11
Jul 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Nussa, pesado hoje. Vou até tomar um vinho quando chegar em casa. Há um tempo, parei de fazer o Chora porque eu estava ficando mal. É complicado receber casos em que a pessoa precisa de ajuda e eu não ter muito o que fazer. Hoje me senti assim… amarrada, triste, impotente. Não dei conta. Conto com vocês.

Chora 01 – Florzinha

Cony, amo seu blog! Resolvi escrever por que preciso de ajuda. Estou passando por uma crise no trabalho que está afetando a minha vida pessoal.

Tenho 33 anos, trabalho em uma multinacional gigante a muitos anos, que é e sempre foi, um inferno. A empresa em si é ótima, tem excelentes benefícios, mas o dia a dia é infernal, mas me acostumei. Muita cobrança, muita pressão, carga de trabalho e horário pesadíssimos, mas tenho um excelente salário, que me permite ter uma vida bastante confortável.

Em todos estes anos, houveram muuuitos altos e baixos,  fases terríveis, mas nada comparado a fase que estamos passando agora. Trocamos de chefia e a empresa está num processo duro de reestruturação, MUITAS demissões, pressão  insana, as metas estão impossíveis (logo, isto impactou diretamente no meu bolso) e a chefia é muito difícil. Muito, muito, muito difícil.

A nova diretoria é tirana, centralizadora, todo mundo anda trabalhando aterrorizado, os processos estão terríveis e os clientes, emputecidos. E eu acabo sofrendo demais com a situação, por que recebo reclamações de clientes o dia inteiro…além disso, tenho dificuldade em dizer não (porque tenho medo de não ser competente o suficiente) e por causa disso, meu chefe ultra super me sobrecarrega. Eu ando surtada. Ando chateada, engordei, me sinto triste, feia, pra baixo. Tenho vontade de jogar tudo para o alto, mas não posso.

Meu marido está desempregado. E eu tenho sonhos. De ter uma casa maior, de juntar dinheiro, de continuar fazendo as coisas que fazemos. Eu sempre amei o meu trabalho, sempre fui workaholic, mas tenho me sentido desmotivada. Não aguento mais trabalhar todo final de semana, de ser pressionada o tempo todo…Não sei o que fazer. A empresa que eu trabalho é a melhor do meu setor… e saindo de lá, a tendência é que eu permaneça no mesmo segmento, ganhando menos e sofrendo igual… além disso, ramos fora da minha área não pagam o mesmo salário. Eu estou lutando contra o apego que sinto pela empresa, por que além de me sentir grata por tudo que conquistei,  já passei por fases terríveis e elas passaram, pois mudanças no meu ramo sempre acontecem.

As vezes me sinto uma farsa. As pessoas me vêem uma mulher bonita e bem sucedida, mas dentro de mim, eu me sinto feia, gorda, incompetente … eu chego em casa e como, como, como… este ano já engordei 3 kilos. Me sinto péssima, fico mantendo as aparências e dentro de mim está um caos. Eu não sei se insisto e aprendo a levar as coisas mais de boa (o que para mim é dificil por causa do meu perfil) e espero esta tormenta passar… ou se procuro um emprego mais tranquilo, mas eu não sei se consigo lidar com um trabalho mais calmo e que consequentemente me pague menos (gosto de trabalhar e novamente, tenho meus sonhos) ou se sei lá… compro uma bicicleta…rs.

alguém já passou por isto e pode me dar um conselho?

Tudo o que tira sua paz, é muito caro. Vale a pena pagar esse preço? Você tem que por na balança sua saúde mental x dinheiro, até que ponto isso não te faz mal. Talvez ganhar menos, mas ter uma vida mais calma, vai te fazer muito mais feliz. Claro que depois que a gente se acostuma com um padrão de vida, é muito difícil sair dele para algo inferior, mas adianta ter um padrão bem e estar com a cabeça estragada? Como li por aí esses dias: “Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde. E por pensarem ansiosamente no futuro esquecem do presente de forma que acabam por não viver nem no presente nem no futuro. E vivem como se nunca fossem morrer… e morrem como se nunca tivessem vivido.” Pra pensar.

 

Chora 02 – Lindinha

Cony! Um belo dia estava me sentindo uma mendiga e joguei no Google “como começar um guarda roupa do zero”…aí te achei e foi amor ao primeiro clique! kkkk Li seu blog TODO e virei sua fã nº 1! Adoro vc e parabéns pelo trabalho!

Meu chora é o seguinte: Namoro um cara há 1 ano e ficamos noivos recentemente. Eu o amo muito, ele me trata como uma princesa, super me agrada, é extremamente carinhoso, atencioso, romântico, etc…mas é extremamente distante e grosseiro com a própria família. Isso tem me incomodado muito!
Ele tem 33 anos e mora com a mãe e com o irmão, que é 5 anos mais novo. O pai dele faleceu há 10 anos. Reclama muito do irmão, que é encostado demais, folgado e vagabundo, não gosta de trabalhar, metido a hiponga. Reclama tbm da mãe, que diz ser fria e distante. Mas venho reparando que o problema é ele. Conversei com a mãe dele esses dias e ela me disse que depois que começamos a nos relacionar ele melhorou muito com ela, mas que tem um gênio desgraçado. Que é extremamente rude, grosseiro e mandão. Reparei que eles não tem UMA atitude de carinho entre eles….eu fico muito chocada com tudo isso, pq venho de uma família meio doida, mas muuuito amorosa. Eles mal se falam..parecem estranhos dentro de casa..quando se falam é pra se estranharem. Pra ter uma ideia, eles não dão nem bom dia um ao outro, nunca vi ninguém trocando um abraço ou uma palavra doce.
Enfim, conversei com ele sobre isso e ele me prometeu tentar mudar. Disse que sente muita falta do carinho deles, que gostaria de ter uma vida diferente, mas que não sabe nem por onde começar. Pensei em tentar fazer eles procurarem uma terapia em família, tipo Constelação Familiar, algo assim, mas sei lá…
Agora que noivamos estou com muito receio de casar, pq sempre achei que se vc quisesse saber se um cara seria bom marido, era só observar como ele tratava a mãe dele. Comigo ele nunca foi assim, mas penso que posso ser a próxima a ser maltratada. Ele age com ela como se fossem patrão e empregada. Comigo é um doce, mas tenho realmente muito medo dele se transformar nisso que é com ela comigo dentro da nossa casa.
Queria a sua opinião e a das leitoras nisso. Será que ele muda ou será que tô entrando numa cilada??

Esteja preparada para a possibilidade dele começar a te tratar como ele trata a mãe. É bem sensato e real seu medo. Mas ao mesmo tempo, não sabemos o motivo dele ser assim. Já perguntou pra sua sogra se ele foi SEMPRE assim ou se foi desencadeado em um determinado momento? O fato dele topar mudar de atitude com a família e de sentir falta de carinho é um bom sinal, ele vê que a situação não é legal. EU, euzínea, no seu lugar, continuaria noiva, mas de olho nas mudanças dele. Até faria um test drive morando junto antes. Vai enrolando, não é porque ficou noiva que tem que casar amanhã. Analise muito antes!

 

 

Chora 03 – Docinho

Olá, Cony. Acho que meu Chora é muito pesado, mas preciso contar em algum lugar. Não tive coragem de contar para nenhum terapeuta e nem para meu namorado, e isso me faz mal, me deixa angustiada. Acredite, está pouco detalhado. Mesmo assim, desculpa o textão rs

Tenho 28 anos e sou virgem. Tenho medo/nojo de sexo. Já tentei transar, mas sinto dor. Ultimamente nem vontade tenho mais, libido zero. A minha ginecologista recomendou que eu procurasse uma sexóloga, mas eu sei qual é o meu problema. Só tenho vergonha/medo de falar.

Tive uma infância muito difícil. Muito mesmo. Passei fome, sofria bullying na escola, apanhava em casa do meu pai bêbado. Nunca tive amigos, de sair e tudo mais. Sempre fui fechada, deprimida, por causa da minha criação, do jeito que vivi. Meu pai tinha comportamentos inadequados comigo. Hoje ainda fico confusa e sinto receio de rotular isso, mas sei que ele abusava de mim. Falava coisa inadequadas para mim, perguntava se eu já tinha “pelinhos”, sempre que eu passava ele esticava a mão para pegar em mim. Já puxou minha mão para eu pegar nele. Minha mãe viu, mas usou a justificativa da bebida para dizer que ele me confundiu com ela. Isso tudo começou por volta dos meus 8 anos. Fora isso ele sempre se masturbava na minha frente. Me dava banho e eu não lembro o que acontecia, só sei que me sentia muito incomodada e não gostava. Depois de adolescente os olhares dele sempre me incomodaram. Ele reparava no meu corpo, dizia que eu tinha “bundão”. Eu só usava roupas largas em casa, nunca usava shorts nem nada que mostrasse muito meu corpo. Fora tantas outras situações de abuso físico e psicológico. São tantas coisas, tantas situações. Não dá para contar todos os detalhes, mas é por tudo isso, Cony, que eu sempre tive vergonha do meu corpo. Nunca me senti à vontade sexualmente porque me lembro de tudo isso, mesmo que inconscientemente. Quando meu namorado comenta sobre meu corpo fico incomodada. Não consigo usar roupas justas nem curtas até hoje. Continuo me escondendo. Sinto muita culpa por tudo que aconteceu.  Não me sinto mulher como deveria. Quero muito me libertar de todos esses sentimentos e ser uma mulher normal. Acho que é minha maior vontade.

Tem 1 ano que moro sozinha. 1 ano que tive coragem de sair de casa. Mas isso me incomoda muito ainda, todas essas lembranças. Acho que só sentirei paz quando ele morrer. Evito ir visitar minha mãe por causa dele e de todas as lembranças que aquela casa me traz. Ninguém desconfia de nada da minha vida, porque aparento ser uma pessoa feliz e que teve uma infância de mimos e cuidados. Não gosto e não quero parecer vítima, por isso guardo tudo para mim. Mas isso me faz muito mal.

Na verdade esse Chora é mais um desabafo do que um pedido de conselho rs Precisava falar isso em algum lugar. Obrigada pelo espaço!

Ps: faço terapia há anos, tomo remédio para ansiedade. Meu problema é conseguir contar para alguém. Acho que com isso poderei me sentir mais aliviada.

Minha linda, vem cá, aliás vem todo mundo: ABRAÇO COLETIVO AGOOOOOORAAAAAAA! Nem sei o que te falar, tô com os olhos cheios d’agua aqui, como queria poder te ajudar!!!!! O que posso fazer por você? Me diz??? Se queria contar pra alguém para se aliviar, está contando e tenho certeza que as meninas vão ser solidárias com você. Me promete que nunca vai largar a terapia?? Pense numa vida nova, por mais que tudo pareça muito difícil, você é uma pessoa amada, certeza que é linda, forte, determinada, independente, uma mulher merecedora do amor e uma vida cheia de felicidades. Não sei o que sua terapeuta diz, mas dependendo do tipo de namoro que você tem (me refiro a maturidade e confiança), contar para ele não seria uma possibilidade? Pode ser um cara muito bacana que vai reprogramar sua cabeça e tirar de você a idéia que sexo é algo sujo e feio. A superação de algo tão pesado assim é um caminho longo, ainda mais vindo de um ser que deveria ser o exemplo de homem na sua vida. Ele NÃO é exemplo, ele é EXCEÇÃO, jamais considere as ações dele como algo NORMAL, NUNCA PENSE QUE FOI SUA CULPA ou que você provocou isso de alguma maneira. Infelizmente isso é mais comum do que se imagina, e contar, falar sobre o que aconteceu, é um dos caminhos para aliviar a alma. Estamos com você!

 

 

 

Pesquisei um pouco sobre abuso sexual infantil e achei matérias bem interessantes. Acho válido todo mundo dar uma olhada, pelo menos nesta aqui, que ensina a interpretar desenhos infantis. LINK É aterrorizante, mas infelizmente muito mais comum do que se imagina.

 

  • CHORAS LIBERADOS! Pode mandar seu mail com sua dúvida, angústia ou desabafo para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO. Estaremos aqui prontas para ler, palpitar, aconselhar e ajudar.

 

27
Jun 2018
Chora Que Eu Te Escuto!!!
Chora Que Eu Te Escuto

Quarta é dia de Chora e de Brasil x Sérvia! Antes do jogo, vem ler aqui, vem.

Chora 01 – Moscou

Olá, Cony! 

Percebi que nos últimos tempos tenho vivido uma situação comum, em que pessoas se apegam a mim para desabafar e/ou me tomar como modelo. Acontece que sou uma pessoa extremamente sensível e empática, então se vejo que alguém está com um problema ou meio para baixo, tento animá-la, dar conselhos. Além disso também tenho boa memória e me lembro de tudo o que essa pessoa já contou, às vezes até pergunto sobre. Mas aí ela se apega mesmo, fica só atrás de mim, me conta todos os problemas da vida (que quase nunca são de fato), ou então começa a querer se inspirar em coisas que faço, mais do que o normal (seguir a mesma rotina, vestir o mesmo tipo de roupa, comprar coisas iguais, etc.).

Não estou contando isso pra me achar, muito pelo contrário. Sei que boa parcela disso acontecer é pelo meu medo de rejeição, já que sempre procuro ser simpática no começo de qualquer relação interpessoal e sei que uma boa ferramenta pra isso é mostrar interesse. Outro fator é que não costumo desabafar com qualquer pessoa, porque acho que poucas realmente escutam, se preocupam e não usam contra você ou fazem fofoca. Aí passo essa imagem de bem resolvida, equilibrada, sensata, sendo que tenho todos os problemas de baixa autoestima, insegurança e medo que todo mundo tem.

Isso tem me prejudicado muito, porque quando a pessoa fica muito atrás eu fico nervosa querendo me livrar e se a pessoa não se toca eu simplesmente sumo, ignoro mensagens, faço de tudo pra não encontrar mais e deve ser ruim para ela também.

Nesse momento está acontecendo com alguém e já não sei mais quais sinais enviar, não aguento mais ser despejo de lamúrias fúteis! Agora estou com tendência a ser mais fechada do que já sou, porque tenho receio de que os recém conhecidos sejam assim.  Gostaria de ouvir opiniões de quem passa por isso… Será que existe algum jeito de saber o quanto você deve se aproximar de alguém? Não estou sabendo definir esse limite. Beijos e muito obrigada pelo espaço.

Acho que não sou a pessoa mais indicada para te dar conselhos, pois eu sou péssima em primeiro encontros. Posso ser a pessoa mais simpática do mundo, como posso ser a mais antipática de todas. Mas isso se deve a minha timidez extrema (acreditem, sou muito tímida) e às vezes eu travo e não consigo nem conversar. Fico com medo de falar bobagem, de ser mal interpretada em algo, de atrapalhar. Pra piorar, eu perco o foco muito fácil, então é bem comum acontecer, no meio de uma conversa pouco interessante ou que eu não entenda do assunto, eu me distrair com qualquer bobagem. Daí a pessoa acha que tô chata e desinteressada. Mas também posso estar num dia toda serelepe e ser a mais simpática e divertida do lugar. Acho que é coisa de cancerianas regidas pela lua, mudam a cada instante rs. No meu caso, é uma luta interna ser uma pessoa legal no primeiro encontro, pois nunca sei como vou me portar. É mais forte que eu e sei que tenho que dar um jeito nisso, mas no geral, acho que não podemos ir além de um papo superficial no primeiro encontro, ser simpática mas não querer saber demais. Acho até falta de educação perguntar muito (o que para algumas pessoas possa parecer desinteresse), mas acho feio por exemplo, conhecer alguém, e esse alguém falar que está mais ou menos e eu querer saber o motivo. Simplesmente não pergunto nada pois tenho medo de puxar o fio e ser algo tão chato que depois vai ser difícil sair da conversa. Uma coisa é ser simpática educada, outra é ser simpática melhor amiga e acho que tem sim que por um limite no primeiro contato com alguém. A intimidade se conquista aos poucos e pode ser que sua simpatia extrema no inicio de uma amizade jogue contra você no momento que você para de responder a pessoa, ignora mensagem e some. De uma pessoa bacana e legal, você vai virar uma esquisita e complicada. Acho que o que não é dito, não é entendido então é melhor abrir o jogo e falar com a pessoa que te persegue para desabafar que você está incomodada com isso e que quer uma conversa mais leve. O bonzinho só se ferra e vira saco de pancada, então, respeite o seu limite e o das outras pessoas também.

 

Chora 02 – Nairobi

Boa noite! Estou mandando meu chora mais pra ler os comentários, pois ando bem confusa!Há 2 anos conheci um cara e o achei interessante, mas ele estava noivo e não rolou absolutamente nada. Em março, nos reencontramos e ele estava solteiro, daí começamos a conversar. O problema é que ele mora em São Paulo e eu no Rio. A partir de então já estive 2 vezes em SP, ficamos juntos e ele é uma pessoa maravilhosa, parece o Príncipe Harry (só que sem a conta bancária e os castelos. hahahhaaha). Desde o tal evento em que nos reencontramos, falamos todos os dias e agimos como namorados, com o compromisso de não ficar com mais ninguém e essas coisas. Já conheço vários defeitos dele e ele os meus, mas como todos os tem, nem me importo sempre com isso.  Acontece que o sentimento está fluindo de verdade de ambas as partes.  Entretanto, ele tem a vida dele corrida e estabilizada lá e tem projetos que não o permitem sair de SP e eu, tenho 2 formações, mas trabalho com um amigo na política e isso, mais que um trabalho, é um projeto de vida que sonhamos e construímos juntos há mais de 15 anos, ou seja, também seria beeem difícil sair daqui. Ocorre que nenhum de nós acredita num relacionamento à distância, pelo menos sem uma perspectiva de que essa distância venha a diminuir em breve. O que eu faço? Troco minha pelo cara de quem gosto, mas nunca convivi, recomeçando a vida num lugar em que não tenho em quem me amparar, esqueço essa história e sigo minha vida no rio ou levo enquanto der e quebro a cara mais lá na frente? Não estou pensando em me mudar semana que vem, obviamente, mas pensei em planejar pra acontecer isso daqui a um ano, sei lá.

NUNCA, MAS NUNCA, ABRA MAO DOS SEUS SONHOS POR CAUSA DE OUTRA PESSOA. Conselho curto e grosso: leve o relacionamento enquanto der mas já se programe para o término. O que vier diferente disso, é lucro. A vida é muito louca, nunca se sabe o dia de amanhã. Mas abrir mão de um sonho que está sendo concretizado, jamais. 

 

 

Chora 03 – Tokyo

 

Oi Cony! Sou uma grande fã sua, acompanho o blog desde 2011 e hoje vim aqui dar uma choradinha, rss. Seguinte: acabei de me casar (ainda não faz um mês). Namoramos por 2 anos à distância (nos vendo todos os meses, SEMPRE), pois morávamos em Estados diferentes, e há alguns meses ele se mudou pra minha cidade para casarmos (já estava nos planos). Até aí ok.  O meu problema é que meu marido é muito instável profissionalmente. Enquanto eu, que tenho 23 anos já sou formada e pós graduada, tenho uma profissão boa e um salário bacana, ele tem 31 anos, não possui graduação e não dura um mês em emprego algum. Sempre acha que está abaixo do nível dele, que as pessoas estão perseguindo, que estão falando mal dele pelas costas, etc.   Tudo bem que ele saiu de uma cidade grande, com grandes indústrias, pra morar em um Estado menor e com menos oportunidades, mas trabalho aqui nunca faltou. Mesmo estando empregado na área dele, ele encontra um subterfúgio pra pedir demissão. Em alguns meses aqui já passou por 04 empresas, e neste momento que estou escrevendo este chora, estou no meu escritório trabalhando e ele está em casa, fazendo nada.  Agora estou pedindo pra ele sair e procurar emprego, mas nem isso ele quer fazer. Com meu salário tenho conseguido nos manter, mas casei para construirmos algo juntos, não para sustentar outra pessoa. 
Vale dizer que antes de se mudar pra cá, ele não tinha este comportamento, pois trabalhou em outras empresas por muitos anos, então não sei explicar esta mudança drástica. Esta falta de ambição dele me deixa aflita.  Será que alguma das leitoras teria uma dica pra me dar? Como lidar com esta situação sem ser grosseira? Ou estou reclamando demais? Me ajuda por favor! Obrigada! ♥ 

 

Fia, nao tem nem um mês de casada e já manda chora??? Me conta uma coisa, como você, toda estudada e resolvida, casa com um cara que não tem graduação nenhuma aos 31 anos? Desculpa te dizer isso, mas parece que você se meteu numa baita encrenca. Geralmente eu tento ver os dois lados da historia, ou pelo menos imaginar o que está acontecendo do lado de quem não se pronunciou aqui, mas nesse caso tô com um bad feeling. O que mais me preocupa é o fato dele NÃO QUERER sair para procurar emprego. Aí ferrou. Uma coisa é trabalhar, não gostar, sair e ir pra outro trampo, mas outra beeeeem diferente é ficar em casa e se negar a trabalhar. Tenha JÁ uma conversar séria com ele, calma mas FIRME. De forma alguma você está reclamando demais, eu no seu lugar já tinha rodado a baiana. Você não se casou pra sustentar marmanjo e se deixar isso pra lá e não se impor, bem capaz dele montar nas suas costas. 

 

 

  • Tô engraçadinha hoje. Choras ainda fechados!
20
Jun 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

É quarta feiraaaaa, é quarta feiraaaaaa! Dia de choradeira!

Chora 01 – Tiradentes

Cony, eu nunca vi esse assunto aqui então resolvi falar pra ver a opinião das leitoras.

Estou querendo muito parar de tomar a pílula anticoncepcional por saúde mesmo (Uma conhecida do meu marido teve um AVC e tudo complicou pelo uso de anticoncepcional e agora ela está na cadeira de rodas e depende de alguém para tudo que for fazer, ela era uma pessoa muito ativa, corria 15km por dia! Veja a reportagem que está ajudando ela LINK.

O anticoncepcional faz mal em vários aspectos, inclusive na libido. Eu gosto muito do fato de tomar pílula contínua e não menstruar, mas estou seriamente pensando em parar e fazer tabelinha.

Não adianta falar que é pra usar camisinha porque já tentei e isso não funciona (Sou casada, já tentei fazer isso, já tentei por DIU, já tentei usar adesivo e vários outros métodos) tenho consciência de que é um risco que estou assumindo, já que a camisinha previne doenças, mas eu acho que a camisinha super corta o clima e além disso sou alérgica.

Então estou querendo fazer tabelinha, já estudei sobre e parece ser algo simples, e tem aplicativos para ajudar. Porééém e o medo de engravidar mesmo assim?
Tenho uma filha de 8 anos e ela nasceu com uma má formação, algo simples que não afetou o desenvolvimento dela, mas afeta o psicológico e não gostaria de ter outro filho com o mesmo problema (Não por não querer um filho como ela, porque ela é incrível, mas pelo sofrimento que ela já passou, passa e ainda vai passar). E pensando bem eu não quero mais ter filhos. Mas o médico me nega fazer a laqueadura e eu compreendo os motivos. Às vezes me arrependo de não ter tido um filho logo depois dela, para fazerem companhia um para o outro e porque é bom ter irmãos! Imagina, ela não vai ter sobrinhos. Mas há essa altura eu não tenho a menor condição financeira para ter outro filho. Sou católica e a igreja sempre prega freneticamente que a pílula é abortiva e quem toma pílula está com certeza abortando em algum mês de uso da cartela de pílula.

Já briguei com todos falando que não podemos pensar com a cabeça tão fechada assim, porque muitas mulheres precisam da pílula e não podemos superpopulacionar o mundo do jeito que está, o mundo está horrível! Não podemos colocar crianças no mundo pra sofrer. Há diversas situações, pais que não tem condições financeiras e por temor a Deus não se previnem e os filhos acabam passando dificuldades. E na boa, Deus não tá de olho nisso não. Mas o que quero dizer com essa parte da religião é que quando fui casar participei de um curso que ensinava diversos métodos contraceptivos naturais, a tabelinha, a temperatura, billings, dia standart… Queria saber se alguma leitora faz uso desses métodos e como têm sido. O que considero mais fácil é o da tabelinha. Mas preciso fazer de um jeito que eu não engravide de jeito nenhum, rs As explicações que eu vejo (Inclusive já falei com o médico ginecologista) são vagas. Obrigada Cony!!! Quando vc veio aqui, não pude ir, não consegui sair do trabalho, tive que fazer hora extra até no final de semana, meu coração ficou partido! Espero que volte logo!

Já falei sobre pílula aqui sim, inclusive que não tomo de jeito nenhum e parei justamente por achar um veneno a longo prazo. São inúmeros casos de trombose, AVC, tanta coisa que parei há anos. Eu acredito que é uma bomba relógio que faz muito mal ao corpo: eu era cheia de celulite, cheia de vasinho nas pernas, ZERO libido, muita dor de cabeça. Ok que a pele fica boa, mas acho que isso é muito pequeno se comparar com o mal que me fazia. Parei, optei pelo DIU de cobre (nem Mirena eu quis, digamos que zerei meu corpo de hormônios) mas também tirei o DIU porque meu fluxo era surreal de intenso e demorado. Enfim, tabelinha amiga. Aliás, você não deu certo com DIU de cobre? Uso um aplicativo e tá tudo certo até o momento. A gente aprende a entender nosso corpo e sentir o que está acontecendo. A vida sem anticoncepcional é OUTRA! Quando faço exames, os médicos sempre “elogiam” meus níveis de testosterona (para uma mulher, claro) e isso que não suplemento com nada. Eu apoio DEMAIS largar a pílula e usar outros métodos! Ah, eu uso o app P.C. o ícone dele é rosa com uma flor branca. Acho ótimo!

Chora 02 – Diamantina

Oi Cony, Sou mais uma fiél seguidora e ja tive um chora publicado tem alguns anos.  Desculpe a falta de acentos Eu moro em outro pais e namoro um rapaz desse pais. Estamos juntos tem 8 meses e recentemente ele me levou para conhecer a familia dele, foi tudo lindo, maravilhoso. Eu gosto muito dele, mas ele é uma pessoa muito difícil. Ele é muito caseiro, passamos o inverno dentro de casa, o que não acho ruim, pois o frio estava insuportàvel. Agora esta calor, eu quero sair e aproveitar, ja ele, nao quer fazer nada. Os programas que temos feito é supermercado, uma volta no shopping e às vezes uma caminhada no parque, mas ele não me impede de sair. Eu sempre estou saindo com meus amigos, me divertindo e às vezes ele vem junto. O problema é que sinto falta de parceria por parte dele, e ele é uma pessoa muito fechada, n fala dos sentimentos nunca e esse escudo também me atrapalha, pois n consigo me entregar 100% na relação. Eu como boa latina, adoro abraçar, andar de mãos dadas…Ele é bem na dele, mas volta e meia ele me da um abraço em publico, ou um beijinho. Ele so me diz que ta passando por uma fase dificil e que isso vai passar. Desconfio que ele esteja meio deprimido, mas ele n se abre por completo entao nao sei se é isso. Esse comportamento me tras muita insegurança. Parece que ele é um chato contando assim, mas ele sempe me faz rir, me conta piada, me elogia, me ajuda em tudo que preciso. E quando estamos so nos dois, ele é muito carinhoso e um fofo.  E o melhor de tudo, ele fala muitas linguas, inclusive português, e isso ajuda muito, pois ele não se sente deslocado quando esta com meus amigos brasileiros. Queria pedir dica das leitoras que namoram gringos e como quebrar a barreira cultural e parar de ficar insegura.

Eu como gringa que namoro um brasileiro HAHAHAH mentira, sou mais brasileira que muita gente. Desculpa mas não sei como te ajudar, deixo o espaço para leitoras que já namoraram gringos!

Não achei quote mas achei essa matéria e morri de rir! LINK

Chora 03 – Ouro Preto

Oi, Cony! Já te acompanho há uns 6 anos e amo o seu trabalho!! Obrigada por abrir esse espaço para as suas leitoras! Bom, conheci meu namorado no Happn. Apesar de ser mais novo do que eu (eu tenho 25 e ele 22), dei like e começamos a conversar. Tivemos muito papo! Ele é um cara muito doce, inteligente e engraçado.

Descobri no segundo encontro que ele era virgem, e acabei tirando a virgindade dele. Achei curioso ele ainda ser virgem com essa idade, mas ele disse que nunca rolou. Ele teve uma namorada antes de mim, com quem namorou 1 mês, e com quem posteriormente eu descobri que também foi a primeira pessoa com quem ele ficou. Já estávamos saindo há cerca de 1 mês quando ele propôs de dormirmos juntos um dia e eu topei. Vi ele mandando mensagem pra avisar a mãe, e Cony, só vi de relance a mãe dele surtando no WhatsApp. Peguei a seguinte frase “que menina é essa que vc mal conhece e já vai dormir com vc?” Não conversamos sobre isso no dia, e continuamos nos envolvendo cada vez mais. Dois meses depois nós começamos a namorar. Fui entendendo então algumas coisas. A família dele é extremamente católica e acredita que sexo é só depois do casamento, ele é filho único, eles são de uma zona rural aqui da minha cidade e tem uma mente bem fechada. O pai e mãe não dormem mais juntos há 7 anos mas não podem se separar devido a religião. Meu namorado era diferente disso tudo, mas eu confesso que fiquei com pé atrás pela família.

Enfim, conheci todo mundo, todos me trataram super bem, mas eu sabia que no backstage não era bem isso que rolava. Às vezes meu namorado vinha me ver meio cabisbaixo, dizendo não saber o motivo e eu ia cavucando aos pouquinhos e descobríamos (no plural, porque ele dizia não ter se dado conta) que a mãe ficou alfinetando ele o dia todo com relação a mim. Indiretamente eu já fui chamada de piranha, interesseira e preguiçosa. Detalhe: eu sou formada, já me sustento, e ganho bem na minha área!

Eu ignorava tudo isso e seguia na política de boa vizinhança. Meu namorado foi forçando algumas coisas ao longo do tempo, como poder vir dormir na minha casa às vezes e eu dormir na dele. Acontece que qualquer coisa que ele queria fazer comigo era uma batalha na casa dele. Além da questão religiosa, a mãe parece que coloca ele no lugar do marido. Tudo o que o pai não faz em casa ela pede pra ele fazer. Até aí ok.

Começo desse ano foi o estopim: fui a casa dele para irmos na casa dos tios para um almoço. O pai dele não me cumprimentava nunca, e eu procurava não forçar a barra. Dava sempre oi, bom dia e boa noite, acenava, mas não esperava aperto de mão/abraço/beijo no rosto e nem mesmo resposta. Nesse dia agi da mesma maneira de sempre, o cumprimentando de longe. Passou um tempinho e a mãe dele veio me puxar para um abraço de ano novo (pois não tínhamos nos visto antes), e eu retribui. Meu namorado me chamou e eu fui ajudá-lo. Voltei e os pais dele estavam de portas fechadas gritando em polonês (eles têm essa descendência).

Fui esperar meu namorado no carro querendo dar privacidade pra eles pois achei que era uma briga entre os dois (isso era muito comum!) e meu namorado chega falando que eles estavam discutindo por minha causa! Que a mãe achou que eu havia sido muito mal educada por ter felicitado apenas ela e não o pai. Aquilo tirou meu chão pq eu nunca seria mal educada intencionalmente, ainda mais sabendo o quanto eles não gostavam de mim. Foi um lapso, sabe? Nem tinha me tocado do fato de não termos nos visto depois do ano novo e nem me sentia a vontade para tentar forçar um abraço no pai dele que mal me olhava na cara. Me senti muito humilhada esse dia e fui embora. Fiquei mais brava ainda pois meu namorado nem estava junto na hora da situação, mas defendeu os pais.

Terminamos, e alguns dias depois eu fui atrás. Ele estava super frio, parecia outra pessoa, como se tivesse passado por uma lavagem cerebral. Chorei, implorei, expliquei o que tinha acontecido. Ele quis que eu falasse no viva voz pra mãe dele que tudo não tinha passado de um mal entendido e assim eu fiz. A mãe dele ouviu muda as minhas desculpas. Voltamos a namorar, só que desde essa situação em janeiro eu não quis mais frequentar a casa dele.

Aí chegamos ao principal: ele faz pilates duas vezes por semana com a mãe dele, ele tem uma empresa e ela trabalha junto com ele todos os dias, os dois almoçam juntos só eles todos os dias e tomam café da tarde juntos todos os dias. Agora que eu não frequento mais lá, chega final de semana e o que ele quer fazer? Ficar em casa com a mãe, fazer coisas com a mãe.

Eu não me acho alguém grudenta, pelo contrário, sou muito independente. Mas acho que uma coisa seria ele querer espaço pra sair com amigos, outra é ele querer passar mais tempo com alguém com quem ele já faz tudo! E outra, ele só pode vir me ver no meio da semana (mesmo estudando quase ao lado da minha casa), quando inventa desculpas para a mãe do tipo “tenho que comprar XX que fica na Rua da casa dela”. Me sinto um pouco no Ensino Médio, com alguém que não tem muita autonomia.

Começamos a brigar por isso pois eu estava sentindo que estava mendigando atenção. Faz uma semana que terminamos por telefone pq ele não quis me ver pessoalmente (pois sempre que brigamos e depois nos vemos, costumamos fazer as pazes! Ele diz que me vê e fica mais calmo, raciocina melhor). Falou que achava que iria se arrepender mas que talvez fosse melhor assim pois eu estava errada e o deixava preso ao ficar chateada quando ele deixava de passar um final de semana comigo para ficar com a mãe.

Gente, isso acabou comigo. Será que estou pedindo demais? Queria viver um relacionamento saudável e maduro e não acho essa relação que ele tem com os pais normal. Sinto que ele não tem autonomia pra nada e que a mãe o manipula para não ficarmos juntos.

Me deem uma luz meninas! Eu sou o tipo de pessoas que não hesita em pedir desculpas se estiver errada, mas infelizmente não sinto que é o caso. Porém, eu o amo muito, e tirando essa questão com a família, não brigávamos por nada! Nos damos muito bem em todos os aspectos!

Miga corre. Some desse povo maluco. Parece coisa de novela. Acho essa relação familiar dele BEM estranha e se tem uma coisa que aprendi na minha vida é que família e criação são muito importantes no desenvolvimento da pessoa. Se não tem família equilibrada e tem relação esquisita com a mãe, a chance de ser TRETA é altíssima! Ainda mais quando tem comportamento esquisito com mãe, seja pra mais ou pra menos. Homens são MUITO influenciados por elas e se tem algum tipo de problema ou conduta diferente, pode saber que isso vai aparecer no seu relacionamento. Eu fugiria. Engoliria o amor e pularia fora o quanto antes.

Chora 04 – Congonhas

Oi Cony, acompanho seu trabalho a um bom tempo e cheguei em um momento que só vc pode me ajudar. Tenho um relacionamento há quase oito meses. Pra titulo de informação ele é meu chefe mas depois de muito relutar decidimos que era hora de apostar nesse relacionamento porque nos gostamos muito, antes só ficavamos. O problema começa aí. Ele já foi casado duas vezes e começamos a ficar um tempo depois dessa segunda separação. Ele tem uma filha de 11 anos, do primeiro casamento. Estamos juntos quase todos os dias, no trabalho todos já sabem, ele recentemente fez uma festa surpresa pra mim de aniversario e muitos dos convidados eram do ambiente de trabalho. Ele também já conhece meus pais, meus irmãos, inclusive já fizemos viagens juntos com a minha família. A questão é a trava dele com relação a família dele. Não conheço ninguém. Nem os amigos, nem a filha, nada. Nas minhas redes sociais tem fotos nossas mas nas dele, nada.

Hoje tivemos uma briga feia por eu ter colocado no facebook que estamos em um relacionamento sério sem ter perguntado a ele antes se poderia.

Ele diz que a filha dele não sabe ainda do relacionamento e que apesar dela não ter facebook alguém pode dizer a ela.

Mas antes, a desculpa era a ex, ele dizia que preferia poupa-la de sofrimento. Eles terminaram pq ele deixou de gostar dela. Isso 3 meses antes da gente começar algo. Agora, a desculpa é a filha. Ele ainda disse que não quer expor relação na rede social. Já com a ex, era todo dia uma foto e uma declaração.

Um tempo atrás sentei pra conversar com ele e pedi que abrisse um espaço na vida dele pra mim, me apresentasse aos pais, aos amigos, já que a filha ele preferia manter distante por um tempo, mas nada aconteceu Cony.

Estou a ponto de terminar, porque acredito que ele quer, por algum motivo, ou alguém, me esconder dos outros que não fazem parte do nosso circulo próximo, com o trabalho e segundo porque me sinto numa relação em que eu tenho que me submeter as necessidades dele quando as minhas ficam em segundo plano, afinal, ja conversei pedi e demonstrei minha insatisfação em ficar tão afastada dessa parte da vida dele. Não sei o que fazer.

 

Cilada detected. Obviamente tem alguma coisa aí. Se ele estivesse 100% livre, desimpedido, resolvido, não teria problema nenhum em você ser apresentada para a família dele ou mesmo conhecer a filha. Acho 8 meses um tempo considerável e relacionamento é reciprocidade, inclusive em assuntos familiares. Ele já foi apresentado para sua família, nada mais justo – AND NORMAL – que você também já conheça a família dele. Quanto a por relacionamento no Facebook, também acho bobagem, mas o que me chama a atenção é o fato dele querer ESCONDER isso. Uma coisa é dar piti por achar besta por status em rede social, OUTRA COISA BEM DIFERENTE, é dar piti para esconder de alguém. Sei não. Eu observaria mais, pesquisaria mais, iria mais fundo nessa historia de ex. Pode ser várias coisas: ou ainda tem algo com a ex, ou a família dele idolatra a ex e uma nova namorada seria uma afronta, ou tem mais de uma namorada ou sei lá. As vezes também nem é nada e é bobagem dele, medinho masculino de assumir algo, de qualquer maneira, EU ficaria de olhos bem abertos!

 

 

  • Choras ainda suspensos! Perceberam que dei uma acelerada? Tô postando de 4 em 4 hein. COMENTEM!!! Beijos.
Página 1 de 3812345Última »