14
Jan 2018
Mi casa, su casa – A loura do Banheiro! Parte 1
Decoração, Mi Casa Su Casa

Fufulândia!

Alguém mais lembra dessa lenda urbana da década de 90?

Me acuerdo que geral tinha medo da tal loura. Enfim, #velhidades.

Quero começar o ano pagando os débitos, então vamos falar de… Banheiro da mãe.

CRENDEUSPAI!

Eu vivo de obra e sempre que fazemos uma reforma onde a pessoa vai continuar morando no local avisamos que é sofrido. E o motivo é simples:

Como vocês leram aqui: http://www.futilish.com/2017/08/mi-casa-su-casa-quanto-tempo-dura/

O revestimento do WC de minha mãe cometeu suicídio e se jogou da parede.

E eu comecei uma saga para reformá-lo às pressas e sem dinheiro.

Porque nóy que é assalariado, não temos um fundo de emergência. Aqueles ideais 6 meses de custo de vida guardadinhos numa aplicação rendendo para nos salvar quando algo inesperado acontecer na minha vida, não existem.

Então o que eu queria, gastar no máximo R$ 1.500,00 dinheiros em mão de obra, porque o resto a gente compra no roxinho e parcela. O foco era não gastar mais de R$ 5.000,00 …

Iniciei com os orçamentos  de mão de obra, umas indicações de conhecidos e talz.

Primeiro orçamento: R$ 2.500,00

Segundo orçamento: R$ 2.300,00

Dae bateu as palpitação né. Já posteguei as ideias, porque eu ia precisar juntar mais rúpias para poder pagar a mão de obra.

AÍ que mamys surgiu com a indicação do meu tio, de um desses moço que faz tudo, que estava terminando um trabalho de pintura na casa dele.

Pedi pro rapaz vir pra conversar e joguei aquele papo: ” Depois, quando eu terminar de pagar esse, quero fazer o outro também, então  capricha no precinho…”

Foi quando ele disse: “Vamos fazer os dois então, aí eu te faço um preço melhor.”

Huuuuuum… Brasileiro que sou, já pedi quanto custaria um, e quanto custaria dois.

“Se o senhor fizer dois, eu faço por R$ 1.000,00 se quiser só um, R$ 600,00”

Nesta hora eu escutei aquele carrapato que surgiu atrás da minha orelha e disse:

“Muito barato para ser bom.”

Eu foquei no preço bom e disse, vamos fazer logo os dois então!

Aí convidei mamys para ir escolher os revestimentos e ouvi um: Vai você e escolhe.

Gostaria de pedir que você que está me lendo, para que grave essa informação.

O fato é que, se antes eu tinha 5000 dinheiros para gastar em um banheiro, agora eu precisava gastar no máximo R$ 5.000,00 no material para dois ambientes, por motivos de: Limite disponível no cartão de crédito.

Corri lá na Panorama e grudei na especialista em revestimentos, a Jenyfer e começamos a missão.

Logo de cara eu resolvi fazer os dois banheiros iguais, porque em um imóvel de 75 metros eu acho válido manter a unidade de materiais.

E no escritório, depois da entrevista com o cliente a gente costuma selecionar 3 ou 4 modelos de revestimentos, mesmo sem saber onde vamos aplicá-los. Seriam:

Piso,

Detalhe de parede (as vezes são 2)

Parede geral.

Como eu estava SEM limitações de cores, e o banheiro original era inteiro branco:

Eu gostaria de mudar um pouco, mas sem fazer nada radical.

Montei dois conjuntos, um bege…

Lembrando que o orçamento era determinante, então eu fui em busca de revestimentos numa faixa de preço média.

Nem R$ 19,90 o metro quadrado, muito menos R$ 435,00 a peça.

E uma outra opção em branco e cinza:

Os preços estavam na mesma média, o detalhe da parede que era um pouco mais caro. Mas como detalhe é algo que vai em pequenas áreas, vale a pena pegar um mais bonitão.

Acabei não mandando foto para D. Necka (a.k.a. Mãe) apenas perguntei: Bege ou branco e cinza? e ela optou por branco e cinza.

WE HAVE A WINNER!

Entretanto muitos outros itens são necessários.

Ralo, torneira, cuba, acessórios porta toalha, vaso sanitário, caixa acoplada…

Escolhi um ralo com grelha (que fecha) porque evita a subida de insetos, caso sua região tenha esse tipo de problema. Eu tenho pavor de aranha então sempre uso esse.

Cuba é um item que é limitado pelo espaço que temos para colocar o móvel.

Aqui no Rufini 13A, a bancada fica com no máximo 65cm de largura, então eu queria algo pequeno, pra sobrar bancada nas laterais. Optei pela Deca L.41:

Além do preço amigo de R$ 69,90, ela tem 36cm de diâmetro, e apenas 31cm de corte na pedra, o que deixa livre pelo menos 17cm nas laterais.

Um cuidado muito importante é que a torneira seja compatível com a Cuba. Escolhi uma de bica média (pescoçuda) que é ótima para lavar as patas, a fuça e cuspir aquele monte de pasta de dente sem medo de errar o alvo.

Ela é da Perflex, uma marca intermediária, com uma boa garantia e R$ 89,00 é justo por uma boa torneira.

Adoro que o acionador dela é 3/4 de volta em forma de alavanca, então se você estiver com a mão molhada, consegue abrir e fechar sem sofrimento.

Tendo escolhido a torneira, é a vez de combinar os acessórios. Um que custa CARO PRA BURRO, é a duchinha higiênica:

Sério, 150 Temers por ela é algo que dói meu coração. E esse é um dos modelos mais baratos. Muitas vezes chegamos a trocar o modelo da torneira por causa da ducha, e ainda economiza-se 300-350 reais.

Sobre o cagadô, que eu expliquei como escolher um AQUI, optei pelo mais barato, yet menos feio, de 449,00.

E comprei a tampinha com amortecimento de 140 dinheiros, que até hoje me revolta.

Quanta coxinha de catupiry dá pra comer com esse dinheirão!

Eu lembro (mensalmente) que toda essa compra, para os dois banheiros, totalizou uns R$ 4.450,00

Contudo, tem um item que eu ia precisar, que é um filete metálico, que a gente usa MUITO nos nossos projetos, porque ele transforma o ambiente em algo extraordinário.

Como fazemos transições de pisos e de diferentes revestimentos com frequência, esse filete além de enobrecer faz com que o rejunte não fique desencontrado ou, quando necessário, a mudança de cor de rejunte seja discreta.

Só na próxima parte do diário é que será mais fácil de explicar. Porém o que eu não contava é que esse filete seria um regaço no orçamento. O que eu gostei MESMO, custava R$ 1.218,00 que era uma barra cromada de 7mm com 250cm de comprimento.

Acabei optando por uma mais simples, de 15mm de largura e 100cm de comprimento, ou seja, tem várias interrupções, mas custou “apenas” R$ 585,00.

No próximo capítulo, veremos a paginação, que é o modo que os revestimentos serão aplicados, a quebradeira toda e a colocação propriamente.

Quem viver, verá!

Beijo grande, não esqueçam de ver minha patroa divando no Instagran @Futilish e de comentar suas experiências aqui pra gente.

assilelo

 

07
Jan 2018
Mi casa, su casa – Do comecin!
Decoração, Mi Casa Su Casa

E hoje no Mi casa, su casa eu resolvi mudar o nome de “First things first” para: Do comecin! Tudo isso porque… não sei, senti que era assim que era para ser.

Como foi a entrada de 2018 para vocês? Conta pra mim, vai! Comenta aqui em baixo.

Eu já comecei em 5ª marcha, temos 4 ninhos para começar obras semana que vem! Uma louca-delícia. E uma grande responsabilidade também.

Então quando #Sextou pela última vez durante nossas férias, eu e minha sócia fomos pro escritório dar uma “adiantada” nos serviços – que oficialmente iniciam segunda feira – E olha…

Foram 13 horas ininterruptas de muito café e bolacha para por em ordem os cronogramas e orçamentos que temos que apresentar aos clientes, e foi então que pensei: Fufurráqueos estão familiarizados com esse tipo de processo? Vamos contar para o mundo como é que se faz.

Quando o projeto que trabalhamos é local e faremos o acompanhamento de obra, gostamos que antes de iniciar a quebradeira ter em mãos um orçamento geral, bem como um cronograma de etapas com quantos dias cada coisa irá levar para ser concluído.

Teoricamente parece fácil, parece fofo, é bastante otimista e com certeza ajuda a gente a prever correrias e ter uma visão macro de como as obras caminharão e seus investimentos.

Na prática, temos que:

  1. Fazer todas as conferências de medidas no local;
  2. Desenvolver todos os projetos;
  3. Apresentar, alterar, aprovar com o cliente;
  4. Preparar declarações e documentações necessárias para legalizar a obra;
  5. Escolher revestimentos e acabamentos;
  6. Paginar tudo isso em desenhos técnicos executivos;
  7. Contatar todos os profissionais envolvidos;
  8.  Visitar a obra com alguns dos fornecedores (que precisam analisar as condições do local);
  9. Juntar todos esses orçamentos, geralmente 2 de cada coisa;
  10. Montar numa planilha e conferir tudo.

Melhor dia das minhas férias!

Mas o incrível mesmo foi termos a oportunidade de preparar tudo isso para amparar quem nos contratou. Muitas vezes quando alguém procura o profissional, ainda sem projeto, já tem uma equipe de construção derrubando tudo. E não que seja errado, porque nos desejos de alguém não existe certo ou errado, mas é um “atropelo” e é neste comportamento que muitas vezes os custos fogem do controle.

Todo mundo, independente se é muito rico ou gente como a gente, pergunta:

“Quanto você acha que vou gastar?”

E nas três obras que estamos finalizando o processo de orçamento, acertamos nossa estimativa. Can I get an Amen up in here?

Então essa conversa toda é para que vocês não se sintam perdidins na hora de procurar alguém para fazer seu projeto. Seja na Nest – fazemos projeto a distância – ou algum profissional na sua cidade. Das 7 obras que estamos trabalhando no momento, 4 nos deram um valor máximo de gastos. Então tudo hoje em dia é facilmente controlável, porém precisa conter a ansiedade e programar tudo certinho.

Um grande vilão de obra é o bom gosto que habita em nós. O meu por exemplo, errou na coordenada do GPS porque era para ele ter nascido dentro de alguém com muito dinheiro, tipo a Regina Casé, que deve ter ficado com o meu, porque aquelas coisas feias dela eu até posso pagar.

E uma dica extra do titio, que deve ser estendida ao profissional que você escolher contratar é:

“Não é só mais R$ 80,00 ou R$ 120,00” porque de 80 em 80, 120 em 120… lá no final, você subiu 10 mil do valor estimado.

Um revestimento bonitaum de 83 contra um revestimento lindo de 139 são apenas 56 reais? Não! São R$ 56,00 multiplicado pela metragem que você precisa…

Digamos que é um detalhe de banheiro, em apenas 6m2  já alcançamos R$ 336,00 que pagariam uma linda torneira e uma boa duchinha higiênica.

Cuidado com essas pequenas escolhas, os itens que a gente vai se apaixonando e dizendo: “é só 200 a mais, é só 60 a mais…” É aí que as coisas se perdem.

assilelo

Não esqueçam de seguir nossa patroa maravilinda no Instagram @Futilish eu também estou por lá como @Tiolelofoz e o meu escritório é @nestinteriores.

Beijo!

29
Oct 2017
Tem Jeito Decor 42 – O Edu cresceu!
Decoração, Mi Casa Su Casa

Olá Fufu,

Hoje a dinâmica do Tem Jeito Decor vai ser um pouco diferente, porque até eu conseguir tirar todas as informações do Eduardo, foi uma troca imensa de emails.

O que é interessante, é que o Eduardo foi aos poucos se “desfazendo” nas coisas do quarto de criança/adolescente.

Tanto que ele até doou a própria cama, e está dormindo no chão.

Os desejos dele são:

Colchão no chão;

Uma mesa, de preferência de cavalete, com algo de reaproveitamento, como o tampo feito com uma porta antiga;

Não quer guarda roupa;

Quer um sofá pequeno;

Tons de Cinza e Branco;

Estante para os livros;

Tapete.

A paixão pela mesa de cavalete surgiu quando o Eduardo, que estuda jornalismo e trabalha em um canal de TV, foi fazer uma matéria em uma loja de decoração e se encantou por uma peça dessas.

Agora, com licença dos enamorados pelo cavalete (eu já fiz uma mesa assim, e por isso mesmo me sinto capacitado para falar de todos os defeitos dela) vamos assassinar essa base.

Os formato de “A” que é o original, tem um grande problema: como os pezinhos estão abertos – que é o que estabiliza a mesa, a distância entre eles fica muito menor do que as pontinhas de cima, e para que caiba um humano, com o mínimo de conforto algo em torno de 80cm, a tampa fica imensa…

Neste exemplo acima, eu rezo a Deus para que o tampo ter sido fixado nos cavaletes, porque é muito perigoso tudo isso desabar. E o outro problema – que aumenta ainda mais o tamanho do tampo é o dispositivo que a grande maioria dos humanos tem:

E se o tampo não for ainda maior que a base… o detector de móveis vai ter bastante trabalho.

E falando em dedinho, gostaria de lembrar vocês que estamos chegando em Novembro e apesar de ser um assunto sério, sempre vale a piadinha pra conscientizar os amigos:

( manda a imagem nos grupos do WhatsApp)

Por fim, recebi as medidas, e aí seguimos com o desenvolvimento.

Na primeira opção, eu segui o máximo das vontades do Eduardo, porque afinal, é o que ele quer que o profissional deve fazer.

Na parede maior, fiz um revestimento vertical, que pode ser uma aplicação de forro de PVC, ou até de um forro em madeira pra criar uma superfície interessante com um investimento baixo.

Logo alinhado com a entrada, a mesa de cavaletes, ao lado de uma estante para qual precisamos dar multifunções.

Eduardo (sem a Mônica) tem 20 anos, e talvez nesse ponto da vyda, ele ache desnecessário um guarda roupa. Mas menino, onde você vai esconder as cuecas? E as meias?

Não tem jeito guri, pelo menos algumas gavetas é necessário que você tenha, então a parte debaixo apoia as roupas – não acho que será o suficiente – mas é você quem manda. Eu faria essa estante um híbrido de guarda roupa com estante.

Do outro lado, sugiro que use uma base para seu colchão, porque a umidade é implacável, e vai apodrecer ele por baixo.

Como você é adepto da linha sustentável e do DIY, seria legal usar pallets – é necessário reforçar eles para aguentar o peso de um humano. Como você pediu um espaço para os livros, acredito ser importante uma luz de apoio para leitura, e também um espaço para deixar o livro, o qual coloquei nos pés da cama, assim você gira o corpo enquanto for ler… contudo durante a noite, não dorme com a cabeça no corredor. Incluí um cabideiro porque aquela mochila no chão tá me dando nos nervos. E dois quadros grandes, já que jornalismo e fotografia estão interligados.

Não cabe um sofá, a não ser que opte por dormir em um sofá cama, o que eu desaconselho totalmente. É desconfortável, nada prático e você vai acabar se sentindo um “hóspede” em sua própria casa.

Como provavelmente a função do sofá é pra receber mais gente, possivelmente amigos pra uma conversa ou algo assim, eu coloquei 2 puffezinhos, que também podem passear pelo quarto como mesinhas de apoio.

Agora Edu, eu fui obrigado a fazer uma outra opção.

Por mais jovem e desapegado que você seja, já é um adulto, está num relacionamento sério faz 2 anos (Facebook te delatou) e – mais cedo ou mais tarde – vai precisar se comportar como gente grande. Então já fiz uma versão de quarto pra quando essa não te atender mais.

Minha ideia é um guarda roupa, uma cabeceira para uma cama de casal, e uma boa mesa com prateleira para livros.

Mantendo o ar condicionado como você pediu, dividi o espaço para uma cabeceira em madeira.

E para aproveitar bem o espaço da mesa, fiz uma junção de mesa com gaveteiros e com o cavalete que você deseja, assim continua com elementos joviais.

Em ambas as opções, usei a cor Crômio da Suvinil, com uma composição de Nanquim – também da suvinil.

Espero que goste das opções, especialmente da primeira, que é o que você me pediu.

Qualquer dúvida, me grita!

assilelo-1

As fotos utilizadas nos posts foram coletadas da internet e os 3D foram feitos por mim, imagens que só apareceram aqui porque eu gostei, então, parabéns pra você que fez. Respeito muito seu trabalho e os créditos são seus, se quiser que eu identifique a autoria me deixa nos comentários. Se te incomodar a divulgação aqui, mande um email e eu substituo. BEIJOS DE LOOOZ.

 

Página 1 de 1212345Última »