16
Nov 2016
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Uma nova leva de Choras foi aberta! Só choradeira recente, vejamos o que tanto aflige essa mulherada!

Chora 01 – Rita

Eu sou formada há 6 anos em fisioterapia e agora resolvi que não quero seguir essa minha profissão. Trabalho em outra cidade, com meu esposo mora metade da semana sozinho por isso. E eu cansei, porque acho que isso acaba um pouco com a intimidade do casal, fora o desgaste de ficar viajando. No entanto, eu sei o que não quero mais fazer.. que é o que faço hoje. Mas não tenho a mínima idéia do que fazer. Tipo, tem dia que quero ser dentista. Tem dia que quero ser confeiteira. Mas eu tô instisfeita e nesse cenário de crise, não posso largar meu emprego na outra cidade porque eu ganho muito bem, e é muito feio dizer, estou lá somente pela grana. E meu esposo não ganha tão bem assim, eu pago o apartamento financiado, enquanto ele fica com as outras coisas de despesa. Todas mesmo, inclusive lazer.
Eu me sinto desmotivada e cansada e não quero ir trabalhar frequentemente. Iniciei terapia, mas preciso de sugestões do que fazer, aquela coisa de amiga. Por favor!

Nêga (forma carinhosa de chamar as amigas, assim como bruaca. Só pra me defender do mimimi), tem muita gente igual a você. Mas muita. É a geração que se matou de estudar, fez a faculdade do curso que dava dinheiro, ganham bem, mas estão infelizes. Se você precisa desse dinheiro, tente fazer algo paralelo que te dê prazer antes de jogar tudo pro alto. Quando sentir que pode andar com as próprias pernas no novo empreendimento, aí sim coloque na balança e se arrisque mas no momento, não acho inteligente largar uma carreira que te sustenta (e bem) e que paga suas contas. Não é a hora. Respira fundo e vai trabalhar tranquila, mas já começa a pensar em fazer algo que você realmente ame, porém paralelamente ok?

67a52136da971a0cdbbb54c6efa12e16

Chora 02 – Elis

Oi meninas, queria ouvir a opinião de vocês para o meu “Chora”. Namoro há 10 meses (sim, pouco) e nesse intervalo me mudei para a cidade do meu namorado, em outro estado, porque ele me indicou para uma boa proposta de emprego. Gosto muito dele, é uma pessoa maravilhosa e batalhadora. Veio de família humilde, fundou a própria empresa e hoje é um empresário bem-sucedido aos 30 anos. Porém a mentalidade não evoluiu… Ele mesmo diz que é uma pessoa “extremamente simples”
apesar de ter uma situação econômica super favorável. Ele não liga com nada. Para vocês terem uma ideia a primeira vez que ele comeu risoto e
comida japonesa foi comigo! Detalhe: não moramos no interior, e sim em uma cidade média com muitas opções. Vejo que ele se esforça para me agradar, mas não é a praia dele. Se deixar ele quer pedir o menu infantil nos restaurantes. Fizemos uma viagem a trabalho para BH e eu escolhi os restaurantes e barzinhos indicados pela Cony aqui no Fufu (Ah!Bon, Vecchio Sogno e Bombshell). Maravilhosos! Mas sabe quando a pessoa vai, mas preferia estar em um restaurante qualquer comendo arroz, bife e fritas? Então, esse é ele. Ressalto que ele não é pão-duro, a conta não é o problema, só tem o gosto “simples” mesmo. E ainda tem outro detalhe… Ele é muito desleixado no visual, tá sempre de camiseta com estampas BEM DUVIDOSAS, calça jeans e tênis esportivo. Acreditem ou não ele tem apenas 1 tênis e 1 sapato. Como ele trabalha em Home Office não se arruma para trabalhar, tem preguiça de cortar o cabelo e fazer a barba. Ah Cony, eu sei que o conheci dessa maneira, mas de um tempo pra cá isso tem me incomodado DEMAIS. Já conversamos e o argumento dele foi que eu não devo me importar com isso, é bobagem… Já me ofereci para ajudá-lo a comprar roupas novas, mas ele sempre dá uma desculpa. Começo a achar que essas diferenças estão pesando demais na relação. Desculpe a sinceridade mas é constrangedor chegar em um lugar bacana ao lado dele vestido dessa maneira tão desleixada. Pronto, chorei!

Menina, é bobagem e não é bobagem ao mesmo tempo, entende?? É bobagem porque é o jeito dele, mas imagino o quanto isso deve te incomodar. Por mais evoluídas que sejamos, dá vontade de ter um bofe mais arrumadinho e amante das coisas boas da vida rsrsrs. Enfim, trabalho de formiguinha amiga. Faça isso ser parte do dia a dia dele, mas de maneira bem sutil. Faça jantares elaborados em casa mesmo, dê roupas de presentes, mas tudo isso AOS POUCOS, justamente para ele não perceber que você está trabalhando nisso rs. Mais uma dica: tente não ser radical demais. No jantar, não faça scargot por exemplo. Faz uma massa com um molho diferente, afinal continua sendo macarrão sabe? Não dê uma camisa slim fit grifada, mas uma camiseta de malha melhorzinha. Por aí! Aos poucos! E mais uma coisinha, não tente mudar ele demais, afinal, você o conheceu assim e se apaixonou assim. Só dê uma leve polida….

c3b7ed57cd46b2fff4a2a42261ebd2b6

Chora 03 – Marisa

Como vai, Constanza? Amo o fufu e acho seu nome pura sofisticação. Então, vamos ao meu problema… Meus pais são separados e eu sempre tive um relacionamento muito conturbado com meu pai. Brigamos muito (por motivos bem infantis) e passamos anos sem nos falar. Ele nunca mais me procurou e eu também acabei deixando de lado.

Acontece que, esse ano, resolvi tentar uma reaproximação e voltamos a manter contato. Até aí tudo bem. A questão é: o sonho da vida do meu pai sempre foi ter uma filha japonesa, coisa que eu definitivamente não sou (já que nem ele, nem minha mãe são). Ele acha as japonesas as mulheres ideias, as melhores em tudo, em todos os aspectos (beleza, inteligência, educação, postura, etc).

Ele gostar das japonesas não é problema (também as admiro), mas ele me bota pra baixo por causa disso. O único elogio que ele me fez na vida foi sobre uma foto que tirei: “Como essa foto ficou boa. Está até parecendo que uma japa nela”. Ele nunca me deu uma palavra de apoio, ou disse que me acha inteligente ou algo do tipo.

Enquanto isso, o facebook dele está lotado de fotos, textos e mais textos elogiando mulheres japonesas desconhecidas. Não faltam adjetivos do melhor tipo. Só que ontem ele postou um vídeo de uma garotinha japonesa rindo, dizendo “Dá vontade de apertar essas bochechas”. E aí uma amiga de trabalho dele perguntou por que ele não arranja uma filha e ele respondeu “Já tenho uma, mas ela não é japonesa”.

Enfim, fiquei arrasada e nem sei porque. O que vocês fariam, meninas?

Eu relevaria. Cada louco com sua loucura e se essa é cisma dele, deixa pra lá. Beira o bizarro e é muito imaturo o tratamento dele a você, que é FILHA. Sinceramente acho que isso não deve te abalar de maneira nenhuma. Eu acho que até tiraria sarro da cara dele, tipo colocaria um esparadrapo puxando os olhos, tiraria uma foto e mandaria pra ele escrito assim: agora sou boa e bonita pra você? E um kkkkk. Sério, não se abale por isso MESMO. Deixa ele curtir as japas dele pra lá e entra na onda em tom de brincadeira e acredito que um dia ele vai ver o quão ridículo está sendo com você. E também preciso deixar minha admiração pelas japitas, minhas duas melhores amigas são descendentes e realmente é um povo muito educado e sensato. MAAAASSSS, o seu caso é diferente né miga? É obsessão do seu pai e vai contra o amor entre pai e filha. Lide com isso como se fosse um parafuso a menos dele, não procure muita resposta nem tente lutar contra isso.

cd683329bdc0edfcde75d79fcb5a1ebc

  • Migues, CHORAS fechados ok? Não enviem mais até segunda ordem! Beijosss!
07
Nov 2016
Chora Que Eu Te Escuto
Chora Que Eu Te Escuto

Chororô a vista! Eu sei que hoje é segunda mas quero liberar esta leva para abrir o mail para novos Choras! Vamos lá?

Chora 01 – Meredith

Oi, Cony, comecei a sofrer por amor aos 12 anos e não parei mais rs.  Amei um menino dos 12 aos 20 sem ficar com ninguém. Só ele existia e ele não me quis.
Só depois com 20 anos comecei a superar, namorei 4 anos um colega é faculdade, sem grandes emoções, sexo 1 vez por mês, nunca me pagou nada (não preciso, mas e o cavalheirismo?) nunca viajamos. Sentia falta de vida nele. Queria viver uma grande paixão.
Logo que terminei, um rapaz me adicionou no Facebook, puxando conversa, descobri que ele era tudo que eu procurava, gostava das mesmas músicas, filmes, lembranças parecidas de infância… fomos ao cinema e me apaixonei.
Ele me mostrou tudo que é bom, me agrada, vi como sexo é bom. Como ele é forte,  carinhoso, atencioso e faz questão de minha companhia. Mas a vida não seria fácil, né? Ele é policial (todos me falaram que policial era galinha, vinham com histórias de traição) e antes de mim aproveitou a vida bastante,  saiu com várias, que sempre buscam uma forma de falar com ele. Ele me contou seu passado e eu pirei, fiquei louca. Penso nele com outras, xingo ele, queria que ele fosse só meu. Fui ao psicólogo, na missa, no centro espírita, onde me falavam que era bom eu fui. Até o dia que ele resolveu vender o carro e comprar um mais barato para comprar uma casa para nós, parece que isso sossegou meu coração, ele disse que eu sou a mulher que ele mais amou e que ele quer ter filhos, mas domingo passado, mexendo no celular dele enquanto ele dormia, vi uma conversa dele com uma moça, ele reclamava de mim e dizia que eu era muito ciumenta, que ele se arrependia de ter largado dela. Ela o convidou para sair, ele respondeu dias depois que estava ocupado e mais tarde disse que não iria, pois “infelizmente estava comprometido”. Meu coração sangrou, fiquei 5 dias sem comer e só chorava, me sentia enganada, traída. Ele policial e sério que é chorou de soluçar,  disse que fez isso, pois queria me deixar, mas não teve coragem e viu que me ama, por isso até vendeu o carro. Ele jura que não saiu e eu ao confronta-la obtive a mesma resposta. Mas estou sofrendo, acho que ela está rindo de mim, que eu sou uma trouxa, o que eu faço Cony?

Primeiro, QUE QUE ELA TEM A VER COM A HISTORIA? O problema é ele, e se ela, por algum acaso, estiver rindo de você é PORQUE ELE PROVOCOU isso. Acho que você deveria resolver sua história com ele, só você vai saber se confiar novamente ou não. É difícil, pelo que vejo de você, vai ser bem pesado passar por cima disso, mas tem que ver se vale a pena ou não. Ele pisou na bola sim, e você, só achou o que queria porque foi futricar no celular dele. Homem é bobo, faz gracinha as vezes só por causa do ego. Homem quer ser o fodão, o garanhão, o desejado, e pode ser que não tenha nada além disso. Ou não. Observe mais um tempo, dá um gelo nele e comece a se preocupar mais com você do que com os outros. 

1db0366b30dd2d702049621274e3a895

Chora 02 – Christina

Boa tarde Cony, estou escrevendo hoje pois estou muito insatisfeita comigo e com a minha postura frente os outros. Serei o mais breve possível.

Sempre trabalhei muito e desde cedo, como a maioria das brasileiras, para ter minha independência financeira e emocional. Sou uma mulher forte e de opinião e tenho prazer em ajudar os novos colegas de trabalho com os meus conhecimentos.

Hoje trabalho em uma empresa pequena e meu chefe fez uma pseudo-reunião comigo e estava na sala mais uma pessoa que trabalhava e não saiu. Ele disse que queria que eu mudasse para outra campanha, trabalhar mais, com mais adversidades, enfim uma proposta ruim. Mas eu fiquei triste, sim triste, porque tentava falar com ele e toda hora era interrompida, por ele, pelo telefone, pelo Skype.

Ele “pediu com autoridade” que eu fizesse, disse que o serviço dele dependia do meu e eu me senti acuada, senti menosprezada pois a proposta é para quem está começando a carreira. Fui para o banheiro e chorei muito. Chorei com medo da crise que vivemos, com sentimento de inferioridade e principalmente por me achar refém. Não sei se você lerá meu desabafo, tampouco se vai comentar, mas precisava desabafar.

Eu sei bem como é isso de não conseguir conversar e só chorar e vou te falar, isso tira TODA a nossa autoridade. Às vezes a gente tem que peitar os outros, sejam eles pessoas superiores (falo chefes, pais, etc), para manter firme nossas vontades e pontos de vista. É quase um treinamento. Aprender a falar NÃO, NÃO QUERO ISSO, NÃO VOU FAZER ISSO. Se ele falou com autoridade com você, você também deve falar com autoridade para ele. Respira fundo, seja clara e mantenha sua postura!

44c0b17bd5de6dea58561a8cf521707f

Chora 03 – Izzie

Seguinte: moro hoje na Argentina e tenho 35 anos. Vim para cá estudar e acabei ficando. Durante a faculdade, conheci meu marido. Nos apaixonamos, e foi uma coisa muito louca. Ele tem 25 anos a mais do que eu. No começo, isso não parecia ser um empecilho… até agora.
Estou em uma fase da minha carreira estável. Tenho rendimentos estáveis e sinto muita vontade de viajar, ir a restaurantes, fazer coisas novas. Mas o meu “querido” não quer. Arruma sempre mil defeitos, nunca está disposto e nunca propõe nada. Como resultado, a minha vida social acaba sendo ir a barzinhos e beber. E só.
Mas, de verdade, eu estou é de saco cheio disso. Os barzinhos e restaurantes que são do gosto dele são sempre os mesmos e muito simples. E olhe – não estamos “nadando” em dinheiro, mas ter e ver coisas novas é legal. O caso é que até isso, ele reclama. As poucas vezes em que o convenço a fazer coisas diferentes, sempre com cara fechada e colocando defeito. Até viagens, com MUITO planejamento, ele coloca entraves.
Isso está me irritando de um jeito que você não faz ideia. Ser precavido é uma coisa, mas ser pessimista é outra. E o bonito reclama, mas sugerir algo bacana para contribuir, não sugere.
O casamento caiu na rotina, enfim. Sem estímulos, só com sempre as mesmas coisas, até mesmo transar ficou um saco. Fujo de todo jeito, porque simplesmente cansei de fazer as mesmas coisas sempre. E, como você deve imaginar (e as leitoras também) – não espere tesão da mulher quando o marido fica o dia inteiro te dando instruções sobre como fazer as coisas e achando tudo ruim. Esperar alguém “cheia de amor para dar” nessas condições é mito. Estou ressentida.
Quando o sexo rareou, ele começou a cobrar (ainda que sutilmente). Daí, nos últimos dias, disse a ele que preciso e quero fazer coisas novas (viajar, passear, etc) para que possamos cultivar o relacionamento. Até porque, vamos e venhamos – se o bonito não faz nada diferente e fica tudo sempre na mesma rotina, como esperar reações “super apaixonadas” quando tudo está tão chato?
Ele reagiu mal, e agora, acha que estou desinteressada dele por causa da idade.
E agora eu estou achando mesmo é que:
a) Pode até ser a idade que explica estes comportamentos tão restritivos por parte dele, mas acho que é mesmo o temperamento
b) Eu não sei mais se quero ficar nesse barco. Estou MUITO ressentida por fazer sempre as mesmas coisas. Me sinto presa.
c) A despeito disso tudo, gosto muito dele. Tento ter paciência, mas juro que cansei. Há dez anos a história é a mesma.
A despeito de todos estas reclamações, o admiro muito e o acho uma pessoa fascinante. É super trabalhador, honesto, nem um pouco “encostado”. O convívio cotidiano com ele é tranquilo, ele é muito amoroso e é extremamente prestativo (às vezes, até demais). Mas eu não aguento mais conviver com tanta “precaução”. O que vc acha?

 

Acho confuso. 10 anos com os mesmos problemas e vou te falar que a tendência é piorar! Sei que falam que diferença de idade não é nada mas eu acho que quando é muita, como no seu caso, uma hora aparecem os problemas. Eu acho sim que é por causa da idade, o que você quer viver, ele já viveu. Fisiologicamente, ele já está cansado, é mais do que compreensível que não tenha o mesmo pique que você. Adianta forçar? Talvez por um tempo, depois tudo voltará a ser como era. Tem que ter MUITO amor e ceder muito para que dê certo e você mesma já disse que não aguenta mais. Tá mais do que claro o que você deve fazer.

f89f19753be02bf94a808aa67972c2d0

 

  • Choras ABERTOS!! Mandem suas angústias, seus desabafos, suas aflições para constanza@futilish.com. No assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO que nós vamos ler e dar nossos pitacos. Importante: texto bem escrito e cabeça aberta para ouvir de puxão de orelha a abraço coletivo ok?
27
Oct 2016
Chora Que Eu Te Escuto!!!!
Chora Que Eu Te Escuto

Chora com um dia de atraso mas gente… tô numa correria nesse São Paulo! Assim que acalmar vou contar TUDO o que está acontecendo nessa edição um pouco ¨estranha¨ do SPFW.

Vamos de Chora!

Caso 01 – Ivete

Oiii Cony…. Primeiramente gostaria de parabenizar o seu blog e dizer que admiro demais a sua pessoa, você é inspiradora!

Segundo, eu queria contar minha história…. A princípio era um chora, mas consegui transformar num Sorria J

Eu tenho 25 anos, namorei desde os vinte uma única pessoa, foi o meu primeiro tudo: virgindade, relacionamento, vivencias, brigas, tudo msm… No início, éramos muito amigos, companheiros, brincávamos muito. Ele é uma pessoa de bom coração, mas nem tanto, vamos dizer assim… Então veio a primeira decepção: ele me agrediu. Sim, eu deveria ter terminado e nunca mais olhar para trás, só que muito ingênua perdoei e seguir em frente. Só que depois disso nossa relação mudou, eu comecei a ser mais agressiva com, o respeito mútuo se foi. Depois que superamos essa fase, eu acabei fuçando o celular dele e descobri umas mensagens que ele trocou com uma menina que ele já havia ficado há um tempo, tentando marcar algo, trocando insinuações, nada aparentemente concretizado. Fiquei totalmente decepcionada pois confiava cegamente e tinha perdido por completo a admiração. Eu descobri que não sei perdoar, e até aceito dicas das meninas de como seguir em frente com o perdão. Eu não me separei dele, mas não confiei mais. Isso foi acabando com a nossa relação, porém tínhamos momentos bons, que acho que acabam influenciando quando gostamos de alguém.

Minha auto-estima virou um nada, eu sempre fui muito insegura, estou tentando melhorar, mas a luta é grande.

Na minha cabeça essa relação já não dava mais, só que o medo de ficar sozinha, ou de achar que era aquilo que eu merecia e estar acomodada à minha situação não me deixava tomar a atitude certa. Talvez muitas meninas passem por situações parecidas com a minha, com pessoas que magoaram, mas mudaram a postura (ele melhorou como pessoa), porém aquele amor já não deve mais continuar. Sua Tag Chora que eu te escuto teve uma grande influência no amadurecimento da ideia, vi muitas histórias parecidas com a minha, pensei em escrever para ter mensagens de apoio para que me desse fortalecimento.

Então sempre acompanhei os choras e os comentários, além do seu parecer que eu sempre concordei, pois prioriza sempre o amor-próprio e que a vida sempre dará novas oportunidades para pessoas abertas para que isso ocorra.

E foi o que fiz, terminei meu relacionamento há um mês, estou saindo, indo para happyhours, baladas e já saí com um cara! Fomos pros finalmentes e quero muito ter novas experiências, conhecer tudo que eu deixei em stand-by por conta do medo de mudança. E se eu consegui, muitas outras mulheres vão conseguir também, pois a força nós temos, só precisamos acreditar e encarar o mundo.

Acho que nós mulheres somos ensinadas a suportar tudo, que devemos receber muito pouco e se contentar com isso, que nascemos para perdoar quando nos magoamos, que o amor-próprio é uma utopia e coisa de solitária, e talvez por isso que vemos tantos casos de meninas que sofrem e mesmo assim continuam na mesma. Mas  felizmente as coisas estão mudando e estamos nos dando o valor e o respeito que merecemos, ainda falta muito, a caminhada será longa mas alcançaremos o equilíbrio emocional.

Hoje o que eu mais quero é me conhecer, tanto tempo com alguém passando por poucas e boas faz com que percamos nossas essências, quero me descobrir, saber do sou capaz, quais são os meus princípios, minhas raízes, minha liberdade, o que eu realmente sou.

Eu quero te agradecer por ter proporcionado isso à mim, acredito que tenha influenciado outras meninas e saiba que o que você faz realmente importa, você inspira mudanças.

Um grande abraço de sua fã … e me desculpe pelo textão tentei diminuir o máximo.

Coisa MÁRLINDA do UNIVERSO! Ai que satisfação de poder de alguma maneira ter ajudado! Eu e TODAS AS MENINAS que aqui comentam. Gente, essa coluna é MUITO boa, e não tô falando porque ela está no meu blog não, é porque realmente é uma troca valiosíssima, é solidária, nos fortalece, clareia as ideias, nos direciona! Eu aprendo muito com vocês (também tenho meus choras né gentem) e várias vezes me vejo nos relatos. Girl power mulherada!!!! Bola pra frente SEMPRE e com força, quanto mais longe melhor!

bf5a9b38f10319886a099586f60912ab

Chora 02 – Claudia

Oi Cony, estou fazendo meu chora aqui porque simplesmente ainda não vi nenhum parecido. Prometo ser breve.

Esse vai para as casadas e para quem tem cachorro!
 
Eu e meu marido, decidimos adotar uma cadelinha, com apenas 4 meses de casados. Nenhum dos dois tinha tido cachorro antes e foi mais pela “experiência”. Hoje estamos com ela a 1 ano.
 
Eu acabei AMANDO demais ter cachorro, acho fofo, engraçadinho enfim, mas não sou dessas que leva pra cama ou que beija na boca, apenas acho lindo e a amo com um amor canino (não considero ser filha e nem nada assim, mas sinto mt amor)
 
Meu marido descobriu o contrário, ele descobriu que é pesado cuidar, que dá trabalho que cansa que tem que ter rotina, que as vezes não podemos sair direto pra jantar em algum lugar, pq temos que ir em casa dar comida e descer e enfim. Ele também sente um pouco de ciumes quando eu dou atenção para ela e não pra ele (palavras dele) mas eu simplesmente não consigo enxergar como isso pode ser possível.
 
Ao longo desse 1 ano nós brigamos algumas vezes por causa disso pois discordamos muito na forma de criação (ele é mais bruto e eu mais branda) Então quando ele é mais bruto eu descordo e quando eu sou mais branda ele discorda e ficamos nessa… Obs.: a cachorra nunca quebrou nada em casa e nem comeu nada, ou seja, ele ser bruto é meio “sem noção” pra uma cachorra super mansa, dócil que nem latir direito late hahaha
 
Acontece que a minha vontade de ter a cachorra é menor obviamente do que a minha vontade de ficar em paz com meu marido, mas quando conversamos e eu falo sobre arrumarmos outro lar pra ela, ele volta atrás e decide cuidar e amar a bichinha. (Acho que porque ele sabe que eu a amo)
 
Enfim, é tão engraçado se abrir publicamente, porque escrevendo parece meio tosco, mas acontece! hahahaha Espero que alguém possa nos ajudar!
Olha só, cachorro é coisa séria. Não é um objeto que se você cansar ou se não combinar mais com a sua ¨decoração¨ você se desfaz dele. Quando eu ganhei o Nero eu fiquei em pânico, pois morava sozinha e tinha milhões de coisas para fazer, mas eu levava ele pro trabalho comigo (tinha essa liberdade) e andava grudada com o bichinho o tempo todo. Eles dão um amor incondicional e muito puro! Além de melhorar o astral da casa… Enfim… chegou um ponto que eu comecei a viajar demais, saí do meu trabalho e vivia na rua, em lugares que não podia mais levar ele. Ele ficava em casa, na porta da sala, o dia inteiro sozinho, esperando eu chegar. Aquilo me destruía. Levei ele pro Chile, não com a intenção de deixar ele lá, ele iria voltar comigo, mas meus pais amaram tanto ele que achamos que seria melhor ele ficar com os avós (sim trato como filho), acompanhado sempre para que não sofresse diariamente com minha ausência. Nem sei porque tô contando isso, mas o que fiz, foi pelo bem DELE e não meu. Se fosse pensando em mim, ele estaria comigo até hoje, mesmo sozinho em casa ou em hotelzinho durante as viagens, porque ter um cachorrinho em casa é maravilhoso, mas eu amo como amo gente, e ele sofria muito ao ficar sozinho todos os dia, o dia todo. Acho que o que quero te dizer é que se desafazer dela não é alternativa, não é uma hipótese a ser considerada em momento algum já que no caso de vocês, existe a possibilidade de mante-la em casa. Vocês são a família dela entende? Não faz isso com a bichinha, conversa com seu marido, ele gosta dela também e pensem no bem DELA que é um ser mais dependente e indefeso e foi escolhido por vocês para ser a sua família.
df5137647714472544f0f4f87868e785
Caso 03 – Daniela
Estou casada há 2 anos. Ele é um fofo. A gente se dá super bem e estamos muito felizes neste relacionamento. Mas… Ele tem um filho de 6 anos. Desde o começo eu sabia disso. Nunca esquentei com esse “pequeno” detalhe pois adoro crianças e sempre tive namorados com filhos e essa situação sempre foi muito tranquila pra mim. A mãe do filho dele e ele nunca tiveram um relacionamento. Foi uma transa que acabou gerando um bebê. A mãe dele e a mãe do filho dele acabaram ficando muito amigas. Então, um dia resolvemos casar. Tudo muito lindo e maravilhoso. O problema é que a maravilhosa da minha sogra chama a mãe do filho do meu marido para TODOS os eventos de família. Eu chego no niver da sogra, ela está lá. Aniversário de sobrinho. Ela tá lá. Batizado. Ela tá lá. Almoço de família. Ela tá lá. E essa situação tá me MATANDO. Eu me sinto muito incomodada com a presença dela. Confesso até que antes de ir para os eventos tomo umas tacinhas de espumante (porque sou phyna) pra encarar a situação. Fiz uma solicitação para minha sogra que quando chamasse ela, não me convidasse. Não adianta nada. Ela me convida, eu vou,  e o vaso tá lá. Afff. Ele também já conversou com a mãe dele, mas a jararaca não tá nem ai. Confesso que não estava prepara para o presença constante dessa criatura na  família. Eu estou deixando de ir aos encontros familiares e me afastando da família dele. Estamos pensando em ter filhos e fico pensando como vai ser essa situação quando isso acontecer. Já pensei até em desistir desse relacionamento por causa disso. …O que vcs acham? O que faço?
Miga, que tenso isso! Mas já vi que você é phyna então continue nessa finesse, trabalha essa cabeça para a pessoa não te incomodar mais, sabe porque? Porque ela não é ameaça NENHUMA para você. Se até seu marido já pediu pra sua sogra maneirar com convites, é porque ele não tá nem aí com essa pessoa. Se for por ele que você fica incomodada, desencana. É chato, eu sei, mas são mini probleminhas da vida que a gente tem que aprender a lidar.
7acc20143918cf390b9fa3a821921773
Caso 04 – Emanuelle
Olá Cony, sou leitora assídua do blog há muitooo tempo, adoro seu trabalho e a forma que vc escreve.
Lá vou eu falar do meu “mini drama”
Sou super bem casada Graças à Deus, tenho um filho de 9 anos e agora tive outro bebê. Meu marido é muito família mas tbm é aquele tipo de pessoa que quer curtir a vida ao máximo, não pode perder tempo… não passamos um fds em casa.
Já vamos viajar no fim de novembro e vou ter que desmamar meu bebe que fará 5 meses enquanto eu tiver fora( a viagem seria maior mas só topei 5 dias). Em fevereiro mais 5 dias fora em outra viagem.
E no final de Junho apareceu uma viagem para o Japão de 11 dias( o sonho do meu marido e conhecer o Japão) e a data do retorno é no aniversário de um aninho do meu bebê.
Parece um pouco bobagem P quem tá de fora ou não tem filhos mas estou muito angustiada e queria uma opinião de alguém de fora.
Ah, preciso citar que minha mãe é uma avó maravilhosa, fica c meus filhos tranquilamente e tbm tenho uma baba de confiança.
Às vezes fico pensando que devo aproveitar essas oportunidades e por outro lado me sinto péssima por deixar ele. Me ajude. Beijos.
Ah menina, eu não uma das pessoas mais indicadas para te ajudar nessa questão rs. Um dos motivos de eu não querer filhos é justamente porque eu sou do mundo e não saberia lidar com esse tipo de problema. Não gosto de nada que me prenda sabe? Vou passar a bola para as mamães do Futilish!
24f6fc6d6ae301db9634aab8f8b72fdc
  • Choras AINDA FECHADOS! Segura as ponta gente!
Página 5 de 23« Primeira34567Última »