ComportamentoConstanza
Chora Que Eu Te Escuto
20 set 2019, 68 comentários

Meu Sorria!!!

A gente gosta de uma história de amor né? Muitas pessoas me pedem para eu escrever como conheci o Leo e hoje resolvi contar para vocês um pouco da nossa história, história inclusive que vocês fizeram parte! Quem aí estava na minha live de Halloween de 2017? Foi onde tudo começou hahahaha, teve até  Isabella Fiorentino na live, enfim…. vocês que já estão aqui comigo há 10 anos e sabem meus perrengues, merecem saber como surgiu o #leony que vocês tanto shipparam. E quem me conhece a menos tempo, vai saber um pouquinho de mim também!

Bom, eu tive 3 namoros sérios na vida. Sim, só 3 e isso contando o Leo. Vou falar um pouco de cada, mas bem superficialmente porque envolve outras pessoas né?

O primeiro namoro durou 15 anos, entre idas e vindas. Foi meu primeiro namorado sério e eu não imaginava minha vida sem ele, mas eu era muito nova, sabia naaaaaada da vida e tinha zero amor próprio. ZERO. Fui traída nível hard, tentei perdoar, não consegui e arrastei um relacionamento xoxo por anos até finalmente terminar. E foi ele que terminou pois eu não tinha coragem, morria de medo de ficar sozinha etc e tal. Sofri, claro, mas fiquei malzona por um mês só. Comecei a me cuidar, ouvir músicas bacanas (gente, como música me ajuda em vários momentos… incrível, foi nessa época que criei a Playlist da Felicidade e ainda está no meu Spotify, segue AQUI) e paquerar muito hahahaha. Canceriano é assim, amorzinho e fiel quando tá comprometido, mas o capeta quando tá solteiro kkkkk. Foi nessa época também que fiz o post Conversinha Sobre o Fim, que até hoje é super acessado e originou o Chora Que Eu Te Escuto.

Fiquei um ano solteira. Viajei tudo o que eu queria, comemorei meu aniversário em Londres, Paris e Dublin, tava na pilha o tempo todo! E quando apareceu o Tinder, entrei nele e logo no primeiro encontro, comecei a namorar.

O segundo namoro durou 3 anos, com um término de 2 meses bem no meio do namoro. Esse relacionamento foi o que abriu meu olhos para me ensinar o que eu queria, porque eu já estava mais velha e comecei a lapidar bem o tipo de relacionamento que desejava. Passei por algumas situações que claramente iam contra meus valores e criação e comecei a me questionar muito para saber se era realmente o que eu queria…  Daí aprendi mais uma coisa sobre mim: ter valores iguais é muito importante. Terminei. Novamente fiquei mal, sofri, chorei, achei que ia morrer, achei que nunca mais ficaria com alguém mas outra vez, mas de novo, por um mês apenas. Meu sofrimento dura um mês só hahaha. Percebi que a vida que eu queria levar e estava atribuindo o sucesso dela a outra pessoa era totalmente da minha responsabilidade e que não dependia de NINGUÉM. Vi que eu podia montar sozinha a vida que sempre quis e que se não fosse com alguém realmente bacana, iria sozinha mesmo. E assim o fiz.

Mudei para BH, montei meu apartamento do meu jeito (eu morria de medo, achava que não conseguiria viver sozinha), saía o dia que eu queria, ia onde queria, viajei horrores, tinha a vida que eu sempre sonhei e que erroneamente achava que só conseguiria se fosse com alguém ao lado para me “guiar”. Nem precisava de guia, eu não sabia que sabia o caminho sozinha. Eu estava tão EU, tão leve, tão me amando, me achando gata, independente, poderosa que não queria saber de outra coisa. Namorar nem estava mais em meus planos, eu já me bastava o suficiente para ser 100% feliz. Fora o orgulho de estar sozinha, feliz e dona da própria vida.

Daí que um dia uma moça que conheci em Macchu Picchu (numa viagem que fiz com o ex e que eu não tava muito afim de ir, olha o destino!) e que tínhamos feito amizade, me mandou uma mensagem falando que o marido dela tinha um amigo em BH que era meu número. Falei OPAAAAA, MANDA FOTO. Mentira, mas foi algo tipo “pode dar meu telefone pra ele e tal”.

Era o Leo.

Lembro quando marcamos nosso primeiro encontro, um jantar, mas não foi logo de cara não. Conversávamos pouca coisa pelo whatsapp, o papo não fluía direito, ele demorava para responder, eu também, enfim, achei que não iria dar em nada. Bom, um belo dia rolou de irmos jantar e até hoje eu tiro onda da cara dele que nosso primeiro encontro parecia entrevista de emprego hahahahaha. Ele me perguntando milhões de coisas sobre marketing digital e eu não sabia de nada, e ele achando bizarro porque eu trabalhava com internet e eu tinha que saber quem era o raio do Erico Rocha por exemplo hahahaha. Depois disso, tipo um mês, chamei ele para sair comigo e o levei numa festa de 25 anos de um bar de rock. Estava LO TA DO e lembro que fiquei tão bêbada que subi no palco para dançar com duas leitoras minhas hahahahaha. Gente, não sei como esse namoro vingou, sério, tô rindo mas é de nervoso. Enfim, eu era muito loca na minha fase solteira. Depois teve uma festa de Halloween e chamei ele para ir comigo (sim, sou de iniciativas), combinei de encontrar em casa e sairmos juntos porque eu iria fazer maquiagem com maquiadora e tal. E ele foi, e a gente estava fazendo live de maquiagem quando ele chegou e todo mundo ficou perguntando quem era Leo e aí surgiu o #LEONY. Ponto para vocês!

Enfim, falo que esse foi o dia oficial do início do namoro. Um mês depois ele foi passar Natal e Reveillon comigo no Chile (fofo, dei valor) e depois de uns 4 meses, como ele ficava muito mais na minha casa que na dele, resolvemos morar juntos. E eu me lembro claramente de falar com minhas amigas que tudo tava acontecendo tão rápido mas tão fluído que eu estava estranhando. As coisas apenas iam acontecendo naturalmente. E fui deixando.

Não sei nem explicar a paz que é nosso relacionamento. É uma coisa que eu nunca tive antes e eu nem sabia que existia. Não tem altos e baixos, não tem brigas, é tudo tão tranquilo, tão harmonioso, tão leve… E acho que pela primeira vez na vida saquei que o amor de verdade não faz sofrer, não faz chorar, não faz ter raiva, não faz pisar em ovos, não deixa dúvidas. Posso ser quem sou e sem medo algum. O amor é natural, é gostoso, é querer estar juntos, é apoiar o outro, ser companheiro, desejar sempre o bem da outra pessoa, vibrar juntos a cada vitória, segurar a onda nos dias ruins e o mais importante, tudo, TUDO é recíproco. É dos dois lados. Isso é um relacionamento feliz e saudável! Eu sinto que ele tá comigo pro que der e vier entende? E homem que é homem, que tá disposto a se relacionar, que tem certeza dos seus sentimentos, assume a mulher sem enrolação alguma.

Começamos a namorar em Novembro de 2017, uns 4 meses depois ele foi morar comigo, em Julho 2018 mudamos para um apartamento maior,  um ano depois ficamos noivos e semana passada CASAMOS! Isso tudo em menos de 2 anos. E tudo de uma maneira super fluída e natural.

E olha só… o amor só aconteceu na minha vida quando eu achei que não teria mais ninguém, não queria mais stress por causa de homem e queria curtir a vida sozinha. Foi quando entendi que a busca não está no outro, está na gente! Tudo o que eu queria em um namoro eu achei quando resolvi me “namorar”. O que esperava que os outros suprissem, eu mesma supri! Vi que eu poderia fazer o que quisesse, quando quisesse e onde quisesse sem ter que depender de ninguém. Foi quando eu fiquei em paz com essa busca e resolvi olhar para dentro de mim e viver para mim, que atrai o que realmente me faria feliz.

É o que SEMPRE FALO NOS CHORAS, não adianta sair procurando o amor loucamente. Muitas vezes, na maioria diria eu, caímos em armadilhas que a gente mesmo monta ao idealizar esse amor. Aceitamos o que aparece primeiro sem dar atenção aos sinais, sem dar atenção ao nossos próprios critérios. Daí entramos naquela loucura de tentar mudar o outro, de moldar algo que nem existe. O que sim temos que fazer é vibrar sempre positivo, estar de bem consigo mesma, estar completa, que aí tudo acontece porque é nesse momento, quando estamos conscientes de quem somos, que não aceitamos nada menos do que realmente merecemos e desejamos.

Ah e nunca estamos velhas para recomeçar viu? Se importar com idade é uma GRANDE BOBAGEM! Eu achei que estava velha quando terminei o primeiro namoro láaaa atrás e olha como as coisas mudaram, olha o tanto que vivi e aprendi e que foi NECESSÁRIO. Imagina se por medo de ficar sozinha eu tivesse me apegado ao que não me fazia bem?? Não teria jamais me conhecido como me conheci e jamais teria tido a oportunidade de experimentar um amor tranquilo. Nem saberia da existência disso. E se por coisas da vida eu tiver que recomeçar, recomeçarei sem problema algum. Agora eu sei que o caminho sou eu que traço e só deixo me acompanhar quem estiver na mesma direção, com os mesmos valores, com a mesma vibe e curtir minha cia. Porque se não for assim, vou sozinha mesmo que tá tudo certo.

  • Mostrarei tudo referente ao Casamento no Civil tá? Meu vestido, sapato, maquiagem, como fizemos, o que rolou, quem veio, tudo tudo. Mas semana que vem tá?
Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
18 set 2019, 36 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Agora teremos enxurrada de posts! Vem Chora ai!

Chora 01 – Maldivas

“Oi Cony, sou sua leitora das antigas (comprei no eBay) e te admiro muito. Penso em escrever um chora há uns 9 meses, mas sempre fiquei com vergonha. Até que hoje, vendo um chora semelhante ao meu tomei coragem.

Sou casada e tenho 2 filhos, durante as gestações meu marido não queria saber de sexo comigo (dizia que não sentia atração por grávidas!!!). Enfim, passei por períodos onde não me sentia bonita, mesmo passando por um momento importante na vida. Nessa época descobri que o marido era viciado em pornografia. Ver pornografia por si só não é ruim, mas o que acompanha ela é.  

Neste caso, ele perdeu a noção do que era o mundo fictício e o que era realidade. Querendo realizar qualquer absurdo que ele via nos vídeos, chegou ao ponto de mandar fotos íntimas dele para as mulheres que ele conhecia, e juro – por palavras dele mesmo – que ele esperava que alguma delas respondesse os desejos dele. Tudo isso enquanto casado comigo, enquanto eu gerava (e depois cuidava dos bebês que também eram dele), sem nenhuma consideração,  sem nenhum respeito. 

Confesso que a decisão pela separação demorou mais do que o esperado, por envolver crianças (principalmente pelo medo da guarda compartilhada e dos cuidados que elas teriam quando longe de mim), pela questão financeira, pelas chantagens emocionais da parte dele do tipo: estou depressivo, trabalho demais, homens são assim, etc. e claro, aquele sentimento que as vezes teima em aparecer, de que falhei como mulher em algum momento dessa relação. 

Me sinto triste por constatar que mesmo diante disso tudo, a sociedade julga a mulher como responsável pelo “fracasso” do relacionamento. Simplesmente, não desejo essa situação para ninguém.”

GRAÇASADEUS você separou desses embuste. Era relacionamento abusivo, tava na cara! Fiquei com medo e achei que você ainda estava com ele, mas que bom que teve forças e coragem para se separar. E cá entre nós, não tenho visto sociedade apontando a mulher como responsável por relacionamentos fracassados não viu??? Muito pelo contrário, acho que as pessoas agora conseguem abrir bem os olhos e ver o quanto de homem embuste tem por aí! Não se preocupe com isso e mais, só você sabe da sua verdade e isso basta!

Chora 02 – Santorini

“Oi, Cony!
Sou leitura assídua do blog, já nos encontramos pelas ruas de BH algumas vezes e vc sempre linda e simpática! Não tem como não ser fã!
Sempre leio os Choras, mas é a primeira vez que escrevo. Vamos a ele, espero que não fique muito longo, que você possa publicar e me aconselhar….
Namorei 5 anos antes de casar. Ficamos casamos por 5 anos antes de decidirmos ter nosso filho. Nesse ponto o relacionamento estava bem, mas tínhamos alguns problemas. Para mim, normais, como todo casal tem. Mas o que mais pegava era minha relação com a família do meu marido. Até o casamento, tudo eram flores. Mas aconteceram várias situações (falecimento do sogro, meu marido passou num concurso e começou a ganhar mais, nosso casamento) que me fizeram ver atitudes da minha sogra e dos meus cunhados que até então eu não via. E a partir daí, as coisas desandaram e passei a não querer conviver com eles. Em resumo, não são más pessoas, mas são folgadas, fofoqueiras e bastante intrometidas. Enquanto eu e meu marido somos muito discretos e reservados. Em junho de 2017 nasceu nosso filhinho, uma benção! Nunca impedi qualquer contato dele com a família do marido e íamos levando dessa forma. Apesar da situação incomodá-lo demais, nosso casamento chegou a se fortalecer com a chegada do pequeno. Porém, a maternidade para mim não foi como para a maioria das mulheres. E meu marido simplesmente se realizou como pai. E isso fortaleceu o lado controlador dele: passamos a viver uma rotina extremamente rigorosa. No início, foi bom para o bebê e para a gente. Mas a medida que o tempo foi passando, isso se tornou uma prisão e motivo de muitos desentendimentos. Cheguei ao meu ápice no meio do ano passado, quando voltei para terapia. Fui procurar me reencontrar e tentar salvar o casamento. Mas as coisas só pioravam. Tínhamos planos de ter um segundo filho, íamos tentar engravidar no segundo semestre de 2018, mas brigamos feio na semana em que eu estava fértil e voltei a usar anticoncepcional. A partir daí, o relacionamento foi ladeira abaixo, apesar dos meus esforços. Chegamos a falar em divórcio no final do ano, mas eu fiz uma “mea culpa” e pedi que tentássemos novamente. Perguntei o que estava acontecendo, pq ele estava tão inacessível e distante, se tinha outra pessoa… e ele não tinha respostas para me dar. Dizia estar perdido. Sugeri terapia de casal, mas ele não quis. Até que há 1 mês descobri que ele estava tendo um caso há 8 meses com uma colega do trabalho dele. Meu mundo caiu. Pq ele sempre foi um homem muito correto, desses todo certinho mesmo. Jamais imaginei que pudesse me trair. E foi sórdido. Ele teve a audácia de levar a mulher para nossa casa na única noite em que eu precisei viajar. Com nosso filho dormindo em casa… enfim. O coloquei para fora, ele está na casa da mãe. Diz ter terminado com a fulana e agora quer fazer terapia de casal para reavaliarmos a relação. Eu, sinceramente, não vejo como reatar esse casamento. Não tenho mais confiança e não acredito que ele me ame. Quem ama não faz o que ele fez: meses de controle, de brigas sem motivo, fazendo com que eu me sentisse culpada pela nossa infelicidade, além do chifre (depois de 13 anos juntos). Mas sinto que preciso perdoá-lo para poder seguir em frente. Não necessariamente para voltarmos a ser marido e mulher, mas para que eu possa me livrar dessa dor que me consome, dessa raiva… então estou pensando em aceitar fazer a tal terapia. Mas queria conselhos….
Nosso filhote hoje tem 2 anos e estamos revezando nos cuidados com ele. Meu ainda marido é um excelente pai, quanto a isso não tenho dúvidas. Me dói ficar longe do meu anjo, mas sei que não tenho o direito de afastá-lo do pai.
É isso… espero que vocês possam me dar uma luz…
Bjos!!!”

Quando você disse que ele estava inacessível e distante eu já cantei a pedra da traição. Fraco. Bem fraco esse homem. E escrotíssimo de levar a amante para a casa de vocês com seu filho lá! PÉSSIMO! Imagino o quão confusa deve estar sua cabeça mas já percebi que você não tem mais esperanças no casamento. Gata, siga sua vida, ele sempre será o pai do seu filho e perdoar ele será uma atitude nobríssima caso você consiga. E é como você falou, perdoar ele é uma coisa, voltar o casamento é outra. Ele te perdeu, ponto. Perdeu sua confiança que é a base de todo relacionamento e isso é MUITO difícil de restaurar! Faça essa terapia, acalme sua alma, veja e trate ele como pai do seu filho, mas se você não o quer mais como homem, não insista nisso. Ah, e se realmente optar por não voltar o casamento, são casas separadas tá? Eu acho muito doloroso e cruel esses casais que se separam mas continuam morando juntos. A energia fica pesada, ruim, e qualquer coisa será motivos para mais brigas.

Chora 03 – Aruba

“Cony e leitoras, me ajudem a passar por essa história que me deixou meio perturbada.

Seguinte, eu namorei um cara por 8 anos e no segundo ano ele mudou-se para São Paulo e eu continuei no Nordeste, pois fazia faculdade. Logo nas primeiras semanas que mudou, conheceu uma mulher que foi dormir com o roommate dele (pelo menos é essa a história que me contou).

 Acontece que essa moça também era de outro estado e se dizia modelo, mas não tinha trabalho e nunca tinha lugar pra ficar. Ela ficava mandando mensagens pro meu então namorado pedindo pra ficar na casa dele, isso ele já morando sozinho e assim foi o resto do namoro, ela sempre atrás de ficar lá, mas eu confiava nas negativas dele.
Apesar da distância, eu sempre me fazia presente e em todas brechas da faculdade e feriados tava lá. O namoro foi esfriando da parte dele até que no final de 2017 ele terminou, sendo que iríamos morar juntos em janeiro de 2018. Disse que não me amava mais e que não era comigo que queria se casar.
Quando foi em janeiro de 2018 ele assumiu namoro com essa moça e já estavam morando juntos. Olhando fotos dela eu descobri que eles já estavam juntos a um tempo. Daí veio aquela parte que eu fiquei muito mal, fiz terapia, toda aquela história, até conseguir me livrar da mágoa, já que ele jamais me pediria perdão. Isso também se deu graças ao fato dela ter engravidado e… eu sou muito empática com mulheres grávidas. Poxa! É uma responsabilidade muito grande, a mulher passa por tanta barra e eu não queria alimentar coisas negativas sobre eles.
Beleza, toca a vida, até que… Essa moça sempre botou na cabeça que é influencer e tem um perfil público, mas bem daquele nível que tira foto do pastel da esquina e marca como se fosse publi, sabe? Não sei, virou meio que um divertimento para as pessoas ao meu redor acompanhar as insanidades que ela posta. Eu já pedi para não me contarem nada, maaas aconteceu algo sério: Ela fez vários stories falando em relacionamento abusivo e… inventou um monte de mentiras sobre mim. Disse que eu era abusiva no namoro.
Acredito plenamente que tanto ele quanto ela criaram essas histórias, pois tem coisas que seriam impossíveis sair só dele. Coisas do tipo: que ele engordou por minha causa (sempre foi gordo e me disseram que continua); que eu tinha deixado ele sozinho e tinha ido morar em outro país. Geeente, eu ganhei uma bolsa para estudar um ano numa das melhores universidades da Europa, na época todo mundo me apoiou e ficou feliz, inclusive ele, que até foi me visitar duas vezes e amou. Disse que eu ia para SP usar seu dinheiro e depois quando cansava voltava pra minha cidade (ele ganhava muito bem e pagava as passagens para eu ir vê-lo e eu voltava pra casa quando minhas aulas começavam); que eu não deixei ele gastar o próprio dinheiro na época da copa, sendo que eu sempre o incentivei a ir para os lugares, viajar, não esperar por mim. Ela até expôs quanto ele ganhava por mês. Disse também que eu vivia falando mal dos amigos e da família dele, dentre outras coisas.
Ela me chamou de embuste, metida, me pintou da maior vilã. Sendo que sério, se vocês me vissem, eu sou super tímida e na minha, mal posto na internet, pra vim uma pessoa que não me conhece, que me fez mal junto com ele inventar barbaridades sobre mim. Infelizmente minha amiga não salvou os vídeos, pq se tivesse eu iria processá-la. Ah! Já me prometeram não ver mais o instagram dela.
Agora eu to aqui super indignada, e caramba, relacionamento abusivo é algo muito sério, têm pessoas que ficam destruídas por anos, com distúrbios, pra ela me acusar publicamente disso. Eu não entendo qual a necessidade, nós não temos o menor contato. To tentando fazer com que isso não me abale, mas tá difícil de engolir, vontade de voar no pescoço, fazer textão, kkk. Me ajudem, por favor.”

 

Quem mais aí ficou curiosa pra ver o perfil da “influencer” ? Hahahhaha. Amiga, já te achei evoluída o suficiente de ter passado por tanto e ainda ficar de boa respeitando a gravidez ela. É uma maluca e ele um maluco também, olha só o LIVRAMENTO que você teve! Fia, não vai ser esse surto dessa menina que vai baixar sua energia e te deixar mal não, não permita isso. Dê umas boas risadas das sandices que ela falou, entrega pro universo e pronto, vida que segue e tenho certeza que você tá bem melhor que eles. E por favor, quando alguém vier falar deles, NÃO DÊ OUVIDOS. É o capeta querendo te tirar do sério. Mantenha sua paz livre de qualquer energia ruim. Você é mais.

 

 

  • Choras ainda fechados tá?? Bem breve aviso para enviarem novos casos!
Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
04 set 2019, 49 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Hoje iria postar um Sorria especial… o meu… mas vou guardar por um motivo importante e em breve posto para vocês 🙂

Mas já é quarta de novo e já tem gente querendo chorar. Vejamos:

Chora 01 – Cocada

“Olá, Cony. Esse é meu segundo Chora. O primeiro foi como Lluvia, eu relatava o caso de uma traição por WZP. Terminei o relacionamento, não consegui superar uma falha tão grande e vivia insegura. Foi difícil mais tive forças para sair dessa.

Fiquei um tempo sozinha, curti demais a solteirice. Fiquei até com dois caras ao mesmo tempo, tirei o filtro mesmo, tava curtindo e nunca me senti tão dona de mim, tão independente e bonita. Também passei a contar mais do meu dia nas redes, e com isso fiz novos amigos e contatinhos.

A questão é que sempre tem aquelas amigas querendo arranjar alguém, e foi o que aconteceu. Conheci um cara lindo, esforçado, trabalhador, bem humorado, carinhoso. Beijo incrível e sexo como nunca tive igual. Uns dias atrás ele perguntou dos meus planos pro futuro. Contei que o plano era fim do ano me mudar para o Sul do país, terminar minha formação, um sonho antigo. Seriam dois anos fora e depois eu voltaria para a cidade dos meus pais e tentaria me estabilizar por lá. Senti que ele ele ficou assustado.

No outro dia, conversando sobre relacionamento, ele comentou que está curtindo me conhecer, que há grande chance da gente dar certo, que só o tempo podia dizer. Mas que eu estava num momento muito mais profissional, que ele achava isso bacana, mas que tinha medo que eu me envolvesse e deixasse de seguir minhas metas.

Não sei dizer que se é pretexto dele ou uma preocupação genuína, nos conhecemos há cerca de um mês, e eu já passei por muita coisa para acreditar em outro cara. Nos falamos todo dia, combinamos em várias coisas, mas essa preocupação dele me pareceu demais conveniente. Queria algumas opiniões. Obrigada mais uma vez!”

Gata, não fique viciada no Chora hein kkkkk, geralmente não publico dois Choras da mesma pessoa, mas vamos lá. O cara tá super na sua, isso é claro. Quando um dos dois pergunta sobre planos para o futuro, pode saber que tá tateando terreno. E o bichinho tá assustado frente a seus tantos objetivos de vida onde ele visivelmente não se encaixa em nenhum e tentando contornar a situação de uma maneira que te deixe livre para escolher. Concordo que está muito cedo para você tentar mudar o rumo da sua vida por causa dele, mas não deixe o medo te bloquear de viver um grande amor, como pode ser que esse seja. Deixa rolar, continue com seus planos, talvez aconteça um namoro a distância, talvez não… As coisas vão se ajeitando até você conseguir ver a verdade dele, a sua e tomar outra decisão. Não se preocupe AINDA, deixe acontecer naturalmente e não coloque obstáculos.

Chora 02 – Brigadeiro

“Oi Cony

Sou leitora assídua do blog há muitos anos, mas dificilmente comento, no entanto hj enquanto lia os choras bateu aquela coragem de escrever.

Tenho 37 anos e estou casada há sete, no final de 2017 eu e meu esposo decidimos que era hora de engravidarmos, estávamos numa boa fase e vimos e aquele seria nosso momento. Procurei minha ginecologista e um clínico, e todos os meus exames estavam bons. Não havia nada que nos impedisse de engravidar. Foi aí que interrompi a pílula e recebi meu positivo dois meses depois no inicio de 2018.

Estávamos muito felizes com as mudanças que uma gravidez traz, as vezes batia aquele medo dessas mudanças, das responsabilidades que estavam por vir. Mas nada se comparava com a alegria que sentimos. Comecei meu prénatal e todos os exames estavam ótimos, saúde perfeita! Fizemos chá revelação e era um menino, vivia um conto de fadas azul. Sonhava com cada detalhe do enxoval, do quartinho e estava muito feliz e empolgada.

Fiz o tão esperado exame morfológico e tudo ok a medica estranhou o tamanho do bebê e da minha barriga (grande para idade gestacional). Fiz uma serie de exames e descobri que estava com diabetes gestacional, foi um grande susto, mas com a dieta e os cuidados necessários senti que tiraríamos de letra, já que minhas taxas não eram tão altas.

Algumas semanas depois fomos para mais uma ultrassonografia de rotina e descobrimos um grave problema com meu bebê. Uma coisa que nunca havia visto antes (nem sabia que existia e que poderia acontecer com um bebê de quase 30 semanas de gestação – sete meses – todo formado e até então perfeito) hidropisia fetal, que atingiu pulmão, rins e o todo o corpo. Cony me mantive confiante, lutamos, e buscamos ajuda médica até onde conseguimos, mais infelizmente perdemos nosso menino.

Se existe dor maior desconheço! já fazem nove meses que vivi todo aquele horror mais ainda tenho que conviver com o trauma de reviver todos os dias aquele sofrimento.

Ficar no hospital ouvindo os bebês chorarem, assistir as mães saírem com seus bebês saudáveis, voltar para minha casa “vazia”, ter um resguardo de um filho morto.

Algumas pessoas dizem que fui forte, mas não me considero forte, se pudessem ver como estou por dentro. Como é difícil encontrar sentido nisso, sentido nas coisas do dia a dia e seguir.

Muitas vezes me pego olhando as pessoas na rua, vendo a vida seguir cada um com sua história, suas lutas e me questiono o pq certas coisas acontecem?  Pq Deus permite que vivenciássemos tamanha alegria para na sequencia termos que sepultar nosso filho? Que lição todo esse horror pode nos trazer? senão…

Conviver com o trauma?

A mascarar sofrimento?

Lutar para ter interesse nas coisas da vida?”

É seu luto amiga, é o processo de aceitação da perda… Vem a dor, o vazio, esses questionamentos sobre a vida, procurar respostas para entender porque isso aconteceu, ver a felicidade alheia e se comparar… Viva seu luto em paz, não tente fugir dele ou “pular” essa etapa. É doloroso sim mas é necessário… isso vai te preparar para outro ciclo da sua vida.  O luto tem várias fases (negação, raiva, negociação, depressão e aceitação) e você vai passar por todas elas, no seu tempo e do seu jeito. Tenho toda certeza do MUNDO que você ainda vai sair de uma maternidade com seu bebe no colo. Não deixe de acreditar que dias felizes virão!!!

Chora 03 – Beijinho

“Oi meninas, preciso desabafar rs
Tenho 31 anos formada na area financeira e na qual eu trabalhei praticamente por uns 8 anos. Sempre odiei, porem aquela velha “desculpa” de ficar presa ao bom salario. Até que em 2017 surgiu uma opirtunidade de eu e meu marido passarmos um tempo fora do país, largamos empregos, vendemos apto e aproveitamos para estudar e viajar o mundo e foi incrivel. Voltamos no ano passado, nos restabelecemos por aqui, arrumamos um apto, ele logo conseguiu um emprego. Sou casada, eu e meu marido entre namoro e casamento estamos juntos 11 anos e no tempo em q estava procurando coisas novas pra fazer, descobri q estava gravida do nosso primeiro filho que deve nascer logo mais.
Confesso que ser mãe agora nao estava nos meus planos, mas aconteceu e isso fez com que eu precisasse reorganizar a minha vida. E eh ai q ta o problema! Só a minha vida tem mudado, meu corpo é outro e olho pro meu marido e sinto raiva pq a dele continua a mesma coisa. Eu nao consigo emprego por estar gravida e ser dona de casa tem acabado com a minha auto estima. Quero deixar claro que ja amo mto meu baby. Mas sinto q o fato de eu estar em casa fez com eu me diminuisse, eh como se nao tivesse razao para se orgulhar sabe?
E meu marido sinto q ele nao esta mto animado com essa nova fase da vida, e as vezes tenho a sensação de q qdo ele faz algo pelo baby eh um obrigação que ele faz por mim sabe? Ele ganha mto bem, entao o fato de eu nao trabalhar agora nao afeta tanto nas despesas da casa, mas ele ja verbalizou que ele trabalha por isso espera que eu cuide da casa(ele nao me ajuda em nada em casa) Achei muito machista, porem ele diz q nao, que eh apenas o justo.
Ja falei, conversei, ele só diz que esta preocupado com a responsabilidade q ta por vir. Mas nao sei!!
Mamaes que ja passaram por isso, sera que eh uma fase? Como que foi pra se reinventar dps q o bebe nasceu? Eu estou sendo egoista ou meu marido eh muito folgado mesmo?”

Mamães respondam a miga aí! Eu não tenho esse know how então prefiro me calar rsrs (mas acho UÓOOOOOO esse negocio de “ah eu trabalho fora então você cuida da casa”, quem trabalha fora trabalha por 8 horas, quem trabalha em casa trabalha por 24h! Não é justo de forma alguma. Enfim, só vou falar isso.)

  • Choras ainda fechados 😉