Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
24 jun 2020, 99 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Mais uma quarta feira pra nossa quarentena. Ah já tô desistindo e querendo virar o ano LOGO! 2020, o ano que não existiu. Tão vendo porque sempre falo que ano par não presta?

Enfim, quais serão os casos de hoje?

Chora 01 – Marte

“Olá, Cony! Estou aqui para um chora diferente… bom, pelo menos não me recordo de ter visto esse tema. Eu morro de medo de dirigir!!! Sei que pode ser algo muito bobo perto de outros problemas, mas é algo que está me atrapalhando muito, fico triste. Tenho habilitação há 7 anos, no começo eu era super animada para dirigir, não tinha medo, muito pelo contrário. Mas fui deixando o hábito completamente de lado, principalmente depois dos aplicativos e hoje simplesmente criei uma trava. Não é medo de bater, é medo de simplesmente fazer o que deve ser feito para o carro andar, mesmo sabendo que praticando é que vou conseguir relembrar e pegar o jeito. E isso me atrapalha, pois dependo muito de carro, já venci tantos medos, mas dirigir se tornou um terror. Alguém mais já passou por isso? Como superou? Me ajudem! E obrigada por ceder esse espaço, você é muito amada pelas leitoras.”

Menina não sei como te ajudar, mas pensando que você já é habilitada, já sabe dirigir, acho que é só coisa de enfrentar o medo mesmo e pegar o carro e andar! Pede pra alguém ir com você pra algum lugar vazio, tipo esses condominios sem ninguém na rua, e pega o volante! Dirigir é tão automático que acho que rapidinho seu medo vai embora, mas não tem outra forma a não ser enfrentar esse medo. Ah, pode fazer sessões de hipnose também. Não sei porque, mas lembrei disso rsrs.

Chora 02 – Plutão

“Te acompanho há muitos anos e sempre leio os choras. Esse é meu primeiro relato, e acho que seu conselho pode ajudar mais leitoras com dificuldades e questões parecidas. Tenho 31 anos e meu namorado 35. Nos gostamos bastante e estamos planejando mudarmos para uma casa juntos nos próximos meses, pós pandemia. O ponto é que a mãe do meu namorado é totalmente dependente dele, tanto emocionalmente quanto financeiramente. Ela é nova, tem menos de 60 anos, tem uma saúde ótima porém nunca trabalhou, já fez uns bicos por ai mas sempre dependeu financeiramente de um homem, seu pai, seu ex marido e há 16 anos do seu filho, meu namorado. Essa relação deles é um tanto tóxica a meu ver tanto para ela, pois deve ser péssimo depender de uma pessoa até para comprar uma coca cola,  colocar o filho como centro do mundo, pedindo pinião dele a cada passo q da e não tendo nenhum projeto seu no dia a dia (serio Coni, fiquei la 3 dias fazendo home office e ela ficou os 3 dias inteiros vendo paper view do bbb), quanto para ele que carrega um peso enorme, faz tudo para a mae, comida, limpa a casa e a protege de tudo, sendo ele também emocionalmente muito dependente dela. Aqui eu faço um parênteses para vermos o que a pessoa aparenta ser e o que ela é na intimidade, até eu conhecer a família dele eu nao fazia ideia pois ele passa a impressão de ser muito independente e bem resolvido.Eu fico com muito medo disso, pois nao sei se teremos futuro se esse cenário continuar igual, óbvio que ele nao vai abandonar a mãe, mas cortar um pouco esse laço faria muito bem, nao quero ela se intrometendo na nossa vida intima, e eu acho que é papel dele fazer esse corte.  Estou um pouco traumatizada com esse assunto pois há uns 5 meses começamos a procurar apto e ao ver os preços caríssimos de sp ele ficou um pouco assustado pensando se conseguiria pagar a parte dele mantendo o apartamento e todas as contas da mae dele (o apto que eles moram hoje é proprio e dele, porém a mae dele ira continuar la e vamos procurar outro lugar só nosso para dividir), só que ele esperou só esse momento quando eu já tinha planejado sair da minha casa atual, avisando inclusive minha amiga que divido apto, para fazer esse calculo e me contar a real situação financeira dele, que nunca guardou nada de dinheiro, e o tamanho dos gastos que ele tem hoje incluindo os que têm com a mãe. Tivemos uma briga, ele diz entender que a relação deles não é saudável, mas fora ter tentado economizar nos últimos 3 meses nao vejo que ele está fazendo grande coisa, como procurar apoio psicologico e no meio dessa quarentena tá lá com a mãe dele ao invés de  me fazer cia. Eu sou muito independente, inclusive financeiramente, e essa relação deles eh meio difícil entender, me incomoda mto, imagino que tenha uma questão psicológica mto grande envolvida. Ja tentei racionalizar de todas as formas e eu queria nao me importar, tento me lembrar a todo momento o quanto o amo e o quanto ele é um bom namorado, mas tenho receio que no futuro se torne algo maior ainda. Será que estou exagerando? Muito obrigada Coni.

Vish minha filha, se fosse início de namoro eu já ia te falar pra sair dessa, mas agora é tarde demais. Gente, SEMPRE, MAS SEMPRE, analisem a relação dos bofes com as mães. Isso diz muita coisa, arrisco a dizer que diz TUDO. Se ele é grosseiro com a mãe, se trata mal, se é ausente, se é grudado demais, se é dependente, se é o “homem da casa”. Tudo isso é sinal pra gente já ficar atenta logo no início e não se enrolar depois. Eu acho que ela sempre vai estar presente na vida de vocês e isso ainda vai te aborrecer UM MONTE. Sim, porque se vocês casarem, você vai querer sua casa, suas coisas, as contas aumentam, os filhos, e ele sempre vai ter que estar cuidando da mãe em tudo, bem capaz dela ter ir que morar com vocês. Acho sim que ele que tem que resolver isso, e pelo jeito ele já sabe que tá enrolado né? Terapia nele e na mãe, mas se ela é totalmente dependente dele, financeiramente e emocionalmente, acho bem complicado um corte total. Põe na balança o tanto que você o ama e o tanto que ele é bom pra você com uma vida de dividir o marido com a sogra.

Chora 03 – Saturno

Oi, Cony e leitoras! Gostaria de compartilhar a minha noia. Bem, eu conheci a minha amiga no ensino médio e nos tornamos melhores amigas. Quando nos formamos, fomos morar juntas para fazer faculdade, mas eu acabei mudando pra outra cidade um ano depois. Enquanto dividíamos apartamento, eu comecei a namorar pela primeira vez e ela ficou com ciúmes, isso gerou os nossos primeiros conflitos e um ranço eterno que ela nutre pelo cara, o que se tornou recíproco. Enfim, eu continuei indo visitá-la, nós nos falávamos, claro que não era a mesma coisa, porém sempre soubemos que uma poderia contar com a outra.Ela sempre teve o sonho de casar e ser mãe o mais rápido possível e em 2017 se casou. Chamou eu e o meu namorado na época (não estamos mais juntos) para sermos padrinhos deles. Acontece que ele morava em outro estado e não conseguiu folga no trabalho. Eu que tive que dar a notícia e mesmo sendo pessoas diferentes, ela acabou ficando com raiva de mim. Ela me colocou como a última madrinha a entrar, depois daqueles padrinhos que claramente quem escolheu foram os pais do noivo. Fiquei num lugar que nem dava pra ver a cerimônia direito. kkkE aí veio a nova mudança: ela se tornou uma pessoa totalmente voltada pro casamento, que só gosta de sair com outros casais, não sei, como se fosse um “preconceito” com solteiros. Se aproximou mais das nossas colegas que nem gostava tanto, mas estavam casadas, e se afastou de mim. Nada disso foi aberto, por isso que eu to escrevendo pra vocês: é noia minha? Ou existem pessoas que fazem mesmo isso? Depois ela engravidou e mesmo morando na pqp eu fui lá conhecer a criança, coisa que nenhuma das nossas amigas fez. Eu tento me aproximar, puxo assunto, elogio ela, a família, o trabalho, mas ela não se conecta mais comigo. Eu não acredito que seja pelo peso de ser mãe, acho que ela se afasta de mim porque eu não tenho marido, nem filhos. Várias vezes eu me senti tratada como inferior. Inclusive aconteceu uma coisa estranha: ela seguia a atual do meu ex (com quem ele me traiu). Eles tiveram uma filha no mesmo tempo que minha amiga e acho que ela se identificou com a mulher. No dia dos pais minha amiga fez uma mensagem pro marido igual a que a mulher fez pro meu ex. Me sinto revoltada por ela preferir pessoas pelo que elas têm do que pelo que elas são.Eu to vendo coisa que não existe? Alguém já passou por isso? 

Tudo tem DOIS lado, e o terceiro, que é a verdade. Acho que nesse caso todo, nenhuma de vocês duas abriu o jogo de verdade pra outra pra conversar e tirar todas essas picuinhas a limpo. Ela deve pensar mil coisas de você da mesma maneira que você supõe um monte dela. Tem que conversar meu povo, abrir o jogo, isso, claro, se a amizade dela for realmente importante pra você. Se não for mais, deixa pra lá e cada uma vai viver sua vida. Mas em certo ponto eu até entendo ela, poxa seu ex não arrumou uma folguinha MESMO? Ou era o troco da birra que ele sentia por ela? E outra, ela realmente mudou de fase, tá casada, com filho, tem outros interesses, até aí normal… Acho que definitivamente, vocês tem que conversar abertamente e esclarecer tudo.

  • Chora ainda fechados meu povo! Em breve abro novamente.

Escreva seu Comentário

Quer que sua foto apareça nos comentários? Clique aqui
99 comentários em “Chora Que Eu Te Escuto!”
  1. Luiza24/06/20 • 18h59

    Como sempre, ótimas dicas e mensagens!
    Sobre a primeira: existem algumas aulas de direção pra quem tem medo aqui na minha região em SC e acredito que tbm tenha em outros estados, dá uma pesquisada nisso.
    E sobre a terceira: realmente isso acontece. Passei por isso com uma amiga, ela começou a namorar, dai casou e teve filho e se afastou das amigas solteiras. Acho que isso pode acontecer mesmo, meio que naturalmente… mas conversar é sempre um ótimo caminho!

  2. Taynara24/06/20 • 19h03

    Marte, vim correndo aqui pq desse assunto eu entendo hehehe como você eu tirei a habilitação e fiquei muitooo tempo sem dirigir (no meu caso, 5 anos) e fui ficando cada vez mais receosa. Meu marido tentou me ensinar mas a falta de paciência so fez piorar tudo. Então, investimos em uma auto escola para habilitados! Se puder gastar esse dinheiro, eu te digo que vai ser um investimento MUITO BOM! Após a pandemia (claro) procure referências de uma escola, encontre uma pessoa que vc se identifique (de preferência muuuuito paciente) e se joga. Eu fiz 10 aulas e deu pra eu perder o medo de pelo menos tentar… e aos poucos a gente vai criando mais e mais coragem e ficando cada vez mais “ousada” (sempre com muita responsabilidade ne hehe).
    O melhor é q é como carro de autoescola normal: com freio do lado do carona, o que da mais coragem.
    Caso nao tenha acesso, tenta achar alguém muuuito paciente que te conheça e goste muitooo de vc, va pra um estacionamento de mercado ou outro lugar beeeeem grande e sem movimento que de pra entrae com o carro e pede pra te ensinar .. e dps vai evoluindo pra rua… pede pra segurar o freio de mão se for te dar mais segurança.
    Fora isso, sei que ja ouviu muito pq tb ouvi, mais é pratica! Se eu consegui vc consegue! E é uma mao na roda!
    Muuuito boa sorte!

  3. Bela24/06/20 • 19h19

    Marte, aconteceu comigo !! Qndo tirei carteira, aos 20 anos, super empolgada pra dirigir…. Sem medo…. Mas… Minha mãe colocou medo em mim e não deixava eu dirigir o carro q EU tinha comprado !! Dizia q eu não tinha experiência e era perigoso. Resultado : fiquei c medo !! E ela ficou c o carro !! Aaaaanos depois, eu trabalhava longe de casa e pegava 2 ônibus e o carro parado na garagem. Resolvi perder o medo !! Comprei um pacote de aulas na auto escola, pra dirigir na rua. Pegar prática. E minha mãe só liberou o carro depois d falar c a instrutora !! Enfim… Desde então, perdi o medo e dirijo pra todo lado !! Bota o medo de lado e se supera !! A sensação de ir e vir qndo bem quer e não depender de ninguém é libertadora !! Boa sorte !!

  4. Mirella24/06/20 • 19h23

    Para o chora 1…
    Vivi isso e acredito que eu possa te ajudar..
    Tb tirei carta e já sai dirigindo no dia que a carta chegou!
    Com o passar dos meses comecei a ter algumas atitudes de evitar ir dirigindo pros locais, olhava o trânsito na janela e falava que ia a pé, pegava carona, arruma mil desculpas pra não ir de carro, e quando vi não estava mais dirigindo. Eu tinha medo, um medo, que como vc, não conseguia explicar exatamente do que.
    Fiquei quase 10 anos sem dirigir, mas era frustrada por isso, pegava táxi, ônibus, ia a pé, mas não conseguia pegar o carro, mesmo meus pais saindo comigo pra treinar, eu travava. Cheguei até pagar auto escola de novo pra treinar.
    Mas, o que me salvou foi uma profissional de psicologia que tem o trabalho específico de tirar o medo de dirigir. Sou eternamente grata a ela. Ela vai com vc no seu carro, nos lugares que você frequenta pra fazer os caminhos que irá utilizar no dia a dia, e ao mesmo tempo vai conversando, e quando você vê está dirigindo sozinha! Eu me emocionei quando depois do tratamento consegui ir sozinha no shopping comprar um presente! Depois disso comprei meu carro e faço tudo, nem lembro que um dia não dirigi. Parece bobeira, mas sei como vc se sente! Então, veja na sua cidade se não tem alguma profissional que realiza este trabalho!

  5. Z.24/06/20 • 19h30

    Podia ser eu escrevendo o chora 1. também tenho habilitação há anos mas morro de medo de dirigir e eu tenho vergonha disto…. Me dá pânico só de pensar em ter que pegar o carro. Pra quem não vive/sente isso, pode parecer tão ridículo mas é muito sério. Me trava de uma forma e no meu caso em específico, eu sinto q esse medo me prejudica em varias outras questões. Como imagina, amiga do chora 1, não tenho nenhuma palavra que possa te ajudar com isso, apenas um “ você não está só”. Aguardarei dicas aqui tb

  6. Priscilla24/06/20 • 19h32

    Me identifiquei demais com o Chora 01. Tenho carteira a 5 anos, e no início dirigia tb, mas aos poucos fui parando, na verdade sempre tive esse mesmo medo… hj só de falar minha mão começa a transpirar de nervoso. Acabo dependendo o tempo todo dos apps e do meu marido. Sei que preciso mudar isso o mais rápido possível. Minha mãe coincidentemente tb tinha medo, ela contratou na época uma pessoa que ajuda motoristas ja habilitados, pretendo fazer isso assim que tudo isso que estamos vivendo acabar.

  7. Giovanna24/06/20 • 19h33

    Moça do medo de dirigir, to aqui!!
    Também sempre tive medo, tenho carteira faz 5 anos e sempre fiquei entre indas e vindas. Já fui várias vezes pra psicologa mas até hoje o que mais me ajudou foi encarar o medo de frente. Comprei um carro automatico e pedi para o meu pai me ajudar. Ele é firme, me faz ir, me faz encarar meus medos. Vamos todas as semanas, de duas a tres vezes dirigir pela cidade. Ainda não peguei BR, mas sinto que quanto mais dirijo, mais fico boa e corajosa. O carro automático também ajuda muito.
    Boa sorte e não desista, vamos conseguir!

  8. Tatiana24/06/20 • 19h38

    Chora 01- quem sabe pagar umas aulas práticas na auto escola para pegar segurança. Acho melhor do que chamar um conhecido que pode não ter muita paciência e traumatizar ainda mais

    Chora 02- pela minha experiência te digo que não vai mudar. A mãe do meu marido tem saúde ótima, uma aposentaria de mais de 10 mil reais, tem tudo mas criou uma dependência do meu marido (que é o mais novo dos 3 filhos dela). Casamos há dois anos e no começo se ele não levasse comida pra ela, acho que ela ficaria sem comer. Com o tempo amenizou um pouco, mas ela sempre inventa alguma coisa só para ter a presença dele. Ela me trata super bem, mas mal convivemos pq eu não a suporto por tudo isso. Já brigamos muito, ele já brigou com ela inclusive mas não muda muito. Óbvio que eu não quero que ele vire as costas para a mãe, mas também que não chegue em casa sexta-feira as 9:30 da noite pq estava fazendo mercado pra ela. Conseguimos estabelecer alguns limites mas vivemos sempre nos altos e baixos por causa dela.

  9. Ana24/06/20 • 19h42

    Chora 1: Olá, sou psicóloga e ja fiz uma pós graduação em “psicologia do trânsito”. O seu caso é extremamente comum, principalmente em mulheres. E aconteceu comigo (casa de ferreiro, espeto de pau). Tirei carteira e fiquei 6 anos sem dirigir. Quando fiz a pós graduação fiz um estudo sobre o “medo de dirigir”, que funciona no cérebro como qualquer fobia. Acomete principalmente pessoas que não se permitem errar, não se dão bem com críticas e receio de decepcionar as pessoas. No trânsito, geralmente as pessoas estão estressadas, tornando o ambiente propício para xingamentos e outras demotrações de impaciência e mau humor. Eu tinha pavor quando buzinavam, quando o carro morria… era um terror. Até que resolvi contratar um instrutor para fazer o trajeto comigo, no meu carro, de casa ate o trabalho. Não consegui vencer totalmente o medo, mas me deu um suporte pra continuar sozinha depois de alguns dias. No começo foi bem difícil, mas não desisti. Hoje eu sei que não sou uma ótima motorista (rs), mas sou extremamente prudente. Tento fazer tudo direitinho pra evitar os desabafos e críticas dos sem educação. Ainda prefiro dirigir sozinha, com alguem do lado, reparando como dirijo, ainda fico um pouco nervosa. Já consigo ligar o rádio e cantar no trajeto (Yeiii!). rs. E quando dou alguma manota e alguem me xinga, consegui ligar tbm o “foda-se”. 😉

    • Lia29/06/20 • 09h30

      Coloca um adesivo keep calm recem habilitada ou coisa do tipo no carro, as pessoas tendem a ser mais pacientes sabendo que o motorista não tem muita prática

  10. Pat24/06/20 • 19h43

    Para a menina de Plutão: Eu passei exatamente A MESMA situação há 14 anos atrás quando me casei e posso dizer com categoria q se ele não cortar essa relação tóxica já (mas tipo, ontem) o casamento vai pro brejo, é só uma questão de tempo. E digo mais, quanto a questão financeira (de ele sustentar a mãe), abstraia se vc quiser ser feliz. O que mais vai incomodar não é isso, é ela se metendo na vida de vcs. E conforme o tempo vai passando, as coisas só pioram pq aí vem os filhos (leia-se netos…imagine). Então assim, me desculpe ser tão direta, mas honestamente, a única coisa q posso te dizer é … Run Forest!!!!Run!!!!

    • monica24/06/20 • 23h00

      E isso mesmo o que eu quero dizer. Va embora ja, ja.

  11. Susy24/06/20 • 20h03

    Para Plutão. Tenho uma tia e um primo que vivem situação parecida. (Senta que lá vem história) Ele é o único filho da minha tia e ela é viuva, então ele passou a ser o centro da vida dela, quando ele casou, minha tia entrou em depressão e resistiu muito a fazer tratamento, alegando que estava bem e nós estávamos vendo coisas onde não existia. Ele começou a fazer terapia por outro motivo, como ele e minha mãe se consideram irmãos e se apresentam assim à todos, o psicologo chamou minha mãe pra conversar e eu fui junto. Ele nos disse que meu primo e minha tia tem uma relação de dependência que não é saudável, no entanto, ele já havia conversado com minha tia e percebeu que devido a idade dela , todas as vivências e resistência a tratamento, a terapia pra ela traria poucos avanços e seriam bem lentos. A solução seria ele continuar a terapia com foco nisso e ir conseguindo aos poucos conviver de forma mais saudável. Creio que no caso de minha tia e meu primo, é mais fácil, pq ela tem renda, ela tem uma profissão e hoje é aposentada, então ela não depende financeiramente dele, só que nada mudou, simplesmente pq meu primo abandonou a terapia e nunca tentou colocar em prática um plano para uma convivência mais saudável. Então eu acho que vale seu noivo fazer terapia, deve ser muito difícil pra ele lidar com tudo isso. Pelo que você contou, parece que sua sogra acha que é total obrigação do seu noivo colocar ela no centro da vida dele. Aí vem a frase “mas é a mãe dele” ok, mas a gente tem que parar de romantizar relações que não são saudáveis, mesmo sendo com familiares próximos. Eu acho (mais uma vez) que seria bom uma conversa com ele, sem briga, uma conversa sincera, perguntando como ele se sente em relação à essa situação, o que ele pensa em fazer, se ele aceita ajuda, se ele aceita fazer terapia. E sugerir que ele converse com a mãe e explique que gostaria que ela olhasse o lado dele também, pq ele não tem como viver assim eternamente, ele tem a vida dele… Certamente o mais difícil é a questão financeira, se ela tivesse renda, ficaria infinitamente mais fácil… Eu estou torcendo por vocês, que o diálogo sincero seja seu aliado e que tudo dê certo!

  12. Mariany24/06/20 • 20h06

    Tive um relacionamento longo e no meio desse relacionamento, a mãe do meu ex se separou e ficou extremamente dependente emocionalmente dele. Queria sempre a presença e companhia dele, achava ruim dele sair comigo e não ficar com ela, íamos em alguns lugares juntos e ela só queria andar abraçada nele… não sei se foi a carência da separação e pelos os outros irmãos dele não se importar com ela… mas eu via realmente que aquela dependência iria ser muito difícil de ser cortada. Isso é muito complicado, as chances dela ir morar com vocês é Imensa. Igual cone falou, coloca na balança se vale ou não a pena.

  13. Carla24/06/20 • 20h09

    Eu também tinha medo de dirigir, muito mesmo! E uma falta de habilidade tremenda (falta de prática, na verdade). Isso me deixava muito mal comigo mesma, como se eu fosse menos independente, não combinava com a minha personalidade, me incomodava muito. Tentei várias vezes superar, mas a correria do dia a dia impedia que eu levasse adiante. Ano passado resolvi dar um basta, guardei o dinheiro pra comprar um carro e para fazer aulas especiais para pessoas habilitadas. Procurei uma escola séria e discreta, fiz muitas aulas e quando melhorei um pouquinho já comprei o carro. Posso te dizer que foi muito difícil, mas nada se compara à felicidade que sinto ao pegar meu carro pra ir onde eu bem entender. Minha instrutora me disse, na primeira aula, que em geral quem tem medo de dirigir são pessoas perfeccionistas, esse era meu caso, tinha muita vergonha das pessoas notarem que eu não sabia dirigir, do carro morrer e posso te garantir que só aprendi a dirigir errando e continuando, a consistência no treinamento foi essencial. Tinha pavor de pensar em entrar no meu condomínio pq é numa subida, pensava que os porteiros iam ver, que iam comentar, etc. Primeira vez que eu entrei o carro morreu, pneu cantou, foi uma vergonha, pedi pra instrutora trocar de lugar comigo! Nesse mesmo dia não desisti e entrei mais umas dez vezes no condomínio, acho que foi o dia que perdi a vergonha e aceitei que era assim mesmo. E uma última dica: aprendi a dirigir no carro manual, certinho, mas, no fim, comprei um automático, não me arrependo nem por 1 segundo, é a melhor coisa da vida, ajuda muito a dar segurança pra quem não tá acostumado a fazer tanta coisa ao mesmo tempo! Boa sorte, você vai conseguir!

  14. Rafaela24/06/20 • 20h10

    Caso 1:
    Sofro do mesmo medo, a diferença é que nunca tive coragem nem de tentar ligar o carro e pisar no acelerador. Meu marido me incentiva muito, mas morro de medo de não conseguir aprender, de não dirigir direito e fazer alguma bobagem no trânsito… Agora com a Covid-19 às vezes me sinto frustrada porque se tivesse habilitação, poderia sair sozinha e ser muito mais independente, mas como não tenho, estou dependendo do marido pra tudo.
    Meu conselho para a moça do caso é procurar um centro de treinamento para habilitadas e pagar algumas aulas até se re-acostumar com a direção.

    Caso 2:
    Apenas um conselho: corre que é cilada, Bino!
    Sai dessa enquanto é tempo, ou vai passar a vida tendo conflitos com o namorado/marido por causa das contas e das intromissões da sogra. Se em relações mãe x filho normais, já é comum a sogra se intrometer, imagina quando são dependentes emocionalmente um do outro?

    Caso 3:
    Infantilidade da sua amiga te deixar por último na fila dos padrinhos. Por outro lado, é comum ver mulheres que, depois de casadas e com filhos, acabam tendo laços de amizade mais fortes com mulheres na mesma situação, por questão de afinidade mesmo. Reforço o conselho da Cony, se a amizade vale a pena, chame pra conversar, mas se não vale, vida que segue.

  15. Jaque24/06/20 • 20h12

    1. Tem aquelas aulas “perca o medo de dirigir”, igual treinamento para tirar carteira de motorista. E vc estará seguro pq o professor tb tem freio, acelerador e o dominio do carro.
    2. Um TRIO ou nada! Vá morar na casa com eles ou desista, pq não tem terceira opção.
    Se eu amasse ele aceitaria a sogra como parte da casa e ela pode até ficar com as crianças qdo sairem ou irem pro trabalho.
    3. Essa amizade já se foi!
    O “cada um no seu grupo” é normal. Eu ainda amo amigas com vidas diferentes mas nós não nos conectamos mais e nem fazemos parte umas das vidas das outras.

    • Dani25/06/20 • 14h49

      Melhor resposta pra o chora 2 – o que não tem remédio, remediado está. Ou aceita o pacote completo ou cai fora… o que acontece é que, pela descrição, uma mulher independente e bem resolvida provavelmente não vai querer ir morar com a sogra. Pra aceitar essa situação teria que ser alguém bem tranquila, paz e amor, muito paciente e desapegada…rs

  16. Mariana24/06/20 • 20h17

    Chora 1 – te entendo, também tenho medo de dirigir. Tenho carta e cheguei até a dirigir sem problemas por um tempo, mas como você, parei e hoje em dia não pego o carro de jeito algum. Como a Cony falou, a única forma é treinando. Há alguns instrutores e auto escolas especializados em quem tem habilitação e não tem prática ou tem medo. Acho que esse tipo de ajuda pode ser muito boa para você. Minha tia trabalhava com isso e na época, me ajudou bastante, me passava mais confiança estar com alguém como ela ao meu lado.

  17. Jana24/06/20 • 20h17

    Chora 01: tem autoescola para habilitados!
    Verifique na sua cidade para fazer aula nesse tipo de auto escola, vai voltar a ter confiança
    Se não tiver, pague umas 2, 3 aulas pelo menos na auto escola normal.. seu medo de dirigir é comum.. explique que vc está travada e que deseja fazer umas aulas para retornar com a confiança.. na auto escola será mais fácil, com o instrutor.
    Depois vc pega o seu carro em períodos e locais menos movimentados, por exemplo domingo de manhã.. e vai retomando o hábito.

  18. Ana Paula24/06/20 • 20h21

    Chora 1:
    Passei por uma situação semelhante e indico muito o livro “Dirigir sem medo” da Cecilia Bellina. Com ele, descobri que eu nunca tinha tido medo de dirigir, mas sim que sou perfeccionista e não gosto de errar nada na frente dos outros. Por isso, ao perceber que eu não era muito boa assim que eu tirei a habilitação aos 18 anos (o que é normal ne? Ninguém é bom no começo), eu preferi ir parando de dirigir, ficando dependente dos outros e de aplicativos. Quanto mais o tempo passava, era pior.
    Depois de 10 anos, agora posso dizer que enfrentei o meu medo (de errar) e agora dirijo para todo lado!
    Seu medo pode ter várias origens, vale a pena pesquisar.

  19. Adriana Desotti24/06/20 • 20h28

    Chora1- Marte
    Eu passei por isso, mas SEMPRE tive medo… também era habilitada, mas fiquei muitos anos sem dirigir. O que fiz foi procurar uma empresa especializada, que tinha aulas práticas com instrutor suuuuuuperpaciente e sessões de terapia em grupo. Demorou alguns meses, mas consegui voltar a dirigir, sem medo e hoje(isso já faz muitos anos) vou pra qualquer lugar, tranquilamente. É um investimento na sua independência, vá em frente, vc consegue!

  20. Sarah24/06/20 • 20h42

    Marciana, minha amiga!!! Sou igualzinha!!! Tenho carteira há um tempão e não dirijo. Eu tremo só de pensar em dirigir, quando dirijo, saio do carro parecendo que apanhei, de tão tensa. Eu tenho horror a pegar um carro. A desculpa é de que eu não tenho noção de espaço (e não tenho mesmo) mas já me garantiram que é falta de prática, que isso é coisa que se aprende. O que eu acho que vai servir pra mim e pode te ajudar tbm é: auto escola de barbeiro, digo, auto escola para habilitados. Você vai com instrutor, fazendo pequenos caminhos, ganhando confiança e com carro da auto escola, com uma pessoa que faz isso o dia todo – pai e marido não dá certo. Até hoje não fiz isso embora ache que seria ótimo, às vezes penso que é uma auto sabotagem, fuga… Pq realmente prefiro não precisar dirigir, aí vou me adaptando com Uber, táxi, caminhadas. Mas procura alguém profissional pra te ajudar, primeiro em um carro adaptado e depois no seu (ou o que vc dirigiria), fazendo seus caminhos diários. (E Vou tentar seguir meus conselhos também hehehehe)

  21. Isabele24/06/20 • 20h44

    Oi Marte,
    eu tenho habilitação há 3 anos e não consigo dirigir. sempre fui muito animada e era meu sonho.
    até pensei em comprar um carro uma época mas acabei desistindo pq os gastos seriam altos demais para o meu salario que eu ganhava na época. enfim, depois que passei na prova, peguei o carro algumas vezes, sempre morrendo de medo, suando do começo ao fim e até hoje, faço de tudo pra me livrar de dirigir.
    nao consigo vencer esse medo, tenho muito medo mesmo. te entendo :/

    Vou ficar aqui acompanhando os comentários para ver se consigo ajuda rs

  22. Renata Castro24/06/20 • 20h46

    Adorei o nome das leitoras… amo astrologia!!

  23. nandi24/06/20 • 20h58

    Marte eu passei pela mesma coisa, procure ajuda especializada, eu fiz 12 aulas com uma psicóloga especializada nisso, eu tinha aula prática e sessão de terapia com ela. dirigir é maravilhoso, fora a sensação de liberdade e independência.
    sozinha eu não conseguiria, só de sentar no banco do motorista me dava pânico, tremilique, suadeira.. passou. vc vai conseguir, não desista!!!

  24. Natália24/06/20 • 21h03

    Menina, aula para habilitados!!! Procure em uma autoescola de confiança. Os instrutores são especialistas em motoristas com vários tipos de dificuldades. Verdadeiros psicólogos.

  25. Caroline24/06/20 • 21h14

    Chora 1 sei o que você passa, pois passeio por isso muitos anos. Eu tinha habilitação, e tbm travava, e não adiantava ngm sair comigo. Minha situação era muito difícil, pois trabalhava na rua, cansei de cancelar compromissos por ficar encharcada a cada chuva que eu pegava. Um belo dia procurei um instrutor para habilitados e fui fazer as aulas. Fui pegando confiança e saindo aos poucos, quando vi eu já ia para todo lugar, e dirigir mudou a minha vida! Hoje eu amo!

  26. Terra24/06/20 • 21h22

    Marte, querida! Seu problema é mais comum que você imagina! Mas não estou desmerecendo, pois já passei por isso e sei o quanto é aflitivo. No meu caso agravou a minha ansiedade a ponto de precisar fazer terapia (cognitivo comportamental) – o que me auxiliou expressivamente. Também recorri a um instrutor, como de auto-escola, só que particular, que acompanhou e deu aulas no meu carro, no trânsito, para eu rememorar os comandos e ficar mais segura. Funcionou muito bem, principalmente por ser um profissional, e não alguém com ligação emocional, o que aumentaria a pressão. O que posso lhe dizer é: não espere se sentir bem ou pronta para tentar. E entenda os erros como parte desse recomeço. Eles são parte do processo e isso não te define. No trânsito você será só mais um carro. Vai tentando. Nada vai superar a prática. Daqui a seis meses, um ano, você vai olhar para quando começou e o sentimento vai ser outro. Então, vai tentando!

  27. Lana24/06/20 • 21h22

    Chora 1: menina do céu, já vivi exatamente isso!!! Calma que tem salvação! Eu nunca fui muito boa na direção, até reprovei a primeira vez que fui tirar habilitação. Mesmo depois que passei fiquei muito travada, dirigia pouquíssimo e nesse meio tempo arrumei um namorado que tava sempre cmg, me buscava as vezes no trabalho, ia cmg no shopping, resolver outras coisas… enfim, acabei me acomodando e aí se passaram 7 anos de carteira e 0 de prática real. Até o dia que ele me traiu e me deu um pé na bunda! Isso foi final de 2016. Coloquei como uma das minhas metas pra 2017 que não iria depender de mais ninguém pra ir pra lugar nenhum. No começo do ano fui numa auto escola fazer umas aulas para habilitados. Só fiz 3 e o professor mandou eu sumir pq disse que eu já sabia dirigir perfeitamente kkkkkkk! Depois disso fiz a louca e me dei um carro de presente de aniversário. Isso fez toda a diferença pra mim, dirigir um carro MEU. Na minha cabeça, se desse algum problema, não teria que dar satisfação a ninguém. E assim eu meti a cara e perdi meu medo. A verdade é que a gente só aprende na prática mesmo, no dia a dia. Todo mundo passa por essa fase. No começo não é fácil, chegava até meio cansada no trabalho da tensão de dirigir. Fiz algumas besteiras no trânsito, passei algumas vergonhas, mas aos poucos peguei o jeito e hoje ligo meu som, coloco uma boa música e vou pra tudo quanto é lugar. Foi libertador. Você já sabe dirigir, só está sem prática. Pega o carro no fim de semana que é mais tranquilo e tenta fazer um percurso já conhecido. Faz isso algumas vezes com uma pessoa do lado, depois faz sozinha! As vezes sozinha a gente até rende mais por não se sentir pressionada por ter alguém do lado julgando. Garanto que em poucas semanas vc já vai estar craque igual piloto de fuga kkkkk! Bjs

  28. Lais24/06/20 • 21h24

    Chora 1 – seu caso está mais fácil do que parece para você. Hoje em dia existe em muitas auto escolas um serviço chamado “curso para habilitados”. Sim, são pessoas com medo, ou que ficaram com medo de dirigir pois não pegaram carro muito tempo, ou porque se acham ruim de roda, por exemplo. Escolha uma auto escola que tenha esse curso, os profissionais já sabem que você tem um trauma e ELES SAO PROFISSIONAIS, trabalham com isso.

    Não ouça seu pai, tio, cachorro, namorado. Vá direto no profissional.

    Outra dica, se tiver a opção escolha um professor da sua idade, ou do mesmo sexo, de modo que vocês tenham alguma afinidade para conversar durante as aulas. Ajuda, relaxa.

    Mel amor, vai dá certo. Confia!

    *Baseado em drama pessoal. Tirei minha carteira de primeira, dirigia por aí tranquilamente por 5 anos. Por 2 anos morei nos EUA estudando/trabalhando e dirigia mais de 3h por dia a trabalho, fiz várias roadtrips de cruzar o continente. Quando voltei para o Brasil passei 2 anos inteiros sem ter coragem de ligar o carro, minha perna tremia, meu braço suava, um terror. Aí decidir fazer aula na auto escola ao lado de casa: BASTOU TRES AULAS para me destravar. Hoje sou motorista praticante novamente hehehe, ainda com algum trauma de pegar estrada mas, creio que vou superar. Se bobear, pego algumas aulinhas para esse fim. Vide parenteses: moro em uma Minas gerais muito cheia de morros, aqui você precisar ser levem hard no volante para se virar. E eu me viro, viu.

    De novo, vai da certo! Te juro.

    Vai no supermercado, visitar sua mãe, depois no salão, e quando você assustar, já vai estar se virando também.

  29. Renata24/06/20 • 21h29

    Olá!! O pensamento da moça do chora 1 é idêntico ao meu! Tirei carteira fazem 10 anos e achava que dirigia super bem já no fim das minhas aulas..me sentia super segura. Poŕem depois que tirei a carteira eu dirigi apenas uma vez pois ñ tinha carro, sendo assim ñ praticava. Há uns 5 anos paguei umas 10 aulas para praticar porém o instrutor era tão grosso que acabei ficando com mais medo.. Penso em fazer umas aulas para condutor já habilitado.. As vezes eles podem ter uma didática diferente que pode ajudar a gente nesse caso..

  30. Mi24/06/20 • 21h31

    Sobre o medo de dirigir: tenho habilitação há mais de 15 anos, nunca tive coragem de comprar um carro. Morro de medo, mesma coisa. Para mim é algo que nunca vou conseguir fazer como todo mundo, me limita mas criei um bloqueio, sei lá. Também não sei o que fazer. Obs. Hipnose não rola comigo.

  31. Ana Karina24/06/20 • 21h59

    Oi, Marte! Sei exatamente o que você está passando.. tirei minha carteira com 18 anos, e só consegui dirigir mesmo 20 depois. Podia falar sobre as inúmeras tentativas, dos carros que comprei e não saíram da garagem, das aulas com instrutores, das sessões de terapia, das muitas vezes que amigos e familiares tentaram ajudar, mas falando do que realmente interessa, a solução pra mim foi: encontrar profissionais qualificados especificamente para tratar o medo de dirigir! Eles existem sim, sejam terapeutas e/ou instrutores, e com a ajuda especializada é infinitamente mais fácil, acredite! A abordagem deles é precisa, a terapia ajudou a entender que direção é prática, e que só treinando eu iria dirigir melhor, e que é assim pra todo mundo, abandonando meu medo de falhar a todo instante, que me paralisava, porém, o que fez a maior diferença para mim foi uma instrutora de direção especializada nisso, ela me ajudou a ganhar confiança, me fazendo repetir nas aulas muitas vezes o que teria que fazer sozinha, deu muitas dicas valiosas. O resultado foi que em um mês estava dirigindo sozinha, e um ano depois dirijo até em rodovias à noite! Outra coisa que fez muita diferença, foi comprar um carro automático, o medo do carro afogar ou de voltar na rampa se foi kkkkkkk

  32. Renata24/06/20 • 22h07

    Oi, Cony.
    Discordo completamente. Ano par presta SIM!!!! É o ano do meu nascimento.
    O que falar de 2001- Torres Gêmeas- 1929- Quebra da Bolsa de Valores de NY- 1939- Início da Segunda Guerra Mundial, entre muitos outros acontecimentos nefastos na história mundial?
    Acho que não se fala isso nem de brincadeira. O blog é seu mas isso é ofensivo.

    • Constanza24/06/20 • 22h51

      Hahahahaha eh ofensivo EU não gostar de ano par? PARA! Eh zoação né? Hahahahah criou a #SomosTodosAnoPar? Kkk gente as pessoas tão malucas. Mais um motivo pra eu não gostar de ano par então kkkk

      • Liene25/06/20 • 06h09

        Nossa.. passei uns 20 minutos olhando o fundo do meu crânio de tanto q meus olhos reviraram pra esse comentário.
        Tudo bem dizer q „ah.. eu até gosto de ano par“, mas daí a dizer q eh „ofensivo“ dizer n gosta de ano ímpar é uma graaaaaaande diferença. Me poupe.

        Ri muito da Hashtag proposta hahahhaa
        Só levando na brincadeira mesmo pra aguentar essa gente sem noção. Parabéns, Cony

        • Constanza25/06/20 • 09h13

          Lembrei do caso do suco de caju rsrs. Uma vez falei de não gosto de suco de caju e uma moça ficou revoltadíssima, q eu não poderia fazer isso c o caju. Dai criaram a #SomosTodosCaju de zoação kkkk. Povo é doido…

          • Thaís25/06/20 • 10h22

            Kkkkkkkk gente, q q é isso?! Só pode ser brinks da amiga ali. Onde q foi ofensivo? Hahahahah me poupe. E tbm DETESTO suco de caju, devo estar ofendendo um monte de pessoas por aí, imagine então as muita vezes em q me ofereceram e eu disse q não gostava… Vou pro inferno kkkkkkkk

          • Constanza25/06/20 • 21h06

            deve ser zoaçao mesmo rsrsr prefiro pensar nessa hipotese rsrsrs

          • Raquel25/06/20 • 11h47

            Meu Deus do céu. Qt mimimi. Não pode falar mais nada que alguém se revolta… Cony, quanta paciência você deve ter pra aguentar esses comentários! Força, guerreira!

          • Constanza25/06/20 • 21h05

            fala nada kkkkk

          • Desiree25/06/20 • 12h13

            Uma vez li em algum lugar” Daqui a pouco vamos ser proibidos de sorrir para não ofender os desdentados” desde de quando o mundo ficou tão chato? Que Loucura…

          • Constanza25/06/20 • 21h02

            bem isso, nossa quanta chatice.

          • bru25/06/20 • 14h03

            Meu Deoooosss…que povo mais charope. E daí que nasceu em ano par? Aff. Sobre o suco de caju: acredita que uma vez discutiram comigo por não gostar de mandioca salsa? Tipo: nossa, porque vc não gosta? Mereço? Da licença né? Faltando louça para lavar desse pesssoal.

          • Constanza25/06/20 • 21h00

            hhahahaahah acredito kkk

    • Vivi26/06/20 • 20h48

      HAHAHAHAHAHAHA eu ri alto aqui… a colocação é simplesmente absurda mas é engraçada demais! (espero do fundo de minha alma que seja piada) Eu nasci em ano ímpar mas sempre gostei de números pares. E aí?

  33. Luana24/06/20 • 22h11

    Chora 1 – Eu também tenho medo de dirigir! E não sei como sanar… vou acompanhar para saber dicas… tenho cnh há mais de 10 anos, ano passado fiz 30 aulas particulares para profissional habilitado… Na aula eu até fui bem, dirigi em vias movimentadas, mas com a certeza que o instrutor poderia tomar as rédeas caso desse algo errado. Porém, depois das aulas não tive coragem de tocar no carro, me dá pavor só de pensar. E não adianta pensar em ir em um local tranquilo, porque meu problema é o trânsito. Tenho medo do movimento, dos outros carros, caminhões, motos… fico desesperada só de pensar. Fico bem triste com isso, faz falta na minha vida! Moro longe do trabalho e dependo de carona. Queria ser independente. Cheguei a comprar um carro ano passado, para me encorajar, mas não dirigi ele nenhum dia depois das aulas. Acabei vendendo mês passado, porque só estava desvalorizando na garagem. Não sei mais o que fazer!

    • Claudia25/06/20 • 11h08

      Amiga, voce precisa de terapia… Vai mudar sua vida! bjs

  34. Poliana24/06/20 • 22h19

    Marte…
    Está te faltando segurança! Em algum lugar ou com a comodidade dos aplicativos de deslocamento vc a deixou? Tire o carro da garagem, dê uma voltinha no quarteirao… fazendo isso todos os dias e aos poucos aunente o trajeto indo na padaria. Não Tenha Medo! Você é Muito Capaz!

    • Magda24/06/20 • 23h41

      Chora 1: Eu também tenho habilitação já faz uns 7 anos e morro de medo de dirigir. Quando eu tirei a CNH

  35. monica24/06/20 • 22h51

    Ola Coni! Un consejo para pluton (plutao), que termine la relación. Si en 15 o 16 años la madre no hizo nada para mejorar su vida, no va a poder hacer nada ahora, y menos con esta crisis y a la edad de sesenta años. Yo terminaria ya la historia, después voy a tener mas bronca, si las cosas no cambian.
    Además el novio no fue sincero sobre su situación real (economía, madre, relación toxica con la madre). Para mi no hay intención real de mudarse y formar una relación seria. Si no ya habría hecho algo.
    Saludos desde argentina.

  36. Adriana24/06/20 • 23h02

    Chora 1: junta dinheiro e faz quantas aulas forem preciso de Auto escola para habilitados. Boa sorte!

    Chora 3: Moça, para agora de correr atrás dessa menina, de migalhas de amizade. Se valoriza. Amizades acabam. Já era. A vida e as pessoas mudam. Foca em novas amizades, em pessoas que te fazem bem, em pessoas que te colocam pra cima. Deixa essa menina e a vida dela pra lá. Já dá pra ver que ela não faz a menor questão de ser sua amiga. Pq vc então insiste nisso? Tá gastando sua energia a toa.
    Minha psicóloga me disse: valorize quem te valoriza.
    Eu sou casada e tenho algumas amigas solteiras. Não vou pra balada com elas mas faço questão de falar sempre por whats, sair almoçar, tomar um café. Estamos sempre em contato, mesmo que as vezes os programas sejam diferentes.

    Chora 2: Muito difícil sua situação. Vc faz terapia? Seu namorado precisa fazer terapia urgente, mas ele precisa querer e precisa também querer ser mais independente. Boa sorte!

    • Vanessa25/06/20 • 09h37

      Chora 3: Faço minhas as suas palavras, Adriana! Você escreveu exatamente o que eu ia escrever.

  37. Camila24/06/20 • 23h17

    Sobre medo de dirigir, posso contar meu depoimento.
    Criei um bloqueio desde que comecei a fazer aulas na auto escola. Foi com o mesmo instrutor que todos os meus irmãos, e eu não era lá assim muito talentosa, então o cara ficava me comparando “seu irmão não era assim”, “sua irmã fazia isso melhor” e acabei criando bloqueio, que se intensificou na prova prática, que eu bati no cone. Enfim, passei de terceira. Mas o medo já estava ali.
    Estava fazendo terapia na hora e a psicóloga me ajudou MUITO! Fiz até uma sessão com ela, dentro do carro: demos volta no quarteirão e tudo. E esse medo foi se dissipando…
    O meu sentimento é que quanto mais prática, mais acostumada vc fica. Agora, morando em SP, eu não dirijo, então fico de novo com receio de pegar no carro, mas acho que eh só colocar a mão no volante que ele vai embora.
    Muito do meu medo era “overthinking”, sabe? Pensar demais no assunto e nos bloqueios que minha cabeça criava.

    Então é isso, minha dica é terapia. Sério! E vai dar certo!!!!!!
    Tamos juntas

  38. Magda24/06/20 • 23h48

    Quando tirei a CNH eu não tinha carro, portanto não praticava, dois anos depois comprei o carro, mas não tenho coragem de dirigir. Me sinto um fracasso por causa disso, dependo do marido para me levar aos lugares que preciso e agora com uma bebê tá mais difícil ainda não dirigir.

  39. Vanessa25/06/20 • 09h10

    Chora 1: Existem auto-escolas que têm aulas específicas pra quem sabe mas tem medo de dirigir. Isso pode te ajudar a enfrentar mais facilmente. Quanto mais você adiar, mais difícil fica. Então, enfrente! Você vai ver que era algo muito mais simples de resolver do que você imaginava. Boníssima Sorte!

  40. Vanessa25/06/20 • 09h34

    Chora 2: Eu cairia fora pra ontem!! Boníssima sorte

  41. Tábata25/06/20 • 10h40

    Chora 01

    Eu tb tinha essa dificuldade enorme de dirigir, tirei a CNH logo que fiz 18 anos e só fui realmente dirigir com 31 anos, quando comprei meu próprio carro, mas não foi fácil. Quando tirei a carteira, o único carro disponível era do meu pai e tinha medo de fazer algo errado e ficar escutando por uma vida sobre isso, então optava por outro meio de transporte. O tempo foi passando e a ideia de dirigir começou a me deixar nervosa, inclusive meu pai começou a oferecer o carro dele e eu sempre falava que era mais rápido se ele me levasse. Eu não duvidava q soubesse dirigir, mas eu tinha medo que algo desse errado. Passei em um concurso e fui morar em outra cidade e comecei a fazer terapia, um dos assuntos tratados foi o medo de dirigir e foi ótimo falar sobre isso e tentar entender o pq do medo. Guardei dinheiro, comprei um carro automático e foi incrível. Por obvio o medo não passou totalmente, no inicio antes de sair de casa, eu montava um mapa mental de onde tinha q ir pra não pegar as estradas mais movimentadas, tb chegava antes nos lugares para ter certeza q ia conseguir estacionar. Hoje eu ainda não sou a melhor motorista, mas ta tudo bem, quanto mais eu ando com o carro, mais confiante e melhor motorista eu fico. Desejo muito que vc consiga diminuir o medo e encarar esse desafio, faça aulas como as gurias sugeriram, fale mais sobre isso com outras pessoas (lendo os comentários das demais leitoras percebi q não estava sozinha com esse medo e na época me sentia mega sozinha pq todo mundo entrava dentro do carro e simplesmente dirigia) e se puder compre um carro automático (menos pedal, menos chance de dar algo errado). Espero que dê tudo certo pra vc!

  42. Taina25/06/20 • 11h00

    Chora 3: Super concordo com a Cony, voces tem que conversar!
    Vou te ser sincera que lendo de fora, tudo me parece taaaaao pequeno para uma briga! Qual o problema da posicao que entrou no casamento? Ou que ela fez um texto tipo a outra? Eu acho que muitas mulheres fizeram textao, nao ‘e bem exclusividade!
    Mas enfim, eu sei que as vezes ‘e dificil colocar em palavras o que a gente sente, entao o melhor mesmo ‘e perguntar o que ela sente, conversar!
    Outra coisa, nao ‘e bem claro no seu texto, mas alem de ir visitar o bebe, voce se esforca para ser presente na vida dela mesmo? Eu hoje sou casada mas por anos eu era solteira com todas minhas melhores amigas casadas e eu saia em tres (eu, minha amiga e o marido), sempre me esforcei para ser amiga deles tambem, me interessar pela vida deles tambem…hoje nao tenho filho mas ligo para minha amiga que tem e pergunto do filho, etc etc. Amizade tambem ‘e esforco!
    No final do dia, a gente tem que saber pra quem vale a pena se esforcar!

  43. Claudia25/06/20 • 11h05

    Para o caso 1 do chora de hoje:
    Já tive essa mesma trava. Fiz autoescola para habilitados e foi A MELHOR escolha da minha vida, com 5 aulas já estava alegre e faceira dirigindo pela cidade.
    Procure na sua cidade (em POA fiz com o Lázaro da Fenix), eles são especialistas em te fazer perder o medo. Acho que hipnose deve ser usada para casos mais severos e já tive amiga que bateu o carro e deu PT nessas de ficar tentando dirigir sem ter autoconfiança. Espero ter ajudado!
    Bjs!

  44. JULIANA ALEXANDRE SANTANA25/06/20 • 11h10

    Marte, eu passei por isso. Tirei a carteira com 18 anos, e ia para todos os lugares. Até que, uns dois anos depois, em um estacionamento de supermercado, arranhei o carro de um senhor, e ele fez um escândalo na frente de todo mundo. Aquilo me bloqueou por anos, tirou a minha segurança, e passei a ter muito medo. Fiquei quase 10 anos sem dirigir, tinha taquicardia quando entrava no carro e segurava no volante.
    Quando nasceu minha segunda filha, meu pai me deu de presente um carro automático (eu e meu marido tínhamos um manual, que eu nem passava perto). Eu morava em um bairro super tranquilo, então comecei aos pouquinhos a fazer umas voltas, ir no supermercado, levar o bebê em algum lugar, enfim. E fui perdendo o medo. Hoje vou para qualquer lugar, não adoro dirigir, mas o medo não me bloqueia mais. Foi uma grande superação para mim, só quem passa por isso entende.
    Então, coragem, se eu consegui, todo mundo consegue rsrs. De repente umas aulas para habilitados também ajuda, tive outra amiga que passou por isso que fez as aulas, e ajudou muito.

  45. Claudia25/06/20 • 11h11

    aula com autoescola para habilitados… Vamos todas dirigir por aí! Foi libertador, espero que seja pra vc também.

  46. Mayara Borges25/06/20 • 11h12

    Quando vi este Chora no insta vim correndo deixar meu relato e confesso que me surpreendi com o tanto de mulheres que enfrentam o mesmo problema. Há ainda muito machismo por trás da direção que nos faz acreditar que mulheres tem mais dificuldade em dirigir ou dirigem pior. O meu maior medo sempre foi o carro manual, mas este ano fui trabalhar em um lugar mto longe e estava gastando 3 mil reais por mês com Uber. Resolvi vender meu carro manual que não usava e troquei em um automático. Enfrentei meu medo e não me deixei ficar pressionada pelos outros motoristas. Consegui superar esta dificuldade e hoje dirijo 50km todos os dias. Confiem em si mesmas! Procurem ajudar se precisarem e não desistam!!

  47. Raquel25/06/20 • 11h45

    Marte, eu tb tinha muito medo…. só depois de 10 anos de habilitação comecei a dirigir. Tinha que pegar BR pra ir trabalhar e chegava lá com a blusa úmida nas costas de tanto suar. Mas, enfrentei. Vai aos poucos, um dia de cada vez. Se mesmo assim achar que está difícil, tem umas auto escolas especializadas pra quem tem medo de dirigir. Procura na sua cidade. Deve ter tb. Boa sorte!

  48. Juliana25/06/20 • 11h54

    Chora1
    Existem várias escolas para habilitados. Eu mesma fiz uma aqui no RJ (Dirigindo bem), e tem uma escola específica para pessoas com traumas. Pra mim deu certinho, e comecei a dirigir aos 30 e não parei mais! Tenta isso!

    Chora2
    Homem assim é bem complicado. Acho que vai ser difícil vc não se estressar nessa relação. Só terapia e muita força de vontade mesmo. Boa sorte.

  49. Cintia25/06/20 • 12h02

    Chora 1: Eu te entendo! Mas não desiste, vá aos poucos e procure alguém fora do seu círculo para te dar apoio.
    Tirei a CNH de primeira sem problema algum, até a baliza foi super natural. O problema mesmo foi dirigir o carro do meu pai, um dia ele me levou num campo desses de várzea e demos umas voltas, praticamos baliza e no final estacionei o carro para ele assumir, desliguei tudo certinho. Lembro até hoje, ele começou gritar que quem mandou parar, que eu tinha que dar mais volta, menina liguei o carro e não sei o que foi, minha perna não respondia e não consegui tirar o pé do acelerador, bati o carro numa muda de palmeira. Ele desceu do carro fez um escândalo tão grande, disse que eu nunca ia dirigir, que deu PT, fez eu ir com ele no mecânico e lá falou mais um monte e eu morrendo de chorar, detalhe gastou uns 600 reais no para-choque e pintura, só isso!
    A partir daí eu disse que nunca mais ia pegar no carro dele e cumpri minha promessa ao máximo! Estou juntando dinheiro aos poucos de acordo com o que posso e só vou dirigir quando o carro for meu, daí ninguém vai falar do combustível, da embreagem, de arranhão.
    Vez ou outra pego o carro dele só para ter certeza que não esqueci nada, pego rodovia, vou no shopping mas mantenho minha promessa de não dirigir o carro dele, fora dessas vezes que pego para praticar deixo a carteira em casa, porque as vezes ele simplesmente parava o carro e jogava as chaves para eu assumir. Quem fala esquece mas quem escuta não!

  50. Desiree25/06/20 • 12h05

    Sobre o medo de dirigir. Eu tirei carteira e demorei um pouco p comprar um carro. Quando comprei me sentir meio insegura e paguei umas aulas com a autoescola. O professor não foi lá essas coisas, mas fiquei mas segura. As vezes com pessoas que nos conhecem não funcionam muito bem…

  51. Ana - Ex-medo de dirigir25/06/20 • 12h11

    Olá, meninas! Nunca comento, mas preciso comentar para o chora 1.
    Tirei carteira com 19 anos, na terceira tentativa.
    Fiquei 10 anos sem dirigir, nesse período fiz aula de medo de dirigir, q o Detran da minha cidade oferece. Uma sala lotada de mulheres, o lado bom foi q percebi q eu não estava sozinha e que não era doida. Hahah… Foi com uma psicóloga muito legal. Daí comecei a entender q o medo de dirigir vem de vários fatores, inclusive insegurança. (Não adiantou). Mas a psicóloga do Detran disse q muuuuitas mulheres voltam a dirigir com carro automático. (Fiquei com isso na cabeça).
    Depois comecei a terapia, por outras questões, e minha psicóloga disse q a minha ansiedade tb é responsável pelo meu medo de dirigir e tb minha insegurança e baixa autoestima.
    Daí há um ano trocamos de carro, e por um acaso foi um automático. Ainda não queria dirigir, mais meu marido me obrigou, obrigou mesmo, eu ficava com vontade de chorar.
    Íamos p lugares pertinhos, depois deixava ele nos lugares e depois buscava, tb pertos. E mesmo q eu conhecesse o lugar eu olhava no Google maps direitinho o caminho. Tenho medo de entrar na contramão kkkk…
    Meninas, é libertador!! Hj dirijo muito, amo dirigir sozinha. Recomendo demais! E tem carros automáticos antigos mais baratos, tipo 20 mil.
    Hj em dia já dirijo carro manual tb, pouco, mas dirijo, pq já tenho mais confiança.
    Se eu consegui, vcs TB conseguem. Sério!
    Resumindo: a terapia foi importante demais, hj tenho muita confiança em mim, boa autoestima p várias áreas da minha vida. E o carro automático.
    É isso!! Super resumi aqui, pq só quem vive isso sabe o tanto q é perturbador esse lance de medo de dirigir.
    Abraço! Vcs vão conseguir.

  52. Alessandra25/06/20 • 12h28

    CHORA 1

    Vc se deixou vencer pelo medo que todo mundo sente quando ta aprendendo a dirigir!
    Existe um desconforto, um medo, uma tremedeira, um suor fdp quando a gente ta aprendendo kkkkk mas com a prática ele passa. Pega alguém da sua confiança, leva pra um lugar tranquilo e pega o volante…aí a pessoa vai te orientando e vc pode errar a vontade…logo vc vai pegar o jeito!

    CHORA 2

    Problemão à vista, viu?!
    Espero que vc não case e nem faça filhos com esse cara, senão daqui um tempo vai enviar um chora reclamando da vida de casada não ter um pingo de paz, porque a sogra ta sempre em cima, o filho não corta os laços, atrapalha vcs, etc…
    A pessoa SEMPRE dá sinais de como vai ser mais adiante…cabe a vc decidir se quer isso pra sua vida ou não!

    CHORA 3

    Desapega dessa amiga, pelamor!!!
    Vcs duas parecem estar em vibes diferentes, em vidas diferentes e ela, pelo jeito, não faz muita questão de vc…pra que ficar atras??
    Pra que ficar apegada na amizade que tinha laaaa atras?? Já foi! Guarda o que for bom e vida que segue…não precisa virar inimiga, mas ficar tentando aproximação desse jeito e ela cheia de vacilos assim só vai te magoar!

  53. Angélica25/06/20 • 12h44

    oi Cony, eu super entendo seu desabafo da boca para fora, mas fique atenta às suas palavras.
    como assim um ano q não presta? poxa, vc tá saudável, empregada, sua família está bem e segura, tem uma casa para morar, pode se dar ao luxo de comprar “bobagens” para animar sua quarentena, compra delivery, tem tudo na mão!
    sério q é um ano que não presta? vc não tá conseguindo tirar nada de bom dele? eu eimmm encha esse coração de gratidão!

    • Constanza25/06/20 • 21h02

      luxo para comprar bobagens…. cara quanta gente amarga! pelamor, serio a quarentena ta fazendo mal! realmente, a situacao mundial ta otima pra eu agradecer ne, pelo menos tenho empatia e não fico esfregando minha “gratidao” por esse ano “maravilhoso”. ah por favor.

      • Elis25/06/20 • 22h41

        Eu não sei se isso é uma questão geracional (Y, Z e millennial) ou se é consequência da baixa educação doméstica e formal recebida ou mesmo decorrência da “proteção” de se teclar sem ser conhecido que a internet produz ou tudo isso reunido. Não se pode ter mais opinião própria, pensar e se manifestar de acordo com suas convicções e crenças. Temos que pensar e termos as mesmas posições sobre tudo?! Ora, agora se alguém manifesta uma posição sobre algo contrária a outra pessoa, esta se acha no direito de, como se estivesse com o dedo em riste na sua frente, escrever barbaridades a ponto de achar que pode determinar que ela não pense ou se manifeste mais dessa forma. A manifestação de pensamento ainda é livre, não concorda com a opinião do outro, traga argumentos e estabeleça uma discussão de ideias e princípios, mas não venha impor ou empurrar a força isso ao outro. Cony, você pode até ter um jeito mais ácido e direto ao se expressar sobre alguns temas, mas, sinceramente, não interpreto como ofensivo a alguém. Não sou assim, até gostaria de ser algumas vezes rsrsrs Só posso te desejar muito discernimento e paciência para lidar com isso. Bjs

        • Constanza26/06/20 • 00h02

          Obrigada! E é bem isso mesmo… vi uma charge esses dias… um cara dizia que gostava de maças, dai o outro perguntava o que ele tinha contra as peras, e ele disse, nada, so que prefiro maças, daí o cara das peras comecou a xingar ele, falar de odio e tals. e é EXATAMENTE ISSO o que estamos vivendo…

  54. Carla25/06/20 • 13h18

    Marte e meninas todas com medo de dirigir: façam aulas com instrutoras mulheres e especialistas no assunto. Esses detalhes pra mim fizeram toda diferença. Eu era MUITO travada e consegui.

  55. Iza25/06/20 • 13h49

    Marte, ja abordou essa trava na terapia? acho importante.

    Plutão. Primeiro, parabens por ter aberto as fincanças com o boy antes de morar junto. Vejo muita gente que enm se atina que morar junto tem que ter PLANEJAMENTO e organização financeira para dar certo. Segundo, tenha uma conversa honesta com ela, poe na ponta do lapis, quanto custa, qual estilo de vida, quanto cada um vai contribuir, e tracem um plano financeiro para morarem juntos. Um acesso de planejamento financeiro pode te ajudar com isso. Se quiser tenho indicação.
    E por ultimo, converse também sobre o relacionamento e pergunte para ele quais medidas ele quer tomar. Acho que eles precisam de terapia (os dois) mas ng obriga ng a nada né. se ele topar fazer esses planos com vc, acho que da certo sim.

    Saturno, achei que sua história começou com briguinha de terceira série que desenvolveu para vida adulta. Desculpa, mas é o que achei. Ta chateada com a amiga? chama ela para conversar, é isso que adultos fazem. Espero que a conversa resolva isso entre vocês.

  56. bru25/06/20 • 13h50

    Chora 3 – acho que não tem que conversar não. Ela já te mostrou de várias formas que vc está nessa amizade sozinha; e já faz tempo. Vc elogia, puxa assunto etc e não se conectam mais. A resposta está ai. Tem gente que é estranha mesmo. Talvez ela sempre foi assim, mas só agora vc percebeu. E essa questão de pessoas quererem ficar próximas de quem tem filho etc. Isso é muito verdade: eu não tenho filho e acho um porre bater papo com mãe de criança nova (porque só tem esse assunto). Acho que o repertório fica limitado. E para quem tem filho deve ser melhor conversar com quem tenha. Claro, que existem inúmeras exceções. Podem me julgar agora, rs.

  57. bru25/06/20 • 13h54

    Chora 2 – só consigo contribuir com esse caso dizendo que conheço alguns casos assim, e essa situação não muda. Ou a pessoa se acostuma com isso, ou se separa. A co-dependência entre eles sempre irá existir.

  58. Andréia25/06/20 • 14h13

    Chora 01 – EU TAMBÉM!!!! Eu tenho a carta há 10 anos mas tenho pânico de dirigir! Menina, já pensei até em fazer aulas para habilitados! Vou acompanhar os comentários e ver a opinião das meninas, pq estou na mesma situação que você viu!

  59. Renata25/06/20 • 15h10

    Para Marte do Chora 1:
    Também tenho medo de dirigir e quero compartilhar com vc minha vitória e minha recaída em combater esse medo.
    Tirei minha carteira com 19 anos, mas saí da autoescola bastante insegura, pois basicamente o que aprendemos lá só serve para passarmos na prova do Detran. Por isso, na primeira semana de carteira, meu pai fez questão de me fazer dar aquelas clássicas voltas no carro dele. O carro era automático e estranhei muito (ficava procurando a embreagem na hora de frear). Meu namorado da época sempre ia junto e ele nunca dava força para eu aprender, pelo contrário, por não ter carteira ainda devia sentir inveja e sempre me zoava ao volante. Já meu pai sempre se sentiu o Ayrton Senna e esse excesso de autoestima dele me fazia muito mal também.
    Um belo dia meu pai me ofereceu para ir pra faculdade com o carro. Resolvi ir. Eu estudava a noite e na saída acabei raspando o retrovisor em um ônibus que estava estacionado no ponto final que ficava dentro da faculdade, pintando o retrovisor de azul, que era a cor do ônibus. Meu pai demorou uns dias pra notar e perguntou se havia sido eu. Ele já tinha dirigido o carro depois do episódio e, me aproveitando disso, minha primeira reação foi negar. Vale dizer que sou aquela pessoa que nunca mente, mas meu pai é uma pessoa extremamente crítica e tão narcisista que fiquei muito envergonhada e com medo e, quando vi, já tinha negado. Ele ficou desconfiado, mas não deu muita bola e os dias se passaram. Depois desse episódio, meu medo cresceu e, como não precisava do carro naquela época, acabei parando de dirigir.
    Meu pai sempre me oferecia o carro, dizia que eu só perderia o medo fazendo. Nesse meio tempo terminei esse namoro e, no final da faculdade, com quase 22 anos já com outro namorado (hoje noivo), meu pai resolveu me presentear com um carro, já que meu namorado era de uma cidade a 35km de distância e minha mãe morava em outra cidade a 130km de distância. Meu namorado tentou me ajudar a dirigir depois de 3 anos sem pegar no carro, mas tinha ataques de pânico no volante, perna tremia, vergonha imensa, choro etc. E desde então ele assumiu a direção do carro que nessa época facilitava muito as nossas vidas.
    Eis que ele descobre a existência de uma Clínica especializada em pessoas com medo de dirigir, chamada Cecília Bellina. Ele ligou pra lá e me inscreveu para uma conversa (se deixasse por minha conta jamais teria ligado, pois o medo era tanto que adiava em enfrenta-lo). Fui, gostei da proposta e resolvi começar a fazer, na época estava com 23 anos. Mesmo meu pai podendo pagar essa terapia pra mim, resolvi pagar com meu dinheiro do estágio, pois a vergonha era tanta que não queria nem que ele soubesse que estava fazendo esse tratamento.
    O tratamento era 2 vezes na semana e consistia em 1 dia terapia em grupo com psicólogo, para trocarmos experiências com outros pacientes com o medo, e 1 dia de prática externa com o carro, com instrutores treinados para lidar com pessoas com medo.
    Eu era a mais nova do grupo, a segunda mais nova tinha 32. A imensa maioria eram mulheres na faixa de 45-60 anos. Todos admiravam o fato de eu ter procurado ajuda enquanto ainda era nova e isso me deixava feliz. Os instrutores diziam que nem parecia que eu tinha medo, pois eu conseguia cumprir as tarefas propostas numa boa (mas eu quase morria por dentro a cada aula de tanto nervoso que sentia). Começamos aprendendo em um estacionamento público as técnicas básicas, depois evoluímos para trajetos curtos, depois mais longos (incluindo rodovias movimentadas) e terminamos o tratamento dirigindo sozinhos e relatando semanalmente o cumprimento das metas.
    Na terapia em grupo, descobri que nosso medo de dirigir sempre tem um pano de fundo. Pode ser trauma por algum acidente sofrido enquanto carona ou motorista, perfeccionismo, medo de críticas…lá descobri que meu problema foi a criação extremamente crítica do meu pai, que sempre exigiu muito de mim em todas as áreas, não aceitava uma falha sem criticar incessantemente. Até que com o carro em si ele criticou super pouco, mas como tínhamos essa questão entre nós, minha válvula de escape foi ter pânico de dirigir, pois é naturalmente um ambiente que ouvimos muitas críticas de outros motoristas e buzinas no trânsito.
    Assim, descobri na terapia que meu medo era atrapalhar os outros no trânsito: morrer com o carro, pedir passagem, ter que parar o trânsito para estacionar. Meu medo era de incomodar e tinha muitaaa vergonha dos porteiros do condomínio e de qualquer um que me visse dirigindo. Nessa Clínica finalmente aprendi a dirigir e ter consciência de que eu sabia de fato as técnicas de dirigir e aprendi a domar meu medo. O segredo foi literalmente encarar e fazer. A psicóloga sempre repetia “faz, faz, apenas faz”. E, com toda essa assistência e consciência emocional e técnica, eu consegui finalmente dirigir por aí. Completei o tratamento e eles sempre avisaram: não fique muito tempo sem dirigir, pois a qualquer descuido o medo volta. Quem tem medo de dirigir, tem tendência a recaídas.
    Assim que saí da clínica, comecei a estudar pra concursos públicos e isso era algo que mexia muito com minha autoestima. Ver os anos passando e eu ficando mais velha a cada dia, me fez ficar com muito desconforto em ainda depender do meu pai sem trabalhar, apenas estudando pra concursos. Nesse ponto meu pai sempre entendeu, que concurso era difícil e demorava, mas as perguntas por resultados eram inevitáveis depois dos 2 primeiros anos. Foi nessa época que dirigir passou a ser algo que voltou a incomodar, era mais um elemento na minha rotina que trazia imenso desconforto juntamente com os estudos e provas. Assim, fui deixando meu namorado assumir cada vez mais a direção, embora ele sempre insistisse para eu dirigir, afinal o carro era meu e não dele, e eu sempre negava… o último dia que dirigi foi quando ele pediu para eu ir para a casa dele (era ele quem sempre vinha, de ônibus pq não tinha carro, enquanto eu ia bem menos pra cidade dele embora tivesse carro, por causa do medo) e ele falou: “vc não gosta de mim, se gostasse enfrentaria o seu medo e vinha”. Não sei como, mas essa frase me desconcertou, mexeu de tal maneira com meu emocional que no caminho tive que parar em um posto de gasolina para abastecer e não conseguia parar de tremer…os frentistas ficaram me olhando daquele jeito que eu odiava, dizendo que era melhor não dirigir naquele estado, mas eu inventei que tinha acabado de receber a notícia de uma doença na família e estava nervosa. Segui viagem, deu tudo certo no caminho, cheguei na casa dele, mas desde então nunca mais dirigi. E isso deve ter uns 3 anos…
    Ainda continuo com a questão do meu pai e concurso atrapalhando meu emocional e coloquei na minha cabeça que uma coisa está atrelada a outra, que eu preciso tratar minha autoestima de vez para resolver tanto essas outras questões como a do carro.
    Conclusão: recomendo fortemente o tratamento em clínicas especializadas para o medo de dirigir, pois é o que resolve! Veja se vc não tem outro medo envolvido com a questão do carro, como é meu caso…. O que a Clínica poderia fazer por mim ela fez, hoje para eu resolver meu medo de dirigir eu sei que deveria fazer uma terapia para lidar com a questão da criação extremamente crítica do meu pai e voltar para a clínica do carro para pegar novamente a confiança. Mas lá aprendi que o segredo é encarar, executar com todo esse suporte emocional e técnico para ser possível desenvolver a consciência de que vc tem tudo para dirigir com todo mundo!

  60. Mari25/06/20 • 16h48

    Marte – hoje dirijo tranquilamente, mas já tive uma enorme insegurança (acho que é porque minha irmã mais nova morreu atropelada quando eramos criança). Terapia ajuda muito. E vá praticando, aos poucos, não se preocupe com os estrassadinhos (eles sempre existirão), você consegue!
    Plutão – também tenho problemas com a minha, até pensei em mandar um chora! ehehe. Ela perdeu o marido em dezembro de câncer, o filho mais novo de acidente em janeiro. Ficaram ela, meu namorado e o irmão. Ela não gosta da namorada do outro filho, fez um barraco num jantar com a moça e desde então não quer ter contato com ela, nem que tenhamos (eu, particularmente, tenho uma boa relação com a concunhada), acabou afastando o outro filho. Fica me comparando com a outra nora pra desqualifica-la, antes da briga peguei umas falsidades dela com a moça… E em algumas situações já fiquei bem em dúvida se ela estava sendo falsa comigo… A conheço há alguns meses só, mas a impressão não esta boa. Eles tem um sítio, que é onde ficamos quando vamos pra cidade dele (perto daqui, uns 70 km), há meses ela não ia lá, tava bem abandonado, dei uma limpada boa (pra ficar habitável!), ela super me elogiou na frente da outra nora quando viu. Agora ela quer ir lá direto (fala inclusive em morar lá), quando ela sabe que vamos pra lá, ela vai la antes, limpa e fica dizendo que ELA limpou. Proibiu a namorada do outro filho de ir lá. Já disse pro meu namorado que ele tem que fazer uma casa pra ele no sítio
    E ainda tem a questão financeira, passou de uma renda de 14 mil reais pra 2,6 mil reais de pensão, o que dá pra viver é claro, quando se tem consciência da situação (o que não parece ser o caso…). Nunca trabalhou fora ou se preocupou em pagar contas, enfim, se virar. Hoje, por conta da pandemia, esta isolada em casa, então meu namorado que faz tudo. Tenho medo que isso vire regra… Tendo entender tudo o que ela passou e esta passando, mas também tenho medo de como serão as coisas no futuro…
    Saturno – praticamente todas as minhas amigas casaram e tiveram filhos, acabou mudando o foco é claro, mas a amizade continuou. Não acho que seja justificativa pra esse afastamento que você relatou. Eu chamaria pra conversar e esclarecer as coisas, e se a situação for irreconciliável, se afasta de vez e segue a vida.

  61. Carolina25/06/20 • 17h13

    Para o Chora 1.
    Também tive esta experiência de ser habilitada e ter medo de dirigir. Descobri com terapia que este medo estava relacionado com traumas de infância, vale checar a origem desde medo.
    O nascimento de minha filha foi o empurrão que precisava para enfim tomar coragem de pegar o carro e hoje dirijo pra todos os lugares e nem me lembro mais da época de pânico, parece que nunca existiu.
    Se tiver recursos, invista em um carro automático, ajuda muito no começo e te aconselho a tentar pegar o carro sozinha, sem medo de julgamentos ou buzinadas.
    Vai por mim, você consegue e a realização de superação é surreal.
    Abraços

  62. Márcia25/06/20 • 17h47

    Chora 1, vou te contar minha experiência. Tirei carteira, mas como não tinha carro e meu irmão era muito chato pra me emprestar o dele, acabou que minha CNH virou só uma identificação. Até que 6 anos depois comprei meu carro, só que todos os test drives e até pegar na concessionária quem fez foi meu namorado da época, pq eu não sabia nem engatar a primeira marcha. Mas aí comecei a pegar aulas com ele, fui evoluindo, mas tinha pânico de dirigir sem alguém de confiança do lado, o que me limitava muito. Lembro quantas vezes eu quis chorar de raiva pq acabava pegando mil ônibus e andando debaixo de sol de rachar pra chegar num lugar.
    Fiz aulas em auto escola para habilitados, o que ajudou demais. Fiz com meu namorado o percurso da minha casa pra dele mil vez só pra decorar todos os passos e poder refazer sozinha. Aí quando eu tinha que ir mais longe eu pensava “vou só até ali”, “agora vou até ali mais longe” e assim ia enganando minha mente. Mas o marco pra mim foi encarar o medo de frente. Terminei o namoro e se não vencesse o medo ia ficar em casa pra sempre kkk então fui “metendo a cara” e enfrentando o trânsito. Hoje tenho carro automático (ajuda muito com a preguiça) e dirijo pra onde quero numa boa.
    Te aconselho a procurar uma auto escola para habilitados, algumas têm até serviço com psicólogos. Aqui no DF o Detran oferece curso para pessoas com medo de dirigir, veja se na sua cidade também tem. E por último, encare de frente seu medo, pense no que te motiva a vencê-lo e vai. Dirigir traz muuuuita liberdade, não deixe isso passar.

  63. Mine25/06/20 • 18h44

    Caso 2: Situação muito difícil, mas se seu namorado tem consciência, chame-o para fazer terapia. Se esse problema não for resolvido/amenizado, é provável que você tenha dor de cabeça futura.
    Caso 3: super te entendo, mas deixa pra lá, não força. Às vezes na vida essas coisas acontecem mesmo, nem sempre tem um super motivo. Claro que as atitudes dela não foram legais, mas não fica remoendo essa amizade que já não é mais a mesma.

  64. Mine25/06/20 • 18h45

    Esse chora 1 me descreveu
    Vou aproveitar os conselhos também.

  65. Leticia25/06/20 • 18h56

    Para Plutão:

    Corre que é cilada, Bino!!

  66. Bruna25/06/20 • 19h47

    Chora 02
    Acho muito que vc vai ter que acabar morando com a sogra.
    Concordo 100% com a Cony: pesa na balança se vc vai suportar viver assim pra ficar com ele ou se é melhor terminar. Isso é muito pessoal.
    Eu tive um ex namorado que a avó (mãe do pai) foi morar com eles e isso destruiu a relação dos pais, que viviam separados dentro de casa.
    Mas no caso do meu namorado atual, a avó (mãe da mãe) ficou doente e morou 15 anos com eles e foi de boa.
    Uma amiga casou na Austrália e mora com os sogros até conseguir arrumar um cantinho pra morar e tb dá super certo!
    Eu confesso que não gostaria NUNCA.
    Mas vai do perfil das pessoas envolvidas tb.
    Fora que há momentos de necessidade né? Financeira, de saúde. Tem horas que não tem como.
    Enfim, veja o que vc acha
    As vezes morar por um tempo até conseguirem se mudar
    Mas o importante nessa relação e ter limites (e seu namorado é que tem que enfrentar a mãe e colocar)
    Beijos e boa sorte!

    Chora 03
    Concordo em partes com a Cony.
    Também acho que toda história tem dois lados.
    Eu acho mesmo que vc deveria conversar, mesmo não querendo mais a relação
    Eu não gosto de deixar coisas mal resolvidas. Seria bom tb vc sabe se fez algo, até para tentar consertar
    Entendo que pessoas casadas podem preferir se relacionar entre si, mas acho que não justifica se afastar de amizades de anos só pq a pessoa é solteira. Se a pessoa só te chama pra festa e não faz questão de vc, acaba acontecendo
    Mas uma amizade íntima de anos assim não justifica.
    Não acho que é só isso não.
    Sou a favor da conversa.

  67. Jaque25/06/20 • 22h49

    Chora 2: uma dica meio da zueira mas que pode ajudar: acha um namorado pra ela kkkkk. Uma tia viúva vivia no pé da filha, não moravam juntas mas ligava umas 3 vezes por dia, ia pra passear (moravam em cidades diferentes) e ficava 4 meses, e ainda metendo o bedelho na vida da filha e do genro. Pois arrumou um namorado e se tornou outra pessoa, acho que a dependência era um pouco de falta do que fazer e com quem fazer.

  68. Rafaela25/06/20 • 23h17

    Marte, eu me identifico muito contigo, tenho cnh há 8 anos e morro de medo de dirigir, criei um ranço, nunca goste, mas tem vezes que é necessário, mas mesmo assim, ainda não tenho coragem de sair por aí.

  69. Jane26/06/20 • 09h52

    chora 2: Ele não vai mudar. Ele é o “homem da casa” da mãe. Ele já tem uma relação de marido com ela. Quando digo relação de marido, me refiro ao fato dele ser o provedor de casa e protetor da mulher. Não se iluda! Esse laço não será cortado. E como a Cony disse, possivelmente a mãe dele irá morar com vocês. Se não no início em um futuro próximo. E não julgue tanto a mãe. Ela não conhece outra realidade. Como você mesmo disse “ela foi dependente do pai e depois do marido”. Não estou justificando a mãe, mas a mãe pertence a outra geração. Com certeza foi criada para ser dependente do homem. E o que você pode fazer? com a relação entre os dois? nada. Mas com a sua relação com eles, cabe a você decidir se quer um casamento/relacionamento duradouro com um homem que claramente não vai deixar a mãe. É você quem tem que decidir se quer manter esse relacionamento, e estando ciente de que a relação entre eles não irá mudar. Caso decida que quer, então estabeleça com seu marido/namorado os limites e as fronteiras no relacionamento entre vocês dois.
    Não se iluda achando que depois que forem morar juntos/casar as coisas vão mudar. Saiba exatamente em que tipo de relacionamento você está entrando e não jogue a culpa nele depois, caso algo não dê certo porque você fechou os olhos para a situação.

    • Thais28/06/20 • 02h58

      Que clareza de comentário!

  70. Alice26/06/20 • 11h20

    Para o chora 1: eu sempre tive medo de dirigir. Comprei um carro, e com muito medo encarava, sempre dirigi super bem por incrível que pareça apesar da segurança. Nunca bati ou arranhei kkkkk mas o medo era muito. Resultado, depois de um tempo vendi o carro. E não me arrependo nem um pouco, eu decidi que dirigir não é pra mim, não gosto, me deixa tensa, cuidar de carro e pagar as taxas também é um gasto que se vc avaliar bem vale mais a pena andar de Uber. Então pra mim é algo desnecessário, já dirigi, já tive meu carro e a minha experiência e decidi que não gosto de dirigir e tá tudo bem sabe.

    Para o chora 2: olha, família é algo complicado, se ele é apegado com a mãe talvez isso não mude, laços assim fortes são difíceis de serem desfeitos, e vai depender dele se ele realmente o que fazer ou não. Agora quanto a mãe dele assistir tv o dia todo, me desculpe mas o que vc tem a ver com isso? Cada um faz o que quer da vida… acho triste quem entra na casa dos outros pra ficar julgando.

    Chora 3: é nítido que se afastaram. As vida é feita de pequenos detalhes, e esses detalhes que podem ser picuinhas ou não, afastaram vcs duas. Ela está em outro momento da vida dela! Se vc tentou e tentou e vê que não dá certo, segue o baile. Forçar demais uma situação não resolve e as vezes só causa desconforto.

  71. Etiene26/06/20 • 12h24

    Passei por isso também! Fui casada durante 6 anos, mas juntando tudo, vivi com ele durante 15 anos. Meu ex-marido e concursado..
    Ele ainda tem o pai e a mãe. Os dois trabalham, mas são sustentados por ele e pelo irmão em tudo. Aluguel, água, luz e o restante das coisas que aparece e ela pede pra ele comprar/fazer. Não aguentei, pois não sobrava nada pra gente, não tive condições de comprar uma casa, um carro, pois ela tomava todo o dinheiro. Fez um ano que me separei e ele continua na mesma. Me culpava porque reclamava dessa situação. Cuidado, pois a tendência e piorar!

    • Bru26/06/20 • 16h34

      Como tem filho que faz o papel de pai e não percebe. E como não conseguem se posicionar e dar um basta. Freud explica…

  72. Vivi26/06/20 • 20h56

    Miga do chora 3: eu tive uma melhor amiga durante toda a infância e adolescência, mas depois que crescemos o relacionamento ficou mais ou menos igual ao seu com essa amiga. Em parte por ciúmes acumulado, um pouco de inveja (tipo uma competição velada) e um dia descobri que ela falou muito mal de mim e me afastei totalmente. Isso durou uns 2 anos e foi ótimo. Hoje em dia nos falamos com certa frequência, às vezes nos encontramos e é ótimo. Mas foi necessário esse distanciamento total (e uma conversa bem franca quando retomamos contato).
    Meu conselho é esse: parece que essa amizade não te faz bem atualmente. Então melhor se afastar. Se for amizade verdadeira com o tempo vocês se acertam. Se não for, é livramento.

  73. Nayara26/06/20 • 22h19

    Chora 1
    Marte, seu medo é mais comum do que imagina. Eu não dirigi por 5 anos e te entendo perfeitamente. Porém eu não tinha medo, só tinha esquecido do que fazer na hora de dirigir.
    O que me ajudou foi ter aulas para habilitados (nas autoescolas eles oferecem esse serviço).
    Hoje em dia vou pra qualquer canto, estaciono nas menores vagas! Conquistei minha independência quando comecei a dirigir

  74. Mariana Sabongi Alves Tomazelli29/06/20 • 12h05

    Posso falar sobre o chora e dirigir, eu tive esse medo..
    Ponto 1: De onde surgiu o medo, buscar a raiz do problema ? Terapia
    Ponto 2 : No meu caso especifico, quanto mais eu forcei, maior o medo ficou.
    Eu busquei aquelas escolas para habilitados, a minha tinha sessãoes de terapia em grupo e foi ótimo, paralelamente eu fz terapia por outros motivos e a confiança aumentou, fiz coisas na minha vida que deram confiança e assim foi.

  75. Isabela29/06/20 • 16h54

    Chora 01: Menina, isso é mais normal do que você imagina! Eu também me achava uma alien por ter pânico de dirigir (pânico mesmo, entrava no carro e até passava mal)…E já era habilitada também. Até que encontrei uma clínica para pessoas com medo de dirigir (não sei onde você mora, mas fiz aqui no RJ na Clínica Cecília Bellina).

    Não é barato, mas foi o melhor investimento que já fiz! Tive aulas práticas desde o basicão e sessões de terapia em grupo (no início achava que nem serviria, sou meio cética e nunca curti mt terapia, mas foi sensacional e muito importante para o meu desenvolvimento).
    Enfim, se tiver condições, tenta ver se tem algo semelhante na sua cidade!

  76. Carla01/07/20 • 17h41

    Oi Marte! Eu te compreendo..passei 5 anos habilitada morrendo de medo de dirigir. Tinha pavor só de pensar em sentar na frente do volante, obvio que me acomodei nesses 5 anos pois meu ex me levava em todo lugar. Mas tive uma amiga com o mesmo medo e uma incentivou a outra a fazer aula para habilitados, nao sei sua cidade mas acredito que muitas auto escolas devem ter. primeira aula foi suador puro, que nervoso! haha depois de 5 aulas ainda sentia que nao estava preparada, achava coisa demais para fazer, trocar marcha, olhar retrovisor, vixi! mas fui aos poucos até que me vi obrigada a ir trabalhar dirigindo e foi. não de ouvido as pessoas, meus irmaos me falavam que era preguiça minha, que nao existia medo. mas tudo passa, confie apenas em você. se precisar estou aqui ♥