24
Jan 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Quarta, choremos.

Chora 01 – Floresta

Tentarei ser sucinta, apesar de achar impossível!
Ha mais de 10 anos conheci um cara no carnaval de SSA, ficamos todos os dias e trocamos telefones pois, ele morava em SP e eu em uma cidade q fica a 1h de SP. Nos encontramos mtas vezes, tivemos idas e vindas mas nunca firmamos um relacionamento sério e sólido por mtos motivos, principalmente imaturidade de ambos.
Esse cara é o grande amor da minha vida, namorei outras pessoas, continuei vivendo, mas nunca consegui amar alguém como o amo.
Existiram mtos desencontros na nossa vida, até q perdemos todo o contato. Como foram mtos anos nessas tentativas nossas turmas se tornaram amigas, o q permitiu q vez ou outra eu soubesse de algo da vida dele pelo face de amigos e, em 2015 vi sem querer q ele estava se casando. Sinceramente não fiquei feliz mas, tb não me abati pois estava namorando outra pessoa e já tinha desistido de viver esse amor.
Em outubro de 2016 ele pediu pra me seguir no Instagram, aceitei e comecei a segui-lo e não tinha nenhum indício de q ainda estava casado.
Numa festa de pre carnaval no início desse ano por acaso nos encontramos, ele grudou em mim e, eu q achava q tinha superado esse amor fiquei trebada (nem bebi tanto, mas a mistura da bebida com a emoção de reencontra-lo solteiro me deixou mto bêbada), ficamos juntos nesse dia e começamos a nos encontrar novamente. Ele me contou tudo q tinha acontecido com ele, ele q sempre foi rico tomou um golpe do sócio, perdeu tudo e a esposa largou dele. Passou por uma fase de depressão profunda e, agora tava se recuperando. Nesse momento ele tinha mtas dívidas e precisava vender um imóvel para quitar a maior parte delas. Começamos um namoro q não vingou pois ele sumiu, sem me dar grandes satisfações. Passados 3 meses ele começou a me procurar novamente, pois tinha vendido o imóvel, quitado a maior parte das dívidas e disse q agora estava em condições de ficar cmg já q a pior parte tinha passado. Eu o aceitei de volta e depois de um mês engravidei sem querer. Fiquei desesperada e ele q ainda estava um pouco depressivo ficou eufórico! Nosso relacionamento mudou pra mto melhor, ele tinha mais vontade de trabalhar e fez mil planos para nós e nosso bebê, nunca fui tão feliz! Exatamente qdo entrava no terceiro mês perdi o bebê, além da tristeza da perda tb veio o medo dele me largar, de estar cmg só pelo filho, isso não aconteceu, continuamos juntos mas a depressão dele se agravou.
O sexo diminuiu, até q no final do mês passado ele terminou cmg por msg dizendo q a amargura tinha voltado ao coração dele com a perda do bebê, q a vida só reservava coisas ruins pra ele e q não tinha nada de bom para me oferecer, meu mundo caiu, pedi pra conversarmos pessoalmente e nessa conversa reatamos. Descobri q ele teve um grande prejuízo na empresa no mês passado e entendi q isso estava ligado ao nosso termino. Ficamos bem na primeira semana, mas no fds passado não transamos, durante a semana ele quase não conversou e ontem terminou cmg novamente por msg pois, diz q não consegue se me vê pessoalmente. Eu q tinha tido uma semana ruim por outros motivos, surtei, dirigi por 1 h até a casa dele à meia noite, qdo cheguei peguei todas as minhas coisas q estavam lá, mas como no fundo não era isso q eu queria, pedi pra conversarmos e disse q não queria terminar pq gosto mto dele, mas ele dessa vez não reatou. Acabei dormindo lá pois era madrugada, mas não rolou nada, nem beijo e hj cedo eu voltei pra casa antes dele acordar.
Qdo ele me procurou pra namorar depois de vender o imóvel, me explicou toda a sua vida financeira e, disse q em 1 ano quitaria tudo e me mostrou o faturamento crescente da empresa, ele sabe q não tenho nenhum interesse financeiro, q gosto dele de verdade, mas para seguirmos em frente precisamos de dinheiro e, ele gosta de me prover as coisas. Esse prejuízo do mês passado alterou todo o planejamento financeiro dele, não tem condições de honrar algumas dívidas, e acredito q isso influencie diretamente no nosso relacionamento. Eu acho q ele gosta de mim, mas como sabe q eu sempre o aceito de volta, termina pq acha q mais pra frente consegue reatar se quiser.
Eu estou com vontade de morrer, pode parecer exagero, mas estar com ele era a realização de um sonho, apesar das dificuldades e do sexo escasso eu estava feliz, acreditando q era uma fase ruim q superaríamos. Sou bastante carente pois perdi minha mãe, meu pai é mto ocupado e minhas amigas se casaram todas, então sou solitária e essa época de final de ano é mto difícil pra mim, e esse termino acabou cmg.

Nao sei o q fazer, não quero desistir depois de tudo q passamos, mas às vezes me pergunto se não estou insistindo num amor impossível, preciso de ajuda!

 

Que novela hein? Eu acho que essa historia não acabou ainda, e digo mais, INFELIZMENTE. Que lenga lenga… parece que para vocês ficarem juntos, o céu deve ficar rosa com bolinha verde, elefante começar a voar e a Renner vender Chanel. Ele espera que várias outras coisas se resolvam para firmar esse namoro e acredito que não é por aí. Quem quer realmente ficar junto, enfrenta tudo JUNTOS, e não fica nessa de “ah tô sem dinheiro agora”, “ah tô desmotivado”, “ah, tenho que vender um imóvel”, “ah, você perdeu o neném que era minha esperança de alegria”. Não. Tá confuso, tá muito enrolado e isso só vai tomar seu tempo e não deixar sua vida fluir. Por mais que doa, desencana dele. Já são mais de 10 anos e várias idas e vindas. Chega né? A vida tem que andar pra frente, a energia tem que circular. E aprenda a ser feliz sozinha e não depositar sua carência nos outros ou se comparar com quem já casou. Cada pessoa tem seu tempo e seu destino!

 


Chora 02 – Prado 

Cony, lá vai um chora um pouco diferente, que nada tem a ver com a situação sentimental, mas sim familiar.

Sou filha de pais separados, sendo que eles se separaram quando eu era bem pequena e quando eu tinha 06 anos, minha mãe foi morar em outra cidade bem distante da que meu pai morava.

Na época, se dizia que eu iria morar um ano com meu pai, mas isso não aconteceu. Sendo assim, passei a conviver com ele somente nas férias de janeiro e dezembro e julho, sendo que depois de um tempo ele disse que não tinha mais grana e passei a encontrar com ele apenas no final do ano.

Fato é que meu pai nunca contribuiu muito financeiramente com minha vida, alegando estar sem dinheiro e a minha mãe, apesar de um pouco chateada nunca o acionou na justiça e nada do gênero e ia me sustentando sozinha, com ajuda do meu padrasto.

Nesse meio tempo, meu pai constituiu uma nova família, e tive dois irmãos com bastante tempo de diferença pra mim e eu continuei encontrando nas férias sempre que possível.

A minha mãe dava o jeito de me sustentar, então estudei em bons colégios, inglês e esporte, de forma que pude fazer uma ótima faculdade.

Hoje já tenho mais de 30 anos, moro um uma terceira cidade e sou bem sucedida. Sou casada e tenho um marido que também ganha bem, além de um filho pequeno. Só acho que trabalho muito, rs.

O meu problema maior é que não consigo gostar da família do meu pai como gosto da família da minha mãe, o que se agrava quando há uma comparação pois tenho irmãos dos dois lados da mesma idade, então sempre rola uma comparação.

Além disso, quando a família do meu pai vem pra minha casa, é tipo visita, sabe? E eu acho que meio que eles se aproveitam porque tenha uma situação bem de vida para não ajudar em nada quando vem pra cá. Da última vez quase surtei.

Enquanto isso, na família da minha mãe não rola esse problema, porque há a intimidade necessária para falar a  verdade sem restar qualquer ressentimento.

E aí? Alguém já passou pela situação de gostar mais de uma família do que da outra? Como dar o toque para a família do meu pai ajudar nas tarefas domésticas sem ressentimentos?

Normal! Aliás BEM normal! Eu mesma tenho zero contato com a família do meu pai (e olha que meus pais são casados) e super contato com a família da minha mãe. Acho que é questão de afinidade mesmo. Você não tem que conviver com a família do seu pai, então se a visita é vez ou outra, seja educada, gentil… e só. Parente a gente não escolhe, aceita!

Chora 03 – Savassi

Oi Cony! Eu gosto demais de você!

Eis meu chora. Ele não é leve como o de alguém que levou um fora, ou não se decide se casa ou compra uma bicicleta. Meu chora é dolorido demais. É depressão. Desde muito nova, eu oscilo muito. Tenho todos os sintomas: Me sinto fracassada, sozinha, sem energia, e pensando no sentido da vida. Os momentos de euforia sempre foram com excessos. Excesso de bebida, de sexo, de compras ou de comida. E nesses excessos, as pessoas sempre me veem como uma pessoa super alto astral… Mal sabem que quando a ressaca vem, a “bad” que bate, é praticamente insuportável. Esses sintomas vinham com menos força na adolescência. Agora, já adulta, (tenho 31 anos), sinto que estou no meu limite. Não consigo mais controlar minha cabeça. Fiz terapia duas vezes, consigo entender quais são os gatilhos das minhas crises. Mas depressão é mais barra pesada. Às vezes, simplesmente não tem motivo. São os tais desequilíbrios químicos que ocorrem no cérebro. Minha avó materna também teve. Ela se matou aos 24 anos. Não cheguei a conhecê-la. Até hoje não consegui me adaptar a nenhuma medicação. Esses dias a barra tá tão pesada, que não quero ficar sozinha pois sei o espiral de dor que a cabeça entra. Eu fico irracional, pensando coisas horríveis a meu respeito, a respeito das pessoas que me cercam, e a respeito da vida. O que me sustenta, é a minha crença no espiritismo. Creio que se eu quiser acabar com meu sofrimento de vida na terra, o sofrimento será maior em outro plano.

Eu tenho um relacionamento de 9 anos com uma pessoa ótima. Mas ele não acredita em depressão. Principalmente na minha, pois eu não fico chorando por aí. Aparentemente, eu só fico mais caladinha. E relacionamentos longos, principalmente quando se mora junto, é cheio de silêncios, né! Minha mãe, minimiza o problema. Das vezes em que tentei falar com ela sobre o assunto, ela diz que isso é normal, que todo mundo se sente assim de vez em quando. Tenho muitos conhecidos. Alguns amigos. Mas eu sinto que eles não me conhecem de verdade. Eu não consigo me abrir, pois sempre fico com medo das pessoas pensarem que é frescura, e que eu estou me vitimizando.

Meu relacionamento já acabou, não por sacanagem, mas porque esfriou, pelo menos da minha parte. Tenho pavor só de ele encostar em mim, e assim se vão dois anos praticamente sem sexo. Eu já tentei terminar. Ele chora, e diz que nunca mais vai deixar eu me sentir sozinha, que vai me reconquistar, mas dois dias depois, já tinha voltado ao seu normal – frio, egoísta e folgado (frio com carinho, egoísta com dinheiro, pois ganha 5 vezes mais que eu e ainda me faz rachar as contas. Ele junta dinheiro, e eu vivo quebrada. E folgado, pois eu acordo as 4:30 da manhã para trabalhar todos os dias, e o trabalho da casa ainda sobra todo pra mim.) Mesmo desse jeito, ele se desespera quando eu digo que acabou.

Meu trabalho é outro caso: Sempre começo bem, sou a aposta da empresa, mas desanimo. Cometo erros bobos, me anulo até ficar bem pequenininha e insignificante. Aí eu arrumo outro, ou sou demitida antes de isso acontecer.

O fato, é que eu sinto como se tivesse sendo enforcada, amarrada, amordaçada e com muita dor. Nem me importo por essas coisas que não dão certo, ou não vão pra frente. Eu realmente não tenho mais ânimo, não quero mais. Cansei. Estou exausta.

Não sei devo perguntar o que fazer. Eu só queria mesmo desabafar. Desculpe o texto longo, mas achei que sobre meu anonimato, eu possa ouvir alguma palavra diferente de tudo que já ouvi, e não me ajudou.

Sinto TANTO, mas TANTO por você que tudo o que eu queria agora era te dar um abraço bem apertado. Te dar apoio, poder dizer que vai passar, mas sabemos que não é simples assim. Eu mesma, durante um bom tempo, achava que depressão era coisa de gente fraca, que tava tudo na cabeça e que era só a pessoa mudar o pensamento que acabaria com a depressão. Depois de anos de blog, de muitos Choras, de conviver com gente que tem tudo na vida mas ainda assim é triste, aprendi realmente que se trata de uma doença. E grave. Tem que tomar remédio sim, tem que “ajeitar” a cabeça, os tais desequilíbrios químicos, e sozinha ninguém consegue sair de uma depressão. Acredito que muitas pessoas são como eu era, de não acreditar muito na gravidade disso e achar que é passageiro. Não é, e como seria bom se todos soubessem dos cuidados que uma pessoa depressiva precisa. Tudo o que eu falar aqui não vai te ajudar… nem sei o que te falar. Nunca tive depressão e sou bem leiga quando a medicação, só sei que ela existe e que deve ser tomada. Espero que leitoras que tenham passado (ou que passam) pelo que você está passando, se manifestem aqui e tentem te direcionar de alguma forma. Força!

Não é frescura!

  • Choras ainda suspensos. Fiquei preocupada com a Savassi… quem puder e souber mais sobre depressão, por favor, se manifeste.
17
Jan 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

E aê migas, tudo bem por aí? Aqui derretendo de calor! Mas vamos lá, choremos:

Chora 01 – Tribeca

Oi Cony! Gosto muito da dinâmica do seu blog, sempre acompanho e te agradeço por esse espaço que cede às suas leitoras! Parabéns.

Leio os choras e me identifico com muitos deles, já me ajudaram muito. Hoje decidi enviar o meu.

Tenho 33 anos, sou formada há 8, desde então trabalho na área, mas nunca me senti realizada, trabalho por “obrigação”. Faço cursos pra dar um “up” e pra agregar ao trabalho e currículo, mas faço por fazer. Isso me incomoda, penso em mudar de área (acho que nunca é tarde pra isso), mas penso também na atual situação do país e principalmente na opinião dos meus pais, que não aceitam isso de maneira nenhuma… Falam que eu tenho que me adaptar à essa escolha e que estaria menosprezando o que eles me ajudaram a pagar. Então tô levando.

Meus pais não se dão muito bem desde que me entendo por gente, qualquer coisa em casa é motivo de discussão pesada. Eu não posso conversar abertamente com eles sobre as coisas que me angustiam, nem sobre as minhas poucas alegrias, sobre o dia a dia, tudo que é dito é motivo de discussão, comecei a me sentir um peso lá. Apesar de não achar uma solução, já falei pra eles se separarem, já que ta ficando cada dia mais difícil. Meu pai é fechado, não conversa muito com ninguém, exceto pra brigar dentro de casa, aposentado e fica o dia inteiro em casa sem fazer nada. Minha mãe reclama o tempo todo de tudo e todos, inclusive de mim, começou a implicar até com o jeito de me vestir, depois de tantos anos (gosto de moda, leio blogs, inclusive o seu, e é o que me distrai ultimamente, mas tô perdendo o prazer em me arrumar por conta das críticas). Ela trabalha bastante e eu acabo tendo que fazer praticamente todo o serviço de casa, daí não consigo marcar um happy hour com amigos, não consigo ler um livro, ver tv, assistir um filme completo, nada, e quando eu saía em algum final de semana com amigas, no outro dia escutava tanta coisa ruim, que era pra eu ter feito isso ou aquilo, que me arrependia de ter saído e agora não saio mais. Até quando tenho compromisso na igreja em que frequentamos ela reclama depois quando volto, muitas vezes porque não deixei a janta pronta, umas coisas desnecessárias… Isso tudo não é de agora.

Certo dia surgiu um determinado assunto num programa de tv que assistíamos e aproveitei para dizer indiretamente a minha vontade e o esforço (financeiro) que estou fazendo para ter meu próprio espaço, ter minha casa, afinal já tô bem grandinha, trabalho, posso e quero isso. Mas além de ter gerado outra discussão, ela foi categórica ao me dizer que se não for pra sair de casa casada, é para eu esquecer que tenho mãe! Perdi as forças de expor o que eu penso, me calei, chorei depois…

Eu só tive um namoro sério aos 21 anos, por 2 anos, todo mundo se intrometeu, criticou, a gente se gostava, era muita pressão que hoje vejo que foi tudo desnecessário e terminamos, de la pra ca arrumava um ou outro contatinho que saía de vez em quando sem meus pais saberem, nada sério porque eu não queria, até eu me fechar de vez. E tudo isso está martelando na minha cabeça o tempo todo e eu não sei o que fazer.

Percebi que muitas amizades se afastaram de mim, porque me tornei uma pessoa amargurada, sem vontade de fazer nada, sempre com enxaqueca, reclamona… eu não era assim… reconheço isso e fico mais triste… tenho vontade de me relacionar, namorar, mas acho que preciso me resolver primeiro, não quero ser um problema nem arrumar mais um motivo de discussão ou que interfiram na relação! rsrs

Fiquei praticamente sem ter com quem conversar, desabafar, resolvi procurar ajuda médica e estou há alguns meses fazendo uso de medicamento, mas sinto que não estou melhorando. E detalhe: nem isso eu falei aos meus pais, porque eles acham que esse tipo de ajuda é coisa de gente que não tem o que fazer. Não sei o que faço mais. Eu amo minha família, queria que tudo fosse diferente, mas tudo parece tão difícil… Saio de casa, fico sem família e vou viver minha vida? Vou levando essa vida vazia até sei lá quando? Arrumo o primeiro que aparecer e caso só pra sair de casa? Obrigada, grande beijo e espero ver meu chora (e o que pensam dele) no blog!

Minha filha, sai dessa vida PELAMORDEDEUS! Já tem 33 anos, trabalha, ganha seu dinheiro, VAI PROCURAR O SEU CANTO JÁ! Se imponha, você já é uma mulher adulta que sabe o que quer! Até quanto vai ficar de “empregada” da sua mae? Porque pelo o que você descreve, é assim que ela te ve! Cade apoio para te ver feliz, realizada, independente? E isso de só sair de casa quando casar é a maior furada! E se você não casar???? Vai ficar pra sempre num casa com esse astral baixo e energia pesada? Desculpa falar assim, mas tô vendo tudo pelo o que você me contou e isso só vai te afundar numa depressão que depois pode ser bem difícil de sair. Peita essa mae! Sai de casa, se vira sozinha. Ela não vai deixar de ser sua mae nunca, só esta te ameaçando. E se virar as costas pra você por você ir atrás da sua propria vida, melhor assim. Triste mas verdadeiro. Você é nova, e tudo isso só acontece porque você está permitindo. Chega! Corre procurar seu cantinho e começar uma vida leve e só sua!

Chora 02 – Soho

Namoro há 10 anos, tenho 25 e ele tbm, sim começamos com 15 e de lá pra cá tivemos alguns términos mas estamos juntos. Nossa relação é boa, nós gostamos e sempre que da estamos juntos, porque ele tem 2 lindas padarias que não permitem ele ter VIDA. E isso me assusta e me cansa, ultimamente tenho passado os finais de semana sozinha em casa com meus pais, não que seja um problema porque adoro ficar em casa com eles, às vezes até prefiro do que sair por aí.

Mas poxa eu tenho namorado, e tenho saudades, às vezes ele consegue passar em casa depois que fecha a padaria, mas outras ele esta cansado e não vai me ver.

A gente consegue conciliar algumas saídas de vez em quando mas é difícil pra mim porque me sinto sozinha, e acho que ele deveria arranjar mais tempo, tipo “quem quer dá um jeito, quem não quer arranja uma desculpa”. Já pensei muito e sei que é trabalho, que as coisas vão melhorar e que é fase, porque no começo da primeira padaria foi tenso assim também, mas depois as coisas se ajeitaram, não 100% mas melhoraram bem, só que até passar eu fico péssima, sem contar que fico assustada com um futuro desse jeito, não quero casar para ser sozinha, se for pra isso continuo com meus pais.

E ultimamente estamos discutindo muito, somos pessoas bem diferentes, e isso tá pesando como nunca. Ele curte beber quando estamos com os amigos e tal, eu não suporto isso, odeio bebedeira, gosto de uns drinks, um vinho mas nada de exagerar sabe? Beber tranquilo, socialmente. Apesar dele não beber todos os dias, quando temos uma festa, um casamento, uma viagem com amigos ele costuma encher o caneco, e eu não consigo me controlar fico enchendo o saco. Já conversamos sobre isso,  e apesar de ter diminuído ainda acontece e ele fala “sou assim, e gosto disso”, e algumas outras vezes ele fala que vai diminuir.

Para ajudar, tenho pensado muito sobre toda essa coisa de um fazer pelo outro, e eu sei que faço bem mais por ele, sei que relação é isso, um fazer pelo outro e temos que abrir mão mesmo de algumas coisas, mas percebo que eu faço beeem mais. Às vezes ele quer ir em algum local e eu não to afim mas acabo indo para ficarmos juntos, viagens tipo carnaval e ano novo ele costuma decidir mesmo eu querendo outra coisa, ele acaba me convencendo.

Mas pra mim a gota d’água foi o feriado de 12/10 que por sinal foi niver dele, estávamos vendo uma viagem tal e aí não rolou o que ele queria, começamos ver algo do meu interesse, eu estava quase fechando hotel quando ele me liga e fala que o amigo viu uma pousada na praia e que a gente ia. Falei que não queria ir, não gosto de praia e não queria viajar com outro casal porque acho que precisávamos de um tempo nosso, já que fazia tempo que não ficamos juntos. Ficamos de conversar, mas como ele não tem tempo na vida, as únicas conversas eram por WhatsApp ou telefone, e sempre rolava discussão, não achava justo eu abrir mão mais uma vez e ir onde não quero com quem não quero. Mas ele acabou decidindo tudo e fechou a bendita pousada sem antes a gente ter uma conversa descente. Achei isso super mancada, fazer algo contra a minha vontade sem conversamos direito sobre, e isso me fez perceber o quanto ele está acostumado a eu sempre ceder, fiquei muito chateada e acabei decidindo não ir, eu não me sentia bem em ir e não fui, em nenhum momento me arrependi. A única coisa que no dia do niver dele me senti um pouco mal de não estarmos juntos, mas não fui eu que escolhi, ele preferiu ir com os amigos ao invés de ficar comigo porque sabia desde o começo que eu não queria praia. Fiz uma pequena surpresa, entrei em contato com o pessoal da pousada para deixar um recado no quarto, assim amenizava a situação e eu parabenizava ele mesmo de longe de uma forma especial.

Mas o fato é que estou incomodada com essa situação toda, a gente conversa e quando eu falo que abro mão de mais coisas, ele diz que eu só penso em mim, e que se as coisas não forem do meu jeito não tá bom, e que ele faz muito por mim, que eu não vejo o que ele faz, mas não é isso, eu vejo que eu faço muito mais mesmo, só que ele não vê porque está bem acostumado com essa situação. Tipo a decisão dele ir sozinho no feriado, ele disse que estava estressado, precisava descansar, fazer o que gosta e queria que eu fosse, mas que se eu não fosse ele ia sozinho, tentei alguns acordos mas não rolou, e não cedeu, mas la para meia noite ele me liga pra falar que aceitava as minhas condições porque me queria junto, só que eu tava tão chateada, que não queria ir, não achei justo eu ir outra vez pra onde não queria por ele. Ainda bem que não causou grandes problemas e conversávamos todos os dias. Diante de tudo isso eu tomei uma decisão, não vou mais onde não quero e não me sinto bem em ir somente para ficar com ele, sempre fiz isso, agora é a vez dele, se eu não for quero ver se ele escolhe ficar comigo ou ir sozinho. Comentei com ele sobre isso em um dia que estávamos de boa, e ele falou “mas então se vc não for em algum lugar que eu queira eu poderei ir sozinho?” Confesso que essa pergunta me matou, acho que ele ainda não entendeu o que é estar em um relacionamento, queria que ele fizesse mais por mim, estou tão cansada de tudo, não quero terminar sabe, 10 anos é uma vida, nós temos momentos bons, só queria alinhar mais as coisas, só não consigo saber como.

Para de reclamar mulher. Tá achando ruim que o bofe tá super dedicado ao negocio dele? Vai trabalhar na padaria também! Seja parceira! E outra, “quem quer dá um jeito, quem não quer arranja uma desculpa” não se aplica pois ele não esta arrumando desculpas, ele esta TRABALHANDO. Você tá muito chata, tá implicando até com a bebida do rapaz… Fia, o homem se mata de trabalhar, quando sai com os amigos, deixa ele beber um pouco! Se você não gosta de beber, ok, não atrapalhe o momento dele. Novamente, SEJA PARCEIRA! Você não ter ido com ele no tiver dele foi pesado, ele reservou tudo PARA OS DOIS e novamente você implicou. Custava ir pra praia um pouco, só pra ficar perto do seu bofe no niver dele? Parece que é ele que faz muito mais por você e não contrario. Vamos amadurecer um pouquinho? Vamos ser uma namorada parceira, gente boa, que apoia o cara? Hein? Porque pela minha bola de cristal aqui, se continuar assim, em breve você vai levar um belo pé na bunda e depois vai ficar choramingando. Valorize, esteja presente, reclame menos. Pensa que ele não te trai, não te ignora e quando tem tempo sempre considera sua presença.

Chora 03 – Nolita

Cony, querida, te acompanho desde 2011!!! Adoro seu blog, único que não abandono jamais! rs Segue meu chora. Não me lembro de ter outro desse tipo, apesar de ser sobre relacionamento homem e mulher. Meu relacionamento tem quase 7 anos, sempre estável, sem brigas. Arrisco dizer que era pra ser perfeito, não fosse o motivo do ‘Chora’.  Somos jovens, passamos a morar juntos em casa própria (yeah!) há dois meses depois de um ano planejando, temos bons empregos, o sexo não é como no início, mas vai bem, os objetivos de vida talvez estejam se tornando divergentes (tipo, ele se apaixonou pela casa, eu acho que será só por uns anos, espero um lugar melhor ainda no futuro, já que somos concurseiros. Ele diz que pensa assim, mas não sei se acredito). O caso é.. desde o início do ano, antes até de morarmos juntos, tenho notado que estou ‘desamando’ ele aos poucos, desapaixonando… Dói. Até escrever isso dói, pois não quero. Tentei ignorar por isso por um tempo, nunca falei com absolutamente ninguém. Quero continuar amando ele, quero continuar junto. Mas sem amor não dá. O resumo do meu ‘Chora’ é: é possível ‘reapaixonar/reamar’ uma pessoa de propósito? Alguém já conseguiu?  Cony, ainda que não escolha esse Chora, vc já me ajuda todo dia com o blog, tornando a rotina da semana mais leve.. obrigada, sua linda! Beijos e sucesso!

Ô minha linda, quem é que manda no coração, quem??? Mas será que não é uma fase? Tem algum motivo por aí, será que alguém despertou sua atenção, será que as mania dele estão pesando de alguma forma? Não tome nenhuma atitude, tenta esfriar a cabeça e não pensar tanto nisso. Bola uma viagem romântica, brinca de seduzir ele, pensa no quão sortuda você é de ter um cara legal a tanto tempo e morar com ele. Não “desama” não, espera um pouco, tente olhar pra ele com mais carinho…

  • Choras ainda fechados. Gente, hoje arrasei nas frases depois de cada caso hein? Nuuuuuuuuu até eu fiquei comovida com esse último.
11
Jan 2018
Chora Que Eu Te Escuto
Chora Que Eu Te Escuto

Ontem a correria foi intensa então não consegui postar o Chora! Mas hoje vai!

Foi!

Vem!

Chora 01 – Leia

Olá Cony! Apenas para constar, amo o blog, acompanho há anos! Parabéns pelo trabalho! Vamos ao chora: Sou advogada, tenho 27 anos, e um emprego relativamente estável. Olhando minha vida, eu não tenho um grande problema, um drama passível de discussão. Mas olhando com atenção, ela como um todo, parece que nada está completo sabe, está tudo “maomenos”. Quando eu era nova, tiver vários namorados, mas nos últimos anos, minha vida amorosa está mais parada que água de poço, antes eu não tinha nenhum problema com autoestima, sempre soube que não era a pessoa mais linda do mundo, mas me aceitava bem como eu era. Aconteceu que eu engordei, uns 20kg, e isso atingiu demais a forma com que me vejo. E o pior é que, eu sei que se, esse é o problema, eu preciso me regrar, cuidar minha alimentação, fazer exercícios físicos, mas eu simplesmente não consigo!!! Já comecei e parei esse novo “estilo de vida” umas 500 vezes. Outra coisa que mudou foi que, eu sempre gostei de sair, estar com pessoas, rir, mas de um tempo pra cá só consigo pensar em chegar em casa e ver netflix. Salvo engano, a última vez que tive um namorado foi há mais de 05 anos. Tentei me aventurar no tinder, até sai com uns caras, mas não adianta, não é do meu perfil essa forma de relacionamento. Moro em uma cidade pequena, e aqui todo mundo me conhece, então, por conta da minha profissão, não posso nem sair e encher a cara pra extravasar. E pra ajudar, não tenho amigos. Quer dizer, eu tenho, mas não morram na mesma cidade que eu, então não tenho parceria pra nada. Eu até tento me motivar sabe, pensar que em algum momento as coisas vão melhorar, mas isso já faz tanto tempo que estou perdendo a esperança. Ano que vem vou fazer a minha primeira viajem internacional sozinha, decidi não depender de ninguém pra nada, mas nem viajar me motiva mais. Nem vou me aprofundar no drama familiar que vivo, mas de forma resumida, moro sozinha, meus pais são separados e moram em outras cidades, mas ambos são complicados, com dramas enormes, e, aparentemente, eu sou a única pessoa capaz de solucionar os problemas deles. Enfim, tentei resumir tudo, pra vocês entenderem que, não tenho um GRANDE problema… mas nada está legal, nada está como eu pensei que estaria nessa fase da vida. Mais alguém se identifica comigo? Estou a algum tempo pensando que estou deprimida, será que estou? Devo procurar ajuda profissional? 

Miga, você está deprimida sim. Procure ajuda. Essa falta de vontade de fazer as coisas, é um sinal bem claro que tá rolando uma depressão. Realmente não existe um GRANDE problema, existem pequenas coisas te chateando mas acho que são contornáveis! Olha só: peso a mais – malhar e fazer dieta. O difícil é começar mas comece AGORA, caso contrário esses 20kg vão virar 25, 30, 40 kg a mais! Eu tô com 8 kg a mais e ontem dei o start na dieta, porque se deixar, o peso só vai aumentando. E outra, estar acima do peso diminui sua auto estima, consequentemente, tira a vontade de se arrumar, seja para sair seja para tentar um relacionamento. Lembre-se, quando a gente está bem internamente, isso transparece em atitudes positivas e as coisas/pessoas acontecem. Só nessa de começar a se cuidar já resolveu três coisas: perder peso, aumenta a auto estima, e aparece a vontade de sair e conhecer pessoas. Outra coisa, seus amigos moram em outra cidade. Miga, se organiza e vai passar os finais de semana na cidade dos seus amigos! Você tem emprego estável e se mantém sozinha, então vai visitar eles! E outro problema resolvido, numa cidade onde não te conhecem, você poderá extravasar. Tudo tá “fácil” mas tem que sair de você essa vontade de mudar as coisas. Ninguém vai entrar na sua casa do nada, pegar pela mão, te emagrecer, te levar pra sair, te namorar. A porta tá aberta sabe? Levanta e sai!!!! 

 

 

Chora 02 – Rey

Oi Cony! Segue meu chora sem enrolação. rs Então, casei aos 22 anos e hoje estamos há 7 anos juntos. É um cara por quem tenho muito respeito e amor. Nos damos bem em praticamente tudo. Ocorre que, atualmente, tem batido em mim a vontade de viver outras coisas, conhecer outras pessoas. E o pior: eu conheço caras e logo fico a fim, imaginando como seria ficar com eles, desejo de flertar, etc. Me sinto péssima sobre isso e uma culpa enorme quando olho pro meu marido lindo, que pensa que tá tudo muito bem, confia muito em mim e espera passarmos o resto da vida juntos.

Já li naquele blog que você comentou um dia desses que isso é uma velha história: aquela que casou jovem e passa uns anos bate o siricotico de querer aproveitar o que não viveu. Tenho muito medo de tomar uma decisão precipitada, mas isso já vem martelando na cabeça há alguns meses. Queria perguntar a você se isso é normal, ficar a fim de outras pessoas sendo alguém casada, se o melhor é terminar tudo e machucar meu marido, ou se tenho que tomar vergonha na cara e me controlar, aceitar minhas escolhas.

Peço orientação sua, que já foi noiva, tem experiência e sei que vai ser bem dura comigo. E das leitoras também, as casadas principalmente. Podem falar! Sejam sinceras comigo. Obrigada desde já! 

Nega, cria vergonha na cara, ajoelha e agradece por ter um marido bacana. A vida solteira é muito boa, mas achar alguém que REALMENTE vale a pena e que quer dividir o resto da vida com você, é quase raridade hoje em dia. Sim, já fui noiva mas terminei porque não dava certo. Se tivesse dado certo, estaria casada e curtindo a minha escolha. Cuidado para não concretizar esses desejos e trair seu marido. Depois dá uma merda gigante e você vai se arrepender… Acredito que é uma fase e logo vai passar, já que você reconhece as qualidades do seu bofe. Tá autorizada a flertar mentalmente por enquanto, mas não leve isso pra vida real por favor. Valorize o que tem, e acredite, ter uma aventura apenas por ter, para matar vontade e arriscar um casamento bom, é muito perigoso e com altas chances de você perder tudo o que tem de bom hoje. Vai por mim, sossega a periquita.

 

 

Chora 03 – Padmé

Oi Cony, tudo bem? Sinta todo meu carinho por você, pelo que você representa para nós, pela força e pela proximidade!

Seguinte meninas, estou com meu marido há quase 10 anos, sendo 01 de casada. O que se passa? Eu não sei se estou feliz neste relacionamento, às vezes me sinto sufocada, com tanta, mas tanta vontade de conhecer coisas novas, de ter novas experiências, conhecer pessoas novas. Aquele friozinho gostoso na barriga sabem? Já me peguei pensando: Será que tenho a síndrome do peter pan, por isso não me aqueto hahahaha, mas aí chego no meu querido “eu não sei de nada”, não sei nem ao menos se me conheço, se me perdi dentro do relacionamento e não reconheço mais, se estou acomodada. São tantos “se”.

Outro ponto que pesa na minha relação é o ranço que eu tenho da minha sogra, não faço questão nenhuma de me dar bem com ela, nem ela comigo, não temos nada em comum, meu marido sabe disso, mas finge que tá tudo certo… Minha sogra sempre tenta passar a imagem de que tomei o lugar da única mulher que existiria na vida do meu marido (ele é filho único), só de pensar em passar alguns dias com os pais dele, em especial com a mãe, eu fico extremamente irritada. Eu sei que é mãe e tudo mais, mas…. Tem dias que quero me separar. Tem dias que tenho medo. Às vezes penso que estou acomodada, outras vezes penso que seja uma fase. Gente, tô muito doida? Não tenho migues com experiência de casada para trocar figurinhas. Vamos conversar sobre essa inquietação que bate e não sabemos para onde ir? Quem mais tá perdida por aí? O que fazemos? Terapia? Yoga? Cony, obrigada!!!

Hoje é o Chora das casadas mesmo rsrsrsrs. Miga, cê casou com seu marido, não com a mãe dele. Não se dar bem com ela nem deveria ser pauta de preocupação. É totalmente contornável e normal. Ruim seria se ela morasse com vocês, mas não mora, então, engole esse sapo e bola pra frente. Agora uma coisa que aprendi depois de ter namorado praticamente a vida toda: tem que ter um tempo de loucura solteira SIM. Justamente para não ficar nessa de “eu poderia ter aproveitado mais minha vida”. Eu fiquei um ano na loucura desenfreada e prefiro nem comentar o que aprontei, chegou uma hora que cansei, que vi que tinha chegado e conhecido todos meus limites, conheci MUITAS pessoas, frequentei os mais diferentes lugares, fiz o que quis e pronto. Vivi meu lado B sabe? E isso é super necessário para todas as pessoas. Eu prefiro me arrepender das coisas que FIZ do que NÃO FIZ. Obviamente não dá para ficar nessa o tempo todo, mas é bom conhecer coisas, pessoas, situações mesmo porque ajuda a gente na escolha, a saber o que realmente queremos. ENFIM, isso tudo pra te dizer que não sei como te aconselhar porque nunca fui casada e seu caso é diferente do da menina anterior porque ela tá felizona com o marido dela. Leitoras casadas, ajudem!

  • Choras FECHADOS! E sim, ontem assisti pela primeira vez um Star Wars. Não gostei (e não me julguem rs)
Página 2 de 3212345Última »