01
Oct 2017
Mi Casa, su casa – Butler´s Pantry e Joy 106D
Decoração, Editorial, Mi Casa Su Casa

Quase coloquei um amém no final do título, porque virou uma oração. HAHAHA

Cêis tão delícia? Tudo hidratada? Tudo fisicamente ativas/os? Assim que queremos a Fufulândia. Um bando de gente feliz.

Semana passada não teve post por um motivo muito nobre: FA XI NA.

Uma faxina daquelas de colar as ponta do papel de parede, de limpar as lombadas das revistas e organizar por data.

Levando em consideração que eu assinei Casa Vogue durante 10 anos (enquanto eram editadas pela Carta Editorial, porque depois da Globo Condé Nast a revista ficou uma MERDA) você pode ter uma leve noção da trabalheira que deu.

Porém a faxina vai ser melhor explicada no final do diário de obra que tá QUASE no ponto de publicar.

Ok, vou parar de devanear porque se eu não começar logo a falar do assunto do dia vou perder a audiência dos TDAH.

Falei no Instagram do Joy106D ( Já seguiu minha obra? ) sobre a “despensa do mordomo” que é muito comum lá naquele canto do mundo que eu amo: Austrália, e a Marina deixou comentário aqui pro titio falar mais. Bêxo Marina!

A tradução literal da Butler´s Pantry, como eu já usei no texto préviamente, é “despensa do mordomo” e ela tem – obviamente- uma história própria, que como a gente tá vindo da Oceania pra cá, começa assim:

” O nome PANTRY, é oriunda do francês arcaico PANETERIE que significava: panificar/pão. Nas eras medievais as comidas e utensílios eram armazenadas em cômodos específicos. Carnes eram guardadas na copa (larder), bebidas num cômodo chamado bar (buttery) e os pães na despensa (pantry).

Nota do Tio: Essas traduções são aproximadas, porque na verdade os nomes originais todos se traduziriam para português como despensa.

DAE chegamos na Butler´s Pantry, onde se guardava a prataria, os itens de cozinha mais caros e mais delicados. Como os itens eram de valor esse ambiente era mantido trancado e a chave ficava em poder do mordomo que geralmente  (pasmem) dormia nesse local pois era responsabilidade total dele proteger a prata contra roubo.

As despensas estavam desaparecidas até 2006 quando os empreendimentos começaram a voltar os olhos para o problema que as cozinhas integradas causam que é: casa inteira bagunçada só pra fazer um lanche.

Então vamos falar da Despensa moderna. No caso dos sortudos que pagam 445 dinheiros numa lava louças, na Oceania eles aconselham a ter no quartinho do mordomo:

Uma segunda lava-louças;

Um segundo refrigerador;

Uma segunda pia;

Um segundo cooktop;

Uma segunda torre de eletros.

Resumindo, é uma cozinha. A diferença é que será fechada e consideravelmente menor. Nela serão estocadas as coisas em prateleiras abertas e de profundidade menor, algo como 40 centímetros:

Para que serve?

Sabe aquele domingo, que você vai só fazer um macarrão? Faz ali dentro.

Sabe aquele peixinho frito que fede a casa toda? Faz ali dentro.

Sabe aquela reuniãozinha de amigos que você serve um aperitivo e vai acumulando louça já antes de servir o jantar, depois tem que dar um jeito na louça do jantar pra poder servir uma sobremesa/café/licor… SOCA TUDO NA DESPENSA e amanhã a faxineira arruma, ou então já sai da mesa pra lava louça. E na hora de se despedir dos convidados já está tudo limpo.

Sabe aquela receita de natal que tem ZILHARES de coisinhas pra picar, separar, pré cozer… deixa a sogra fazendo na despensa, e prepara teu peru ali do ladinho, na cozinha.

O que é importante? Que ela seja discreta e que interaja com a cozinha diretamente. No casa de uma das Butler´s Pantry mais lindas que eu já vi, está a versão do The Block Austrália 11ª Temporada do apartamento de cobertura, desenhado pelo casal Dean e Shay:

Essa é a cozinha:

E ali, lindamente oculta está a despensa:

Aqui tem um vídeo (em inglês) curtinho que mostra  como eles pensaram e decidiram todos os detalhes da cozinha:

E essa é a carinha de quem ganhou a temporada + AU$ 755.000,00

Voltando ao post, ao pesquisar por esse ambiente a gente encontra umas despensa muito gourmetizadas, que eu acho que perdem a funcionalidade.

Obviamente é legal que seja bem decorada e agradável de se ver e usar. Mas a função dela é abraçar os tapaué e não ser miss-cozinha.

A não ser que quem está me lendo aí do outro lado seja RYCAH nível Trussardi Rudge, aí é só me contratar que eu já sei o nível de despensa que vamos fazer para sua casa:

Agora eu gostaria de propor a despensa do mordomo alinhada com o nosso Brasil.

E vou até me dar o direito de chamar de Despensa Funcional.

Eu acredito que para nós, que gastamos 2000 reais numa lava louças, 5000 em um bom refrigerador podemos otimizar estes produtos.

Minha dica é que a entrada seja perto da torre de fornos e do refrigerador. Assim, esses eletrodomésticos são compartilhados pelos dois ambientes.

Caso sua familia seja grande, eu sugiro incluir um freezer, aí sim é um bom negócio:

Mas tio, quanto espaço eu preciso?

Quase nada Fufu, quase nada.

Para a brasileiríssima despensa funcional da família moderna tipinikin, eu diria que você deva equipar com:

1 cuba pequena/média;

1 cooktop 2 bocas/queimadores;

1 coifa poderosa ( alí será o canto da fritura/de fazer  o bifão de brontossauro)

1 lava louças (e deixar a cozinha sem)

Esse é o espaço de bancada que você terá pra trabalhar, dois metros.

Teremos que ter uma janelinha (legislação brasileira renovação de ar e luz natural) então eu faria ela no fundo do ambiente;

Na outra parede prateleiras com 40cm de profundidade;

Então estamos falando de 200 x 200 pra ter um MEGA espaço confortável. E isso representa muito pouco numa construção. Vou ilustrar, porque eu tô MUITO animado com isso:

Viu que simples? Pia, bancada, fogãozinho:

Se a torre de fornos e geladeira estiver ali do ladinho da porta, tá tudo dominado.

Dependendo do seu nível de transtorno, ou caso a região onde você morar é válido analisar o uso de portas na despensa. Eu acho desnecessário, mas se por exemplo for um lugar onde tem muito pó, pode ser interessante gastar um cadin mais e colocar portas em toda ou em parte desse móvel.

Dae você pensa: Ah Lelo, só tenho 150cm por 300cm aquele espaço estranho debaixo da escada, tem como fazer outro jeito?

Claro meu amô!

Pode usar a bancada em L sem problema nenhum.

Se você não costuma fazer fritura, ou se faz muito pouco – como aqui em casa – a despensa funcional pode até ser aberta também e ser usada para sujar um espaço que representa 1/4 da cozinha, simplesmente colocando uma parede divisória:

E esse formato é ótimo para apartamentos, especialmente os tipo jardim, como o JOY106D que estou mostrando para vocês em primeiríssima mão.

No caso dessa unidade a despensa não vai ser só despensa, mas também vai acomodar a lavadora de roupas.

Em cidades grandes como São Paulo é bem comum a lavanderia e a cozinha se fundirem em uma coisa só, aqui pro lado do interioRRR, ainda é estranho, confesso. Contudo funciona, que é o que buscamos.

A cozinha formal, será construída e terá acesso por essa porta ao lado do refrigerador e ambos espaços vão compartilhar destes eletrodomésticos.

Ela ficará oculta da parte social pela parede que vai amparar o estofado, assim não haverá visibilidade a partir da porta de entrada:

E quem estiver na sala, verá apenas geladeira/torre de fornos:

A área com a mesa de jantar também ficará nessa área que os clientes vão construir, essa mesa da imagem é aquela de apoio onde você deixa chave, carteira, bolsa, os boletos… é pequenininha mesmo.

Muita gente não entende planta baixa, mas para os que entendem, vou deixar aqui para vocês aproveitarem:

O post de hoje foi tenso! Muita imagem, muita conversa. Aos que não gostam de post com muito falatório me desculpe, contudo foi o necessário.

E por hoje é só pessoal. BÊJO!

Não esqueçam de aproveitar as dicas da patroa no Instagram Futilish, e euzinho no #Tiolelofoz

assilelo-1

As fotos utilizadas nos posts foram coletadas da internet e os 3D foram feitos por mim, imagens que só apareceram aqui porque eu gostei, então, parabéns pra você que fez. Respeito muito seu trabalho e os créditos são seus, se quiser que eu identifique a autoria me deixa nos comentários. Se te incomodar a divulgação aqui, mande um email e eu substituo. BEIJOS DE LOOOZ.

17
Sep 2017
Mi casa, su casa – Emergência! Evacuar!
Decoração, Mi Casa Su Casa

Olá minhas leitoras divinas e meus leitores maravilhosos!

Tá tudo supimpa com vocês? (Vocês ao menos sabem o que supimpa significa? #tioidoso)

O post de hoje é um post que serve para o mundo todo, menos pra Sandy.

Vou falar de defecar! Não do ato, mas do aparato:

Como vocês ficaram sabendo AQUI, tivemos um caso de banheiro suicida no meu apto, e está rolando uma reforminha que estou registrando para fazer o diário de obra pras Fufu magnificas do meu coração.

Eis que eu me encontrei, quase lindo, quase alto, quase magro e quase rico numa situação diferente: eu estava escolhendo itens de banheiro para eu mesmo comprar. Então além dos detalhes técnicos eu tinha outro fator determinante: O escorpião que habita meu bolso.

Vamos primeiro de tudo para a parte teórica da coisa.

O trono é formado por 2 ou três partes, sendo: Bacia sanitária + assento, para quem tem a descida da água por dentro da parede com a válvula tipo hidra:

OU o mais comum atualmente: Bacia sanitária + assento + caixa acoplada, para quem mora em apartamentos ou opta por esse tipo para evitar (possíveis) transtornos de manutenção.

Sabendo disso abrimos um leque imenso de opções dentro das duas variáveis, inclusive o tamanho dos investimentos.

Contudo existem alguns detalhes que eu sempre saliento para meus clientes, que ajudam na funcionalidade e manutenção. Primeiro de tudo eu sempre indico os produtos que tem o “jato plus”:

EIKE TÊNIS SUJO! Perdão gente.

O jato plus eu chamo de “turbo do cocô”, afinal é um empurrãozinho extra – fisicamente é isso mesmo que ele faz.

Especialmente hoje em dia que – ainda bem – quase todos os modelos tem a descarga “ecológica” em duas potências – geralmente 3 e 6 litros essa força extra é bem vinda.

Agora a gente segue pro design da base do sanitário. Prefira sempre o que for mais liso possível, como esse:

No máximo, caso nenhum esteja disponível ou o valor seja absursdo… que tenha o parafusinho de fora, como esse:

Estes modelos com a base reta são bem mais caros, porque vai muito mais material para fabricar e também pela dificuldade de moldá-los.

Conhecendo isso evite os modelos com parafusos aparentes porque é ali que vai enroscar cabelo. É ali que o pano da limpeza vai prender e é neste mesmo parafuso do capiroto que você vai rasgar seu dedo tentando fazer a faxina. E agora me diga, tem lugar pior pra cortar o dedo do que no vaso sanitário?

Te rogo Fufu, se puder fugir feito uma gazela do leão de algum modelo, são esses:

Já imaginou a complicação de ficar alisando esse negócio cheio de curvinhas até tirar o pó?

Lembre-se que pra fazer isso você basicamente estará com a cara dentro do cagador.

E quem SEMPRE está presente nesses modelos mais simples? Quem? Quem:

Ele mesmo! O parafuso do Fred Kruguer.

Assim, pra deixar vocês já com uma noção de preço, um bom valor para um kit de Bacia sanitária + assento + caixa acoplada é de R$ 1.000,00 parece muito? Parece, e é. Entretanto me diga: Quantas vezes você troca isso na vida? Melhor comprar um razoável né?

Foi por isso que eu pulei o mais barato e comprei o 2º menor valor, porém com uma base lisinha (mas com parafuso do mal):

Sim, é um baita salto de R$ 198,00 para R$ 449,00 dinheiros, mas é a hora que você se agarra no nojo de limpar o vaso e enfrenta o escorpião.

Eu me lembro back in 2007 quando eu fui pela primeira vez com um cliente escolher esse tipo de produto. O valor era determinante e eu encontrei um com valor bem abaixo da média e tal, e o cliente só dizia:

“_Não. Esse não. Não quero esse.”

E eu pobre que sou, insistia no mais barato. Até que o vendedor se afastou e meu cliente disse (com um tom um pouco mais alto do que o normal):

“_Não vou comprar esse! Parece que ele tá rindo de mim!”

E desde então eu sempre enxergo os sanitários arredondados de um jeito diferente.

Mas vocês acham que acabou?

Tem que escolher o assento ainda. Assento é o que a gente chama de tampa mesmo.

Olha, se os preços são absurdos com a parte cerâmica da coisa, essa parte plástica não poderia ser tão mais absurda.

Tem desde aqueles de plástico que resseca, racham e beliscam a bunda:

Tem os que tem estofadinho, tem os que tem sistema de amortecimento para não bater:

E eu queria saber o que que esses daqui fazem pra custar 300 – 650 dinheiros:

Mas fiquei com medo de perguntar e me cobrarem a resposta.

Vamos falar daqueles que – literalmente – lavam e secam nossos países baixos:

Eles surgiram na Ásia, não sei onde especificamente, mas são conhecidos como japoneses.

Já tem aqui em Terra Brasilis um assento (tampa mesmo) que podemos compatibilizar com alguns modelos, além de alguns como este da foto, que já  vem com todo o sistema prontinho. Eles só precisam de uma tomada próxima além do que já é o padrão de instalação.

Tenho dois pedidos pra vocês, o primeiro é não zoar a tampa do vaso.

E o segundo – deixa eu ser cuidadoso nesse tópico – eu gostaria que vocês evitassem os “kits de decoração para banheiro”

E eu entendo que muitas vezes a gente traz o costume da família, da avó, da mãe, das tias… e não é que eu julgue todos esses conjuntos feios – apesar de uma parte significante deles serem feios mesmo.

Eu admiro o trabalho artístico, minha mãe mesmo faz crochê e eu acho incrível a capacidade de transformar um fio, com ajuda de um ferrinho, em algo completamente diferente.

PORÉM, tem dois componentes desses conjuntos que não tem como defender:

O tapetinho que “encaixa” no vaso, e o que “reveste” a tampa do próprio cagador. A não ser que eles sejam lavados cada vez que alguém que mija-de-pé use o banheiro, não dá pra conviver com todo o xixi que respingará neles e ficarão ali, saudando os moradores com um phedô incomparável.

Por sua atenção, obrigado.

Não esqueçam de deixar nos comentários dúvidas que vocês tenham sobre qualquer assunto relacionado a construção e decoração pra eu ir fazendo as matérias.

Não deixe de seguir nossa patroa no instagram como @futilish e euzin como @Tiolelofoz no instagram e no Snapchat.

As fotos utilizadas nos posts são coletadas na internet, e só apareceram aqui porque eu gostei, então, parabéns pra você que fez. Respeito muito seu trabalho e os créditos são seus. Se te incomodar a divulgação aqui, mande um email e eu substituo. BêXos.

 

 

10
Sep 2017
Tem Jeito Decor 40 – Emily e a Integração
Decoração, Mi Casa Su Casa

Tão boas Fufuzelas?

Adorei a interação das últimas semanas 😀

E no FDS do feriadão, vamos de #TJD rápido e rasteiro. Porém… vamos dar uma conversada sobre os ambientes integradosantes?

Hoje em dia aqui por Terra Brasilis, o “must have” é ter ambientes integrados. E antes que vocês comecem a coçar o mega hair: Eu sou A FAVOR dos ambientes integrados, não briguem com o titio.

Eu apenas acho que esse layout não é sempre o mais adequado, isso depende do estilo de vida de cada um.

Para quem eu acho que não funciona:

Pessoas que costumam fazer frituras por exemplo, vão precisar de um aparelho de exaustão excelente para não sofrer as consequências do ficar cheirando banha por dois ou três dias.

Gente que não são um exemplo de organização – me incluindo nessa categoria – podem se irritar com  o “excesso de cuidados” para não viver em uma casa revirada.

Quem não tem cômodos extras para criar um espaço de TV e/ou escritório/estudos separado da área social – limitando os usos.

Para quem eu acho essencial:

Famílias que tem crianças com menos de 10 anos – e assim poderá manter o olho nos furacõezinhos enquanto limpa/trabalha/cozinha.

Quem costuma receber amigos/família mais de uma vez por semana, e gosta de comandar o show das panelas.

Ideal mesmo, mas isso só funciona para quem for construir, seria ter a “despensa do mordomo” tão comum na Austrália e Nova Zelândia, que é uma mini-mini-mini-cozinha, que você usa no dia dia, conjugada com a maior e integrada, economizando em grandes aparelhos e também tendo a chance de otimizar tempo de trabalho e manutenção.

Mas vamos voltar para a Emily?

Vejamos o que aflige esse coraçãozin:

Olá Lelo, tudo bom?!

 Primeiro me desculpe se não estou seguindo alguma regra de envio de “Tem Jeito Decor”, tentei achar no Futilish mas o máximo que vi foi seu contato e como sou nova nesta tag…
O problema é o seguinte Lelo, envio em anexo 2 fotos do meu apartamento (ALUGADO),
a divisão entre a sala e a cozinha é esta bendita “mesa” de mármore…ela é horrível, não separa os ambiente, quem entra em casa vê minha cozinha toda e até a máquina de lavar!
Queria uma solução para fechar esta parte, sem danificar ou ter que tirar a bancada, já que o apto é alugado. Pensei em mandar fazer um armário de madeira, em que um lado fosse pra cozinha e o outro de decoração pra sala, será que é possível? 
Desde já agradeço sua atenção.
Beijos!”
Emily meu bem, você se incomoda com a máquina de lavar recepcionista acredite, eu sei bem como é, aqui em casa era a lixeira da cozinha que dava um HELLO nada digno de Val Marcchiori pras visita tudo.
Contudo, se você quiser descontrair sua área de serviço…
 Chega de #brinks, desculpe, mas eu hoje acordei no modo Ave Maria (cheio de graça) …
Vou mostrar para você duas opções de melhorar essa agonia. uma mais cara e uma mais barata. A mais cara eu sugiro que você faça um móvel com gavetões que se encaixe abaixo da bancada, aumentando a armazenagem para o lado da sala, e feche a parte superior com painéis de MDF (vazados ou não, eu prefiro vazados, como na imagem abaixo) e instalando o televisor na parede. Alinhei os painéis com a parede da Sala, assim você mantém uma profundidade legal para quem for fazer refeições e também para apoio de quem estiver cozinhando.
Na segunda opção temos algo com valor mais amigo, acho excelente por esse motivo e por outro também: Você pode ter o ambiente integrado ou não.
Coloquei um móvel mais simples, com portinhas de vidro e a TV sobre ele. Por trás deste móvel vem um painelzinho que fecha a parte debaixo da bancada, você pode usar esse espaço para decorar, com dois vasos, com baú, com uma banqueta ou o que o teu coração mandar. Sobre a bancada eu coloquei uma cortina do tipo romana (que sobe formando dobras) então quando você tiver com vontade de deixar tudo livre é só subir o tecido:
Fica meio que como se tivesse uma janela quando está abaixado, o legal é que esse material dela “interaja” com as outras cortinas que você tiver. Optando por uma tela solar, por exemplo, a manutenção é simples e não precisa se preocupar com a limpeza especializada do tecido.
E a TAG tem apenas uma regra: é um ambiente por pessoa 😀 afinal é meu trabalho né? Assim vocês ganham uma assessoria e eu me exercito com casos reais aprendendo cada vez mais.
Obrigado pelo carinho e aquele já corriqueiro: “desculpe pela demora”.

assilelo-1

As fotos utilizadas nos posts foram enviadas pela proprietária e os 3D foram feitos por mim,trabalhamos também com fotos coletadas na internet, e só apareceram aqui porque eu gostei, então, parabéns pra você que fez. Respeito muito seu trabalho e os créditos são seus. Se te incomodar a divulgação aqui, mande um email e eu substituo. BEIJOS DE LOOOZ.

Página 3 de 3912345Última »