11
Apr 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Ainda é quarta feira e tem Chora!

Chora 1 – Betty

Oi Cony, tudo bem? Já acompanho seu blog há muito tempo e não perco nenhum chora. Acho muito bacana esse espaço para que as leitoras dividam seus dilemas e sucessos. Bom, chegou a minha vez. Fiquei solteira por muito tempo, na verdade nunca tive um relacionamento que durasse um ano todo. Minha última história (digo história, pois nunca foi um relacionamento), durou quase 4 anos e terminou há quase 5. Aproveitei muito esse período, sem me preocupar em encontrar um namorado a qualquer custo. Eis que no começo do ano conheci um cara fantástico, que já havia sido casado, que ao contrário dos últimos que me relacionei, sabe exatamente o que quer da vida, sem jogo. Estamos namorando há quase dois meses e está sendo tudo muito perfeito. Eu sou profissional liberal autônoma, não tenho salário fixo. Acontece que nos últimos anos meus ganhos caíram muito e eu não soube lidar com isso, continuei gastando como antes. Me enrolei toda nas dívidas (cartões) com nome no Serasa e tudo mais. Ainda não consegui resolver e continuo sem saber como lidar, pois minha renda mensal só diminui. O que mais me preocupa no momento, é como eu vou contar isso para o meu namorado. Ele é bem de vida e banca todas as nossas saídas, mas o que me frustra mais é saber que a ex dele é concursada e muuuuuuito bem sucedida. Não é que eu tenha medo de perdê-lo por isso, é mesmo a vergonha de estar nesta situação, sabendo que a culpa é toda minha! Muito obrigada pelo espaço do desabafo… Beijo.

Vamos lá… antes de mais nada, não se compare com a ex do seu namorado. Isso é auto tortura e não vai te trazer nada de bom. Agora vejamos uma coisa: percebi uma sucessão de erros. Primeiro você diz nunca ter tido um relacionamento duradouro. Ok, acontece. Logo em seguida, você diz ter tido uma historia de 4 ANOS que não era um relacionamento. Será que ter permitido isso não fechou as portas de algo realmente verdadeiro acontecer na sua vida? Não será que você desperdiçou tempo e energia em algo que não iria dar em nada. Será que você não observou os sinais? Ok, já passou. AGORA, é a hora de fazer tudo certo e não repetir erros antigos. Antes de mais nada, você tem que tomar consciência que está em um problema que se não tomar uma medida agora, só vai piorar. É uma bola de neve. Tome a medida, controle seus gastos DE VERDADE e abra o jogo pro seu namorado. Mas só faça isso quando realmente estiver fazendo algo para se ajustar a sua atual realidade financeira, caso contrário ele pode achar que você é uma descontrolada (o que ninguém quer na vida, ainda mais início de namoro) ou então sei lá, pode passar pela cabeça dele que você vai se aproveitar dele. Mostre maturidade quanto ao seu problema e jogue a real. Sinceridade SEMPRE e que bom que você sabe que está tudo nas suas mãos.

Chora 02 – Dita

Oi Cony, finalmente criei coragem de enviar meu chora, confesso que ainda não vi casos parecidos por aqui e que no fundo eu sei o que precisa ser feito pra solucionar, mas gostaria muito de saber a sua opinião e das leitoras lindas a respeito. Parece que quando o problema está de fora enxergamos melhor né.

Tenho 28 anos e namoro a 7 um cara que gosto muito, até pouco tempo atrás eu tinha certeza absoluta que queria casar e viver todo o resto da minha vida ao lado dele, não é um relacionamento perfeito (assim como nenhum é), mas sabe quando vc encontra a pessoa que é o “seu tamanho”? Pois é. Tudo corria bem até que em março do ano passado eu conheci um cara na academia, daquelas pessoas que vc olha e, por um motivo não explicável, sente uma atração instantânea. Isso nunca havia acontecido comigo até então. Depois de algum tempo começamos a trocar uma ou duas palavras durante o treino, evoluímos pra conversas no WhatsApp até que surgiu o primeiro encontro, fora da academia, após 6 meses. Nesse meio tempo, eu totalmente desnorteada por está interessada em outra pessoa que não o meu namorado decidi terminar pra tentar colocar as coisas em ordem na minha cabeça. Já estava totalmente interessada e sabia que o interesse era recíproco pela terceira pessoa. No segundo encontro ele soltou uma bomba: casado, pai de um bebezinho de apenas um mês de vida. Não vou dizer que meu mundo desabou pq é demais né. Mas fiquei sem norte. Sempre fui de muitos princípios e acho inconcebível alguém entrar em uma relação já construída. Decidi que dali em diante cortaria os laços. O que não foi possível, claro, pq a gente até sabe o que tem que ser feito, mas no meu caso, não fiz. Depois desse encontro começamos a jogar abertamente com o outro: sobre todos os riscos e prejuízos que ambos não estávamos dispostos a enfrentar mas nunca conseguimos nos afastar de verdade. Saímos mais algumas vezes, mas só conversávamos mesmo, assunto é uma coisa que não nos falta. Acaba que a “relação” evoluiu pra uma “amizade um pouco diferenciada”. Resumindo: a gente se gosta muito, se fala todos os dias, se encontra sempre, ele me liga umas 5 vezes na semana, conversa comigo nos fins de semana, é atencioso, respeita minha decisão de não ter contato físico (o máximo que acontece é abraço), carinhoso e tudo o mais, seria alguém com quem eu me envolveria sem nem pensar duas vezes, não fosse o detalhe mais importante de todos. Nunca conversamos sobre o casamento dele, foi uma escolha minha, mesmo tendo liberdade de conversar sobre qualquer coisa. Fato é que eu estou envolvida. Tenho plena consciência disso. Eu sinto falta quando a gente não se fala, sonho com ele, coração acelera quando a gente se encontra e todas esses sinais típicos de “que deu merda”. Resolvi voltar com o meu namorado em dezembro, sei que fiz errado, pq no fundo voltei pra tentar esquecer o que eu não podia ter. Seguimos juntos, óbvio que não como antes, mas a relação continua super boa. Sei exatamente que preciso cortar todos os laços com o dito cujo, mas não tenho forças. Sei que essa história pode não acabar bem pra nenhum dos lados, mas é como se algo não me deixasse fugir disso. É uma situação complicadíssima pra mim que estou por dentro e queria muito escutar a opinião de vcs. Sem julgamentos, gente, por favor. A minha consciência já é bastante dura comigo. Obrigada, Cony. Amo seu blog. Vc é uma inspiração.

Fia, o que começa errado, acaba errado. O cara é casado. PONTO. FIM DA HISTORIA. Pense nisso! Uma aventura não vale o casamento dele nem o seu relacionamento com um cara bacana. Seja racional. Você está enganando seu namorado e SE ENGANANDO. E é questão de tempo essa decisão de não ter contato fisico ir por água abaixo. Daí já era… Acabe com isso antes que isso acabe com você. Pare de conversar, bloqueie, troque de academia. Deixe de achar que tudo está ok porque não tem contato físico, não seja ingênua. E do MESMO JEITO QUE ESSE CARA CASADO NÃO ESTÁ RESPEITANDO A ESPOSA, TAMBÉM NÃO VAI TE RESPEITAR. Questão de caráter.

Chora 03 – Veronica

São tantos anos aqui anônima atrás da telinha do computador, só você com todo esse seu carisma e competência para unir suas leitoras em busca de um mundo melhor e mais seguro para nós mulheres!  Já li muitos “choras” contando sobre seus abusos, e que me ajudam a cada dia a ter força e seguir em frente. Sim, eu também já passei por muitos abusos e as vezes me pergunto o que a vida quer me ensinar com tudo isso. No espiritismo acredita-se  que a  alma antes de encarnar nesse mundo escolhe quais provações ela irá passar nessa vida, para que o espírito vá se elevando. Depois de conhecer esta teoria, só ficava uma pergunta na minha cabeça: “tinha que ter pressa e escolher tudo isso numa vida só?!”
Devaneios a parte, vamos ao meu chora em ordem cronológica: na infância eu era abusada sexualmente pelo meu irmão mais velho, não me lembro bem quando começou mas acho que eu devia ter uns 10 anos a durou até os 14 anos. Vocês podem se perguntar como durou tanto tempo, bom eu era uma criança e não tinha noção do que acontecia, só depois de adulta e de muitas leituras que fui entender o que aconteceu comigo. Meus pais nunca souberam, hoje eu não falo mais com meu irmão, foi o jeito que encontrei de me proteger do passado. Ainda não consegui perdoá-lo, deixar isso para trás, mas eu tenho certeza que vou conseguir.
Passados alguns anos, me casei com o primeiro marido, ele me apoiava nos estudos, na faculdade e esteve ao meu lado quando meu pai ameaçou não me ajudar com nenhum centavo caso eu largasse a faculdade de enfermagem…chorei muito, ergui a cabeça e larguei a faculdade, fui correr atrás do meu sonho. Marido ficou ao meu lado e meu pai me deixou para trás. Este sonho necessitou de muitos anos de estudo, muitas noites em claro, muitos finais de semanas e feriados dedicados ao estudo, e iniciei uma nova faculdade. Vocês podem imaginar que aquele marido atencioso se mudou de cidade, foi viver a vida dele, arrumou amantes e depois de muitas mentiras e um coração partido resolvi pedir o divórcio…junto com a separação veio a promessa de não me envolver novamente com alguém…7 anos depois, uma faculdade concluída e 4 anos de especialização na minha área, meu coração começou a fraquejar e eu fui sentindo falta de ter alguém ao meu lado…conheci uma pessoa, que me encantou e em 10 meses estávamos morando juntos. Eu terminei  a especialização e me mudei para a cidade que ele morava, fomos morar juntos, nos casamos em Las Vegas. Mas os sinais estavam ali o tempo todo, e eu não vi. Era a irritação sem motivo, a agressividade verbal, o machismo, o ciúme excessivo dos meus colegas de trabalho e tudo só piorou a partir do momento que comecei a ganhar mais que ele.  Lembro de um episódio ,quando estávamos há 6 meses namorando, durante o café da manhã ele me questionou porque eu não brigava, gritava , o porquê de eu ser tão calma, me incitando para a briga …ahhh esses sinais, agora fazendo um retrospectiva eles estavam ali o tempo todo. Dizem que nos tornamos parecidos com as 5 pessoas mais próximas com as quais convivemos, ou seja, fui perdendo a cabeça e o pavio estourou. Da mulher calma e tranquila, passei a ser estressada, pronta para responder seus ataques e nossa casa virou um campo de batalha, brigas e mais brigas, pelos motivos mais tolos. Ele brigava se eu ia para um curso, se chegava tarde do trabalho, estava o tempo todo querendo saber onde eu estava, se íamos sair com meus amigos eu já sabia que ao chegar em casa ia ter briga. A família dele não ajudava, a mãe dele mal olhava na minha cara quando eu ia na casa dela, não me servia comida e só falava comigo para me perguntar quando é que eu ia engravidar. Depois de 3 anos juntos, muitas brigas, agressões, coação para fazer sexo eu cansei… a nossa vida já é tão difícil lá fora no trabalho, são tantas coisas para resolver, preocupações que eu só quero chegar em casa e ter paz!
Ano passado eu tirei um mês de férias e fui fazer um curso no exterior, convidei ele pra ir, ele disse que não ia, na primeira semana senti saudades, mas logo as brigas por ciúme começaram por mensagens no celular, a melhor coisa que fiz foi esquecer dele e curtir meu curso e as horas vagas para passear. Na ultima semana comecei a sentir um aperto no peito, uma sensação ruim, uma tristeza que tomava conta de mim… pensando muito durante meus passeios pude perceber que estava me sentindo feliz lá sozinha e estava com medo de voltar para todo esse drama. Enfim, foi lá que decidi que queria me separar. Há 5 meses, após uma nova crise, pedi a separação ele me disse que eu não estava sendo parceira dele pois ele estava passando por um momento muito difícil ,que confiou em mim e por causa disso eu estava o deixando. Ahhh, esse meu coração mole não aguentou e ficou mais uma vez, com a promessa que tudo ia melhorar. Nos mudamos de apartamento, com a promessa de uma vida nova mas ,nada mudou. Há 2 meses descobri que ele estava usando o Tinder e pedi para ele sair do nosso apartamento. Ele não saiu, me disse que se eu quiser tirar ele daqui vou ter que ir na justiça ( o apartamento é alugado, mas está no meu nome e meu pai é o fiador, sim meu pai fez as pazes comigo depois que eu me formei ), todos os dias de manha ele prepara meu café, traz flores toda semana, dormimos em quartos separados. Normalmente fico trancada no meu quarto, pois não quero cruzar com ele pela casa. Tenho medo de meu coração mole fraquejar, com tantas promessas de mudanças e pedidos de perdão…
Desculpa não ter um fim para esta história, mas espero que eu tenha força para não voltar atrás na minha decisão.
E meninas, apesar dessa vida amorosa tão conturbada eu não desisti de seguir a minha vocação, nunca deixei de lado minha vida profissional, hoje estou construindo uma carreira que me deixa muito feliz e realizada. Lembrem-se que ninguém pode tirar de vocês o seu conhecimento, suas experiências e seu sucesso… não vamos desistir!

Mulher do céu, você já passou por muito perrengue na vida, por muita coisa pesada e seguiu em frente! PERMITA-SE SER FELIZ!!! Pense em você! Guerreira, dedicada, forte, foi atrás dos seus sonhos profissionais, nada te parou até conseguir, e vai ser um EMBUSTE que vai te deixar presa no quarto da sua própria casa pra não esbarrar com ele??????? CADE A MULHER FORTE QUE ENFRENTOU O PAI E VENCEU NA VIDA????? O coração mole tem que ser COM VOCÊ, não com quem transforma sua vida num inferno. Sabe, não tá “casando” a personalidade da mulher que foi atrás do sonho com essa que se deixa manipular e fraqueja a cada promessa. Quem é você? Pense em tudo o que já passou, em tudo o que construiu e saiba que, você pode e DEVE ser feliz, sozinha ou acompanhada, mas se for acompanhada, que seja de um cara legal que te valorize e se orgulhe do mulherão da porra que você é. Se ame. Apenas isso, olhe pra você com carinho e pense em você velhinha e feliz de ter vivido a vida que merecia.

  • ADIVINHAAAA? Choras abertos! Mande sua angustia, problema, desilusão, pedido de conselho para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO. Textos breves e explicados ok?
04
Apr 2018
Chora Que Eu Te Escuto
Chora Que Eu Te Escuto

Chorem migues!

Chora 01 – Barcelona

Ei Cony, tudo bem? Sigo seu blog há teeempos, mas nunca tive coragem de mandar alguma coisa. Mas esse ultimo chora sobre ter 32 anos e ser virgem, me deu uma certa vontade e segurança de te enviar esse email. Talvez você não escolha ele, porque acabou de postar sobre esse assunto, mas não custa tentar, né?
Tenho 27 anos e nunca transei. Passei por momentos difíceis quando mais jovem e acredito que isso tenha atrapalhado no meu desenvolvimento pessoal sobre o assunto. Agora que estou melhor, sinto vontade mas ao mesmo tempo vergonha de me relacionar com alguém, mesmo sem estar apaixonada, e ter que falar sobre isso. Fico imaginando que a reação da outra pessoa vai ser a pior possível e vou me sentir humilhada. Será que você poderia falar um pouco sobre mulheres mais velhas que ainda não transaram, ou algum conselho? Agradeceria muito… Mesmo se não postar no blog e responder por aqui.
Te admiro muito como mulher, acho incrível sua independência e modo de viver, quero ser assim também! hehe
Bom, é isso! Mil beijos! Muito sucesso!

Miga é tao díficil eu aconselhar sobre isso porque é um assunto que é completamente fora da minha realidade e das pessoas que convivem comigo. E confesso que fico até surpresa com a quantidade de mulheres mais velhas que ainda são virgens. O que posso te dizer é que sexo é algo natural do ser humano, e não tem que ser visto com vergonha ou pudores. E é muito bom!!! Sério, melhora o humor, a disposição, tudo. Com certeza você já deve ter escutado por aí, quando aparece alguém muito feliz, comentários como “eita, essa transou hoje”. É tipo isso. É uma parte da vida, é uma necessidade, não se prive disso por medos ou vergonhas. Se tivesse alguma questão religiosa, acho que seria até mais “entendível” mas não deixe o sexo de lado por insegurança. E ó… a primeira vez pode até ser mais complicada, mas depois é só alegria! Não deixe de curtir isso!

Chora 02 – Madri

Oi Cony, amo seu blog e considero vc uma miga rsrs… Bora lá pro meu chora. Vou tentar resumir, pq essa história é longaaaa…

Tenho 35 anos, moro numa cidade pequena onde todo mundo se conhece… Fiquei com meu primeiro namorado por 15 anos… Isso mesmo, nos conhecemos, ficamos noivos e não chegamos a nos casar. Construímos uma casa linda, mas ele sempre me enrolando para casamento. O tempo foi passando, ele me tratava muito bem, éramos acima de tudo melhores amigos, mas aí o tempo continuou passando… Há 3 anos atrás do nada ele terminou o compromisso comigo, eu fiquei sem chão. Pensa numa mulher que sofreu, chorei, sofri horrores… Ainda por cima descobri que ele estava me traindo com uma mulher super conhecida aqui na minha cidade, todos ficaram sabendo, fiquei pior ainda… Como se não bastasse isso, em menos de um mês ele já a assumiu e foi morar com ela adivinha onde? Na casa onde construímos… Fiquei no chão, me senti um lixo… ( Sim, ele me deu um golpe)… Enfim, perdi tudo, dinheiro, minhas economias, minha juventude com esse cara que em nenhum momento me valorizou. Pois bem, passados esses 3 anos, ele voltou a me procurar, confesso que ainda sinto algo por ele, mas ele não quer “voltar” comigo não, ele só quer sexo!

Também jamais voltaria com ele por vergonha na cara mesmo, mas a questão é… Saio com ele e esfrego na cara da atual que ele não presta? Tenho tudo arquivado Cony, conversas, áudios, prints dele me convidando pra ir na casa dele, na casa que eles moram, sei que ela começou a dar aulas a noite. Sabe, sei que não vale a pena se vingar, sei que tudo que vai volta, sei de todo esse blá blá blá… Mas quero opinião sincera sabe, como mulher mesmo que sofreu pra caramba, que passou humilhação, e hoje tem a oportunidade de jogar na cara de todo mundo que esse cara não presta, e nem ela, pois sabia que ele era noivo quando se envolveu com ele. E migas, o que vcs fariam??

QUE???? E O FEDAZUNHA AINDA TEM CORAGEM DE TE PROCURAR E SÓ PRA SEXO??? Ah manda pro inferno JÁ! Aqui, vem cá, a senhorita está PROIBIDA de mandar mensagens, de ficar com ele, de querer QUALQUER TIPO DE CONTATO. Esquece vingança, esse homem vai pagar sozinho tudo o que fez com você. O que acho sim que você deveria fazer, era por um baita processo nas costas deles e pegar tudo o que você gastou na casa de volta. Ah pelamor né??? Folgado, traíra e safado! Sério, esquece ele, pensa em você, fique linda, ache um bofe maravilhoso e deixe a vida dar o troco! Não gaste energia com esse embuste.

 

Chora 03 – Malaga

Olá Cony, sou sua leitora assídua há muitos anos, adoro você e o blog! Hoje vim aqui abrir meu coração e de alguma forma buscar um pouquinho de ajuda pois sei que o meu problema deve ser algo pelo que todas nós já passamos. Pra começar, queria dizer que me valorizo muito, sou arquiteta, tenho um emprego ok, sou super vaidosa e sempre estou buscando cuidar de mim interna e externamente.

Meu problema é com meu relacionamento, e o ponto é que meu namorado não tem culpa nenhuma, o problema está em mim. Como lidar com as feridas que ficam de um relacionamento anterior? Tive um namoro que durou 6 anos. Pra mim era um relacionamento maravilhoso, haviam problemas mas tudo sempre era resolvido. Sempre fui muito segura e jamais desconfiava dele. Acontece que um dia surgiu aquela desconfiança, vi uma conversinha aqui e outra ali dele com uma mulher, pensei “ok são apenas amigos”… Fui traída.

Pra mim não houveram dúvidas, terminei tudo e vida que segue, afinal não sou o tipo de pessoa que aceitaria desculpas nem que fosse o último homem da terra. Fez suas escolhas, fiz as minhas. Aqui cabe citar que nunca voltei atrás, ele me procurou uns seis meses depois, mas sou bem decidida quanto a pontos finais, pode ter doído muito mas superei e não quis mais saber.

Passaram-se 8 meses, estava curtindo, feliz, levando a vida… Conheci um cara, ficamos amigos e por uns dois meses saímos na amizade, até que veio o primeiro beijo, começamos a nos ver e passados mais dois meses, a namorar. Cony aí entra meu problema, eu nunca, NUNCA me senti tão insegura!

Ele é um amor de pessoa, me apresentou pra família, para os seus amigos, me incluiu em sua vida de uma forma que não existe o porque de sentir isso. Mas eu sinto. Sabe medo? Medo de que a qualquer momento tudo se repita… Por outro lado, fico a todo momento falando comigo mesma: “Calma, você está criando problemas onde não tem” e “se isso acontecer, você vai seguir novamente como sempre fez”. Mas Cony queria tanto me livrar desse peso sabe, simplesmente curtir esse namoro que tem sido algo incrível e totalmente novo pra mim… Como faz para curar essa insegurança de um relacionamento novo?

Te entendo super bem… também tenho me preocupado em não carregar medos antigos em relacionamentos novos. O que sempre penso é: cada situação é diferente. São pessoas distintas, o cenário é completamente novo. Tem que mudar a cabeça mesmo! Zerar a alma dos sentimentos ruins e desconfianças passadas. Fica o aprendizado, fica a experiência, mas carregar uma bagagem de coisas ruins para algo novo, que está nascendo, é deixar de aproveitar algo que pode ser maravilhoso e tranquilo. Também pode ser uma bomba relógio, afinal por qualquer coisa, você pode explodir com uma pessoa que não tem nada a ver com o que aconteceu lá atrás. Vamos desenhar (adoro): imagina que você morava em um apartamento que tinha um vazamento no teto do seu quarto, e aquilo te incomodava horrores, pingava no seu rosto a noite toda. Tirou seu sono, te stressou, não te deixava em paz. Você tentou arrumar, durante um tempo ficava bom, mas o vazamento aparecia de novo e de novo. Daí você desistiu e mudou de apartamento, achou um outro bem melhor que o antigo, você foi no quarto, olhou o teto e estava perfeito. Qual a lógica de dormir insegura, olhando pro teto achando que a qualquer momento pode ter um vazamento??? NENHUMA! Tá perdendo uma linda e tranquila noite de sono. Pode ser que algum dia apareça um vazamento? Pode, mas pode ser que nunca aconteça também. Então fia, relaxa, desencana, aproveite seu novo amor do zero, de coração aberto e sem olhar para os sofrimentos passados. O que passou, passou!

  • Choras ainda fechados!
28
Mar 2018
Chora Que Eu Te Escuto
Chora Que Eu Te Escuto

É quarta feiraaaaa, é quarta feiraaaaa, olha o dia da choradeiraaaaaa!

Chora 01 – Nokia

Oi Cony, nem precisa dizer o quanto adoramos seu blog né? O único que ainda acompanho. Mas vamos aos fatos.

Estou há dois anos com uma pessoa, maravilhoso, companheiro, enfim, relacionamento como casal ótimo. Ele tem uma filha, hoje com 6 anos. No nosso primeiro ano, não tive muito contato com a menina, fui conhecê-la acho que já estávamos juntos uns 6 meses, mas passei a ter um contato com ela bem eventual. Depois passamos a almoçar, jantar, até que com um ano de namoro, passamos o primeiro fim de semana juntos.

Primeiro ano, ótimo, relação ótima.

Eis que no segundo, muita coisa mudou. Afinal, a criança vem com uma mãe, e a relação pai e mãe que era ótima, passou a ser péssima. Ela não quis mais trabalhar, arrumou um namorado péssimo (digo barra pesada mesmo, tipo que saiu da cadeia). Ele é um ótimo pai, paga uma ótima pensão (mesmo estando numa péssima situação financeira), judicialmente eles tem guarda compartilhada, ele fica com a menina dois dias por semana mais um fim de semana alternado. Mas enfim, a relação com a mãe começou a ser terrível, e claro, sobrou pra mim. Sempre ouvi pra não me meter, mas não tem como. Eu amo a menina, amo criança, faço tudo por ela. Eu já morava sozinha e tinha o quarto todo arrumado pra ela. Fato que a mãe usa o dinheiro praticamente todo com a casa e com ela (porque vive de madame, academia, massagem) e a menina tá sempre uma “mendiga”, roupas velhas, pequenas. Passou ano passado INTEIRO, inverno e verão com roupas pequenas. No fim do ano ele comprou várias roupas e descontou da pensão, pensem o barraco.

Noivamos e estamos morando junto. Mas essa situação toda me incomoda. Eles não se falam, agora a menina vem mandando recado da mãe (pra mim), me ofendeu falando do trabalho, vive só pedindo as coisas, tanto pra mim quanto pra ele, diz que a mãe não tem dinheiro. Sei que a criança não tem culpa, às vezes eu corrijo, finjo que não escuto. Já conversei com meu noivo, ele conversa com a criança. Fato que com ele ela é muito mimada, e ta ficando mal educada.

Meu noivo todo esse tempo paga pra não entrar numa briga, só que vejo que isso ta interferindo na nossa relação, mas principalmente na educação da criança. Mesmo a mãe não trabalhando, a menina passa o dia na frente da tv, já parece uma menina de 10 anos, precoce, só quer celular e séries de adolescentes, beijou meu sobrinho de 3 anos na boca. A verdade é que não estou conseguindo lidar.

Como ser uma boadrasta, como criar uma criança que não é minha e tem uma educação completamente diferente com a mãe, como não deixar a mãe da criança interferir na minha relação? Obrigada por todo esse carinho com suas leitoras. Que você continue sempre plena e bela! Beijos!

Só consigo sentir pela menina… que dó, que confusão que ela está, pensa como deve estar a cabeça dela!!! Não faço a mínima ideia de como te ajudar e aconselhar, sei zero sobre educação infantil, só acho que infelizmente um problema que não era para ser seu, agora é e tende a se agravar. Imagina essa menina adolescente?? E não por ela, mas pelo que a mãe está passando para ela. Enfim, leitoras, conto com vocês.

Chora 02 – Samsung

Oi Cony, sua linda. Acho que nem preciso dizer que sou super fã e não deixo de acessar o Futilish um dia se quer. Minha história é longa, mas tentarei resumir. Durante as férias de dezembro conheci um cara incrível, gente boa, bom de cama, e que me trata igual uma princesa. Topei um namoro a distância, mas sempre falando sobre os planos e há quem diga que coisa está indo rápida demais. Mas até aí tudo bem.

O problema Cony é que ele tem depressão e é bastante inseguro. O assunto nunca foi tabu nas nossas conversas e ele sempre deixou bem claro sobre a “tristeza que o ronda”. Nos momentos difíceis, como os dias ruins que ele tem, mesmo que sentindo o drama por WhatsApp ou ligação, eu repenso nosso relacionamento de quase três meses.

Metade de mim diz que sou forte para continuar e termos um futuro. Peso o fato que ele é tudo que sonhei, com todas as qualidades e sabemos que o mercado (alô solteiras) não está nada fácil, principalmente onde moro, que são 5 mulheres para um homem. Mas metade de mim diz que sou jovem, bonita, bem formada e que a carga é pesada demais para aguentar, podendo retomar minha vida que era super tranquila.

Sei que o assunto já foi tratado aqui, mas o relacionamento da leitora já era mais maduro, e o meu está no começo. Obrigada pelo espaço Cony.

Antes de mais nada, isso de falar que o mercado tá ruim, tá pros dois lados viu? Tem muita mulher querendo um cara bacana e também tem muito cara bacana procurando uma mulher legal. O negócio é não ficar procurando demais, não criar expectativas e estar bem consigo mesma que quando menos pensar, aparece alguém bacana. Quanto ao seu namoro, super recente, e com um depressivo, EU (falo 100% por mim) pularia fora o quanto antes. Ser solteira é bom sim, a gente aprende a se curtir mais e o melhor, APRENDER A ESCOLHER, e não ser escolhida. Eu não escolheria alguém com problemas para iniciar um relacionamento. Depressão é punk, conviver com depressivos é complicado, tem que ter MUITO amor, muita paciência e vocês, no inicio de um namoro e ainda por cima a distancia, acho complicado. Vocês podem ser ótimos amigos, você pode ajudar ele, mas acredito que se optar continuar esse namoro, você terá que saber lidar com o peso e as consequências que isso irá trazer. Você está preparada? É o que você sonhou? Vale a pena trocar sua vida super tranquila e pacífica por algo que todos os dias irá te provocar de alguma maneira???

Chora 03 – Apple

Oii Cony! Sou muito fã do seu trabalho, em especial, do chora.

Não me recordo de ter lido um chora com a mesma “aflição” que vou descrever, então vamos lá… Namoro há dois anos, tenho 29 anos e ele 37. Nesse tempo conheci as qualidades e defeitos do meu namorado…até aí normal, não sonho com um príncipe encantado inalcançável. Temos algumas brigas, mas por coisas ínfimas, no geral, ele sempre se esforça para me agradar, me respeita e nunca me deu motivos para desconfianças de qualquer espécie, sendo sempre muito sincero comigo.

O que começou a me incomodar foi uma tendência que percebi em meu namorado:  ele não sai da casa da família, mesmo tendo casa própria. O fato é que moramos um pouco distantes e só nos vemos no fim de semana, contudo, no meio de semana ele sai do trabalho e vai direto para casa dos pais praticamente todos os dias. Quando vou para a casa dele ( é mais cômodo, pois moro com meus pais) ele sempre arranja motivos pra passar na casa dos pais e eu vou junto. Falando sinceramente, me dou super bem com a família toda, meu sogros me adoram e vivem cobrando um casamento, me dou bem com todos sem exceção, então ir lá não é tão ruim, pois sempre sou muito bem tratada. O que me preocupa é que falamos em casamento e se este se concretizar, tenho medo que ele não desgrude, não saia da casa dos pais assim como o irmão dele. O irmão dele casou,  tem dois filhos, mas sai do trabalho, pega a família toda dele ( esposa e dois filhos) e vai pra casa dos pais, fazem todas as refeições lá as custas da minha sogra e as vezes passam o dia todo do fim de semana lá, só consumindo, sem exageros. Meu namorado já foi casado e contou que no seu antigo relacionamento a ex esposa o “proibia” de ir na casa dos pais, e reclamava  que ele passava lá todos os dias após o trabalho, mas ele disse que só fazia isso pq ela trabalhava até tarde. O fato é que já mostrei que tudo isso me incomoda, já falei na cara dele que ele não cortou o cordão umbilical, o que obviamente gerou uma briga. Ele fala que no momento isso não impacta em nada no nosso relacionamento e ele não deixa de ter razão, mas e se casarmos e ele continuar assim? Quem casa, quer casa, e não viver com os sogros ou sozinha pq o marido não sai da casa dos pais. Ainda que ele não faz o mínimo esforço para conviver com os meus pais.

Sei que família é sagrada e estou longe de me intrometer entre meu namorado e sua família. Mas não sei se é normal ter sua própria casa e ir todos os dias na casa dos pais. Agora preciso da sua ajuda e das leitoras. E agora, estou viajando? Não é hora pra pensar nisso? É hipocrisia, pois moro com meus pais e os vejo todos os dias? Ou devo me preocupar com essa atitude? Se sim, qual abordagem junto ao meu namorado?

Ah preguiça desse seu bofe viu? Sinceramente isso também iria me incomodar MUITO e teria a mesma preocupação que você: e depois de casar? Imagina, todo final de semana ir pra casa dos sogros, ou durante a semana, imagina repetir o hábito do irmão, pegar a família e ir pra lá… Ah nem, coisa mais chata! A gente quer ficar em casa com o marido, juntinho, um final de semana quietos no sofá vendo filme, pedindo delivery, não ficar na casa dos outros. Vez ou outra fazer essas visitas mas jamais todos os dias e todos os finais de semana. Que bacana que ele tem uma família legal, unida, mas pera lá ne… Depois que casar a família dele passa a ser você e não pode te obrigar a fazer parte do ritual deles. Agora pensa comigo, você acha que esse homem vai mudar? Um casamento dele já acabou e bem provável que por esse motivo, o que me leva a pensar que ou você engole esse sapoa e entra na loucura de visitar os pais dele todos os dias ou dá o grito de verdade e exige um posicionamento. Claro que vale tentar novas conversas “amigáveis” sobre o assunto, mas novamente, pensa o tanto que a ex esposa deve ter falado com ele, o tanto que você já falou e ele não mudou… Tá parecendo murro em ponta de faca, sinceramente, acho que ele não vai mudar não.

  • Choras ainda fechados, vamos acabar esta leva e aviso quando for receber mais tá?
Página 2 de 3612345Última »