LifestyleComportamento
Bem Estar, Cotidiano
06 nov 2018, 65 comentários

Cirurgia de Endometriose – Como Foi

Oieeeee, sumi né? Tive dois motivos: semana passada foi Minas Trend e a semana foi muito intensa! Todos os dias saindo cedo e chegando tarde em casa, sem tempo para escrever… Depois tive um final de semana para descansar e me preparar para a cirurgia de endometriose, que fiz ontem! Sim, estou recém operada e com algumas dores, mas ansiosa para contar como tem sido até agora e ouvir mulheres que já passaram por isso e querem me dar alguma dica.

Fiz um post sobre a doença AQUI e li cada comentário. Endometriose para mim até pouquíssimo tempo era algo totalmente desconhecido e alheio ao meu cotidiano. Nunca senti dor, cólica, NADA, mas meu fluxo menstrual é muuuuito intenso, mas tanto, TANTO, que fui checar e pimba, endometriose e endometriomas (cistos de endométrio) em ambos ovários. Fiz vários exames e todos acusavam a mesma coisa, mas graças a Deus, no meu caso, não havia grandes focos e nem aderências. A única era na trompa esquerda, afetada pelo ovário que tinha um endometrioma de quase 5 cm.

Só para lembrar, os sintomas mais comuns da endometriose são:

• Cólicas menstruais intensas e dor durante a menstruação
• Dor pré-menstrual
• Dor durante as relações sexuais
• Dor difusa ou crônica na região pélvica
• Fadiga crônica e exaustão
• Sangramento menstrual intenso ou irregular
• Alterações intestinais ou urinárias durante a menstruação
• Dificuldade para engravidar e infertilidade

Só depois de saber que tinha a doença, assimilei alguns sintomas como fadiga crônica (sempre estou cansada), o sangramento menstrual intenso e alterações intestinais durante a menstruação. Várias vezes me dá diarréia quando menstruo mas nem passava pela minha cabeça que era por causa da endometriose. Achava que era “coincidência”. Ah, e algumas vezes, dor ao fazer xixi.

Bom, fiz videolaparoscopia, 3 buraquinhos na barriga e um monte de gás carbônico para “separar” os órgãos e dar maior mobilidade ao cirurgião. O antes da cirurgia foi bem simples: comida leve um dia antes e jejum de 8 horas, inclusive de água. Internei ontem as 6:30 da manhã ainda com dúvidas se iria rolar a cirurgia ou não pois gripei durante o Minas Trend e ainda tinha um resto de tosse. Vieram 3 anestesistas conversar comigo, mas viram que dava para continuar com os planos. Tomei anestesia geral, e estava um pouco receosa de como iria acordar, mas já tomei geral antes e nunca tinha dado problema.

A cirurgia foi rápida, as 11 da manhã já estava na recuperação. Acordei com MUITO frio, mas isso é o efeito da anestesia passando. A barriga estava super inchada pelo gás e uma dor intensa no ombro. Depois soube que essa dor no ombro é comum, pois o gás sobe! Como o meu lado mais “mexido” foi o lado esquerdo, sinto dores na hora de levantar e sentar. Tudo tem que ser beeeeeem devagar.  E como ainda continuo com um restinho de tosse, na hora de tossir é um sofrimento. Dói, e dói muito.

Mas o resultado da cirurgia foi um sucesso: trompa solta e ovários sem endometriomas. Tinha poucos focos e tiraram tudo, acho que cauteriza né? Posso estar falando bobagem, mas acho que foi isso que o médico disse. Hoje me deram alta, um dia depois e tem sido “tranquilo”. Apenas o desconforto dos gases, a barriga super inchada e a dor no local da incisão do lado esquerdo.

Semana que vem tô liberada para dirigir, sair e etc. Por enquanto não posso levantar peso, tenho que tomar Luftal para eliminar os gases e ficar mais quieta. E dieta normal, posso comer de tudo. Parece que o intestino fica preso e nem quero ir, tô com medo de fazer força e doer rs.

Tenho acompanhado um grupo no Facebook que se chama Endometriose Sem Censura e tem MUITA informação bacana lá. Como é uma doença sem cura, tem que se cuidar para não deixar ela atrapalhar a vida. Tem que comer certo (nem sabia dessa parte, que tem alimentos inflamatórios e pioram o quadro), tem que fazer exercício e em alguns casos, operar. E tem gente que opera várias vezes. Enfim, tô aprendendo ainda.

  • Alguém mais aí já operou de endometriose? Conta como foi! 
Lifestyle
Bem Estar
11 set 2018, 84 comentários

Papo Sério – Endometriose

No último Chora, uma moça reclamou da falta de libido e disse que poderia ser pela endometriose. Fiquei curiosa, pois eu sou super leiga sobre o assunto e há poucos dias soube que tenho um cisto no ovário, fruto de endometriose.

Nem liguei, afinal, se ouve tanto falar sobre endometriose que achei que era a coisa mais normal do mundo. Só que, nos comentários do Chora, VÁRIAS mulheres deram seus relatos sobre a doença (juro que nem achava que era doença, achei que era tipo uma inflamação que curava rápido) e aí caiu a ficha que é bem mais sério do que se imagina.

No meu caso, o que me chamou a atenção é que tenho zero sintomas e vi que existem vários. Eu não sinto dor pra nada, nada de cólicas no período menstrual, nada de dor na relação, sem dores para ir ao banheiro, nunca imaginaria que teria endometriose. O cisto apareceu num ultrassom de rotina e como estava grande e não sumiu, minha médica decidiu operar. Laparoscopia e anestesia geral. Quase caí pra trás: como assim anestesia geral? Mas não é um cisto só? Sim, é um cisto, mas a cirurgia é de endometriose e tem que “limpar” tudo. O que assimilei depois de pesquisar sobre a doença e que me identifiquei, é o aumento do fluxo menstrual. Eu fico MUITO menstruada, no primeiro dia nem consigo sair de casa com medo de acidentes. Aí sim, vi um sintoma de endometriose em mim. E isso que já tinha reclamado com meu ginecologista antigo e ele disse que era normal.

Daí me lembrei de uma amiga de infância, que ia parar no hospital toda vez que ficava menstruada de tanta cólica que sentia. Liguei pra ela e me confirmou: tinha endometriose e teve que operar, com anestesia geral mesmo.

E de todos os relatos que li, todos falam em dor, em inchaço e em tratamentos com altas doses de hormônios que… como sabemos (e eu sou super contra pílula anticoncepcional) abalam todo o corpo e muitas ficam sem libido.

Quis pesquisar mais sobre a tal endometriose, e me assustei. Mas vamos por partes, antes de mais nada, o que é o endométrio?

O endométrio é uma mucosa que reveste o interior do útero, que prepara a “casinha” do neném, caso a mulher engravide. Quando não ocorre a fecundação, o endométrio se solta, provocando a menstruação.

Na endometriose, essa mucosa cresce para fora do órgão (no meu caso foi para um ovário, formando um cisto que se chama endometrioma) causando dor (as vezes muito intensas – como o caso da minha amiga – que até abalam o emocional) e inflamação. As dores podem aparecer ao fazer cocô, xixi, na relação sexual e até mesmo em outras partes do corpo que a gente nem imagina que seja por causa da endometriose. Além da dor, a endometriose pode causar infertilidade porém com o tratamento adequado, a fertilidade pode ser restaurada. Várias mulheres engravidam mesmo com a doença.

Ouvi dizer que gravidez “cura” a endometriose, mas isso parece não ser 100% certo, bem como a cirurgia, pois a endometriose pode voltar.

Achei um artigo bem interessante e informativo no site do Governo do Brasil. Acho que mais sério do que isso impossível né? Vou reproduzir aqui:

“Aumento do fluxo menstrual, cólicas mais fortes que pioram a cada mês, dor abdominal intensa, infertilidade e dor durante a relação sexual são alguns dos sintomas associados à endometriose.

É uma doença em que uma parte da menstruação, em vez de se exteriorizar pela vagina e sair no absorvente, se interioriza no corpo da mulher. A endometriose reveste o útero e passa pelas trompas. Então, o corpo da mulher reage com inchaço, dor crônica no período menstrual e aumento do fluxo menstrual”, explica o ginecologista e gerente de internação do Hospital Fêmina (RS), Sérgio Galbinski.

Confira a baixo os Mitos e Verdades sobre a endometriose:

É uma doença silenciosa, que não apresenta sintomas (mito)

Cólica menstrual em graus variados, dificuldade para engravidar, alterações intestinais durante a época da menstruação, dor para evacuar e desconforto durante a relação sexual no fundo da vagina são sintomas da endometriose. Algumas mulheres relacionam as dores abdominais com simples cólicas. Em geral, essas mulheres podem apresentar quadros de ansiedade ou depressão, relacionados à intensidade dos sintomas.

Endometriose é uma doença causada apenas pelo aumento do fluxo menstrual (mito) 

Na verdade, a endometriose depende do hormônio feminino produzido pelo ovário, o estrógeno, para seu desenvolvimento. Esse mesmo hormônio é produzido pelo tecido gorduroso, mesmo sendo uma forma menos ativa, o que favorece uma piora da doença. Além disso, a doença está associada à predisposição genética, estilo de vida, queda do sistema imunológico e alterações no fluxo menstrual.

A endometriose está diretamente ligada ao desenvolvimento do câncer no ovário (mito) 

Não existe essa associação, embora a endometriose possa aumentar a chance de desenvolver um cisto pequeno, chamado de endometrioma, que pode ou não ser maligno. Não é comum um tratamento da endometriose para prevenir o câncer de ovário.

A endometriose se não tratada pode deixar a mulher infértil (verdade) 

A mulher precisa estar atenta à dor da cólica, aumento de fluxo menstrual e todos os outros sintomas que saiam do padrão do período menstrual. A cólica da endometriose não pode ser tratada com medicamento comum, principalmente nas mulheres mais jovens, que têm uma vida reprodutiva pela frente que pode ficar comprometida se a endometriose não for tratada adequadamente.

A falta de tratamento da endometriose pode fazer com que a doença atinja outros órgãos (verdade) 
É uma doença progressiva. Sem o tratamento adequado, vai gerar uma série de processos de aderências e infiltração dos focos da doença em órgãos vizinhos, podendo atingir o intestino, os ovários e a bexiga, por exemplo. Além disso, pode causar infertilidade e quadros de dores crônicas, que não melhoram com medicações analgésicas.

A endometriose não tem cura (verdade) 

Apesar de não ter cura definitiva, a endometriose possui uma série de opções de tratamento. Anticoncepcionais que controlam e param a menstruação, não deixando acumular sangue interno, ajudam a tratar a endometriose. Hoje em dia, há métodos contraceptivos em que a mulher fica até três anos sem menstruar, por exemplo. A escolha terapêutica mais adequada dependerá da severidade dos sintomas e do grau da doença instalada.

A cirurgia robótica é uma alternativa à laparoscopia convencional (verdade) 

Uma alternativa é a cirurgia laparoscópica convencional. Essa tecnologia tem uma atuação significativa em doenças ginecológicas benignas que, por vezes, comprometem a capacidade reprodutiva da mulher, por exemplo. Sua tecnologia permite uma visão mais precisa e detalhada da região a ser operada, garante melhor recuperação da paciente e um menor tempo de hospitalização. A cirurgia só é necessária se a endometriose estiver em fase avançada e já instalada profundamente na região do intestino ou bexiga, por exemplo.”

Essa ilustração, mostra bem como a doença ocorre:

Fonte: G1

No meio a tanta informação nova, li que algumas coisas ajudam a conviver com a endometriose: fazer exercícios (pois diminui a produção de estrogênio, hormônio que controla a menstruação), comer alimentos ricos em ômega 3, não usar absorvente interno (será??? caramba, eu SÓ uso Tampax), tomar remédios para cólica… Mas não sei se isso realmente funciona.

  • Vamos falar sobre o assunto? Quem mais tem endometriose? Como descobriu? Quais sintomas teve? Como trata??