16
Feb 2018
Chora Que Eu Te Escuto – Versão Aniston
Chora Que Eu Te Escuto

Uma moça chamada Jennifer Aniston, que concordou em ter seu nome publicado, me mandou um chora. Que na verdade não sei se é chora ou sorria. Na verdade, li a historia dela, e optei por relatar em duas partes. Um Chora e um Sorria, vocês escolhem qual comentar.

Chora – Jennifer

Olá Cony, tudo bem? Adoro o Futilish e te sigo desde o Comprey no Ebay. Vou te contar o que acontece comigo e queria sua opinião e das meninas. Me chamo Jennifer, tenho 49 anos mas não aparento a idade. Sou bem conservada! Gosto de me cuidar muito, faço yoga, tenho alimentação saudável, cuido bem da minha pele. Tenho algumas amigas, todas muito divertidas e bem sucedidas. Você já deve ter ouvido falar sobre a Sheryl (Crow), a Courtney (Cox) e a Chelsea né? São mulheres fortes e empoderadas. Eu também sou bem sucedida… tenho uma carreira de sucesso, reconhecida, apesar de as vezes sentir que fiquei presa no tempo por causa de um trabalho que fiz anos atrás e que todo mundo gostava. Mas tudo bem, foi esse trabalho que me impulsionou a ser tão reconhecida. Não posso reclamar. As vezes penso em voltar a fazer o mesmo job, mas não sei se seria legal. As pessoas que trabalhavam comigo também tem essa dúvida. Claro que alguns estão bem melhores que os outros, mas é complicado juntar todo mundo né? Enfim, esse é assunto para outro chora, o de hoje tem a ver com minha atual situação sentimental.

Vou voltar um pouco no tempo. Em 2000 me casei com um cara que eu amava muito. Ele era lindo (ainda é, mas digamos que o tempo passa para todos né? rs), cobiçado, famoso, divertido. Ele estava no auge da fama, beleza, juventude e eu também. Éramos o par perfeito. Todos nos viam como o casal dos sonhos. Jovens, lindos, com dinheiro. Sim, essa era nossa vida. Eu sentia que aquele amor seria eterno, apesar de termos alguns objetivos diferentes mas enfim, com o tempo eu achei que tudo se ajeitaria e o que tínhamos era mais forte que qualquer diferença de opinião.

Um belo dia ele foi convidado para fazer um trabalho. Nisso tínhamos cerca de 4 anos de casamento. O trabalho dele era ok, apenas mais um, mas algo me dizia que eu tinha que abrir os olhos. Tinha uma moça que a principio eu não ligava muito mas começou a me incomodar. Ela é muito bonita e tinha uma fama, digamos, bem liberal quanto aos seus relacionamentos. Tudo bem, eu confiava no meu marido mas algumas coisas não estavam bem claras. Começamos a ter problemas até que um ano depois nos separamos. E adivinha??? Pouco tempo depois ele começou a namorar com a moça do trabalho.

Meu mundo caiu. Fiquei muito triste e tive que lidar com as pessoas tendo pena de mim pois afinal eu aparecia como a mulher traída e que foi trocada por outra, talvez mais bonita, mais sexy, mas isso não me importava. Também começaram a falar muito de mim, que eu era a chata, que eu não queria ter filhos e que ele queria e por isso procurou outra. Enfim, sofri muito e me senti muito mal em ver o meu relacionamento na boca de todo mundo e cheio de especulações.

Tentei namorar outros caras, alguns bem interessantes mas nada ia pra frente até encontrar meu último namorado, uns 6 anos depois da minha separação, e acabei me casando com ele. Um cara bacana, também do meu meio profissional, muito bonito, educado, centrado. Enquanto isso, tive que lidar com o ex, que casou com a colega de trabalho e teve 6 filhos! Sim, 6 filhos! Claro que isso me incomodava um pouco, ainda mais porque as pessoas continuaram associando minha imagem a dele. Meu segundo casamento foi bom, tivemos momentos muito felizes, compramos uma casa linda, decoramos ela toda, éramos felizes nós dois e nosso cachorro, mas infelizmente, esse casamento também não deu certo, viramos amigos e não existia mais a relação homem/mulher. Nos separamos no final do ano passado porém desta vez sem muito alarde nem especulações. Continuamos amigos mas confesso que estou triste. O que será que acontece comigo? Por que não consigo alguém para a “vida toda”? Agora, depois que me separei, muita gente quer que eu volte com meu primeiro marido, acham que somos o casal perfeito, ele até me pediu desculpas pelo que me fez passar mas não consigo pensar nisso ainda.  Soube que ele estava bebendo muito, tem a ex mulher, os 6 filhos e sabe como é né… a confiança acabou. Estou cansada de ser a coitadinha, a que não consegue um amor firme, a problemática, a “tão bonita e rica mas tão azarada no amor”. Não sei como sair dessa situação e nem sei porque minha vida sentimental dá tão errado, me ajuda por favor.

Sorria – Jennifer

Olá Cony, tudo bem? Adoro o Futilish e te sigo desde o Comprey no Ebay. Vou te contar o que acontece comigo e queria sua opinião e das meninas. Me chamo Jennifer, tenho 49 anos mas não aparento a idade. Sou bem conservada! Gosto de me cuidar muito, faço yoga, tenho alimentação saudável, cuido bem da minha pele. Tenho algumas amigas, todas muito divertidas e bem sucedidas. Você já deve ter ouvido falar sobre a Sheryl (Crow), a Courtney (Cox) e a Chelsea né? São mulheres fortes e empoderadas. Eu também sou bem sucedida… tenho uma carreira de sucesso, reconhecida, apesar de as vezes sentir que fiquei presa no tempo por causa de um trabalho que fiz anos atrás e que todo mundo gostava. Mas tudo bem, foi esse trabalho que me impulsionou a ser tão reconhecida. Não posso reclamar. As vezes penso em voltar a fazer o mesmo job, mas não sei se seria legal. As pessoas que trabalhavam comigo também tem essa dúvida. Claro que alguns estão bem melhores que os outros, mas é complicado juntar todo mundo né? Confesso que tenho sérias dúvidas de voltar a esse job. Passado é passado e fiquei tão marcada por isso que prefiro deixar pra trás mesmo.

Bom deixa te contar o que aconteceu. No ano 2000 me casei com um cara que eu amava muito. Ele era lindo (ainda é, mas digamos que o tempo passa para todos né? Inclusive tenho achado ele bem acabadinho ultimamente), cobiçado, famoso, divertido. Ele estava no auge da fama, beleza, juventude e eu também. Éramos o par perfeito. Todos nos viam como o casal dos sonhos. Jovens, lindos, com dinheiro. Sim, essa era nossa vida. Eu sentia que aquele amor seria eterno, apesar de termos alguns objetivos diferentes mas enfim, com o tempo eu achei que tudo se ajeitaria e o que tínhamos era mais forte que qualquer diferença de opinião.

Um belo dia ele foi convidado para fazer um trabalho. Nisso tínhamos cerca de 4 anos de casamento. O trabalho dele era ok, apenas mais um, mas algo me dizia que eu tinha que ficar esperta. Tinha uma mulher, que a principio eu não ligava muito, que começou a me incomodar. Ela é muito bonita e tinha uma fama, digamos, bem liberal quanto aos seus relacionamentos. Fiquei sabendo que ela até teve relações com o irmão dela, nesse nível! Mas vai saber se é verdade né? Tudo bem, eu confiava no meu marido mas algumas coisas não estavam claras. Começamos a ter problemas até que um ano depois nos separamos. E adivinha??? Pouco tempo depois ele começou a namorar a dito cuja!!!

Fiquei com ódio, sabia que ali tinha treta mas deixei a conta com o destino. Eu sabia que aquilo seria um carma para eles e eu não precisaria me preocupar. Fui viver minha vida. Trabalhei mais do que nunca, namorei MUITO! Conheci um monte de caras bacanas, lindos, e aproveitei cada um deles. Como TODO MUNDO fica sabendo o que eu faço (e isso é um saco), a cada término o povo achava que eu estava sofrendo, que eu era uma coitada. Ah deixei eles falarem o tanto que queriam, mal sabem que eu faço degustação e por isso não me prendo a ninguém que eu não ache 100% legal pra mim! Pra que me stressar? Tenho trabalho, condições, amigos maravilhosos, não tenho pressa com nada, apenas quero ser feliz e estar em paz comigo mesma. Até me questionavam pelo fato de eu não ter filhos ainda e achavam que isso era um peso para mim. Não posso engordar um pouco que já começam a falar que tô grávida. Acredita que tive que fazer uma carta falando sobre minha opção pra ver se o povo me deixa em paz? Vou mandar pra você o que escrevi.

Enfim, achei um cara bacana, namoramos um tempo, até casamos, mas a relação foi esfriando e viramos amigos, quase irmãos. Não é isso que quero, não estava feliz e resolvemos nos separar, numa boa. Gosto muito dele e continuamos amigos. Só que lá vem a galera de novo falando que sou azarada, coitada, que não dou certo com ninguém. Gente, dou certo sim! Tive dois casamentos e vários namoros, deu certo enquanto durou ué! E ainda ficam falando que eu deveria voltar pro meu ex, até ele veio falar comigo e pedir desculpas acredita?? Não quero nem saber, o tempo dele já foi, não me interessa mais. Até escuto o que ele fala, mas entra por um ouvido e sai pelo outro. Estou livre novamente, continuo linda, continuo boa no meu trabalho, cheia de amigos e não vou deixar me abalar por um casamento que não deu certo muito menos voltar pro embuste do meu ex.

Ah, deixa te mostrar a carta que escrevi quando me cobravam por não ser mãe.

“Vou começar dizendo que responder a fofocas é uma coisa que nunca fiz. Não gosto de alimentar esse negócio movido a mentiras, mas resolvi tomar parte em uma discussão mais ampla que já começou e precisa continuar. Como não estou nas redes sociais, decidi registrar meus pensamentos aqui por escrito.

Para que fique bem claro: não estou grávida. O que estou é de saco cheio. Estou de saco cheio da fiscalização de corpos e humilhação de pessoas que acontecem diariamente disfarçadas de “jornalismo”, “liberdade de expressão” e “notícias sobre celebridades”.

Todo dia meu marido e eu somos assediados por dezenas de fotógrafos agressivos que ficam postados diante de nossa casa e se prestam às façanhas mais chocantes para obter qualquer tipo de foto, mesmo que isso implique em nos colocar em perigo ou arriscar a segurança dos transeuntes azarados que porventura estejam por perto. Mas, deixando de lado o aspecto da segurança pública, quero falar da questão mais ampla do que esse ritual insano dos tabloides representa para todos nós.

Se para algumas pessoas aí fora eu sou algum tipo de símbolo, está claro que sou um exemplo da lente pela qual nós, como sociedade, enxergamos nossas mães, filhas, irmãs, esposas, amigas e colegas. A objetificação e a atenção minuciosa à qual submetemos as mulheres é absurda e perturbadora. O modo como sou retratada pela mídia é um simples reflexo de como enxergamos e retratamos as mulheres em geral, avaliando-as em comparação com algum padrão deturpado de beleza. Às vezes os padrões culturais só precisam de uma perspectiva diferente para que possamos identificá-los como o que realmente são: uma aceitação coletiva; uma concordância subconsciente. Somos nós que mandamos em nossa concordância. As garotinhas em toda parte absorvem nossa concordância com esses padrões, quer seja passiva ou não. E esse processo começa muito cedo. A mensagem é que as meninas não são bonitinhas a não ser que sejam magérrimas, que elas não são merecedoras de nossa atenção se não tiverem cara de supermodelo ou de uma atriz de capa de revista, e isso é algo que todos nós estamos reforçando conscientemente. Esse condicionamento é uma coisa que as meninas então levam para a idade adulta. Usamos as “notícias” sobre celebridades para perpetuar essa visão desumanizadora das mulheres, uma visão focada unicamente na aparência física, uma coisa que os tabloides convertem em um placar esportivo feito de especulações. Será que ela está grávida? Será que anda comendo demais? Ela ficou desleixada, deixou de se cuidar? Será que o casamento dela anda mal, já que a câmera detectou alguma “imperfeição” física?

Antigamente eu dizia que os tabloides são como gibis, algo que não é para ser levado a sério, tipo uma novela que as pessoas acompanham quando precisam de uma distração. Mas não posso mais pensar assim, porque a realidade é que a perseguição e objetificação que eu venho sofrendo em primeira mão há décadas refletem o cálculo deturpado que fazemos do valor de uma mulher.

Este último mês, em especial, deixou muito claro para mim até que ponto definimos o valor de uma mulher a partir de seu status conjugal e maternal. O dinheiro e os recursos que estão sendo gastos pela imprensa simplesmente para tentar descobrir se estou ou não grávida (pela enésima vez… mas que diferença faz?) mostram como está sendo perpetuada essa ideia de que as mulheres são de alguma maneira incompletas, mal sucedidas ou infelizes se não forem casadas e não tiverem filhos. Durante este último ciclo entediante de notícias sobre minha vida pessoal ocorreram chacinas, incêndios florestais, decisões importantíssimas da Suprema Corte, uma campanha eleitoral presidencial e um sem-número de questões muito mais dignas de virar notícias, coisas com os quais os supostos “jornalistas” poderiam se ocupar.

O que penso sobre esse assunto é o seguinte: somos completas com ou sem parceiro, com ou sem filhos. Quando se trata de nossos corpos, nós, mulheres, podemos decidir por nós mesmas o que é belo ou não. Essa decisão cabe a nós e a mais ninguém. Vamos tomar essa decisão por nós mesmas e pelo bem das mulheres jovens deste mundo que nos têm como exemplos. Vamos tomar essa decisão de modo consciente, longe do barulho dos tabloides. Não precisamos ser casadas para sermos completas. Somos nós que temos que determinar nosso próprio “felizes para sempre”.

Já me cansei de fazer parte desta narrativa. Sim, pode ser que eu vire mãe algum dia, e, já que não estou escondendo nada, se isso acontecer, serei a primeira a contar a vocês todos. Mas não estou me esforçando para virar mãe porque eu me sinta incompleta de alguma maneira, como nossa cultura de notícias sobre celebridades quer fazer todo o mundo pensar. Fico revoltada quando tentam me fazer sentir que estou “valendo menos” porque meu corpo está mudando e/ou porque comi um hambúrguer no almoço e fui fotografada de um ângulo ruim e por isso alguém achou que eu estou grávida ou estou gorda. Sem falar no constrangimento de ser parabenizada por amigos, colegas de trabalho e desconhecidos por minha gravidez fictícia (às vezes dez vezes num único dia).

Com meus anos de experiência, já aprendi que as práticas dos tabloides não vão mudar, por perigosas sejam, pelo menos não no futuro próximo. O que pode, sim, mudar, é nossa consciência das mensagens nocivas ocultas dentro dessas reportagens aparentemente inofensivas que nos são apresentadas como sendo verdades e que moldam nossa visão de quem somos. Somos nós que temos que decidir até que ponto acreditamos no que nos é mostrado. Quem sabe algum dia os tabloides sejam obrigados a enxergar o mundo por uma ótica diferente, mais humanizada, porque os consumidores terão cansado de acreditar nas mentiras.”

  • Gente, não usei drogas e nem bebi. São apenas devaneios de uma mente criativa. E fã da Jen.
  • Chora fictício, elaborado com informações coletadas na midia,  porém a carta aberta foi realmente escrita por Jennifer Aniston. E ela arrasou nas palavras né?
  • AHHHH, CHORAS ABERTOS. Mandem seus casos. Reais por favor. 
07
Feb 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Choradeira Pré Carnaval? Temos sim!

Chora 01 – Olinda

Oi Cony, adoro seu blog, sempre estou conferindo os posts, mas hoje chegou meu dia de pedir ajuda.

Acho que esse assunto ainda não foi abordado diretamente, então vamos lá: namoro há quase 5 anos uma pessoa bacana, temos vários objetivos em comum, enfim, um namoro normal até que… até que há 1 ano mais ou menos ele foi diagnosticado com depressão e não tem vontade de fazer nada. Toma os remédios prescritos, mas não faz mais que isso. Ele já não quer mais viajar, sair pra jantar, encontrar família e amigos  etc. Às vezes eu faço esses programas sozinha, pois não quero deixar de viver por causa da doença de outra pessoa, porém, também não acho certo levar uma vida de solteira. Eu tento ajudar, mas não está dando certo. Fico me questionando se devo terminar ou não e, pior, e se eu terminar e ele fizer alguma besteira? Você/alguma leitora já passou por isso? Me ajudem por favor! Tô, muito confusa!

Imagino como você deve estar confusa, eu também estaria! A gente sabe que o “certo” seria ficar com a pessoa que amamos, cuidar, estar sempre ao lado, ajudar e tal, mas ao mesmo tempo é “injusto” abrir mão de uma vida onde não tem se tem problemas (de doença) para acompanhar alguém doente que não quer ser ajudado. São sentimentos encontrados, te entendo e não te julgo. Nunca passei por isso mas acho que também ficaria em dúvida do que fazer. Acredito que você já deve ter tentado de tudo… Será que não é o prazo dos remédios fazerem efeito??? Será que a medicação está adequada? Porque se ele está tratando a depressão, deveria ter uma melhora do quadro. Várias meninas já comentaram aqui no blog que tem essa doença e várias lidam “bem” com ela. Enfim, se alguém estiver passando por isso ou se ja passou por situação parecida, deixe seu comentário aqui pra Olinda!

Chora 02 – Salvador

Meu pai e minha mãe são separados a quase 8 anos. Nesses oito anos minha mãe já teve alguns namorados, um deles já morou com a gente por dois anos, acabou não dando certo, e eu disse que não aceitaria mais nenhum homem dentro de casa, enquanto a gente morar nessa casa, porque é uma casa muito pequena, sem muito conforto, temos dois quartos e mora eu minha mãe e irmã e cada um precisa de privacidade. Minha mãe é aposentada e no momento está sem trabalhar, então a renda dela diminuiu muito. O discurso dela é: eu mando aqui, eu sou maior de idade, pago minhas contas e não aceita nenhum conselho de ninguém, pra ela todo mundo está errado e só quer se meter na vida dela (minha mãe é formada, mas parece que não quer crescer na vida, se acomodou, principalmente depois da separação,. poderíamos estar muito melhor financeiramente se não fosse a separação). Até que a seis meses atrás, ela conheceu um homem, músico mas que está sem trabalhar regularmente, só vive de bicos, e ele tem problemas com a família dele por conta de herança da mãe e não tem casa própria (ele tem 50 anos e 3 filhos), então ele está esperando a divisão dos bens da mãe pra ficar com a casa. Por conta desses problemas, ele não quer mais ficar na casa da família e não sei se por convite da minha mãe ou ele que pediu, ele veio morar na nossa casa. A condição era: eu ficava no quarto que agora é da mãe, e eles iriam fechar uma parte da lavanderia pra fazer um quarto pra eles (a lavanderia é bem grande, antes era uma garagem). Só que você não tem noção o tanto de coisa que tinha nessa lavanderia, e está uma bagunça eu não sei onde iriam colocar todas essas coisas. Ontem cheguei em casa, vi essa bagunça e falei pros dois: Posso ser sincera? Mais uns seis meses vamos precisar procurar outro lugar, um lugar maior pra nós 4. Aqui é pequeno. Pronto, briga estava feita! Ele começou a arrumar as malas, e saiu de casa, dizendo que ele não tem dinheiro pra ajudar minha mãe, mas tem honra, porque ele não me fala nada porque está dentro da minha casa. Enfim, agora eu que fico de culpada e de ruim na história. Gostaria muito de saber o que falei de errado, em momento algum fui grossa, só nunca fui de conversar muito com ele, porque sabe a questão de quando o santo não bate? Foi assim desde o início, e você ir morar com um cara seis meses após conhecer e ele não trabalhar? isso pra mim é muita loucura, ainda mais quando se tem duas filhas em casa, eu tenho 21 anos (trabalho, faço faculdade, me viro) e minha irmã 12. Gostaria muito de morar sozinha, mas ainda não consigo me sustentar financeiramente. Eu penso que você deve estar com alguém que te impulsione a ser alguém melhor, te acrescente na vida, não alguém que te puxa pra baixo, não tem uma estabilidade, eles estão numa fase da vida que estabilidade, conforto é fundamental.
 
Cony, ou leitoras, alguém já passou por isso? O que preciso fazer/falar? Vocês concordam que uma casa com 5 cômodos é pequena pra 4 pessoas morarem? Estou com muitas dúvidas
Desde já obrigada!

Sua mãe está sendo uma bela de uma irresponsável! Como assim põe homem dentro de casa, homem que mal conhece, e com duas filhas, sendo uma de 12 anos apenas??? Ela tá é muito errada, esses caras podem fazer qualquer coisa com você e sua irmã!!! Nossa, tô revoltada. Ela tá é precisando de uma conversar muito séria, puxão de orelha mesmo, ela não mora sozinha e enquanto tiver as filhas dentro de casa tem que zelar por vocês. Sei lá, acho que em último caso seria bom você e sua irmã saírem de casa… Não tem como ir morar com seu pai? Uma avó? Algo assim??? O problema não é nem o tamanho da casa, mas sim o tanto que ela está expondo vocês a homens que ela mal conhece. Vejo que você virou mãe da sua mãe… tenta mais uma conversa com ela, de boa, tranquila, e mostra pra ela que ela pode ter os namorados que quiser, mas não levar pra dentro de casa (morar) principalmente por causa da sua irmã de 12 anos.

 

Caso 03 – Rio

Boa tarde, me perdoe os erros de português e/ou pontuação mas estou escrevendo pelo celular.
Não podia deixar de escrever sobre como o blog me ajudou e tem me ajudado principalmente nesse ano que acabou.
Para chegar a 2017 preciso antes contar um pouco da minha história. Tenho 32 anos, solteira, sem filhos, ótimo emprego, ótimo salário. Para muitos uma vida perfeita!! Aos 22 anos tive meu primeiro relacionamento serio! E eu me anulei por ele. Os primeiros dois anos foram ótimos, depois nos separados mas eu nunca aceitei. O procurava, fazia barracos, queria ele de volta. Aceitava as migalhas que ele me oferecia e isso durou 9 anos. Eu não aceitava o fim. E não aceitava me envolver com outra pessoa. Nesses 9 anos ele se envolveu c outras pessoas e eu continuei esperando ele voltar. Até que um dia eu conheci o blog. Comecei a segui-lo pelo Comprei no ebay, e comprei muitas coisas! Rs. Mas um dia li: Conversinhas sobre o fim. E foi libertador. Tudo que estava escrito ali era exatamente o que sentia. Doeu muito, mas me libertei. Comecei um novo relacionamento em 2016 queria dizer para vocês que estamos juntos até hoje. Que sou muito feliz mas novamente não deu certo. E ai a Cony posta: Resoluções para o findiano. Meu Deus era para mim que ela estava escrevendo. Não vou dizer que não sofri, sofri, chorei, quis morrer, todas aquelas fases de quando um relacionamento termina. Mas abri minhas asas e voei. Fiz as viagens mais loucas da minha vida, conquistei lindas e verdadeiras amizades, fui morar sozinha, mudei de cidade, me reinventei. Mas não vou mentir e dizer que estou a pessoa mais feliz do mundo, sinto falta de um relacionamento, sinto falta de um amor. Tenho medo do tempo que está passando. O 2 ex quis voltar, mas quando contei que conheci outras pessoas e me envolvi ele não aceitou. Me senti a pessoa mas suja do mundo pela maneira como ele tratou tudo isso, ( até exames ele pediu) mas acabou optando por voltar c a menina que tinha conhecido no período que ficamos separados, porque segundo ele, ela é mais do nível dele)na verdade ele não aceita muita coisa, principalmente o fato que eu ganhava mais que ele. Esse fato de ganhar bem e ser independente tem sido um problema na minha vida, pois ele e mais uns dois que conheci depois dele, não seguiram um relacionamento comigo com a mesma desculpa:  Que sou muito para eles.( Isso pq eles não tem ideia de quanto eu ganho e dos bens que tenho. O ex mesmo acha que ganha 1/3 do que realmente ganho) Mas sigo, acredito ainda que algo bom vai acontecer na minha vida e o amor vai chegar. Não tenho direito de reclamar da vida. Me espelho em você Cony na sua força e na leveza que leva a vida. Que venha 2018.

Sua gata maravilhoooooooosaaaaa! Como tá 2018??? Olha só, a palavra é LEVEZA! Quer um amor? Calma que ele virá… no momento que você estiver mais plena, mais tranquila, mais 100% você, ele vai aparecer. Sempre acontece quando a gente menos espera, tenha certeza disso! E sabe porque é quando a gente menos espera? Porque é nesse momento que estamos focadas apenas em nós, na nossa felicidade, no nosso bem estar. Lembre-se SEMPRE dessa regra: primeiro aprender a ser feliz sozinha, depois ser feliz a dois, porque se tudo der errado, você se basta e nada te abalará. E pra ter um amor quando a gente aprende a feliz sozinha, tem que ser de um cara MUITO FODA pra entrar na nossa vida e te transbordar. Completar não, porque completas já somos e temos que assimilar e entender isso. Nunca aceite ninguém que tire sua paz, que te diminua ou que te faça duvidar de você mesma. E outra coisa, homem fraco não serve pra mulher forte e esse último embuste (te pedir exames?? você que tinha que ter pedido pra ele!) só mostrou que realmente você não está no nível dele, está MUITO acima. Seja leve, foque em você que quando menos esperar, seu amor aparecerá. Rimou.

 

Sorria LINDO agora da Linda, vou chamar de LINDA!

Oi Cony, sua linda! Desejo tudo de bom para  você e para o seu blog! Que seu 2018 seja infinitamente melhor que o ano que se passou! <3

Esse chora é uma reflexão para a mulherada!

Aos 18 me casei com o meu primeiro namorado, casei virgem e feliz! Ele foi basicamente meu primeiro em tudo, e apesar das imaturidades a gente ia levando. Quando namorávamos eu já percebia algumas atitudes violentas nele, inclusive coisas que a família dele me contava. Ele era ex usuário de drogas, então existiam vários problemas aí.

Se passaram 4 anos de um casamento infernal. Cheio de agressão física e verbal.

Chegou um momento que eu realmente pensei que mulher apanhar do marido era normal…E que eu realmente era uma vagabunda, feia, gorda e burra. Minha auto estima chegou em um nível baixo demais e eu não fazia nada da minha vida, além de trabalhar e ser dona de casa (para receber reclamações ainda)Tentei conversar com a mãe dele, dizendo para conversar com ele, e a resposta que tive foi “ele sempre foi assim”…tentei levar o casamento sozinha e aí que foi meu maior erro.Se tivesse falado com a minha família antes, meus pais, minha irmã…com certeza teria sofrido menos.

Um dia eu ouvi da boca dele que precisava fechar os olhos para gozar enquanto transávamos….E aquilo foi o fim pra mim! Passei umas duas semanas chorando sem parar, e ainda de combo tivemos uma briga em que ele jogou meu celular na minha cara com toda força.

Peguei minhas coisas e saí de casa, pensando que ficaria sozinha. Engano meu! Minha família me recebeu de braços abertos e me surpreendo até hoje com meus pais. Os anos que se passaram foram difíceis, mas era libertador! Um relacionamento abusivo é extremamente complicado de sair, e mesmo saindo as consequências ainda ficam ali. Demorei muito tempo para voltar a me arrumar, para sair, e etc…Afinal, eu era uma DIVORCIADA COM 22 ANOS.

~segue o baile que vai melhorar~

Tive uma ajuda IMENSA da minha família, da igreja(sou evangélica) e de um amigo.

Éramos amigos há tempos e quando me separei, vieram MUITOS homens que eram amigos do meu ex marido, puxando conversa comigo, e isso me incomodava DEMAIS. Por isso esse amigo que chamarei de LOGAN (kk) era o único em que eu confiava. Ele só comentava sobre a minha separação quando eu falava primeiro e NUNCA deu em cima de mim. Era um verdadeiro amigo.

Fomos amigos por 5 anos até eu começar a gostar dele no segundo ano em que estava separada, até por que eu já o amava como pessoa. Para resumir, nós dois estávamos apaixonados mas tínhamos medo de namorar e perdermos nossa amizade. Até que um dia eu EUZINHA, falei para ele que gostava dele…e DESCOBRI QUE O BONITO ERA MALUCO POR MIM, haha Estamos juntos há um tempo já, e sinto que ele é aquilo que eu sempre procurei em alguém. Não quero que ele me faça feliz porque eu já estou feliz há muito tempo. Me sinto realizada, tirei minha carteira (carro e moto), estou fazendo faculdade…Vocês percebem a diferença?

A situação é bem simples meninas, principalmente vocês que namoram/moram junto…

NUNCA ACEITE UM RELACIONAMENTO ABUSIVO ME ENTENDERAM??

Vocês merecem muito mais, qualquer pessoa merece a liberdade de amar e ser amado COM RESPEITO. Toda a minha história teria sido diferente se eu tivesse terminado com ele, LÁ NO NAMORO quando descobri que ele já havia agredido a mãe e uma tia. Por favor meninas, percebo que a maioria dos chora’s aqui são sobre machos. Existem tantas coisas que podem ser evitadas viu? Não queiram mudar um macho, não queiram passar por toda uma situação para então PERCEBER que esse relacionamento não era para você. Se preservem meninas, preservem seus corações, não se deixem desgastar com esse tipo de relacionamento. Espero que todas vocês possam SE AMAR, fazer planos, viajar, pintar o cabelo de roxo, E SEGUIR A VIDA do jeito que vocês quiserem. Por que uma decepção amorosa não é o fim do mundo, é só um recomeço!

obs: meu namorado/amigo é 4 anos mais novo que eu kkk <3 (MAIS UMA DICA AQUI: NÃO DESCARTEM UMA PESSOA SÓ POR PADRÕES QUE A SOCIEDADE IMPÕE para um relacionamento ok?)

  • Me emocionei com o relato da Linda… e é verdade que a maioria dos casos que recebo aqui são de mulheres com a auto estima tão baixa que permite que os homens façam qualquer coisa com elas. Muitas estão CLARAMENTE em relacionamentos abusivos e não percebem isso! É muito triste ver que isso é muito mais normal do que se imagina. Quantas de nós temos aquela amiga que é traída pelo marido e sabe mas não separa, aquela que arruma milhões de desculpas para os abusos do namorado, aquela que aparece com um roxo no corpo e diz que “esbarrou na porta”, aquela que não pode usar uma determinada roupa porque o namorado não deixa, ou que não pode sair com as amigas por causa do ciúme do marido. Isso NÃO É NORMAL! Apanhar não é normal, ser traída não é normal, ser diminuída não é normal, ser manipulada não é normal! Se cuidem, leiam seus próprios textos antes de mandar pro Chora, vejam os absurdos que estão vivendo e achando que é “normal”. Não é. Normal é ser feliz, é ser amada, ser apoiada, ser querida, ser cuidada, ser tratada como rainha. E sim, ISSO EXISTE!
  • Ah, Choras abertos. Podem mandar mais. 
31
Jan 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Antes da choradeira, UM SORRIA LINDO!!!

Sorria 1 – Mulan

Oi Cony, hoje é um dos dias mais felizes da minha vida! E você esteve comigo em momentos tão tristes e tão felizes como hoje.

Em 2006 me casei com um rapaz que eu conheci no colégio e depois de quase 8 anos de casados, ele me pediu o divórcio. Nosso casamento ia muito bem! Estávamos tentando engravidar! Mas ele disse que conheceu uma pessoa no trabalho, ficou uns meses com ela até firmarem o relacionamento e quando firmaram, ele foi embora de casa. (Sim, me traiu enquanto tentávamos engravidar!)

Sofri MUITO e foi quando descobri seu blog, peguei sua playlist da felicidade, vi sua história, me inspirei em você e fui viver minha vida! Comecei uma faculdade, viajei, curti com as amigas, paquerei, curti minha família, enfim! Achei que o amor dava muita dor de cabeça e não era pra mim.

Passaram-se dois anos e conheci um rapaz recém separado (Ele casou, um mês depois se separou e logo em seguida, dois meses depois me conheceu). Fiquei receosa com ele, afinal, casou e separou em um mês e dois meses depois já estava comigo…Mas não tinha NENHUMA expectativa além de aproveitar o momento. E aprendi isso com você Cony! E cinco meses depois, estávamos morando juntos! A coisa aconteceu tão naturalmente que não sabemos ao certo quando e como tudo foi acontecendo. Simplesmente foi acontecendo. Um relacionamento leve, um companheirismo bem legal. Temos nossos defeitos sim, não somos perfeitos, mas acho que a palavra equilíbrio cabe muito bem aqui!

Ele tem um filho de 5 anos de um outro relacionamento que é o amor da nossa vida! E ele começou a me pedir uma irmãzinha e até dizia o nome dela. Realmente me cobrou durante um ano inteiro e eu mudava de assunto, afinal de contas, tentei engravidar durante cinco anos com acompanhamento médico e até em clínica de reprodução humana e não rolou e estou no último ano da faculdade, nem pensava nisso. Fora que meu atual está com as taxas de testosterona bem baixas e está começando tratamento, ou seja, chances mínimas mesmo de engravidar. Há dois meses atrás fui fazer uns exames de rotina e pá! Vi na ultrassonografia que estava grávida de três meses!!! Fiquei super preocupada pois eu e marido somos meio baladeiros…rs Então sem saber da gravidez, fui até pro Rock in Rio! Curtimos muito, pulamos horrores, pintei e alisei o cabelo, fomos pra balada, enfim…

Não enjoei, não engordei e minha menstruação sempre foi muito irregular e não estranhei o atraso, afinal, sempre atrasou.

Hoje estou com 5 meses de gravidez, descobrimos que a menininha que o irmãozinho tanto sonhou está a caminho! Uma princesinha pra coroar nosso segundo ano de “casamento”! Uma Baby Fufu!

GRATIDÃO CONY, por tudo o que você ensina a nós suas leitoras sobre amor próprio, sobre ser feliz consigo mesma, sobre ser feliz solteira ou acompanhada! Realmente tudo acontece quando a gente desencana, se ama, não espera nada de ninguém, só se cuida e vive o HOJE!

Agora é ANO NOVO, VIDA NOVA, literalmente!”

Choro agora ou daqui a pouco? QUE HISTÓRIA MAIS LINDA, e mais lindo ainda é saber que “estive aí” e te ajudei mesmo sem saber! Não existe melhor feedback pro meu trabalho que receber emails como o seu e saber que tô indo pro lado certo e sendo útil de alguma forma. Muita saúde pra sua bebezinha e muito mais amor pra sua família!!! Ah, e quem quiser ouvir a Playlist da Felicidade, já fiz três versões: versão 2014 AQUI, versão 2015 AQUI, versão 2017 AQUI.

Chora 02 – Kiara

Oi Cony, sou sua leitora há anos e sempre gostei muito do Chora e depois de um longo tempo conturbado, resolvi escrever aqui. Percebi que ultimamente estamos tendo bastantes Choras sobre sexo, mas não vi nenhum que abordasse exatamente o meu tema.

Tenho 25 anos e namoro há 8. Primeiro namorado, aquela coisa. Sempre tivemos um relacionamento morno, nada de extraordinário. Ano passado ele me pediu um tempo, eu falei que não, que terminaríamos e assim foi. Uns 4 meses depois ele veio me procurar e descobriu que a fila tinha andado. Eu estava ficando (há um mês) com outro cara que eu realmente gostava, não tinha pretensão de namorar. Mas aí um inferno começou, o ex vinha encher o saco, querendo voltar, eu também não sabia dar o não devido. Acabei “terminando” com o segundo cara e voltando pro ex, mesmo não gostando mais devido ao inferno que minha vida tinha se tornado, isso durante uns 10 meses. Sim, voltei “forçada”.

Enfim, já que tinha voltado eu estava disposta a tentar um bom relacionamento ou largar de vez. E as coisas fluíram, ele mudou, eu mudei, amadurecemos. Ele é uma pessoa boa, me incentiva, quer me ver bem. Vários problemas que tínhamos na primeira fase do namoro, não temos mais, até a sogra que antes nem me olhava, agora é praticamente minha melhor amiga. Só tem um problema, eu não sinto atração sexual por ele. A hora do sexo é um pesadelo. Ele diz ser louco por mim, mas eu não tenho mais vontade. Antes tinha muita, agora, nada. Eu já imaginei ser hormonal ou algo psicológico em relação ao sexo em geral, mas não é, é com ele. Outra coisa, eu sei que admiração conta muito para uma mulher e eu o admiro, a pessoa que ele se tornou, os ideias dele, é mesmo algo físico que me falta.

Eu não quero terminar. Temos um bom relacionamento, apoio recíproco, ele é meu melhor amigo, planos futuros, gostamos de estar na companhia um do outro. Eu amo ele e sinto que é uma pessoa que me acrescenta. Não quero ser dessas pessoas que desistem de um relacionamento por pouca coisa. Sei que o sexo é muito importante, porém não quero terminar só por isso. Ele me cobra isso, ele sente que eu sou distante em relação ao sexo. Queria saber se alguém sabe uma forma de melhorar isso?

Obrigada pela atenção!

Amiga você não gosta dele como seu “macho” (desculpe o termo), então não vai ter mais atração sexual mesmo. Você mesma se refere a ele como “melhor amigo” “companheiro”, que voltou forçada, até falou que o carinha que você teve enquanto estava terminada você gostava de VERDADE. Suas palavras.  Esse relacionamento passou por muito stress e no inconsciente isso fica guardado, mesmo que você ache que está resolvido, láaaaaaaa dentro ainda existe alguma magoa, algum rancor, alguma decepção que bloqueou seu desejo sexual. Claro que o problema não é com você, com sua libido, mas é no seu relacionamento com ELE. Eu acho sexo muito importante sim, não o principal mas digamos que ele faz parte da turminha dos principais: admiração, companheirismo e sexo. Se não quiser terminar e dar mais uma chance, tente uma terapia para ver se “desbloqueia” ou elimina essa mágoa antiga. Boa sorte. 

Chora 03 – Melody

Oi Cony, tudo bem? Confesso que é a segunda vez que vou te escrever. A primeira eu acabei apagando o email e deixei para lá. Bom, mas agora vamos lá. Eu namoro tem mais de 7 anos. Comecei a namorar com 19 anos e foi meu primeiro namoro sério. Sempre achei ele um príncipe, de família boa, com bom emprego. Acontece que nosso relacionamento sempre foi pautado na desconfiança. No início do namoro uma amiga minha viu meu namorado em uma festa, mas que não viu ele fazendo nada de mais. Só  que pra mim ele tinha falado pra  que ia dormir. Deixei passar. Ele pediu desculpas e tudo bem. A partir daí começou minhas inseguranças. Até seguia ele por aquele aplicativo no iphone e nisso descobria vários lugares que ele ia sem me contar. Eu sei, isso é péssimo, mas eu fazia isso. Sempre brigávamos, eu falava que uma amiga minha tinha visto, mas no final ficava tudo bem. Ele dizia que tinha bebido demais, que não tinha controle e acabava indo para essas festas.. Sempre perdoava. Até o dia que ele desconfiou e trocou a senha e eu parei de “seguir” ele. Nesse tempo nosso namoro ficou ótimo, já que o que ele falava eu acreditava.  Se passaram uns 3 anos.. Até que a pouco tempo atrás uma amiga disse que viu ele em uma festa. E o pior, dessa vez envolvia uma mulher, a qual eu sempre tive implicância (sempre achei essa menina pra frente e tinha ciúmes porque eles trabalhavam juntos e ela era bonita).Essa amiga não viu ele beijando, mas ele estava sozinho nessa festa com essa mulher, só os dois. Nesse dia eu tinha viajado pois no outro dia ia fazer uma prova para um processo seletivo de um emprego muito importante. Tinha pedido para ele não sair, porque ele sabia das minhas desconfianças e que isso iria me atrapalhar a dormir.. Ou seja, ele saiu mesmo assim.. ficamos terminados por 1 semana, mas acabei voltando. Acontece que de lá pra cá meu namoro está uma merda (desculpa a expressão). Não confio mais em nada, virei uma chata. Desconfio de tudo. Não sei se ele realmente ficou com aquela menina, ele nega..fala que estava em um bar (coisa que eu sabia) mas que ela acabou encontrando ele nesse bar e como ela já ia nessa festa(porque um amigo dela io tocar) e ele estava bebado, acabou indo. eles eram colegas de trabalho. às vezes penso que eles ficaram sim, as vezes penso que não. Nesse momento estou em casa, porque ele está em um barzinho com um amigo e com outro casal. Não me chamou. Disse que pensava que só iria homem, mas mesmo quando viu o casal não me chamou. Honestamente. Tenho até vergonha de conversar sobre esse assunto com outras pessoas, porque depois de todas as saídas escondidas, depois dessa saída com essa menina, não sei se estou perdendo meu tempo. É normal um homem mentir tanto assim e sair escondido? Às vezes até chego a pensar que a culpa é minha porque sou ciumenta, mas é demais pedir para ser honesto? Amo muito ele. Sinto que vou sofrer, mas já acho que está doentio da minha parte toda essa insegurança. Eu acho que ele gosta de mim. Não acho que ele é um cachorro. Às vezes até penso que ele não faz por mal em sair escondido.. ele sempre estava bebendo e acabava parando em outro lugar. Estou equivocada? To fazendo papel de trouxa? To cega de amor? Me ajuda!! Beijoss amo você e seu blog!

PARA TUDO PELAMORDEDEUS! Amiga, abre o olho! Como assim a desculpa oficial é “bebi e não sei onde fui parar”? Desculpa ser dura com você, mas ÓBVIO que ele já aprontou por aí! Mente muito, mente demais, suas amigas tentam te avisar e você continua cega!!!!! MENTIR NAO É NORMAL, SAIR ESCONDIDO NÃO É NORMAL. O amor tem que ser leve, gostoso, transparente, não esse poço de insegurança que você se tornou POR CAUSA DO COMPORTAMENTO DELE! Tá sendo trouxa sim, miga… Acorda, sai dessa, deixa ele pra lá, procura alguém que te valorize de verdade, que seja sincero e leal a você. Esse namoro seu não tá ok não, e ó… só tende a piorar pois quem inventa uma mentirinha (e ainda dá a desculpa mais esfarrapada ever) é bem capaz de inventar uma mentirona. E mais, se você tem vergonha de contar seu caso pros outros, por que será???? Porque sabe que tá tudo errado e ele não está sendo legal com você. E pode me escrever mais um mail, mas me contando que rodou a baiana e botou o moço pra correr. Não permita que continuem mentindo pra você. 

  • Choras ainda fechados! Falta pouco pra liberar!
Página 1 de 3212345Última »