20
Jun 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

É quarta feiraaaaa, é quarta feiraaaaaa! Dia de choradeira!

Chora 01 – Tiradentes

Cony, eu nunca vi esse assunto aqui então resolvi falar pra ver a opinião das leitoras.

Estou querendo muito parar de tomar a pílula anticoncepcional por saúde mesmo (Uma conhecida do meu marido teve um AVC e tudo complicou pelo uso de anticoncepcional e agora ela está na cadeira de rodas e depende de alguém para tudo que for fazer, ela era uma pessoa muito ativa, corria 15km por dia! Veja a reportagem que está ajudando ela LINK.

O anticoncepcional faz mal em vários aspectos, inclusive na libido. Eu gosto muito do fato de tomar pílula contínua e não menstruar, mas estou seriamente pensando em parar e fazer tabelinha.

Não adianta falar que é pra usar camisinha porque já tentei e isso não funciona (Sou casada, já tentei fazer isso, já tentei por DIU, já tentei usar adesivo e vários outros métodos) tenho consciência de que é um risco que estou assumindo, já que a camisinha previne doenças, mas eu acho que a camisinha super corta o clima e além disso sou alérgica.

Então estou querendo fazer tabelinha, já estudei sobre e parece ser algo simples, e tem aplicativos para ajudar. Porééém e o medo de engravidar mesmo assim?
Tenho uma filha de 8 anos e ela nasceu com uma má formação, algo simples que não afetou o desenvolvimento dela, mas afeta o psicológico e não gostaria de ter outro filho com o mesmo problema (Não por não querer um filho como ela, porque ela é incrível, mas pelo sofrimento que ela já passou, passa e ainda vai passar). E pensando bem eu não quero mais ter filhos. Mas o médico me nega fazer a laqueadura e eu compreendo os motivos. Às vezes me arrependo de não ter tido um filho logo depois dela, para fazerem companhia um para o outro e porque é bom ter irmãos! Imagina, ela não vai ter sobrinhos. Mas há essa altura eu não tenho a menor condição financeira para ter outro filho. Sou católica e a igreja sempre prega freneticamente que a pílula é abortiva e quem toma pílula está com certeza abortando em algum mês de uso da cartela de pílula.

Já briguei com todos falando que não podemos pensar com a cabeça tão fechada assim, porque muitas mulheres precisam da pílula e não podemos superpopulacionar o mundo do jeito que está, o mundo está horrível! Não podemos colocar crianças no mundo pra sofrer. Há diversas situações, pais que não tem condições financeiras e por temor a Deus não se previnem e os filhos acabam passando dificuldades. E na boa, Deus não tá de olho nisso não. Mas o que quero dizer com essa parte da religião é que quando fui casar participei de um curso que ensinava diversos métodos contraceptivos naturais, a tabelinha, a temperatura, billings, dia standart… Queria saber se alguma leitora faz uso desses métodos e como têm sido. O que considero mais fácil é o da tabelinha. Mas preciso fazer de um jeito que eu não engravide de jeito nenhum, rs As explicações que eu vejo (Inclusive já falei com o médico ginecologista) são vagas. Obrigada Cony!!! Quando vc veio aqui, não pude ir, não consegui sair do trabalho, tive que fazer hora extra até no final de semana, meu coração ficou partido! Espero que volte logo!

Já falei sobre pílula aqui sim, inclusive que não tomo de jeito nenhum e parei justamente por achar um veneno a longo prazo. São inúmeros casos de trombose, AVC, tanta coisa que parei há anos. Eu acredito que é uma bomba relógio que faz muito mal ao corpo: eu era cheia de celulite, cheia de vasinho nas pernas, ZERO libido, muita dor de cabeça. Ok que a pele fica boa, mas acho que isso é muito pequeno se comparar com o mal que me fazia. Parei, optei pelo DIU de cobre (nem Mirena eu quis, digamos que zerei meu corpo de hormônios) mas também tirei o DIU porque meu fluxo era surreal de intenso e demorado. Enfim, tabelinha amiga. Aliás, você não deu certo com DIU de cobre? Uso um aplicativo e tá tudo certo até o momento. A gente aprende a entender nosso corpo e sentir o que está acontecendo. A vida sem anticoncepcional é OUTRA! Quando faço exames, os médicos sempre “elogiam” meus níveis de testosterona (para uma mulher, claro) e isso que não suplemento com nada. Eu apoio DEMAIS largar a pílula e usar outros métodos! Ah, eu uso o app P.C. o ícone dele é rosa com uma flor branca. Acho ótimo!

Chora 02 – Diamantina

Oi Cony, Sou mais uma fiél seguidora e ja tive um chora publicado tem alguns anos.  Desculpe a falta de acentos Eu moro em outro pais e namoro um rapaz desse pais. Estamos juntos tem 8 meses e recentemente ele me levou para conhecer a familia dele, foi tudo lindo, maravilhoso. Eu gosto muito dele, mas ele é uma pessoa muito difícil. Ele é muito caseiro, passamos o inverno dentro de casa, o que não acho ruim, pois o frio estava insuportàvel. Agora esta calor, eu quero sair e aproveitar, ja ele, nao quer fazer nada. Os programas que temos feito é supermercado, uma volta no shopping e às vezes uma caminhada no parque, mas ele não me impede de sair. Eu sempre estou saindo com meus amigos, me divertindo e às vezes ele vem junto. O problema é que sinto falta de parceria por parte dele, e ele é uma pessoa muito fechada, n fala dos sentimentos nunca e esse escudo também me atrapalha, pois n consigo me entregar 100% na relação. Eu como boa latina, adoro abraçar, andar de mãos dadas…Ele é bem na dele, mas volta e meia ele me da um abraço em publico, ou um beijinho. Ele so me diz que ta passando por uma fase dificil e que isso vai passar. Desconfio que ele esteja meio deprimido, mas ele n se abre por completo entao nao sei se é isso. Esse comportamento me tras muita insegurança. Parece que ele é um chato contando assim, mas ele sempe me faz rir, me conta piada, me elogia, me ajuda em tudo que preciso. E quando estamos so nos dois, ele é muito carinhoso e um fofo.  E o melhor de tudo, ele fala muitas linguas, inclusive português, e isso ajuda muito, pois ele não se sente deslocado quando esta com meus amigos brasileiros. Queria pedir dica das leitoras que namoram gringos e como quebrar a barreira cultural e parar de ficar insegura.

Eu como gringa que namoro um brasileiro HAHAHAH mentira, sou mais brasileira que muita gente. Desculpa mas não sei como te ajudar, deixo o espaço para leitoras que já namoraram gringos!

Não achei quote mas achei essa matéria e morri de rir! LINK

Chora 03 – Ouro Preto

Oi, Cony! Já te acompanho há uns 6 anos e amo o seu trabalho!! Obrigada por abrir esse espaço para as suas leitoras! Bom, conheci meu namorado no Happn. Apesar de ser mais novo do que eu (eu tenho 25 e ele 22), dei like e começamos a conversar. Tivemos muito papo! Ele é um cara muito doce, inteligente e engraçado.

Descobri no segundo encontro que ele era virgem, e acabei tirando a virgindade dele. Achei curioso ele ainda ser virgem com essa idade, mas ele disse que nunca rolou. Ele teve uma namorada antes de mim, com quem namorou 1 mês, e com quem posteriormente eu descobri que também foi a primeira pessoa com quem ele ficou. Já estávamos saindo há cerca de 1 mês quando ele propôs de dormirmos juntos um dia e eu topei. Vi ele mandando mensagem pra avisar a mãe, e Cony, só vi de relance a mãe dele surtando no WhatsApp. Peguei a seguinte frase “que menina é essa que vc mal conhece e já vai dormir com vc?” Não conversamos sobre isso no dia, e continuamos nos envolvendo cada vez mais. Dois meses depois nós começamos a namorar. Fui entendendo então algumas coisas. A família dele é extremamente católica e acredita que sexo é só depois do casamento, ele é filho único, eles são de uma zona rural aqui da minha cidade e tem uma mente bem fechada. O pai e mãe não dormem mais juntos há 7 anos mas não podem se separar devido a religião. Meu namorado era diferente disso tudo, mas eu confesso que fiquei com pé atrás pela família.

Enfim, conheci todo mundo, todos me trataram super bem, mas eu sabia que no backstage não era bem isso que rolava. Às vezes meu namorado vinha me ver meio cabisbaixo, dizendo não saber o motivo e eu ia cavucando aos pouquinhos e descobríamos (no plural, porque ele dizia não ter se dado conta) que a mãe ficou alfinetando ele o dia todo com relação a mim. Indiretamente eu já fui chamada de piranha, interesseira e preguiçosa. Detalhe: eu sou formada, já me sustento, e ganho bem na minha área!

Eu ignorava tudo isso e seguia na política de boa vizinhança. Meu namorado foi forçando algumas coisas ao longo do tempo, como poder vir dormir na minha casa às vezes e eu dormir na dele. Acontece que qualquer coisa que ele queria fazer comigo era uma batalha na casa dele. Além da questão religiosa, a mãe parece que coloca ele no lugar do marido. Tudo o que o pai não faz em casa ela pede pra ele fazer. Até aí ok.

Começo desse ano foi o estopim: fui a casa dele para irmos na casa dos tios para um almoço. O pai dele não me cumprimentava nunca, e eu procurava não forçar a barra. Dava sempre oi, bom dia e boa noite, acenava, mas não esperava aperto de mão/abraço/beijo no rosto e nem mesmo resposta. Nesse dia agi da mesma maneira de sempre, o cumprimentando de longe. Passou um tempinho e a mãe dele veio me puxar para um abraço de ano novo (pois não tínhamos nos visto antes), e eu retribui. Meu namorado me chamou e eu fui ajudá-lo. Voltei e os pais dele estavam de portas fechadas gritando em polonês (eles têm essa descendência).

Fui esperar meu namorado no carro querendo dar privacidade pra eles pois achei que era uma briga entre os dois (isso era muito comum!) e meu namorado chega falando que eles estavam discutindo por minha causa! Que a mãe achou que eu havia sido muito mal educada por ter felicitado apenas ela e não o pai. Aquilo tirou meu chão pq eu nunca seria mal educada intencionalmente, ainda mais sabendo o quanto eles não gostavam de mim. Foi um lapso, sabe? Nem tinha me tocado do fato de não termos nos visto depois do ano novo e nem me sentia a vontade para tentar forçar um abraço no pai dele que mal me olhava na cara. Me senti muito humilhada esse dia e fui embora. Fiquei mais brava ainda pois meu namorado nem estava junto na hora da situação, mas defendeu os pais.

Terminamos, e alguns dias depois eu fui atrás. Ele estava super frio, parecia outra pessoa, como se tivesse passado por uma lavagem cerebral. Chorei, implorei, expliquei o que tinha acontecido. Ele quis que eu falasse no viva voz pra mãe dele que tudo não tinha passado de um mal entendido e assim eu fiz. A mãe dele ouviu muda as minhas desculpas. Voltamos a namorar, só que desde essa situação em janeiro eu não quis mais frequentar a casa dele.

Aí chegamos ao principal: ele faz pilates duas vezes por semana com a mãe dele, ele tem uma empresa e ela trabalha junto com ele todos os dias, os dois almoçam juntos só eles todos os dias e tomam café da tarde juntos todos os dias. Agora que eu não frequento mais lá, chega final de semana e o que ele quer fazer? Ficar em casa com a mãe, fazer coisas com a mãe.

Eu não me acho alguém grudenta, pelo contrário, sou muito independente. Mas acho que uma coisa seria ele querer espaço pra sair com amigos, outra é ele querer passar mais tempo com alguém com quem ele já faz tudo! E outra, ele só pode vir me ver no meio da semana (mesmo estudando quase ao lado da minha casa), quando inventa desculpas para a mãe do tipo “tenho que comprar XX que fica na Rua da casa dela”. Me sinto um pouco no Ensino Médio, com alguém que não tem muita autonomia.

Começamos a brigar por isso pois eu estava sentindo que estava mendigando atenção. Faz uma semana que terminamos por telefone pq ele não quis me ver pessoalmente (pois sempre que brigamos e depois nos vemos, costumamos fazer as pazes! Ele diz que me vê e fica mais calmo, raciocina melhor). Falou que achava que iria se arrepender mas que talvez fosse melhor assim pois eu estava errada e o deixava preso ao ficar chateada quando ele deixava de passar um final de semana comigo para ficar com a mãe.

Gente, isso acabou comigo. Será que estou pedindo demais? Queria viver um relacionamento saudável e maduro e não acho essa relação que ele tem com os pais normal. Sinto que ele não tem autonomia pra nada e que a mãe o manipula para não ficarmos juntos.

Me deem uma luz meninas! Eu sou o tipo de pessoas que não hesita em pedir desculpas se estiver errada, mas infelizmente não sinto que é o caso. Porém, eu o amo muito, e tirando essa questão com a família, não brigávamos por nada! Nos damos muito bem em todos os aspectos!

Miga corre. Some desse povo maluco. Parece coisa de novela. Acho essa relação familiar dele BEM estranha e se tem uma coisa que aprendi na minha vida é que família e criação são muito importantes no desenvolvimento da pessoa. Se não tem família equilibrada e tem relação esquisita com a mãe, a chance de ser TRETA é altíssima! Ainda mais quando tem comportamento esquisito com mãe, seja pra mais ou pra menos. Homens são MUITO influenciados por elas e se tem algum tipo de problema ou conduta diferente, pode saber que isso vai aparecer no seu relacionamento. Eu fugiria. Engoliria o amor e pularia fora o quanto antes.

Chora 04 – Congonhas

Oi Cony, acompanho seu trabalho a um bom tempo e cheguei em um momento que só vc pode me ajudar. Tenho um relacionamento há quase oito meses. Pra titulo de informação ele é meu chefe mas depois de muito relutar decidimos que era hora de apostar nesse relacionamento porque nos gostamos muito, antes só ficavamos. O problema começa aí. Ele já foi casado duas vezes e começamos a ficar um tempo depois dessa segunda separação. Ele tem uma filha de 11 anos, do primeiro casamento. Estamos juntos quase todos os dias, no trabalho todos já sabem, ele recentemente fez uma festa surpresa pra mim de aniversario e muitos dos convidados eram do ambiente de trabalho. Ele também já conhece meus pais, meus irmãos, inclusive já fizemos viagens juntos com a minha família. A questão é a trava dele com relação a família dele. Não conheço ninguém. Nem os amigos, nem a filha, nada. Nas minhas redes sociais tem fotos nossas mas nas dele, nada.

Hoje tivemos uma briga feia por eu ter colocado no facebook que estamos em um relacionamento sério sem ter perguntado a ele antes se poderia.

Ele diz que a filha dele não sabe ainda do relacionamento e que apesar dela não ter facebook alguém pode dizer a ela.

Mas antes, a desculpa era a ex, ele dizia que preferia poupa-la de sofrimento. Eles terminaram pq ele deixou de gostar dela. Isso 3 meses antes da gente começar algo. Agora, a desculpa é a filha. Ele ainda disse que não quer expor relação na rede social. Já com a ex, era todo dia uma foto e uma declaração.

Um tempo atrás sentei pra conversar com ele e pedi que abrisse um espaço na vida dele pra mim, me apresentasse aos pais, aos amigos, já que a filha ele preferia manter distante por um tempo, mas nada aconteceu Cony.

Estou a ponto de terminar, porque acredito que ele quer, por algum motivo, ou alguém, me esconder dos outros que não fazem parte do nosso circulo próximo, com o trabalho e segundo porque me sinto numa relação em que eu tenho que me submeter as necessidades dele quando as minhas ficam em segundo plano, afinal, ja conversei pedi e demonstrei minha insatisfação em ficar tão afastada dessa parte da vida dele. Não sei o que fazer.

 

Cilada detected. Obviamente tem alguma coisa aí. Se ele estivesse 100% livre, desimpedido, resolvido, não teria problema nenhum em você ser apresentada para a família dele ou mesmo conhecer a filha. Acho 8 meses um tempo considerável e relacionamento é reciprocidade, inclusive em assuntos familiares. Ele já foi apresentado para sua família, nada mais justo – AND NORMAL – que você também já conheça a família dele. Quanto a por relacionamento no Facebook, também acho bobagem, mas o que me chama a atenção é o fato dele querer ESCONDER isso. Uma coisa é dar piti por achar besta por status em rede social, OUTRA COISA BEM DIFERENTE, é dar piti para esconder de alguém. Sei não. Eu observaria mais, pesquisaria mais, iria mais fundo nessa historia de ex. Pode ser várias coisas: ou ainda tem algo com a ex, ou a família dele idolatra a ex e uma nova namorada seria uma afronta, ou tem mais de uma namorada ou sei lá. As vezes também nem é nada e é bobagem dele, medinho masculino de assumir algo, de qualquer maneira, EU ficaria de olhos bem abertos!

 

 

  • Choras ainda suspensos! Perceberam que dei uma acelerada? Tô postando de 4 em 4 hein. COMENTEM!!! Beijos.
14
Jun 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Dia de Choradeira no Fufu! O que temos?

Chora 01 – Angélica

Oi Cony!

Já acompanho o blog tem muito tempo e inclusive participei do Chora há uns anos atrás pedindo conselhos sobre minha carreira… Mas desta vez queria mesmo era abrir meu coração.

Vou tentar contar de forma resumida…. Acontece que nunca consegui namorar com ninguém, muito menos ir em um encontro ou coisa do tipo, e isso chegou em um ponto que passou a me incomodar de verdade. Antes eu tentava não pensar muito nisso, só que cada vez mais tenho refletido pra tentar entender se existe um jeito de mudar isso.

O problema é que sempre me interessei por diversos caras e me apaixonei pra valer ao longo dos anos, mas nunca foi recíproco. Eu sempre acaba sendo rejeitada e isso aconteceu repetidas vezes. Muito raramente algum homem se interessava por mim, o suficiente para contar na mão quantos foram, e por não estar acostumada com isso e ser muito desligada, eu só ia perceber muito tempo depois que deram em cima de mim. Conclusão… Com isso tudo acabei ficando sozinha.

Isso e outras coisas que foram acontecendo com o passar dos anos mexeram muito como a minha auto-estima. Ver todas as minhas amigas namorando, menos eu…  Ouvir  de “amigos” e até mesmo de parentes próximos que se eu fizesse uma plástica pra mudar o nariz e colocar silicone nos seios, ou se eu entrasse na academia e ganhasse mais corpo, eu ficaria bonita e quem sabe aí eu arrumaria um namorado. Claro que “conselhos” desse tipo também não ajudaram em nada, porque fizeram parecer que eu realmente não era boa o suficiente como eu sou, e fizeram com que eu me sentisse ainda pior.

Então depois dessa série de rejeições e com uma auto-estima não lá muito boa, basicamente coloquei na cabeça que isso de ter um relacionamento era impossível pra alguém como eu, e que nenhum homem vai querer sair comigo. Ao ponto de quando as pessoas perguntam se eu tenho namorado, eu achar a ideia no mínimo sem sentido e bem absurda.

Agora estou morando fora do Brasil, e antes de vir minha mãe e algumas amigas falaram “tomara que você conheça algum cara legal lá”, “espero que você arrume um namorado gringo” e por aí vai. Eu claro, rechacei completamente essa ideia. Apesar de que no fundo eu tinha uma pontinha de esperança de que em outro lugar, com pessoas diferentes, as coisas fossem mudar, mas no fim elas elas continuam na mesma. Mesmo aqui do outro lado do Atlântico nenhum cara se interessa por mim, continuo sozinha e eu estou cada vez mais incomodada com essa situação toda. Queria realmente estar errada, sabe? Que não fosse algo fora da minha realidade ter um encontro, conhecer alguém legal que gostasse de mim também… Só que realmente não parece possível.

Queria conselhos de como mudar e sair dessa situação, porque não sei bem o que fazer. Obrigada por abrir um espaço para gente desabafar e pelos conselhos sempre sinceros. 😉

Olha só, quando a mesma situação se repete, se é algo constante na sua vida, mudando as pessoas, os lugares e continua acontecendo, pode saber que o fato causador de tal situação, é você. Algo que você faz, bloqueia a aproximação alheia. Ou ainda, ela pode até existir e você não percebe. Antes de procurar externamente, você tem que procurar internamente, se conhecer, se gostar, se cuidar, se mimar. Seja a pessoa que você gostaria de conhecer!!!! E não se feche, não se sinta derrotada sem ao menos ter tentado lutar. Acho que uma terapia iria bem viu, alguém que te ajude a vasculhar dentro de você e descobrir o porque desse “isolamento” afetivo.

 

 

Chora 02 – Mara

Acho que a minha questão nunca foi abordada nos Choras: gravidez solo!

Tenho quase 39 anos, estou terminando de pagar a minha casa, tenho um emprego estável, um vida confortável.. Até ano passado tinha certeza de que não queria ter filhos, mas de repente algo mudou… Hoje, quero muito! A questão é que sou solteira. Sem nenhuma perspectiva de relacionamento, o último que tive, se é que posso chamar assim, foi com um cara casado, durou dois anos e acabou ano passado quando resolvi que queria engravidar. Não cheguei a falar do assunto, simplesmente me afastei. Até porque era uma situação bem incomum na minha vida (um inferno, pra ser bem realista). Nunca fui de assumir relacionamentos sérios e ando desanimada até de tentar conhecer pessoas novas. Por outro lado, gostaria muito de ter um filho numa família estável. Mas, isso parece bem longe da minha realidade e a idade está chegando. E iria um tempo entre conhecer alguém, estabelecer um relacionamento e engravidar. Sem contar que boa parte dos homens disponíveis da minha faixa etária não querem mais filhos porque já tem de casamentos anteriores. Tenho pensado muito na possibilidade de fazer uma fertilização in vitro… Mas, não sei como seria isso no futuro… Se não iria ter cobranças por parte da criança sobre essa opção, porque, às vezes, me parece que estou escolhendo não dar um pai para ela. Por outro lado, também penso que posso estar abrindo mão da possibilidade de ser mãe. Tenho medo de ficar esperando as condições perfeitas e deixar passar a oportunidade…

Hum… complicado hein? Hoje em dia é bem comum a maternidade tardia, BEM tardia se comparada a antigamente. Muitas mulheres pensam primeiro na carreira e só depois em filhos. Eu te aconselharia a congelar óvulos e dar um tempo, a vida é tão louca, tudo acontece tão de repente, que é bem capaz de você fazer fertilização in vitro, achar o homem da sua vida no dia seguinte e bolar sua cabeça. Calma. Congele óvulos e espere um pouco. Não sei quanto tempo mais. Mas se a vontade de ser mãe for maior que tudo, já coloca o plano pra funcionar e encara uma FIV!

Chora 03 – Dani

Vamos ao meu caso. Vou resumir. Namorei 9 anos, terminei (término difícil que eu achei que ia morrer), pouco depois conheci uma pessoa incrível e sensacional que aguentou o meu pior lado. Na fase em questão eu estava vida louca de tudo e ele me amou sabendo do meu passado tão presente e encarou a fase louca da vida. Eis que viver as vezes é a arte do imprevisto. Meu querido tio foi diagnosticado com câncer no início de 2017. Minha família é doida, mas ninguém falta e todos sentem essas coisas e fazem o melhor. Então a doença dele melhorar muito a família e o meu lado farra sumiu. Eis então que estão outro tio, que tem esquizofrenia aparece com um câncer na bexiga tb, mas o dele foi resolvido com cirurgia. Então para completar minha vo aparece com câncer de mama em estado avançado. O câncer da minha vó acabou comigo e eu não quero ser pra ser a Dani baladinha, pq eu quero ficar tranquila. Curtindo esse fim de vida e sei lá.  Paralelo a isso fui promovida em uma nova área que não posso muito me dar o luxo de sofrer. Não que eu não saiba separa as coisas, mas acho essa do convívio diário e não saber das pessoas muito estranho.
Enfim, mas a verdade é a vida está um pouco pesada sabe?eu e meu namorado trAbalhamos na mesma empresa e Tem tantos amigos de golo que da preguiça. Eu sou a caseira, que gosta de dormir. Estou com dificuldades pra conciliar todas as coisas.

Não entendi nada. Se alguem entendeu, por favor responda porque não achei o X da questão.

Chora 04 – Eliana

Oi, Cony!

Preciso dizer que TO TÃO FELIZ QUE VC REABRIU OS CHORAS! Menina, preciso dizer que te sigo por aí há uns bons 8 anos, viu? Seu blog é sensacional e eu acho o máximo a sua postura realista das coisas. Pois bem, acabei de ler o chora fictício da Jen e pensei na minha história.

Eu não tenho 49 anos e nem sou milionária e acabei de me separar, calma. Vamos lá! Tenho 27 anos, sou bancária e atualmente faço mestrado na área que eu fiz a graduação, e, diga-se de passagem, sou apaixonada por tudo isso. Até aí tudo ótimo, né, vida profissional tá ‘sob controle’. Pode melhorar, mas já to resolvendo isso, hahhaha.
O PROBLEMA É: relationship.
Eu namorei pela primeira vez na vida com 15 anos, fiquei 3.5 anos com esse meu primeiro namorado e a gente tinha planos de casamento e tudo mais. Mas aí eu entrei na faculdade, mudei de cidade (sou do interior e vim cursar na capital) e, como meu ex é quase 8 anos mais velho que eu, eu pensei: rapaz, eu ainda tenho mta experiência pra viver que ele já viveu. Eu QUERO viver tudo isso. Pois bem, terminamos.
Foi um chororô (por parte dele e da minha mãe, que me chamou de coração
gelado à época, graças a Deus eu não fico com ninguém pra satisfazer só à pessoa ou pra deixar alguém feliz. Se eu não to feliz na relação eu racho fora). Eu fiquei foi ótima depois do término. Hoje somos amigos, mas naquela época foi um pouco complicado por que eu terminei ‘do nada’. Eu me incomodava com algumas coisas, mas tenho dificuldade de me expressar e falar sobre meus sentimentos (oi, psicanálise. já to fazendo, não se preocupa!). Hoje já consigo expressar um pouco mais.
Enfim, o drama começa justamente após o término.
Depois dele, que aconteceu há 9 anos, eu só tive um relacionamento sério, que durou, entre idas e vindas, 1.5 anos. Mas esse foi o relacionamento mais problemático da minha vida. Sofria abuso psicológico a todo momento, foi uma época horrível. Deixei de fazer meu mestrado na época por conta do ex, enfim, me anulei em prol dele. Mas consegui me libertar, amem! Porém, ele conseguiu me quebrar realmente e tento juntar meus caquinhos até hoje.
Nesse ínterim (o primeiro término e até hoje), tirando esse relacionamento problemático, eu não consegui ficar mais que 3 meses com ninguém.
Ninguém, Constanza. 
Eu costumo dizer que o clássico da minha vida é: o cara me conhece, me acha o máximo, convive comigo, me conhece de verdade, e foge, sai correndo, não sei. Sei que todos eles se vão. Sem o menor motivo claro e sem ‘terminar’ comigo. Simplesmente somem da minha vida.
Meu último relacionamento, se é que eu posso chamar aquilo de relacionamento, começou e terminou em 2018. Foi com um cara que conheço desde 2015 (conheci logo antes do embuste abusador) e que sempre foi apaixonado por mim, segundo ele mesmo. Mas eu não sabia e nós desenvolvemos uma amizade legal demais, que eu tinha medo de estragar se ficasse com ele. Pois bem, depois de muito refletir e concluir que se tivesse que dar errado, daria, e finalmente ceder a ficar com ele, foi sensacional, né? Tudo combinava, foi ótimo. Na primeira semana. Onde ele me chamou de namorada pros amigos dele, chamou a mãe dele de sogra. Enfim, tudo caminhando para algo que seria estável depois de algum tempo, né?
E aí, o que aconteceu? PÁ! O clássico ataca novamente.
Ele sumiu, Cony. Sem nem deixar rastros. E postou várias coisas sobre “ter se apaixonado no carnaval” no twitter. O que me fez, instantaneamente, deixar de segui-lo lá e em todos os lugares. Não quero essa pessoa perto de mim nem a pau! E ELE TEVE A CARA DE PAU DE VIR ME CUMPRIMENTAR NUM BLOQUINHO EM QUE AMBOS ESTÁVAMOS, NO CARNAVAL! DEPOIS DE FICAR MAIS DE 15 DIAS SEM NEM DAR SINAL DE VIDA!!!!!!!!!!!!!!!!!! Isso pq nos falávamos o fucking dia inteiro.
Minhas amigas ficaram uma fera com ele por ter feito isso comigo, eu to rezando pra que ele não venha falar comigo nunca mais, pq se ele vier, ele vai ouvir coisas que não vai gostar MESMO.
Eu sei que o problema é com ele, e não comigo, mas olha, depois de TANTO relacionamento ter exatamente o mesmo final, eu começo a pensar se realmente o problema não sou eu.
Queria saber o que você e as meninas acham disso, Cony. Confesso que to bem triste com esse círculo vicioso na minha vida amorosa. 🙁 Obrigada, lindona! um beijo!

Sim, bem provável que o problema esteja em você. É o que falei com a moça do primeiro chora. Quando algo se repete muito, pode saber que é você guiando a historia e fazendo com que isso aconteça repetidamente. Algum comportamento seu faz com que todos seus affair se afastem depois de um tempo… o desafio é saber O QUE VOCÊ FAZ para que isso aconteça. Tem alguma coisa, com certeza. Passe a analisar seu comportamento com eles!

 

 

  • Choras ainda fechados!
06
Jun 2018
Chora Que Eu Te Escuto!
Chora Que Eu Te Escuto

Hoje regularmente na quarta feira! O que temos hein?

Chora 01 – Helmann’s 

“Olá Cony, estou com um problemão e precisando de ajuda! Vou resumir minha longa história: Tive um namoro muito longo, que virou noivado que virou nada. Terminamos 2 meses antes do grande dia. Ele disse que não ia me fazer feliz. Ok! Vida que segue. Fui ao fundo do poço, pensei que não fosse conseguir, mas consegui dar a volta por cima. Hoje trabalho no que amo, sou independente financeiramente e sei que não morro de amor!
Quase dois anos de solteirice depois, conheci um cara sensacional, e começamos a namorar. As coisas iam evoluindo muito rápido, e em 6 meses ele me pediu em casamento, em 8 já estávamos morando juntos. Tudo muito bom, tudo muito bem, se não fosse pelo fato de ele ter diagnóstico de síndrome do pânico e ansiedade generalizada. Quando começamos, ele quase não tinha episódios de crise, mas de um ano pra cá, elas se tornaram praticamente diárias. Acaba que toda a situação é agravada pelo fato de ele não ter família aqui (ele é de outra cidade), não ter muitos amigos e tudo, tudo, fica nas minhas costas. Desde que estamos juntos não tenho uma noite de sono tranquila, com medo de ele passar mal. Milhares de vezes fomos parar no hospital , eu tendo que sair do trabalho, da academia, de onde quer que eu esteja para socorrê-lo. Semana passada, por uma crise de ciúmes dele, acabamos brigando e eu, que só ia pedir pra isso parar, acabei terminando tudo e saindo de casa. Estou me sentindo exausta física e emocionalmente. Ele pediu pra eu dar outra chance , que ele tem cura, que ele conseguiu visualizar todo o sofrimento que estava me causando, mesmo sem querer. Que ele está em tratamento, tomando a medicação, e que me quer ao lado dele pra comemorar cada vitória dessa vida! Temos uma história linda, eu o amo, mas não sei até quando devo aguentar isso! Será se vai melhorar? A que custo pra mim? Acabei de passar no mestrado, e vou começar uma vida louca entre trabalho e estudo. Decidi que, mesmo se voltarmos, irei ficar na casa dos meus pais, onde tenho estrutura pra poder encarar essa dupla jornada.
Será se isso vai dar certo? Seria como se fôssemos tentar de novo do começo.
Me ajudem!!! Não sei o que fazer.”

Olha, eu geralmente dou o conselho da mulher “egoísta” que é primeiro pensar na gente e depois nos outros mas esse caso é mais complicado. Ele tem uma doença, ele sabe que está doente, está se tratando, sabe que te faz mal e que não é culpa dele. O cara precisa de você sabe? Sei que deve ser pesado, que te deixa agoniada, mas vocês tem uma relação… vocês se amam. Larga ele não, ajude-o a se tratar e se curar. Tem cura sim, mas ela vem com o tempo. Tenha um pouquinho mais de paciência e não lide com isso como uma obrigação mas sim como um apoio a quem você ama. 

Chora 02 – Lesieur

“Cony, eu gosto muito do seu blog e vi no Chora uma oportunidade de desabafar.

Sofro há anos com um problema muito sério: a compulsão alimentar.

É um problema que escondo de todos os meus amigos, dos meus familiares e principalmente do meu marido pois tenho muita, muita vergonha que as pessoas saibam que eu não tenho o mínimo controle sobre mim mesma.

Não consigo me lembrar como isso tudo começou, mas o ano de 2015 foi muito difícil. Meu marido perdeu o emprego, minha vó de quem sou muito próxima descobriu um câncer avançado, parecia que tudo estava desmoronando ao meu redor. Acho que, naquele momento, encontrei na comida um porto seguro, um conforto, uma fuga de tudo oq estava acontecendo. Pelo menos era oq eu achava… Hoje eu vejo que era (ainda é) um poço no qual eu só me afundo cada vez mais.

Só pra dar uma base da minha vida para vocês: eu e meu marido somos muito ativos, acordamos cedo para ir para a academia todo dia, nos alimentamos bem e sempre com ajuda de nutricionistas, gastamos bastante dinheiro com suplementos, vitaminas, colágeno, omega 3, fazemos tudo oq vcs podem imaginar para sermos pessoas mais saudáveis. Não é nem uma questão de estética, é por saúde mesmo.

Mas, apesar dessa vida saudável aparentemente perfeita pela frente dos panos, 3 anos convivendo com a compulsão me renderam alguns alertas de saúde e 8kg a mais na balança. E isso me faz MUITO mal.

Sempre fui uma pessoa bonita, magra, com uma auto estima elevada, nunca tive problema nenhum com a minha aparência, sempre fui muito bem resolvida! Agora me sinto totalmente o oposto disso. Não tenho vontade de me arrumar para sair, acho que todas as roupas ficam horríveis em mim, sinto meu rosto redondo como se fosse explodir, me acho feia em todas as fotos. Um horror.

Além dos problemas com a minha aparência, eu me sinto mal comigo mesma internamente! Me sinto impotente, me sinto uma farsa. É como se eu encenasse uma vida exemplar na frente de todo mundo e quando estou sozinha me transformo.

Meu marido que é a pessoa mais companheira e incentivadora do mundo vive me ajudando pois sabe que não estou me sentindo bem e quer que eu volte a me sentir linda! Ele faz tudo oq ele pode, monta planos alimentares, planos de exercícios, tudo oq vcs podem imaginar! Planos que eu realmente sigo quando estamos juntos. Mas agora ele vive frustrado pq eu aparentemente faço tudo certinho e não emagreço nunca! (claro, qdo estou sozinha como oq aparecer pela frente, como seria diferente?!) E isso ME MATA, mesmo. Sinto que ele está realmente frustrado com toda essa insatisfação minha com o meu corpo e que não sabe mais oq fazer pra ajudar.

Para vocês terem uma ideia do tamanho do meu problema, quando bate uma crise forte eu saio de casa para comprar comida, geralmente doces. Muitas vezes acabo voltando pra casa com uma quantidade enorme de coisas que devoro em minutos e, por ser uma quantidade realmente GRANDE, acabo passando até mal de tanto comer. E depois, obviamente, sinto uma culpa horrível a ponto de tentar forçar vômito e etc.

Esconder isso dele acaba comigo. Uma pessoa que está ali, me apoiando, me dando todo o suporte recebe em troca oq? Uma vida de mentiras…me sinto um lixo. Não sei oq fazer para sair dessa situação, juro. Me sinto realmente num fundo de poço, num círculo vicioso que não tem saída.

Alguém sofre ou já sofreu com esse problema? Me dêem uma luz, por favor.

Primeira coisa a fazer: conte tudo para ele. Tudo. Ele vai te ajudar, tenho certeza disso. Você está vivendo uma pressão entre manter uma vida saudável (o que é maravilhoso) e a compulsão alimentar. Uma coisa, só vai piorar a outra. Imagino que as coisas que seu marido te pede pra fazer, os planos a seguir, podem tem pressionar a ter um resultado logo e como ele não vem, você se descontrola ainda mais. Acho que o momento é de parar tudo, sentar com ele, abrir o jogo e procurar ajuda na terapia. CER TE ZA que ele não vai te julgar ou brigar com você. Deu pra notar sua angústia, tire esse nó da garganta e conte tudo a ele, o antes possível! Não se martirize mais, peça ajuda!
Chora 03 – Heinz

“Oi Cony. Amo seu blog  e sou uma leitora antiga e raiz. Adoro esse espaço do Chora, agora eu quero desabafar e contar o que eu estou vivendo no momento, queria ver se tem alguém em uma situação parecida, sentir um abraço virtual…

Tenho dois filhos adolescentes, um de 15 e uma de 12. O problema é com a menina. Eu sempre busquei uma educação um pouco mais rígida para os meus filhos. Sempre quis ter o controle e não queria crianças mimadas e mal educadas. Nunca bati, mas os castigos sempre foram frequentes para corrigir.  Sei que crianças e adultos tem defeitos e qualidades, mas no balanço geral achava que tinha feito um bom trabalho.

Duas mães do meu bairro vieram me contar que minha filha roubou uma paleta de maquiagem de uma amiga.. Descobri então que ela roubou brinquedos (peças de lego) de uma outra amiga e maquiagens da mãe dela também (achei corretivo, baton, gloss, base, tudo escondido no quarto dela) ela conhece essas crianças desde sempre, não sei como teve coragem de entrar em suas casas e roubar com a cara tão lavada. Quando uma das mães tentou falar com ela via WhatsApp entrar em contato comigo ela fingiu que era eu escrevendo em seu celular para tentar descobrir o que essa mãe queria.

Depois dessa roubalheira geral e mentiras ela está de castigo. Não pode colocar um pingo de maquiagem na cara até fazer 13 anos (em agosto). Tirei o Whats e qualquer outra mídia do celular dela. Apaguei todos os contatos (tem um motivo para essas redes serem liberadas só para maiores de 13 anos, mas eu achava ela madura o suficiente…. Eu já proibia ela de ver vídeos no Youtube , pois sei que são um grande apelo ao consumismo, mas descobri também que ela assistia a todos os vídeos que queria escondida.

Agora olho pra ela, uma menina doce, meiga, e algo se quebrou, sabe? Eu não consigo ter o mesmo relacionamento de antes. A confiança foi quebrada. E aquele pensamento de sempre…. Onde eu errei. Tiveram diversas situações em que as colegas de escola dela roubaram coisa (quando eram menores, acho que ainda não sabiam do que se tratava) e eu sempre toquei nessa tecla do roubo, que é errado, das punições, consequências, em suma como qualquer outro assunto esse foi tratado e eu achava que estava educando bem.

A adolescência é difícil, esperava muitos problemas mais comuns da idade, mas nunca esse, sabe quando você olha e pensa “que pessoa é essa que eu criei?”cadê o amor no coração?” Ela sempre teve de tudo (muitos brinquedos e muita maquiagem) e mesmo assim não ligou a mínima para os sentimentos dos amigos e foi roubar? Agora ela está totalmente isolada no bairro. Ninguém mais quer brincar com ela e eu não os culpo por isso. Eu fiz ela pedir desculpas a todos que roubou e magooou (devolveu e pagou o que tinha estragado).

Outra dúvida, eu fiquei eternamente grata por essas mães terem vindo me contar todas as besteiras que minha filha havia feito. Eu sei de algumas coisas referentes a filhos dos outros que não contei aos pais, para que miha filha tivesse confiança em mim, pois foi ela que me falou. Por exemplo, tem uma amiga dela que se corta e esconde dos pais. Eu devo contar isso aos pais dela, mesmo que assim quebre a confiança da minha filha, já que ela me contou em segredo? Isso é só um exemplos de alguns outros casos. Até que ponto eu posso fazer isso? Qual o limite?

Muito obrigada, só de desabafar já tirei um peso grande do coração. Eu criei esse email novo hoje porque tive vergonha de vir alguma mensagem no meu email pessoal sobre esse assunto. Tenho muita vergonha de ter falhado.. Mas eu não sou fake, juro. Beijos Cony”

Ah que tristeza 🙁 Imagino como deve estar se sentindo… dei uma mini pesquisada sobre cleptomania infantil e li que esses pequenos roubos não quer dizer que sua filha vai virar uma delinquente. Parece que tem fases que isso acontece e geralmente é por carência de alguma coisa. É feio? É… claro que te entendo mas talvez seja algo muito pontual. Você perguntou a ela o motivo dela ter roubado essas coisas? Ela sente falta de algo? É para chamar a atenção? E é nesse momento que ela mais precisa de seu carinho e amor… Sei zero coisas sobre criação, ainda mais de adolescentes e espero que as leitoras que tenham conhecimento te ajudem mais. Sobre contar às outras mães as coisas que a sua filha te conta, acho que depende da gravidade. O caso da menina que se corta, eu contaria sim! Obvio que numa conversa adulta entre duas mães e que não exponha sua filha. Complicado hein? O que vocês acham meninas?

  • Choras fechados! Já já libero novamente.
Página 1 de 3712345Última »