - 22:25

    Amei seu comentário Angélica. Acredito que a energia muda histórias.

  33. #57
    Rafaela
    26.05.2017 - 09:26

    Menina do caso 2, meu conselho é: TERMINE!!!
    Passei por isso. Namorei 4 anos com uma pessoa maravilhosa, mas com uma diferença social entre nós dois. E olha que ele estudava, não cometia essas gafes do tipo não saber falar direito, mas mesmo assim não deu. E sabe pq? Pq nas mínimas coisas do dia a dia essas diferenças vão se manifestar. Pode soar preconceituoso falar assim, me sentia mal de pensar assim, porém é a mais pura verdade. E vou te dar um exemplo.
    Quando eu compartilhava com ele alguns planos para o futuro, coisas “bobas” como decoração de apartamento toda projetada, uma viagem para o exterior que queria fazer, como seria minha festa de casamento, ele tratava como se fossem coisas impossíveis de alcançar, dizia que era “coisa de rico”. Eu não sou rica, repito, mas para a minha condição financeira são coisas plenamente possíveis de realizar, afinal vejo muitas de minhas amigas fazendo o mesmo.
    E essa postura era com relação a quase tudo no nosso namoro. E sabe o que acontecia? Eu ficava super mal, pois via que ao lado dele meus objetivos iam se tornando coisas dificies de atingir e isso me deixava muito mal, afinal todos os sacrificios que faço (sou concursada e concurseira rsrsrs), são para realizar esses objetivos. Isso para não falar as vezes em que saíamos e eu tanto ficava preocupada com o que ele ia vestir, como acabava pagando a conta pois ele realmente não tinha como.
    Resumindo: terminei o namoro. Somos amigos, acho ele um cara bacana, mas para relacionamento não dá.
    Ah, e detalhe? Sabe aquela angustia de ver os objetivos ficarem distantes? Sumiu menina!!!! E inclusive, a viagem que ele achava impossível e que ao lado dele provavelmente eu só faria daqui a mil anos, estou planejando para agora: pretendo passar minhas férias, em novembro, sozinha e bem plena em Paris e Bruxelas!!! rsrsrsrs

  34. #58
    Rafaela
    26.05.2017 - 09:33

    Ahhh, só complementando meu comentário, ainda tem um outro detalhe picante: a família.
    Se a família dele também for super diferente de voce, do seu jeito, menina te prepara pq vai pesar.
    Não que voce tenha que viver numa bolha, ou que não vá sempre existir um probleminha aqui ou ali.
    Mas existem casos em que o abismo é grande demais e acaba se tornando um peso.
    Me sinto extremamente preconceituosa falando assim, mas como já disseram aí em cima, a vida não é novela das oito. E infelizmente, essas coisas cobram um preço.

  35. #59
    Maísa
    26.05.2017 - 10:10

    Caso 1 – Corona
    Concordo com o que a Cony falou, mas acrescentaria algo. Existe alguma possibilidade de vcs se afastarem um pouco da família dele? Pq que pude perceber (não sei se entendi errado) vocês são bem ligados e estão sempre com eles. Acho que diminuir a frequência pelo menos nesses primeiros meses de tratamento dele ajudaria bastante. Vcs focarem mais em vcs e no casamento. E acho de verdade que vc poderia fazer terapia tb, não sei se em casal, ou individualmente. Mas vc precisa de suporte para enfrentar esse momento. Se ainda existe amor, acho que vale a pena tentar, mas tentar algo diferente, como o que mencionei aqui em cima. Talvez fazer mais programas a dois, ou com casais amigos de vcs que seja divertidos, até uma viagem mais longa sozinhos. Isso sempre aproxima mais o casal. Acredito que vcs precisam se fortalecer, enquanto seres humanos individualmente e também como casal.
    Boa sorte, Corona!!

  36. #60
    Gláucia
    26.05.2017 - 10:16

    Para Angélica do Subchora, eu já sou o contrário, com 1 mês sou bem intensa e tive bons momentos por conta do meu jeito, mas é a maneira de cada um, eu não me arrependo de ser assim kkk, inclusive eu comecei a namorar meu atual namorado depois de 7 dias de conhecê-lo, simplesmente bateu e não tínhamos pq esperar oficializar, mas só tornamos público depois de 1 mês, pq senão as pessoas perguntariam: wtf? O resultado é que estamos juntos há quatro anos :))

  37. #61
    Corona
    26.05.2017 - 11:27

    Oi gente, olha eu aqui. Fiquei feliz que o meu Chora foi publicado. Pras perguntas: Estou sim fazendo terapira e preciso dizer que está sendo maravilhoso. Decidi que vou sair do meu emprego – por diversos motivos mas também pra conseguir me dedicar mais à minha casa/marido por um curto tempo, pra que ele possa ter mais descanço/paz quando chega em casa, já que é o trabalho dele que “sustenta” de fato o nosso lar e não tem intenção de sair. Assim as questões do meu trabalho que me tiram a paz serão resolvidas e terei mais paciência, serenidade e equilíbrio pra cuidar dele e de tudo. Parece que não mas a rotina de quem trabalha e ainda tem que fazer tudo em casa quando chega acaba pesando muito nessa situação, e eu ainda não evoluí ao ponto de conseguir separar tudo e deixar os problemas da porta pra fora. Quanto ao mala ciumento invejoso ignoro, desprezo e mais um pouco, mas não é sempre que a gente está bem emocionalmente pra não reagir às situações. Vou tentar dar menos importância ainda, pois ele não merece nenhuma. Sobre o tom que a Cony questionou, pode acreditar que não foi agressivo, ou não menos do que o necessário. Quanto à família, resolvi que vou “guardar” menos pra mim e retrucar mais. Respondendo à Cony, até então não os tinha abordado quanto aos pitacos, somente pedido a cautela que a situação exige, cobrava mais do marido que tivesse atitude, mas ele não consegue. Decidi que não posso e nem vou permitir mais nenhuma intromissão, nem por conta da política da boa vizinhança, é uma postura que vou ter que assumir, pode parecer agressiva mas apenas estou tentando manter meu lar de pé. Bjs gente, e muito obrigada <3

  38. #62
    Corona
    26.05.2017 - 11:28

    Oi gente, olha eu aqui. Fiquei feliz que o meu Chora foi publicado. Pras perguntas: Estou sim fazendo terapia e preciso dizer que está sendo maravilhoso. Decidi que vou sair do meu emprego – por diversos motivos mas também pra conseguir me dedicar mais à minha casa/marido por um curto tempo, pra que ele possa ter mais descanso/paz quando chega em casa, já que é o trabalho dele que “sustenta” de fato o nosso lar e não tem intenção de sair. Assim as questões do meu trabalho que me tiram a paz serão resolvidas e terei mais paciência, serenidade e equilíbrio pra cuidar dele e de tudo. Parece que não mas a rotina de quem trabalha e ainda tem que fazer tudo em casa quando chega acaba pesando muito nessa situação, e eu ainda não evoluí ao ponto de conseguir separar tudo e deixar os problemas da porta pra fora. Quanto ao mala ciumento invejoso ignoro, desprezo e mais um pouco, mas não é sempre que a gente está bem emocionalmente pra não reagir às situações. Vou tentar dar menos importância ainda, pois ele não merece nenhuma. Sobre o tom que a Cony questionou, pode acreditar que não foi agressivo, ou não menos do que o necessário. Quanto à família, resolvi que vou “guardar” menos pra mim e retrucar mais. Respondendo à Cony, até então não os tinha abordado quanto aos pitacos, somente pedido a cautela que a situação exige, cobrava mais do marido que tivesse atitude, mas ele não consegue. Decidi que não posso e nem vou permitir mais nenhuma intromissão, nem por conta da política da boa vizinhança, é uma postura que vou ter que assumir, pode parecer agressiva mas apenas estou tentando manter meu lar de pé. Bjs gente, e muito obrigada <3

  39. #63
    Thais
    26.05.2017 - 12:51

    Menina do subchora*

    Menina, comecei a namorar em 1 mês e 15 dias, só nos falamos que nos amávamos aos 6 meses que estávamos juntos no total e hj estou há 5 anos e 4 meses com ele e muito feliz! Não coloque regras, deixe as coisas fluírem normalmente. Se tiver que dar certo, vai dar! Relacionamento não é receita de bolo que temos que seguir as coisas as riscas. Seja feliz!!!

    • #64
      Constanza
      26.05.2017 - 17:59

      “Subchora” hahahahahaahah AMEI KKKKKKKK

  40. #65
    Paulinha Werneck
    26.05.2017 - 17:44

    Caso 2: vivi quatro anos com uma pessoa de nível financeiro e cultural bem abaixo dos meus. Não planejei me apaixonar por alguém assim porém ele era MUITO lindo e eu tenho síndrome de salvadora da pátria, queria salvar aquela alma kkkkk
    No início era tudo lindo e eu não tinha vergonha dele, pelo contrário (acho que o fato do português dele ser correto, ajudou nesse caso)
    Fiz ele terminar o colégio (que tinha abandonado quando os pais morreram e ele foi emancipado), minha mãe pagou curso técnico pra ele (caaaaro) e…me arrependo amargamente. Nada partia dele, eu tinha que fazer quase lavagem cerebral para ele entender a importância de se ter ganância na vida e de TER QUE CORRER ATRÁS! Porque no final, o problema era esse: ele se contentava com pouco. Ser humilde não significa ser ignorante, ainda mais com internet e tanta informação na ponta dos dedos.
    Eu diria: cai fora. Me arrependo de todo tempo e dinheiro que gastei nesses 4 anos (porque nunca deixei de fazer nada que queria, pagava pros 2 e pronto). E terminar foi um processo longo e sofrido porque tudo dele estava ligado à mim e eu tinha pena do sofrimento que ele ia passar.
    Grande bobagem. Um ano depois ele já estava casado e feliz, com uma menina da mesma classe que ele. Estava atrapalhando a minha vida e a dela também!

    Hoje namoro o amor da minha vida, mesma classe social, mesmos sonhos, mesmo sangue nos olhos de correr atrás do que quer e um amor que não deixa dúvidas de nada.

  41. #66
    LU
    31.05.2017 - 08:51

    Caso 2: Não se trata apenas da diferença, vc não está satisfeita e pronto, isso não vai melhorar. Ele é pra ter um casinho, “um lance” .. namoro não! Vá viajar rsrs
    Compactuo com as opiniões das meninas que terminaram relacionamento e depois ficaram com alguém “nadaver” por um tempo. E olha que sempre me considerei uma pessoa emocionalmente evoluída ahaha, a gente erra feio mesmo.
    E outra, não tem que ficar dando satisfações pra ele, isso só vai piorar e vc que está insegura assim vai continuar ficando nessa.
    Vá sumindo e pronto, igual homem faz. Priorize-se, será melhor pra vc e melhor pra ele.
    Eu vejo agora como fez falta um conselho certeiro de amiga também, termine e pronto, de pessoas que se importam com vc mas ficam remediando a situação nas conversas, depois que vc termina fica aquela coisa “devia ter terminado antes”. Ás vezes é a melhor coisa que temos que ouvir das mulheres é priorize-se!
    Hoje vejo que 2,5 anos passados perdidos com alguém “nadaver” depois de ter terminado um outro namoro me serviram pra, pra o quê mesmo? ahaha Bem, o alívio de ter terminado foi tanto que é o que importa!
    Algumas pessoas tem um “grude” emocional ruim, fazem gente se sentir responsável por elas, com a consciência pesada se elas não estiverem felizes, mesmo que nós não. Fujaaaa!
    Ah, só pra concluir, hj estou muito bem, com alguém que temos tudo a ver.. e essa pessoa atual quando ví nas primeiras vezes não achei muito interessante, não tão bonita, tão alta quanto queria, mas aí vc vai conhecendo a pessoa de boas, sem obrigação e páhh, vai ver que tudo é melhor com ela. É isso que a gente precisa, alguém que as coisas fiquem mais leves, que te coloque pra cima e seja bom compartilhar momentos com ela. Nada de carregar pesos!
    E outra, só vai ser bom estar com alguém quando for bom estar sozinha também.
    Boa sorte pra todas nós, e boas energias! he he

  42. #67
    Lara
    01.06.2017 - 20:27

    Caso 2: TERMINE !!
    Se eu fosse vc faria uma eurotrip ou uma viagem qualquer com suas amigas !!
    Saia para bares, festas e curta um pouco sua solteirisse !!
    Sobre o ex: se você ainda sente saudades dele como homem, tensão Ou Ainda sente alguma coisa ao ponto de ficar imaginando ele com vc naquele momento, deveria dar uma oportunidade para o ex !!
    Segue seu coração e qualquer dúvida sobre o que vc sente por ele VOLTE para ter certeza dos seus sentimentos !! Todo relacionamento passa por altos e baixos é normal ! Só cuidado para não perder alguém que vc ama, por um desgaste natural ou um chá !
    Namorei 6 anos e terminei pq dei uma surtada, conclusão me arrependi e fiquei uns 3 anos mal 🙁
    Surtar depois de 6 anos é normal, sair com um carinha bom de cama depois de 6 anos com a mesma coisa é ótimo, mas chá passa depois de uns 4 meses e pode ser tarde para vc voltar com quem vc viu que realmente gostava

  43. #68
    Renata
    02.06.2017 - 03:29

    Pro caso 2:
    Olha, acho que várias meninas já te deram comentários valiosos, e eu realmente acho que por como você escreveu, a sua situação não é sustentável.
    Acredito que o pensamento não é “de onde ele vem?” mas “pra onde ele vai?”. Cultura, língua portuguesa, maneiras; isso tudo se aprende. Caráter, empatia, motivação e ambição já são bem mais difíceis. Ou seja, caso você veja potencial nele, caso ele tenha claros os objetivos dele e caso esses objetivos sejam comuns aos seus, pode dar certo.
    Meu pai, negro, foi morador de rua durante a adolescência (ficou órfão e fugiu), arrumou um “padrinho” quando tinha uns 20 anos e logo depois conheceu a minha mãe, branca, de família de classe média-alta, e bem educada. O relacionamento deles foi sempre rejeitado por todo mundo na vida da minha mãe.
    Hoje meu pai é executivo em level regional de um banco nacional, ganha 4 vezes mais do que qualquer um dos meus tios e é a pessoa mais querida da família na minha mãe. Tem 2 MBAs e é referência de sucesso na cidade de onde veio. A diferença é que além de trabalhar de 8 as 8, ele acordava todo dia as 4 da manhã pra estudar e “tirar o atraso” do que ele não teve.
    Não acho que seu caso seja garantidamente falido, mas só pode dar certo se ele estiver disposto a “te alcançar” ou se você for “meet him halfway”.

Comente