Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
20 dez 2018, 36 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!!

Com um dia de atraso… mas é que tô curtindo mami aqui no Chile. Já estão me acompanhando no Instagram? Tá cheio de dica boa lá hein! ME SEGUE GENTEEEE @futilish

Chora 01 – Santiago

“Oii Cony!  Resolvi escrever sobre esse assunto pois é um assunto que pouco se acha na internet e certeza ninguém nunca escreveu sobre no blog. Espero que alguma leitora sua possa me ajudar com alguma experiência própria.

Tenho 32 anos, e na parte pessoal e profissional estou muito feliz.

Meu problema: Eu possuo simastia congênita, explicando de forma simples: a pele ente meus seios (no decote) não é colada no osso, o que não deixa aquele formato bonito do seio. Tem uma famosa que tinha esse problema Ariane Steinkopf, se jogar no Google fica mais fácil para entender vendo a imagem. Vou te mandar uma foto para ter ideia.

Coloquei silicone a primeira vez há uns 9 anos, na época não se notava tanto pois tinha pouco seio, coloquei 260 ml, No início a simastia não me incomodava, mas com o tempo começou a incomodar e comecei a pensar em corrigir o problema.

Esse ano resolvi que ia corrigir, marquei férias 14 dias para ficar em casa repousando e me recuperar bem. Procurei o melhor médico que tem na minha cidade pois é uma cirurgia que nem todo cirurgião plástico faz.

O médico disse que resolveria meu problema trocando minha prótese por uma de perfil extra alto, com a base mais estreita, com 305 ml, e fazendo um costura interna redesenhando o formato do seio, esse procedimento chama capsulorrafia interna cuidadosa.

Hoje tenho um mês da cirurgia, e a parte central ainda está praticamente igual a antes. Fui consultar com o médico porque há dois dias até inchou um pouco mais. Ele falou para que eu espere passar 3 meses da cirurgia, para ter certeza que não está mais inchado, e após esse período caso ainda não esteja contente ele iria fazer uma pequena lipo entre os seios. Estou me sentindo tão mal, ele tinha me dado certeza de que o procedimento daria certo. Agora sei que infelizmente preciso esperar para ver o que vai acontecer. Mas minha pergunta é alguém já fez esse procedimento? Caso alguém tenha uma experiência com isso e possa me ajudar, se já corrigiu como fez a correção.

Obrigada por esse espaço Cony qualquer opinião pode me ajudar e talvez a outras pessoas também.”

Por isso que eu AMO o Chora, a gente aprende TANTO! Eu não sabia sobre simastia congênita, mas já tinha reparado em alguns silicones que ficavam “alto” no meio. Como não sei nada sobre o assunto, deixo aberto aos comentários de mulheres que tenham o mesmo problema ou que entendam do assunto. Mas se posso dar um conselho, por menor que seja, é que aguarde desinchar mesmo para se preocupar. Cirurgia plástica não dá para avaliar nos primeiros meses, é lento mesmo! Boa sorte!

Chora 02 – Concepcion

“Oi, Cony! Tudo bem?

Meu “Chora” é um pouquinho diferente, mas decidi criar coragem e compartilhá-lo. Tenho 24 anos e passo por alguns problemas emocionais. Trabalho em um emprego que me suga as energias, percebi que não me encaixo na área que me formei e estou com dificuldades de encontrar outro ramo. Nesse último caso, parece que não me encaixo em nenhuma opção, sabe?

Por conta disso, tenho enfrentado muitas crises de ansiedade, angústia e desânimo. Nos piores dias, e é esse o problema principal, tenho pensamentos perturbadores, involuntários, de que machuco alguém próximo. Por exemplo, se estou na cozinha, do nada vem em mente à imagem de eu pegando uma faca próxima e machucando a pessoa ao meu lado. Só para deixar claro, eu não tenho vontade de fazer isso e tenho certeza absoluta que nunca faria. Na verdade, entro em desespero só em pensar nisso. É como se fosse um “flash”, uma imagem involuntária, que fica na mente apenas por alguns segundos. Só que, por mais que eu sei que não faria aquilo, eu fico apavorada com essa situação. Tenho medo de estar enlouquecendo. Até evito contar isso para as pessoas (apenas meu namorado e minha psicóloga sabem), pois sei que os outros não entenderiam ou me julgariam errado.

Faço terapia há uns meses e minha psicóloga acredita que talvez isso seja resultado de aguentar a carga emocional elevada por muito tempo. Quando chega ao limite, meu pensamento libera essa carga como uma “explosão”, em forma de uma imagem chocante e abrupta, para me alertar. Só que não estou conseguindo evitar que essa situação se repita nos piores dias, justamente por já estar fragilizada pelo trabalho, e me sinto horrível com tudo isso.

Por isso, queria saber se alguma leitora sua já passou por algo parecido ou se alguém pode me dar dicas de como tentar evitar/amenizar essa situação. É possível me ajudar?

Obrigada pelo espaço e pelo bem que você faz para nós. Um beijo ❤”

Miga, deixa eu te contar uma coisa, eu também tenho uns flashes assim mas comigo mesma. E ó, acho que é mais normal do que a gente imagina porque uma vez comentei com algumas amigas e várias também tinham os mesmos pensamentos. Tipo, se tô na varanda de um lugar muito alto, imagino eu pulando. Ou pulando na linha do metrô. Ou me jogando na frente de um caminhão. Só desgraça kkkk mas é só imaginação porque não tenho a mínima intenção de fazer isso. Acho q tem alguma explicação psicológica sim, pode ser a pressão do dia a dia como disse sua terapeuta. Gostei do seu Chora, também quero ouvir as meninas!

Ah, e achei um texto BEM legal na internet e o nome desse tipo de pensamento é PENSAMENTO INTRUSIVO

“Pensamentos intrusivos são pensamentos que entram constantemente na sua mente contra a sua vontade. Eles são considerados intrusivos, porque você simplesmente não consegue afastá-los para fora da sua mente, e muitas vezes aparecem em momentos impróprios. Os pensamentos intrusivos também podem ocorrer em flashes, causando ansiedade significativa quando entram na sua mente.

Muitos dos pensamentos intrusivos estão relacionados com a ansiedade, pelo que pode senti-los como assustadores sobre o que pode acontecer consigo ou alguém que você gosta, ou o que você pode fazer para si mesmo ou para outra pessoa. Eles parecem estar fora do seu controle, e o seu conteúdo pode ser estranho e ameaçador. Nestes tipos de pensamentos intrusivos, parece que os pensamentos surgem como resultado da ansiedade, e incrementando mais medo sobre os sintomas da ansiedade que já está experimentando.

Os pensamentos intrusivos aumentam a ansiedade, e alimentam a espiral de produção de medo. Assim, por exemplo, no meio de um disparo de ansiedade você pode pensar: “Se eu tiver um ataque cardíaco?” Você fica num estado recorrente de pensamento ansioso, sentindo que é provável que aconteça o que está a pensar.

Os pensamentos ruins, obsessivos ou intrusivos acontecem a todos nós e podem assumir muitas formas. Talvez você tenha de repente a imagem de empurrar alguém para fora de uma plataforma de trem, chutar um cachorro, gritar na igreja, saltar de um carro em movimento, ou esfaquear alguém que você ama.

Ao fazer ou querer fazer qualquer uma dessas coisas não é normal, mas ter pensamentos intrusivos como esses é normal em algum momento na nossa vida.

Às vezes, pensamentos como estes vêm até nós precisamente porque não queremos agir desta forma, pois eles são simplesmente a coisa mais inadequada que a nossa mente pode imaginar. O que dificulta todo o processo de superar ou eliminar este tipo de pensamentos é fazer esforços para não ter tais pensamentos, ao tentar empurrá-los para fora da sua mente, pode realmente fazê-los ficar.

Muitos dos pensamentos intrusivos podem estar associados a algum tipo de transtorno de ansiedade, como:

  • Fobia social
  • Transtorno de ansiedade generalizada
  • Transtorno obsessivo-compulsivo
  • Transtorno de pânico
  • Transtorno de stress pós-traumático

No entanto, existem muitos pensamentos intrusivos comuns que podem estar associados a uma preocupação particular ou relacionados com uma situação específica que a pessoa esteja a viver. Apesar de estarem  contextualizados, aparecem em momentos inoportunos, causando algum tipo de problema.

Usualmente esses pensamentos intrusivos comuns aparecem  na forma de pensamentos negativos ou até mesmo como pensamentos autodepreciativos. Por exemplo, quando você está prestes a desempenhar uma determinada tarefa importante e surge o pensamento: “Tu não és bom o suficiente para conseguires.” ou “Achas que uma pessoa como tu vai ser capaz de conseguir?”

Bacana né? Super me indentifiquei, pois tenho ansiedade! Não tratada devidamente AINDA, mas vou ter que ver isso logo. Para ler o texto inteiro, inclusive as dicas para se livrar desses pensamentos, clique AQUI

Chora 03 – Antofagasta

“Cony, amo o blog, adoro suas dicas e seu estilo de vida! Quando vejo você falando que depois de anos de um relacionamento encontrou alguém e está feliz sinto esperança que comigo aconteça o mesmo.

Eu namorei por nove anos um cara muito especial, que era atencioso, cuidadoso, carinhoso e preocupado comigo. Nos dávamos bem, fazíamos planos mas nunca senti aquela vontade e firmeza para casar.

Depois de anos de relacionamento tomei coragem e terminei, posso dizer que não foi nada fácil mas nunca estive tão feliz. Recomecei a vida, fiz novos amigos, me tornei uma pessoa muito mais leve, mais sonhadora e depois de um tempo fui morar sozinha.

Posso dizer que em dois anos minha vida mudou completamente e parece que sou uma nova pessoa, independente, alegre, cheia de vida e planos. Curti bastante a solteirice mas passou..hoje sinto falta de alguém e vontade de construir minha família e minha idade me assusta pois mesmo com o avanço da medicina sei dos riscos de uma gravidez tardia (tenho 34 anos).

Conheci bastante gente, tive algumas tentativas de relacionamentos e quando estava totalmente desesperançosa conheci um rapaz. Nos conhecemos por um acaso em um bar, ele estava de passagem pela minha cidade e naquela ocasião acompanhado dos pais, o que eu achei muito fofo e causou boa impressão. Ele não é bonito, não chama a atenção fisicamente mas em poucos minutos de conversa eu estava hipnotizada por ele.

Ficamos naquela noite e no outro dia ele foi embora para a cidade dele. Depois disso mantivemos o contato durante 3 meses por ligações, whatsApp o dia todo, chamadas de vídeo, até que ele voltaria para minha cidade e 15 dias depois eu iria para a cidade dele.

Durante esses meses eu não senti vontade de me envolver com ninguém, esperava ansiosa pelas ligações dele, meu coração disparava, meu corpo parecia que ia flutuar, eu ficava arrepiada só de ouvir a voz dele..enfim quando vi estava completamente apaixonada.

E o grande dia chegou, ele voltou para minha cidade e tudo aquilo que parecia um sonho virou pesadelo.

Ele parecia outra pessoa, frio, distante, pouco interessado mas eu não queria enxergar aquilo. Estava tão mas tão feliz, só queria beijar e abraçar ele e curtir aquele momento. Mas conforme os dias iam passando eu notava a frieza dele. E quando ele foi embora senti que aquele beijo era realmente a nossa despedida. Não aguentei e disse que não iria mais pra cidade dele pois não faria sentido e ele demorou dias para responder e disse que notou que eu era ciumenta e ele estava solteiro há poucos meses e queria sentir como era aquela vida, queria se sentir livre.

Ele foi muito seco e aquilo foi um término do que nunca começou.

Fiquei péssima, arrasada, só queria chorar..não sentia vontade de fazer nada e não entendia porque fiquei tão mal assim sendo que nem no meu relacionamento longo fiquei dessa forma.

Tô tentando esquecê-lo mas confesso que tá difícil pois tudo que me chamava a atenção nele, o jeito extrovertido, desenvolto, a inteligência, o humor, tudo isso não encontro em mais ninguém. Ele me encantou pois estava difícil conhecer alguém tão interessante quanto.

Prometi que nunca mais o procuraria e tenho me segurado para isso.  O que faço? tento ir atrás? ou tento esquecê-lo de vez? e como esquecer e me interessar por outra pessoa? Cony e leitoras, me ajudem pois estou totalmente desanimada!!! Beijos”

Fia, aprenda uma coisa: crie o que você quiser, até um unicórnio mas JAMAIS CRIE EXPECTATIVAS! Jamais, nunca, never, jamás! Expectativa é fatal, acaba com tudo o que nosso coração espera. O melhor é sempre não esperar nada, deixar tudo acontecer da maneira mais natural possível e se notar que as coisas estão esfriando, esfrie também, mude o foco, parta pra outra. Não se prive de nada enquanto não estiver realmente engatada com alguém porque a outra pessoal está fazendo exatamente isso. O que é pra ser, é. Naturalmente. É ÓBVIO que você não deve ir atrás dele. Acabou, já era. Desencana e não sofra pro algo que só existiu e que era lindo na sua cabeça. 

  • Penúltimo Chora do ano hein! E o primeiro de 2019 será um SORRIA! Então se você tem uma história linda, de volta por cima, de superação, manda pra mim, vamos começar o ano SORRINDO! constanza@futilish.com e no assunto coloque SORRIA!
Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
12 dez 2018, 62 comentários

Chora Que Eu Te Escuto

Mas já é quarta de novo? Vamos lá então!

Chora 01 – Bauducco

“Oi Cony, tudo bem? Amo seu blog, ele é um dos que ficam na página inicial do meu computador e eu abro todos os dias pela manhã. Meu chora é um tanto quanto longo.

Sou casada há seis meses e estou passando um perreguezinho na minha vida sexual. Já pensei em mandar esse chora várias vezes mas transformar meus pensamentos em letrinhas.

Tenho 6 anos de relacionamento e me casei há 6 meses. Quando comecei a namorar meu marido ele ainda era virgem, acabei por “ensinar”sexo pra ele. Antes de nos casarmos eu morava com meus pais e ele com os dele. Fazer sexo? Só no motel. Na minha casa não dava, na dele era mais tranquilo mas ainda nos incomodava.

Com poucos meses de namoro eu tive que me mudar de cidade a trabalho e acabamos que só nós víamos aos finais de semana. Ou seja, a freqüência não era tanta. Depois de dois anos voltei pra cidade onde morávamos e ficamos noivos. Resolvemos casar que seria necessário dar uma economizadinha no motel pra poder juntar dinheiro para o casamento (festa, ap, lua de mel…), o que também acabou por diminuir a frequência do sexo.

Quando estávamos quase casando a gente conversava bastante a respeito, que não via a hora de ter nosso cantinho pra ‘namorar’ sem preocupar se alguém ia chegar, poder ‘namorar’ com mais liberdade, utilizar todas as superfícies existentes na casa… Mas como eu já conhecia a brincadeira antes dele, sempre pedi mais do que ele, sempre sugeri mais. Sempre quis mais mesmo.

Na lua de mel fiquei menstruada, eu não gosto de ter relações menstruadas e ele também nunca reclamou a respeito. porém a quantidade de sexo pra uma pessoa com 6 meses de casa não é o suficiente pra mim. Meu marido não consegue separar casa de emprego. Quando tem um dia estressante no escritório eu não posso nem encostar nele em casa. Nem beijo consigo dar direito, o que acaba me deixando “a pé”.

Nessa novela toda, o que aconteceu recentemente… Ele viaja bastante a trabalho. Nessa ultima viagem que está fazendo agora vai ficar um mês fora. Eu gosto de conversar uma bobeirazinha no telefone, mandar umas fotos sensuais, mas ele é muito sistemático, não gosta,tem medo de vazar nas redes. Esse ano mudei de emprego e tem um engenheiro gatinho (que é noivo) aqui que fica me elogiando, na obra sempre rola esses assuntos mais picantes, ele fica fazendo umas “propostas”…

Eu amo meu marido Cony, sou apaixonada nele demais da conta, mas acho que as vezes falta sexo pra mim sabe? É complicado ter uma pessoa em casa que te “esnoba” e outro na rua que te propoe coisas que você nunca imaginou que poderiam ser feitas, além de ser divertido conversas bobeirinhas…. hahahahhahahahhhahaha.

Sou de  time que casamento é uma vez só na vida. Não pretendo trair meu marido. E sei que vou me arrepender muito caso eu venha fazer alguma coisa. Já sugeri pra ele pra nós procurarmos um médico pra saber se é algum problema de falta de libido, mas eu acho que tomar nesse assunto acaba ofendendo ele.

Meu chora é… O que eu faço? Compro um ‘marido de gaveta’? Abro o jogo com meu marido e falo que tem gente querendo o que ele nega? Afinal não sou de jogar fora. Não to na minha melhor forma mas corro 1h todos os dias e treino com personal 3x na semana. Meu corpo não tá tão ruim assim. Dou um beijinho no engenheiro pra saber qual é a sensação? kkkk”

Então… no início do seu texto até achei engraçado, te achei safadeeeeenha (no bom sentido) mas no decorrer da historia não curti seu posicionamento não. Sei lá, posso ser muito PuriCony mas fia… cogitar dar um “beijinho” no engenheiro pra ver qual a sensação? Ficar de conversinha picante com quem da em cima de você? Falar pro seu marido que tem gente te querendo?????? Imagina se fosse o contrário, você iria gostar de saber que seu marido deu só um beijinho na colega de trabalho pra saber a sensação? Iria gostar de saber que ele tem conversas safadas com outra??? Gata, baixa a bola, vai ver o que ele tem, se tá realmente com algum problema, mas se a necessidade de sexo dele for menor que a sua e isso realmente te incomoda, separa e procure alguém que tenha o mesmo ritmo que você.

Chora 02 – Pullmann

“Oi Cony! Adoro ler os Choras! E como muitas aqui, o meu “chora” é sobre relacionamentos. Senta que lá vem história (desculpem!). Bom, vamos lá. Tenho 29 anos e tive apenas um namorado na vida: dos 22 aos 26 anos. O namoro era muito bacana, o cara nunca me tratou mal, tínhamos afinidades, nos davámos bem e o sexo era bom.

Terminamos após eu descobrir uma traição. Fiquei sabendo porque fizeram um perfil fake no Facebook e me enviaram diversas fotos deles pelo Messenger na época. O ex tinha um perfil “falso” dele mesmo (!!!!) no qual ele postava coisas com a mulher (eu era bloqueada nesse perfil para que eu nunca o encontrasse), tipo uma vida dupla, fotos, declarações. A mulher aparentemente não sabia que ele namorava na época, pois quando me mandaram coisas, pra ela mandaram fotos minhas com o ex, ou seja, acredito que quem “avisou” as duas das traições foi algum amigo dele adicionado em nossos perfis. Fiquei devastada, nunca esperava isso dele. Eles estavam juntos há uns 3 meses e ele nunca mudou de personalidade, a ponto de ficar na cara que tinha algo errado. Aí ele fez toda uma “chorumela” pra se desculpar, que errou, mas que não estava mais gostando tanto assim de mim e disse que eu andava meio triste por causa de problemas profissionais/financeiros na época. Ou seja, não gostava mais de mim, mas não teve a coragem de terminar e ainda jogou a culpa em cima de mim pelos meus problemas.

Se tivesse sido “apenas” a traição e terminássemos, eu sofreria, mas ok, uma hora a dor ia passar, pois eu gostava muito dele. Porém, mesmo após o término a mulher, que despirocou com ele por ter enganado as duas, continuou com ele e ficou quase 1 ano me infernizando pela internet. Eu bloqueava ela no Facebook, ela fazia um novo perfil qualquer pra me mandar fotos deles juntos, prints de declarações dele para ela, prints de conversas dos planos que eles tinham, fotos dos presentes que ele mandava pra ela. Uns 6 meses depois eu conheci um outro rapaz e apesar de gostar do ex ainda naquele tempo, ficamos saindo por uns 3 meses mais ou menos. Um belo dia estava com esse rapaz novo na praia e recebi umas mensagens de Whatsapp de um número desconhecido. Quando abri, era essa mulher que estava com o ex me mandando fotos deles em vários momentos românticos. Fiquei super mal. Em 4 anos de namoro ele nunca falou em casamento comigo, por exemplo, mas com ela com meses de namoro ele falava sobre isso, o que me deixou também com a autoestima muito ferida, fora o contexto todo de gostar ainda do cara e ter que ver ele sendo feliz com outra mulher e ainda ter que receber as mensagens dela quase todos os dias. Acabei deletando meu Facebook na época por isso. Me questionava o que fazia de errado, qual era o problema que eu tinha.

Depois de um tempo fiquei sabendo que ele tinha idas e vindas com a tal mulher. Parece que ela a traiu com um ex dela, chegou a voltar com esse ex e depois voltou pro meu ex hahaha, deu pra entender? Ou seja, tretaaaaa!! Não o tenho em nenhuma rede social. Bloqueado no Whats até hoje. Acabei encontrando o embuste em uma festa esse ano e ele teve a cara de pau de vir conversar comigo, dizer que se arrependia muito de tudo que tinha feito, que ainda me amava (kkkkk), que sentia muito a minha falta, que eu era uma pessoa diferenciada e agora ele estava pagando pelo erro e todo aquele blá blá blá.

Eu sei que não gosto mais dele, tenho certeza disso. Não sinto falta de nada em relação a ele, até sinto que foi melhor ter terminado, pois hoje vivo um ótimo momento da minha vida, mas sinto falta de ter outros relacionamentos (não necessariamente namoros)! Praticamente todas as minhas amigas que ficaram solteiras na mesma época já têm outros namorados e eu até fiquei com algumas pessoas (poucas) nesse tempo, mas nunca engrenou. Eu vivo lendo aqui que é pra deixar a vida acontecer, conhecer outros caras, mas NÃO tem outros caras. De fato não aparece ninguém nem pra dar uns beijinhos. Em festa eu vou não fico com ninguém (não por falta de querer, não chegam mesmo) enquanto vejo amigas ficando e conhecendo pessoas. Fora do ambiente de festas, trabalho e estudo com muitas mulheres, então já elimina chances de conhecer alguém (quero mandar um outro “chora” sobre algo em relação a isso). Sexualmente falando, tive um cara antes do ex, o ex e esse rapaz que conheci uns meses após ficar solteira e lá se vão quase 2 anos sem transar com ninguém. Sinto vontade, mas tem cara que se eu não transar no primeiro encontro, que é algo que eu não me sinto à vontade, já me dá pé na bunda. E aí junta com o pensamento de se rolar algum dia novamente, se será bom, se vou ter prazer (só tive orgasmos com meu ex-namorado) e acho que isso pode me bloquear em uma possível oportunidade.

Isso às vezes me deixa triste, volta e meia tenho ainda esses pensamentos de “será que tenho algo de errado?”. Sou bonita, inteligente, trabalho, estudo, sou jovem, hoje em dia bem alto astral e na “flor da idade” e não beijo na boca e não transo porque aparentemente ninguém se interessa! Me sinto uma mulher atraente, então não entendo o que ocorre.

Sei que é um saco se comparar com os outros, mas tô numa fase que muitas pessoas próximas estão noivando (aí eu lembro que o ex nem pensava em casar comigo), casando, fazendo seus chás de casa nova, sendo mega parceiros pra tudo e eu continuo na mesma, sempre “sozinha”. E digo entre aspas porque eu não tenho problema em ficar na minha própria companhia, só que às vezes cansa. Parece que esse tipo de coisa nunca vai acontecer comigo, que não tenho sorte no amor.

Sei lá, preciso de algum conselho. Embora esteja num bom momento da minha vida, às vezes ainda tenho esses pensamentos todos sobre relacionamentos e me sinto perdida com isso.

Beijos!”

Você tem que ser achar FODA! Se achar a melhor, a mais gata, a mais gostosa, a mais inteligente, a mais divertida. Enquanto ficar com a cabeça baixa se perguntando o que tem de errado com você, você não vai atrair nada, porque você mesma está criando um obstáculo para os outros. As vezes até chegam e você não percebe! E outra dica, não saia PROCURANDO alguém, saia para se divertir, para curtir, pra dançar, pra rir, pra falar bobagem. A leveza e a alegria são coisas que atraem! Se você sair e ficar num canto observando os caras, observando como suas amigas estão se dando bem, observando como está o ambiente, se tem muito homem, muita mulher, sua vibe não vai ajudar a alguém se aproximar de você. E pare de se comparar com os outros, ninguém sabe em que condição estão ficando noivos, como está o casamento das amigas, se estão realmente felizes. Também não fique pensando que tem X meses que não beija ou não transa… pra que isso?? Não fique procurando tristeza, se questionando demais ou se comparando. Tudo acontece na hora certa e enquanto não acontece SE DIVIRTA! Seja leve! Seja alegre, seja sua melhor cia! (E que mulher louca a do seu ex hein, deusmelivre)

Chora 03 – Visconti

Oi Cony! Primeiro, gostaria de te parabenizar pelo blog, pelo sucesso e pelo espaço e carinho com as leitoras!

Segundo, ai vai meu chora: namoro há 6 anos e moramos juntos há quase 2 anos. Mas o “problema” não é o boy, é a sogra! Sempre – sempre mesmo – me dei muito bem com ela e nunca tivemos nem picuinhas, ela é uma mãe e sogra maravilhosa! Antes, segue o contexto para melhor entendimento: sempre fui a nora que incentiva a boa relação mãe x filho, que leva sobremesa em datas especiais, almoçava todo domingo juntos e ai por diante!

Mas vou explicar o motivo do chora: em abril eu fiz aniversário, e no dia anterior decidi que queria almoçar fora, só com os íntimos. Chamei quem queria que fosse, inclusive minha sogra e cunhados. Chegou no dia do almoço e minha sogra ainda não tinha confirmado a presença, meu namorado mandou msg e ela disse que não iria e era pra ele me avisar. Simples assim: avisou, tchau e benção. Nem parabéns me desejou e nem pediu desculpas. Fique chateada, afinal, era domingo, meu aniversário, abri mão de chamar amigos para chamá-los (meus cunhados também não foram) e deram bola fora.

Na semana seguinte, ela me falou que não foi por que estava sem dinheiro – continuou a não me dar parabéns e nem a pedir desculpas. Comentei que tudo bem e só, mesmo sabendo que se ela abrisse o motivo na semana anterior, meu namorado pagaria a parte dela sem problema nenhum, como ja aconteceu outras vezes em ocasiões que convinham pra ela.

Pula pro mês de setembro: era aniversário da minha concunhada. Fomos convidados para um bolinho na casa dela – bem distante da nossa – há 3 horas antes do início da festinha. Coisa do tipo “vem, vai ter bolinho”. Decidimos que não íamos pois estávamos cansados e era em plena segunda-feira a noite pós-trabalho. No retorno pra casa, precisamos passar na minha sogra e quando chegamos estavam todos lá, arrumados e prontos pra ir pro “bolinho”, de presente na mão e tudo. Nem desci do carro, meu namorado entrou pra pegar o que foi buscar e só. No retorno pra casa fiquei bem chateada com a falta de “reciprocidade” e consideração de pessoas que antes eu tanto considerava. Lembrei na hora do dia do meu aniversário que convidei todo mundo e ninguém foi e muito menos me deram desculpas.

No meio disso tudo, minha cunhada – irmã do meu namorado – descobriu uma gravidez e o chá revelação foi dias depois do “bolinho da concunhada”… E me excluíram total da organização. Eu tinha falado que queria participar desde o inicio da gravidez, mas na hora as coisas foram acontecendo e ninguém me chamou ou contou de nada. Simplesmente fui convidada. Fiquei chateada de novo.

Meu namorado me entendeu completamente, disse que também achou a atitude de todos muito desnecessária e disse que ia falar com a mãe sobre disso… Não deixei ele falar nada, afinal, era um sentimento meu que ele estaria expondo pros outros. Não gosto disso de “vou falar com fulano sobre como você se sentiu”, fica um disse-me-disse péssimo e dá motivo pra briga.

Depois disso resolvi me distanciar da família dele: íamos todos os domingos almoçar lá e não vou mais. Ele vai, eu não. As vezes eu o busco lá e nem entro… Conversamos e ele entendeu minha chateação e distância que tomei, não me cobra presença nem nada… Eu não me sinto mais a vontade como antes.

O conselho que eu quero é: minha chateação é plausível ou não? Sei que um dia as coisas voltam ao normal – ou não – e tudo bem… me deem conselhos? Finjo demência, ignorando o que eu sinto ou melhor continuar distante? Obrigada!

Alguma coisa tem. Uma fofoquinha, uma intriga, algo que você falou e foi mal entendido… EU, EUZINHA, no seu lugar falaria na cara “OPA OPA OPA, TODO MUNDO INDO NO NIVER NA FULADA E NINGUÉM FOI NO MEU HEIN? QUE BACANA”, meio que brincando meio sério. Não acho que nenhuma das duas opções que você deu no final são as necessárias, nem ignorar nem se distanciar, acho que tem que abrir o jogo mesmo. Liga pra sogra e pergunta o que tá acontecendo, se é coisa da sua cabeça ou aconteceu algo que não querem te contar, pois você sente que as coisas estão diferentes. Acho que ignorar ou distanciar é pior ainda, melhor resolver o problema de vez e aí sim tomar uma atitude dessas.

  • Choras ainda fechados! Sorrias abertos 🙂
Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
07 dez 2018, 55 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Oi. Bem tímida e com vergonha porque sumi durante uma semana. Mas tava com muito trabalho e como não delego minha escrita, deixei vocês no vácuo por uns dias rs. Mas voltei. E com chora.

Chora 01 – Almaviva

Oi Cony, to aqui no blog desde o começo mas nunca apareço (só 1x). Você é demais!

Vou tentar resumir: Estou num relacionamento há 2.8, tenho 24 ele 29. Empreendedor, fitness, bonito MAS desapego da “vida”. Eu sou o tipo mini (1,53) e magra, toda tatuada (so um adendo kk) moro com Papai e mamãe, trabalho, tenho formação. To Ok nos “padrões”.
Sou do tipo de pessoa amorosa, tenho isso dentro de casa com a minha família, então sou muito afetiva. Ele não tem apego nenhum por mãe, pai e automaticamente acredito que seja reflexo o jeito dele mais durão comigo.

Resumo: ele nunca gostou da ideia de eu ser “empregada”, mas ao invés de incentivo ele critica (se for incentivo, faz errado. Ex: você teria ótimos resultados se trabalhasse pra você o que você trabalha para os outros).
Desde o começo ele reclama de eu ser magra, cheguei a ganhar peso (6kg) pra agradar ele e ele só fala “você está muito magrinha”. Então eu vivia com o sentimento de que nunca atendia as expectativas dele. Entende?

– Ir na minha casa, só vai em data comemorativa. Quando falamos de um bate volta na praia e falei pra me buscar a resposta foi “até eu chegar aí, eu já desisti de ir” (ele mora na ZN e eu na ZS – SP);
– Eu ia pra casa dele todo fds de metro;
– Um dia opinei pra ele usar outra camiseta (por estética que ficaria mais bonito) e ele respondeu “e você, vai trocar essa calça ridícula?” (2 meses depois ele me fala que a calça lembra o Tiririca, ps* a calça é Flare vinho);
– Ele morava sozinho, convidou um casal de amigos pra jantar. Eu conversei com a minha amiga pra confirmar o convite, quando avisei ele a resposta foi “não deveria ter falado sem me comunicar, já marquei outra coisa. Demoraram pra responder”. Eu fiquei chocada, amigos não são reunião de trabalho, só marcar outra coisa no lugar. Estou errada?
– a mãe dele foi dormir na casa dele, ele recebeu ela sem comida em casa. Ela pediu pizza e ele falou “é segunda” (existe ifood pra que?). Achei desapego demais pra receber a própria mãe, isso me assustou.

Ele decidiu sair do Brasil e falou que se eu quisesse ir junto, começasse a me mexer (plano abril de 2019), em Julho me mandou WhatsApp me avisando que comprou a passagem pra 1 de Outubro (ou seja, ele já está lá)

Preciso falar mais alguma coisa? Como sair do Brasil pra ficar com ele? To realmente mal, o amo de verdade dei tudo de mim pra esse relacionamento. Literalmente peço socorro, não sei o que fazer.

Beijos

COMO SAIR DO BRASIL PRA FICAR COM ELE? CÊ TÁ LOUCA MINHA FILHA??? Juro, dei ploft com o final da historia. O cara já deu TODOS OS SINAIS que tá pouco se lixando pra você, te humilha, te trata mal e você ainda quer sair do Brasil pra ficar com ele? CADÊ AMOR PROPRIO???

Chora 02 – Tarapaca

Olá, Cony!!! Muito obrigada por abrir este espaço para troca de confissões e conselhos entre amigas. Vamos ao chora:

Sou casada há 4 anos. Já no primeiro ano de casada, notei que a frequência do sexo diminui consideravelmente entre nós. Mas até aí, tudo bem! Entendo que a rotina e o fato de não ser mais novidade e não ter sabor de descoberta, acabam mesmo diminuindo o interesse dos dois lados da relação. Porém, faz quase dois anos que não há sexo e nenhuma interação do tipo entre nós. Ele é super atencioso e ótimo marido, mas não quer saber de sexo. Sou do tipo de mulher que acredita que a iniciativa em muitas situações deve partir do homem, no entanto, depois de alguns meses de “seca”, resolvi partir para ação e adotei algumas medidas para esquentar o relacionamento. As lingeries, jantares românticos, entre outras estratégias, não resultaram em nada. A atitude recorrente é ele deitar na cama e dormir. Cansada da situação, após um ano, resolvi chamar para uma conversa e perguntar o que estava acontecendo, pois estava muito preocupada que o desinteresse estivesse conectado com traição. Aparentando constrangimento, ele me disse que estava tentando tratar um problema, algo como herpes, mas que não estava tendo sucesso. Eu sugeri que ele procurasse outros médicos e que intensificasse a busca por uma solução, pois uma herpes não duraria tanto tempo e que se fosse algo mais grave, seria bom descobrirmos o quanto antes. Depois dessa conversa, ele disse que foi atrás de um infectologista mais especializado e que ele havia recomendado fazer uma biopsia para identificar o que de fato era o problema. Falei que iria com ele fazer o exame e ele concordou. Porém, no dia, desconversou e disse que não era necessário e que o médico tinha desistido da biopsia, pois a lesão estava diminuindo. Desde então, confrontei ele mais algumas vezes, perguntando como estava o tratamento, se ele estava acompanhando com médicos, se havia alguma previsão de melhora e etc. Segundo ele, a lesão aumenta e diminui e é muito dolorida, que os médicos têm recomendado tratamentos, mas nenhum tem sido muito efetivo. Já fui enérgica várias vezes e até já ameacei procurar outra pessoa para acalmar minha carência, mas ele não se preocupou. Hoje, depois de quase dois anos, nos vejo como bons amigos, que dividem uma casa. Não há intimidade e eu evito qualquer carinho. Também não pergunto mais sobre nada, pois nunca tenho uma resposta convincente e não percebo uma vontade real, por parte dele, de solucionar o problema. Inclusive, tenho dúvidas se esse problema/doença realmente existe, pois não o vejo preocupado e também nunca vi receitas, remédios ou exames relacionados a isso lá em casa. Na verdade, temo está fazendo papel de trouxa. Não dá para ficar mendigando por sexo, também não dá para ficar tanto tempo sem e, por fim, não dá para esperar pacientemente que as coisas se resolvam um dia. Preciso de ajuda. O que devo fazer??

Vish… que coisa mais esquisita… Então, quando li que ele estava reclamando de algum tipo de doença, que tá indo em médico e procurando tratamento, até que fez sentido essa greve de sexo MAS realmente, se você não vê nada em casa que demonstre essas idas aos médicos, nada de exames, remédios etc, e se ele não deixa você ir com ele às consultas, acho MUITO estranho. Pergunta novamente como está o tratamento e diz que você vai marcar uma consulta pra ele com uma pessoa X que te indicaram, e marca mesmo, qualquer dermatologista ou infectologista e obriga ele a ir. Vamos ver se tem doença mesmo ou não. Pede pra ver o tal do machucado, poxa vocês são um casal e tem intimidade pra isso. Se ele se negar, furar a consulta, aí minha filha, roda a baiana que tem treta. Sei lá… tô pensando muita coisa aqui mas prefiro me calar até saber da veracidade da tal doença.

Chora 03 – Undurraga

Oi, Cony! Tudo bem? Bom, vou começar sendo clichê: sou fã do teu trabalho. Adoro teu blog, tuas redes sociais… me sinto quase tua amiga. Agora vamos ao meu chora, eu tenho um relacionamento de quase 10 anos entre namoro (6 anos) e casamento (3 anos).

A gente sempre se deu muito bem, mas não sei mais se quero continuar. Quando eu casei, obviamente, pensei que seria pra sempre, que tinha encontrado o amor da minha vida, essas coisas. Mas de um ano pra cá, não sei mais se é isso que eu quero. Meu marido é um homem legal, ele me trata bem e eu sei que gosta de mim, apesar dele não dizer isso. Aliás, essa foi uma das primeiras coisas que passaram a me incomodar. Ele é um cara carinhoso, mas muito fechado, dificilmente fala um “eu te amo”. Eu sempre convivi bem com isso, mas agora sinto falta que ele diga que me ama, que me faça um elogio… Eu me cuido e sei que eu sou uma mulher bonita, mas ele não fala. Nunca! Outra coisa, faz muito tempo que eu reclamo de falta de beijo na boca, beijo de língua, sabe?! Parece que ele acha que só precisa me beijar na hora do sexo! Provavelmente, tu e as leitoras vão me dizer pra conversar com ele. Mas já o fiz. Não adianta.

Nesse período, a vida recolocou no meu caminho um ex-colega de trabalho. Nunca tive nada com ele, nem antes, nem agora. Mas ele sempre mexeu muito comigo… e ai minhas dúvidas ficaram ainda mais fortes e eu passei a me interessar por outras pessoas! Passei a pensar como minha vida poderia ser diferente.

Não sei o que fazer!! Por um lado, eu penso, tenho 30 anos e uma vida toda pra ser feliz. Não preciso me contentar com pouco. Mas por outro lado, sei que eu vou sofrer e que vai ser uma decepção enorme pra minha família e pra dele… e daí penso e se eu me arrepender? Será que não  pode ser uma fase? Será que as coisas não vão melhorar? É um casamento, sabe… e isso me deixa sem saber o que fazer. Tem mais um detalhe, no momento eu estou desempregada. Não quero dinheiro dele e meus pais não tem grana pra me sustentar… o ideal seria esperar ter um trabalho pra tomar essa decisão, mas também não gostaria de continuar agoniada com isso.

Preciso de um conselho, de uma luz, de um caminho… peço para as leitoras que já passaram por algo semelhante me ajudar também!!

Obrigada, Cony. Beijos

Miga, cuidado com a carência. Claro que quando a gente está um pouco triste com o relacionamento, quando sente que esfriou, ficamos mais sensíveis e atraídas por outras coisas que parecer ser melhor do que temos. Como você disse, é um casamento e acredito que tem que tentar tudo antes de tomar uma decisão, e tenha muito cuidado para não fazer bobagem. Conversa com ele direitinho, fala a real (menos a parte que está atraída por outros ok? rs), diz que está carente, que ama ele, que quer manter o casamento mas que você está infeliz. Homem não entende sinais e poucas palavras, em que falar com TODAS AS LETRAS. Todo mundo tem dúvidas se tem algo melhor por aí, se tem emprego melhor, se tem casa melhor, se tem companheiro melhor. E essa busca é infinita, nunca vai gerar satisfação. Faça o que é seu o melhor, tente de todas as maneiras e só tome uma decisão quando já tiver feito de tudo, pois só assim você tomará uma atitude sem arrependimentos.

  • Choras fechados ainda! Mas aberto par SORRIAS! Quero fazer o primeiro Chora do ano com histórias de volta por cima. Se você deu a volta por cima, manda um mail me contando tudo para constanza@futilish.com com o assunto SORRIA. Eu também vou participar… acho rsrsr