21
May 2015
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Ando TÃO sem paciência ultimamente que tô até com medo dos meus conselhos para hoje hahaha. Por isso conto com a compreensão e principalmente, a colaboração de vocês.

Caso 01 – Letícia

“Estou numa situação delicada. Meu “marido” (moramos juntos há 7 anos e temos uma filha de 2) foi convidado para ser padrinho de casamento de um colega de trabalho. Somente ele foi convidado. Não conheço o colega, aliás, não conheço quase ninguém do trabalho dele e estou um pouco constrangida de ir ao casamento. Ficar sentada sozinha na igreja…. No inicio achei super natural, afinal, se ele gosta do meu marido e nem me conhece….Mas agora que está chegando a data, confesso que nao estou com a minina vontade de ir. Qual sua opiniao? Vou? Fico? Sei lá, eu nunca convidaria somente uma pessoa, se não tenho afinidade com o casal, melhor não convidar do que convidar um só.”

 

Concordo PLENAMENTE com você. Fosse namorada de pouco tempo, ok, dá até pra relevar, mas poxa, vocês estão juntos há um tempão, moram juntos, tem filhos ou seja, FAMÍLIA e cometem indelicadeza! E outra, seu marido também poderia ter dado uma indiretas (ou diretas mesmo né). Não sei se você deve ir ou não… O convite de casamento tá como ou nem nisso te incluíram?

 

dea69ad9294ba1e4f8c5ce7e18d1701f

 

Caso 02 – Viviane

 

“Oi Constanza, a historia é o seguinte: namorei 10 anos, desde muito jovem blablabla, até que um dia cansei e sai da relação. Isso tem uns dois meses. Depois que terminei o que eu queria era TRANSAR !!  E ai, me joguei no Tinder. Fiquei com um cara aqui outro ali. Um que eu conversava nunca queria transar sempre ocupado (agora entendo, ele era muito ruim de cama). Ai conheci o André, no Tinder claro. Era um domingo a noite, estava chovendo e resolvi chamar ele para vir pra casa. Ele veio trouxe vinho, fiquei bêbada (estava muito nervosa, nunca tinha feito isso). Enfim a gente transou loucamente e ele é espetacular em todos os sentidos (tanto na cama como de papo). Enfim ele foi embora e não houve mensagem no dia seguinte nem nada. Eu fiquei tranquila, pois realmente não esperava muita coisa, só queria alguém mesmo pra ser meu PA.

Convidei ele na semana seguinte para passar em casa, ele falou que tava cansado que ia trabalhar no outro dia blablabla mas me perguntou o que eu ia fazer no feriado, falei que ia viajar e ficou por isso mesmo. Ai antes do feriado, mandei mensagem, ele falou que tinha viajado e tudo mais eu falei que ia no dia seguinte, porém o Tinder entrega o login e a ultima logada da pessoa e dizia que ele estava por perto. Pensei, que trouxa!!!! Eu não tenho nada com ele pra que mentir?? Fiquei na minha continuei com meus outros esquemas. Num fds depois, estava eu curtindo minha ressaca num sábado e o André me manda uma msg falando oi e se eu estava por aqui, falei que sim e perguntei dele, ele nunca respondeu. Fiquei sem entender nada mas ok, tinha um hot date no domingo e tava toda animada. Tive meu date, foi ótimo, mas nada comparado com o lindão do André! Fiquei pensando no André e tentando entender se ia rolar novamente ou se ia ficar só naquela vez. Falei com a minha psicologa e ela me disse para mandar uma msg pra ele pra ver qual seria a resposta e fechar esse assunto. Mandei, ele respondeu, ele não estava na cidade (a família dele é de outra cidade – e foi confirmado pelo localizador do Tinder), trocamos umas msgs safadas mas eu tinha outro date (o cara do começo) e então logo parei de responder. Depois do meu date horroroso, no dia seguinte estou eu curtindo minha ressaca e la vem o André me mandando uma mensagem super quente, falando que não conseguia esquecer o que eu tinha falado no dia anterior. Conversamos mais umas coisas (cunho sexual) e no fim mandei umas fotos (calma nada de rosto nas fotos e nada tao comprometedor). Pedi uma foto e ele só respondeu que enviaria, mas o dia passou a noite chegou e nada. Acabei saindo, pois era sábado e no outro dia perguntei, e ai cade minha foto? Ele me enviou uma foto impublicável deliciosa. Conversamos mais um pouco e ficou nisso. A noite resolvi mandar uma msg: e ai, ficar por isso mesmo? Ele mentiu de novo falando que não estava aqui e o Tinder entregou ele novamente… perdi a paciência mandei uma msg seca e estou aqui pensando qual é a desse cara? O que ele quer? Aliás ele quer ou não quer? To muito confusa e peço ajuda de todas. Como vocês podem ver, sou nova nesse ramo, depois de 10 anos de namoro, to enferrujada. Tenho 29 anos e por favor troque meu nome!!”

 

O que ele quer? Sexo! E quando ele quiser! Só não vou desenhar porque vai ficar pornográfico rsrs. Mas você cometeu um erro fatal: se envolveu com seu “quase” PA. Pra viver assim fia, tem que ter total desprendimento emocional. Agora vai ter que rebolar para provar que você é mais do que uma transa de Tinder… Isso se realmente quiser o bofe. Ou então desencana de vez e aproveite quando ele te procurar. Ok que vai ficar na mão dele né, mas se você não quiser compromisso… Nada mais a fazer.

 

104c277f9a43f89419ef1c4e5ee2ca5f

 

Caso 03 – Isabella

 

“Oi Cony, tudo bem?

 
Bom, além das obviedades de que adoro o blog, e tals, gosto muito da Srta. Gosto muito da sua coerência nos gostos e opiniões, forma de se expressar, etc. Uma vez te vi no aero, jurei que eramos muito íntimas, hahaha.. mas não fui lá encher seu saco porque né, íntima pero no mucho.
 
Vamos lá. Resolvi mandar a minha história porque ainda me choco com o tanto de amigas que vejo por aí sendo reprimidas, sendo diminuídas, e meninas..NÃO, apenas NÃO.
 
Eu nasci e cresci cidade pequena, cresci acreditando que o certo era ser ~menina moça boazinha~, pra casar. Nem foi minha mãe que me falava essas coisas não, era o mundo mesmo. Aí, por óbvio, arrumei uns namoradinhos machistas porcarias que, embora tenham sido porcaria, me ensinaram uma ou duas coisas na vida. Coisas tipo: o que eu não preciso pra minha vida, o tipo de namoro que eu não quero, o tipo de homem que eu não admiro, etc.
 
Me mudei pra cidade grande, e fiquei assim.. abismada com o tamanho do mundo, com a variedade de pessoas, com o milhão de possibilidades. E saí por aí curtindo a vida adoidado. Por curtindo a vida adoidado digo, fazendo tudo o que eu queria fazer. Basicamente, o meu raciocínio era o seguinte: estou deliberadamente fazendo mal pra alguém? Se a resposta fosse não, eu corria pro abraço. E assim.. me diverti em festas, fiz viagens incríveis, conheci uma penca de gente divertida (e um bando de besta também, é verdade… eles estão por todo o lado, cuidado), fiquei com quantos caras eu quis, dei pra quem eu quis. Informação importante: dar pra quem eu quisesse não significava dar pra todo mundo, né. Dava, simplesmente, pra quem eu quisesse. Nessa época aí, teve tempo de eu querer ficar em casa vendo meus filminhos, ficar sossegada e ficava sei la…1 ano sem fazer nada, sem quase beijar na boca. Mas tinha época que a coisa tava boa, saia muito, conhecia caras interessantes, alguém com a pegada interessante. Entre uma loucurada e outra, arrumei mais um namorado que era ó: uma bosta. Sumi com ele bem rapidinho, que era pra nem dar tempo de criar raiz no meu jardim. XÔ!
 
Obviamente, algumas “amigas” da época da cidade pequena bem me falaram umas bobagens, do tipo ~vai ficar rodada, heimmmm~, ou então, isso não é coisa de menina pra casar. Depois de ficar muito puta da vida com os comentários, um dia soltei o belo FODA-SEEEEE!!!!! Acabei explodindo, e falei pra elas: escutem aqui quiridinhas, que eu fiz uma puta faculdade vocês não falam nem parabéns, que eu tenho um belo dum emprego com ótimo salário, vocês não falam, que eu pago todas as minhas contas (enquanto vocês vivem de mesada) vocês não falam, que eu resolvo todos os meus problemas sem gritar pra minha mãe, vocês não falam, e agora vão ficar enchendo o saco com o que eu faço da minha vida romântica/sexual/recreacional? VÃO A MERDA!
 
E assim.. é óbvio que não é fácil ignorar por completo tudo que todo mundo fala.. Mas da muito bem pra você ouvir quem importa sim, mas viver a vida do seu jeito. Eu acho o mais importante você entender o que você quer: se é ficar em casa de boas, lendo seu livrinho, esperando O cara, bacana Faça isso, se respeite, não vá sair e encher a cara e ficar por ficar por pressão das amigas porque não é legal. Mas se você quer fazer tudo isso, não vai ficar em casa lendo um livro porque o universo diz que bagunçar é coisa de quem vai ficar pra tia…
 
Enfim.. fato é que, alguns anos atrás, eu tava numa dessas fases bonitas da vida. Tinha arrumado um emprego novo pura maravilha, aqueles de dar beijinho no ombro, tava com uma viagem dos sonhos agendada, tinha conhecido um moço muito legal e tava meio que investindo. Aí um dia fui dar uma volta com uns amigos, e conheci O cara. Achei ele bonito, super legal, do bem… Enfim, fomos nos conhecendo, vendo que tinha tudo a ver, a coisa foi desenvolvendo lindamente. E long story short, 2 anos depois to aqui noiva, vamos casar, temos planos de ficar velhos corocas e nos vestir combinando. Coisa mais linda!
 
Então, o que eu queria contar com minha história aqui, é que assim.. mulher pra casa é uma ova. Todas temos o direito a tudo que quisermos. Não deixem essas amizades tóxicas, ou os julgamentos de quem viveu em outros tempos, afetar o que vocês querem da sua vida, abafar quem vocês são. Digo e repito: não façam nada por  pressão dos outros, seja para um lado, ou para o outro. Sejam quem vocês quiserem ser, por que se for pra vocês um dia serem FELIZES ao lado de alguém, vai ser alguém que aceita e ama vocês exatamente como são, com a bagagem que tem.
 
Ps – informação relevante: as amigas seguem vivendo de mesada, uma com um namorado machista tão bosta quanto os meus da época dos meus 16 anos. Beijos!”

 

Vou falar O QUÊ??? Tá mais que certa, sua vida, suas escolhas! E seus méritos e seus erros também!

 

79dd726cb802cd78af9c5222a22a562d

  • Casos diferentes, uma resposta duvidosa (no primeiro caso realmente não consegui me posicionar, me ajudem), um resposta aparentemente certeira e um Sorria para encorajar as meninas que têm medo do “que os outros vão pensar”!
08
May 2015
Chora Que Eu Te Escuto
Chora Que Eu Te Escuto

Hoje acordei conselheira, quem me ajuda?

Caso 1 – Vanessa

¨Oi Cony! Antes de mais nada, o seu blog é sem dúvidas o melhor e mais completo ever. Agora, posso chorar? rs

Namorei por 4 anos com Fábio, tudo sempre foi incrível até que no ano passado passamos por uma crise, sem brigas, mas ficamos distantes. Eu conversei com ele diversas vezes dizendo que me sentia sozinha e carente e ele não levou muito a sério. Infelizmente me envolvi com um rapaz do trabalho, que me prometia mundos e fundos e me ouvia como se fosse a pessoa mais atenciosa do planeta. Doce ilusão. Me arrependo amargamente disso ter acontecido.. Me afastei do rapaz e no carnaval tive uma conversa importante com Fábio onde decidimos que lutaríamos pelo nosso amor, independente do que acontecesse.1 mês depois da nossa conversa ele descobriu tudo o que tinha acontecido.. E ficou arrasado, claro. Com toda a razão. Fiz uma coisa terrível e me arrependo a cada segundo por isso, não fujo da minha culpa e estou arcando com as conseqüências.Mas tá doendo! Depois disso tudo eu percebi o quanto amei o Fábio, o quanto foi importante e o quanto a saudade me dói.Ele pediu que eu me afastasse pois quer seguir sua vida, e eu fiquei desesperada. Fui atrás, chorei, falei, mas nada adiantou. Ele me trata friamente e já está seguindo como disse que faria. A culpa é toda minha e isso piora ainda mais o meu estado emocional. Eu não consigo aceitar o fim. Parece que a dor não vai passar nunca!E pra piorar.. eu perdi todos os amigos que tínhamos em comum, minhas amigas namoram ou são casadas, minha mãe falecida. Eu queria um colo sabe? Eu não sou um monstro… Apesar de todos os julgamentos que fizeram. Eu cometi um erro terrível, mas isso não me torna uma pessoa ruim. E o amor que eu sinto não acabou.

Eu sei que muitas meninas vão julgar e dizer que se eu amasse não teria feito isso, mas o amor é complicado. Só quem está dentro da situação pode dizer e saber o que sente. Eu escrevi porque estou perdida, sozinha e achei que talvez pudesse ser um exemplo do que NÃO fazer. 🙁 Beijo!!¨

Ô minha linda… imagino seu sofrimento. E não, você não é um monstro. Às vezes a gente faz umas burradas na vida, mas senti que você se arrependeu e aprendeu desse erro. É diferente quando uma pessoa sabe que está fazendo algo errado, que está fazendo mal para alguém, mas continua por vaidade e ego. Você estava num momento de fraqueza, carente, e achou alguém que naquele momento te dava o que você estava precisando. Infelizmente não temos como entrar na cabeça das pessoas que amamos e passar um borracha na burrada que fizemos, porque é isso que dá vontade de fazer né? Não dá para ¨zerar¨ a mágoa do outro e continuar a felicidade de onde achamos que nos convém e será bom. Você não pode fazer mais nada. O que tinha que ser feito, você já fez. Já mostrou seu arrependimento, sua dor, seu amor… Deixe-o ir. Dói, mas se for pra ser seu, será. Frase mega clichê mas é isso mesmo. Talvez ele não volte, mas você aprendeu. Seja sempre pura e transparente nos seus sentimentos e não se preocupe com o julgamento alheio. Ninguém sabe o que realmente acontece na sua vida. Se você já foi atrás, chorou e pediu desculpas, agora resta a ele pensar. Não pressione mais, deixe livre, e você… reflita muito e cuidado com suas ações. Tente encontrar ¨paz¨ no seu dia a dia e alivie seu coração. Fica bem tá?

 

ee7b6a93e50748d8d4e799762946d316

 

Caso 2 – Giovana

¨Oi, Cony! Minha história é a seguinte. Me chamo Giovana. Eu me casei em Outubro de 2013. Quando meu (na época noivo) atual marido, me pediu em casamento, fiquei nas nuvens – claro. Sendo assim, liguei imediatamente para minha melhor amiga. Aquela amiga de infância, que você conta para todas as horas, mas que já te deu vários motivos que nem é tanto sua amiga assim. Parece que é mais amiga de festa do que amiga de vida.
Logo que chamei essa minha amiga para ser madrinha começaram a aparecer alguns problemas. Ela não demonstrava interesse algum no meu casamento. Eu não fui uma daquelas noivas neuróticas, que só tem um assunto. Mas eu gostaria, SIM, que ela tivesse perguntado algumas vezes como estavam os preparativos para o grande dia. Só que isso NUNCA ocorreu. Fiz dois jantares em minha casa para conversarmos dos preparativos, e ela ficava no “whatsapp” enquanto eu falava sozinha. Me martirizava por dentro, e alugava meu marido para falar o quão triste eu havia ficado com aquela situação.
Eu tinha mais 5 madrinhas, e só essa madrinha morava em minha Cidade. As outras 4 moravam na Cidade dos meus Pais, BH. E eu casei em Poa-RS. Então, eu não tinha como contar com elas. Meu noivo mora em outra Cidade também, e era só eu e minha mãe para organizarmos tudo.  Gostaria muito que essa minha madrinha tivesse tirado um dia de sua agenda para sair comigo e me ajudar nos preparativos, mas isso nunca ocorreu. Três dias antes do casamento ela perguntou se eu precisava de alguma ajuda, sendo que eu já havia resolvido tudo, afinal, foram 10 meses de correria.
Bom, essa minha amiga vive finaceiramente muito bem, é médico, tem sua própria clinica. E como mora com os pais não tem quase nenhuma despesa.
O momento final foi quando eu convidei toda a família dela; Os tios, avós, pais, cerca de 25 pessoas na festa. E simplesmente ninguém me deu nada, quando digo nada é nada mesmo. Ela ensaiou me presentear com um liquidificador. Disse no dia do meu casamento que ia comprar um para mim, pois sabia que eu ainda não tinha, mas simplesmente não disse mais nada depois.
Eu não quero parecer mesquinha. Eu tive uma madrinha que tem dois filhos para criar e no momento encontra-se sem emprego, e é uma das pessoas que mais amo na vida. Então, se ela me desse algo, se fizesse algum esforço, eu ficaria até triste por saber que ela estava gastando em um momento difícil. Mas ela se fez presente mesmo morando em outro país, sempre mostrava interesse.
O problema não é o presente em si, e sim o fato de você saber que a pessoa não faz esforço para te agradar. Continuo sendo amiga dela, mas algo não me deixa mais tão à vontade, sabe?
O que você acha disso, acha que devo ignorar esse fato, deixar para lá, já que isso tudo passou?  Será que é exagero meu ter ficado magoada?
Obrigada por ler meu relato, Cony.¨

Deixa eu ver se entendi direito… você chamou para ser sua madrinha de casamento, uma amiga que você mesmo disse que nem era tão amiga assim e já tinha provado isso antes? Pediu pra apanhar né fia? Outra coisa, porque não conversou com ela sobre essa falta de interesse dela NA ÉPOCA DO CASAMENTO? Deveria ter chegado na lata: ¨amiga¨ noto que você não está muito interessada e eu gostaria da sua ajuda. Você prefere que eu chame outra pessoa em seu lugar? Pronto, isso já seria o suficiente! Se a gente não expor os problemas e por pra fora, as vezes o outro nem entende que ESTÁ TENDO um problema sabe? Outra coisinha… a pessoa não te ajudou nem um pouco e você convidou 25 pessoas da família dela? Ok, você deve ser muito educada e tal, mas pera lá né… acho que para tudo tem limites e se ela já não estava merecendo muita coisa, você ainda a premiou com uma festa quase que exclusiva para a família dela (exagerei, mas o recado é perto disso). Sobre os presentes, não esperava nada diferente, tá bem claro que ela não está nem aí pra você. O que me surpreende é você ter engolido isso tudo a seco, ainda ser amiga da mulé e ficar remoendo isso. Já perdeu o timing de ter feito o ¨barraco¨ necessário. Agora já era, mas eu, no seu lugar, nem consideraria mais essa pessoa como amiga e muito menos a incluiria em qualquer atividade da vida atual. E nem tente endenter o que se passa/passou pela cabeça dela. É fácil falar que é inveja, mas as vezes essa pessoa nem te considera amiga mesmo e você não tem importância nenhuma pra ela (eu fico com essa última opção). Não se contente com migalhas. Amizade a gente escolhe e não implora por ela.

639e8200d13797b7c2d612cdd23fd356

Caso 03 – Katia

¨Cony, depois de ler o post da Carol, achei que era hora certa de te mandar esse “Sorria”. Minha história começa quando eu tinha 21 anos (hoje tenho 28) e conheci meu ex nos EUA. Era tudo lindo, flores, até eu ter que voltar as pressas para o Brasil por meu avô estar com câncer terminal. Foram 4 meses juntos.

Depois de eu chegar no Brasil, ele enlouqueceu e disse que viria morar comigo em Lima, Peru (ele é peruano). Eu no auge do meu amor topei e arrumei trabalho antes de ir, cheguei la com tudo certinho, casa, emprego, din din.

Lá que as coisas desandaram de vez, ele tinha problema com drogas e normalmente saia sexta para “comprar comida” e voltava somente no domingo, sem dar nenhuma explicação. Quando descobri o problema da droga, eu me ofereci para ajudar, ele disse que ia mudar que iria fazer o que fosse preciso. Depois de 1 ano morando com ele desse jeito, desisti e voltei ao Brasil. Deixei ele com uma simples frase: Quando tu amadurecer, me procura. (idiota eu, depois de tudo ainda apaixonada).

No Brasil, eu já com minha vida de volta aos eixos (depois de muito sofrimento, chorando até dormir por 2 meses), ele coloca fotos que eu tinha feito “especialmente para ele” em perfil fake do Face, Twitter, Gmail, e mandou e-mail para todos meus amigos com as fotos e um texto me chamando de tudo o que era possível.

Eu liguei para todas redes sociais possíveis dizendo que não era nos perfis, consegui tirar 90% da net em 1 dia, o resto ele mesmo tirou 3 dias depois e pediu mil desculpas, dizendo que estava medicado com remédios fortes e não era ele no momento que fez aquilo.

Depois desse episodio ele veio para o Brasil atrás de mim, porém não conseguiu contato comigo. Ele ficou morando na mesma cidade que eu por 4 anos, fiquei sabendo no dia que ele me convidou p sair (depois de 4 anos) e a burra aqui aceitou.

Não gosto de guardar rancor de ninguém, perdoo muito fácil.

Depois de 4 anos sem nos falar, voltamos a sair juntos e dai eu pedi ele em namoro (isso mesmo, euzinha, a das fotos) UGRRRR comiga mesma. Namoramos por 5 meses quando ele começou a desaparecer de novo, dizia que ia em um churras de amigos e só voltava no outro dia, após o trabalho. Até hoje acho que tinham drogas na jogada de novo. Disse para ele que isso eu não iria aguentar de novo, ele prometeu mundos e fundos, mas não passou de mais 1 mês para eu tocar ele fora de casa. Fiquei arrasada, meu mundo desabou, e percebi que precisava de ajuda profissional, pois como poderia ainda gostar tanto de alguém que só me fez mal. Não conseguia me concentrar na faculdade, no trabalho, não tinha vontade de nada mais, pensei que seria mais fácil dormir e não acordar mais.

Fiz 2 meses de terapia (muito pouco) mas me ajudou muitooooo. Não continuei, pois agora meti a cara nos livros e me formo esse ano, estou fazendo todas cadeiras possíveis. E meu presente de formatura em 2016 será um mochilão pela Europa (isso se o euro ajudar né). E para 2017 vou para Austrália fazer um curso. Isso tudo solita, by myself!! 😀 Mal posso esperar para pegar meu diploma e sair por esse mundão a fora. Hoje estou muito bem comigo mesma, sei que tudo tem seu tempo, estou feliz por ter conseguido enxergar tudo o que passei e como ver isso como um aprendizado e não uma punição de alguém.

Meninas, hoje só posso dizer que sou uma versão muito melhor de mim, do que quando ainda “tentava”  dar certo. Hoje dá certo, pois aprendi a me aceitar e ver que tenho defeitos assim como todas as outras pessoas e que tudo nessa vida tem uma razão, nós só não sabemos qual é ainda. PS: Até hoje ainda tenho dívidas dele no meu cartão de crédito.¨

Em que plano espiritual mora uma pessoa que o namorado/marido some na sexta e aparece na segunda, ou ainda, some um dia e aparece no outro E AINDA CONTINUA COM A PESSOA? Por God, na primeira ocorrência disso eu derrubava o prédio na porrada. Sim,não sou muito calma e nem evoluída espiritualmente. Mas olha só, após erro atrás de erro (o lance das fotos foi tenso e você namorar ele novamente depois disso é algo quase inexplicável. Fosse amiga minha eu mandava internar.) graças a Deus você abriu os olhinhos e se livrou dessa. Só me promete que nunca mais vai cair na graça dessa pessoa tá? E aproveite MUITO a Europa e a Austrália. Foco nisso, não desista!

fef24774932846d071a1d89e9ab3dfdc

  • Por hoje é só! Três mocinhas que erraram nas suas escolhas, tanto na amizade quanto no amor. Mas se não fossem os erros, como aprenderíamos?
22
Apr 2015
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

E agora em diferentes versões! Bom para dar uma variada né? Vamos começar com o email da Márcia?

“Olá, Cony! (… tirei algumas partes do email)

Eu casei muito novinha. Porque quis mesmo. Fiquei casada cinco anos. Mas chegou um momento que aquela vida pacata estava me matando! Acordei e pensei “Que raios estou fazendo da minha vida???”- Me separei. rs
Mas, assim como casei novinha demais, me separei novinha demais também. Não tinha condições de me manter sem ajuda e acabei voltando para a casa dos meus pais. Ok, confesso que sou um tanto mimada pela minha família, o que possibilitou que eu voltasse. Acontece que hoje já estou com 33 anos, prestes a completar os 34. Minha condição financeira melhorou, me sinto profissionalmente estabilizada, claro que tenho objetivos a alcançar ainda, mas estou bem mais estabilizada profissionalmente. Aos 33 anos, não me sinto mais nem um pouco à vontade na casa dos meus pais e resolvi morar sozinha. Estou organizando as coisas para ir para meu apartamento no segundo semestre. Pronto! Isso já está mais que resolvido. rs

Acontece que, como mulher, tenho alguns medos.  Busquei em sites e em blogs mulheres que compartilhassem sua experiência em morar sozinhas, pois eu acho que existe uma certa diferença entre um homem morando sozinho e uma mulher. Quando vejo posts sobre o assunto, as preocupações sempre são: Quem vai limpar a casa, quem vai cuidar da roupa, quem vai fazer a comida, quem vai cuidar das despesas. Minha preocupação é outra, até porque fui casada e já fiz tudo isso. rs

Minha preocupação é com relação à segurança. Me preocupa o fato de eu ser uma mulher e estar sozinha em um apartamento, chegando sozinha à noite, essas coisas.

Ninguém nunca fala nesse aspecto. Então, isso tem me deixado insegura. Amedrontada, na verdade. rsGostaria saber de você e de suas leitoras, se vocês têm experiências desse tipo e se podem me ajudar com dicas ou experiências com relação à segurança, pois mulher sempre é mais frágil neste assunto. =/ Um grande abraço”

Muito boa sua dúvida Márcia! Eu vou contar o que eu geralmente faço, já que moro praticamente sozinha, às vezes conto com a visita de algum familiar, mas a maior parte do tempo, sou só eu mesma. Acho que a parte mais perigosa é voltar pra casa a noite. Se estou de carro, olho BEM o movimento, vejo se tem alguém estranho por perto. Se tiver, não paro o carro. Dou voltas no quarteirão até me sentir segura. Tento abrir o portão da garagem assim que avisto ele e não tem ninguém estranho por perto. E assim que o carro passa, fecho o portão. Claro que estou falando de portão automático, acho que nem cogito a possibilidade de descer do carro para abrir a garagem! Se no seu prédio não tiver isso, considere morar em outro lugar. Sério. Já se alguém estiver te levando em casa, peça para esperar até você entrar. Cortinas fechadas, os vizinhos podem ver sua rotina e saber que mora sozinha. Nunca conte que mora 100% sozinha, diga sempre que tem um amigo, irmão, ou qualquer pessoa em casa. Eu não atendo telefone fixo à noite. Pode ser cisma minha, mas se for alguém conhecido ou urgente, vai me ligar no celular. Deixe sempre uma cópia da chave com alguém de confiança: você pode esquecer uma janela aberta, algo no forno, perder a sua chave, passar mal a noite e ter que pedir ajuda, enfim, sempre é bom que alguém confiável tenha acesso à sua casa. Não dê o endereço da sua casa para estranhos. Use uma caixa postal ou dê o endereço de algum parente. Não poste seu dia a dia em redes sociais (nossa, faço tudo o que não deve ser feito rs), não conte que vai viajar, não fale que está fora de casa, se o fizer, deixe claro que tem alguém em casa. Trancas com segurança, olho mágico, alarme, tudo é válido. Se estiver cismada, não abra a porta em horários que considerar tarde ou quando não estiver esperando alguém. Pediu pizza? Pegue na portaria. Não deixe o motoboy subir. E pode parecer loucura, mas eu dormia com um taco de beisebol ao lado da cama rsrs. Quando mudei ele sumiu, mas era uma ótima arma. Ah, e outra loucura minha, fico imaginando rotas de fuga. Tipo, se entrar alguém em minha casa, penso em uma escapatória sem ser a porta principal. Já pulei a varanda na minha imaginação várias vezes kkkk. Eu faço assim, se alguém tiver mais dicas, será ótimo compartilhar!

 

door-spyhole-safety-home_

 

Agora a Nicole!

Olá Cony, frequento seu blog tem um tempo. Gosto muito do “Chora que eu te escuto”. Sempre pensei em escrever, mas faltava aquele empurrão sabe? Foi aí que eu li um em que você diz que todos os emails recebidos para essa coluna falaram sobre mulheres apaixonadas e na “sofrência”. Senti certa necessidade de te enviar algo. Adoro seus conselhos.

Bom, sou jovem, tenho 20 anos, mas me sinto muito mais adulta do que muitas mulheres que vejo por aí. Nunca tive um relacionamento sério, aqueles de levar em casa, apresentar aos pais e tal. Sempre tive meus “rolos” e nunca vi a necessidade de ter alguém sério.

Moro com meus pais, faço faculdade, trabalho, pago minhas contas. Sou até certo ponto independente. O que acontece é que de uns tempos pra cá, comecei a sentir uma certa pressão por parte da minha família e amigos. Dizem que to ficando velha, que preciso “desencalhar”. Acontece que eu não sinto essa necessidade, quero terminar minha faculdade e meu curso de inglês, viajar, estudar fora e depois me dedicar a encontrar alguém, pois como toda mulher sonho em casar, ter a minha família, meus filhos, porém, no momento me sinto completa e sinto que tenho muita vida pela frente e preciso cuidar de mim em primeiro lugar.

Queria saber de você e suas leitoras se eu estou (como muitas pessoas me falam) perdendo tempo, ou deixando de ser feliz com alguém. Só pra terminar, tenho 1,80, peso 60 kg, sou morena, cabelo liso hahaha adoro cuidar de mim e me sentir bonita. EU ME AMO e pretendo ser uma publicitária de muito sucesso. Adoro o fufu e me inspiro muito, amo uma oncinha e quando encontro uma onça rica enlouqueço! Beijinhos Ni.

Tá querendo confete né? hahaha. SÓ VOCÊ sabe a hora certa para as coisas acontecerem em sua vida. Se você não está a fim de namorar e tem outras prioridades no momento, pronto! Fazer o que os outros esperam de você, gera frustração e infelicidade. Quando alguém te falar algo, conte seus objetivos mesmo, fale que ainda não quer se prender num relacionamento pois tem outros objetivos.

7bcfb463779c4e41041db3aa8f182d4e

E para terminar, a Janaína.

O meu “chora” não é bem um “chora” porque não estou jogada na cama de tristeza pelos fatos, mas é uma situação um pouco chata.

Estudei muito para um estágio muito concorrido, fiz uma prova super difícil, e consegui ser aprovada. Fiquei muito feliz e estava super empolgada para começar. Soube por uma colega minha que antes de eu começar algumas pessoas estavam olhando minhas redes sociais e comentando que eu era bonita. Até aí, nada demais, fico muito lisonjeada.

Logo quando entrei fui muito bem recebida, por exceção de uma pessoa….minha sub-chefe. Desde o começo senti uma frieza da parte dela, mas imaginei que poderia ser apenas a personalidade dela, ter um jeito mais fechado, enfim….não imaginei que fosse pessoal. Mas com o passar do tempo comecei a perceber que ela conversava diversas vezes de maneira descontraída com outras pessoas, mas quando eu tecia algum comentário, ou fazia uma gentileza, ela simplesmente me ignorava ou respondia com indiferença.

Comecei a notar alguns olhares tortos para a forma como eu me visto. Não me visto mal, juro! até porque gosto de estar sempre arrumadinha, com uma roupa simples, mas que sempre tenha um detalhe diferente. Um pouquinho de blush, rímel e batom. Mas isso é algo da minha personalidade, eu sempre fui muito vaidosa. Cheguei ao ponto de ficar com vergonha de usar até vestidinhos bem comportados, com medo que gere algum tipo de comentário.

 Quando eu chego eu digo ” Bom dia” ou “Até amanhã” quando estou saindo, e em algumas vezes ela nem responde, em outras responde quase se arrastando, com má vontade. Eu tento entrar em alguma conversa descontraída com ela, mas geralmente quando eu puxo o assunto ela não dá muita trela ou ignora mesmo.

Nunca passei por uma situação dessas Cony, e de verdade, eu não acho  que ela seja má pessoa, mas também não entendo essa antipatia gratuita e acho a situação bem chata, porque fico muito insegura sobre como agir com ela. Fico sem graça até de tirar alguma dúvida profissional, pois não sinto abertura. Tenho medo que ela possa estar passando essa ideia errada sobre mim para outras pessoas, e que a longo prazo isso venha a afetar meu relacionamento com outras pessoas no estágio.

E aí? o que eu faço? Estou muito perdida sobre como agir nessa situação.

Mulher é um bicho complicaaaaado! Mas me conta, alguém mais já reparou esse tratamento diferente que a sua sub chefe tem com você? Será que não é coisa da sua cabeça? Se outras pessoas concordarem com você, há grandes chances de ser inveja (e como odeio chegar a essa conclusão…). Por isso disse que mulher é complicado. Já tive amigas que passaram por essa situação, inclusive mais grave, com difamação e tal. Tente conversar com ela, numa boa, fale que sente um clima estranho entre vocês duas, pergunte se fez algo errado, que gostaria de ser uma boa colega… enfim, bem humildezinha mesmo. Se isso não der abertura, releve. Mas se ela começar a te prejudicar (como aconteceu com uma amiga minha), fale com seu superior!

inveja-virtual

  • Fica bacana assim, com assuntos diversos né? Claro que vez ou outra aparecerá algum caso cabeludo sobre relacionamentos por aqui, desde que não seja aquela historinha de sempre… No mais, to curiosa com as dicas de segurança para mulheres que moram sozinhas!
Página 25 de 30« Primeira2324252627Última »