Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
17 out 2018, 82 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Ah hoje tem Chora! Vem ver:

Chora 01 – Regina

Oi Cony, tudo bom? Sou sua leitora há anos, adoro seu trabalho! Vamos lá: Tenho 29 anos, estou terminando meu doutorado e sou professora também. Estou em um relacionamento faz 9 anos (2 anos casada e sem filhos) com um homem muito bom, que sei que me ama e sempre fez de tudo por mim. Há um ano atrás nossa relação não estava boa, eu estava trabalhando muito e sempre estava muito cansada. E foi nessa época que descobri que meu marido me traiu (ficou com uma conhecida e ficaram de conversa por umas 3 semanas). No dia que descobri fiquei sem chão, nunca imaginei que ele iria fazer isso comigo, conversamos muito, e decidimos continuar juntos, pois nos amávamos e temos uma história muito bacana, além de que construímos uma vida juntos do zero (temos 2 cachorros, casa e carro próprios,  uma vida financeira bem estável e minha família ama ele). Enfim, depois deste acontecimento, nosso relacionamento melhorou muito, porém a umas 3 semanas atrás um homem  que eu conheço (casado e que eu sempre achei muito atraente) começou a puxar papo comigo e começamos a conversar. A partir disso me senti viva sabe, com um desejo que não sentia há algum tempo, um sentimento de liberdade que gostei. Sei que estávamos errado o tempo todo, eu e ele casados, nunca iria dar certo. Meu marido começou a desconfiar e contei sobre isso e ele ficou muito chateado. Decidi não falar mais com o cara, somente quando for para algo profissional, porém sinto uma falta de conversar com ele, uma saudade boa. E agora fico na incerteza se está correto eu continuar neste casamento, por mais que eu ame meu marido, sei que ele me ama e faz tudo por mim, tenho estabilidade ao lado dele.. mas as vezes me pego pensando nesta liberdade que senti, e foi uma sensação muito boa e agora não sei o que fazer, pois não quero machucar meu marido e também não quero  tomar nenhuma atitude que eu possa me arrepender depois. Agradeço por me ouvirem.

 

É o capeta te tentando. Ó, seguinte, vai da sua maturidade e do seu amor pelo seu marido. EU, EUZINHA, acho que já deu uma boa desestabilizada no seu casamento, eu jamais teria contado pro meu marido que fiquei interessada em outro. PRA QUE? Se não tinha a intenção de separar, é de bom senso engolir o choro, passar por cima do que está errado, tomar sozinha a atitude de se afastar do outro e continuar a vida da maneira correta. Achei desnecessária a parte de contar pro seu marido ainda mais que foi uma coisa que não passou de conversa (foi isso né? ou chegou a trair real?) e já que a vida de vocês dois estava boa e você perdoou a traição dele. É até crueldade. Porém, será que você perdoou a traição dele mesmo? Será que você não quer dar o troco? Mas enfim, ÓBVIO que o novo, o desconhecido, o diferente chama a atenção e empolga. Dá frio na barriga, é interessante, é desafiador e agora volto no início do meu texto: vai da sua maturidade e amor pelo seu marido. Vale a pena trocar o certo pelo duvidoso? Se você REALMENTE ama seu marido, vale a pena trocar por uma sensação de liberdade??? Acho que é isso que você tem que avaliar, se realmente está feliz no casamento ou não. Eu, do fuuuundo do coração, acho que você não perdoou a traição dele e quer dar o troco ou então sentir o que ele sentiu quando te traiu.

 

 

Chora 02 – Vera

Oi, Cony!

Estou escrevendo esse Chora, pq há um tempo foi publicado um que me ajudou demaaaaaaaaaais, imensamente meeeesmo! Tipo, quase mudou minha vida rsrs…foi sobre infecção urinária de repetição. Eu sofria com esse problema, tinha uma atrás da outra, já tinha tomado antibiótico milhões de vezes e nada. O Chora daquele dia me trouxe TANTAS dicas e me ajudou demais. Já faz quase 8 meses que não tenho mais e isso é inédito na minha vida adulta rs! Agradeço demais a vc e as meninas leitoras que participaram!
O problema é que a maldita candidíase, que sempre aparecia junto com a infecção de urina, permanece…
Eu não sei mais o que fazer…já fiz mil tratamentos, remédios contínuos, remédios naturais, iogurte, tudo que achei por aí eu tentei, mas a danada ainda tá aqui! Vira e mexe ela aparece…por fim eu já tô me sentindo até suja por ter isso…tomo tantos cuidados e sempre me aparece esse corrimento chato, essa ardência…pra namorar então é um inferno…
Enfim, queria ajuda das leitoras pra ver se alguém da um help aqui e me salva! Muito obrigada por esse espaço! Vc é incrível! Já me sinto sua amiga hahahahahaha Muito sucesso pra vc sempre e um beijão!
Olha que bacana saber que conseguiu se livrar da infecção urinária graças aos conselhos do Chora! Fico muito feliz! Sobre a candidíase, não sei te ajudar além do básico que os médicos indicam para quando ela aparece de vez em quando, agora crônica assim não sei como faz! Alguem ajuda?

 

 

Chora 03 – Maitê

Olá Cony, tudo bem? Primeiramente quero dizer que adoro o seu blog, entro quase todos os dias desde os primórdios!! O meu Chora é uma tremenda bola de neve em que me meti, mas vou tentar resumir a história e ver se alguém me aconselha com alguma solução.

Tenho 35 anos, comecei a namorar meu marido no ano de 2001, fomos morar juntos em 2005, casamos em 2007, mesmo ano de nascimento do nosso 1º bebê. Em 2010 veio o 2º, e em 2017 o 3° – esse totalmente por acidente, mas isso é outra história!

Enfim, estamos juntos há 17 anos, temos nossos altos e baixos como todo mundo, mas mesmo depois de tanto tempo ainda sou muito apaixonada, sinto que ele também é, nos damos super bem apesar da correria maluca do dia-a-dia, e com 3 filhos as responsabilidades são enormes em todos os sentidos! E mesmo ambos trabalhando freneticamente temos conseguido nos virar! Ufa!

Porééém (sempre tem um porém rs), em 2016 nosso filho do meio teve um grave problema de saúde, precisou fazer 4 cirurgias em um período de 3 meses, foi muito sofrido e nós quase o perdemos… mas graças a Deus no fim deu tudo certo! A confusão é que nesse período, meu marido, que já não estava em um bom lugar psicologicamente falando, ficou severamente depressivo. Pra explicar: ele havia sido demitido uns 2 anos antes, e por não conseguir recolocação no mercado estava trabalhando como motorista de app, porém com a renda muito diminuída em comparação ao emprego anterior, e isso o fazia se sentir muito desmotivado, a auto estima dele foi para o chão, ele se auto depreciava demais pela situação financeira estar ficando apertada, mas ainda assim estávamos pagando aluguel, escola, supermercado, etc… mais apertados que o costume mas ok.

Daí que quando nosso filho passou pelos problemas de saúde, acordamos que eu, que trabalhava em escritório, trabalharia durante o dia e ele ficava no hospital, e a noite eu ia para o hospital pra ficar com nosso filhote (foram meses insanos, que na verdade não produzi nada no trabalho, mas a empresa nunca poderá me acusar de não ter tentado! E de qualquer forma na situação que nos encontrávamos sair do emprego não era uma opção). E daí que a situação financeira que já estava comprometida degringolou de vez, com ele sem trabalhar pra ficar no hospital! E então eu parei de pagar as mensalidades da escola, esperando essa fase passar, mas não contei nada ao marido que na época não estava nada bem com a história de grana… sempre fui uma otimista e só conseguia pensar que depois que o pesadelo de hospital acabasse eu iria encontrar uma forma de resolver a questão! O problema é que, depois de 2 anos ainda não consegui pagar as mensalidades atrasadas, as crianças já não estudam mais lá, e o meu marido NUNCA soube dessa dívida! Eu não contei pra ele na ocasião, pensando em protege-lo e só fui me enrolando cada vez mais. Só que agora estou sendo quase processada, e acho que contar depois de tanto tempo vai fazer mais mal do que bem, afinal conhecendo-o tão bem imagino que ele vai SURTAR! Pela minha mentira, pela minha falta de confiança nele, de que ele poderia fazer algo na ocasião, enfim… pensando em poupá-lo de algo que o estava machucando tanto eu me ferrei de verde e amarelo, e agora que preciso da ajuda dele tenho medo de contar justamente por eu achar que essa mentira vai deixa-lo desapontadíssimo. Só que também não to aguentando mais passar tudo isso sozinha (eu sei que me meti nessa sozinha! Assumo total responsabilidade, mas a carga psicológica ta pesada). A minha pergunta é: conto pra ele? Continuo não contando e tentando resolver? Isso está me CONSUMINDO! Alguém já passou algo parecido? O que fariam no meu lugar?

Conta. Conta conta conta conta logo. Um dia ele vai descobrir e vai ser MUITO pior. Respira fundo, medita antes, e vai de coração aberto contar pra ele o que aconteceu. Sério, não vejo outra saída. Mesmo se alguem pagar a divida pra você, ele tem que saber. Como te disse, um dia ele vai descobrir tudo! Mentira tem perna curta e tenho certeza que vai ser muito melhor você abrir o jogo e falar de todos os motivos que te levaram a fazer isso do que deixar ele descobrir sozinho e pensar qualquer coisa. O que você fez, por mais “errado” que seja, foi por um motivo nobre e acho que ele vai entender isso. Talvez não num primeiro momento mas vai entender. As vezes a reação dele seja de compreensão e você se surpreenda! Não omita mais isso para ele. Você merece tirar isso do peito e ele merece saber. Conta. Ou mandar ele ler este chora. Vai dar tudo certo, te garanto.

  • Choras AINDA fechados!
Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
11 out 2018, 41 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Ontem fiquei o dia todo em SP e não consegui postar, mas hoje temos Chora!

Chora 01 – Itaim

Oi Cony! Como quase todas que te escrevem, sou só fãzoca de carteirinha, leio há anos e não largo por nada o Fufu.

Meu chora não é nada extremamente dramático, mas queria uma opiniões, pois possuo zero experiência nesse quesito. Tenho 22 anos,  sou advogada recém-formada, me mudei pra capital do meu estado pra trabalhar num escritório em uma área que gosto muito, tudo certinho. Faz umas semanas conheci um moço muito querido, tem seus 26 anos, profissão, trabalha e tem suas coisas. A questão é: ele demorou uns dias pra me contar, mas tem um filho de 2 anos! Segundo ele, foi caso de uma noite só, e ficou sabendo um ano atrás que o filho era dele, disse que mantém boa relação com a mãe da criança, etc. O menino é uma graça e ele é muito apegado, pega toda a semana, cuida e tudo mais. 

Pois bem, eu gosto dele, mesmo, nos damos super bem, só que tenho medo de não segurar essa barra de ser “madrasta” tão jovem. Sofri na pele o que uma madrasta enciumada é capaz, e jurei pra mim mesma não repetir essa história. Só que eu tô sozinha aqui na cidade, quero estar sempre com ele, mas ele é pai, né. É muita responsa, tem mais alguém pra pensar nessa história. Tenho receio de não ter jogo de cintura pra lidar com a situação. Vale a pena investir num relacionamento com alguém que tem filho pequeno na minha idade? Pode dar certo? Devo tentar me aproximar da criança? Ou devo cortar o mal pela raiz e me envolver em alguém livre, leve e solto? 

Beijos, obrigada pela oportunidade. 

 

Menina que que tem a ver o cara ter um filho??? Me assustaria se tivesse um filho e fosse negligente, não cuidasse do menino, não comparecesse… Mas justamente o fato dele ser paizão e tão novo, acho que só conta ponto a favor. Deixa de neura, seja madura. Um cara livre, leve e solto não é sinônimo de cara bacana ou que será melhor do que um que tem filho. ÓBVIO que você deve tentar se aproximar da criança, não crie barreiras. Seja legal com eles.

 

 

Chora 02 – Jardins

Oi Cony, tudo bom? Antes de mais nada, saiba que te acompanho há décadas e adoro tudo. Então…

Escrevo aqui pois acredito fortemente nessa rede de apoio que o seu blog proporciona entre as leitoras. E eu preciso de uma luz de vocês, que são super sinceras.
Estou em um relacionamento há muitos anos e já passamos por várias fases, namoramos 5 anos, eu terminei e depois de alguns meses reatamos, e desde então já se passaram mais 8 anos. O ponto dessa relação que sempre lutei contra foi em relação ao baixo astral e certa tristeza que ele sempre carregou e eu como ‘copo meio cheio’ sempre tentava e reclamava disso com ele. Passa 70% do tempo de mau humor, sempre falta alguma coisa, sempre tem uma sombra obscura pairando sobre a cabeça dele (não é depressão). Nisso o tempo foi passando e fomos vivendo, mas no fundo eu sempre senti que ele tinha algum problema em relação a mim, no começo do namoro se alguém dissesse que ele tinha sorte de ter conhecido uma pessoa como eu, ao invés de ficar feliz ele ficava chateado afinal ninguém havia falado que eu é quem tinha sorte em tê-lo (ele mesmo me dizia isso) e por ai vai. Ele nunca realmente vibrou com as minhas conquistas da forma que eu esperava, em certas situações as minhas amigas pareciam ficar mais felizes por mim do que ele, tudo isso de forma sutil aqui e ali no passar dos anos. Recentemente encontrei um curso de pós que realmente fiquei super animada em fazer, ele precisou viajar para resolver algumas coisas e quando voltou eu fui contar toda animada, ele ficou com cara emburrada, disse que estava passando por um momento difícil e por isso teve aquela reação (ele foi desligado da empresa em que trabalha, mas ainda assim não acho que seja motivo para não ficar feliz por mim, afinal desde que aconteceu isso eu super coloco ele pra cima, de que é um bom profissional e logo vai aparecer algo, para fazer alguns cursos enquanto isso, fazer coisas que antes não podia…). Depois disso, eu não sei explicar, mas parece que acendeu, ou melhor, apagou uma luz em mim, parei para pensar em todas as situações parecidas que aconteceram, desabafei com ele disse que não sabia se queria mais a gente, essas coisas. Ele mudou, está todo gentil comigo. E eu estou numa confusão interna que nunca passei, eu já conversei com amigas e nem com elas eu consigo chegar em um veredito, às vezes penso que não quero assumir que acabou, que não gosto mais, em outros momentos penso que isso é apenas uma fase, sei lá, exotérica que estou passando… Não sei o que fazer, na verdade estou toda confusa em relação aos meus sentimentos. Faço planos futuros na minha cabeça sozinha, seguindo minha vida, me imaginando em outros relacionamentos (ninguém específico). Pareço louca, eu sei, mas como eu sei se gosto ainda dele ou não?

 

Caramba, parece eu escrevendo alguns (vários) anos atrás. Sei EXATAMENTE o que você está passando. Eu sempre fui copo meio cheio (engraçado aparecer isso aqui no Chora agora, porque é uma coisa que tenho falando muito ultimamente), sempre fui meio Poliana (quem é mais velha sabe o que estou falando rs), e tento ver o lado bom das coisas. Também sempre fui de ficar feliz por coisas pequenas, de aproveitar, de curtir e tive um relacionamento que meu ex era a pessoa mais emburrada e triste do mundo. Tudo tava ruim, tudo faltava algo, e isso me deixava muito triste. As vezes eu tinha que segurar minha felicidade porque sabia que ele não iria “acompanhar” minha vibe e sei o quanto isso é ruim e angustiante. Lembro da primeira vez que fui pra NY que era meu sonho (fui sozinha) e quando voltei toda animada e cheia de fotos, ele nem quis ver, nem deu bola e isso me doeu até o dia que terminamos. Ainda mais eu sendo canceriana, guardo cada pequena mágoa e no final vira um magoãozão. Olha só, eu vendo de fora e sendo uma pessoa que já passou por isso, não vejo muito futuro. Ok que no meu caso teve agravantes (traição) mas sendo bem sincera, essa parte do baixo astral, da cara fechada, me incomodava todo santo dia. Esse tipo de pessoa acaba com nossa energia, a gente fica triste também, se poda e perde o brilho. Pensa com carinho em você, no que te faz feliz mas já te adianto: se você já faz planos para você sozinha, se se imagina em outros relacionamentos, miga, seu namoro já era. Vai pra vida LOGO e não perca mais tempo. Conselho de quem já passou por isso.

 

 

Chora 03 – Moema

Ei Cony, sempre leio os choras e todas as outras postagens no blog, nunca tive muito problema para me relacionar, mas em 2014 engravidei e casei com meu namorado de 3 anos, não deu certo e não quero entrar nesse assunto porque não sinto nada por ele.
Hoje tenho 25 anos, em 2015 eu tive minha filha, fui para o meu apartamento quando ela fez 3 meses (antes estava na casa da minha mãe) e toquei a vida, estava na faculdade de Direito, me formei esse ano, hoje trabalho e faço pós graduação, mas o que me incomoda é que nesses 3 anos e meio nunca consegui refazer minha vida amorosa, eu saio de vez em quando sozinha, saio toda semana com amigos ou com a família e minha filha junto, conheço pessoas novas, mas parece que sempre que começo a falar da minha filha ou explico que eu estou todos os dias com ela e não vou largar nas costas dos outros para ficar em rock os homens correm, não sei se é coisa da minha cabeça, mas são 3 anos e meio sozinha! Eu sinto falta de ter uma companhia, de namorar, além disso todos os meus amigos e primos namoram ou são casado, então sempre saio com vários casais e eu e minha filha, queria uma dica sua e também das mamães solteiras que te seguem.

 

PRA QUÊ dar a real e falar pros boys que não vai largar a filha com os outros ou fica falando dela??? PRA QUE??? Isso que você tá fazendo é sim algo que assusta os homens! Não estou falando que você não deva dar atenção a sua filha, mas certas coisas a gente não precisa dizer e escancarar de cara, deixa acontecer, deixa as pessoas te conhecerem primeiro, deixa ELAS sacarem que você é assim. Tem coisas que não precisam ser ditas e isso vale pra MUITA coisa. Exemplo, eu sou chata (extremamente sistemática e tenho meus momentos mimizentos) e viajo muito… coisas que não precisam ser ditas nos primeiro encontros. Às vezes minhas “vantagens” são maiores e a pessoa vai ficar pelas qualidade mas se eu falar dos meus “defeitos” antes, nem darei a chance de alguém se aproximar mais. Novamente, não tô falando que sua filha é defeito, pelamor, nem se compara com algo menor, tô falando que tem coisas que não precisam ser ditas num primeiro momento. Deixa acontecer, deixa rolar, deixa que te conheçam ANTES. Imagina o contrario: pensa você conhecendo um cara que logo no início te diz “tenho um filho estou todos os dias com ele e não vou largar ele com outras pessoas pra sair”, o que isso quer dizer? O que você entenderia? “Ele não terá tempo para mim e nem atenção ou prioridade em alguns momentos”. Óbvio, até eu sairia fora.

 

 

  • Choras ainda fechados! Caixa de mail cheia de choronas!
Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
03 out 2018, 47 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!!

Gente como a semana passou rápido. Já é quarta de novo. Vem chorar.

Chora 01 – Terra

Oi Cony, tudo bem? Acompanho há muitos anos seu blog que para mim é o melhor. Preciso de ajuda e sei que posso contar com sua resposta sincera. Não lembro de ver nenhum chora como o meu. Minhas amigas falam sempre que tenho a vida que elas queriam: casei aos 20 anos com um marido carinhoso e prestativo, tenho dois filhos lindos, sou formada e concursada na minha área, enfim, tenho o que muitas consideram o ideal de vida. O porém é que me sinto infeliz. Parece que lutei tanto! Sofri tanto para conseguir o que tenho, foram tantas noites em claro estudando e me sinto cansada para tentar ser feliz. Minha libido está zero mesmo meu marido fazendo de tudo para que eu me sinta bem. Nas festas parece ter só adolescente e me sinto deslocada. Planejar viagem tem sido estressante pois parece que tudo é igual a locais que já fui antes. O ápice foi conseguir uma bolsa de mestrado na minha área e me sentir ao mesmo tempo cansada de estudar e frustada por pensar em desistir de uma vaga tão cobiçada. Por fim, estamos com um projeto grande no meu trabalho que demanda muito esforço meu. Não sei o que fazer e me sinto culpada por não me sentir agradecida pelo que tenho. Preciso muito de ajuda sobre o que fazer pra me sentir bem e feliz.

Mentalize gratidão. Já pensou se amanhã você acordasse sem nada disso? Já pensou se estivesse desempregada, mãe solteira e com dois filhos pra criar? Já pensou se algum filho seu não fosse saudável? Já pensou se seu marido te traísse, te enganasse? Já pensou se você tivesse algum acidente e te deixasse incapaz de trabalhar? Pois é, quanta tragédia né? O exercício diário da GRATIDÃO é transformador. Sinta-se abençoada por ter tanta coisa maravilhosa na sua vida. Aprenda a ver a vida como uma dádiva, olhe pros seus filhos e agradeça eles serem perfeitos e saudáveis, olhe pro seu marido e agradeça ter um homem ao seu lado que te apoia, acorde feliz para trabalhar, afinal você ACORDOU e tem O QUE FAZER. Seja grata. Se isso não fizer efeito, vá fazer trabalho voluntário numa comunidade, ou num hospital com doentes terminais. Isso pode ser algum tipo de depressão também. Vi uma reportagem esses dias do Alok, aquele DJ gato e mega famoso, que estava com depressão. Ele tinha tudo: dinheiro, sucesso, beleza, amor mas se sentia triste. Pois bem, ele foi pra África e lá teve esse choque de realidade ao conhecer uma senhorinha cega, de 90 anos, passando necessidade e… agradecida pela vida. Enfim, assista a reportagem, tá aqui o LINK.

Chora 02 – Sol

Oi, Cony. Toda vez que vejo um “Chora aberto” tenho vontade de escrever, mas sempre deixo pra lá. Acho que hoje é o momento…

Tenho 31 anos, sou solteira (já fui noiva de um relacionamento de 10 anos que terminei 1 semana antes de irmos morar junto), tenho emprego estável, pago todas as minhas contas, moro sozinha… A vida anda bem dentro dos conformes, sabendo que a gente sempre pensa que poderia estar melhor, né?!

Mas meu grande problema é minha relação com minha família. Vivo um relacionamento abusivo, no sentido psicológico, com meu padastro há anos e não consigo cortar as amarras. Meus pais se separaram quando eu tinha 2 anos, minha mãe logo se envolveu com meu padastro e eles estão juntos até hoje. Não é a toa que eu o chamo de pai. Entretanto, nossa relação é totalmente conturbada. Minha criação foi altamente machista, fui podada de várias coisas, ele teve problemas com álcool e drogas e eu sempre fui a válvula de escape dele para todas as frustrações. De tudo de errado que ele fazia, a culpa sempre acabava caindo pra mim. E nessas caídas, vinham muitos xingamentos, terror psicológico, dias sem nos falarmos… E você deve estar se perguntando porque eu ainda me relaciono com ele, né?! Porque eu cresci com ele e minha mãe dizendo que meu pai biológico não prestava, que ele me abandonou e que tudo o que eu sou hoje eu devo ao meu padrasto, que cuidou de mim, me acolheu, pagou meus estudos…. E nisso, eu sinto que tenho uma dívida de gratidão com ele e não consigo fazer nenhum movimento de me afastar porque me sinto culpada achando que eu vou estar sendo ingrata.

No meio disso tudo, está a minha mãe, que é totalmente manipulada por ele, que vive um relacionamento abusivo com ele (no caso dela, já viveu todas as etapas desse tipo de relacionamento) e que prefere se omitir a tudo que é relacionado a mim para não criar problemas com ele.

Faço terapia há alguns anos, mas sinto que não avanço muito nessa questão. Consegui me librar de todas as amarras que me impediam de ser uma mulher livre, mas não consigo superar essa etapa. Me sinto frustrada por me deixar ser manipulada a essa altura da vida, mas não sei o que fazer para cortar o ciclo. Conversar não adianta. Já falei como eu me sinto para os dois e tive o mesmo retorno, que estava me vitimizando.

Queria ouvir das leitoras se alguém já passou por algo parecido e como conseguiu “resolver”. Muito obrigada pelo espaço. Pulei a parte de que te adoro, só sigo o seu blog e queria ser sua amiga porque é clichê. Bjos.

Tenso, iria te indicar terapia mas vi que você já faz e a anos né?? Olha, não entendo muito mas sempre que aparecem uns casos assim por aqui, as meninas recomendam Constelação Familiar. Eu nunca fiz, sou um pouco cética (tenho que ser sincera rs), mas confesso que tenho curiosidade pois muita gente diz que resolveu a vida fazendo constelação. Você já tentou? Acho que no seu caso já não cabe mais muita conversa, a angústia tá em você, o problema a ser resolvido está em você e você sabe disso. O negócio é saber COMO se livrar disso. Passo a bola para as leitoras que já passaram por algo assim!

Chora 03 – Lua

Olá Cony! Primeiramente quero agradecer por este espaço incrível, a troca no chora é maravilhosa!

Meu chora é o seguinte: Sou casada há 12 anos e nos últimos anos tenho tido muitos conflitos com meu marido, mas o que mais me incomoda e o fato dele não confiar em mim. Sim eu errei, mas ele não consegue perdoar e isso tem feito muito mal pra gente. Meu erro foi numa viagem, fui a uma festa de final de ano da empresa que trabalho, que foi em outro estado. Fui com o pessoal do meu trabalho e estendi o final de semana. Sem contar para meu esposo programei com um amigo e duas amigas (que trabalham comigo) de ir p uma outra cidade. Reservamos uma pousada e passamos o final de semana, cada um ficou num quarto, não aconteceu nada entre nenhum de nós. Chegando da viagem contei tudo pra ele, mas ele não acredita que não aconteceu nada! E uma coisa, não contei, porque desde o início ele ficou implicando pelo fato de ser uma festa em outro estado. Agora eu não posso almoçar fora, ir para o shopping com uma amiga, fazer um curso a noite, jantar com as amigas, qualquer confraternização… tudo ele implica. Sei que errei de não ter falado que ir p outro lugar c alguns amigos, mas já acho demais essa desconfiança toda! Já tentei conversar, mas só faz com que a gente brigue mais ainda! Ele é uma boa pessoa, mas é muito cabeça dura, só pelo fato de eu querer sair com amiga, já acha que quero ter vida de solteira! Será que pode me ajudar? Bjs

HUMMMMMMMMMM VAMOS POR PARTES. Por que ele iria implicar de ser uma festa em outro estado? Não existe confiança entre vocês? E que ideia é essa de estender o final de semana sem contar nada? Já sabia que ele tinha achado ruim de ter a festa, ainda foi arrumar mais encrenca? Tudo seria tranquilo e na paz se desde um principio existisse confiança e jogo aberto. Rolaria festa, rolaria final de semana com os amigos, mas tudo isso às claras. Claro que ele ficou desconfiado. Pense a situação contrária: ele indo pra uma festa em outro estado, você já cismada dele ir, e ele ainda fica mais dias com 2 amigos e uma amiga. Pirou né? Pois é, falta de transparência e novamente, de confiança dá nisso. Mesmo que não tenha acontecido nada – que serei bem sincerona, não sei se acredito muito – dá margem pra pensar em qualquer outra coisa. Se você já falou, falou, falou, e nada surtiu efeito e ele continua desconfiando, dá um tempo. Sério, sai de casa. Fala com ele: “Seguinte, não aconteceu nada naquele final de semana, errei em não ter te contado mas foi justamente por você desconfiar de mim que fiz isso. Mas se você não confia em mim para nada, não acho sensato continuar uma relação assim. Não é saudável.” Joga essa carta, MAS seja firme e se ausente por um tempo pra ele pensar se continua ou não. Eu acho insustentável um relacionamento sem confiança.

 

  • Choras FECHADOS! Caixa de mail cheia. Vamos responder essa leva e abro novamente ok?