21
Mar 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Tô bolando um projeto com o Chora que vocês vão amar!!!! Tô ansiosa! Vamos com os casos de hoje:

Chora 01 – Ibirapuera

Cony, primeiramente quero dizer como todas que amo o blog, porém eu não tenho tempo pra quase nda e o seu blog está na pequena lista dos que leio sempre, porque sempre dou um jeito de ler.

Faz tempo que quero escrever esse chora. Sou mãe, esposa, dona de casa, trabalho na Administração de um órgão de economia mista muito conhecido e ainda sempre me cuido, sou vaidosa e nunca saio sem maquiagem e perfume. Além disso, sou religiosa e gosto muito de reservar um tempo para minhas orações e idas à missa. Me considero uma pessoa inteligente e a maioria das pessoas à minha volta também.

Acontece que estou no mesmo cargo há dez anos e nunca consegui passar na prova dos cargos acima. Tenho nível superior e estou em um cargo de nível fundamental. Apesar disso, faço o serviço de funcionários de nível superior até melhor que eles. Meu chefe gosta muito do meu trabalho e por isso me dá trabalhos mais sérios e difíceis, me dá privilégios (Que acabam causando ciúmes das outras pessoas do meu cargo) e sou uma das pessoas de confiança dele. Acontece que esse chefe não é para sempre. Quando vier outro no lugar dele, vai olhar para o meu cargo e me colocar para o atendimento, não vai olhar para as minhas capacidades. E eu entendo perfeitamente, afinal algumas coisas que eu faço nem posso assinar pois pode ser considerado desvio de função. MORRO de medo de ir para o atendimento, já fiquei lá anos atrás e fiquei doente. Mas Cony, por mais que eu tente, eu não consigo passar na prova. Esses processos seletivos acontecem poucas vezes e eu não passo. Eu estudo, fico até tarde estudando, pago cursinho, me esforço apesar do cansaço e nada. Tomo anti depressivos há anos, mas isso nunca me atrapalhou. Sofro de enxaqueca crônica faz tempo, mas ainda assim não me deixo paralisar. Já tentei todo tipo de tratamento e não resolveu, mas não desisto. Então não posso usar isso como desculpa. Na minha empresa existem muitos cargos que simplesmente “aparecem” por indicação do diretor regional. Só que eu sou uma das pessoas que entrou fazendo prova e não por favor de ninguém, então não tenho costas largas apesar de muita gente achar que eu tenho. Eu ganho mal e para fazer minhas coisas conto com a ajuda do meu pai (Só que rola brigas às vezes) e nunca deixo de ajudar nas contas em casa.  Não sei mais o que fazer!

Bem vinda ao mundo real baby. O que tem de gente injustiçada por aí… Em partes me vejo um pouco na sua historia, que é quando falo das influenciadoras que compram seguidores e muitas vezes são mais reconhecidas ou ganham mais de quem faz um trabalho de verdade e mostra serviço. Mas o mundo é assim, acontece com você, comigo, com a leitora que está nos lendo agora, com a vizinha, com XinXaiLe lá na China. O que a gente tem que fazer é justamente o que você já está fazendo: não desistir e tentar se superar sempre. Acredito que uma hora a recompensa virá, prefiro pensar assim do que remoer esse sentimento de “injustiça”. Continue fazendo o que você faz de melhor e da melhor forma, continue mostrando seu trabalho bem feito, mas não faça isso esperando que alguém venha e te reposicione no trabalho. Faça por você, faça por ser o seu melhor. Continue estudando e não desista. Olhe sempre pra frente, jamais para trás nem para os lados.

Chora 02 – Jardins

Oi Cony! Tudo bem?! Vou te mandar um chora sobre um assunto que não lembro de ter lido algo parecido por aqui já. Me chamo Jardins, tenho 27 anos e tenho dois irmãos gêmeos (M. e P.), com 22 anos hoje. Então, ano passado tive certeza de que o M. é gay. Só que não foi numa conversa aberta com M. Ele nunca chegou para me contar pessoalmente. Foram por algumas atitudes dele desde pequeno, conversas que ouvi meio por cima entre os dois que eu comecei a desconfiar. Até que um dia resolvi ter a certeza e perguntei para o P. pois os dois são muito mais apegados, parceiros e se contam tudo. Foi aí que P. me confirmou que M. era gay. Então perguntei se o resto da família já sabia, o porque nunca tinham falado pra mim. P. me disse que meus pais já sabiam há alguns meses e não sabia me dizer o porquê M. nunca tinha me contado. Não fiquei chocada com a notícia, pois como disse já imaginava. Mas realmente fiquei um pouco chateada por nunca terem se aberto comigo. Mas o maior problema é que não sei como lidar com isso. Não por mim, mas pelo M. Eu sou uma pessoa bem fechada, dificilmente me abro com as pessoas e também acho difícil tocar num assunto como esse lá em casa. Mesmo que apenas com o M. Nós nunca conversamos sobre isso. Mesmo não conversando, milhões de coisas passam pela minha cabeça. Quando M. era menor, passou por alguns momentos difíceis, quase entrou em depressão. Precisou de terapia. E imagino como tenha sido difícil para ele se aceitar quando descobriu ser homossexual. Hoje sei que ele se aceita como ele é. Eu tento me colocar no lugar dele, e imagino como deve ser difícil lidar com isso. Já ouvi amigos da família fazendo piadinhas sobre gay na frente de M. Já ouvi prima minha dizendo para a minha mãe que nunca aceitaria um filho gay. E essas coisas que me incomodam. Como lidar com pessoas inconvenientes assim? Eu já namorei, apresentei meu ex para a família toda. P. começou a namorar recentemente e já apresentou a namorada para a família. M. também já namorou, mas as poucas pessoas que conheceram o namorado, conheceram-no como “amigo”. Me pergunto se ele não sente falta de abrir o relacionamento para todos, assim como eu e P. Os únicos que sabem são meus pais, eu e P, além de alguns amigos mais próximos. Ai sempre em alguma janta de família vem algum parente fazer aquela perguntinha escrota para M. “e ai, como vão as namoradinhas?” e eu só penso no que meu irmão deve sentir ao ouvir isso. Gostaria da opinião de vocês, se tem algo que eu possa fazer para ajuda-lo; se devo esperar ele procurar ajuda; e principalmente como lidar com essas situações desagradáveis do dia a dia. Pois sei que vai muito além das poucas que já vivenciei junto com ele. Sei que ele se aceita do jeito que é. Mas eu fico mal por ele vivenciando situações como essas e queria saber de uma forma para amenizar a dor que ele deve sentir.

Acho que você não deveria se preocupar tanto com o “externo”. Vamos por partes: ele já se aceitou, o que é maravilhoso. Pior seria se ele travasse uma luta interna por não estar dentro dos “padrões da sociedade”. Segundo: a família toda sabe e tá tudo certo. Se seus pais fossem contra, seria ouuuutra historia. Acho que você não deve se preocupar em como agir, apenas faça tudo como sempre, normalmente!! Não tem que mudar o tratamento, ou tocar no assunto na sua casa, ou ainda chamar ele pra conversar. Mostre, com atitudes, que você está com ele pro que der e vier, que o apoia e que nada mudou e nem mudará. Quando ele se sentir a vontade, falará sobre o assunto com você! Não force nada mas também não se feche muito, para poder dar abertura a ele caso ele sinta vontade de te contar algo. E sempre aparecerão situações chatas, mas isso está fora do seu controle então o que você pode fazer quando isso ocorrer, talvez seja mudar de assunto, desviar a atenção. No mais, curta MUITO seu irmão, eu iria adorar ter um irmão gay, os gays são os melhores amigos!!!!

Chora 03 – Itaim

Olá Cony, engraçado que já te escrevi um chora e não enviei… Na hora que terminei de escrever eu pensei o seguinte : “ se eu sei tudo o que está acontecendo , se eu acabei de detalhar tudo pelo que estou passando e eu mesma não tomo uma atitude, quem poderá me defender?! A única pessoa que pode mudar essa situação sou EU”

Nessa época eu passa por um relacionamento abusivo e estava casada (fui casada por quase 8 anos) . Super infeliz, me sentindo feia, mal amada, pegando as características terríveis do ex e não sentia que havia saída . Sempre fui alegre, expansiva , sorridente , com pais incríveis que sempre fizeram tudo por mim. Não sei se isso é normal, mas as vezes parece que por sermos pessoas tão boas de coração atraímos esses homens (graças a Deus foi só ele). Ele era mais velho do que eu 10 anos. Cheio de machismo, não gostava dos meus amigos, da minha família ,eu me sentia pisando em ovos e tendo que toda hora balancear situações , ele enchia o saco do modo que eu me vestia e era simpática . Engraçado que no começo eu achava que tudo aquilo era proteção , e por morar longe dos meus pais na época deixei ele dominar muito a minha vida . Eu sempre trabalhei e comprei minhas coisas e mesmo assim ele reclamava… Me xingou varias vezes, não me elogiava, nem me beijava na boca direito … era uma MERDA. Depois nós mudamos e ele saiu do emprego. Fomos morar na cidade dos meus pais e por não alugar nada de início na cidade, moramos com eles … a coisa foi de uma tal forma que eu quase não falava mais com meus pais dentro da minha própria casa por causa do embuste. Um horror… hoje eu penso em tudo isso e sinto vergonha.

Ele trabalhava na empresa deles assim como eu e mal os cumprimentava …

Tudo estava ruim, nada prestava e só ele era o bonzão.

Ele só trabalhava de manhã e passava a tarde toda jogando videogame. Um homem de 40 anos. Eu tinha 30 na época, isso foi em 2016. Cony, aquilo foi me deixando desesperada . Eu não sabia como terminar e mandar ele de volta para a cidade em que morávamos (já que ele era de lá ). Comecei aos poucos trabalhar isso na minha cabeça. A olhar ao meu redor, a ver o sofrimento dos meus pais, a analisar em como não estava sendo uma boa filha, em como tudo o que eles me ensinaram estava sendo jogado no lixo… e a pensar: “você não é assim, mude isso agora…” mas minha relação com meus pais estava tão abalada que até pedir ajuda me envergonhava .. Eu estava já ficando com coração acelerado sabe? So de pensar em tudo! Um belo dia resolvi aos poucos ir mudando isso. Eu li muitos e muitos “choras “do blog, suas palavras , batia print das mensagem com foto que você coloca, sabe ? Olhava aquilo sempre, as palavras de incentivos , as mensagens, e aquilo juntos com outras mensagens de auto ajuda de instas foram de verdade sendo a minha terapia. De verdade queria te agradecer! Você sem saber me ajudou muito! Lia seus conselhos para as outras meninas e varios e varios serviram para mim. Quantas e quantas vezes eu pegava meu celular à noite e só ficava vendo os prints que batia do blog. Aí olhava pro lado e via o ex lá. E pensava: vou dar um jeito nisso. Ia para frente do espelho e dizia “ se enxerga, olha para você ! Bonita, bem nascida, com condição financeira . Quem é ele pra fazer isso com você , se enxerga! Tenha amor próprio e mude sua vida !” E graças a Deus Cony, consegui sair do relacionamento abusivo. Pedi o divórcio e bolei um plano com meus pais para despachar de mala e cuia o embuste . (Meus pais foram e sempre serão os anjos da minha vida) impressionante que mesmo quando a gente machuca e decepciona eles, no momento em que precisamos,eles estão ali, do nosso lado.

Resumindo a ópera: me separei! Em menos de 1 mês estava com minha certidão de divórcio averbada ! E foi a melhor decisão da minha vida . Nunca fui tão feliz depois que voltei a viver, a sorrir sem medo, a usar minhas roupas, a ter amigos, a ter meus pais sempre perto, a ser eu mesma novamente! Liberdade não tem preço, um coração leve e feliz é a melhor coisa da vida. Para quem leu meu depoimento eu tenho uma coisa a dizer : Faça o que tiver de fazer pela sua felicidade ! Seja egoista, pense primeiro em você e faça o que for necessário . Só se vive uma vez e a vida é muito curta para estarmos ao lado de quem não nos ama e não nos coloca para cima e cresce junto conosco. Depois que reconquistei meu amor próprio, minha vida e minha felicidade, conheci meu namorado atual e digo uma coisa: melhor coisa da vida é amar e ser amada . Ele me respeita, me ama do jeito que eu sou, tem uma família linda, excelente filho, profissional e ser humano. Estamos com planos de casar, ter filhos e já começamos a preparação . Eu achei que homens assim não existiam mais, mas depois que aprendi o meu valor, encontrei exatamente um amor do mesmo nível que o meu. E coloquei isso na minha meta de vida : nunca mais ficar ao lado de quem não me amasse como eu mereço. Uma dica meninas : se sua mãe não gostar do namorado (a) caia fora. Intuição de uma mãe nunca falha. A da minha então , senhor hahahahaha… Ah se eu tivesse escutado ela… Sim, ela ama o meu namorado e diz que com ele sim, ela quer me ver casada novamente .(detalhe: ela nunca falou isso do outro).

Cony, obrigada por tudo! Você tem muito nisso tudo! Parabéns pelo blog, por tudo. Você é sensacional e nem imagina como me ajudou. Voltei aqui como queria voltar : com um depoimento para você, te contar como consegui ser uma vencedora e sair de um relacionamento abusivo! E para as meninas, que assim que nem eu, precisam de palavras para seguir em frente. Eu só posso dizer uma coisa:Enfrente! Você é a única responsável pela sua felicidade! Só se vive uma vez! Esqueça o que passou, suas culpas e o que deveria ter feito. Coloque todas as suas energias em buscar se reencontrar e no seu amor próprio. Você quando for livre novamente, vai saber a sensação! Não vou te contar, tome a atitude e saia disso mulher! Você consegue , eu consegui! Cony, mais uma vez, OBRIGADA!

CHOREI LITROOOOOOOOOS! Ah mulher, que alegria, QUE ALEGRIA!!!!! Nossasenhora, é com esses relatos que sinto que minha missão na terra é ajudar a mulherada a se amar mais e se livrar dos embustes hahahaha. Fico tao, mas tao feliz que não sei nem expressar! E você falou uma coisa muito certa: a gente acha que não existe homem bom no mundo, mas quando a gente passa a se dar valor e saber o que quer pra vida e como MERECE ser amada, a gente não aceita mais qualquer coisa e consegue desviar do caminho os caras babacas. A gente atrai a energia que emite, e quando se esta feliz, leve, de bem consigo mesma, atraímos o amor que merecemos!! A mais pura verdade!!! Parabéns pela coragem, pela atitude e por entender o que sempre me questiono quando leio alguns choras: as mulheres conseguem por no papel tudo o que estao passando, descrevem todo o sofrimento, e ainda assim perguntam o que fazer. PALMAS PARA VOCÊ, que nem precisou enviar o Chora e sacou pelas próprias palavras o que tinha que fazer. EXEMPLO VIU??? Seja muito feliz, como merece e que nada, NUNCA MAIS, apague sua luz 🙂

  • Como podem perceber, estou em SP rsrsrs. Ah, e Choras suspensos… vocês encheram a caixa de mails de novo kkkk, ô mulherada boa pra chorar hein!! Mas Dica da Leitora, Comprei na China, Alternativa Fashion, tá tudo aberto, podem mandar mails para essas tags!
14
Mar 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

As choradeiras estão ficando tensas, até caso oculto tivemos semana passada por se tratar de um assunto polêmico. Como será hoje?

Chora 01 – Caramelito 

Adoro seu blog e sempre quis mandar meu caso pra cá, até que vc disse que tava aberto e criei coragem. E o seguinte minha mãe é uma pessoa maravilhosa, mas como todas as pessoas ela possui alguns defeitos que me incomodam e não sei como ajudar.

Ela tem muito problema com dinheiro e mentira, gasta mais do que tem e sempre menti a respeito de alguma situação e até por coisa bem bobas, desde que me entendo por gente uns dos problemas da nossa família é esse, inclusive a separação do casamento dos meus pais.

Ela faz empréstimos em nome de outras pessoas, sempre gastando mais do que pode. Ocorre que dessa vez ela fez isso e pegou uma quantia relativamente alta e umas das formas de pagar e vendendo um bem imóvel dela, mas como todos sabem o mercado não está fácil e não estamos conseguindo vender. Então meio que estou controlando as contas de casa e pagando parte delas, o que não acho que seja errado pois se moro e posso ajudar mais do que minha obrigação. Acabou que invertemos os papéis sabe? Sempre estou procurando alguma pista nas coisas dela pra ver se ela não está fazendo nada de errado, fico no trabalho ligando pra ela pra ver se descubro algo, enfim uma loucura.

Ocorre que esse problema me atormenta de tal forma que fico sem dormir e isso afeta meu humor em todos os sentidos da minha vida (trabalho, estudo,  namoro, tudo) e sempre discutimos por conta disso. Procurei uma ajuda psicológica pra ela, e ela desviou disso e a psicóloga sugeriu que eu fosse a psicóloga para saber como lidar com a situação, só que agora não posso pois como as contas estão justas a prioridade é acertar as contas de casa. Mas já estão nos planos assim que as coisas se acertarem.

Então fico nesse impasse e super ansiosa de mais problemas surgirem. E também em breve devo sair de casa, pois já namoro há algum tempo e vou me casar, fico com um sentimento que estou abandonando ela com os problemas, como se eu fosse tão egoísta a ponta de não ajudá-la. Mas também não posso viver apreensiva todo dia esperando qual será a próxima bomba.

Grande parte desses descontroles dela era arcado pelo meu avô que acaba “acobertando” essas atitudes que infelizmente faleceu esse ano. Agora não temos mais ele é não sei o que me espera pela frente. Será que sempre Vou sempre viver nessa angústia? Estou completamente perdida. E ainda como toda briga que envolve pessoas está ligada à dinheiro os irmãos da minha mãe ficam doidos com essas coisas e me fuzilam de todos os lados falando dela. E eu fico no meio de tudo isso tentando sobreviver e ter uma vida normal. Se alguém puder me dar uma luz, agradeço de coração.

Caramba… miga não entendo muito disso, mas não tem como você intervir a ponto de você controlar o dinheiro dela? Não sei se é muito forte, mas acho que tem como declarar ela incapaz (posso estar falando uma grande bobagem, mas já vi caso em que os filhos tomam conta do dinheiro e do patrimônio dos pais em casos de doença mental por exemplo). Acho que terapia não é o que vai solucionar o problema AGORA mesmo pela falta de condições financeiras e por sua mãe burlar o tratamento. Talvez seja o momento de algo mais duro com ela… Procure saber mais sobre essa possibilidade!

Chora 02 – Rosabaya

Oi Cony, tudo bem? Quero fazer um relato hoje, depois de ler tanto sobre relacionamentos abusivos por aqui e por estar exatamente nesse momento pesquisando sobre meu primeiro vibrador, aos 32 anos.

Estive num relacionamento amoroso por quase 9 anos (6 de namoro e 3 morando juntos), sendo que ele foi o meu segundo namorado e primeiro homem que transei. Eu sempre achava o sexo no geral entediante e ruim, mas sempre me culpava pois diversas vezes, mesmo falando isso pra ele, ele dizia que a culpa era minha, que eu tinha que me masturbar mais e etc etc. Já teve diversas vezes de eu transar sem vontade, dizer que não queria e acabar cedendo por medo dele “me largar” como ele sempre dizia que faria já que ele falava que parecia até que eu nem gostava e então ele teria que procurar fora. Fora outras vezes de eu estar dormindo e ser acordada com ele me penetrando e eu puta, brigava e acabava cedendo (até depois, mais emponderada, vi que era um estupro marital). Além disso, teve uma vez dele querer muito sexo anal e eu falar que não queria e nem sentia que era a hora de tentar. Ele insistiu, eu briguei, ele ficou tão puto e brigou comigo que virou pro lado e disse que não queria transar mais. Aí eu me sentindo culpada, afinal eu tinha que transar com ele (na minha cabeça) e engolia a raiva e insistia pra ele transar comigo, mesmo eu não querendo, mas por achar que eu tinha essa obrigação já que ele queria.

Me separei há 1 ano (por iniciativa dele e hoje dou graças à Deus!) e foi quando comecei a me relacionar com outras pessoas e descobri o sexo casual. Morria de medo dele. E na primeira vez transando com um recém conhecido que eu havia ficado umas duas vezes, quebrei meu bloqueio de que não podia “transar assim tão rápido” e foi a primeira vez que gozei. Com alguém que eu conhecia há pouquíssimo tempo, sem nenhum grande esforço. E ali eu fiquei tão feliz pq percebi que eu não era frígida que mandei um áudio pra minha melhor amiga pra contar. Sim, eu achava que tinha alguma problema pq não era possível transar 8 anos com alguém e nunca ter gozado e nem ter curtido o sexo como via muita gente curtindo.

E meu relato do relacionamento abusivo só está no âmbito sexual. Ainda existiam as situações de agressões verbais quando ele estava nervoso por qualquer coisa e descontava em mim, quando ele me diminuía sempre, quando eu sempre “pisava em ovos” com medo dele “explodir”. Tantas coisas e eu no fundo sabia que era abusivo mas nunca tive coragem de terminar. Por isso agradeço à Deus e à ele por ter se separado de mim, pois eu voltei a ser quem eu era: uma pessoa alegre! Tenho meus percalços, ainda estou na vida de solteira aprendendo a paquerar, saber como lidar com tudo isso e quem sabe encontrar alguém pra dividir a vida comigo mas de maneira leve e contributiva. Tive ajuda dos meus amigos íntimos, da minha família e da minha psicóloga. Sem eles eu estaria no fundo do poço! Mas estou aqui: feliz com o que aprendi ao longo desse um pouco mais de 1 ano solteira, com a pessoa que me tornei e com o que percebi que quero pra mim em termos de relacionamentos.

O meu intuito é mostrar que a gente acaba se acostumando com relacionamentos abusivos, ruins e unilaterais, sexo ruim e sem prazer e acha que tem que ser assim. Que merece isso. Que nunca vai conseguir nada melhor. Ou que vai ficar sozinha pois “ah mas tem o lado bom”. Não tem! O lado bom não compensa minimamente nada disso.

Hoje aprendi que gosto muito de sexo, estou com vontade de sempre me conhecer mais sexualmente, que há diferença de química, de homem pra homem e que quando você aprende tudo isso, percebe que você pode também ter prazer no sexo, ah! isso é libertador!

Beijo grande e obrigada pelo espaço e por sempre compartilhar tantas histórias inspiradoras <3

Tive vontade de vomitar quando você contou do estupro!! MEU DEUS COMO PODE ISSO??? Que maldito!!!!!! Sinto muito pelo que aconteceu com você e agradeço enormemente seu depoimento pois ele pode ajudar milhares de mulheres que estão passando pela mesma situação e não tem coragem de sair fora ou que ainda arrumam desculpas para não separar. MULHERES, SER COAGIDA NAO É NORMAL. FAZER POR OBRIGAÇÃO NAO É NORMAL. SER AMEAÇADA NAO É NORMAL. VOCES NÃO TEM CULPA DE NADA! TER MEDO DO SEU PARCEIRO NAO É NORMAL!!!! E cá entre nós, estou achando LINDO esse monte de gente se abrindo e contando seus casos de relacionamento abusivo. Isso é mais comum do que se imagina e jamais pode ser considerado algo normal. As coisas estão mudando!

 

Quando o marido de Sunetra forçou ela a fazer sexo, algumas pessoas falaram que não tinha nada de errado nisso e que era o dever dela, como esposa, servir ele bem. Sunetra, seu marido não é seu dono e casamento não dá o direito de ele de violar sua dignidade. Sexo forçado é estupro, e é SEMPRE ERRADO.

Chora 03 – Livanto

Olá Cony! Eu te acompanho há muito tempo e agora preciso de conselho, estou muito infeliz com minha vida, com os rumos que ela tomou e não sei por onde começar a mudar.

Fui mãe muito jovem e precisei abandonar minha carreira porque tenho uma filha deficiente. Eu a amo, é a minha maior benção, fiz e faço tudo que posso por ela. Reconheço que foi uma escolha deixar tudo pra acompanhar seus cuidados de perto, muitas optam por não ter filhos ou tê-los muito mais velhas. Porém, hoje eu me sinto presa a essa decisão porque a maternidade não me satisfaz, me sinto inútil, sem talento e muito deprimida.
 
Fiquei tanto tempo fora do mercado que não consigo voltar. Tem sido longos anos de portas fechadas, seja pelo tempo que fiquei sem atuar, seja por ter filho, ainda que hoje eu consiga auxilio para cuidá-la quando eu estiver fora. Aliado a isso, aceitei muita coisa da família do meu marido, eles me humilhavam demais e sempre deixaram claro que preferem a ex mulher. Com medo de não conseguir me manter sozinha sem trabalho e com filhos, sendo uma com despesas extremamente altas todo mês, fui aceitando jantares, passeios e até viagens junto com ela com a desculpa que era pra manter o filho deles próximo. Anos sorrindo na frente das pessoas e aguentando ela em todas as festas familiares, à ultima na semana passada. Até hoje, 15 anos depois, ele ainda não se divorciou da ex mulher alegando que não quer dividir os bens e eu me sinto uma pessoa horrível por ter aceitado. Meus pais não se conformam que eu viva com alguém por tantos anos no papel de concubinato (amante judicialmente falando), dizem que não vão se meter nas minhas decisões mas morrem de tristeza.
 
Todos os dias penso em ir embora, deixar tudo e tentar uma bolsa de doutorado no exterior ou simplesmente trocar de profissão e recomeçar. Meu marido é o amor da minha vida mas estou infeliz, estagnada profissionalmente e cansada da vida doméstica. Sempre fui fiel e dedicada ao casamento porque acredito no ideal do matrimônio, na decisão de ficar com alguém na monogamia. Porém, conheci alguém por acaso e te juro que tenho controlado a tentação de ser infiél até em pensamentos.
 
Sinto que me falta paixão, não quero depender de homem a minha vida inteira, preciso olhar pra trás e ver que construí alguma coisa com meu próprio esforço, que fiz algo por mim também e isso parece algo muito distante. Me faltam forças pra nadar de volta antes de me afogar em depressão.
Por favor, me ajude, não sei o que fazer.

Senti um nó na garganta ao ler seu relato… quanta tristeza e dá para sentir de longe sua angústia!!!! Primeiro: você diz que ele é o amor da sua vida, mas será que você é o amor da vida dele??? Um homem que permite que a ex se relacione tão estreitamente com vocês??? Se ele realmente te amasse, te respeitaria e colocaria limites para a ex! Pensa nisso! Um relacionamento feliz, um amor verdadeiro, é bom quando é RECÍPROCO! Você é guerreira! Tá ao lado dele, está completamente dedicada a vida de esposa e mãe de uma criança deficiente o que não deve ser nada fácil! Onde está você nesse meio todo??? VOCÊ, SUA PESSOA, O SEU AMOR PROPRIO, onde está??? Está perdida no meio de uma família (dele) que te diminui, te ignora, te despreza, um marido que não te respeita, que te expõe, que não te protege??? Está em cuidar da casa de VOCÊS, dos filhos de VOCÊS??? Onde VOCÊ esta??? Novamente, casamento é acordo de reciprocidade. Juntos na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza. Está sendo assim???? Pense muito, não se anule mais. Você diz não querer depender de homem a vida inteira e eu te digo, VOCE NÃO DEVERIA TER DEPENDIDO DELE NUNCA! Mas dá tempo de reverter isso, e só depende de você. Se imponha, coloque seus limites na relação, seja forte, seja você a dar as regras do jogo que ele topou jogar com você! Se ele quiser continuar e respeitar você, ótimo. Caso contrário, levanta a cabeça e vá reconstruir sua vida (aliás, faça essa reconstrução pessoal JÁ, com ele ou sem ele)

 

  • Choras abertos. Mandem suas angustias, dúvidas, problemas para constanza@futilish.com e no assunto coloque: CHORA QUE EU TE ESCUTO. A gente pode não resolver, mas garanto os melhores conselhos da internet (e não falo dos meus, mas sim das leitoras mais solidarias, sensatas, maduras e inteligentes da blogsfera)
09
Mar 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Feliz Dia da Mulher migas!!! Um tico atrasada mas… todo dia é nosso dia! Hoje o CQETE está um pouco tenso, principalmente pelo último caso e peço a ajuda de vocês. Por favor sejam solidárias e sem julgamentos, confio em vocês hein!

ERRATA – Desisti de publicar o último caso, e troquei o Chora. Quem quiser saber o motivo, pode ver nos Stories do Instagram.

Chora 01 – Dercy

Oi Cony, meu Chora foge um pouco do que tenho lido aqui na coluna.

Sempre fui uma criança com poucos amigos, brigona (metia a porrada e tudo), melhorei um pouco nesse sentido mas na essência sou a mesma, puro estresse.

Tenho 20 anos e NÃO tenho amigos, me afastei de todos durante a adolescência, os achava muito “pra frente”, as meninas só falando em sexo, só saindo pra balada e eu achava tudo um saco. Depois dessas amigas de infância que não fazem mais parte da minha vida, fiz diversos colegas, pessoas com quem conversava, ria, desabafava, mas que acabava perdendo contato em algum momento (pois saíram da turma, do colégio, nos formamos etc). Hoje tenho esse mesmo tipo de coleguismo na faculdade, os adoro mas não é como se eu contasse com eles pra nada. Sinto falta disso e não sei o que fazer, não consigo me conectar ou me aproximar de ninguém, tô sempre brigando com as pessoas (brigas que duram poucos minutos) e eventualmente fico com ranço. SIM, sei que o problema SOU EU, só não sei o que fazer.

Outra problema, que talvez seja até mais preocupante, NUNCA me relacionei com ninguém. Nunca consegui beijar ninguém, o máximo foi um selinho aos 12 anos. Nessa idade sofri muita pressão daquelas amigas que só falavam em sexo e acabei me fechando ainda mais, tanto pra elas quanto pros garotos. Tenho dificuldade em ficar com o rosto perto do de alguém, só de um boy chegar pra falar perto já fico nervosa. Não sou lésbica, sinto atração por desconhecidos na rua haha

Faz uns 5 anos que não me apaixono por ninguém, ZERO interesse, não acho nenhum boy que conheço atraente e não vou a lugares em que estejam (festas, bares) pois não curto o ambiente de tumulto e azaração (já tentei ir nas festas da facu mas é um porre. Então… só fico a fim de boys desconhecidos que passam no meu lado e esse lado da minha vida morre aí.

Fico o dia todo (estou de férias) em frente ao PC assistindo mil séries E AMO!!!! Não tenho a menor vontade de sair, já pensei que pudesse ser depressão, mas poxa, sinto tanto prazer em ficar no quarto vendo minhas sériesinhas que não sei se descarto essa opção kkk As séries acabam suprindo minhas necessidades sociais e românticas.

BUT, ao mesmo tempo fico preocupada com essas minhas características, enquanto vivo assim me sinto bem, porém se paro pra pensar no que estou vivendo me pergunto se pra sempre vou permanecer nesse estado imutável, pois fora ter entrado na faculdade, parece que estou no mesmo lugar que estava aos 15 anos de idade. Não evolui? Não cresci? Tem algo de errado comigo?

Uia tenso, mas parabéns pelo portugues, tudo muito bem escrito e explicado rsrsrsrs Além disso, parabéns pela consciência e conseguir enxergar que realmente tem alguma coisa errada com você! Na verdade nem sei falar se é errado, mas é algo diferente. Já pensou que você pode ser uma nerd? Olha o que a Wikipedia diz:

Nerd é um conceito sociológico moderno que por vezes é descrito como uma tribo urbana, muito embora possua características gerais mais imprecisas do que a maioria delas, e embora também não preceda à autoidentificação. Em termos gerais, o nerd é uma pessoa vista como excessivamente intelectual, obsessiva por assuntos que a maioria das pessoas não se interessa, e com falta de habilidades sociais fora do meio nerd. Tal pessoa pode gastar quantidades excessivas de tempo em atividades impopulares, pouco conhecidas ou não, que geralmente são altamente técnicas, abstratas ou relacionadas a tópicos de ficção ou fantasia, com exclusão de atividades mais comuns. Além disso, muitos chamados nerds são descritos como sendo tímidos, excêntricos, pedantes. Atualmente o termo nerd vem sendo usado por determinados grupos relacionados a interesses específicos como forma de se identificarem.

Como você diz, é uma viciada em séries em trocou sua vida “normal” por isso! Deixa eu te contar um caso? Conheço uma moça que era VICIADA em Lost, aquela série. mas viciada MESMO. Ela participava de grupos na internet para discutir a série e um belo dia ela encontrou um cara que era igual ela, participava também desses grupos e tinham os mesmos gostos. Preciso contar o final da historia? Eles se casaram e são felizes até hoje. Fora isso, acho que uma terapia iria bem, mas pense que talvez você só esteja frequentando a turma errada.

Chora 02 – Aracy

Olá Cony! Estou em um relacionamento há 2 anos, uma pessoa trabalhadora, educada, minha família o adora e eu o amo. Nos damos muito bem e somos felizes.  Mas… Ele mora em uma cidade bem pequena do interior e eu moro em uma cidade ao lado, só que muito maior. Por ele morar em uma cidade pequena ele tem ‘manias de gente que mora em cidade pequena’. Não tem o que fazer a noite? Eles vão pra praça, ficam sentados em algum barzinho (daqueles bem butequinho mesmo), os amigos se reúnem na calçada para conversar e etc… Isso me incomoda e muito! Todos os dias, seg-sexta ele tem a mesma rotina: chega do trabalho, toma banho, come alguma coisa, vai pro Bar, depois na casa de algum amigo e volta pra casa todos os dias depois das 23. Ele fica o tempo todo comigo no whatsapp mas mesmo assim me sinto no direito de ficar brava, nervosa e por vezes faço a doida. Conversamos inumeras vezes e expliquei que o problema não é ele sair em si, o problema é ele sair todos os dias e ainda voltar tarde. E o que ele diz? Que cidade pequena é assim, que eu quero prende-lo dentro de casa, que não tem motivo pro meu show porque ele não esta fazendo nada de mais e que a vida dele sempre foi essa e que eu tenho que entender que somos diferentes e moramos em lugares com ‘manias’ diferentes. Expliquei que ele pode sair, mas não todos os dias e ele não aceita! Ele disse que vai sair sim e não vai ficar preso dentro de casa. Eu chego do trabalho e quero minha casa, minha cama. Mas já que falar com ele não adiantou, resolvi agir. Todos os dias invento alguma coisa: digo pra ele que fui fazer caminhada, que vou ao shopping passear e vivo na casa de qualquer amiga, TUDO IMAGINÁRIO pois na verdade estou em casa vendo netflix.  A que ponto meu relacionamento chegou! Tenho que inventar coisas pro namorado entender que sair todos os dias não é legal! Ele está odiando a ideia e eu estou adorando que ele odeie rsrs… Estou muito errada?

Amiga, muda pra cidade dele então ou vai visitar ele duas vezes por semana pra ver se esta tudo ok! Tá errada tamanha desconfiança, tá errado inventar histórias para “dar o troco”, tá errado estar com uma pessoa que você não gosta da forma como ela vive! Você diz que é um cara trabalhador, educado, sua família ama ele, se dão bem, são felizes… Agora o cara gostar de ir pra PRACINHA todo dia depois do trabalho é errado só porque você não faz o mesmo na sua cidade?? Ou seja, se você fizesse o mesmo estaria tudo ok? Quem tem que entender que sair todos os dias não é legal é ele, se ele for mudar isso, será por ele. Ninguém muda por ninguém, e se mudar, a essência continua lá e um dia virá a tona. Deixa ele ser do jeito que ele é, e você se pergunte se vai aceitar ou não. Mudar os outros a força é ativar uma bomba relógio e pode por a perder muita coisa boa. E quanto mais você falar para ele não sair, MAIS ele vai querer sair. Pense se o que te incomoda são as saídas, até então, inofensivas dele ou se realmente você desconfia de algo mais e aí sim ter motivos reais pro seu show.

Chora 03 – Elke

Oi Cony, boa tarde td bem?

Serei mais uma a dizer que amo seu blog, você já me ajudou muito. Quando tive depressão pós-parto em 2013  li seu blog inteiro todas as matérias. Eu sempre escrevo meu choras e deleto.

Bom hoje decide ir até o final. Meu choras é de relacionamento. Fui casada há 10 anos não tive filhos, engravidei mas tive um aborto espontâneo. No final está relação foi bem tumultuada traição da parte do meu ex, roubo e o pior ao perder o meu bebe ouvi a seguinte frase: Enquanto você chorava no hospital, eu comemorava pq não queria você como mãe do meu filho. Nem precisa dizer que desci 1000 degrau entrei em depressão, emagreci horrores, descobri que tinha um problema de saúde e minha change de engravidar era 25%.  Sempre quis ter uma família, sempre quis ter filhos e isso doía muitooo.

Fui até o fundo do poço. Com apoio da minha família e amigos me reergui.  Depois de um tempo conheci alguns rapazes legais e outros não tão legais. Quando estava no MBA conheci um cara, ele parecia ser ótimo. Tranquilo, engraçado, perto dele a vida parecia leve.  Um belo dia transamos sem camisinha e engravidei. Só fui descobri com 8 semanas pq para mim estava apenas atrasada com os n’s exames, remédios que estava tomando.  Uma médica disse que não conseguiria segurar, mas um médico disse que o jogo só termina quando o juiz apita e naquele momento ele não tinha apitado.

Lutei, lutei muito aqui fora para ter meu filho e meu filho lutou muito na minha barriga para continuar lá juntos vencemos a batalha. Neste meio tempo fui morar com o pai do meu filho estava gravida. Com pouco tempo descobri a outra face dele: imaturo pediu demissão quando eu estava com 5 meses de gravidez e o cara engraçado se tornou uma cara estupido e arrogante.

Quando meu filho nasceu tive depressão pós-parto e ele tratava como frescura, começou a me agredir verbalmente. Me sentia um lixo de pessoa.  Com o passar do tempo se tornou agressivo. Uma vez quebrou o vidro da janela do meu apartamento (onde moramos) porque não queria que eu fosse comprar um inalador na farmácia para o meu filho que estava resfriado. Fiz BO, mas não fui adiante. Lembro que o policial me disse assim: Você escolheu ele para ter um filho não foi, então agora quer que a polícia resolva seu problema. Me senti sozinha e acuada.

Bem, o tempo passou novas cenas vieram e apreendi a lidar com estas situações. Ele não quebrou mais nada, mas as agressões verbais continuaram. Quando meu filho fez 1ano e 4 meses pedi para ele ir embora não aguentava mais. Só que fiquei com dó ele chorava no hall do elevador e meu filho na sala quando o pai ia embora. Pensei: Que mãe que eu sou.

Deixei ele voltar com a condição de fazer terapia. Ele arrumou um emprego fora de São Paulo e nunca fez. Neste meio tempo fiz ele fazer faculdade, que ele dizia ter, mas não tinha. Ele se desenvolveu muito profissionalmente hoje ganha muito bem.

Tivemos momentos felizes, mas o jeito que ele me trata e trata as pessoas que ele não gosta ou as pessoas que amo que não conheci direito (exemplo um garçom) não me agrada. Meus pais não gostam de irem na minha casa quando ele está lá. Infelizmente ele não trata meus pais com carinho. Meus pais são bem humildes e ele não gosta disso, gosta de status.

A gota d’agua que me fez escrever foi recente na festa do meu filho. Ele é um cara que sempre fala que meus planos não darão certo, não me incentiva e diz que sou feia. Eu me acho uma mulher bonita e interessante. Sou bem sucedida no meu trabalho e só não estou melhor financeiramente dividimos as contas comum do meu filho e de casa (alimentação, luz e etc) 50% para cada um sendo que ele ganha o dobro que eu ganho. Além disso ele mora na minha casa, mas eu pago o apartamento sozinha. Digo isso pq ele quis comprar um carro junto e vive jogando na minha cara que não tenho dinheiro para comprar. Eu pago a parcela do carro tb.

Bem, no aniversário do meu filho ele disse que eu estava feia (vou te mandar a foto para ouvir sua opinião), além disso nem se deu o trabalho de virar e comprimentar meus pais. Comprimento de lado, achei aquilo desrepeitoso pq eu trato a família dele com respeito. Eu achei que eu estava parecendo uma princesa e que meu pais e irmãos mereciam mais respeito. Eu morro de dó dos meus pais sabe. Quando ele me disse aquilo e eu vi meus pais tristes me senti muito mal pelos meus pais e por mim tb estar com alguém assim. Além disso ele quer criar nosso filho como que homem não chora, meu filho tem 5 anos e tem medo de dar qualquer opinião, por mais simples que apareça. Exemplo está frio. Ele não diz que está frio, ele simplesmente passa frio.

Ai quando cheguei em casa comecei a pensar se vale a pena continuar com alguém que não me admira?  Vale a pena ficar com alguém que não tem os mesmo valores? Vale a pena ficar com alguém que não cria o filho para ele poder escolher e disser o que pensa de foram a ser um ser humano bom? Vale a pena ficar com alguém que não trata meus pais bem? Só que quando penso no meu filho de não ter um pai por perto desisto? Devo tentar mais? Já se passaram 5 anos.

Não amiga, nao tente mais! Não perca mais tempo! Relacionamento totalmente abusivo! Ele já se mostrou violento, grosso, não é um bom exemplo para o seu filho, trata mal seus pais! Semana passada postei sobre o ciclo do relacionamento abusivo, e cabe hoje o mesmo recado. Um cara que te põe pra baixo, te critica, não te incentiva e te faz sentir uma inutil, NÃO É UM CARA BOM! Relacionamento NÃO É ASSIM, ISSO NÃO É NORMAL! Força! Não espere mais, não espere outro arranque de raiva dele, não permita mais ser humilhada, não permita que seu filho cresça com medos, com insegurança, NÃO PERMITA QUE ELE SEJA O MODELO DE HOMEM PARA SEU FILHO! Por favor, pense em você e no seu filho, vocês não merecem isso.

  • Tô triste. Pela primeira vez em 9 anos de blog me senti censurada e impossibilitada de ajudar uma pessoa. Minto, já teve um caso antes, mas o que eu iria publicar hoje me tocou muito mais. Um problema mais comum do que imaginamos, pesado, com alta carga emocional, psicológica, com muito julgamento da sociedade e que NÓS MULHERES temos que lidar, muitas vezes sozinhas, caladas, assustadas, sem apoio e na clandestinidade. Estou realmente triste e me sinto amarrada, pensarei em como ajudar de uma maneira que não me comprometa e nem comprometa a quem esta passando por isso. Obrigada a todas que me mandaram Direct no Instagram, vocês realmente são demais e me senti confortada. Me comprometo repassar esse conforto e esse abraço “virtual” a quem precisa. 
Página 2 de 3512345Última »