LifestyleComportamento
Bem Estar, Cotidiano
02 abr 2019, 139 comentários

Ansiedade

Como queria escrever sobre isto e conversar com vocês… Tenho visto tanta gente reclamando da mesma coisa até que percebi que eu era uma delas mas não “aceitava”.

Deixa contar um pouco sobre mim. Pra quem já me conhece há mais tempo, deve ter percebido que sou muito clara e objetiva em relação a tudo. Não sei explicar mas eu tenho uma visão muito límpida das coisas, costumo ser bem sensata e realista. Ok, não é 100% do tempo, mas na maioria das vezes consigo avaliar bem uma situação sem muitos ruídos. Acho que esse é um dos motivos que não faço terapia, porque sei exatamente tudo o que se passa comigo e de onde se origina. Apenas fiz terapia duas vezes na vida e durou coisa de 2 meses cada, que foi quando terminei um namoro de 15 anos e depois quando terminei outro relacionamento. E a terapia não foi para me fazer enxergar que não era o fim do mundo, ou que haveriam outros namorados com certeza, ou me reafirmar de alguma coisa. Acontece que eu fico TÃO chata quando termino namoro que acho que ninguém aguenta minha ladainha, por isso vou pra terapia para alguém ouvir as infinitas e intermináveis lamentações que ficamos viciadas em repetir quando levamos uma rasteira emocional.

Ok, mas não sou fodona assim. Eu tenho MUITOS defeitos, alguns bem chatos e tenho plena consciência deles. Tento trabalhar para melhorar, mas eu comigo mesma. Eu sei o que é, porque e quando acontece. E eis outro defeito meu, controle. Ou pelo menos, me preocupar apenas com o que posso controlar. E se eu sei que posso controlar, eu controlo. Se acho que não consigo, me afasto e deixo as coisas se resolverem por si só. E nesse cenário algumas coisas começaram a me atrapalhar, meu auto controle começou a sumir. Acredito que nossa mente comanda muita coisa na nossa vida e no nosso corpo, por exemplo, já tive MOMENTOS depressivos, mas aquela falta química que tem que ser remediada, nunca tive. E quando tive momentos de tristeza profunda, me permiti sofrer, mas sempre por um tempo curto e depois me forcei a sair disso. Até aí tudo bem.

Só que um dia comecei a não ter mais controle sobre mim. Comecei a ficar nervosa a toa, a ter palpitações no peito que não paravam nem com a “força do meu pensamento”. Comecei a sentir falta de ar, sentir a boca adormecendo, ficar tonta, mão gelada, achar que ia desmaiar e tudo isso sempre que estava “esperando” algo. E essa espera poderia ser uma fila de banco, um atendimento com senha, esperar alguém chegar, esperar minha vez de falar ou me apresentar em público. Coisas até então super rotineiras e comuns em minha vida.

Então tive que aceitar. Conheci a primeira “pessoa” que conseguiu tirar meu auto controle: a ansiedade.

Obviamente que as primeiras vezes que passei por isso, que tive esses sintomas, achei que era bobagem, que era por algum motivo pontual e que não aconteceria mais. Só que o negócio foi se repetindo, e cada vez, com uma novidade. Tipo, antes era só coração pulando pra fora do peito. Depois começou a ser o coração pulando e a boca adormecida. Depois o coração, a boca e a mão gelada. E por ai vai, adicionando sintomas até que teve um dia que eu achei que iria morrer. Estava em San Pedro de Atacama, acordamos bem cedo para fazer um passeio, tudo normal, como sempre. Quando entrei na van, comecei a ficar apavorada. Não conseguia respirar, minha vista embaçou, meu coração disparou. DO NADA! Fiquei realmente desesperada sem conseguir respirar, por mais que eu tentasse ritmar a respiração e enfiar na minha cabeça que não tinha nada de anormal ou diferente ali, eu não conseguia me livrar daquele pânico. Tive que descer da van, respirar fundo e me acalmar. Leo perguntou se eu queria cancelar o passeio mas eu não quis. Poxa, porque me deu aquilo??? Não sou disso! E só pensava numa coisa: será que isso é a tal síndrome do pânico? Porque o que eu senti, foi isso, pânico.

Me bateu um terror de acontecer a mesma coisa no avião ou nas viagens de ônibus que ainda tínhamos pela frente. Vocês não imaginam minha tensão cada vez que tinha que entrar em algum lugar fechado onde eu não poderia sair a hora que quisesse. Foi aí que a ficha caiu: isso é sério e tem que ser tratado.

Voltei de viagem, graças a Deus não tive mais episódios assim, achei que tinha sido esporádico, talvez não fosse tão grave, que sim teria que ir ao médico mas poderia esperar. Até o dia que fui buscar minha mãe no aeroporto em SP. Ela veio me visitar e eu fui até Guarulhos fazer uma surpresa pra ela. Enquanto esperava ela aparecer, juro que achei que iria ter um treco. TODOS os sintomas que mencionei acima, eu senti. TODOS, e até mais, vi bolas brancas flutuando. De novo, aquela aflição, aquele desespero, aquela sensação ruim e totalmente sem controle.

Não tem mais como negar né? Sofro de ansiedade. Qual delas, qual tipo, qual grau, não sei, porque até hoje não fui ao medico. Tenho muito medo de ter que usar remédios fortes e ficar lesada por isso estou tentando outras alternativas como por exemplo aromaterapia com óleos essenciais. Ganhei um colarzinho que é um difusor pessoal, super fofo, e pingo óleo nele todos os dias para ter um dia tranquilo e sem stress. Até hoje não tive mais crises, mas também não sei se é assim mesmo, se tem frequência, se de repente do nada vou passar por isso de novo. Também não provoquei situações estressantes, aliás, falei em publico esses dias, deu um nervoso mas passou. Consegui falar com coerência e passar o recado. Para mim, ansiedade era aquela preocupação pelo que não aconteceu ainda, aquela euforia pré viagem ou aquele frio na barriga de uma situação nova que está para acontecer, mas descobri o lado feio da ansiedade, o pânico, os sintomas físicos, a falta de auto controle. Enfim, tudo ainda é muito novo pra mim e confesso que a minha teimosia/controle ainda insiste em tentar me convencer que eu dou conta. Algumas leitoras já me alertaram que ansiedade não tratada vira síndrome do pânico e claro que não quero isso.

  • Quero saber de vocês. Experiências, tratamentos, cura… Quero saber onde estou me metendo, com o que estou lidando e como é essa tal de ansiedade. Conversa comigo??
ComportamentoModaRapidinhasCompras
Cotidiano, Fashion News, Shopping Time
08 mar 2019, 38 comentários

Zara Online no BRASIL!

Tudo bem que eu tinha outro post para subir hoje mas não poderia deixar passar batido A NOVIDADE MAIS INCRIVEL DOS ULTIMOS 500 ANOS!

Eu amo a Zara, praticamente 80% das minhas roupas são de lá. Amo as calças jeans (em mim vestem perfeitamente), as bolsas fashionistas, os tricozinhos, as peças de alfaiataria, as onças, os cintos, TUDO! Não consigo nem me lembrar como era minha vida quando não tinha Zara em BH! E sei que tem muitos estados que ainda não foram agraciados com a melhor fast fashion do MUNDO. Sim é a melhor do mundo e ponto final. Amancio Ortega é um gênio a ponto de criar uma marca que nem precisa de propaganda para ser a que mais vende no planeta.

Na gringa, existe o ecommerce da Zara já há algum bom tempo, mas eu JAMAIS achei que aqui isso aconteceria. Primeiro veio o site em português há alguns meses. Achei o máximo dar uma olhada na coleção que é vendida aqui sem ter que ir na loja. O que não sabia, era que esse site em português, que contem preços e tudo, se transformaria em loja online.

Pois é, essa é a noticia bombástica: a partir do dia 20 de março de 2019, TEREMOS ZARA ONLINE NO BRASIL!

O e-commerce da Zara terá a linha de roupas femininas, masculinas e de crianças e como a gente nunca está satisfeito, eu bem queria Zara Home online também (se bem que nem física tem aqui em BH). Quem for de São Paulo, do Rio, de Belo Horizonte e de Curitiba, receberá sua comprinha em até 24h ou ainda poderá retirar na loja. E as trocas ou devoluções, poderão ser tanto nas lojas físicas quanto na loja online.

Prevejo cartões de créditos suando com essa novidade. E o fim da busca incessante por alguma peça que acabou na loja ou que não tem numeração disponível.

Eu amei. Não quero nem saber como será a partir do dia 20. Vai ser punk. Já baixem o aplicativo (tem pra Android e pra iOs) e vamos de contagem regressiva!

  • Que tal essa novidade hein hein?
Comportamento
Cotidiano
15 fev 2019, 55 comentários

Para As Pessoas Que Não Sonham

Passei a seguir o Italo Marsili por indicação de vocês. SEMPRE alguém fala dele nos Choras ou então me manda direct no instagram falando: Cony, o Italo Marsili está falando exatamente o que você falou no Chora!

Fiquei curiosa e fui ver do que se tratava. O cara dá um choque de realidade em todo mundo, geral mesmo, não só em mulheres que estão a espera do príncipe encantado ou que ficam se vitimizando por tudo.

E como concordo com ele. As pessoas não estão preparadas para a vida real, para abrir os olhos e perceber o mundo que vivem. Vejo isso muito nos Choras. Muitas pedem conselhos mas se não ouvem o que querem ouvir, ficam chateadas e me chamam de grossa, de não ter empatia porque não estou no lugar da outra pessoa. Mas claro que não tô, não faço a mínima ideia quem sejam as pessoas que mandam os Choras e justamente por isso consigo dar minha opinião sendo 100% neutra. Respondo ao que me perguntam da forma mais crua que consigo, da forma que sua amiga não te aconselharia porque não quer te magoar. E se tem medo ou quer cafuné e confete, não mande Chora. Simples assim.

Mas enfim, voltando ao Italo Marsili (se quer afago no ego não siga ele! E nem a mim!) ontem ele postou uma frase que adorei. Segue:

E é exatamente como me sinto, como sou.

Eu não tenho sonhos. Sempre que alguém me pergunta qual o meu sonho, fico pensando pensando pensando sem saber o que responder. Sou uma pessoa tão prática que não miro onde não posso alcançar. Eu tenho planos, objetivos palpáveis que sei que são super possíveis de realizar a curto prazo.

Não almejo uma super cobertura no melhor prédio da cidade, o melhor carro, ter o closet cheio de grifes ou fazer inúmeras viagens e ficar nos melhores hotéis. PRA QUE pensar assim e aumentar enormemente a possibilidade de me frustrar??? Sou feliz com o que tenho e quando desejo melhorar algo, é sempre um ponto a mais, apenas. Um carro melhor que o meu, morar num apartamento melhor, viajar pelo menos uma vez por ano… Coisas que eu sei que dou conta de concretizar e fazem parte da minha realidade. O que não faz, eu simplesmente excluo da vida e nem gasto energia com isso.

“Ah Constanza, mas sonhos não são apenas de bens materiais, você pode sonhar em ser mãe, em ter um crescimento empresarial, em rodar o mundo…” Sim, posso ter esses sonhos mas eu SIMPLESMENTE NÃO TENHO. Sou muito esquisita por isso? E se por algum motivo eu não puder ser mãe? Não vou morrer por isso. E se minha empresa falir? Ok, acontece. E viajar o mundo inteiro? Aos poucos as coisas acontecem. Um país por vez. TUDO DEPENDE DO QUE ESTAMOS FAZENDO HOJE.

A vida é baseada no AGORA, NA REALIDADE ATUAL. Não adianta fazer masturbação mental com algo que não faz parte da sua vida! Não adianta querer ser alguém que não tem nada a ver com você. Não adianta desejar coisas que não cabem no seu orçamento! Não adianta querer ser uma empresária super bem sucedida se nem tem uma empresa ainda ou se não está se mexendo para isso. Não adianta querer o carro mais top se não tem dinheiro pra comprar e manter. Não adianta sonhar em casar e ter filhos se nem namorado tem ainda. Vá aos poucos! Caso contrário sua vida girará em torno de um sonho que pode ser que não se realize jamais! A vida é construção e toda construção é aos poucos e constante. E primeiro atinge um patamar, para depois seguir para o próximo.

Por isso faço sempre meu melhor HOJE. Me preocupo em estar com as contas pagas, com saldo positivo no banco, com o carro com a revisão em dia, com a geladeira com comida, ter plano de saúde bom, entregar um bom trabalho, ter outro projeto em mente, mas não para alcançar um sonho e sim para alcançar o próximo passo. Hoje tenho coisas que JAMAIS sonhei ter e nunca achei que teria. E tudo consequência do “agora” bem feito.

Cuidado com o tamanho da sua ambição, ela pode te impedir de ter sucesso na vida. Sempre pense em pequenos passos e que estejam completamente dentro da sua realidade. Isso evita o fracasso, a decepção e a falta de controle na vida. E não confundam isso com mediocridade. Isso é ser realista, pé no chão e ser maduro. Mediocridade é se contentar com pouco e não é isso que queremos. Queremos o melhor e cada vez mais, só o caminho que tem que ser feito aos poucos e com paciência.

Não estou falando para não ter sonhos, tenham, mas sonhem coisas realizáveis e dentro da sua realidade!!! Da sua realidade HOJE, AGORA e que você será capaz de ir atrás, sem depender de ninguém.

E vale pra tudo. Sonhos materiais e não materiais também.