ComportamentoCompras
Cotidiano, Shopping Time
12 ago 2019, 32 comentários

Comprando Online e com Segurança!

Esses dias, aconteceu uma coisa bem chata comigo e que até agora não sei como resolver de tão enrolada que foi. Tipo, TUDO DE ERRADO QUE PODE ACONTECER EM UMA COMPRA ONLINE aconteceu comigo.

Vamos ao caso. Eu compro muito online, mas muito mesmo. Acho que a maioria das minhas compras, é online. Eu sei o básico: que tenho 7 dias corridos para desistir da compra e ter meu dinheiro de volta, que posso trocar, pedir estorno etc e tal. Mas olha só o que rolou. Tem um site, Estoque, que vende promoções de Le Lis Blanc, John John, Bô Bô, Rosa Chá, Dudalina… é um outlet oficial dessas marcas, do Grupo Restoque. Tem achados INCRÍVEIS lá, e lembro de ter comprado algumas vezes, sem maiores problemas. Lembrando que existem algumas lojas físicas da Estoque, aqui em BH mesmo tem uma e sempre vou dar uma fuçada por lá, mas certos produtos, só acho online mesmo.

Ok, a Le Lis virou de coleção e o site estava recheado de ofertas. Eu amo Le Lis mas acho cara e geralmente só compro em promoção. Lá vamos nós, comprei aproximadamente 900 reais em peças, bastante coisa, sendo que algumas peças custavam tipo 1300 reais, e com o desconto ficavam baratinhas. Maravilha né? Só que aí começou o pesadelo.

Primeiro, mandaram meu pedido em 3 partes. Quando recebi a primeira parte, com 3 peças, nenhuma me serviu, todas ficaram grandes. Péssimo, mas ao invés de trocar, pedi o estorno da compra pelo chat do site porque não amei muito as peças e tinha as mesmas coisas na loja (sim, vacilei, mas na foto do site estavam mais atraentes). Eles me mandaram um mail falando que em 5 dias entrariam em contato, mas NÃO entraram! Além disso, fui ver no Reclame Aqui e estava CHEIO de gente falando que eles demoram em devolver o dinheiro e às vezes nem devolvem! Pensei em reclamar no Instagram deles, mas inteligentemente (ou não) eles não tem insta! Resolvi trocar na loja física, mas a loja física alegou que não troca as peças compradas online. Preferi não arriscar devolver e ficar sem as peças e sem o dinheiro, e vou mandar apertar tudo.

Ok, essa foi a parte 1 da compra. A segunda parte, uma camisa, veio ok. E serviu, ufa.

A terceira parte, foi mais uma surpresa. Era para ser as duas peças faltantes, mas mandaram só uma porque a outra não tinha mais e me deram um crédito no site. MAS EU NÃO QUERO CRÉDITO, QUERO MEU DINHEIRO DE VOLTA. Lá fui eu ligar pra lá e mais de 50 minutos no telefone sem ser atendida por ninguém. Mandei mail, falando que não queria crédito e sim o estorno e depois de um tempo retornaram falando que fariam o estorno. Se farão mesmo, só Deus sabe.

Foi stress demais, mas foi nesse site viu gente? Eu compro muito na Westwing, na AMARO, no OQVestir, Shop2Gether, Farfetch e NUNCA tive problemas nem com estorno nem com devolução ou troca! Infelizmente, existem alguns sites tretados e para estar preparados como agir nesses casos, eu entrei em contato com duas advogadas, Marina e Joana, especialistas em Direito do Consumidor e elas fizeram um texto super interessante e informativo pra gente!

Dá uma lida para fazer sua compra online em paz!

“As compras online se tornaram um hábito dos consumidores. No Brasil, por exemplo, o comércio eletrônico está em constante ascensão. As pessoas possuem mais acesso à web e, em virtude disso, compram pelo computador, pelo smartphone, em casa, no serviço, na rua e até mesmo no ônibus. O que antes era difícil e demorado, agora é possível com poucos cliques.

Mas, mesmo diante de todas as vantagens, muitas pessoas nos perguntam se realmente vale a pena comprar pela internet. E nós, advogadas de direito do consumidor e adeptas às compras online, sempre respondemos que sim. E não seria diferente! Afinal, nada mais prático e confortável do que adquirir um produto de onde estiver, sem enfrentar o trânsito e perder tempo!

De todos os aspectos positivos, a comodidade é, sem dúvida, uma das características que mais atrai o consumidor a comprar pela internet. Pesquisar pelos produtos online, enquanto está em casa ou no serviço, não economiza apenas o seu dinheiro, mas o seu tempo e a sua energia. 

O consumidor também conta com maior privacidade, variedade de produtos e de pagamento, além de comércio em horário integral e melhores preços, na maioria das vezes praticados com cupons de descontos e promoções exclusivas. Quem navega por aí sabe muito bem que o mesmo produto pode ser encontrado por valores diferentes e adquirido em qualquer horário, por mais de uma forma de pagamento.

No entanto, ainda que sejam inúmeros os aspectos positivos, é normal o surgimento de alguns probleminhas. E para quem tem o costume de comprar online, sabe que nada mais importante do que estar preparado. Nesse caso, como proceder? A seguir, algumas dicas de como agir em situações rotineiras das compras online.

Se arrependeu da compra? Relaxa!

Uma compra não precisa ser um casamento! Se você adquiriu um produto ou serviço fora de um estabelecimento comercial (internet ou telefone, por exemplo) e desistiu de ficar com ele, saiba que, por lei, você tem direito ao arrependimento, para tanto, basta entrar em contato com o fornecedor.

A desistência deverá ocorrer no prazo de 7 (sete) dias, a contar da data da assinatura do serviço ou do recebimento do produto. O produto é devolvido e o valor pago ressarcido em sua totalidade, de modo que ninguém fique em prejuízo. Portanto, fique atento às regrinhas. Todo mundo tem o direito de se arrepender. Quem nunca, não é mesmo?

E segue a dica: o direito ao arrependimento vale para todo tipo de compra fora do estabelecimento (quando realizada online ou por telefone), incluindo passagens aéreas, ingressos de eventos, teatro, shows e demais produtos, desde que respeitado o prazo previsto em lei.

Comprou maçã e veio laranja? Não se preocupe!

Nem tudo está perdido quando o fornecedor entrega o produto incompleto ou diferente do que foi pedido. Apesar de ser uma situação chata e completamente desgastante, ninguém é obrigado a aceitar algo diferente daquilo que comprou. E nem deve. Afinal, é de responsabilidade do estabelecimento transmitir as informações corretas sobre as características de cada produto ou serviço, bem como de fornecer o produto exatamente igual as especificações informadas.

Havendo qualquer divergência entre o produto/serviço adquirido e o que foi de fato entregue, é do consumidor o direito de solucionar o problema da forma que melhor lhe atender, através das seguintes opções:

  1. Exigir o cumprimento da obrigação, ou seja, a entrega do produto correto;
  2. A substituição do produto por outro equivalente;
  3. A rescisão do contrato, com a devolução da quantia paga, devidamente corrigida. Nesse caso, o consumidor pode exigir ainda o pagamento de perdas e danos, caso tenha sofrido algum prejuízo.

Essas opções estão no Código de Defesa do Consumidor e também se aplicam às hipóteses em que o produto não é entregue pela loja.

Ah! E apesar de estarmos falando sobre compras online, é bom esclarecer que essa regrinha vale também para quando realizamos a compra diretamente no estabelecimento. Vale, por exemplo, para quando compramos diretamente na loja um móvel maravilhoso e ele é entregue de forma diferente da adquirida (seja pela existência de vício/defeito ou por tamanho, cor, forma e qualquer outra característica que seja diferente da encomendada). 

E se eu quiser cancelar a compra, posso?

Essa é uma das dúvidas que mais encontramos nos consumidores. Quando posso cancelar? Há alguma situação em que tenho o direito?

Fique tranquilo, de acordo com o nosso Código de Defesa do Consumidor, em determinadas situações você pode sim cancelar a compra após os 7 (sete) dias mencionados acima:

 

  1. Quando for constatado, ainda no prazo de garantia, que o produto adquirido apresentou defeito e/ou vício e, após 30 dias, o fornecedor não conseguiu solucioná-lo;
  2. Quando a quantidade do produto for diferente daquela especificada em sua embalagem;
  3. Quando o fornecedor não cumprir a oferta, como por exemplo, atrasar a entrega do produto ou entregá-lo de forma diversa daquela contratada;

Nas situações que o produto foi entregue dentro do prazo e exatamente da forma contratada, o cancelamento da compra vai depender do fornecedor.

De toda forma, em se tratando de relação de consumo, entendemos que o diálogo é a melhor maneira de encontrar solução para as mais diversas situações apresentadas, de forma a manter um bom relacionamento entre loja e cliente, garantindo a satisfação de todos os envolvidos na negociação. 

Sofreu prejuízos ou algum tipo de constrangimento com o atraso na entrega ou por falha na prestação/fornecimento dos serviços/produtos? Saiba que o ressarcimento do prejuízo é de responsabilidade do fornecedor também!

Como toda relação da nossa vida em sociedade, existem situações que podem ser desagradáveis e que temos que enfrentar. Contudo, existem situações que causam transtornos na nossa vida que vão muito além de um mero incomodo cotidiano.

Já pensou comprar pela internet, com a antecedência necessária, uma bicicleta para presentear o seu filho e ela não chegar a tempo do aniversário dele? Ou comprar toda a decoração para uma festa de princesa e, no dia do evento, entregarem materiais para uma festa adulta?

Situações mais sérias ainda, como um produto de beleza com defeito de fabricação, que causou irritação e lesões na pele ou um brinquedo que não obedece aos padrões de segurança e acaba machucando alguma criança.

Enfrentar situações como as acima exemplificadas vão muito além do que solucionar um problema de atraso na entrega ou vício no produto. São situações que causam, além de grande estresse, prejuízos materiais e por vezes danos corporais, que devem ser integralmente reparados pela empresa fornecedora.

Portanto, muito além de fornecer o produto adquirido em total conformidade, é dever das empresas zelar pela correta prestação dos serviços, garantindo um padrão de qualidade que não viole o consumidor de nenhuma maneira, principalmente em sua esfera física, psíquica e patrimonial, sob pena de arcar com todos os prejuízos que o consumidor suportar.

No mais, fiquem sempre atentos. Sabe aquele velho ditado, quando a esmola é demais o santo desconfia? Desconfie você também!

Por mais atraente que sejam algumas promoções online, com preços bem abaixo do valor de mercado, temos que ter consciência que infelizmente ainda existem no mundo pessoas que tentam obter vantagem através da boa-fé de terceiros.

Sendo assim, para evitar situações constrangedoras e com maior dificuldade de solução, é importante sempre termos cuidado e pesquisar bastante o site e fornecedor na hora de realizar uma compra fora do estabelecimento.

Utilizar um antivírus adequado, pesquisar a reputação do fornecedor em sites como o reclame aqui (www.reclameaqui.com.br) e em fóruns de discussões, verificar os comentários sobre a loja em redes sociais, garantir que o pagamento será feito através de empresas reconhecidas no mercado, verificar os e-mails e sites que direcionam para outros locais de rede e não clicar em todo tipo de promoção que aparece quando estamos navegando em outra página, são algumas medidas de segurança básicas que garantem o sucesso da compra.

O Código de Defesa do Consumidor é uma lei de fácil leitura e compreensão que estabelece todas as regras que o fornecedor deve cumprir ao colocar seu produto em circulação no mercado, sempre que se sentir lesado, vai lá e dá uma lida (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8078.htm), quem sabe você já não encontra a resposta para o seu questionamento?

De toda forma, não deixe de exigir seus direitos! O direito do consumidor é um direito da coletividade, exigir o cumprimento das obrigações e coibir práticas abusivas pela empresa fornecedora garante uma maior qualidade na prestação dos serviços para todos.

Qualquer dúvida e dificuldade na solução de um conflito, procure o Procon da sua cidade e um advogado da sua confiança!

Estamos disponíveis para dúvidas. Se precisarem, fiquem à vontade para entrar em conosco através dos e-mails marina@tozzoenery.com ou joana@tozzoenery.com e aproveitem para seguir a gente no nosso instagram @tozzoenery, que é cheio de dicas e informações sobre conflitos do dia-a-dia.

Um abraço, Marina e Joana.

 

  • Sempre é bom a gente saber nossos direitos e no que se diz ao mundo virtual, hoje em dia, é imprescendível! E eu, tanto como consumidora e como loja online, procuro sempre me informar para estar dentro da lei. Tomara que a Estoque veja este post e melhore o atendimento com seus consumidores! 
LifestyleComportamento
Bem Estar, Cotidiano
02 abr 2019, 144 comentários

Ansiedade

Como queria escrever sobre isto e conversar com vocês… Tenho visto tanta gente reclamando da mesma coisa até que percebi que eu era uma delas mas não “aceitava”.

Deixa contar um pouco sobre mim. Pra quem já me conhece há mais tempo, deve ter percebido que sou muito clara e objetiva em relação a tudo. Não sei explicar mas eu tenho uma visão muito límpida das coisas, costumo ser bem sensata e realista. Ok, não é 100% do tempo, mas na maioria das vezes consigo avaliar bem uma situação sem muitos ruídos. Acho que esse é um dos motivos que não faço terapia, porque sei exatamente tudo o que se passa comigo e de onde se origina. Apenas fiz terapia duas vezes na vida e durou coisa de 2 meses cada, que foi quando terminei um namoro de 15 anos e depois quando terminei outro relacionamento. E a terapia não foi para me fazer enxergar que não era o fim do mundo, ou que haveriam outros namorados com certeza, ou me reafirmar de alguma coisa. Acontece que eu fico TÃO chata quando termino namoro que acho que ninguém aguenta minha ladainha, por isso vou pra terapia para alguém ouvir as infinitas e intermináveis lamentações que ficamos viciadas em repetir quando levamos uma rasteira emocional.

Ok, mas não sou fodona assim. Eu tenho MUITOS defeitos, alguns bem chatos e tenho plena consciência deles. Tento trabalhar para melhorar, mas eu comigo mesma. Eu sei o que é, porque e quando acontece. E eis outro defeito meu, controle. Ou pelo menos, me preocupar apenas com o que posso controlar. E se eu sei que posso controlar, eu controlo. Se acho que não consigo, me afasto e deixo as coisas se resolverem por si só. E nesse cenário algumas coisas começaram a me atrapalhar, meu auto controle começou a sumir. Acredito que nossa mente comanda muita coisa na nossa vida e no nosso corpo, por exemplo, já tive MOMENTOS depressivos, mas aquela falta química que tem que ser remediada, nunca tive. E quando tive momentos de tristeza profunda, me permiti sofrer, mas sempre por um tempo curto e depois me forcei a sair disso. Até aí tudo bem.

Só que um dia comecei a não ter mais controle sobre mim. Comecei a ficar nervosa a toa, a ter palpitações no peito que não paravam nem com a “força do meu pensamento”. Comecei a sentir falta de ar, sentir a boca adormecendo, ficar tonta, mão gelada, achar que ia desmaiar e tudo isso sempre que estava “esperando” algo. E essa espera poderia ser uma fila de banco, um atendimento com senha, esperar alguém chegar, esperar minha vez de falar ou me apresentar em público. Coisas até então super rotineiras e comuns em minha vida.

Então tive que aceitar. Conheci a primeira “pessoa” que conseguiu tirar meu auto controle: a ansiedade.

Obviamente que as primeiras vezes que passei por isso, que tive esses sintomas, achei que era bobagem, que era por algum motivo pontual e que não aconteceria mais. Só que o negócio foi se repetindo, e cada vez, com uma novidade. Tipo, antes era só coração pulando pra fora do peito. Depois começou a ser o coração pulando e a boca adormecida. Depois o coração, a boca e a mão gelada. E por ai vai, adicionando sintomas até que teve um dia que eu achei que iria morrer. Estava em San Pedro de Atacama, acordamos bem cedo para fazer um passeio, tudo normal, como sempre. Quando entrei na van, comecei a ficar apavorada. Não conseguia respirar, minha vista embaçou, meu coração disparou. DO NADA! Fiquei realmente desesperada sem conseguir respirar, por mais que eu tentasse ritmar a respiração e enfiar na minha cabeça que não tinha nada de anormal ou diferente ali, eu não conseguia me livrar daquele pânico. Tive que descer da van, respirar fundo e me acalmar. Leo perguntou se eu queria cancelar o passeio mas eu não quis. Poxa, porque me deu aquilo??? Não sou disso! E só pensava numa coisa: será que isso é a tal síndrome do pânico? Porque o que eu senti, foi isso, pânico.

Me bateu um terror de acontecer a mesma coisa no avião ou nas viagens de ônibus que ainda tínhamos pela frente. Vocês não imaginam minha tensão cada vez que tinha que entrar em algum lugar fechado onde eu não poderia sair a hora que quisesse. Foi aí que a ficha caiu: isso é sério e tem que ser tratado.

Voltei de viagem, graças a Deus não tive mais episódios assim, achei que tinha sido esporádico, talvez não fosse tão grave, que sim teria que ir ao médico mas poderia esperar. Até o dia que fui buscar minha mãe no aeroporto em SP. Ela veio me visitar e eu fui até Guarulhos fazer uma surpresa pra ela. Enquanto esperava ela aparecer, juro que achei que iria ter um treco. TODOS os sintomas que mencionei acima, eu senti. TODOS, e até mais, vi bolas brancas flutuando. De novo, aquela aflição, aquele desespero, aquela sensação ruim e totalmente sem controle.

Não tem mais como negar né? Sofro de ansiedade. Qual delas, qual tipo, qual grau, não sei, porque até hoje não fui ao medico. Tenho muito medo de ter que usar remédios fortes e ficar lesada por isso estou tentando outras alternativas como por exemplo aromaterapia com óleos essenciais. Ganhei um colarzinho que é um difusor pessoal, super fofo, e pingo óleo nele todos os dias para ter um dia tranquilo e sem stress. Até hoje não tive mais crises, mas também não sei se é assim mesmo, se tem frequência, se de repente do nada vou passar por isso de novo. Também não provoquei situações estressantes, aliás, falei em publico esses dias, deu um nervoso mas passou. Consegui falar com coerência e passar o recado. Para mim, ansiedade era aquela preocupação pelo que não aconteceu ainda, aquela euforia pré viagem ou aquele frio na barriga de uma situação nova que está para acontecer, mas descobri o lado feio da ansiedade, o pânico, os sintomas físicos, a falta de auto controle. Enfim, tudo ainda é muito novo pra mim e confesso que a minha teimosia/controle ainda insiste em tentar me convencer que eu dou conta. Algumas leitoras já me alertaram que ansiedade não tratada vira síndrome do pânico e claro que não quero isso.

  • Quero saber de vocês. Experiências, tratamentos, cura… Quero saber onde estou me metendo, com o que estou lidando e como é essa tal de ansiedade. Conversa comigo??
ComportamentoModaRapidinhasCompras
Cotidiano, Fashion News, Shopping Time
08 mar 2019, 38 comentários

Zara Online no BRASIL!

Tudo bem que eu tinha outro post para subir hoje mas não poderia deixar passar batido A NOVIDADE MAIS INCRIVEL DOS ULTIMOS 500 ANOS!

Eu amo a Zara, praticamente 80% das minhas roupas são de lá. Amo as calças jeans (em mim vestem perfeitamente), as bolsas fashionistas, os tricozinhos, as peças de alfaiataria, as onças, os cintos, TUDO! Não consigo nem me lembrar como era minha vida quando não tinha Zara em BH! E sei que tem muitos estados que ainda não foram agraciados com a melhor fast fashion do MUNDO. Sim é a melhor do mundo e ponto final. Amancio Ortega é um gênio a ponto de criar uma marca que nem precisa de propaganda para ser a que mais vende no planeta.

Na gringa, existe o ecommerce da Zara já há algum bom tempo, mas eu JAMAIS achei que aqui isso aconteceria. Primeiro veio o site em português há alguns meses. Achei o máximo dar uma olhada na coleção que é vendida aqui sem ter que ir na loja. O que não sabia, era que esse site em português, que contem preços e tudo, se transformaria em loja online.

Pois é, essa é a noticia bombástica: a partir do dia 20 de março de 2019, TEREMOS ZARA ONLINE NO BRASIL!

O e-commerce da Zara terá a linha de roupas femininas, masculinas e de crianças e como a gente nunca está satisfeito, eu bem queria Zara Home online também (se bem que nem física tem aqui em BH). Quem for de São Paulo, do Rio, de Belo Horizonte e de Curitiba, receberá sua comprinha em até 24h ou ainda poderá retirar na loja. E as trocas ou devoluções, poderão ser tanto nas lojas físicas quanto na loja online.

Prevejo cartões de créditos suando com essa novidade. E o fim da busca incessante por alguma peça que acabou na loja ou que não tem numeração disponível.

Eu amei. Não quero nem saber como será a partir do dia 20. Vai ser punk. Já baixem o aplicativo (tem pra Android e pra iOs) e vamos de contagem regressiva!

  • Que tal essa novidade hein hein?