21
Dec 2016
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Acho que mais um Chora e já abro o mail para novos casos! Como podem perceber pelos nome, estou no Chile rsrsrs

Caso 01 – Santiago

Olá, Cony! Tudo bem? Minha história é um tanto quanto complicada. Minha mãe sempre foi uma pessoa muito difícil de lidar. Não tem papas na língua e acaba falando e fazendo o que vem à cabeça sem pensar nas consequências. Além disso, implica com os “agregados” da família (cunhados, em especial). Sempre tentei contornar a situação mas, de um tempo para cá, as coisas estão ficando insustentáveis. Praticamente em todos os encontros de família minha mãe fecha a cara quando vê os cunhados e faz questão de deixar bem evidente que a presença deles ali a desagrada. Fala coisas e chega a brigar com eles. Já perdi a conta de quantas vezes já chorei em reuniões familiares por conta das atitudes dela. As brigas são tão frequentes que eu já chego encontros esperando por elas e me sinto péssima. Minha avó sempre está presente nas reuniões e fica extremamente triste com o que acontece lá. Estou preferindo evitar essas situações para poupar minha avó desse tipo de coisa. ( Quando eu não vou, minha mãe acaba desistindo de ir). Não sei mais o que fazer. Já tentei de tudo para  abrir os olhos da minha mãe e fazê-la perceber como esse jeito dela é terrível mas ela é irredutível e sempre  se coloca no lugar de vítima. Fico triste de não poder comparecer aos encontros e de perceber que minha mãe é realmente a causa dos conflitos familiares. O que você faria em meu lugar?

Tentaria entender o porque dessa atitude da sua mãe. Algum tipo de rejeição? Complexo? Será que ela pode ser bipolar? Alguma coisa tem, e é isso que tem que ser tratado! Acho que vale uma conversa mais profunda e sincera, talvez até uma terapia mas não sei como ela veria isso. Ela entende que causa essas brigas? Ou sempre acha que está com a razão? É complicado, mas acho que eu tentaria entender o porque disso!

Caso 02 – Arica

Oi Cony! Adoro essa coluna <3 Vamos lá… No começo do ano conheci um rapaz aqui da  minha cidade mesmo, me interessei por ele logo de cara, coisa que não acontece sempre, começamos a ficar e nos apegar (pelo menos eu), aí um dia ele me manda uma msg por whats dizendo que não sabia o que tinha acontecido, que o problema era com ele, mas ele não queria mais ficar comigo. Fiquei muito mal. Até que depois de um mês acho, ele me procurou novamente e disse que gostava de mim, tinha sofrido por ter terminado, mas decidiu que era melhor assim porque tinha ido morar em outra cidade pra trabalhar e enfim. Isso ele não me falou, acredito que quando se gosta de uma pessoa, você fala sobre sua vida. Aí voltamos a conversar e tal. Mas depois de uns 4 meses ele voltou a morar aqui, e me procurou, ficamos novamente. Mas algo sempre me intrigou, nunca saímos em público sabe, e quando ele me convidava pra sair, chegava o dia, ele ou desmarcava ou sumia, e depois vinha dizer que teve um compromisso, balela né? Certo dia me irritei e terminei com ele. Mas depois disso, ficamos novamente. Essa enrolação já faz 7 meses. Acredito que se ele gostasse de mim mesmo, isso já teria evoluído pra um relacionamento sério né Cony? No começo gostava de ter alguém pra ficar as vezes, mas acabei me apegando e gostando dele, eu via um futuro mas hoje não sei se gostaria de ter um relacionamento com uma pessoa instável, que uma hora quer outra não. E nisso, sei que não sou a única, apesar dele e dizer que não ficou com ninguém, mas sei que ele vai a festas e já vi até um coração que ele comentou na foto de outra menina. Será que devo continuar no banho-maria e deixar rolar ou colocar um ponto final porque não vale a pena e me valorizar? Não sou muito de sair, aliás estou muito caseira ultimamente, minhas amigas ou são casadas ou namoram ou são mais velhas e tenho 20 anos. Será que o problema está comigo? E o que posso fazer para mudar? Será que estou sendo muito imatura?

Ele está fazendo com você o que você permite ele fazer! O cara te enrola, some, volta e você fica com ele de novo. Pra quê que ele vai mudar de comportamento, me diz? Suma da vida dele, o tempo é sábio, dá as melhores respostas. Ou ele aparece e firma compromisso, ou some de vez, mas não deixe ele te cozinhar mais. Você está perdendo tempo e gastando energia com algo que não te dá retorno algum.

Caso 03 – Pucon

Olá Cony, como está? Descobri seu blog faz um ano mais ou menos e gosto tanto que li todos os posts desde o primeiro numa tacada só. Sempre pensei em mandar um chora mas não tive a oportunidade, até agora. Bom, sou formada em administração de empresas e tenho pós graduação em finanças e em gestão de recursos humanos. Pode parecer que sou uma pessoa super bem sucedida mas não é bem assim. Infelizmente até o momento não tive uma boa oportunidade e trabalho como telefonista num banco. Ganho pouco e não vejo condições de melhora pois vou fazer 34 anos e a maioria dos bancos, área que mais gosto, só contrata pessoas até aproximadamente 25 anos. Já tentei em outros ramos mas a questão é que nem mesmo sou chamada pra entrevistas. Namoro um rapaz 5 anos mais novo que eu; ele é muito bom, trabalhador, responsável e me ama muito; eu tb gosto dele. Porém, a situação financeira dele é pior que a minha e, várias vezes eu tenho que pagar nossas saídas. E ele mora em Belo Horizonte e eu no interior, o que dificulta mais ainda nosso relacionamento. Sempre tive o sonho de me casar e ser feliz, talvez ter um filho mas o tempo está passando e não há nenhum direcionamento pra isso. Fico pensando se estou perdendo tempo com ele mas, não suporto mais ficar sozinha e perceber a cobrança das pessoas ao meu redor. Enquanto todos na minha faixa etária já formou família e já é bem sucedido na vida, eu não saí do lugar. Me vejo totalmente estagnada e sem futuro. Não sei o que fazer pra mudar minha vida. Tenho até mesmo vergonha de mim e da minha idade, já era pra eu estar lá na frente vivendo outras etapas da minha vida mas, estou aqui no mesmo lugar de sempre. Me dê uma opinião! Muito obrigada e um grande beijo.

Não se desespere, por mais que tudo pareça estar sem rumo. O universo conspira em nosso favor, mas tudo depende de como a gente vibra. Se sua energia tá ruim, só vai atrair coisas ruins. Pense positivo! Sobre o trabalho, não desista de tentar uma recolocação, ou até mesmo mudar de área. Já pensou em ter algo próprio? Empreender em algo? E sobre o relacionamento, calma. Não tome nenhuma atitude baseada na condição atual, tudo pode mudar! Você diz que ele é um cara legal, responsável e que te ama. Segura a onda, nunca se sabe o dia de amanhã! Ele pode dar super certo na vida e te ajudar quando você precisar. Relacionamento é isso, uma mão lava a outra! PORÉM, não fique com ele pensando que não pode ficar sozinha. Isso sim está errado. Acho que nem é o caso, mas não pense assim ok? E não é porque todo mundo está casado que quer dizer que estão bem. Calma, foco, pense positivo e se esforce para ser melhor a cada dia!
Caso 04 – Valparaíso

Olá Cony! Meu chora é um pouco de falta de coragem mesmo haha Tenho 26 anos, e perdi a minha mãe nova. Sempre fomos só eu e meu pai. Temos uma situação boa (não sou nem perto de rica), mas nunca me faltou nada e sempre estudei em boas escolas. Acontece que por ele nunca ter me deixado faltar nada, sou um pouco acomodada. Me formei aos 20 em uma faculdade que não gostava, porém, meu pai não me deixou parar. Fiquei 3 anos parada, sem vontade de procurar nada, e aos 23 resolvi fazer uma segunda faculdade que gosto muito. Arrumei um emprego, que não é em nenhuma das duas áreas, porém, que me ajuda bastante. A questão é que estou terminando o terceiro ano da faculdade, e queria muito fazer estágio. Porém, não consegui até agora, e tenho um pouco de receio de deixar um emprego certo para procurar estágio, mas também sei que aqui mal tenho tempo de procurar alguma coisa, e isso vem me consumindo. O salário nem é muito bom, mas quando a gente começa a trabalhar, é sempre difícil voltar a ser sustentada né? Queria a ajuda de vocês e opiniões, sobre o que devo fazer, porque meu pai só fica repetindo que vai me apoiar haha. Queria alguém que me impulsionasse e dissesse a verdade sabe? Então é isso. Agradeço desde já todas as opiniões que virão. Beijos

Pense que um dia seu pai não estará mais ao seu lado para te apoiar e impulsionar. Tente ser o mais independente possível e se está fazendo uma faculdade que gosta, acredito que deveria ir atrás do estágio sim, ainda mais aproveitando o apoio do seu pai. Esse é o momento de aproveitar esse respaldo para conseguir entrar na carreira que escolheu e depois poder tomar um caminho mais certo e concreto! Eu iria atrás do estágio!

  • Choras ainda fechados… MAS POR POUCO TEMPO UHUUUU! Já vai escrevendo seu drama e deixa no rascunho do mail!
14
Dec 2016
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

O que temos para hoje?

Caso 01 – Simara

Olá Cony, primeiro queria dizer que AMO seu blog e que amo mais ainda o Chora, LEIO TODOOOS! rs O meu mais uma dúvida, uma incerteza. Seguinte, namoro há 14 anos, amo meu namorado e ele é A pessoa pra mim, temos um relacionamento muito bom, somos companheiros da vida mesmo. Porém, mesmo mega feliz com ele, de vez em quando eu me sinto tãão atraída por algumas pessoas, e sinto uma vontadinha de poder curtir isso sabe, jamais trairia ele, mas sinto/já senti atração bem forte por outros homens, atração física apenas, que fico me sentindo culpada sabe. Quero estar com ele pra vida toda, mas as vezes tenho vontade (não coragem, só vontade) de dar uns peguinhas em outras pessoas também. Você que também namora já passou por algo parecido ? quando isso acontece fico me sentindo a pior pessoa do mundo. Queria ouvir a experiência das outras leitoras que também tem relacionamento longo.

Normal! TODO mundo dá uma reparada em outras pessoas, sente atração. Só que aí o que fala mais alto é o respeito por quem você está. Você pode achar outras pessoas bonitas e atraentes, mas que não passe disso. Se deixar passar, aí já é falha de caráter e sinal que as coisas que não estão tão boas assim.

Caso 02 – Simaria

Olá, Cony! Tenho 30 anos e conheci um rapaz no Tinder recentemente. Conversamos durante uns 5 dias, todos os dias, sobre várias coisas (gostos pessoais, trabalho, expectativas, etc.). Desde o princípio ele mostrou que procurava um relacionamento sério. Saímos duas vezes (num sábado e num domingo) e ele foi muito respeitoso e carinhoso.

Na terça-feira, disse que queria conversar comigo pessoalmente. Nos encontramos  e ele me contou que estava passando por problemas no trabalho. Ele trabalha numa escola e estava exercendo uma função que não era a dele. Além disso, estava tendo problemas de relacionamento com a direção e equipe pedagógica. Ele foi ao médico e foi diagnosticado com depressão.  Resultado: ele foi afastado do trabalho por 45 dias. Ele também me contou que se sentia um pouco mal pois já passou dos 30 e ainda morava na casa do pai, que, segundo ele, é um pouco metódico. Aceitei tudo numa boa. Disse pra ele que era só uma fase ruim que logo iria passar e que ele tinha o meu apoio. 

Na quinta saímos para jantar. Ele parecia bem; conversamos bastante e ele até me convidou pra passar o fim de semana numa chácara no fim de semana seguinte com uns amigos dele e viajar no Reveillon com ele. Mas, no sábado, ele me contou que não estava bem por causa de problemas pessoais (mas não disse quais eram). Novamente, disse a ele que estava disposta a ouvi-lo se ele quisesse e a ajudar (dentro das minhas possibilidades). 

Desde então estamos nisso (já faz quase 2 semanas): só eu puxo assunto; ele me diz que está numa fase ruim, que está tentando melhorar; que infelizmente eu não posso ajudar; mas ele agradece o meu carinho e preocupação. Não nos vimos mais (e também nunca transamos).

Será mesmo um caso de depressão? Não sei o que fazer… Sei que depressão é um caso complicado. Não sei se estou sendo muito invasiva e indelicada tentando insistir. Se espero por não sei quanto tempo até que ele melhore. Ou se seria egoísmo da minha parte desistir dele e seguir adiante. Eu já estava começando a gostar dele… 🙁 

Enfim… é isso!

Obrigada pela disposição em nos “ouvir”!

Muito problema para pouco tempo de ¨relacionamento¨. Acho que você não precisa dessa carga agora. Fosse seu namorado, marido, ok, mas nem ficante direito é. Vá cuidar de você, procurar alguém mais disposto mas faça isso diplomaticamente. Fale que se ele precisar de algo, pode contar com você mas não fique por conta!

f6aa1b00130d49a64a62d6150951cba6

Caso 03 – Naiara

Oi Cony, meu chora é o seguinte: tenho 26 anos e nunca namorei. Tenho problemas de autoestima, tanto por conta da aparência como pela personalidade. Sou uma pessoa tímida e prefiro ficar na minha. Confesso que já me acostumei a ficar sem ninguém, saio sozinha e curto minha companhia. O problema maior é: o julgamento das outras pessoas. Minha familia e amigos me veem como um ET, sempre comentam o quanto acham estranho eu não namorar. Essa situação me constrange muito e já até inventei que tava de rolo com alguém para que parassem de me encher o saco. Parece que não é aceitável que uma mulher fique sozinha. Não sei o que fazer, o que vc acha? Bjs.

Se é algo que NÃO te atrapalha (o fato de não namorar), continue assim. Você não precisa fazer o que os outros querem, mas sim o que VOCÊ quer. Só me preocupa o problema que você tem autoestima e personalidade… trate isso, faça terapia! Não visando um namoro, mas sim melhor qualidade de vida tá?

704a9baff983cc80890c06261334a610

Caso 04 – Simone

Sou casada com o amor da minha vida, ele me chama de alma gêmea. Tenho uma filha e meu marido se tornou um paizão para ela. Realizamos o sonho da casa própria,  temos bons empregos, enfim tudo para sermos a família comercial de margarina.

Só tenho um problema, minha auto estima é nula. Quem me conhece diz que sou doida. Não sou magra,  mas tenho um corpo bom. De rosto, dizem que sou bonita. Me defino como o tipo que “dá pra andar de mãos dadas”. Sei que quando estou minimamente arrumada, chamo atenção (não,  não sou vulgar! Leio o fufu e sou phyna! rs).

Porém, conheci meu marido em um chat de sexo. Ele teve poucos relacionamentos e muuuuitas “amigas”. Ele é extremamente seletivo, bem fechado, pessoalmente não é muito fácil de se aproximar. Virtualmente é um problema,  ele se afastou do chat e das “amigas”, tento acreditar nisso, mas é viciado em pornografia. Eu tentei ser a descolada e assistir junto, mas descobri que enquanto eu saia pra trabalhar, lá estava ele de novo. Quebrei o tablet e o celular dele (não me orgulho), tivemos tantas brigas horrendas, de perder totalmente o controle e eu bater nele, que tivemos um período horripilante que ele não conseguia se excitar comigo e a pornografia tomou conta, isso durou uns 2 meses. Quando eu descobri,  perguntei o motivo, ele disse que o problema era meu corpo, que está mal acostumado com as atrizes pornô. Tempos depois ele disse que só queria que eu parasse de fazer perguntas, que  só estava chateado com a minha agressividade e que essa resposta seria um ponto final na conversa.

Adivinha o que aconteceu com a minha já inexistente auto estima?

Quando nos conhecemos, parecíamos dois coelhos, não fazíamos outra coisa. E nesse período ele não queria de jeito nenhum. Tentei de tudo, ele pedia pra eu não pressionar,  para não me humilhar. 

Vale ressaltar que eu não ando com micro saia e com mega decote porque eu não me sinto bem, por ele eu andaria de biquíni o tempo todo, “tenho” que dormir nua e ele adora me ver tomando banho.

Pra resumir estou pirando. Passo mal quando escuto o nome de qualquer mulher do passado dele, capa de playboy e etc. Me afastei de todo mundo com medo dos olhares dele.

Não sei se devo acreditar na versão da agressividade ou na do corpo. Pois não falamos as verdades quando estamos com raiva? E se ele faz tanta questão de ver o meu corpo de um jeito ou de outro, como pode perder totalmente o desejo?

Como superar tudo isso? 
Tanta briga que eu não aguento mais e imagino que isso diminua o “amor” dele a cada uma…

Preciso ouvir algo para tentar clarear as minhas idéias. Me ajude, conto com as leitoras tb.

Menina, tá muito contraditório esse caso seu. No primeiro parágrafo você fala que é casada com o amor da sua vida, de alma gêmea, de vida de comercial de margarina, mas o que segue, na minha opinião, é um show de horrores. Percebe-se que sua autoestima é sim baixa, mas achei isso o de menos (em suas devidas proporções, claro). TEM CERTEZA QUE ESSE É O HOMEM DA SUA VIDA? Pense bem, será que você não está imaginando uma vida maravilhosa que não existe? O cara gostar de pornô, ok, normal, aceitável, mas ser viciado, de comparar seu corpo com corpo de atriz pornô, de você TER QUE dormir pelada (porque pelo que entendi você faz isso por ele e não porque gosta) tá muito abusivo!!!! Primeira coisa: tratar autoestima JÁ! Por você, pela sua vida, pelo seu bem! Segunda coisa: terapia pro marido se achar que vale a pena. Pense no quanto ele é bom pra você e no quanto o vício dele pesa em sua vida. Coloque na balança, observe, analise, olhe de fora, veja o quanto te machuca. Veja se se sente segura, amada, se no final de tudo ele vai estar com você, se quando você não tiver mais um corpo legal, ele irá continuar com você. Pense MUITO, analise a fundo! A gente não veio para perder tempo nem para satisfazer o ego dos outros. A gente veio para ser feliz e ser amada, ser digna, ter reciprocidade em sentimentos e ser tratada com respeito. Defeitos todos tem, mas quando eles começam a querer mudar a sua essência, modificam sua forma de viver de maneira negativa ou de maneira que você não concorda, pare. 

17d0f6766430c14a86c47cc53bd121b2

  • Uh, tenso esse último caso hein? Choras ainda suspensos…
07
Dec 2016
Chora Que Eu Te Escuto
Chora Que Eu Te Escuto

Quarta feira dia de chora! O que teremos para hoje?

Caso 01 – Evian

Cony, tudo bem? Sempre acompanhei seu blog e se me falasse que eu mandaria algo pro Chora 1 mês atrás eu não acreditaria, mas meu mundo desabou. Tudo indo bem até que durante uma ligação de telefone meu namorado, de mais de 04 anos, terminou comigo, isso, por telefone. Os argumentos foram de que “não tá dando mais”, que “não tava bom tinha tempo” e tudo quanto é motivo geral, nada específico. Desde esse dia até hoje minha vida desandou, eu tava na 4 etapa de um processo seletivo pra um novo emprego, acabei indo mal na entrevista e perdi a vaga, tínhamos duas viagens programadas, do tipo, TUDO pago, uma perdemos a outra, que é em dezembro eu decidi ir sozinha e sem esperar nada dele, se ele quiser cancelar, problema é dele, eu vou. Eu to tentando me recompor, acho que a forma como tudo aconteceu que acabou comigo, o egoísmo a falta de coragem de ele não falar na cara, a falta de preocupação, parece q eu fui enganada por 04 anos e essa sensação tá acabando comigo. Ele foi meu primeiro namoro sério, pq eu nunca me permiti isso, sempre fui muito fechada, muito desconfiada (mal de mineira eu acho) e logo qnd eu permiti acontece dessa forma. Eu to tão perdida, que que eu faço, eu faço a viagem? Como eu faço pra me recompor? Eu devo ir confrontar ele (ele não me procurou nenhuma vez e fica mandando msg para as amigas “cuidarem de mim”) ? To perdidinha :/

Olha só, complicado… Mas se estava tudo bem e ele terminou do nada, provavelmente conheceu outra pessoa e se apaixonou. Dói? Dói… mas não há nada que você possa fazer. Acredito que um dia ele te procurará, arrependido e querendo, talvez, voltar, mas aí você tem que pesar se vale a pena voltar com uma pessoa que terminou do nada com você. Será que você confiaria novamente? Pense com carinho nisso, não se vitimize, não tenha pena de você pois você não fez nada errado. Ele que terá que arcar com as conseqüências de ter agido assim e saiba que tudo, mas TUDO o que a gente faz, seja de bom ou de ruim, volta. Se quiser viajar, estiver forte, vá, mas não vá sozinha, não neste momento que você ainda processando toda essa mudança e perdida. Respire fundo, avalie com frieza os fatos, tente ver de fora para ver melhor e se estiver muito difícil de superar, procure uma terapia. Boa sorte!

13508852_1731705610203128_4111082988391780325_n

Caso 02 – Minalba

Oi Cony, senta que lá vem a história rs

Tive o meu primeiro namorado quando estava com 20 anos. Ele era gente boa, tínhamos a mesma idade e estávamos começando nossa vida “adulta” juntos. Como nada é perfeito, ele tinha/tem uma doença degenerativa o que nos privava de fazer certas coisas juntos, porém ele nunca me impediu de fazer nada sozinha, muito pelo contrário.

Com o passar do tempo o nosso relacionamento foi ficando mais sério e nós chegamos a morar juntos e foi ai que começou a rolar uma certa “pressão”. Eu não estudava, apenas trabalhava em loja de Shopping e ele dizia que isso não dava futuro que eu tinha que voltar aos estudos e blábláblá (e confesso que ele tinha razão quanto a isso rs). Eu estava passando por uma barra pesada na família, fui criada pelos meus avós e a minha avó começou a desenvolver o temido Alzheimer e isso foi muito difícil de aceitar e principalmente de viver. Eu sentia necessidade de estar mais presente na vida dos meus avós por amor, por necessidade, por retribuição, eles precisavam de mim mais do que nunca e ao mesmo tempo o meu então namorado fazia planos de casar e ter filhos e queria para ontem, para já! Tive que fazer uma escolha e logicamente foi pela família!

Com o término do namoro eu acabei encontrando um conhecido e começamos um relacionamento. Voltei para a faculdade, sai do shopping e a vida foi tomando jeito.

 Vejo muitas meninas falando aqui que falta “EMOÇÃO” no caso/namoro/casamento e eu confesso que comigo não está sendo diferente. O que teoricamente faltava no meu outro relacionamento com a justificativa das limitações do ex não teria nesse, tendo em vista que o cara goza de boa saúde e energia. E para a minha tristeza o camarada não gosta de fazer absolutamente nada para curtir a vida. É praticamente um “DESPERDÍCIO DE SER HUMANO” e ainda é extremamente crítico, tudo coloca defeito, mas esquece de olhar para o próprio umbigo. Ele não concluiu os estudos, não gosta de sair, não gosta de viajar, não bebe e por ai vai… Por ele ficaríamos trancados a vida toda em um quarto, só sairíamos para ir a academia afinal isso é a única coisa que ele faz da vida.

Agora que eu expliquei parte da situação vem a questão, o pedido de luz rs

Já estou na casa dos 30, ele já está indo para a casa dos 40 e eu tenho certeza de que ele sofre da SÌNDROME DO PETER PAN. O cara tem medo de assumir responsabilidades, na verdade eu nem sei se ele seria capaz de fazer isso sem a mamãezinha. A minha vida está passando, a “gineco” adora lembrar que o tempo é o meu pior inimigo e eu tenho muita vontade de explorar tudo o que a vida tem para dar e em boa cia seria melhor ainda!

Não estou satisfeita com essa relação, mas quando decido terminar me sinto muito estranha e sozinha (todas as amigas estão com os seus sapatos velhos ), não tenho mais os meus avós…

Começar do zero? Sabemos que não está fácil pra ninguém. O Tinder, Happn e similares vieram para ajudar e para prejudicar a vida dos new solteiros pois a maioria não está atrás de relacionamento e tal, usam só como cardápio.

Me da uma luz, umas ideias, um sacode… 

Até a minha terapeuta diz que temos que pesar os prós e os contras, pois sempre vão ter contras para nos super incomodar dentro de uma relação.  ;/

Mas em contra partida tem uma frase bem clichê que diz que  “Só se ama o que se admira. O resto é confusão mental.” e eu acho isso uma super verdade!

Concordo com sua terapeuta, contras sempre existirão, mas só devemos aceitar aqueles CONTRAS que não nos incomodam. Picuinhas, manias, coisas assim, mas quando o assunto é caráter, planos e estilo de vida completamente diferente, aí já é outro papo. Você disse que o cara é um desperdício de ser humano, crítico, não gosta de fazer nada, não assume responsabilidades e tem quase 40 anos. Leia isso tudo novamente. E de novo. E de novo. É essa pessoa que você quer? Quanto mais tempo insistir, mais tempo perdido. Ninguém muda da noite pro dia, ninguém muda por amor. Para as coisas melhorarem COM ELE, primeiro ELE tem que perceber o que está errado e AGIR para melhorar isso. Você tem esse tempo????? Pense nisso. E para concluir, está mais do que claro que você não o admira. 

 

cfb2997a8eeeb5e1dd7e5203a3d7e002

 

Caso 03 – Crystal

Ola Cony.Amo seu blog e adoroooo você, e me inspiro nele todos os dias. Mais vamos ao que interessa.  Tenho 02 questões, a primeira é em relação ao meu relacionamento, namoro há 07 anos, e até o 5º ano tudo era muito bom. Lógico tínhamos pequenos problemas, mais resolvíamos e ficava tudo bem. Porém no inicio do ano passado, eu fui contrata para trabalhar em uma empresa maior, em que ganhava bem mais que meu namorado, bemmm mais! E com isso começou as questões. Ele achava que eu tinha que ajudar ele, mais eu cortei essa questão fui firme, e falei que não dava, pois o que eu ganhava era pra mim e pronto. E com isso as nossas viagens diminuíram, restaurantes, pois eu teria que pagar tudo. Enfim. 

Esse ano ele ficou desempregado! E ele ainda não passou na prova da ordem, com isso FUFU tudo! Agora que ele acha que eu tenho que ajudar, e isso esta me incomodando demais. O que eu faço, ajudo? Dou mais limite que eu já dou? Ajuda-me Cony. 

E outra questão no meu trabalho, assim que eu entrei, já sabia com quem ia trabalhar, pois já conhecia os donos, pois eles frequentavam o meu antigo trabalho, com isso ele observaram o meu jeito de trabalhar e me fizeram a oferta, com isso 02 meses antes eles fizeram uma oferta para uma menina que trabalhava na mesma empresa que eu sendo que em setor diferente. Até ai beleza, nessa empresa fazíamos as mesmas coisas, porém há 04 meses pra cá essa menina passou para o cargo de “Supervisora”, e com isso minha vida virou um inferno, sabe aquela pessoa que vê erro em tudo que você faz, até na vírgula errada? Ela é assim, vê erro onde não tem só para ter o prazer de falar que você errou. 

Além do mais ela leva a fama de ser demais, porém todo o trabalho realizado eu que fiz, exemplo, quando tiramos uma licença, ela que ganha à porcentagem, porém que conseguiu tirara a licença fui eu! 

Não sei o que eu faço também, se falo com o meu chefe, dessa situação ou se sofro calada, esperando um milagre divino. O trabalho que era bem gostoso fica a cada dia uma cova de onças, onde eu sou a carne e ela a onça querendo me devorar, querendo a cada dia me fazer desistir de tudo. 

Cony, tentei ser bem breve, e te peço ajuda máxima. 

Muitos beijos e fica com Deus! 

Moça moça… vejo duas situações diferentes: uma é bancar o namorado, o que eu também não concordo… salvo devidas exceções. A outra situação é ajudar o namorado que ficou desempregado e isso é beeeeeeeem diferente do que bancar macho. Você está negando ajuda para a pessoa que está com você há 7 anos!!! Isso é ser desleal e pense comigo… se ele não pode contar com você neste momento, como será no futuro, caso casem e ele precisar novamente de você? Essa é a segurança que você quer passar para seu namorado? Deixe de ser egoísta e pense como casal. Você não está com ele há poucos meses, não faz sentido ter namorado e não ser parceiros. Se fosse o contrário, como seria?

Quanto a questão do trabalho… você está se vitimizando demais. Sério que você é a carne e ela a onça? E você deixa comer??? Vamos ser um pouquinho mais madura e se posicionar em relação a isso. Se ela está sendo abusiva, converse com ela. Se ainda assim você achar que continua e depois de ponderar MUITO perceber que está certa, fale com os chefes. Mas antes de qualquer coisa, analise bem suas atitudes para ver se está com a razão!

 

63b652e2ae0940f61dc513f02e345c2d

  • Forte hoje hein??? Choras ainda suspensos!
Página 5 de 26« Primeira34567Última »