18
May 2016
Lavando os Pinceis… A Seco!
Novidades de Beleza

Recebi essa dica de uma leitora (obrigada Layla) e achei MARA!

Das coisas que mais odeio na vida, uma delas e de grande relevância, é lavar os pinceis de maquiagem. Ódio nivel hard, sácomé? Mas é necessário, afinal depois de usar make todos os dias, as cerdas viram um ninho de bactérias que na minha pele, facilmente vira espinha.

Adoraria usar e lavar na hora, mas não dá, afinal tem que esperar secar e tal. E é aí que entra a dica da Layla, um produtinho novo da Sephora gringa!!!

13177894_1076991649010272_6183076580433321529_n

É só espirrar o produto no pincel, passar em um lenço ou toalha para a sujeira sair e pronto! A fórmula não tem álcool e o pincel fica sequinho. O preço? U$14

  • Procurei na Sephora Brasil e infelizmente ainda não tem esse produto. Vamos torcer para chegar logo! 
  • (Confesso que fiquei matutando… será que dá para ter o mesmo efeito com shampoo seco de cabelo??? Vou testar hahahaha)
18
May 2016
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Quarta feira chorosa! Vamos com as rainhas:

Caso 01 – Margaret

“Olá Cony, sou seguidora fiel do blog, admiro demais sua postura, seu jeito quando crescer quero ser igual a você…

Tenho 23 anos, faço faculdade, me considero uma pessoa inteligente, bacana, tenho uma família maravilhosa, amigas espetaculares, sou ajeitada fisicamente,  me amo mesmo, tenho qualidades e defeitos mas o coração, pensa num coração bom… =)  enfim nada que em teoria me faz no direito de ”reclamar” de alguma coisa, a não ser a minha vida amorosa rs.

Cheguei num ponto que tô desistindo desse  ”setor”, conheci um cara bacana, tivemos um relacionamento de uns 6 meses, enfim tudo indicava que iriamos casar ter dois filhos e um cachorro chamado Costelinha, ele era muito inteligente, aqueles nerds mesmo, super dedicado e bem resolvido em que se diz respeito as suas convicções e vida profissional. No início do nosso rolo, confesso que sempre ficava com o pé atrás pois nunca tinha me relacionado tão intensamente com alguém, no inicio era só farra mas a coisa foi ficando séria para os dois lados, vi que pra ele  tb a p* tava ficando séria kkkkkk . Ele me tratava bem e tudo ai o coração não guentou quando vi já estava caindo de amores. Resumindo,  o caboclo me fazia juras de um possível amor, que viria conhecer meus pais, me falava da mãe, vó, do relacionamento dele com a família, de suas conquistas blá, blá, blá, que eu era bacana, que nunca me magoaria, que eu era tranquila e era difícil achar uma mulher igual a mim, uma vez que saímos ele falou comigo ” que eu era bonita demais, que todo mundo que passava olhava para mim, que queria me beijar mas ficava sem jeito” TIPO, desde ai notei uma certa insegurança . A ultima vez que nos encontramos que ele me disse um tanto de coisa que no entender de qualquer um estávamos num relacionamento sério,  e no final quando abri meu coração falei que gostava dele, não pedi em casamento nem nada, só retribui o que ele dizia sentir por mim, ele veio falar, que no meu entender o primeiro namorico dele o fez sofrer, que ele precisaria de mais tempo para o coração regenerar ele tem (25 anos) tipo sempre me falou de namoro, na hora que não aguentava mais, passou natal, carnaval, engatei a primeira e o individuo arregou. Continuamos  conversando por wpp e quando faria 7 dias que tinha visto pessoalmente, o que seria o nosso último encontro mandei um ”boa tarde, tudo bem?” e ele, sumiu, não sei estávamos bem , nunca mais me respondeu, fiquei sem entender sabe?! Nada com nada! eu não vou atrás mas quando estou de tpm e a saudade aperta e passo mal, saio, conheço outros caras mas como ficou uma história ”mal resolvida” sempre volto no nerdzinho , não sei, desanimei sabe, eu não fiz nada, não pedi nada, não cobrei e ele nunca mais deu sinal de vida isso já tem uns 3 meses. Superei em partes. Esse tipo de coisa me faz desanimar de conhecer outros caras pq já imagino o fim, gostar e me ferrar no final. Enfim, tô precisando de força, pra mudar esse pensamento, farei 24 anos e não tenho perspectiva nenhuma nesse aspecto amoroso, já chutei o pau da barraca! Me ajudem aí, gente!”

Calma mulher! Desilusões amorosas TODO mundo tem! E sinto te informar… mas acontece aos 20, aos 30, aos 40, aos 50… E você, no frescor dos 24 aninhos já querendo chutar o pau da barraca? Voltemos a parte que você diz que se ama. Ama mesmo? É toda boa e vai ficar de perrenguinho por um imaturo que arriou no primeiro sinal de comprometimento? Se eu fosse você tocava o terror na cidade, aproveite a juventude! E sinto te informar novamente, a probabilidade de quebrar a cara de novo é grande. Mas a vida é assim, quando a gente menos espera, dá certo. Vai por mim e para de dramatizar.

e185b2f6db854a3c4cef51f8ad23e25b

Chora 2 – Cleopatra

“Oi Cony! Sempre leio o blog e adoro as dicas de moda, e também acompanhar o Chora.

Tenho 24 anos, e espero no meio desse ano conseguir me formar na faculdade. O problema é que estou bem descontente com o curso e carreira que escolhi. 🙁

Quando esteva no colégio tinha muitas dúvidas sobre que curso fazer, fiz até orientação vocacional, que acabou apontado áreas que nem tinha pensado ainda, como design e arquitetura. Acabei escolhendo a área de comunicação, porque acreditava que era onde poderia juntar todas as coisas que me interessavam, com a ideia de fazer jornalismo (mesmo com a psicologa da orientação vocacional me alertando que não tinha perfil pra ser jornalista). Passei pra uma universidade federal na segunda tentativa, mas no segundo semestre do curso desanimei totalmente com o  jornalismo, vi que realmente não era a minha. Como estava cada vez mais interessada por criação e design, mudei para habilitação em publicidade, que era o mais próximo de design na minha universidade. No início as coisas correram super bem, e tive ótimas oportunidades dentro da universidade de estagiar e organizar eventos, e até de realizar meu sonho de fazer intercâmbio.

Até que fui tentar processo seletivo para vagas de empresas e agências, procurando algo fora da universidade e no mercado real de comunicação, mas nunca consegui ser selecionada, foi um não atrás do outro. Na última vez cheguei até o final da seleção, mas acabaram escolhendo outra pessoa.    A situação chegou no ponto de meus pais ficarem se perguntando o que acontecia comigo, que mesmo se preparando tanto, ia mal nos processos e entrevistas. Eles não me pressionam nem nada, sempre me ajudaram e apoiaram, mas vejo que eles se preocupam com o que vou fazer.

O problema é que quando conseguir passar tive péssimas experiências de estágio, até mesmo com uma chefe nível Miranda Priestly e que fez não só eu, mas mais duas funcionárias se demitirem. Só depois de estar estagiando lá que vi que ela queria se aproveitar da inexperiência das estagiárias, nos colocando pra trabalhar de 8h às 20h . E depois outro lugar onde os chefes eram super machistas, além de descartarem toda a ideia que não partisse deles e não pagarem em dia. Pra mim era um suplício passar o dia em um escritório trabalhando e tentando criar campanhas, correndo atrás de clientes. Fui vendo então a realidade do mercado dessa área, que é bem cruel, muita gente para pouquíssima vagas e muitos lugares não confiáveis, onde as pessoas são nada profissionais.Sei que não sou a única, tenho amigos da faculdade que também passaram por várias situações ruins em estágios, mas ainda sim querem seguir nessa carreira.

Paralelo a isso, como fui vendo que não estava conseguindo nada em publicidade, fui procurando cursos pra fazer de outros assuntos que gosto, principalmente sobre moda e design. Consegui algumas entrevistas em marcas de moda na cidade onde moro depois disso, mas não consegui passar. É uma área que eu gosto muito, estou fazendo um curso de Produção de Moda atualmente e adorando. E escrever sobre coleções de moda e criar conteúdo para uma marca foi um dos trabalhos que tive chance de fazer e mais gostei.

Agora perto de me formar e sem nenhum estágio ou emprego, estou nessa de não saber o que faço. Tento pensar no que seria melhor, mas confesso que depois de ter fracassado tantas vezes e ouvindo muitos “não você não serve pra essa vaga”, desanimei totalmente. Perdi a autoconfiança no meu trabalho e habilidades. Sei que sou de certa forma nova e que isso acontece com muita gente… Só que não saber o que fazer depois da faculdade está virando um problemão. Não sei se insisto em tentar mudar para a área da moda, faço outra faculdade ou uma pós graduação, mudo para uma cidade com um mercado melhor… Enfim estou com bastante medo de fazer a escolha errada de novo.

Espero que vocês tentando outras experiências e uma visão de fora da situação possam me ajudar!

Beijos e Obrigada!”

Complicado viu Cleo? Ainda mais na crise que o país está… Você pensa em fazer um curso fora? Que tal depois da faculdade fazer um Marangoni, um FIT, Parsons??? Algo mais focado na sua carreira mesmo? Seria ótimo para seu crescimento pessoal e profissional! Mas se posso te dar um conselho é insista sempre no que você GOSTA de fazer. Foque nisso, no que te faz feliz. Conheça pessoas da área, peça para acompanhar trabalhos mesmo sem receber nada para isso, network é tudo!!! Boa sorte e não desista NUNCA.

 

0a0d921c5290d01e043c54c21aa1258e

Caso 03 – Catarina

“Oi Cony! Você é uma das únicas blogueiras que acompanho hoje em dia, te acho autêntica, adoro seu blog e acho que você se destaca muito no que faz.

Bom, minha história é um pouco diferente, meu nome é Catarina e tenho 22 anos. Fui adotada quando era bebê porque minha mãe biológica faleceu de câncer, ela não tinha familiares,  e sobre o meu pai, ninguém nunca me falou nada, inclusive ninguém nunca tocou no assunto, mas quando falam dela, só existem coisas boas, foi uma boa pessoa e falam super bem. Fui adotada quando tinha meses de vida por um casal que já tinha um filho, eles me receberam de braços abertos, me deram uma vida maravilhosa, sempre disseram sim para as minhas escolhas e jamais me desencorajaram dos meus sonhos. Nunca houve algum tipo de distinção por ter sido adotada. Recebi uma boa educação e sempre estudei em boas instituições. Sou muito grata por tudo! Apesar disso, não me sentia aceita por alguns familiares, não me sentia da família, sempre fui reservada perto dessas pessoas. Aliás, sempre fui reservada, ninguém fora da família sabe disso, e eu nunca gostei de falar sobre isso. Meus melhores amigos me conhecem há anos e não sonham com essa história. Fiz terapia por uns 2 anos e aprendi a me aceitar e a aceitar as adversidades da vida, a me conhecer melhor e a superar alguns de meus medos. E desde então tenho muita vontade de procurar meu pai biológico, nunca entendi o motivo dele não ter ido atrás de mim, não ter dado assistência alguma à minha mãe adotiva que ficou extremamente debilitada e que sofreu muito. Não é que eu seja ingrata aos meus pais adotivos, mas sempre fui curiosa e acho que eu mereço saber, só que ao mesmo tempo tenho a dúvida se isso é certo e se eu não vou me magoar, se não é melhor deixar isso quieto mesmo, sinto muito medo. Evito tocar nesse assunto porque é óbvio que meus pais se magoariam, poxa… Sempre fizeram tudo por mim, não seria justo com eles. Sempre tento ser motivo de orgulho e me esforço ao máximo para ser uma boa filha! Lógico que eu iria atrás disso sozinha.  A única coisa que sei é o nome dele, isso porque fui atrás, outra coisa que sei é que na época que nasci ele já era um senhor de idade. Às vezes me pergunto se ele já tinha alguma família ou filhos e fui apenas fruto de uma traição, ou se foi apenas um caso passageiro… Enfim, me sinto perdida sobre esse assunto e não sei se devo seguir em frente com isso ou não. Não sei nem se ele ainda está vivo. E agora?!”

Nossa me deu até um frio na barriga ler sua história. Ó, antes de mais nada, vontade de abraçar você e seus pais. Que atitude mais linda eles tiveram e que grata você é! Tudo certinho, redondinho, lindo lindo. Acho SUPER compreensível você querer saber sobre seu pai biológico. Eu também teria muita vontade em seu lugar mas…muito me intriga o fato de ninguém nunca ter te falado nada sobre ele. Você já perguntou pra alguém??? Essa parte me dá medo, boa coisa não deve ser para ser um assunto assim, meio proibido. Só acho que se você realmente for atrás do seu pai, jogue aberto com seus pais e conte o que está fazendo. Não faça nada escondida deles. Antes de mais nada converse, do jeitinho que você escreveu este mail. Diga que é muito grata, que ama eles, mas que a curiosidade te consome. Acho que eles vão te entender, mas fique atenta. Se perceber que eles não ficariam a vontade com essa sua busca, melhor deixar pra lá. E se for em frente, não crie expectativas e seja sábia para não deixar que nada te atinja e tire sua paz…

1176cf5d9e09779b4976ca27ce208e1f

  • Dois PS hoje!
  • PS 01 – Emails SUSPENSOS MAIS UMA VEZ. Recebi uma surra de Choras, vamos aguardar acabar com estes até abrir espaço para novos ok? É sério, não enviem até segunda ordem. A pasta está fechada!
  • PS 02 – Vocês sempre me perguntam onde acho as frases que uso para cada Chora, pois bem, para alegria geral da nação criei um Instagram só com as frases do Chora (e outras também!). Tá bem bacana, novinho em folha. Quem quiser seguir o perfil é @futilish.feelings. E quem quiser colaborar e enviar uma quote bacana que possa ser usada futuramente nesta tag, é só me me enviar por direct (pro @futilish.feelings) ou então usar #futilishfeelings
  • Beijo, fui.