19
Nov 2014
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Dia de choradeira no Futilish!

Vamos com a Marina primeiro:

“Olá, Constanza e leitoras do Fufu! Meu problema não é amoroso, longe disso. Tenho 25 anos, casada e muito feliz no meu casamento. Mas tenho um histórico ruim com amizades, já me decepcionei muito nessa vida, mesmo sendo tão nova!

Há alguns anos, tinha uma “amiga” que mudou a minha vida e essa mudança reflete em mim até hoje, pois não consigo confiar em ninguém 100%. Quando a conheci eu já namorava meu marido… mas eu sempre percebi que ela não torcia por nós dois… ela ficava o tempo todo perguntando sobre ele, querendo saber das nossas intimidades, então eu já fui percebendo algo estranho!

Com o passar do tempo, outras coisas foram me incomodando, como o fato de TUDO o que eu comprava/usava, ela também comprava! Isso pode parecer bobo, até egoísta, mas quando acontece com frequência começa a incomodar… e foi incomodando! Chegou ao ponto de termos um desentendimento porque ela deu em cima do meu marido, então rompemos relações, nunca mais conversamos… Foi um rompimento abrupto, sem ao menos um pedido de desculpas da parte dela!

Acontece que não parou por aí. Passaram-se ANOS e ela continua me atormentando. Nós temos o mesmo círculo de amizade, então quando saímos e ela está presente ela fica me provocando, falando coisas, rindo alto para mostrar que está ótima, querendo me mostrar que é mais amiga dos meus amigos do que eu! Mas o que mais me incomoda: ela continua comprando e usando coisas que eu uso. Se eu estiver com uma roupa tal, na semana seguinte ela estará assim. Se eu comprar tal sapato, na semana seguinte ela vai comprar o mesmo! Eu não devia me irritar com isso, eu deveria simplesmente esquecer da existência dela, mas ela não deixa! E não vou me afastar dos meus amigos por causa dela! Tenho medo da inveja dela! De verdade! E não consigo superar esse passado. Olho pra ela e só tenho rancor…

Me ajudem, o que devo fazer pra esquecer o mal que essa pessoa já me fez e ainda me faz?”

Acho que você está dando muita importância pra essa pessoa. Sua vida depende em algo dela? Não, certo? Então porque deixar essa demônia te atormentar?? Energia ruim, gente pesada, inveja, credo, sai dessa Marina! Esquece que essa pessoa existe e se encontrar com ela por aí ignore profundamente! A gente só é atingida pelo que permitimos! Eu já tive “amigas” vampiras, que sugavam minha energia, criticavam tudo, zoavam, reclamavam de tudo e todos e eu simplesmente deleto da vida. Isso nem é amizade, é encosto. Deleta também, mas pra sempre. Temos que nos cercar de gente do bem, que acrescente, que queira nos ver felizes. É qualidade e não quantidade 😉

80dec175455c47344c1831af01e26e53

Agora é a vez da Fernanda:

“Olá Cony, tudo bem? Não via a hora de você deixar enviar novos casos, vamos lá; 

Sou casada a 8 anos e tenho 2 filhos. Quando conheci meu marido, ele morava com outros amigos porque todos eram do interior e vieram morar em SP, e eu morava apenas com meu irmão, que em breve iria viajar e eu iria morar sozinha. Assim meu marido resolveu vir morar comigo, e casamos porque a família dele exigiu (minha primeira burrada), eu nem tinha certeza do que queria mas aceitei (sou pisciana), quando casei eu trabalhava, tinha meu carro e estudava (parei a faculdade por conta propria), logo em seguida do casamento fui mandada embora e ele não quis mais que eu trabalhasse fora. Ele tinha uma divida, vendeu o carro dele e ficamos somente com o meu, virei dona de casa… Fui aguentando, depois de 4 anos veio minha filha e Deus quis me dar mais um filho, agora tenho 2 filhos, não tenho trabalho, não tenho nenhum bem, moro de aluguel, meu marido não me ajuda em nada, nem com as crianças, quando está em casa fica no quarto assistindo filme com a porta trancada, como ele trabalha fora eu que me vire com TUDO! Eu não sei se amo ele ou estou com ele porque não terei condições de sustentar meus filhos sozinhas e pagar escola para eles, não tenho parentes próximos, então tenho que me virar sozinha. Ele trabalha um dia sim e outro não, e na folga de fim de semana ele sai e vira a noite fora de casa. Já tentei conversar e ele diz que eu não demostro que gosto dele, mas peraí! Ele não me ajuda em nada estou sempre exausta de ter que me virar sozinha, juro não sei o que fazer, não tenho para onde ir, tenho muita força de vontade, sei que vou vencer, porque depois que somos mãe nos tornamos guerreiras. Me ajude!”

Fernanda, que vida é essa??? Já começou tudo errado com um casamento por exigência de família e que você aceitou! Segunda burrada: seu marido te proibiu de trabalhar e você novamente aceitou! Terceira coisa que não me conformo: final de semana ele sai e vira a noite fora de casa, você com dois filhos e continua aceitando?????? Esse homem te anulou e você permitiu! Primeiro passo: arrume um emprego JÁ! Põe os filhos numa creche, ou pede pra sogra cuidar, não foi a família dele que exigiu que você casasse? Conquiste seu dinheiro e tenha uma reserva caso a coisa fique mais séria (se é que tem como ficar pior…). Isso se ainda você quiser manter o casamento, caso contrário, separa e pede pensão pra ele. Eu hein! Recupera sua vida moça! Você está muito passiva!

 1856e2dedbb9760a064276b542d4f8f7

Para terminar, vamos ao desabafo da Cristina:

“Namorei seis anos, casamos em 2004 muito novos. Eu com 25 e ele com 23. Sempre foi muito bom e sempre o amei muito, em dezembro de 2007 nosso filho nasceu e com isso veio uma depressão pós parto terrível e demorada a ser diagnosticada. Eu só cuidava do meu filho, perdi o interesse por tudo em volta…trabalho, casa, marido, eu mesma.

Quando fui diagnosticada e comecei os medicamentos e terapia, tudo foi voltando ao normal, só que eu percebi que meu marido estava muito diferente, as vezes parecia muito culpado e outras vezes com raiva de mim e do mundo. Ele achou que a depressão era pura e simplesmente falta de vontade minha.

E isso foi se arrastando, em 2010 recebo um telefonema de uma mulher de outra cidade que teve um caso com ele. Confrontei e ele negou, preferi acreditar nele. Porém com o passar do tempo isso foi me incomodando e eu quase como uma hacker comecei e controlar e-mail’s, ligações, mensagens e por meio disso descobri o que a tal mulher me falara era verdade. Meu mundo caiu…e caiu ainda mais quando eu descobri que ela não tinha sido a única como ele afirmou uma vez, que foi fraco e nos momentos que não dava atenção a ele, acabou cedendo as investidas dela. Chegou a me fazer acreditar que a culpa de tudo isso era minha.

E a cada dia descobria uma coisa nova…ele sempre me traiu. Só depois de dois anos e meio tive forças para me separar, foi a coisa mais difícil que fiz na minha vida. Ficamos separados dois anos, e ele sempre querendo voltar, dizendo que tinha mudado, que estava fazendo terapia…etc

Em julho deste ano cedi porque nunca deixei de amá-lo, saí com alguns caras, mas não conseguia me interessar profundamente por ninguém, tiveram dois que queriam namoro sério mas eu sentia calafrios só de falar em compromisso.

Então…estamos juntos, mas em casas separadas e ele me diz sempre que sofreu muito com a separação e também com a culpa que sentia por ter feito tudo aquilo comigo, mas tem aquela pulga que não sai de trás da minha orelha, fico com medo de passar por tudo aquilo de novo e fico sempre me contendo para não ficar fuçando em celular, facebook e tal e quando vou conversar com ele sobre isso que sinto, ele não quer falar, diz que passado é passado e já que eu concordei em voltar que não devemos mais tocar nesse assunto.

E então…o que você a suas leitoras me dizem disso? Obrigada.”

Ai ai… complicado isso de traição… Mas é basicamente o seguinte: ou você perdoa PRA VALER e nunca mais toca no assunto mesmo e dá um jeito de esquecer toda a situação e recomeçar, ou parte pra outra, doa o que doer, custe o que custar. Tem gente que consegue continuar um relacionamento após acontecer uma caca dessas (sim, é uma grande m%#@*) e ser feliz novamente. Tem gente que continua porém vive um inferno constante desconfiando de tudo e de todos. Tem gente que continua, mas o amor morre e é uma questão de tempo até separar definitivamente. Vaso quebrado, sempre estará quebrado. Você pode colar as partes de volta, mas a “rachadura” sempre estará lá. Você pode mudar o vaso de posição, deixar a parte quebrada virada para a parede para não ver o defeito, mas você sabe que está lá e que aquele vaso perdeu o encanto… Infelizmente é assim que eu penso. Para MIM é imperdoável, ainda mais se o sujeito quis te culpar por isso. Por outro lado, tenho amigas que perdoaram e continuam felizes da vida (na verdade é uma amiga só rs), mas ela é meio zen, espírita e se prende mais a coisas da alma… Eu não sou tão evoluída assim rs. Acho um grande falta de respeito! Uma pisada de bola fora, acho que a gente pode até pensar, avaliar, espiritualizar a coisa, afinal pode acontecer dos dois lados. Ainda assim acredito que quem trai, faz consciente. Ninguém vai pra rua e OPS peguei uma fulana sem querer, foi acidente (como foi o caso do Adnet esses dias rs) Acidente é cair de uma bicicleta, beijar e dormir com outra pessoa não é acidental. E pior, ato contínuo??? Acho que fala muito do caráter da pessoa e isso não muda. Tá na sua mão, continuar e fazer da relação um inferno ou zerar tudo e começar de novo na paz e boa vontade. Mas ao mínimo sinal de nova traição (o que infelizmente eu acho que vai acontecer devido ao histórico da pessoa), sai fora na hora!

6bee10f25d9e07915aaf7db7e6f38ff0

  • Um caso de amizade, uma mulher anulada e uma traição. Hoje tá bom hein? E NADA DE MANDAR CASOS AINDA, vamos com calma. 
13
Nov 2014
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Acho que esta tag está me assustando um pouco… Nunca pensei ler casos tão tristes e saber de tanta maldade (no caso masculina) que acontece por aí… Será que o contrário também ocorre? Tipo mulherada aprontando horrores e os homens ficando super mal? Ai, não sei… A parte boa é que na maioria dos casos as meninas encontram caras bacanas e que valem a pena. Ou seja, nada está perdido kkkkkk Mas juro que fico apreensiva!

Vamos aos casos de hoje, primeiro a Letícia:

“Olá Constanza,

Acompanho seu blog há exatos dois anos. Lembro que descobri quando estava fazendo pesquisas sobre o Santiago. Pois bem. Sou casada há quase três anos. Antes de nos casarmos, éramos amigos, trabalhamos juntos por cinco anos. Ele é uma pessoa ótima, todos na minha família gostam dele, nossos amigos nos acham um casal perfeito. Mas… e sempre tem um mas não é?

Pouco antes de casarmos, ele perdeu mudou de emprego (a empresa fechou) e o salário diminuiu bastante. Mantivemos a data do casamento, mesmo com as dificuldades financeiras, por insistência dele. Sou advogada, ganho praticamente o triplo do que ele ganha mas, para mim, nunca foi problema. Contudo, hoje percebo que para ele isso foi muito ruim.

Logo que casamos percebi algo diferente. Mal tivemos lua-de-mel, apenas um final de semana num resort. Achei estranho pois somente transamos duas vezes… Na hora não achei estranho, sei lá, cansaço do casamento, ressaca, enfim. Entretanto, nossa frequência sexual nunca foi lá essas coisas. No máximo duas vezes por semana, e olhe lá. Viajamos algumas vezes e, nas viagens, nada acontecia. Eu o “procurava” mas ele dizia que estava cansado.

Esse problema piorou no ano passado, quando ele foi novamente demitido e passou seis meses em casa. Eu pagava a maior parte das contas, ele completava com o seguro-desemprego. Na hora compreendi, afinal ele é homem e estava desempregado. Mas, quando conseguiu outro emprego, salário baixo e, claro, tudo continuou na mesma.

Hoje, sinto que a grande diferença salarial e cultural (sou advogada e ele é técnico em informática) deve pesar para ele. Essa situação está piorando cada vez mais, temos menos de três anos de casados e mal transamos. Não deve ser normal… Já procuramos terapia de casal, não funcionou. O pior é que cada vez mais sinto o peso dessa diferença financeira e do desinteresse sexual por parte dele.

Malho, me cuido, sou vaidosa, tenho 30 anos, ele sempre me elogia, fala que estou bonita. Os outros homens me olham. Caramba, o problema não sou eu. Ou será que é? Já não sei mais de nada. Ele tem apenas 33 anos. Eu já fiz de tudo gente, lingerie provocante, vinhos, strip-tease, jantar a luz de velas, e nada… ele mal me toca.

Estou infeliz. Ele sabe como me sinto, conversamos bastante e ele sempre diz que vai passar, que é só porque está insatisfeito profissionalmente, porque não ganha bem, essas coisas… O problema é que hoje me sinto casada com um amigo, não tenho um marido. Me abri com minha mãe e ela ficou triste pois acha que estou deixando de viver uma parte importantíssima do casamento, que devo tomar uma decisão.

O amor, da minha parte, já não é mais o mesmo. Ele, por outro lado, fala que me ama mais do que tudo. O que eu faço?”

Ah se eu pudesse falar tudo e não me expor tanto rs… Mas já passei por algo parecido e não teve um final feliz. Claro que outros fatores também tiveram peso (talvez até mais) mas isso de diferenças culturais e financeiras prejudica muito SIM um relacionamento por mais que exista amor em doses cavalares. Hoje em dia, a mulherada está cada vez mais competitiva e é muito comum vermos mulheres ganharem mais que os maridos. O problema é que alguns homens se sentem diminuídos e inferiores quando a mulher se destaca mais do que eles profissionalmente. A masculinidade deles é colocada em dúvida por eles mesmos. É coisa pra terapia, mas você disse que não deu certo. Talvez o amor supere, mas você disse já não o amar mais como antes. Você se esforçou, fez de tudo para “acender” a relação e ainda assim nada aconteceu. Ele diz que vai passar, mas você está disposta a esperar? Olha sua própria frase:  “Malho, me cuido, sou vaidosa, tenho 30 anos, ele sempre me elogia, fala que estou bonita. Os outros homens me olham. Caramba, o problema não sou eu.” Existe uma mulher aí querendo viver e pronta pra isso! As vezes, amor não é tudo. Um amor e uma cabana é lindo no papel, mas na realidade não funciona a longo prazo. Talvez ele precise de ajuda profissional e você pode ajudar ele a crescer e te “alcançar” mas vai depender da sua vontade de manter esse homem ao seu lado. O que você não pode é diminuir o passo para esperar… tem que andar junto, lado a lado, talvez um pouquinho na frente, mas quando a distância vai ficando grande, a tendência é a pessoa se perder de vista…

bed474a31f5945438de75de5bc1777c5

(Não gostei muito dessa quote – chamar ele de fraco, acho que não é ponto – mas não achei nada melhor…)

Choooooooooooooooora Carine!

“Oi Cony, o meu caso não é horripilante mas preciso de uma ajuda, não estou conseguindo lidar com isso sozinha…
Eu e meu marido fomos apresentados por um amigo meu, que é filho da ex dele… Eles  ficaram juntos por 4 turbulentos anos… Viveram um amor intenso e briguento, se separaram inúmeras vezes (imaginem uma novela mexicana). Ela foi o primeiro amor da vida dele e com ela, ele teve a sua primeira FAMÍLIA… Viu o filho dela virar homem e tudo mais… Devido à essas circunstancias na separação definitiva (que aconteceu a uns 2 anos) ele sofreu muito, foi hospitalizado algumas vezes por sentir fortes dores no peito (sofrimento)…
Ele deixa claro todos os dias que me ama muito, quer muito ter filhos, deposita confiança em mim mesmo sendo 9 anos mais nova do que ele, me faz sentir capaz, me incentiva no dia a dia, no meu trabalho, na faculdade, me dá força pra academia… Me ajuda muito em casa, quando chego da faculdade tem janta feita, a louça está em ordem, roupa lavando, roupa pendurada, etc… Ele amadureceu muito com o casamento anterior e aprendeu a lidar com situações difíceis (TPM, carência, brigas e discussões inúteis), creio que devido a isso nos damos tão bem. Ele é um homem de ouro!
Mas como nada é perfeito…

No dia em que fui fazer a minha mudança (dias antes do nosso casamento) encontrei no criado mudo dele fotos e cartas dos dois. Fiquei pasma, em choque, sem reação… Turbilhoes de pensamentos… Fiquei um tempo com aquilo na cabeça até que resolvi falar. Durante a conversa ele disse que não tinha certeza do que ele sentia por ela, se era raiva, pena, amor ou se não sentia nada, disse que não iria jogar nada fora porque tudo aquilo faz parte da historia dele (ele é daqueles que associa momentos à coisas), que ela mesmo sendo um furacão não era só coisa ruim, tinha muitos pontos positivos. Chegou a falar que ela era muito mais mulher do que eu! (Doeu, MUITO… tenho 20 anos e ela 40, e realmente não me sinto uma grande mulher, então mexeu com algo que não era “firme” em mim), ele disse que se eu realmente o amasse teria que “arriscar” em casar com ele e esperar até que ele supere isso e se desvincule totalmente da historia que viveu com ela. Depois de ouvir isso eu calmamente desci do carro e fui embora sem dizer nada.
Pensei em terminar com tudo e desistir do casamento, mas não consegui, por ama-lo tanto resolvi arriscar. Após estarmos casados achei fotos deles no computador dele. Conversei novamente com ele então ele apagou algumas coisas, mas disse que era desnecessário pois ele nem lembrava que aquilo estava lá e pra ele não fazia diferença. O que mais dói não são as fotos e nem as cartas é pensar que ele não se importa em me “machucar”… ele poderia evitar.
Gente, ele é o homem da minha vida, o amo muito e nos damos muito bem. Mas a minha cabeça não me ajuda, as palavras dele me machucaram muito e ainda é uma ferida aberta, as vezes eu sinto falta de algo que eu não sei o que é…
Será que isso é só coisa da minha cabeça? Devo desencanar ou será que tem alguma coisa errada?
Eu nunca passei por uma separação portanto não sei o que ele passou e nem entendo como é, por isso pessoa ajuda de vocês!

Sejam sinceras… Beijos!” 

Parei de ler em “Chegou a falar que ela era muito mais mulher do que eu! ” CÊ TÁ LOUCA FIA? Se um cara me fala isso, comparando com a ex dele, eu quebro ele todo! Vai ficar com ela então seu trouxa! Ela deve ser tão mulher que nem tem quis mais! Desculpa, mas fiquei irada com isso! Quanto ao fato de ter fotos dos dois guardadas, ok, afinal foi um casamento e um relacionamento importante (tem que ser madura, eu também não gosto, mas maturidade, afinal nós também temos lembranças de ex namorados/maridos guardadas por aí certo? Ruim seria se você pegasse ele suspirando com uma foto da ex da mão). Ele me parece um cara muito sensível e isso pode ser ruim caso você não saiba administrar isso. Achei pesadíssimo o fato dele te comparar, sério que não gostei e achei cruel da parte dele. Mas você casou, disse que ele é super fofo com você, que é o homem da sua vida então, bola pra frente! Desencana do que aconteceu e não pensa mais nisso. Foca no seu casamento e seja feliz!

c8feb1914bd76b98b65ffac75da948ba

  • E ESTÁ ABERTA A TEMPORADA PARA NOVOS CASOS! ENCERRADA NOVAMENTE! JÁ LOTARAM A CAIXA DE EMAIL rsrs. Aguardem próxima chamada! Bjssss!
08
Nov 2014
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Não podia deixar a semana passar sem publicar esta tag. Fico meio desesperada querendo dar resposta logo, pois imagino como vários coraçõezinhos (é assim que escreve?) devem estar ansiosos esperando uma palavra amiga para um momento difícil.

Vamos com o pedido de ajuda da Adriana??

“Eu sou uma daquelas que já se beneficiou várias vezes com os posts do coração aqui do Fufu. Até pensei, ah…vou falar de novo sobre isso. Mas como a mãe de uma amiga disse: a gente fala do que o coração tá cheio.

Eu sofri um baque muito grande na vida, uma dor que não tem nome. Tive meu primeiro namorado, que foi meu primeiro em tudo, uma pessoa por quem eu movia o meu mundo, sabe? A gente ia casar, estavam faltando 6 meses pra tudo de consumar. Já tínhamos comprado casa, eu estava vendo tudo da festa, nossa, convite, doces, tudo, tudo. E esse tipo de coisa marca a gente de uma forma que é inexplicável. Principalmente depois de ter sido traída, e todo mundo ficar sabendo disso antes de mim. Ah, tá, você vai dizer, acontece com todo mundo uma vez na vida. Mas dentre o “todo mundo” que falei ali, estão os meus pais. Sim, eles viram pelo Facebook e me falaram. Imagina a humilhação. Fora as mais ou menos 600 pessoas que trabalhavam comigo, e como ele trabalhava no mesmo lugar, T-O-D-O mundo soube. Você não sabe o que são olhares de pena…são pequenos peixinhos minúsculos sob a sua pele, te comendo por dentro. Sério.

E depois de um mês, ele assume tudo no Facebook, coloca em letras garrafais que está vivendo o melhor momento da vida dele, e casa com a mulher. CASA. E depois de um tempo, tem um par de filhas com ela. Sim, gêmeas. Óbvio que ele estava com ela, e devia ser há muito tempo…já deviam estar rindo de mim, falando de mim, judiando dos meus sentimentos.

Olha, tem um tempão que isso aconteceu. Anos na verdade. E fico me perguntando por quê ainda não deixei isso pra trás. Não consigo me envolver com ninguém, tenho medo de tudo, e hoje, focada no meu trabalho e meus estudos, fico tão pouco à vontade pra olhar, paquerar, seduzir – tudo o que fazia antes de conhecer o maledeto. Tudo antes de me sentir preterida, humilhada, e dolorosamente olhar pra mim e minar minha auto estima com vários dizeres: “Ah, ela tem peitão e eu não tenho”, ou “Ah, ela tem um corpão e eu tô gordinha, por isso que aconteceu”, ou “Ela deve ser sinistrona na cama”, ou “Ela é loira e eu sou pretinha, claro que ele ia escolhê-la”, ou qualquer outra bomba atômica pra minha auto estima.

Eu tento pensar que talvez ele não estivesse feliz, e tudo bem, estamos fadados a isso. Pode acontecer! Não sou perfeita, e talvez não estivesse mesmo fazendo ele feliz. Ela certamente tem algo que eu não podia oferecer. E tudo bem. E certamente ele tinha que procurar a própria felicidade, mas precisava ser desse jeito, me humilhando tanto, a ponto de estragar o meu coração? Sinto isso mesmo. Algo estragado dentro de mim. E não consigo melhorar isso.

Fui tão honesta, tão puro e sincero o meu sentimento, que minha pergunta é: Por que isso aconteceu comigo? Por que tive que ver meus pais sofrerem tanto? Me pergunto o que fiz pra merecer isso, e na boa, sem querer me vitimizar na história (existe esse verbo?) mas fico vendo a vida passar, sem muita perspectiva, e minha cabeça sabe o que tenho que fazer. Sim, no meio desse turbilhão emotivo, me tornei uma pessoa crítica – principalmente sobre mim. Sei que tenho que me permitir, abrir meu coração, conhecer outras pessoas… como li uma vez num livro, onde um dos personagens fala que o outro precisa sair, e o outro diz que não e então ele fala: “Não são estranhos…são apenas amigos que você ainda não conheceu.”

Sei que tem alguém aí fora, mas não consigo me livrar dessa síndrome da princesa da Disney, esperando o cara que vai me fazer esquecer isso tudo. EU SEI que sou eu que tenho que esquecer antes, mas não sei como começar.

Por isso escrevi.

Porque quero começar. De verdade. Juro mesmo, do fundo do meu coração. Tô cansada de chorar por isso, de sentir medo e de não me permitir…mas não sei o que fazer.

Me ajuda?¨

Adriana, estou sem palavras. Estou triste com sua tristeza e sinceramente acho que um abraço seria mais eficaz do que qualquer coisa que eu conseguir falar aqui. Você precisa de carinho, de colo, de amigas, de elogios, de gente que te faça sorrir. Grandíssimo FDP esse cara e provavelmente um dia também decepcionará a outra mas sabe de uma coisa? Isso não te pertence mais. O que acontece na vida dele agora, é problema dele e de quem o cerca. Você tem uma ferida grande, uma tristeza, uma mágoa e precisa virar a página. Foi feio? Foi. Foi humilhante? Sim, foi… O pior para mim é o sofrimento causado aos seus pais, pois com nossos pais não se brinca. E sabe como você vai deixa-los felizes? Sendo feliz. Se realizando, se divertindo, aproveitando a vida. Você não fez nada para merecer isso, quem um dia sofrerá as conseqüências será ele, mas novamente, esse não é ponto. O foco é você, seu bem estar, sua volta por cima. Passe por cima dos seus medos, se desafie, veja que você consegue ir muito além do que pensa. Não espere nada de ninguém, não pense que o primeiro que aparecer será o homem da sua vida, apenas se divirta. As coisas acontecem aos poucos, e quando você menos esperar, estará inteira novamente mas VOCÊ TEM QUE SE PERMITIR! Pare de ficar se vitimizando. Passou, já tem anos, já está na hora de levantar essa cabeça e seguir em frente. Não se compare com ninguém, todos somos únicos e não é um par de peitos grandes ou kgs na balança que vão te fazer mais ou menos mulher que outras. Não espere o cara aparecer, nada cai do céu. Dê uma chance para sua vida e saia atrás do que acredita. Se precisar de terapia, faça. Mas faça já. Te vejo muuuuuuuito magoada e com uma tristeza enorme e isso pode afastar as pessoas. Não deixe isso te consumir!

boas-coisas-acontecem

Ufa… que dificil o caso da Adriana né?? Mas o da Janaína está tão punk quanto…

“Oi Conita! Esses dias estava passando por uma situação muito mal, então vi teu post e resolvi lhe escrever, deixa me apresentar então.

Meu nome é *Janaína, tenho 22 anos e moro com meus pais. Sou adotada e tenho uma irmã que é filha deles. Minha mãe não me trata como filha, dá tudo do bom e do melhor pra ela e pra mim nada. No momento sou estagiária e o dinheiro que eu ganho tenho que separar para passagem da faculdade, do trabalho (pois não dão vale transporte) e pago algumas contas. Resultado: sobra nenhuma agulha e as vezes que peço alguma coisa pra minha mãe ela fala que eu tenho dinheiro. Há muita distinção entre nós, a minha irmã ganha curso de inglês, viagens, cirurgia plástica, academia, aparelhos eletrônicos caros etc; e quando chega a minha vez minha mãe diz que não tem dinheiro. Estou precisando de um armário para colocar minhas roupas e ela simplesmente me deu um armário antigo do meu avô todo manchado e eu nada. Poxa sou uma filha ótima, dou ótimos rendimentos, trabalho, estudo à noite, nunca fiquei de gandaia e nem na rua altas horas com amigas ou garotos, não fumo, não bebo, não uso drogas. Enfim, quando falo para o meu pai ele não faz nada, minha irmã gasta uma nota no cartão dele e ele não fala nada, até meu namorado nota a diferença de como ela é tratada. Eu estou surrando Cony, me ajuda a superar isso, o que eu tenho que fazer para essa distinção acabar ou não rs. Desculpa pelo desabafo. E obrigada por tudo, sou fã do seu trabalho e adoro quando chega sexta pelo post dos achados das leitoras. Sou uma leitora assídua, porém não costumo comentar, agora já me conheces. Beijos Te Adoro e sucesso querida.”

Jana Jana, que situação complicada menina! Não entendo isso de pais adotarem e tratarem os filhos diferentes. Filho é filho, e acho até que deveria ter um cuidado especial com o filho adotado justamente para ele em NENHUM MOMENTO se sentir diferente dos outros, ou alguém fora da família. A única coisa que posso te aconselhar é que você chame seus pais para uma franca conversa e fale tudo o que está sentindo. Não sei se sempre foi assim ou se aconteceu algo para isso ocorrer mas tente conversar com eles. Seja clara em relação aos seus sentimentos, mas fale tudo com muita calma e tranquilidade. Boa sorte tá?

4a2b7fd92c3ac2c62dd7328cd814008a

Agora vamos para uma história feliz e de superação? Adorei o mail da Dani, acho que serve de incentivo para muitas mulheres!

“Oi Cony, boa tarde tudo bem?? Te adoro muito, seu blog e vc como pessoa!

O que vou contar hoje já é uma história do coração superada, mas se servir, ficarei feliz e pode divulgar meu nome, não tem problema.

Eu tenho 31 anos e duas filhas lindas que amo muito. Meu relacionamento acabou em 2011 e o Futilish e você me ajudaram muito. Fiquei anos em um uma relação e acabou e quando acabou me senti perdida, sem chão, sem saber como recomeçar, me sentindo mal, sofri horrores.

Mas com o tempo (o tempo ajuda muito), fui  me reerguendo, recomecei a sair, aos poucos, e com o querido tempo aprendi a me amar sozinha. Comecei a fazer programas sozinha, cinema, jantar, fui reencontrando amigas… Já gostava de treinar, mas intensifiquei ainda mais a malhação e aprendi a me amar, sem ser dependente de alguém. Curtia minha vida com minhas filhas etc…

Mas lá no fundinho da cabeça sempre batia aquele pensamento: um dia quero um namorado, quero curtir tudo que não curti nessa vida, porque até hoje só tinha cuidado de criança e casa kkkkk e pensava também: quem vai querer namorar uma mulher com 2 filhas?? Eu mesma tinha esse tipo de preconceito comigo mesma ainda mais pelo fato de morar numa cidade pequena e os homens ou melhor, moleques só se aproximavam sabe pra que né? Sei que sou grandona, chamo atenção e isso me entristecia muito. Mas como disse, aprendi ser feliz sozinha, comigo mesma, com meus programas e não admitiria ninguém mais me fazendo mal!

Porém, num lindo dia de verão, conheci meu atual namorado na academia, onde sempre treinei e nunca tive olhos pra ninguém. Entrou um aluno novo e desde o momento que o vi, sabia que era o amor da minha vida…

Sempre digo que já era feliz, pois tinha aprendido ser feliz sozinha, sem um companheiro, porém, hj sou mais feliz porque ele me complementa!!!

Hj sou mais madura, mulher, vivo feliz numa relação saudável e se hj sou o que sou, foi graças a esses dois anos sozinha, sem relacionamentos e em um auto conhecimento incrível! Sofrer é ruim demais, porém quando saímos disso… saímos fortes e com uma vontade imensa de ser feliz!! Meu conselho é: tentem fazer programas que gostem, coisas que nunca fizeram antes, cuidem da sua aparência e sejam felizes com vocês mesmas!! Tudo tem hora certa!! Creio muito nisso!! Bjoss”

Dani você não imagina como fico feliz ao ler casos como o seu! Eu também ficaria aterrorizada, ainda mais pelo fato de ter duas filhas, mas você foi sábia e paciente e está mais linda do que nunca. E sim pessoas, ela tem UM CORPÃO que pelamordedeus! Você está certíssima, a gente nunca pode se abandonar! Amor próprio é tudo, por isso bato tanto na tecla da vaidade. Gente, se amar e gostar do que a gente vê no espelho é maravilhoso e te dá força e segurança para peitar qualquer situação! Beijos e obrigada!

5511198fadfd17c790f724b684c767fe

  • Hoje o Chora que Eu Te Escuto está bem eclético: um caso de amor, um de família e uma linda história de superação. Falta pouco para eu liberar o segundo chamado para emails hein!!! 
  • Agora é com vocês! Como ajudariam a Adriana e a Janaína?
Página 25 de 26« Primeira2223242526