Moda
Como Usar, Fashion Emergency
17 jun 2019, 15 comentários

Substituindo a Sapatilha

Fiz um vídeo no IGTV esses dias sobre os 5 Sapatos Tem Que Ter e deu uma polemicazinha porque não coloquei uma sapatilha entre os escolhidos. Bom, se não coloquei, é porque eu não acho a sapatilha um sapato necessário. Tanto que não tenho mais nenhuma já há alguns anos!

Daí muita gente falou: ah mas não largo minha sapatilha por nada, preciso usar salto baixo!

Sim, não é nada contra os saltos baixos mas acontece que antigamente, tipo uns 5 anos atrás, a única opção que tínhamos e que aceitávamos para sapatos baixos era a sapatilha. Foi quando começaram a aparecer outros tipos de sapatos mas a gente ainda não era acostumada. Foi um processo até aceitar os loafers, os oxfords, os slip on, a volta do tênis para uso diário… Só para ter certeza do que eu estava afirmando, fiz um exercício: fui ao shopping e comecei a reparar nas mulheres que estavam de salto baixo, pouquíssimas usavam sapatilhas, mas poucas MESMO, a maioria deu uma modernizada nos pés e eu SUPER apoio isso.

Eu substituí a sapatilha com gosto, frente a esse monte de outras opções acho que ela ficou antiquada além de achatar e encurtar muito a silhueta. Se for pra ser sapatilha, que seja de bico mais fino e com algum diferencial. Aquela sapatilha que tínhamos de todas as cores, com bico redondo e o lacinho, já era.

Agora vejamos as outras opções de salto baixo mais atuais e estilosas?

Minha primeira opção para a substituição da sapatilha: o LOAFER! Acho chiquérrimo e por mim teria um de cada cor! Tenho 3 pretos e um de onça.

Mule! Eu ainda tenho certa resistência, confesso que quando quero um sapato baixo vou direto no loafer mas a mule ganhou MUITO as ruas. Vejo muito gente usando e acho lindo lindo! Para mim o problema é sentir o pé meio solto, mas para quem não tem esse problema, é uma ótima saída.

Oxford! Foi o primeiro sapato baixo que apareceu para nos desencarnar da sapatilha. Acho mega estiloso!

O slip on é uma mistura de loafer com tênis, um tênis que não é tênis mas tem o conforto de um. Acho MARAVILHOSO para quem vive de sapatilha e quer conforto e estilo!

Claro, não poderia faltar ele, o tênis! Para mim, a volta mais triunfal do mundo da moda. Vivo de tênis, dá para usar no dia a dia, para trabalhar, para sair para tudo! Aqui no blog tem vários posts falando sobre isso.

Agora se você é da turma que quer sapatilha de qualquer jeito, tente as pointed flats, as sapatilhas pontudinhas. Essas pelo menos não achatam tanto e são bem mais elegantes!

  • Farei novo vídeo com os 5 sapatos tem que ter versão salto baixo, acho que na verdade no meu primeiro video teriam que ser 6 sapatos (incluindo um loafer!). E aí? Dá para tentar outros tipos de salto baixo ou ainda fica na sapatilha?
LifestyleLifestyle
Decoração, Mi Casa Su Casa
16 jun 2019, 14 comentários

Mi casa, su casa – Mesa Posta

Olá Fufulândia!

Geralmente os assuntos que inspiram meus posts são dúvidas que vocês deeixam nos comentários ou coisas que acontecem no dia-dia do escritório. Essa semana foi um pouco diferente: Veio do Instagram.

Eu já sigo, puramente por gostar do tema, alguns perfis de louçaria (@casademineira), organização (@menina.organizada). Contudo o dia dos namorados exibiu uma explosão de pessoas investindo em um jantar íntimo, em casa mesmo e com esse comportamento muita gente se empenhou em arrumar a mesa de um jeito especial para a noite.

E eu, cancerianinho achei muito fofo… Porém, transtornado que sou, acabei percebendo muitos erros de composição de mesas, então pensei: Vamos falar dos itens (iniciais) para mesa posta e umas regrinhas de etiqueta?

Eu já fiz dois cursos (online) com a Juliana Santiago (@vidadecasada), uma mineira que fala tudo sobre etiqueta e como receber de forma adequada. Achei de grande valia então é um perfil que vale a pena seguir e caso tenha interesse conhecer os cursos. (Não é #publi, infelizmente, hahaha).

Não vou ficar aqui de falatório, cuspindo regras de etiqueta, mas temos que entender a composição formal completa para poder fazer a versão mais simples. Então cata essa ilustração do Vamos Receber:

Não abandone essa matéria. Vou ser o menos xiita possível. Essa composição – autoexplicativa – é uma mesa completíssima, super formal, com 4 cursos (entrada, prato, prato principal, sobremesa) couvert, lugar marcado…

E desejo que todos sejamos ricos o suficiente para oferecer isso para quem amamos, mas também que tenhamos um coração simples e que não façamos uma mesa tão imponente que oprima os convidados. Gosto de mesa com viadagem, gosto. Entretanto, numa versão mais moderna. Veja as mesas que me agradam:

Acredito que possamos nos esforçar um mínimo, para nos presentear com uma mesa caprichada:

E isso é um auto-puxão de orelha, porque eu não sei quantas vezes na vida eu comi direto na panela, sentado no sofá por pura preguiça de arrumar a mesa e me tratar como um humano.

Voltando aos stories do dia dos mozão,  que eu mais vi errado: Posição de talheres. Colher e faca sempre à direita e garfo sempre à esquerda. E o fio de corte da faca sempre virado para dentro, em direção ao prato. Também vi copos do lado erradíneo, os copos devem estar à direita, acima da faca.

Como aprendi no curso, a mesa comunica para o comenssal (quando da vyda eu imaginei usar esse termo: nunca) o que vem pela frente.

Se você se senta e tem: uma colher de sopa, uma faca de mesa e uma colher de sobremesa, já sabemos que teremos algo como sopa, creme ou consomé, um prato principal e uma sobremesa. Então é bem simples a partir do momento que aprendemos a disposição das coisas, a montar uma mesa simplificada, pois a mesa só vai ter os acessórios que vamos usar. Logo, o primeiro passo da mesa posta, é o cardápio.

Não se sintam intimidadas pelas mesas que vemos na internet. A maioria das fotos maravilhosas é pensada para vender produtos. Logo acima, na imagem que tem o bolo, os talheres estão ali só para preencher espaço e colocar desejo nas pessoas, porque para servir bolo, só de usaria UM garfo, e na foto temos dois garfos, uma faca e uma colher, sem contar que o prato que está ali é um prato raso, não de sobremesa e o sousplat continua na mesa… mas o sousplat deve sair depois do ultimo prato salgado… logo… tuderrado, é só para vender mais e mais produtos.

Agora vamos falar dos itens para iniciar seu acervo de mesa posta?

Primeiro de tudo temos que entender que toalha sempre será usada para eventos mais formais, ou em mesas grandes, largas onde a toalha vai preencher vazios e poderão ser admiradas. Toalhas mais naturais como linhos, algodões são indicadas para o dia, logo, reserve rendas, cetim e bordados para a noite.

Jogos americanos: em mesas formais e casuais, nos mais diferentes materiais, formatos e cores, especialmente em mesas mais estreitas.

Nunca, jamais, sob hipótese alguma, nem que a sua mãe mande, use toalha e jogo americano juntos. As vezes vemos toalha com um trilho por cima, porém é com função de adicionar cor.

Com o eu já defendi AQUI, sou a favor de você ter 2 jogos de jantar, que se complementem e dupliquem a sua capacidade de receber. A quantidade adequada para ter de pratos é a quantidade de lugares que tem disponível + 2 por exemplo, se na sua casa você tem uma mesa de 6 lugares, eu indico ter 8 pratos, quando algum quebrar você não fica com a mesa faltando um lugar. A ideia do post que linkei , se investir em 2 jogos é a dica que fará você ter diversidade.

Convenhamos que as arrumações que vemos tem louças especiais, limões sicilianos, arabescos azuis, abacaxis, borboletas… é infinita a variedade de louças já criadas, se falarmos das temáticas, como páscoa e natal então, danou-se. Mas como estamos tratando de um início de carreira, vamos ser sensatos e começar com louças brancas e vidros incolores. Uma verdadeira artista é a Priscila do Blog Anfitriã, que exalta sempre e me ensinou a versatilidade da louça branca e do vidro:

A partir do momento que temos esses itens, especialmente o branco é possível ir variando a decoração com jogos americanos, flores e guardanapos. É a “base” neutra que não necessariamente precisa mudar tão cedo.

Como vocês vão querer saber, eu gosto muito das opções de louças da Porto Brasil, e da Scalla. Não são exatamente baratas, contudo também estão anos luz de serem as mais caras. Algo que me agrada muito é que ambas marcas tem muitas coleções que tem o mesmo formato/tamanho com estampas diferentes, então são especialmente fáceis de misturar e deixar sua mesa posta com o dobro de lugares. Para não entupir vocês de fotos aqui, deixei nas marcas que sugeri o link direto para as linhas deles que eu acho mais versáteis, para quem quiser dar uma olhadinha.

Talheres… ah esses monstrinhos! Porque tão caros meu Senhor?

Os talheres que acredito que menos pessoas tiveram contato na vida, são os de peixe, a faca não tem fio, mas tem um desenho para partir o peixe delicadamente, e o garfo tem a covinha central mais longa… que deve ser só para a gente reconhecer ele mesmo, HAHAHA

Eu não vou dizer para vocês terem todo esse exército de talheres não. O mínimo de talheres que precisamos são:

Garfo, faca, colher de mesa; Garfo, faca colher de sobremesa e Colher de chá.

Descobri que na França mesmo que a sobremesa precise ser cortada, como um folhado por exemplo, JAMAIS se corta com faca. É sempre com a colher e o garfo. Então você me pergunta: Porque colocou na lista a faca de sobremesa?

SA-LA-DA!

Esquecemos que, caso façamos um prato de entrada e um principal separados precisaremos de duas facas e 2 garfos.

Infelizmente a maioria desses faqueiros gourmetizados da internet não oferecem as opções mínimas de dignidade. Então levem em consideração na hora de escolher a variedade que tem do modelo que te agrada. Eu optei por colocar na minha lista de casamento (imaginária) um super clean, para durar eternamente, o modelo Berna da Wolff.

Um adendo: Em mesas muito estreitas, menos de 90cm de largura, pode-se optar por deixar os talheres de sobremesa junto com os da refeição, lembrando sempre da ordem, de fora para dentro.

E chegamos aos copos. Inicialmente, eu diria para você comprar um copo de água/suco, e o que você tem costume de servir na sua casa. Seja cerveja, vinhos, espumante. Como essa ideia é inicial, tem que se adequar a sua rotina. E já vou dar a dica que de o copo de água ou suco é o primeiro item de “base” da nossa mesa posta, no qual vale a pena ir colorindo.

Guardanapos.

Há quem defenda com unhas e dentes que eles devem ser sempre de tecido, sou do time que acha que eles podem ser de papel, desde que sejam daqueles especiais, grandões, quase como os de tecido. A única referência que eu encontrei para mostrar aqui é a Relevo Guardanapos. De qualquer forma, os de tecido são lindos, trazem requinte para a mesa posta e pelo menos o branco eu defendo que você tenha.

Vamos recapitular rapidinho o que seria nosso básico, para isso vou simular para que tem mesa de 06 lugares.

01 Toalha de mesa;

06 jogos americanos;

08 pratos Rasos;

08 pratos Fundos;

08 pratos de sobremesa,

08 bowls de sopa/sobremesa;

08 xícaras de chá com píres;

08 xícaras de café com píres;

06 Garfos de mesa;

06 facas de mesa;

06 colheres de mesa;

06 garfos de sobremesa;

06 facas de sobremesa;

06 colheres de sobremesa;

06 colheres de chá;

06 copos de água/suco

06 taças do que você costuma servir… No meu caso seriam 06 de vinho branco, 06 de vinho tinto e 06 de espumante.

Então de básico, chega né? Se vocês quiserem, deixem nos comentários que eu sigo e falo dos sousplats, bandejas, suportes de talheres, porta guardanapos e todas as frescurinhas adicionais que amamos.

 

 

Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
13 jun 2019, 47 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Vamos de Chora?

Chora 01 – Marta

“Oi Cony! Acompanho seu trabalho a uns 3 anos já, gosto bastante.

Meu chora é algo mais incomum, é sobre saúde… Já li algo parecido em seu blog, mas nada igual a minha situação.

Tenho 34 anos e perdi minha virgindade numa idade que é considerada tarde… aos 24. Sempre fui gordinha, e nunca chamei atenção da maioria dos caras. Sabe aquela história de esperar o cara ideal? Então, ele nunca apareceu, então resolvi transar com um amigo colorido.

O problema é que todas as vezes que tentamos (mais duas depois da primeira vez), nunca chegamos aos finalmente, porque foi uma tortura pra mim.

Achei que era um problema mental, que não estava relaxada o suficiente, essas coisas. O problema é que essa tortura persiste nas coisas mais simples até hoje. Sabe exame preventivo e ultra transvaginal? Sim, eu sei que é desconfortável pra muitas mulhere, mas no meu caso é o mesmo que estar sendo torturada… é uma mistura de ardor com dor horríveis, e é sempre humilhante pra mim, porque as ginecologistas (já fui a algumas diferentes) e as pessoas que fazem os exames sempre acham que é porque eu não relaxo. O que é frustrante, porque mesmo as médicas acham que é só um problema psicologico… mas sei o que sinto, e não é.

Em um dos ultrasons que fiz, descobri que tenho útero retrovertido, que poderia ser isso… mas não pode ser só isso, porque outras colegas que tem esse problema não sofrem tanto quanto eu.

Por esse motivo, acabei isolando minha vida amorosa… fico só nos beijos mesmo… imagina ficar com o cara e dizer a ele que ele não pode me penetrar porque não aguento a dor? não tem como né?

Gostaria de saber se alguma de suas leitoras sabem sobre o assunto/ja passaram por isso. Se existe algum profissional especialista nisso, porque as que procurei, como já disse, sempre falam: é psicológico.

Beijo pra todas.”

 

Vou deixar para as meninas que passam por alguma situação parecida ou que conhecem alguém que passe para te responder. Lembro de um Chora que publiquei há um tempo que era de uma moça que sentia MUITA dor na penetração e nem conseguia concluir a relação, e ela tinha vaginismo. Não sei te dar maiores explicações sobre isso, por isso deixo para que nos comentários possam te ajudar! Boa sorte.

 

 

Não sei se é seu caso, mas achei as queixas parecidas…

 

Chora 02 – Formiga

 

“Cony, preciso muito que alguém seja sincera comigo… estou junto com meu namorido, agora “marido” desde 2005… no começo, tudo era muito bom, depois, pirei com muitos ciúmes… comecei a fazer psicanálise e consegui ficar bem… pelo menos por um tempo… aconteceu que o namorido resolveu dar um tempo do trabalho estudando, para algo melhor… saiu do emprego fixo que tinha, com meu apoio, pois ele disse que conseguia manter nossas contas e nosso plano de saúde com a bolsa dos estudos… porém, as contas estavam feitas erradas e a verdade é que estou sustentando a casa desde então… no começo não me incomodou, mas qdo tive que deixar de fazer minhas coisas, isso começou a me irritar… o pior é que me endividei com essa situação, pois sou funcionária pública e não tive reajuste nem décimo terceiro, e não suporto deixar de comprar… estou cada vez mais cheia de coisas p pagar e não recebo quase nada dele, pq ele ajuda sempre com o mesmo valor, mas gasta muito mais… alem disso, estamos sem plano de saude e me sinto negligenciada neste aspecto pq sempre fui cuidadosa… não sei mais o que fazer… já tentei conversar, mas às vezes, ele age como adolescente, me tratando mal ou como idiota, igual faz com a mãe dele… me dê uma dica, Cony… amo ele e achei que essa seria uma etapa de vida a ser vivida e vencida juntos, como um comum acordo, mas agora, não paro de pensar que estou sustentando um homem que quer viver como adolescente e não tem nem vai ter responsabilidade com dinheiro nunca… essa parte do dinheiro me incomoda pq detesto gastar com o que não é meu, sempre fui controlada e pude me dar ao luxo das minhas compras pessoais… e agora, me sinto mal vestida e fazendo restrições que não gostaria… isso pesa, pq qq briguinha me faz pensar em como seria se eu estivesse com outra pessoa independente ou com a qual eu não precisasse sustentar… espero que tenha deixado claro, eu aceitei um período de restrição com os estudos dele… mas não esperava o endividamento dele que acarretaria no meu… o que devo fazer? O que vc faria no meu lugar? As vezes fico pensando se fui uma boba, se estou sendo usada e enganada… tenho mais de 30 anos e não quero viver como adolescente de novo… tenho medo de estar perdendo oportunidades… esse medo vem  na minha cabeça qdo penso na situação toda, de que posso estar fazendo papel de trouxa … por favor, me ajude!”

 

Me conta duas coisas antes… Antes dele largar o trabalho dele, como era? Ele bancava a parte dele, era presente “financeiramente” nas contas da casa? E outra coisa, ele realmente largou o trabalho para estudar? Ele estuda? Ou era uma desculpa para ficar em casa sem fazer nada? Situação complicada, EU no seu lugar, teria deixado bem claro que isso teria um prazo, tipo 1 ou 2 anos mantendo a casa mas depois não mais. O lance de não pagar nem plano de saúde é tenso! Isso é prioridade! Já falou pra ele que você esta deixando de fazer suas coisas e que isso tá te chateando muito? Não dá para dar muito pitaco porque não sei se o cara tá realmente se esforçando e estudando pra valer ou se vagabundou na vida, você também não contou a quanto tempo ele tá parado. Se vagabundou, fia, pula fora. Agora, se ele ta focado nos estudos, conversa com ele e põe prazo, ou entrem num acordo de cada um dar X por mês para as contas da casa, e nada além disso. Se você colocar, sei lá, tô chutando, R$ 2000 e ele R$ 2000, vão ter que se virar com isso. Pelo menos você não vai achar que tá pagando muito mais e abrindo mão de suas coisas. Eu super entendo e não julgo sua vontade de ter seu dinheiro para pagar suas coisas, seus caprichos, suas vontades. A gente trabalha pra isso também! 

 

 

Chora 03 – Cristiane

 

“Olá Constanza, primeiramente gostaria de te parabenizar pelo blog, sempre leio, mas nunca escrevi, mas espero obter uma resposta!
Bom, tenho 27 anos, sou divorciada. Isso ainda é um peso pra mim, estou exercitando para falar isso com mais naturalidade. Me separei há 2 anos e meio, tive um relacionamento que seguiu todo o “padrão”, namoro, noivado, casamento. Inclusive perdi a virgindade com o ex. Algo que tinha ou ainda tem muito valor pra mim.
Quando nos separamos eu estudava para concursos, era totalmente dependente do meu ex, financeira e emocionalmente. Já perdi o meu pai quando tinha 15 anos, mas a separação foi como se fosse a pior dor da minha vida.
Acontece que além do sofrimento pela separação, eu estava desempregada, sou advogada, mas não tinha experiência, porque assim que peguei minha OAB em 2015, fui estudar para concursos e no final de 2016 nos separamos, então fui a luta atrás de um emprego e trabalhei como auxiliar jurídico em uma empresa ganhando R$1.000,00 e fazendo um bico ou outro, fiquei 1 ano e meio lá, detestava o trabalho, mas queria uma renda e um trabalho, não conseguia mais ficar por conta de estudar, moro atualmente com minhas tias (são um casal).
Neste ano finalmente consegui um trabalho em um escritório, estou advogando, ganho um pouco mais do que ganhava nesta empresa, estou concluindo uma pós graduação e tentando voltar a estudar para os concursos. Ainda me sinto insatisfeita com a minha remuneração.
Aí, fiquei solteira durante esse período, mas nunca conheci alguém que houvesse reciprocidade. Me apaixonei por um cara, mas ele não queria nada sério e acabamos rompendo o lance “casual”. Nesse tempo de solteira, isso aconteceu umas 3x.
Hoje meu ex já possui uma família, a mulher inclusive está grávida. Soube notícias através de uma sem noção que veio querer saber como estava a minha vida e acabou me contando sobre a dele.
Talvez as coisas que eu tenha dito acima não tenham muita concordância, mas o que eu quero dizer é que ainda me sinto frustrada. Tenho receio de não conseguir encontrar alguém bacana.
Vejo sempre as pessoas dizendo que devemos nos amar pra ter alguém, amar nossa própria companhia. Mas eu queria saber, como faz isso? Eu sei que me amo e me respeito, afinal eu não aceito muita coisa, não que eu saia por aí exigindo demais, mas é que quando gosto, não consigo ter um relacionamento casual, quando vejo que a pessoa não sente o mesmo e também não consigo ter que ficar me esforçando pra gostar de alguém, mas quando gosto de maneira natural, a pessoa não gosta de volta, e aí, cá estou. =/
Acho que é isso.”

 

Não preocupa em encontrar alguém não! É a verdade mais verdadeira que existe! Quanto mais você procura, mais encrenca acha. Aprenda a curtir sua companhia, ir ao cinema sozinha, viajar sozinha (é a melhor coisa do mundo), se gostar, se cuidar, viver para você! Se olhe no espelho com carinho, repare bem em você, no que você mais gosta em você, se trate com amor, se namore! Eu fiz um post que chama Conversinha Sobre o Fim onde falo muito sobre isso. O segredo da felicidade não esta no outro, tá na gente. E a gente só vai ser feliz com alguém quando souber ser feliz sozinha. É um aprendizado, às vezes longo, às vezes doído, mas é tão bom… tente, certeza que você vera a diferença dos relacionamentos antigos com os novos.

 

 

  • Choras ainda fechados!