Lifestyle
Decoração, Mi Casa Su Casa
28 abr 2019, 11 comentários

Tem Jeito Decor 48- O Painel da Edmeia

Olá Fufulenses, tão todas e todos deliciosos como sempre? Amém!

Eu tô vivin, para desespero de muitos. Esse post era para sair semana passada, mas eufui engolido pelo tempo e regurgitado em pleno feriadão de páscoa onde me encontrei viajando para a casa de vovó.

Lá ficamos em cativeiro sendo alimentados constantemente com requintes de calorias – ou seja – quando retornei, já era domingo quase 19h e estava em coma alimentar.

Impossível conseguir escrever alguma coisa.

A Edmeia deixou um comentário com uma dúvida, depois reforçou por email, então achei que valia um #TJD e solicitei mais material. Ela tem uma sala de visitas, onde sobrou apenas uma parede estreita entre duas portas de sacada para acomodar a TV, #vemkotio analisar tudo.

“Oi Lelo!

Coloquei esta msg pra vc lá no blog da Cony. Mas depois achei que talvez fosse melhor mandar no pessoal. Quem sabe eu dando maiores detalhes vc não me ajuda?

Ponha na sua pauta. Quem sabe não tiro alguma idéia.

Estou a procura de painéis ou racks para colocar na sala de estar que fica tb uma televisão. A minha parede é bem estreita comp 1.82,5cm alt 2,35 cm prof 63,5 até 74 cm

Vamos lá: minha TV fica na minha sala de estar, onde recebo minhas visitas.

Meu sofá é bege , minha mesa de centro é com tampo de vidro preto.

tenho um sofá de 3 lugares e um de 2 lugares

Gosto muito de madeira e de uma pitada de móvel antigo.

Minha sala de jantar e de visita ficam próximas. Moro em um apartamente com 40 anos de construção, daí acaba sendo mais espaçosa. Cada sala tem um tamanho de 4 m.

Gostaria tanto de dar uma aquecida nesta sala. Hj ela tá tão morninha!

Na minha mesa de centro nem tenho peça alguma. Fico esperando pra fazer este painel e dar uma repaginada na sala

Ela possui teto rebaixado em gesso com muitos pontos de luz. Apesar que se eu fosse fazer agora acho que não faria o rebaixamento desta forma. Muito rebuscado, mesmo sendo só as laterais do teto com gesso. Preferi não colocar gesso no centro do teto pq fiquei com medo de deixar o pé direito da sala baixo. 

Como pode ver faço bem intuitivamente! Mas tenho muita vontade de ter uma sala bonita!

Tenho um tapete daqueles altos, sinteticos, que nem sei se está usando. Minhas cortinas são de um tecido leve e fluiido branco

O meu chão é de tábua corrida, que amo! Gosto de coisas antiguinhas! hehehe. Acho que contam a historia da minha famíia, da criaçao dos meus filhos. Mas gosto tb de peças modernas.

Gostaria de um painel que eu pudesse guardar os meus álguns de fotos que são muiiitos.

Será que com todo estes detalhes vc consegue me ajudar?

desde já agradeço a atenção

um abraço,

Edmeia 

Menina, obrigado por me enviar as fotos e os vídeos também! Aliás eles ajudaram muito no que eu vou te propor.

Mas como diria Jack, iremos por partes.

Primeiro, que SONHO ter 8 metros de salas HEIN! É disso que eu falo. Gente, não aceitem esses micro apartamentos. Atualmente, para ter essa qualidade de vida é preciso procura os mais afastadinhos.

Eu adorei o seu gesso, não acho que tá pesado. Se um dia você quiser suavizar, tire apenas a moldura debaixo, que é algo simples de fazer e vai dar a sensação de que o ambiente é mais alto também. Não acho que valha a pena, mas se é algo que começe a deixar seu coração aflito, é tranquilo de alterar.

Estou encantado com seu lustre vintage, porém ele está gritando por um carinho. Vamos trocar essas lâmpadas “econômicas”?

Quatro lampadinhas, não precisa jogar elas fora, guarde para ir usando elas na lavanderia/sacada/depósito conforme for precisando, mas esse lustre merece um bulbo mais sofisticado algo assim:

Pode ser essa que o LED imita os filamentos de antigamente, ou aquela que o vidro é branquinho, mas invista em uma que seja de cor “natural” ou “branco quente” o problema é que essas lâmpadas bonitinhas não são lá muito fortes. Então talvez você precise aumentar a potência das que tem ao redor no gesso. Mas vale cada centavo esse investimento eu juro pela minha mãezinha. Se você for mudar, leve um modelo de cada para um vendedor de lâmpadas e diga o seguinte:

“Preciso de 4 lâmpadas tipo vela para o lustre, e X (não consegui contar quantas tem pelas fotos) lâmpadas dessa de embutir no gesso. No total preciso de 5500 lúmens para a sala de estar em temperatura de cor entre 2700K e 4000K”

Para entender melhor sobre essas “temperaturas de cor” leia o post de LED/Luz AQUI.

Eu acho legal levar um modelo de cada lâmpada que já está lá, para que eles cuidem do tipo de bocal e até o tamanho que você tem disponível para que a peça entre no spot de embutir.

Caso troque a sala de jantar junto, pro jantar a luz precisa ser um pouco mais forte, 6950 lúmens.

Caso você que está lendo aqui queira uma explicação melhor de como se define iluminação, conta pro titio nos comentários.

Eu já sei que vocês vão querer me matar, as fotos estão grandes, já alcancei 860 palavras e nem cheguei na dúvida real oficial. Desculpem-me.

Sofá tá legal, tapete tá bom, eu levaria essa planta grande para o lado da porta da sacada e colocaria uma luminária de coluna (de pé) entre os dois sofás.

Pode ser uma que jogue a luz para o teto, que distribua bem difusa por todos os lados ou até uma que direcione luz para onde você quiser. Um modelo assim, com madeira me agrada bastante:

Agora, algo um pouco mais complexo, é que no video eu vi que não temos lustre no jantar. Para resolver isso, vou te sugerir um plafon vintage, como esse:

O papel de parede que está colocado na sala de jantar é de um bom gosto ímpar, achei perfeita a sua escolha. Para dar um pouco mais de vida, eu colocaria uma outra planta alta do cantinho da sala, láááá no fundo de frente para a janela…

Antes do painel, um último toque, é a mesa de centro. Adoro que ela traz contraste de material e cor, e sobre ela tem uma peça maravilhosa desperdiçada na sua cristaleira, que eu gostaria que trouxesse para cima da mesa com um arranjo de flores.

Além deste vaso com flores, invista em 2 muranos pequenos, 1 ou 2 livros de arte ou até mesmo 1 ou 2 dos seus álbuns de fotografia.

Agora vamos pro real motivo dessa conversa: O painel merece um acabamento mais neutro porém elegante. Te indico usar linhas horizontais, para dar impressão de que o espaço é maior do que realmente é.

Como é necessário armazenar álbuns eu indico ter 2 ou 4 gavetões e 2 nichos para aparelhos. Encontrei uma referência praticamente perfeita na internet:

Como melhorar e adequar esse painel para sua sala: Colocar mais 2 gavetas embaixo e fechar as laterais dos nichos, ou até mesmo trabalhar em um grande nicho, que eu acho mais elegante. Não colocaria a prateleira de cima, pois teu gesso tem um detalhe lindo que merece ser admirado. Sobre cor e material, eu optaria por um MDF em uma cor clara, como o tom areia da Guarapes, ou uma laca fosca nesse tom neutro.

Viu porque meti o bedelho na sala toda? o painel táva fácil, mas tem várias pequenas coisinhas que farão o ambiente como um todo ser elevado.

Um último pitaco: vamos dar uma “escurecida” nas paredes atrás dos 2 sofás? um bege médio, como o Creme Escocês da Suvinil, ou se você gostar de cor, esse verdinho das portas da sacada ficariam maravilhosos nestas duas paredes.

E olha que levamos menos de 1300 palavras para resolver a sala toda. HAHAHA

Obrigado pelo carinho e pela paciência Fufus.

#Bença!

Lifestyle
Decoração, Mi Casa Su Casa
27 jan 2019, 21 comentários

Mi casa, su casa – Poltrona do Papai

NHAE leitoras and leitores! tutupom?

Esse post foi uma sugestão da Fany, leitora que me acompanha aqui desde o comecinho.

Obrigado por ler a gente! <3

Sei que no post anterior eu falei sobre encolher os espaços e desfazer-se de ambientes que não tem uso. E neste eu chego promovendo um móvel que nem todo mundo acha importante. Vejam bem, o Downsizing, não é meramente metragem, é cortar excessos inúteis. Se você tem e usa uma biblioteca, um escritório em casa, não é para mudar para um lugar onde você não tenha esse espaço. Desfaça-se do quarto extra que ninguém usa, ou da piscina que era só para as crianças… coisas que perderam o sentido.

E algo que para mim, tem sentido (mesmo não sendo pai) é uma “poltrona do papai” então #vemkotio falar disso:

Se você procurar esse termo no gúgôw, acabará encontrando uma infinidade de cadeiras demoníacas de feias que vão traumatizar seus olhos e a farão correr de braços abertos feito a noviça rebelde gritando: “Me leva Jesus!”

Então vamos manter a moral, os bons costumes e desmembrar essa busca de uma forma que a aquisição dessa peça não culmine em um provável e legitimado divórcio.

O grande trunfo destes assentos é que ele eleva as patinhas do usuário, trazendo um conforto “incomum” principalmente aos homens. Aí o que era horroroso, ainda consegue piorar:

Caso você tenha um espaço como um home theater, uma biblioteca ou no próprio dormitório, onde você possa colocar esse modelo, ele pode não ser tão desastroso. Contudo se o jeito é colocá-lo na sala, aí precisamos por a mão no coração e escolher um modelo esteticamente melhor. Nenhuma decoração que não seja uma ode aos anos 80 consegue ter essa coisa no meio e parecer legal. Dá até pra ouvir ao fundo: “Xu-xu-xu, xa-xa-xáááá, é um jeito novo de se dançar…”

Lembre-se o principal é que ela seja confortável, e para isso precisamos que – seja lá qual for sua opção – o modelo escolhido preencha 3 requisitos:

  1. Apoio de cabeça. Ninguém relaxa sem ter onde recostar o cabeção;
  2. Pés elevados. Deixar os pés levemente elevados faz com que a circulação flua melhor e o corpo descanse melhor. Não necessariamente esse apoio precisa estar integrado na peça principal;
  3. Tronco reclinado. Assim como os chulés para o alto o tronco delicadamente inclinado trazem conforto extra.

Facilitei? Acho que sim. Fiz uma seleção de modelos para mostrar aqui. E vou falar um pouco sobre eles.

Vou começar com os itens que seriam legais para quem quer usar essa poltrona na sala principal de casa.

Esse modelo, clássico, chic-vovô apesar de não ser muito alto, você pode escorregar o corpinho e apoiar a cabeça também, permite ter uma peça de conforto e bonita em qualquer sala. Pode despirocar no tecido e fazer ela combinar com basicamente qualquer sala de estar. O pufe também pode servir como assento extra em dias de confraternização e até ser um modelo que esconde um bauzinho, onde eu guardaria aquela mantinha gostosa para me cobrir no inverno.

Agora umas peças contemporâneas:

A principal característica dessa “contemporaneidade” são as linhas mais limpas, retiramos aqueles calombos todos das opções mais comuns no mercado. De novo, elas permitem ser estofadas em vários tecidos diferentes e se adaptar ao estilo que você preferir.

Alguns designs consagrados também podem ser usados com essa finalidade, como a Eames Chair:

Desde que esse desenho caiu em domínio público, surgiram peças com valores atrativos, mas os originais seguem custando muito dinheiro. Apenas, por favor, não cometam o sacrilégio de usar as versões Frankenstein desses produtos. Eu vejo arquitetos colocando esse modelo de cadeira para uso em mesa de trabalho. Para isso, colocaram rodinhas na poltrona, estreitaram a largura, ergueram a altura do assento – que era para relaxar, não para alcançar a mesa – olha, a sorte é que eu não sou ninguém na fila do pão, porque se eu tivesse alguma voz no mundo da arquitetura e design, eu revogava os registros profissionais e fechava as fábricas que tivessem produzindo essas monstruosidades. Se você tiver estômago forte poder vislumbrar essa desgraça clicando AQUI.

Um ponto a levar em consideração é que pessoas altas podem ficar com a cabeça pendurada nesse modelo, e aí não seria tão relaxante usar uma dessa. Entretanto sempre vale o truque de dar uma escorregada para baixo e apoiar o cabeção.

Peças únicas, porque nem todo mundo quer ter a poltrona separada do pufe:

Essa chaise em couro acima é uma releitura da “La Chaise” que (adivinhem) também é um desenho de Charles e Ray Eames e acaba de amolecer meu coração. Meu coração já batia feliz ao ver a original, que sempre esteve na minha lista de desejos:

Outra opção, que inclusive é um clássico de Le Corbusier, é a Chaise LC4 lançada em 1928 e que tem um desenho que segue as curvas dos corpos ergonomicamente deixando a gente em estado de pura paz:

Eu tive o prazer de experimentar uma original dessas e eu juro pela minha mãe: Tem camas que não são tão convidativas e confortáveis quanto essa chaise. Também é um design que já caiu em domínio público então não é necessário desembolsar 35 ou 40 mil reais pela original. É possível encontrar boas opções na faixa de 3 mil tirinhos. A única coisa que eu vou pedir aqui: Se for comprar uma dessas, ou é couro de verdade, ou é tecido, combinado? Nada de plástico imitando couro.

No mercado Brasileiro, uma marca se destaca e eu não deveria divulgá-la aqui porque ela não nos paga.  Porém é impossível falar desse assunto sem comentar sobre a Re-Vive, da italianíssima Natuzzi.

Sim, é a mesma lá de cima, com a mocinha ilustrando o reclinamento do produto. Ainda que seja uma das melhores poltronas onde esse meu bumbum celulitoso já foi recostado, ainda que o couro seja dos deuses e que ele não requeira nenhum tipo de manutenção eu não vejo o motivo dessa peça ultrapassar o valor de R$ 20.000,00.

Então estamos exibindo ela aqui sim, porque existe pessoas com poder aquisitivo para comprá-las, amém, me contratem, MAS ela está fora da realidade da maior parcela da população mundial. Um cliente meu comprou em troca de showrrom, com 60% OFF e aí até que ficou razoável. Aproveitando, vamos rir das propagandas insolentes desse produto:

Contem pra mim: Seu homi chega em casa cansado do trabalho e se joga assim na-tu-ral-men-te na cadeira com a camisa e o blaser impecavelmente passados? E com o sapato assim estéril de tão limpo?

Não se preocupe, a produção de marketing da Natuzzi pode aprimorar as definições de confoto e espontaneidade para propagandas:

Quem nunca tirou uma soneca e cabeça para baixo, né gente? Batman que o diga.

Seguimos que o post tá longo.

Tem poucas coisas que eu posso ser exibido, então gostaria de pedir licença para a Fufulândia, porque eu tenho uma cadeira de papito, e não adianta:

NÃO TEM NO BRASIL MENINAS! HAHAHAHAHHAHAH

É uma Setu Lounge Chair, da Herman Miller. Aproveitand0, caso more fora do país, ou queira importar um móvel desses, eu sugiro buscar como “lounge chair with ottoman”

Ela é super clean, tem um sistema de reclinamento insspirado nas vertebras humanas, produzida com material reciclado e 98% reciclável, levíssima graças ao estofamento em tela tensionada. Outro pró da tela é que ela ventila super bem então em regiões quentes é super agradável passar muito tempo sobre a coitadinha. É um produto que tem valor elevado, porém de grande durabilidade, só de garantia estamos falando de 12 anos. E que eu só pude adquirir pois trabalhei com o importador direto no Paraguai e aproveitei a oportunidade de pagar muito, muito, muito menos até do que o preço que ela é divulgada hoje em dia em sites americanos.
Agora quero mostrar umas opções motorizadas, que fazem massagem mas que eu indico para quem tem um segundo ambiente para colocar uma peça dessas.

Somos matéria e perecemos, então vai que no futuro, ou mesmo atualmente, alguém da sua família precisa se algum tipo de estímulo. Ou então algum atleta, são muitas as possibilidades de se precisar recorrer a um assento que te estimule. As cadeiras com massageadores poder ser até indicações de ortopedistas e elas foram criadas como evolução da cadeira do papai:

Só queria que eles se preocupassem também com a estética desses produtos. Ajuda a gente vai!

Obrigado por quem acompanhou esse post imenso! E desculpe também por tomar tanto tempo, mas vejam que eu divaguei o mínimo possível.

Comentem o que vocês acharam.

#Bença!

Lifestyle
Decoração, Mi Casa Su Casa
09 dez 2018, 31 comentários

Mi casa, su casa – Um robô!

Fufulenses! Tudo certo com ustedes?

Eu queria ter escrito essa matéria semana passada, mas eu escravizei o robô para poder falar direitinho com vocês.

Quando falei da casa inteligente AQUI, o item de maior atenção foi a seleção de robôs de limpeza, claramente nós deTerra Brasilis  somos asseados, isso nunca foi segredo para o mundo.

Aí a Black Friday tava chegando, e eu sempre me preparo para ter limite disponível nessa data então caiu no meu colo uma promoção para um destes pequenos notáveis e eu resolvi arriscar.

Me joquei no Google, no Youtube e pelas resenhas que li, o importante MESMO era a potência.

Os mais poderosos estão na faixa de 30 até 35 Watts.

Depois, o importante é uma bateria de boa duração, pelo menos 60 minutos.

E terceiro, um mapeamento inteligente e o retorno automático para a Base, assim o aparelho se mantém preparado para qualquer emergência.

Nas pesquisas encontrei as mais variadas marcas e no Mercado Livre achei um interessante, com uma boa potência, Bateria legal e Retorno para a base.

A marca é Quanta e acredito que muitos nunca devem ter ouvido falar, porém aqui na região ela é muito conhecida, pois é popular aqui do ladinho, em Ciudad Del Este.

Após cinco dias e a corriqueira guerra com os Correios, recebi o Robin. Sim ele ganhou um nome de coadjuvante de super herói.

O vídeo usado pelo vendedor do ML, foi esse:

É uma loja tradicional aqui de CDE, então eu acredito que tenha comprado de um revendedor deles no Brasil, claro que eu conferi antes e estava 30 reais mais barato comprar no site, e não diretamente no Paraguay, sem mencionar a facilidade de pagamento parcelado e a garantia de 3 meses que o código de consumidor do Brasil nos garante.

Ele tem controle remoto, 2 vassourinhas giratórias e tem um apetrecho para passar pano seco.

Infelizmente, já me lasquei logo de entrada: O Robin não volta para a base. Na verdade ele nem tem uma base, é um carregador tipo de celular, que tenho que encaixar na lateral dele.

Ainda que a produção do vídeo dê uma informação errada, e o vendedor de quem eu comprei não tenha participação, havia a pergunta na página dele a resposta era: “Sim, ele volta sozinho para a base.”

Quando questionei a pessoa simplesmente respondeu que esse modelo não voltava sozinho para base, se eu gostaria de devolver o produto. Acabei optando por mantê-lo mesmo ele sendo meio bocó.

Durante a primeira semana, largamos ele meio que sem muita atenção apenas para rodar por aí. No domingo que eu estava sozinho em casa aproveitei e fiz um belo teste:

Ergui tudo que era possível, isolei os locais que eu não queria que ele fosse (cozinha, sacada e baheiros) carreguei ele total e soltei ele pela casa.

Foram 75 minutos de muitas cabeçadas  pelas paredes e portas. Quando acabou, não sei quem precisava mais de uma Neosaldina, ele ou eu. Especialmente quando ele batia nas portas fechadas do banheiro era um barulhão.

Ele assassinou uma folha da minha mini pata de elefante (eu tinha erguido também, provavelment o vento derrubou).  Não que ela seja muito mini, essa folha tinha praticamente um metro. Cresceu bastante desde quando eu mostrei ela aqui no Futilish.

Quando ele se enroscou na folha começou a apitar e eu fui acodir a criança, sem saber o que tinha acontecido. Mas foi bem eficiente esse aviso. Outro momento que ele pediu socorro foi ao prender a roda na porta da sacada. Sinceramente, acho que ele quer fugir daqui, porque durante a semana ele saiu para a sacada e, obviamente, não conseguiu voltar por causa do desnível.

De tudo, a única coisa que me incomoda um pouquinho é ele não voltar sozinho para a base.  Ao mesmo tempo eu sei do fundo do meu coração que eu não acionaria ele e deixaria sem assisência, então é uma função meio boba, pensando que eu sempre estarei por aqui ao utilizá-lo.

O que importa é focar no bem e estou totalmente satisfeito com a potência, o nível de barulho, o reservatório e a durabilidade da bateria. Para uma limpeza depois de dois dias esse foi o resultado:

E olha, juro para vocês que a casa estava tinindo de limpa! Realmente é muito eficiente. Não vou indicar o vendedor por motivos claros – mentiu e não me ofereceu nenhuma vantagem quando eu questionei que o produto dele não era o que ele havia prometido.

Tenho um casal de amigos que fez resenha de um Robô de limpeza na mesma faixa de preços, inclusive eu já gravei com eles AQUI, testando uns produtos de cozinha comprados no Paraguay… mas olha… só vale pelas risadas mesmo.

A resenha dos Robôs de limpeza deles é essa:

Se valeu a pena? Sim! Se eu compraria de novo? Acho que só depois que o Robin morrer. Por enquanto ele vai ser abusado com frequência.

Qualquer dúvida, deixa nos comentários pro Titio.

Não esqueça de seguir a patroa mais maravilhenta do hemisfério sul no IG: @futilish eu apareço pouco por lá, mas se quiser tentar a sorte, é @TioLeloFoz

#Bença!