11
Aug 2016
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Gente tá uma loucura essa semana aqui no Rio! Ontem nem consegui postar direito, mas hoje tem Chora pra nós ok??? Ah, e vou fazer o post com looks para olimpíadas entre hoje ou amanhã!

Caso 01 – Ana

Oi Cony, td bem?? Estou passando por uma situação meio atípica e nao sei direito como lidar, quem sabe vc pode me dar uma luz? Trabalho em uma equipe com pouquissimas pessoas. Acabei indicando um dos meus melhores amigos para trabalhar comigo, o que, inclusive, representou para ele uma importante promoção dentro da empresa. Estava tudo lindo, trabalhar num lugar em que o ambiente é otimo e ainda tem seu melhor amigo era mesmo um privilegio. Porem, como sempre acontece em ambientes de trabalho, rolou um stress na equipe e me desentendi com um dos funcionários. Até entao tudo normal, acontece. Notei, alguns dias depois, um tratamento um pouco estranho por parte de alguns colegas, até o fatídico dia em que ouvi meu melhor amigo falando mal de mim.

E não foi uma critica profissional ou razoável. Ele debochava de mim, fazia piada comigo, falando alto, achando q eu não ouviria ou não entenderia que eu era o assunto. Foi aquela situação “perco o amigo mas não perco a piada”. Fiquei arrasada, jamais imaginaria que alguma atitude assim pudesse partir dele, principalmente porque alem dele ter total liberdade para me questionar caso eu tenha alguma atitude que o desagrade, ele sempre teve o discurso de que eu era a melhor amiga dele. Fiquei naquela saia justa, pois estava muito triste e nao queria que o ambiente na empresa ficasse ainda pior. Não queria passar por outra decepção, ou conversar com ele e ficar imaginando que seria alvo de mais deboches e chacotas. Talvez seja meio radical, mas a confiança tinha acabado ali.

Naturalmente, me afastei e aceitei que a amizade não era tudo aquilo que eu imaginava (processo que levou alguns meses, confesso). Na mesma época, comecei a prestar atenção e percebi que ele mal trabalhava, passava o dia enrolando, conversando ou fazendo piadas, e passei a não reconhecê-lo mais como aquela pessoa com quem convivi tanto tempo.

Acontece que, recentemente, uma amiga em comum, sabendo do ocorrido, resolveu se intrometer de forma espontanea e tentar “ajudar”. Contou pra ele que eu tinha ouvido tudo, que estava esquisita por causa dele e que tinha comentado que ele nem trabalhava mais. Ele se justificou a respeito da conduta profissional, chorou pra ela e pra outros colegas e foi isso. Não veio conversar comigo (o que me decepcionou ainda mais), eu também nao tomei nenhuma atitude. A minha duvida é que não sei mais como agir. O clima, que já estava ruim, ficou ainda pior. Sei que meu “chora” parece uma briguinha da quinta serie, mas nao sei como lidar com essa situação. Estou tentando manter uma conduta profissional e tratar todos com cordialidade e respeito, mas nao esta facil.

Menina, muita infantilidade desse amigo seu viu??? Eu chegaria nele e daria um belo esporro. Sério. Chamava ele no canto e falava: ¨Aqui fulano, o que está acontecendo?? Você está aqui nesta empresa porque EU te coloquei aqui, te considerava um grande amigo e você fica de mimimi com o povo do trabalho? Se quiser me dizer algo, diga na minha frente e não pelas costas.¨ Ele precisa de uma conversa séria sim, e saindo de você! PODE SER que seja um mal entendido mas isso você só vai saber num cara a cara! Esse tipo de problema a gente só resolve conversando diretamente.

 

b724093f9b41d0a91a3a501e5b858f8f

 

Caso 02 – Emmanuelle

Oi Conny, primeiramente queria dizer que amo seu blog e você é minha inspiração!!! Eu namoro a 4 anos com meu primeiro e único namorado, nos amamos e pretendemos seguir a vida juntos. O problema mesmo é meu cunhado e a namorada… Ela era minha amiga e fui eu que apresentei os dois, nós éramos muitos amigas mesmo, apresentei os dois a pouco tempo e eles logo ficaram juntos.., o problema é que eles brigam demais e em uma dessas brigas eu fiz a burrada de me envolver e contar para ela que ele tinha levado outra menina em casa, mas ela fez escândalo e falou que fui eu que contei, por fim fiquei super mal com a família inteira né!!! Pq ele é super mimado e fez até a minha sogra ir na casa dela pra falar que era mentira! Fiquei com a cara no chão!!!! O engraçado é que nessas brigas ele falava pra ela que ninguém da família gostava dela e todos gostavam de mim, às vezes acho que ela fez de propósito só pra me deixar com vergonha de todos, enfim o problema é que depois disso eu não consigo mais ficar normal com ela e nem com ele, me sinto incomodada com a presença dos dois e eu só queria que meu namorado não morasse na mesma casa pra eu nao ter que aguentar, pior é aguentar nas festas e tudo mais!! Enfim eu me culpo muito por isso, acho q fui muito burra e não deveria nunca ter me metido, sou muito rancorosa, queria uma dica do que posso fazer pra tornar essa convivência mais tolerável pra mim, que é quem mais sofre com esse sentimento ruim né!!!

Anota aí amiga: EM BRIGA DE MARIDO E MULHER, NINGUÉM METE A COLHER. Repita isso várias vezes! Você pode apoiar ela, ouvir tudo, mas nunca passe informação pesada como essa, enquanto as coisas ainda não estão 100% resolvidas. Agora fica fria e espere que o tempo passe e as pessoas esqueçam. Continue sendo você mesma, tente não ter um comportamento estranho quando estiver com todo mundo, não fique sem graça. Segure a onda por um tempo e deixe que as coisas se ajeitem. E não emita mais um PIO sobre esse assunto!

 

4eb6bd2fd2a7e694305a4599060a4f8e

 

Caso 03 – Giovanna

Tenho 23 anos, estudo numa universidade pública e estou bem perdida no rumo que tomarei da minha vida.

Bem, namoro há quase cinco anos com uma pessoa que realmente amo, que me faz bem, me completa e me faz feliz no geral. Há um ano mais ou menos as coisas começaram a se complicar na área de trabalho dele e ele foi ficando cada vez mais retraído, algumas vezes isso complicou nosso relacionamento. Mas fomos fortes e seguimos em frente. Em fevereiro, ele foi passar 2 meses em outro país, na casa dos tios que moram lá, enquanto aguardava uma resposta de emprego. Quando essa resposta chegou ele voltou com toda a garra pra se dá bem, mas infelizmente deu errado.
A questão é que ele está indo morar de vez agora e eu não sei o que fazer.
 
Sempre tive MUITA vontade de morar em outro país, principalmente pra onde ele vai, mas sinto medo do que pode acontecer. Teria que abrir mão de um curso de 5 anos pra trabalhar com algo “mais humilde” e isso me preocupa. Além da questão da língua que não domino e ter que começar do zero em outro país.
 
Não sou apaixonada pela minha futura profissão, pelo contrário, cada semestre fica mais desestimulante pela falta de oportunidade, de concursos e pela má remuneração, além de ser uma área que você precisa ter algum dinheiro pra se manter durante os estudos, já que não pode trabalhar durante o curso.
 
Enfim, a ideia inicial é ele ir na frente e no fim do próximo ano (quando me formar) eu ir também, mas tenho medo e insegurança de deixar meus pais e uma vida confortável por um relacionamento e uma vida bem diferente em outro país.
 
A dúvida é: viver no lugar que moro relativamente confortável, porém sem muita perspectiva na área profissional e sem o boy ou ir em frente, enfrentar os medos e dificuldades e tentar uma nova vida num país promissor junto de quem amo, mas longe da família?
 
Me ajuda Cony, não tenho muito com quem conversar sobre isso e queria a opinião de uma pessoa que não vive próxima dos pais e que de alguma forma seguiu uma carreira diferente.

 

Amiga, vá! Se tudo der errado, pelo menos você ganhará experiência! Morar em outro país é maravilhoso, é enriquecedor, não se apegue a diplomas, títulos, não pense em trabalho mais humilde. Olha só, eu sou formada em Administração, pós graduada em Negocios Internacionais, especialista em Comércio Exterior e fui ser ASSISTENTE de garçonete na Florida e posso te falar? Foi a melhor experiência da minha vida! Voltei outra pessoa! E só voltei porque estava noiva na época e meu ex morava no Brasil. Não fosse isso, estava lá até hoje. Vá, não pense muito, aproveite essa oportunidade.

 

b7de0bb3e5a8426c6b47878346cf63ad

 

Caso 04 – Miroslava

Olá Cony tudo bem? Tenho 25 anos e namoro há 3!

Meu problema é que eu não sei se amo mais o meu namorado. Nosso namoro sempre foi conturbado. No começo brigávamos muito porque sou uma pessoa sensível e romântica, e ele sempre sendo grosseiro e desleixado comigo, do tipo de não se importar com datas, não me levar pra os lugares, me humilhar (dizia que eu não fazia nada, as vezes reclamava do meu corpo…ou estava muito magra ou muito gorda e uma vez chegou ao cúmulo de não querer entrar comigo em um restaurante pois já tinha dado em cima da recepcionista de lá – me senti, nesse momento, mesmo como namorada, menos importante que ela)…enfim, eram tantos abusos e como se não bastasse a família dele não gostava de mim e eu nem sei o porque! O pior de tudo é que eu não conseguia acabar…era como se sentisse necessidade desse relacionamento doentio que me fazia chorar dia sim dia não. Isso tudo foi me fazendo ficar muito insegura, algo que nunca fui, e ciumenta de uma forma exagerada. Ocorre que depois de um tempo, e de muitas brigas feias, consegui acabar. Ficamos 7 meses separados e nesse tempo conheci pessoas maravilhosas mas nunca deu em nada. Acabei voltando com meu ex. No começo ele estava MARAVILHOSO, reconhecia os erros, pedia desculpa…um sonho. Só que eu não voltei com a mesma empolgação…o tempo passou e devido a minha profissão tive que mudar de cidade mas resolvemos tentar o namoro a distancia! Ocorre que ele tá cada vez mais desleixado, no relacionamento a distancia, o que alimenta a relação são as palavras, o cuidado, o saber como o outro estar…mas NADA, ele não me pergunta nada…só fala sobre ele e os problemas dele…sendo que eu também estou passando por um momento super difícil…e hoje, mais do que nunca, fico insegura e com ciumes…e fico sempre procurando, sabe? as vezes eu acho que é como se eu precisasse de uma desculpa pra acabar  (fora o jeito dele frio comigo), porque não pode ser normal…e essa minha “busca” acaba desgastando nosso namoro pois sempre gera briguinhas bobas que logo são resolvidas.
Eu não sei o que fazer, sei que se acabarmos, como estamos longe, vai ser muito difícil voltar, caso eu me arrependa…e a ideia de vê-lo com outra pessoa me faz ficar com muita raiva…é um sentimento de posse, não sei!
Enfim, só queria saber se alguém está passando ou já passou por algo assim pois as vezes me sinto covarde por me contentar com tão pouco…talvez seja reflexo da minha baixo auto estima que no meu inconsciente diz que nunca encontrarei algo melhor…
espero que possa me ajudar!

 

Miga, aproveita que tá longe e termina logo! E sem chance de voltar pelamordedeus. Você não se ama não??? Vai deixar que ele te trate dessa forma? Não acredito que ele tenha mudado e você só andou pra trás ao voltar com ele. O comportamento dele é babaca e vai continuar assim. Não perca mais seu precioso tempo. Ele tem que somar na sua vida, fazer você se sentir a mulher mais maravilhosa do mundo e não o contrário. Você está obcecada por ele e isso não é saudável, é destrutivo! Faz uma terapia, se prepare e coloque ponto final LOGO nisso.

 

01e25c36f7a821227100703d684e85bb

 

  • Choras AINDA suspensos! Mas começarei a fazer de 4 em 4 para andar mais rápido ok??
29
Jun 2016
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Quais serão os dramas de hoje??

Caso 01 – Brenda

Tenho 20 anos, técnica em edificações, trabalho em uma empresa de renome a nível nacional, conquistei muitas coisas desde cedo, como o meu carro próprio, o que é muito para uma menina com uma família tão simples. Tenho minha independência financeira. Mas vim aqui pra falar sobre meu relacionamento passado. Eu e meu ex nos conhecemos desde crianças, crescemos juntos. Na adolescência nos aproximamos e nos tornamos amigos, inclusive até hoje fazemos parte do mesmo círculo de amizade. Depois de alguns anos de muita proximidade, ele começou a gostar de mim e eu só soube um ano depois, pois ele não queria atrapalhar nossa amizade. Mas só fomos namorar após 3 anos dele ter me contado, ou seja, ele esperou 4 anos por mim e nesse tempo todo não ficou com ninguém.

Sempre carinhoso, atencioso, presente, cuidadoso ao extremo e acima de tudo meu melhor amigo – sabia de exatamente tudo da minha vida e eu da sua-. Sobre o nosso namoro à única coisa que tenho a reclamar é que por ele trabalhar muito às vezes acabava não me dando a atenção necessária, mas ele conseguia suprir isso logo depois. Era um namorado incrível, fazia de tudo por mim.

Porém em uma discussão nossa, entrei no seu facebook. Tinha a senha dele, porém confiávamos muito um no outro então nunca tive a vontade desesperada de vasculhar suas conversas. Mas nesse dia não. Até que em uma das conversas, vi uma em que ele conversava com uma antiga conhecida que não via há anos, em que pedia uma chance, queria ficar com ela. Essa menina negou desde o principio, pois ele tinha namorada -EU – tanto que a conversa não se prolongou. Nesse mesmo dia nós estávamos fazendo 6 meses de namoro, saímos pra comemorar e tudo, fora um texto enorme que ele tinha me mandado sobre os seis meses. Mas eles não chegaram a ficar. Fiquei com ódio, louca com ele. Fiquei sabendo dessa conversa dois meses depois, ou seja, com quase 8 meses de namoro. E meninas como vemos até aqui nos choras mesmo, que algumas aguentam mil e umas traições, eu não suportei saber nem que ele já tinha pensado nessa possibilidade.

Terminei com ele nesse mesmo dia, pelo telefone. Ele ficou louco, não acreditava, implorava que não terminasse. Eu pude ver que ele já tinha se arrependido, porém não tinha me contado, pois nos dias que sucederam após a conversa nosso namoro que era ótimo melhorou 100%. Fora que ele tinha esperado 4 anos pra ficarmos juntos né. Mas não voltei e nem tive recaídas.

Já fazem 8 meses que terminamos e ele já fez o suficiente para provar que realmente se arrependeu e que me ama. E eu não tenho dúvidas que o amo também. Se eu deixar, todos os dias ele pede pra voltar. Manda mensagem, conversamos numa boa e como eu disse ainda fazemos parte do mesmo grupo de amigos, ou seja, estamos sempre nos vendo. Já mandou carta, já mandou rosas, e até uma aliança, liga pro meu trabalho, fica atrás de mim, fora todas as outras coisas que fez e ainda faz pra me provar que realmente me ama, todos os dias… Mas confiança ainda é algo muito difícil de ter. O amo muito, mas às vezes penso, que mesmo que ele não tenha ficado com a menina, será que isso não pode acontecer um dia? Isso martela demais em minha cabeça mas a saudade e a falta que um faz ao outro está enoooorme.

Tem outro porém… Como disse no começo tenho minha independência financeira, sempre lutei muito pelas minhas coisas e pela minha família, não é ganância, mas a vontade de vencer na vida. Estou cursando um curso que sei que futuramente me trará ainda mais estabilidade financeira. A questão é que ele não pensa assim. Por enquanto só trabalha, seis dias por semana, quer seguir uma carreira que eu sei que trará muito aperto futuramente. Mas nem a faculdade começou a cursar, sempre adiou. E isso sempre me deixava com um pé atrás, pois sempre quis alguém que caminhasse ao meu lado e não atrás de mim. Quando namorávamos sempre conversamos sobre isso, mas ele sempre pensou assim e eu não quero assumir um relacionamento em que ele dependa de mim futuramente, pois hoje no meu trabalho atual ganho mais do que ele ganha, e percebia que isso o frustrava às vezes. Meninas me deem um help, o amo muito, mas tem a desconfiança, quero voltar mas tem um futuro incerto financeiramente. O que fazer?

Já ouviu falar que quem procura, ACHA? Pois é, se eu procurar vou achar, se a leitora que está lendo agora procurar, vai achar, se a tiazinha da esquina procurar, também vai achar. Então o melhor é, NÃO PROCURAR. A gente faz muitas coisas por bobagem, às vezes estava num dia brigado, estava numa crise, por qualquer motivo ele pode ter procurado essa pessoa. Como também pode ser por pura safadeza ou por infantilidade, já que imagino que ele deve ter a mesma idade que você e convenhamos, homens são muito mais imaturos que as mulheres. Enfim, ele pisou na bola e você terminou. Se fosse SÓ por isso, eu te aconselharia a voltar, já que o menino tá mega arrependido e te provou isso durante esse tempo todo MAS vejo que você tem um outro motivo, esse sim bem mais concreto e sensato, que é essa incompatibilidade de futuros. Isso sim é bem mais sério e pode te trazer fortes frustrações. Acho melhor você tratar esse ponto com ele, e não o do quase-chifre. Talvez você não voltou pra ele até hoje mais por esse problema do que o fato que originou a separação. Aproveite que estão terminados e pense no relacionamento como um todo e racionalmente!

d5698f03173eb51e3f23302b5d0a7954

Caso 02 – Kelly

Eu tenho 24 anos, sou solteira e me sinto extremamente sozinha, mas não do tipo sozinha que quer estar em um relacionamento ou algo assim, sozinha do tipo “sem amigos”. Na infância/adolescência fui muito retraída e tímida, então fazer amigos era sempre um desafio para mim. Mesmo assim, consegui encontrar algumas pessoas com afinidades em comum comigo, porém acabei me afastando dessas pessoas porque mudei para o interior de SP e perdi o contato com todas elas. Ao voltar a morar na capital, tentei retomar o contato com esses poucos amigos, porém tive a impressão de que as afinidades que tínhamos já não existiam mais. Eu mudei muito e meus amigos também enquanto estivemos longe e simplesmente não consigo me identificar com eles. Fiz alguns poucos amigos enquanto estive no interior também, mas eles continuam lá então não costumo vê-los com frequência. Enfim, me sinto “desenturmada” e isso faz com que eu me sinta muito sozinha. Por mais que saia sozinha sempre que tenho vontade de fazer algo, as vezes companhia faz falta. A questão é que me sinto perdida: como começar uma rede de amigos? O que fazer para que as amizades durem? Por favor me ajuda!

Você tem que parar para ver o porque não está fazendo amizades! Faça uma auto-análise, pois para mim está claro que o problema está em algum tipo de atitude sua. Não existe fórmula para ter amigos, a gente anda com quem se identifica e como toda relação, existe uma troca. Amigos são irmãos que a gente escolhe. A gente briga, faz as pazes, liga de madrugada, chama pra festa, chama pra ir na padaria, vai na casa do outro pra fazer nada, conversa bobagens, conta segredos, fica feliz com as conquistas deles, fica triste junto nos momentos de tristeza, ajuda na hora que precisa, na hora que não precisa também, leva lanche pra dois quando vai encontrar, manda mensagem só pra dizer oi, não precisa fazer cerimônia para contar algo, fala a verdade sempre, seja boa ou ruim… enfim… Amizade é algo gostoso, natural e simplesmente acontece. Se as suas não estão durando, é porque algo está errado. Você diz que fez amigos no interior mas eles continuam lá. Ok, existe telefone sabia? Você tinha amigos em SP e se afastou porque mudou de cidade. Quantas vezes foi visitar eles, quantas vezes chamou eles para te visitarem? Ligava com certa freqüência??? Pare, analise, e descubra o que pode ser! Amizade não se descarta por causa da distância, eu tenho verdadeiros AMIGOS IRMÃOS espalhados no mundo todo, e mesmo sem ver eles por anos, sempre mantenho contato… Pense…

e7951d57c002face5ccc4c46978fcb6f

Caso 03 – Andrea

Namorei sério dos meus 21 aos 29 anos, foi um relacionamento de descoberta para os dois, primeiras vezes em quase tudo, novidades,  inexperiências, alegrias e tristezas.

No início, estava apaixonada e confesso que não via nada que me incomodasse nele, mas com o tempo conheci o boy profundamente  e vi que, como eu, ele era uma pessoa inexperiente, mas não tinha bom senso nas coisas mais bobas.

Eu terminei com ele diversas vezes, mas ele sempre pedia para voltar e os motivos pelos quais terminava (que eram sempre por atitudes que eu não aprovava nele), acaba voltando atrás e sempre chegávamos a um acordo, ele falava que ia mudar e que gostava muito de mim e reiniciávamos o namoro.

Bom, com o passar do tempo, tudo voltava a ser como antes, ele parecia ser bipolar, ora me tratava bem, ora era muito calado ou extremamente grosso, não tinha iniciativas que eu julgava serem necessárias, pois tudo eu tinha que tomar a frente, enfim, esperei mudança que não veio, guardei muita mágoa, o nosso relacionamento ficou tóxico e eu me conscientizei que não o amava mais e com ajuda de amigas e do seu blog(vi muitos exemplos de abusos bem parecidos com o meu caso), consegui tomar uma decisão definitiva e terminar com ele.

Como todo o fim, foi triste, mas também, novidade ser solteira novamente depois de quase 7 anos namorando…tenho bastante amigas solteiras também, então aproveitei para sair para onde quer que fosse convidada, fiz a minha primeira viagem internacional com uma amiga, desengavetei e coloquei em prática vários sonhos, fui fazer pós graduação, inglês, fiz novas amizades e claro, conheci novos boys(superei rápido até!). Rs

Fiquei 1 ano nessa vibe e curti muito sem foco nenhum, conheci vários caras de vários perfis. Confesso que fiquei chocada com tanta novidade, saí da bolha do namoro e me vi conhecendo homens muito diferentes, em estilo, tanto na forma de se vestir e estilo de vida mesmo, coisas que eu achei um pouco estranhas, por exemplo, homens que não sei se são gays, bi, afeminados ou são apenas estilosos.

Me pergunto cadê aqueles homens com H maiúsculo? O que aconteceu com os homens enquanto eu estava namorando?

Isso não se restringe apenas para a parte física, o fato é que eu fiquei muito exigente e vejo defeitos e diferenças que eu acho bastante insuportáveis, por exemplo, diferenças de ideias, culturais, religião, forma de encarar a vida…não quero repetir os erros do meu antigo relacionamento e embarcar em algo que está na cara que vai dar errado…

Sempre que saio com alguém e vejo um indício de algo que reprovo, já risco da lista e volto a estaca zero.

Tenho 30 anos, sinto falta de um novo relacionamento bacana, saudável, quero ter uma família, aprendi e superei muitas coisas, mas não consigo ir em frente, seguir para algo novo com alguém…não sei se é um bloqueio meu, ficar focando só nas diferenças ou se a coisa realmente está difícil no mundo dos solteiros…

Sindrome de Chandler Bing, aquela que se a pessoa tiver um dedinho do pé torto, já não serve mais. Tava até pra escrever sobre isso aqui no blog! A quantidade de mulheres e homens bacanas, bonitos, bem de vida que conheço e todos solteiros, é assustadora. Mas fazem exatamente o que você está fazendo. As pessoas estão procurando perfeição. Se tiver uma coisinha que não agrada, já descarta e parte pra outra e por aí vai. Acho que temos que focar no que gostamos das pessoas e não nos defeitos. Apenas levar os defeitos em conta se eles forem totalmente inadmissíveis, mas o resto… ah, o resto a gente trabalha com o tempo! É conversando, explanando, moldando e sendo moldados que os relacionamentos dão certos. Enquanto você ficar nessa de reparar mais nos defeitos e diferenças, ficará sozinha. Fato! Não te digo para aceitar qualquer coisa, mas quando encontrar alguém que tenha qualidades que você acha imprescindíveis e que os defeitinhos forem bobos, tente trabalhar isso. As coisas mudam, as pessoas mudam, a gente se acostuma, a gente aprende a conviver!

83ebdb43f8fcbc8c33f4383e96fe401f

  • Teremos mais uma semana de Chora e libero hein! Já podem começar a escrever 🙂
  • Alguém sacou de onde tirei os nomes desta vez??
23
Jun 2016
Chora Que Eu Te Escuto!!!
Chora Que Eu Te Escuto

Hoje o Chora tá um pouco diferente…

Caso 01 – Branca de Neve

Tenho 22 anos, mas meu problema começou há uns 10 anos, quando eu estava estudando na quinta série. Eu sofria bullying na escola, não gosto muito dessa palavra, acho ela forte, e me custou aceitar que foi isso que realmente aconteceu comigo naquela época. Foram anos horríveis de zuação, as aulas pareciam intermináveis, não tinha vontade de estudar, não tinha vontade de ir para a escola, chegava em casa todos os dias depois da aula e me trancava no meu quarto chorar sozinha. Minha mãe sempre foi uma ótima mãe, mas nunca foi minha amiga, tentava contar para ela e não conseguia, se falava que queria mudar de escola ela sempre chorava e dizia que estava tirando dinheiro de onde não tinha para pagar a escola e eu tinha obrigação de gostar dela. Nessa época cheguei a pensar que não valia a pena mais viver. O tempo passou, no colegial consegui mudar de escola, hoje sou Universitária, namoro, mas as marcas ainda continuam em mim. Sou muito insegura, fora a minha zero auto estima e a minha super ansiedade. Fiz um tempo de terapia, me fez muito bem, mas tive que parar pois era muito caro, e eu não consigo confiar em outra psicóloga. Meu namorado é um fofo, é aquele sonho de toda mulher, mas eu como sou insegura por conta de tudo o que passei, e também mega carente, as vezes sinto que ele não me da muita atenção e as vezes tenho crises de ciúmes (mas acredite, ele da atenção, o problema é minha insegurança e toda a carga pesada que carreguei durante esse tempo) mas é dificil eu acreditar nisso quando estou mal. Toda vez que preciso apresentar trabalhos na faculdade eu choro, sofro muito e me sinto um lixo depois, tenho muita dificuldade de falar em publico, principalmente pelo medo de ser julgada depois. Gosto de me arrumar, mas as vezes não sinto a minima vontade, muitas vezes não consigo me achar bonita ao me olhar no espelho e fico me perguntando o que meu namorado viu em mim. A maior parte da minha vida sofri calada, sozinha e tinha que fingir estar bem na frente dos outros. Hoje isso continua assim, só demostro emoções na frente do meu namorado, de resto não consigo demonstrar, continuo sempre fingindo estar bem e escondendo todos esses sentimentos que me remoem dentro de mim, tenho medo de isso estar me causando depressão. As vezes do nada sinto muita vontade de chorar e não quero sair de casa nem ver ninguém, quero ficar no meu quarto trancada no escuro. Não tenho condições a voltar a fazer terapia com a psicologa que confio e minha mãe não faz ideia de que passei por tudo isso, ja tentei contar, mas ela não aceita.
Desculpa se ficou grande, mas juro que tentei resumir.

Ô minha amiga, nem sei o que te falar. É muito fácil para quem tá de fora te aconselhar, falar para você ser forte e superar isso, mas sei que dentro de você isso não é nada fácil. Tente conversar com a psicologa que você gosta, marque uma consulta, conte para ela que você não consegue se abrir com mais ninguém, quem sabe ela pode te ajudar sem cobrar durante um tempo? Ou então seu namorado não pode te ajudar? O melhor para você é terapia mesmo… seja um pouco forte para pelo menos conseguir se abrir com outra. Veja bem, você mesma disse que tem fez bem… Cuidado com seu namorado, cuide-o, trate-o bem, não desabe tudo nele, um dia ele pode se cansar. Você tem um vida boa, merece ser feliz! Tá estudando, tem um homem que te ama, é vaidosa… Sério, procure sua terapeuta, tente voltar… pagar aos pouquinho, mas você precisa muito dela!

ff6e9bc7c225971d3258d1a49dcba001

Caso 02 – Cinderela

Oi, Cony! Minha história é meio esquisita e nem sei bem como vocês poderiam me ajudar. No fundo, só de poder desabafar acho que já vale. Bom, tenho 29 anos e sempre fui muito solitária. Na adolescência tinha muitos colegas, mas nenhuma amizade de verdade. Na faculdade, a mesma coisa. Saí da faculdade e as coisas pioraram. Tenho aquela sensação de nunca ser lembrada por ninguém. Algumas vezes me esforcei, me fiz presente, mas sabe quando a amizade nunca deixa de ser superficial? Pois é, esse é o meu caso. 

Se nunca levei jeito com amizade, imagine com namoro. Nunca namorei, nem nunca tive muitos paqueras. Tenho um rosto ok, mas meu corpo não é nada legal. As pessoas geralmente me acham esquisita e me olham torto, nunca me senti desejada. Quer dizer, só uma vez, num “relacionamento” que durou algumas semanas e foi o mais perto que cheguei de um namoro.
 
Recentemente conheci um rapaz online e estamos interessados um no outro. Ele é bonito, inteligente, super agradável, me trata bem demais, não tenho do que reclamar. Moramos distantes, mas ele vem me conhecer em breve. Mas a grande questão é: eu sou virgem. Ele sabe disso, ficou bastante surpreso, mas me falou que não vê problema nenhum. A verdade é que eu morro de medo da primeira vez. Já tentei antes (com o cara que comentei no início), mas foi horrível, me senti mega desconfortável, doeu bastante e tivemos que parar. Agora encontrei alguém especial, quero muito que esse relacionamento dê certo, e não posso deixar que esse medo bobo me atrapalhe. Sei que o conselho mais óbvio seria “deixa rolar”, mas na minha primeira tentativa eu fiquei tão nervosa que travei totalmente, e por mais que eu me sentisse atraída por ele, na hora não consegui sentir nada, excitação zero.
 
Enfim, é normal essa minha neura ou tô surtando à toa? Me sinto envergonhada por ser tão inexperiente nessa idade.

 

Cinderela, antes de mais nada, se rolar de transar com esse rapaz, por favor não pense que o namoro engatou ou que tem que dar certo ok? Não romantize a situação, pois o fato de você ser virgem é um atrativo para ele… Homens tem umas podridões assim, ele pode ser um cara super bacana, mas vamos sempre estar preparadas para o pior. Agora, vocês marcaram apenas de se conhecer né? Então segure a piriquita mais um pouco. Conheça ele bem, sinta segurança e quando achar que está pronta, aí sim vá para os finalmentes. Não faça NADA que você não queira, não ceda a pressões. Tudo tem que ser natural e gostoso. Se achar que ele vale a pena, não está sendo pressionada e realmente quiser transar com ele, tome até um drinkezinho para ficar mais soltinha. E relaaaaaaaxe! Cada pessoa tem um tempo diferente, não se cobre nem se pressione!

 

5d4b62973bcff03dd0b072d78bba99b3

Caso 03- Ariel

Vi que o “CHORA” está com as vagas abertas rs e resolvi falar de um assunto que até hoje não vi ninguém abordar.
Não estou falando de problemas do coração, ou problemas de família, estou passando por um processo meio “diferente” e senti vontade de te contar para quem sabe ajudar pessoas com o mesmo problema.
Desde a minha adolescência tive alguns problemas em aceitar a minha imagem e por ter a família (por parte de pai) obesa eu sempre tive muito medo de ser mais uma. Em consequência desse medo eu desenvolvi bulimia (isso a mais de 10 anos atrás). Nunca vi a Bulimia como um problema, na minha cabeça ela sempre foi a solução.
Esse ano eu tenho feito muitas coisas diferentes, cheguei aos 32 anos e resolvi cuidar mais de mim. Fiz minha primeira viagem “solo” e ameiiiiii d+, fiz Botox, preenchimento, comecei a fazer psicóloga (depois da bad trip rs) e decidi deixar a bulimia para trás.
Talvez a minha história não seja tão longa, talvez não seja uma das mais interessantes para você expor no seu Blog, mas eu decidi contar a minha história, pois é muito difícil para a pessoa que tem bulimia assumir para ela que tem um problema, que o problema é sério e pode acarretar em sérios problemas de saúde no futuro. Estou correndo atrás do prejuízo, contei a minha história apenas para 3 pessoas (a psicóloga, uma grande amiga e você rs), pois sei que não serei julgada e quem sabe no futuro eu não possa ajudar pessoas que passam pelo mesmo problema que eu né?

 

PARABÉNS ARIELZINHA! Coisa már linda do universo! Fico feliz que você mesma tenha percebido que tinha um problema SIM e teve forças para se livrar dele! Que sirva de exemplo para muitas mulheres que passam por isso!

 

ae7c35ff6f165ae61a503c4cec879940

 

  • Choras AINDA fechados. Abro em breve.
Página 1 de 41234