Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
25 abr 2019, 102 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Ontem era dia mas fiquei imersa na organização do meu armário! Chamei uma personal organizer para me ajudar e é maravilhooooooso! Se vocês quiserem, posso postar algumas coisas sobre o que ela faz. Faz milagres, na verdade kkkk

Vamos aos Choras.

Chora 01 – Ravioli

Olá Cony, tenho 2 choras pra enviar, um profissional e um sentimental, mas hoje vou começar pelo que mais me incomoda no momento: o profissional.

Passei em um concurso público numa cidade 160km distante de onde moro, e me vi 4 dias por semana longe da minha família e amigos. Pois bem, aluguei casa, arrumei cachorro e fui me aventurar numa cidade onde não conhecia ninguém. Fui hostilizada por alguns ( por ser concursada ) e acolhida por outros, mas tem uma pessoa que tem me incomodado bastante, e ela trabalha no mesmo ambiente que eu. No começo erámos próximas e ela se mostrou receptiva, mas rapidamente eu, que tenho cargo superior ao dela, passei a me incomodar com a forma que ela atendia os pacientes e se comportava no ambiente de trabalho. Por ser de cargo arranjado por político, não adianta conversar, reclamar e muito menos devolver ao RH, tínhamos que aturar o mau atendimento e as constantes reclamaçoes até de outras unidades. Num certo dia, cansada de tanto problema, fui ao RH tentar me livrar dessa cruz e ela soube ( e não consegui remaneja-la). A partir daí passou a me tratar com total desrepeito ( mais do que já tratava) e agora deu pra fingir que eu não existo. Não dá bom dia, só fala comigo se eu falar com ela, não trata comigo nem assuntos profissionais, prejudicando o andamento da unidade. Chega ao cúmulo de ir pra cozinha e fazer comida pra ela e pras demais como se eu não estivesse ali, fala alto, grita, e joga as outras funcionárias contra mim.

Isso tem se tornado tão pesado que cheguei ao ponto de pensar em pedir exoneração por causa dela, já que não tenho outra unidade pra trabalhar e não consigo e nem tenho forças pra me livrar disso. Já fiquei tão mal que no fim do ano mandei msg me desculpando por qualquer coisa, por tudo e por nada, só pra ver se ela voltava a falar comigo e acabávamos com esse clima, mas ela ( que tinha até apagado meu ctt e me bloqueado do insta) sequer me respondeu. E o pior é que não sei pq me incomodo tanto com isso!! Sou uma mulher de 38 anos, tenho 2 empregos, amigos, família, estabilidade financeira e mesmo assim não consigo me desapegar dessa situação!! Não consigo conviver com uma pessoa bipolar que não olha na minha cara e não me respeita! A voz dela me incomoda, o riso, até os passos me soam como afronta. Enfim, não sei o que fazer, responder ou revidar. Me ajudem!!

Meu lado bitch iria te dizer para fazer mais bitchizes com ela. O que ela fizesse para você, você revidar em dobro MAS entraríamos numa coisa muito perigosa para a nossa vida: alimentar energias negativas. Cada vez mais acredito em energias e o que essa pessoa faz com você é baixar seu nível energético de tal maneira que TUDO relacionado a ela te incomoda. Tem que respirar fundo, meditar, muito ho’oponopono, tentar ficar só no plano positivo das coisas. Já que para ela você é invisível, faça com que ela seja invisível para você também! Não veja a pessoa, veja um vulto passando. Não escute a voz, será apenas mais um barulho no meio de tantos outros. Se ela não vai sair do emprego e você também não, esse é o jeito de conviver, já que conversar não deu certo.  Não deixe ela baixar sua energia! Agora, se ela está atrapalhando o seu dia a dia de uma forma que está INSUPORTÁVEL ir trabalhar, pela sua saude mental, saia desse lugar.

 

 

Chora 02 – Caneloni

Oi, Constanza! Sei que você escuta isso sempre, mas sou sua leitora há milhões de anos e é o único blog que continuo a ler. Realmente adoro o seu conteúdo!
Meu Chora não é sobre relacionamento, é sobre carreira. É o seguinte, tenho 29 anos, sou formada em Direito há 7 anos e sempre foquei em concursos. Logo que formei passei em um cargo de nível médio e logo depois consegui minha tão almejada conquista e topo profissional: sou Promotora de Justiça. Só quem estuda para concurso tem noção do quanto é difícil, quanta abdicação e resiliência é preciso para chegar até lá. Por “sorte”, passei na primeira vez que tentei e bem colocada, estudei muuuito. Esperei quase 3 anos para ser nomeada e vivi em um função disso por muito tempo, inclusive parei de estudar, pois, teoricamente, eu já tinha chegado ao meu ápice.
Por conta do trabalho, mudei de Estado, saí da capital em que morava e vim para o interior, até ai tudo bem. Ocorre que quando passei a atuar na profissão minha decepção foi tamanha que no meu primeiro ano entrei em depressão, daquelas que não te deixa sair da cama e tive que passar 45 dias afastada. Antes dessa fase, conheci meu, hoje, marido, que foi incrível e me cuidou e amou quando eu mais precisava, não à toa fomos morar juntos quando eu melhorei e nos casamos seis meses depois.
Detalhe: meu marido também é servidor público e pediu transferência para a cidade do interior que eu morava e nós amamos a cidade!
Enfim, estou entrando no meu 3 ano nesse cargo, mas cheia de angústia. Não me vejo fazendo isso o resto da vida, não me vejo sendo mãe nesse cargo que me absorve até a última energia diariamente.
Em compensação, tenho um salário que banca um padrão de vida que nunca tive, ajudo minha família, ganho mais que meu marido e minha renda é necessária nessa casa e não sou doida de abrir mão disso.
Ademais, não gosto de mais nadaaa no Direito nenhuma carreira, nem os super salários me fazem querer ter outro cargo. Ser Delegada sempre foi um sonho e acredito que vem daí minha frustração.
Por fim, sempre tive um sonho enrustido de fazer Psicologia. Conversei com meu marido sobre isso e ele me deu força para começar a nova faculdade e ver no que isso iria dar, claro que mantendo meu emprego atual.
Enfim, tenho medo de começar a Psicologia e me “encontrar” e ficar ainda mais indecisa sobre mudar de vida ou não.
Sei que você é bem pé no chão e preciso de uma opinião sincera.

Tô falando que esse negocio de energia é sério! Temos que aprender a virar o jogo para viver melhor e na positividade. Enfim, cara amiga promotora, esse tipo de decepção acontece quando temos muita expectativa sobre alguma coisa. Que pena que o trabalho não é como você imaginava mas olha só, no final do seu texto você diz que é a única parte do Direito que te agrada! Super concordo que já que a insatisfação é tão grande, que você deveria sim tentar fazer Psicologia MAS, cuidado novamente, pois você de novo diz que é um sonho e sonhos podem ser bem diferente da realidade, como você mesma já viu. Pare de ter medo das coisas, pare de ficar em cima do muro, pare de problematizar algo que ainda nem aconteceu. A vida começa fora da zona de conforto mas para isso você tem que ter coragem de sair dela! Vai fazer seu curso de psicologia e vê no que dá, se não rolar, bora fazer outra coisa, o que a gente não pode é ser infeliz e insatisfeito na vida.

 

 

Chora 03 – Lasanha

Ola Cony, amo vc e seu blog tb,

Meu chora e o seguinte:

Educação… nasci em uma cidade do interior uma cidade pequena mesmo a 34 anos atras, meu pai homem bruto pai de 5 filhas nos prendia muito e não dava valor os estudos. Chegue a estudar em escolas onde nem caidera para sentar tinha depois de um tempo ele passou a se mudar na esperanca de nos da uma vida melhor e arrumar um bom casamento para não ter que nos alimentar mais , trocando de escola o tempo todo sem as vezes aprender nada.

Sempre me esforcei muito para tentar aprender um pouco olhando as otras pessaos me espelhando nelas e aprendi  me virar bem, hoje com essa idade já trabalhaei de varias coisas de tudo um pouco e licitito que se pode fazer, nunca fui demidita de trabalho algum.porem sempre pego o que niguem quer fazer  e sempre faco bem feito já que ele me ensinou a ser serviu e baixar a cabeca. Já fiz cursos e ate faculdade particular, tenho casa e carro e ate um poupanca magra mais tenho. Porem vivo triste por imaginar o que uma educação melhor poderia ter me proporcionado. Hoje sou formada em um aerea que so fiz para ter o diplona e trabalho em outra onde existe muito glamour sofro por me encaixar em nem um local no mundo. E quando estou em uma sala de aula para aprender algo travo… não sei  que estou fazendo ali, fica achando impossivel recuperar o tempo perdido e sempre me sinto injusticada por ter que fazer o que ninguem mais que e receber tao pouco por tanto trabalho. Aprendi a ser economica e não dependo de ninguem ai penso no meu futuro e sei que não sera muito confortavel e deixo de viver hoje pensando em poupar parum futuro que nem sei se chegara. Tenho um namorido que so pensa nos filhos dele e eu fico cada vez sozinha e perdida. Obrigado por me ouvir. bjs

Miga volta a estudar sim, urgente! Seu português está péssimo, desse jeito não vai ter bom emprego para você mesmo não! Uma pena que seus pais não deram atenção a sua educação, mas por outro lado, que maravilhoso que você sabe disso, dá valor e quer melhorar. Para ter bons empregos, você tem que ser capacitada, você tem que ser realmente boa em alguma. Não é ser boa em tudo, não é sobre aprender a fazer o trabalho bem feito e viver disso, é sobre você saber no que você é boa e o que você almeja! E enquanto aceitar o trabalho que ninguém quer fazer, NUNCA vai fazer o que você REALMENTE quer fazer. É ótimo ser prestativa, ser disposta, fazer bem feito mas… é isso que você quer? E outra coisa, jamais pense que tempo gasto com aprendizado é tempo perdido. Se entrar numa sala de aula com esse pensamento, melhor nem ir! Pare, respire, pense direito no que quer, foque e vá atras. Mas antes, vai fazer umas aulas de português para aprender a se comunicar direito, a escrever bem e ter chances BEM maiores de conseguir um emprego bacana.

  • Choras ABERTOS! Poooooode mandar seu desabafo, sua angústia, sua preocupação, seu desabafo para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO. Vamos todas conversar sobre seu caso ok?
Escreva seu Comentário

Quer que sua foto apareça nos comentários? Clique aqui
102 comentários em “Chora Que Eu Te Escuto!”
  1. Manú25/04/19 • 12h04

    Sobre o caso 1
    Amiga, vejo claramente muita inveja e combiça da sua colega.
    É sempre assim. E tb já passei por isso. Meu conselho é o desprezo e uma denuncia ao MP sobre o comportamento dela no ambiente de trabalho. Serviço publico é coisa seria. Falo isso pq também sou funcionaria publica. A população é sobrecarregada de impostos, merece eficiencia e respeito.
    No mais, foque em vc e no seu trabalho. Não espere dos outros, faça por vc. E nem pense em sair, tá tudo mt dificil hj em dia. Agradeça o que tem e valorize as coisas boas.

    • Janah26/04/19 • 13h34

      Se fosse apenas comigo, deixaria passar e me fingiria de estátua. Isso porque todas as coisas tem a importância que a gente deposita nelas. Porém, eu também sou funcionária pública e não aceito essa atitude, ou seja, a forma que ela atende os pacientes. No caso, uma denúncia anônima no Ministério Público reclamando sobre o atendimento vai resolver muita coisa…

  2. Juliana25/04/19 • 12h19

    Caneloni, nao tem como pedir uma remocao para uma cidade que tenha gaeco? Uma promotoria especializada em segurança publica ou algo assim? Eh o mais proximo que consigo pensar de delegada. Pensa nisso. Imagino que sua promotoria seja em cidade pequena e do tipo “faz tudo”, o que pode estar te sugando sem te realizar.

  3. AMANDA OLIVEIRA DE SOUZA25/04/19 • 12h28

    chora 2 – MIGA, eu passo exatamente pelo que vc passa! funcionária pública (mas num nível mais baixo), e ano passado comecei a fazer psicologia. Fiz um semestre e tranquei. Vi que estava idealizando tudo de novo!
    Uma coisa: A VIDA NÃO É SÓ TRABALHO. A gente estuda tanto e foca tanto nisso que não aprende a relaxar, ter hobbies, aproveitar de fato o que a gente tem.
    Faça terapia! Aprenda a relaxar, se aproveitar. Fique mais perto da sua espiritualidade, foque em você.
    É o que está me ajudando.

    • Jessica26/04/19 • 13h47

      É ISSO!!! Vida não é só trabalho!

  4. Ariane dos Santos da Silva25/04/19 • 12h37

    Caso 1: Desistir jamais, sou concursada também e não te esqueça que ela esta de passagem pois é CC, você NÃO. Ignore que uma hora ela sai. Boa sorte!

  5. Bianca25/04/19 • 12h46

    Ravioli
    Jamais deixe seu emprego de concursada por causa de outra pessoa do trabalho. Daqui a pouco a política muda e essa mulher vai embora. Vc conquistou esse emprego com muito estudo, mudou toda a sua vida, abriu mão dos seus amigos e família e agora vai desistir de tudo pq uma pessoa te incomoda? Aguenta firme mais um pouco pq essa situação não vai perdurar pra sempre!

  6. Anabanana25/04/19 • 12h54

    Chegando com meus pitacos…

    1-ravioli: cargo político acaba conforme o mandato do vereador, prefeito, deputado, etc e nomeação em concurso é bem mais estável. Ou seja, voce está em vantagem, de repente vale a pena tentar mexer uns pauzinhos por meio de gente mais influente (do que o rh) pra essa pessoa ser transferida ou afastada. Além disso, acho que vale também informar ao público que é possível reclamar de quem foi grosseiro/fez uma mau atendimento na ouvidoria. Partindo para a parte mais espiritual, acho válido rezar/orar pra ela ser feliz, pois gente feliz não enche o saco, e também cuidar da sua energia para não deixar se afetar

    2-caneloni: se voce gostaria de ser delegada, por que não faz concurso pra esse cargo? Imagino que haveria uma queda de salário, mas melhor fazer o que gosta. Na questão financeira, psicologia também não iria manter seu padrão de vida… no mais, concordo com a Cony sobre sonhos e realidade

    3-lasanha: suuuper concordo com a Cony!! Estudar nunca é demais! E hoje em dia é bem mais fácil se capacitar, tem curso de quase tudo online (pagos e gratuitos) e também acho válido ler bastante (livros, revistas, jornais, nem precisa ser algo “cult”)

  7. Juliana25/04/19 • 13h08

    Chora 02: tb sou concursada (defensora pública) e sei como é difícil essa vida de concursos. É muito esforço e abdicação. Fora que quando você é empossada é mttttttttttttttttttt trabalho. Quem diz que concurso jurídico é só boa vida, altos salários e pouco trabalho está muito enganado. A carga de trabalho é imensa!
    Você já tentou trocar de promotoria? As vezes a sua frustração pode ser por causa da sua área de atuação e, trocando, pode ser que melhore e você passe a gostar. Se já trocou e mesmo assim não adiantou e seu sonho é ser delegada, volte a estudar e faça prova pra delegada. Você falou que assim que saiu da faculdade passou num cargo de nível médio e logo depois, na primeira tentativa, passou pro MP. Ou seja, você é inteligente e esforçada. Meu conselho pra você seria: continue no MP e estude pra ser delegada. Quanto à psicologia, você pode cursar a faculdade e ver no que dá. Pode ser que se apaixone mas tb pode ser que veja que não é nada daquilo que você quer. Só não te aconselharia a pedir exoneração de cara porque sem dúvidas o dinheiro vai fazer falta.

    Chora 03: menina, não tenha vergonha de voltar a estudar não! Nunca é tarde para aprender! Tá cheio de velhinho por aí aprendendo a ler e escrever com 70 anos! Você já tem consciência de que precisa estudar e melhorar, além de desejar ter um futuro melhor. Então vai atrás disso. Estude, faça cursos, faculdade, o que pintar e o que você conseguir fazer. Estudar é muito bom, oxigena o cérebro! Sempre é bom aprender coisas novas. Pare de se diminuir e de se achar estranha numa sala de aula. Ninguém tem nada a ver com a sua vida. Sonhar alto e sonhar pequeno dá o mesmo trabalho…então porque sonhar pequeno?

  8. Eline25/04/19 • 13h13

    Lasanha…
    Além dos conselhos da Cony, talvez fosse interessante você procurar uma psicóloga pra te ajudar a entender o porque da sua “trava” quando está em sala de aula. Não desista de você e procure ajuda, até mesmo pra se enxergar capaz.
    Boa sorte.

    • Tati26/04/19 • 14h32

      Concordo com tudo que foi dito, principalmente sobre o caso 3, mas em relação ao caso 02, não sei se o sonho seria ser delegada da Civil, mas trabalho na PF há um bom tempo e o que vejo por aqui também não é um mar de rosas, muita gente reclamando e frustado. Acredito que idealizamos muito a carreira, mas a verdade é que não há lugar perfeito, cada um tem sua particularidade. E como servidora do executivo que sou, ainda que federal, minha experiência mostra que no judiciário e no MP (federal ou estadual) as coisas são diferentes, há mais verba e mais organização. Além disso, o que fazemos por aqui é uma pequena parte do que vocês fazem por aí, ou seja, vocês tem oportunidade de trabalhar com assuntos diferentes, o que também acho bem válido, pois aqui depois de um tempo entramos na “mesmice” dos inquéritos. Ao invés de focar na parte ruim do seu trabalho, tente focar no lado bom (tenho certeza que existem outros que não apenas o salário), vá para o trabalho com o espírito leve e de gratidão, tente olhar por outros ângulos a sua situação. Sucesso na sua busca, espero ter ajudado.

  9. Branca25/04/19 • 13h21

    Eu quero falar com o chora 1 e chora 2

    Eu sei bem como é estar na situação de vocês.

    Eu também trabalho com uma pessoa que me irritava profundamente, e também estava desanimada com a minha profissão (tbm sou da área do direito) …..e para ajudar a chefia NÃO AJUDAVA e tornava tudo ainda mais difícil perdoando as cagadas “homéricas” dessa colega e promentendo coisas ($$$$) que nunca aconteciam.

    Sabe o que me ajudou? Ou melhor QUEM : DR. ITALO MARSILI

    Sigo o instagram dele e assino o serviço dele de terapia…e vou dizer para vocês duas que foi TRANSFORMADOR.

    Já começa que o lema dele é : NÃO SEJA VITIMISTA, RESOLVA. TRABALHE. SEJA ÚTIL. SIRVA e NÃO ENCHA O SACO.

    Dentre muitas coisas que ele já falou (e ainda vai falar), acho que a que mais me tirou deste desanimo a ponto de desistir da profissão e do emprego é que a gente tem que se aprimorar sempre e ser realmente bom naquilo que faz. E sendo bom naquilo que faz, servir o outro que: NÃO NOS DEVE NADA.

    Quando eu voltei a estudar assuntos da minha área, fazer cursos de aprimoramento e etc, aquilo me deu um ânimo que nem sei de onde veio.

    Quando eu foquei em servir os meus clientes, comprar a briga deles e fazer o MEU trabalho MUITO bem feito… os problemas com chefia e com a colega ficaram tão pequeninhos que já não me incomodam mais. Eu aprendi a conviver com isso sem ter a minha energia reduzida a pó.
    E acabei sendo reconhecida pela chefia sem ter que ficar QUERENDO isso.

    Foquem as duas em ser melhores no que fazem – Ser atenciosa com os pacientes (Chora 1) e servir bem à população e ao Estado (chora 2) e esse “brilho nos olhos” dos teus empregos e profissões voltarão ou surgirão como nunca antes.

    Se vocês virarem o foco e mesmo assim continuar tudo uma bela porcaria, aí sim talvez seja o caso de desistir e “arregar”.

    A gente tem que trazer o nosso problema para a gente resolver…. e tentar…e persistir.. e penar.
    Vai valer a pena, eu garanto.

    • Cris26/04/19 • 09h02

      Adorei esse comentário!
      Meus problemas são diferentes das colegas acima, mas também resolvi muita coisa na vida com isso de parar com vitimismo (não estou dizendo que é o caso delas, só que funcionou para mim). Fiquei muito curiosa com essa dica do Dr. Ítalo. Vou pesquisar.

    • Regiane Mello26/04/19 • 10h10

      Também sou seguidora do Ítalo Marsili, e esse é meu lema agora:)

    • Taís26/04/19 • 10h37

      Seu comentário mexeu comigo, Branca. Obrigada por compartilhar. Já vi outras pessoas falando do Ítalo mas nunca tinha procurado saber mais. Obrigada!

    • Fabíula26/04/19 • 18h06

      Guria, lendo esses dois choras, pensei muito nas coisas que o Ítalo fala. Também sou assinante do GW e é uma mudança grande na vida. Assistam aos stories dele, estão no Youtube também. É um tapa na cara…

    • Amiga30/04/19 • 12h38

      O que o Dr. Ítalo (psiquiatra) faz se chama exercício ilegal da medicina. Não se pode oferecer “terapia” online nem nenhum tratamento ou auxílio médico através da internet. Tenham muito cuidado com esse tipo de “serviço”.

  10. Izabela25/04/19 • 13h36

    Ravioli, concordo com a Cony, ignora essa menina, tente gastar ZERO energia com ela!!
    Eu super acredito que umas mandinguinhas ajudam nesses casos.. ja trabalhei com uma pessoa assim e me incomodava muito. Nessa época coloquei um saquinho de sal grosso na minha mesa, e tomava banho de sal grosso+manjericão+alecrim sempre que sentia que a energia tava pesada d+. No mais, foca no seu trabalho e em atender as pessoas (entendi que seu trabalho envolve isso), quanto mais energia boa e positiva você emanar mais vai receber de volta e se blindar dessa aí!

    Caneloni – Vai fazer psicologia por Hobby, sem pressão, e se for pra ser será! Cony tá aí pra ser um baita exemplo que quando somos boas no que amamos a recompensa financeira vem!

    Lasanha – Fiquei muito orgulhosa de você pelo seu relato! Superar um pai desses não deve ter sido fácil, construir seu patrimônio mesmo com tantas dificuldades também não! Se você quer estudar, estude menina! Estude português, culinária, corte costura, historia, filosofia, medicina, O QUE VOCÊ QUISER!!! Conhecimento nunca é d+ e nem tempo perdido!!! E leia! Leia muito! leitura ajuda a melhorar a escrita e tá sempre agregando! Comece com uma pequena meta diária, deixar o celular de lado e ler 15 minutos todo dia! Com o tempo vc vai estar craque! Boa sorte e siga seus sonhos!!!

    E Cony, sacanagem esses nomes, eu acabei de almoçar e já me deu fome hein hahahahaha

  11. Anna25/04/19 • 13h45

    Oii Cony, sou uma dinossaura aqui mas nunca comentei.
    Percebo pelos os choras de hoje, que as pessoas vivem na ilusão. Esquecem de viver o hoje vivendo um futuro que não existe ainda (e talvez nem aconteça da forma que imaginam). Devemos sonhar mas não esquecer que no caminho dos nossos sonhos devemos ser felizes. Criar expectativas na maioria das vezes ficamos desapontadas. E com esse desapontamento podem vir vários problemas psicológicos. Sonhar é bom, mas viver o hoje é fundamental. O ontem não existe mais e o amanhã talvez não chegue.

  12. Marcia25/04/19 • 13h51

    Pro chora 2, não abandone o cargo, faça a psicologia (com o salário do cargo) e/ou tente engrenar um mestrado combinando, por ex., psicologia forense, ou então tente um mestrado lato em psicologia mais amplo, que aceite formadas em direito, e parta já pro doutorado estrito mais na área que sonha. Veja sua graduação e seu cargo atual como um degrau, uma escada, um meio financeiro, e não como o final. Sem querer intrometer, mas talvez a sobrecarga possa acontecer também por uma assessoria insatisfatória, e até uma gestão lenta dentro do mp. Visite outras promotorias para conhecer alguns modelos diferentes de administração de cartório mesmo, até para tentar delegar uma parte das funções que tanto te desgastam. São ideias. Boa sorte.

  13. Júlia25/04/19 • 14h01

    Oi, Cony! Leio seu blog a anos e sendo bem sincera, tenho preguiça de comentar… mas hoje, quando li sua resposta para “lasanha”, decidi comentar. Sempre te admirei muito, mas hoje eu perdi um pouco dessa admiração pela forma que vc “falou” com ela. . “Mas antes, vai fazer umas aulas de português para aprender a se comunicar direito“ “Miga volta a estudar sim, urgente! Seu português está péssimo, desse jeito não vai ter bom emprego para você mesmo não!”. Você só não foi mais grossa pq não tinha como. Ficou claro que ela não teve oportunidades melhores de estudo e que precisa de ajuda, mas precisa falar assim? Achei de uma grosseria e estupidez sem tamanho. Falar dessa forma não ajuda ninguém. Péssimo.

    • Constanza25/04/19 • 16h05

      Continue com preguiça de comentar então… por acaso falei mentira pra ela? E nem fui grossa. Isso é ser realista e objetiva, que é o que as pessoas que mandam mail pra mim querem ouvir.

      • Ana B25/04/19 • 16h35

        Exatamente! Vc foi objetiva e, o principal, CLARA!

      • TATIANA25/04/19 • 17h21

        Nossa, eu como sempre adorei a sinceridade da Cony!

        • Constanza26/04/19 • 09h14

          Obrigada!

      • Bia25/04/19 • 20h33

        Nossa, essa que comentou está sem noção. Cony, vc deu ótimos conselhos, foi sincera, gentil e inteligente no comentário. Acho que tem pessoas que querem achar problema onde não tem.

      • Ana Karina26/04/19 • 00h26

        Ahhh..mas eu tinha certeza q alguém ia pegar aquilo que vc falou como gancho para te criticar!! Acho incrível..parece que tem “leitoras” que ficam só na espreita esperando algo para distorcer. Se for para criticar, que sejam críticas construtivas! Ninguém é obrigada a seguir, acompanhar ou concordar com o blog/opinião sua, mas que fique na sua..
        Melhor cuidar das energias sim Cony…!!!

        • Constanza26/04/19 • 09h10

          Não eh?

    • Lívia Nunes25/04/19 • 17h57

      Esse comentário também me deixou com o estômago embrulhado na hora que eu li, fiquei triste de verdade, principalmente porque a moça disse que tem dificuldades em estar numa sala de aula, que trava, e isso com certeza tem uma carga psicológica muito forte por trás.
      Cony, gostamos do seu jeito objetivo sim, mas ouça com carinho esse toque… sua posição de conselheira é super legal mas é delicada. tenha cuidado com as palavras, elas podem fazer um estrago. 🙁

      • Constanza26/04/19 • 09h17

        Não se vitimize e nem vitimize os outros! O estrago pode ser MUITO maior do que expor a realidade clara e direta.

    • fabiana25/04/19 • 20h19

      Engraçado, li o comentário da Cony de forma bem amigável…. e ela tem razão. Seus conselhos foram sinceros e realista.

      • Constanza26/04/19 • 09h13

        Sim, na escrita não dá pra por entonação e depende do dia da pessoa pra saber se ela vai ler em tom amigável ou com grosseria.

        • Dani29/04/19 • 16h57

          hahahah também li de forma grosseira, acho que vai da pessoa que está lendo, como ela está recebendo a resposta, teve pessoas que levaram de forma normal e delicada… Mas eu entendi super bem o que você falou e foi um bom conselho!! Beijos

    • Ju25/04/19 • 20h40

      Vitimismo! Dar conselhos é falar a verdade e não passar a mão na cabeça. Não teve grosseria nenhuma

      • Constanza26/04/19 • 09h11

        Queria ver se fosse um conselho do Italo Marsili rsrsrs

        • Marcela Dohara26/04/19 • 09h21

          Turn down for what?? (cadê o óculos thug life, Cony?)

        • Renata Castro26/04/19 • 09h26

          No mínimo, ia ter um tanto de palavrão kkkkk adoro ele

        • Cinthia Vilaça26/04/19 • 10h14

          Sigo a Constanza desde os tempos do flickr. Não possuo redes sociais e este é o único blog que sigo. Moda real, comentários reais e conselhos idem. Acredito que quem necessita de um conselho e recorre ao blog, conhece a sinceridade da Cony e dessa feita, merece e quer ouvir uma opinião sincera e realista. Quando li o relato da “lasanha” o primeiro aspecto que me chamou a atenção foram os erros ortográficos. Fiquei muito tocada com o relato e sobretudo com o esforço e vontade que ela tem em se tornar uma profissional qualificada. Vamos parar com vitimismo. Vejo que um dos grandes problemas das pessoas ultimamente é este, parece que a verdade têm ofendido a tudo e todos, todo mundo parece viver num mundo anestesiado onde a verdade incomoda e sinceridade ofende.
          Caso 1: Te sugiro a recorrer a uma denúncia ao MP;
          Caso 3: Você é foda por ter chegado onde chegou. A Cony foi sincera contigo, use isso da melhor forma possível, existe hoje muitas pessoas passando a mão na cabeça mais poucas honestas para dar um toque real no intuito de ajudar. Estude, se qualifique e não tenha receio em aprender, você não é melhor nem pior que ninguém, tenho certeza que você se sairá bem!

          • Camila27/04/19 • 10h01

            Sou pós em Counseling e mestranda em Coaching, conconrdo plenamente com vc Cinthia, tenho percebido nos atendimentos que falta VERDADE nas orientações, as pessoas perderam totalmente a referência e se escondem atrás do vitimismo.
            Tem mais, a menina dos erros de português precisa resgatar travas emocionais que atribui ao pai.

        • Branca26/04/19 • 10h56

          Certamente ele diria: então VAZA daqui meu cacetinho!!!

        • MARCELA TAVARES FIDELIS26/04/19 • 11h44

          Lembrei do Ítalo na hora, ele é ótimo! Como ele mesmo diz: essa geração está mimada demais, não consegue ouvir verdades!

    • Cris26/04/19 • 09h07

      Eu não acho que a Cony quis ser grossa. Mas entendo o que você disse. Também achei que ela poderia ter sido um pouco mais suave nessa parte. Pode ter a ver com minha personalidade, pois sou empática; sempre penso em como seria se eu estivesse escutando algo assim.

    • Flavinha26/04/19 • 10h43

      Ela tá certa sim. Escreve muito mal especialmente pra quem diz ter curso superior.
      Se a pessoa está mandando mensagem aqui pedindo opinião, deve saber que vai ouvir a verdade. O que adianta passar a mão na cabeça? Nada.

      • Constanza30/04/19 • 16h13

        Bem isso!

    • Érika26/04/19 • 11h55

      Quanto mimimi, tá precisando de uma injeção de Italo Marsili na bunda, kkkkkk

  14. Bruna25/04/19 • 14h23

    Chora 02

    Querida, sinto muito! Sou concurseira e nem imagino como deva ser ralar para entrar em uma carreira e se decepcionar depois.

    Não acho que você deva largar seu trabalho agora.
    Acho que você deveria começar Psicologia, sem cobranças, pegando algumas matérias e vendo se você realmente gosta disso. E vai ganhando seu salário de promotora e guardando dinheiro, fazendo um super pé de meia para caso tenha que largar, ou investir em outras coisas.
    Se você gostar da Psicologia, investe. Termine a graduação, faça cursos.
    Tem concursos bons na área também.
    Se não, busque outra coisa.
    Já pensou em tirar uma LIP? Você não precisa pedir exoneração.
    Pede uma LIP e vai tentando (com seu emprego garantido).

    Eu sou servidora de uma carreira boa e sonho com outra carreira.
    Estava bem infeliz também e com dificuldades de trabalhar e estudar.
    Pedi uma LIP, mas não consegui. E minha chefe disse que foi bom, que sou multitarefas e que renderia mais trabalhando.
    Agora, consegui organizar meus estudos e estou rendendo.
    Enquanto isso (sei que vai demorar para passar), estou mais leve com o meu trabalho. Tentando levar mais “de boa” as coisas.

    Não desanima!
    Se quiser conversar, pega meu e-mail com a Cony.

    E cuidado com quem vc desabafa. As pessoas tenderão a te achar doida em pensar em largar um super emprego e vão falar na sua cabeça. Desabafe com as pessoas certas e tome suas decisões com segurança.
    O importante é você ser feliz! Que bom que vc tem um marido maravilhoso que te apoia.

    Beijos e boa sorte!

    • Vanessa25/04/19 • 16h49

      Concordo em gênero, número e grau com vc, Cony!

  15. Juliana25/04/19 • 14h27

    Chora 1: não entendi uma coisa: você diz que tem um cargo superior ao desse embuste, mas você é chefe dela? Tenho 2 conselhos pra você, um caso você seja chefe e outro caso sejam apenas colegas de trabalho.

    Se você for chefe: está tudo errado aí! Eu chamaria o embuste pra conversar e deixaria bem claro o seguinte: você já tentou remanejá-la e não deu certo. Isso significa que vocês terão que conviver. Deixe bem claro que você não pretende que as duas sejam melhores amigas, até porque você não quer isso, mas que como chefe, você exige respeito. Diga que ela tem todo o direito de não gostar de você e não de ir com a sua cara, mas que você não vai tolerar ser desrespeitada. Isso não significa que se vocês fossem colegas ela poderia te desrespeitar, mas como chefe existe uma hierarquia entre vocês, quer ela goste quer não. Diga que também não vai tolerar trabalho mal feito e reclamações sobre as atitudes dela e que cada vez que ouvir uma reclamação dela você será obrigada a chamar atenção, porque, como chefe, é o seu dever. Deixe claro que a relação de vocês é estritamente profissional e que como chefe você exige ser bem tratada e respeitada, já que é assim que age com todo mundo.

    Se vocês forem só colegas: ignore. Fale apenas o necessário e apenas coisas de trabalho. Faça de conta que ela não está ali. Ela não te cumprimenta? Não cumprimente também. No trabalho somos obrigadas a conviver com pessoas que muitas vezes não gostamos, mas a vida adulta é assim, não dá pra fazer só o que a gente gosta, conviver só com quem a gente quer.

    Nos 2 casos (se você é chefe ou não), vai mais um conselho: não peça exoneração. Você é concursada, certamente batalhou muito pra chegar onde chegou e não vale a pena abrir mão disso e ficar desempregada por uma pessoa dessas. Fora que num próximo trabalho também podem ter pessoas que você não suporta. Aproveite que ela foi indicada por um político e torça para que num próximo governo ela rode e você se livre dela. No mais, siga sua vida e não tente se aproximar, muito menos se desculpar por tudo e por nada. Nem sempre as pessoas vão gostar da gente… e tá tudo bem.

  16. Annie Santos25/04/19 • 14h30

    Chora 01 – Ravioli.

    Querida colega servidora, também sou servidora pública, no meu caso em Brasília.
    Nunca passei por algo parecido, mas o que mais existe em todos os órgãos é o famoso QI político.
    Não deixe nem passar pela sua cabeça a ideia de exoneração, você se esforçou muito para chegar onde está e está aí por merecimento, não devendo favor a ninguém. Em relação à fulaninha, abstraia e finja demência. Daqui um tempo, quando o político dela cair (e consequentemente, ela também), capaz de ela te ligar se oferecendo para algum cargo. “Parece que o jogo virou, não é mesmo?” Relaxa, vai fazendo seu trabalho… tudo passa!! Pior para ela alimentar essa energia negativa.

    Cony!!!!! Amoooo vc e seu blog!

  17. Ca25/04/19 • 14h39

    Adorei os temas dos choras de hoje!

    RAVIOLI – Identifico-me muito com esse chora. Sempre tem alguém com essa energia negativa, que sente prazer em infernizar a vida dos outros! Muito difícil fingir que não existe, mas tenta isso que a Cony falou. Essa pessoa deve estar realizada em perceber que te afeta, que tira sua paz, mas as pessoas só têm o valor que damos a ela, você está colocando ela em um lugar de muita importância! Tente não dar bola, ignorar, baixar a bola dela. Só assim vc se sentirá melhor. Boa sorte!

    CANELONI – Vá fazer seu curso de psicologia, não dá para ficar pensando só no “e se…”. Aproveita que você tem tempo e dinheiro para isso, depois você vê se gosta mesmo e no que pode fazer com isso, mas não adianta sofrer por antecipação.

    LASANHA – Não pense mais no tempo que perdeu, no que já passou, pense no que você pode fazer hoje por você! Se você pode voltar a estudar e melhorar, faça isso. Nunca é tarde para investir na gente mesma! Fça isso por você, isso te dará mais ânimo também.

  18. Bruna25/04/19 • 15h38

    Caneloni, também sou do direito e ando MUITO insatisfeita, psicologia foi minha segunda opção tb e hoje penso em cursar. Mas por estar tão insatisfeita no trabalho, com produtividade, com resultados lentos da justiça tenho receio de estar confundindo as coisas, achando q é um mar de rosas por eu estar chateada. Decidi viver esse ano, to fazendo terapia e conversando com pessoas da área para me decidir e ano q vem começar um curso de psicanálise.
    Te aconselho a entrar no curso sim, vai conciliando os dois, acredito que dinheiro não seja um problema para vc como é para mim, então antes de decidir eu também tenho que pensar na grana, se não ia conciliando, estudo nunca é demais e vc vai fazer um curso que vai te ajudar como pessoa também. Beijo

  19. Vanessa25/04/19 • 16h01

    Ravioli: todo ambiente de trabalho tem uma vaca dessa pra perturbar. Pessoa mal amada, mal resolvida, invejosa, frustrada, complexada. Mantenha-se firme. Não abra mão do que você conquistou com tanto esforço. Muita oração ajudará e com certeza uma hora ela sairá ou algo melhor vai surgir pra você e se livrará dela. Faça um esforço para abstrair a voz dela e seus movimentos. Você vai conseguir e isso te ajudará em outras ocasiões na vida. O que ela está plantando, colherá em breve.Mantenha sua postura de pessoa correta e temente a Deus. Não caia na tentação de revidar, faar mal etc. Boníssima sorte!;-)

  20. MELISSA25/04/19 • 16h06

    CHORA 1: Olha, eu já vivi uma situação assim e foi punk, então imagino como você se sente. Tratei muuuito isso na terapia e aprendi a duras penas que o que é meu, é meu. O que é do outro, é do outro. Faz o seu. Atende os seus pacientes, passa os casos pra ela, pergunta dos temas de trabalho que achar que deve. Se ela não te responder, ela que tá errada. Você tá sendo certa e profissional. Se ela fala mal de você, azar o dela. Se ela cozinha pros outros e pra você não, você leva a sua própria comida. Finge que não vê. Dá uma de sonsa. Leva um lanche pra todo mundo, inclusive pra ela. Vai na mesa dela e chama: “fulana, fiz um lanche pro pessoal da equipe, vem também”, e vai embora. Não dá margem pra ela responder, xingar, brigar. Toda a água do mundo não afunda um navio e não entrar dentro dela. A gente tem uma coisa de querer ser querida, né? Eu também tenho, mas não é assim. Se ela não gosta de você – por inveja, despeito, ciúme – isso é dela, é a natureza dela e coitada dela que perde tempo com isso. Tá todo mundo vendo o comportamento ruim dela. As pessoas mostram o que tem dentro. Se ela mostra isso, imagina como é no interior? Mostra o que você tem dentro: seja um profissional cada dia melhor, trata todo mundo bem, dá bom dia pra ela.

  21. Mila25/04/19 • 16h15

    Querida Ravioli, sei exatamente o que você está passando!!! Te contar…
    Saí de uma empresa pra vim para a que trabalho atualmente, nesta empresa as pessoas do administrativo tem mais de 10 anos que estão aqui, e entrei pra cobrir uma licença maternidade (a pessoa não quis voltar e então eles continuaram comigo). Quando cheguei me senti um peixe fora d’água, ninguém conversava comigo, ninguém me chamava para almoçar, eu entrava muda e saia calada da empresa, era péssimo, inclusive, por diversas vezes chegava em casa e ia chorar pensando em desistir. As meninas simplesmente não gostavam de mim (e não era coisa da minha cabeça). Por diversas vezes combinavam de almoçar todos juntos, todoooo o administrativo ia, e adivinha quem era a única a não ser convidada? Isso, eu mesmo! Se estavam almoçando no mesmo horário que eu, conversavam entre si e era como se eu não existisse; se alguém trazia algo para comer por exemplo, ofereciam para tooodo mundo na minha frente e não ofereciam pra mim; entre vários outros episódios. Mais tarde descobri que as pessoas aqui tinham/tem certa “resistência” com pessoas novas, e mais ainda por eu estar cobrindo a licença maternidade de outra, e quando ela disse que não iria voltar, ficou como se eu tivesse “roubado” o lugar dela (vê se pode!).
    Mas aguentei, fazia cara de paisagem para todo mundo, pois tinha algo comigo: Estou aqui para fazer meu trabalho bem feito, não para fazer amigos! E os dias se tornaram mais leves, SEMPRE orava a Deus pedindo forças para aguentar, e assim Ele fez.
    Hoje continuo almoçando sozinha kkkkk, mas as coisas melhoraram bastante quando me dei conta de que não preciso forçar amizade com ninguém; já tem quase 2 anos que trabalho nesta empresa.
    Minha dica pra você é: finja que não está vendo, como a Cony disse. Faça seu trabalho, pede a Deus forças e vida que segue, uma hora tudo entra no eixo, pode ter certeza. Fica firme!!

  22. Vanessa25/04/19 • 16h36

    Caneloni: Faça o curso de psicologia, sim. Mas não abra mão do seu cargo antes de estar bem engajada na psicologia. Estar fazendo o que gosta e não ganhar dinheiro com isso também é frustrante. Estabilidade financeira faz parte da estabilidade emocional. Não abra mão disso se não estiver certa de que vai ganhar quase o mesmo ou um pouco menos. Ainda mais nesses tempos difíceis por que estamos passando na economia, com desemprego, retração do consumo etc.

  23. Tatiana25/04/19 • 16h39

    Para o caso 01 e 02: a exoneração nem deveria ser cogitada como uma possibilidade. Temos que ser realistas e, num mundo como o de hoje, não dá pra abrir mão de uma carreira pública e um bom salário por causa de um colega de trabalho ou pelo sonho de uma outra profissão.
    Todas as áreas tem as suas dificuldades, acho que não dá para esperar que a psicologia será um mar de rosas após a experiência na advogacia. Só para começar, o retorno financeiro na psico é bem mais demorado e talvez nem chegue próximo ao rendimento do cargo de promotora. Isso contaria muito pra mim, no caso de uma decisão. Achei muito válida a sugestão de alguém aqui pra cima sobre mestrado aproximando as duas áreas.

  24. Vanessa25/04/19 • 16h41

    Lasanha: Primeiro: largue esse namorido porcaria. Segundo: faça terapia pra se livrar desse trauma que te trava, tem coisas que não conseguimos resolver sozinhas. E vá estudar sim, porque com estudo tá difícil, imagine sem… Bjos e Good Luck!

  25. Daiane Ribeiro25/04/19 • 16h51

    Lendo as três histórias a única coisa que conclui é que são mulheres muito INSEGURAS, tenha coragem mulherada, se arrisquem, quanta amargura no coração.

  26. Renilza Lopes Gregorio25/04/19 • 17h13

    Cony, pelo amor de Deus essa menina que diz que tem curso universitário, tem um português tão péssimo,ela precisa como vc.disse voltar urgente pra estudar. Só tenho o segundo grau completo, escrevo melhor do que ela.

    • Constanza26/04/19 • 09h15

      Então, eh percebi isso tb mas não comentei nada e já me xingaram. Imagina se tivesse pontuado isso tb. Estudar é muito importante mas escolher bem onde vai estudar pode ser até mais importante ainda!

    • M26/04/19 • 11h32

      Meninas, eu já estive em uma universidade particular em que muitos alunos sabiam ler e escrever de forma precária. Sério. Obvio que não dá pra generalizar, mas tem faculdades que tem um processo de seleção ridículo, então as pessoas entram tranquilamente sem saber escrever. E empurrar o curso nessa situação não é nada difícil também, viu? As pessoas saem com a escrita no mesmo nível que entraram, nem isso é desenvolvido. É lamentável, especialmente porque a maioria sequer se importa com isso. Essa moça está preocupada, eu acho que já é o primeiro passo. Torço muito por ela.

      • Anelise01/05/19 • 15h12

        Pra moca to chora 3: Vc tem que ter muito orgulho de vc mesma! So de vc ter conseguido terminar um curso superior com todas as dificuldades que foram impostas a vc, tem que ser muito guerreira!
        Te garanto que tem muita gente, com muito mais oportunidades que vc de acesso ao conhecimento tem o portugues muito pior que o seu, vc nao precisa se envergonhar, mas veja o conselho da Cony como uma oportunidade melhorar. Se eu fosse vc, eu procuraria urgente uma terapia! Problemas com pai e mae sao, geralmente os causadores de quase todos as dificuldades que a gente enfrenta na vida adulta. Nao que vc deva ficar a vida toda se lamentando pelo azar de ter os pais que vc teve, mas sim como forma de enternder a origem dos seus problemas pra conseguir resolve-los. Nada na vida acontece por acaso, as pessoas que sao colocadas no nosso caminho o sao por um motivo, mesmo as piores, mesmo as que mais nos fazem mal, pq algo a gente tem que aprender com elas, faz parte da nossa jornada de evolucao nessa vida, principalmente se tratando de pai e mae. Nao veja o seu pai como um causador de sofrimento pra vc, por pior que tenham sido as coisas que ele te fez, mas como uma oportunidade de evolucao, como uma situacao que vc precisa passar pra evoluir. Que bom fuq

  27. Jéssica25/04/19 • 17h32

    Minha dica vai para o chora 2.
    Entendo bastante essa situação que você está passando, sou advogada e me sinto frustrada com a profissão, até o momento, nenhuma carreira jurídica me encheu os olhos. Mas sempre quis concurso público, então fui pesquisar sobre outras áreas que me proporcionassem conforto, boa remuneração (tão boa quanto magistratura, promotoria, procuradoria) e que tivessem ligação com minha área. Encontrei algumas pelas quais me interessei : área de controle (auditor de controle externo do TCU) e consultoria legislativa (meu foco é Câmara e Senado). Inclusive o TCU já foi considerado o melhor órgão público para se trabalhar.
    Meu amigo de infância passou no último concurso para auditor de controle externo e está feliz da vida, trabalha 7 horas por dia e ganha 30 mil (inclusive me incentivou muito para seguir a carreira).
    Meu professor da faculdade era assessor no STF, ganhava bem, mas não era feliz, queria outra área, estudou e passou para Consultor Legislativo do Senado (ou Céunado como ele chama). Outro caso foi da Drª Juliana, que me ajudou muito para o concurso de consultor legislativo da CLDF, hoje, ela é consultora Legislativa da Câmara dos Deputados e saiu do cargo de Defensora Pública federal.
    Eu falo isso porque já tive minhas inquietações, sou apaixonada pelo direito e procurei áreas em que pudesse aplicar meu conhecimento. Caso você leia este comentário e queira uma ajuda ou orientação , estarei aqui!

  28. Patricia araujo25/04/19 • 17h36

    Pra nº 1: Por mais que essa pessoa seja chata, etc , não saia do seu emprego!! Ser concursada é muito difícil e está tudo muito difícil hoje no Brasil! Se vc sair, vai só trocar de problemas. Na verdade, vai ficar com problemas bem maiores. E Constanza, dar um conselho dele pra uma pessoa.. Não é todo mundo hoje em dia que ganha dinheiro fácil igual vcs blogueiras nao!! A moça é concursada!! Vc tem noção de como isso é difícil!???

  29. Lívia Nunes25/04/19 • 18h03

    Lasanha, querida.

    Pra uma pessoa que passou pelo que você passou e ainda assim conquistou tudo isso, você já é vitoriosa!!!! Tem muita gente por aí que teve uma super condição de estudar e não aprendeu nada!
    Cuide dos seus traumas relacionados à educação com terapia e isso vai te ajudar a começar a estudar e melhorar no aspecto que você deseja. Pouco a pouco.
    Boa sorte, corra atrás do que você deseja sem se importar com as opiniões do outro. Você é a senhora da sua vida. Estude e se orgulhe muito disso! Fica com Deus! s2

    • Dani27/04/19 • 16h21

      Pensei a mesma coisa, em que mundo esse povo vive? Não viram outro dia nosso “superministro” falando que ano que vem não vai ter concurso federal NENHUM?
      Quem tem seu emprego concursado tem que segurar porque vamos passar um tempo agora sem oportunidades…
      Chora 1, essa fulana daqui a pouco roda, siga sua vida se dedicando-se ao seu trabalho.

  30. Dry25/04/19 • 18h25

    Primeiramente, QUE FOME!
    Caso 1- É curioso como a gente se vê em determinada situação vivida por outra pessoa em outro lugar, né? Sinal de que todos somos humanos e sujeitos a tudo! Já passei por isso. Colocaram a moça dentro da minha sala, com minha equipe, a mesa dela COLADA à minha! No início era como a sua colega. Igual. Mas depois… foi tudo desmoronando. Falei com os chefes e sabem o que ouvi? “SEJA PROFISSIONAL!” Todos homens achando que se tratava de guerra de ego de mulher. Mas enfim… orei MUITO! Ela não só saiu da minha sala como da empresa. Foi mandada embora depois de dar muito mole no serviço e demonstrar que era uma péssima funcionária. Acalma seu coração, mas já te adianto… nada pode tirar sua paz. Se não passar com o tempo, melhor vc sair pois não vale a pena. A nossa sanidade mental vale muito mais! Boa sorte!

  31. ana25/04/19 • 18h57

    Caso 2:

    Gente, sou psicóloga e concursada. Ja passei por algumas áreas dentro da psicologia, o trabalho apesar de pesado é interessante. PORÉM, a remuneração não é boa. Você tem que ter uns 3 empregos pra poder ter um salário razoável. E não é uma profissão que te dê qualquer “status”. Ou seja, todo mundo está insatisfeito de alguma forma. Concordo com a moça que comentou ali em cima. Tenta estudar algo na área de psicologia jurídica. Fiz uma matéria eletiva na faculdade e me apaixonei pela área na época. Satisfação profissional é bom, mas um bom salário também tem seu lugar.

  32. Michele25/04/19 • 19h08

    Caso 1 – processo administrativo contra essa servidora, amiga. o nome disso é assédio moral. ela deve sofrer as penalidades cabíveis, dentre elas, demissão.

    Caso 2 – peça exoneração, dinheiro não é tudo.

    Caso 3 – estude mais.

    • Ca26/04/19 • 10h18

      Assédio moral seria se a mulher tivesse um cargo superior ao da Ravioli, o que não é o caso.

      Ainda assim, ela pode reclamar no site da e-ouv, Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal, e dizer qual é o órgão e sobre a má conduta da funcionária tal.

      • Branca26/04/19 • 11h04

        ASSÉDIO MORAL não é só de superior contra subordinado (horizontal).

        Existe entre colegas TAMBÉM (vertical).

        Se informe antes de dizer essas coisas.

  33. Carla25/04/19 • 19h08

    Nooooossa me identifiquei muito como o chora “Caneloni”! Há pouco mais de 6 meses deixei para trás minha carreira de quase 9 anos no direito para procurar algo que me faça mais feliz. Acho que estou no caminho certo agora, mas ainda me sinto com muito medo do novo, medo de falhar e de “morrer de fome”. De qualquer jeito, só vou descobrir tentando não é mesmo?! Amei o conselho de ter cuidado com as expectativas! É muito verdade que as expectativas altas normalmente levam a decepções. O melhor caminho talvez seja enxergar os fatos e no caminho ser surpreendida. Amando muito os choras ❤️

  34. Aline25/04/19 • 19h23

    Para o chora 02: te entendo perfeitamente. Também sou Promotora de Justiça e às vezes me pego pensando em sair correndo das audiências e do gabinete. Me dizem que é um pecado estar insatisfeita, afinal ralamos muito para estar aqui. Atuo na área criminal e, sinceramente, estou cansada de lidar com a escória humana desde a hora que acordo até o final do dia… A sensação é que, por mais que façamos, nunca será suficiente…
    Não leio mais jornal nem vejo televisão para poder desanuviar a mente. Não importa qual a área vc atue, sempre lidamos com as mazelas da sociedade. Quem está de fora não entende o peso e a responsabilidade que isto traz.
    Não se iluda quanto à carreira de delegada, vc continuara lidando com tudo de ruim que há no mundo e, pior, sem estrutura.
    Enfim, não tenho nenhum conselho para te dar… Só saiba que não está sozinha.

  35. Ana mari25/04/19 • 19h54

    PROATIVIDADE:
    1) O problema real é a sua necessidade de ser amada. Quando outro é amado ele é quem domina o bando e vc se torna a dominada, isso te incomoda. (Outro emprego perfeito é ilusao)

    2) Vc ama a cidade, ama o dinheiro, ama a estabilidade, ama ajudar a família, ama o marido. Procure o q vc ama e não o q vc odeia e cresça dentro desse cenário. (Outra faculdade é ilusao)

    3) português e dicção para se expressar bem, ballet para a postura e boas maneiras para a convivência. E depois continue crescendo. A vida é injusta para todos. (Outra história de vida é ilusao)

    -> Tratem os problemas internos e o exterior fluirá melhor.

    • Constanza26/04/19 • 09h13

      Amei seu comentário!

  36. Aline25/04/19 • 20h21

    Chora 2: se você anda insegura em relação a carreira e se no momento manter este salário é muito importante para você, além de como algumas pessoas comentaram (fazer terapia, ter um hobby…) e o que você mesmo comentou (iniciar a faculdade), seria importante você se planejar para eventualmente exonerar-se e ir para um ramo que você realmente gosta, mas que provavelmente pagará menos. Aproveite esse momento de bonança para fazer uma boa poupança que poderá até mesmo ser suficiente para te ajudar a segurar a onda no começo de uma nova carreira. Tem vários canais no youtube, livros e até cursos (recomendo o do Gustavo Cerbasi e o da Nath Arcuri) que ajudam a planejar a vida financeira. Você já conseguiu o mais difícil ter uma renda alta e rapidamente conseguirá ter uma boa poupança se tiver o correto planejamento financeiro.

  37. Ju25/04/19 • 20h28

    Chora 2: vc não é infeliz bo trabalho atualmente, imagine quando descobrir quanto ganha uma psicóloga! Kkkkkkk to rindo mas é de nervoso com essa bela e ingrata profissão que tenho

  38. Maria25/04/19 • 21h48

    Para a Ravioli, eu passo por situação semelhante, trabalho em uma outra cidade que não é a minha e desconhecida até então para mim, passo quatro dias fora de casa e também trabalho com um pentelho, te digo uma coisa, gente assim é daquele lema “fale bem ou mal, mas fale de mim”, eu passei a tratar essa pessoa, ou com indiferença, quando eu era ignorada pela pessoa, ou com neutralidade, quando tinha que resolver algum assunto com ela. Devemos predominar o ambiente de trabalho com nosso alto astral, aí, com o tempo, a presença do chatonildo não vai te incomodar tanto. Utilizo essa tática e tem dado certo, se quiser conversar mais, pede pra Cony meu email kkkkkk

  39. Mari25/04/19 • 21h55

    Chora 1 – Ravióli

    Moça, eu passei EXATAMENTE pelo que você está passando. Trabalhei, durante mais de um ano, com uma colega que sequer me cumprimentava. Ela fazia questão de deixar claro que não me suportava, a ponto de fazer cara feia quando eu chegava e de me interromper enquanto eu conversava com outras pessoas. Além disso, dava festas e não me convidava, e, não contente, convencia uma outra colega a fazer o mesmo. Detalhe: tudo isso era absolutamente imotivado, como ela mesma reconhecia. Dizia que não gostava de mim e ponto, afinal, ela não era obrigada a me tolerar. No começo, eu ficava com muita raiva, era horrível. Sabe como eu contornei a situação? Sendo cínica, haha! Quando chegava ao trabalho, fazia questão de cumprimentar a tal colega com o meu melhor sorriso. Ela espumava de ódio e não falava nada. Moral da história: pessoas como essas querem que a gente perca a cabeça, saia do sério e parta pra briga. Se mantivermos a tranquilidade e a gentileza, elas surtam, porque não esperam por isso.

    Chora 2 – Caneloni

    Tenho 28 anos, sou servidora pública (concursada, nível médio) e estudo a fim de ser, justamente, promotora. Ou seja, estou alguns degraus atrás de você nessa escada louca dos concursos, haha! Lendo seu relato, percebi que você, provavelmente, acreditou que a aprovação no concurso-fim seria a solução de todos os seus problemas. Digo isso porque pensei assim durante MUITO tempo (desde antes de começar a graduação, pra ser precisa). Só a convivência diária com ocupantes de cargos jurídicos altos e a terapia me permitiram perceber que promotores, juízes e afins são pessoas de carne e osso, como outras quaisquer, embora detenham grande responsabilidade profissional. O mal do concurseiro, infelizmente, é acreditar que a assinatura do termo de posse resolve tudo (falo por experiência própria, repito). Por tudo o que você contou, não acredito que o trabalho como promotora seja, exatamente, a raiz da sua depressão e infelicidade. Procure se autoconhecer, busque, com a cabeça fria, o que te faz feliz, o que te completa. Além disso, como algumas pessoas já sugeriram nos comentários, você pode aliar a psicologia ao seu trabalho atual, fazendo uma pós ou mestrado na área. Eu, por exemplo, fiz uma pós (lato sensu, mesmo) em Direito da Infância e Juventude, e tive muitas aulas sobre psicologia (tanto que, na minha turma, havia vários colegas psicólogos). Era uma troca de conhecimento muito bacana. Enfim, espero que você encontre seu caminho e que seja muito feliz, muito mesmo!

  40. Flavinha25/04/19 • 23h45

    Chora 1: tente usar esse “empecilho” em sua vida como aprendizado de qualquer coisa, de paciência, de entendimento, de aprender se defender de bad vibes, de resiliência… Se isso não for possível, passe para a abstração, exercite sua mente pra imaginar que a pessoa nem esteja ai, que ela nem exista.
    Agora, se vc tentou de tudo e não teve sucesso, é melhor procurar outra coisa, pq nada vale sua saúde mental (e às vezes até física).
    E energias, são mais efetivas do que palavras ou atitudes. As vezes vc está num ambiente em que todos se beijam, se abraçam, mas passam o dia uma pensando mal da outra, e isso gera uma vibe ruim e invisível. Isso se sobrepõe as demostrações de afeto com MUITA eficiência. Ai as pessoas/ bichos começam se sentir mal, chegam até ficar doentes e ninguém entende pq.
    A Cony está certa sobre o “perigo” das energias.
    Fiquem atentas! s2

  41. lia26/04/19 • 09h43

    As duas primeiras podiam aprender algo com a terceira:
    Trabalho é trabalho, o que você faz por amor, sonho, realização pessoal é o que você faz depois do expediente.
    Um emprego que te garante estabilidade e um bom salário é um sonho, sinceramente abrir mão disso por picuinha de uma pessoa que daqui a quatro anos pode nem estar mais lá ou por um sonho de fazer outro curso sem nenhuma garantia de retorno é muito fora da realidade.
    As pessoas precisam trabalhar pra auferir renda e se sustentar, amar o trabalho é um mito, uma parcela mínima das pessoas esta satisfeita com seus trabalhos, a maioria odeia o que faz e ainda ganha pouco.

    E a moça do terceiro chora procure investir nos estudos mesmo, antes dos 40 da tempo de fazer muitaaaaaa coisa, comece pelo português e boa sorte.

    • Re26/04/19 • 11h07

      Disse tudo. Romantizamos muito carreira e profissão.
      Minha realização é o que faço fora do meu ambiente de trabalho.
      O trabalho me dá dinheiro para realizar as coisas de que gosto.
      Também sou servidora pública, professora em universidade, e no começo também tive minhas crises. Depois de dois concursos, vejo que problemas sempre existem, só mudam o endereço. Colegas e tarefas que sugam energias existem em todos os lugares, como na vida há familiares, “amigos” e situações assim. E há dias ótimos e dias péssimos.
      Eu jamais exoneraria por colega nenhum no mundo, ainda mais este colega sendo contrato e eu concursada.

  42. Renata26/04/19 • 10h20

    Assim, no caso 1, acredito que qualquer pessoa no lugar dela, teria parado de falar com você. Imagina descobrir que alguém tentou sua remoção, por mais que você tenha motivos para isso. Na cabeça dela, deve ter sido uma traição. Já que você pediu desculpas e ela não mudou, deixa ela de lado. Ela não deve ficar muito tempo aí. Mas não desista do seu concurso por causa dela. Também sou servidora e já passei por situações assim, mas passa! Já já ela estará fora.

    • lia26/04/19 • 16h17

      tbm pensei isso, ela pode ser uma péssima funcionárias mas na cabeça dela a novata que ela acolheu tentou prejudica-la, é só uma deixar a outra pra lá, ninguem e obrigado a gostar de ninguem

  43. Dárika ribeiro26/04/19 • 10h27

    Caso 3 – amiga, te falo com sinceridade que você precisa (e nem sempre é suave) mas com intenção que você melhore: você não é uma pedra! todo mundo veio nesse mundo para evoluir. Você não teve uma base boa/pais que valorizassem o estudo? milhões de pessoas também não! e isso não define o resto da sua vida. O que define são suas ações hoje – você decide ficar presa no passado ou seguir estudando, correndo atrás do que sonha. Não vista a capa de vítima eternamente. Vc é dona do seu destino!

  44. Érika26/04/19 • 10h49

    Caso 1: mete um PAD nessa folgada. O serviço público é mal visto por causa de pessoas como ela. Vá ao RH e pergunte como faz para juntar provas contra o mal atendimento dela. Peça para registrarem ouvidorias e junte todas que tiver contra ela. Eu sei que a intromissão da política nos cargos públicos é um inferno (isso só quem trabalha em órgão público sabe) mas eu tentaria dessa forma. Vai pra guerra!
    Caso 2: veja o Ítalo Marsili, tá reclamando demais de barriga cheia. Não ame seu trabalho, ele não é para isso. Trabalha com gratidão, para servir, você é servidora não é? Pare de olhar para o umbigo e olhe para quem precisa de você!
    Caso 3: estude mas não faça faculdade. Procure cursos técnicos que te darão aprendizados práticos, faculdade já era, só teoria não leva ninguém a lugar nenhum. Procure uma psicopedagoga, acho que vc tem algum distúrbio, já que troca as letras de lugar com facilidade. Boa sorte!

  45. Carol26/04/19 • 11h01

    Caneloni, o comentário da leitora Mari acima foi perfeito! As pessoas erroneamente acreditam que a aprovação no concurso público vai ser capaz de transformar a vida delas da água pro vinho. Realmente, segurança financeira e estabilidade são ótimos e basicamente o que a maioria das pessoas procura. Mas isso, por si só, não basta para aguentar a pressão e a responsabilidade exigidas por um cargo como o seu. Digo isso, pois sou juíza estadual e sei bem o que você vivencia. Então, tome as rédeas da sua vida e entenda que, querendo ou não, você precisa fazer escolhas, assumir as consequências de cada uma delas e se mover, pois simplesmente ficar angustiada e infeliz não vai te levar a lugar nenhum. Faça o curso de psicologia, mude de promotoria, peça exoneração, não peça, preste concurso pra Delegada, não preste…só não fique acomodada! Especialmente porque, as repercussões de uma pessoa infeliz em um cargo como o seu são nefastas. Por meio do seu cargo você tem a possibilidade de mudar a realidade da vida de muitas pessoas, as vezes de uma comunidade inteira, então se você não tem condições de exercê-lo, estando lá corpo presente, abra espaço para quem esteja. Vai ser libertador! Por fim, lembre-se. Se fosse perfeito, seriam férias e não trabalho. Um forte abraço e boa sorte!

  46. Adriana26/04/19 • 11h33

    Oi Lasanha,
    Não achei teu português péssimo, não. Entendi tudo o que tu expressou, inclusive os sentimentos, que tu conseguiu transformar em palavras. O ensino no Brasil é precário e tende a ficar ainda mais e acho, pelo teu texto, que tu vem conseguindo transformar o limão em limonada. Meu conselho pra ti: procura ler bastante. Nada melhora mais nossos recursos verbais do que ler! Um abraço.

  47. M26/04/19 • 11h53

    Chora 1 – Para já com essa ideia de exoneração e faz a egípcia. Ignore fortemente esse trambolho que te irrita. Dê gelo mesmo. Evite ao máximo falar com ela, e quando falar, seja profissional e educada. Ela vai morrer de ódio, e provavelmente passará a ser mais agressiva. Ignore as fofocas, ninguém aí é pago pra isso. Se ela faz coisas legal pra todos e te deixa de fora, veja bem, vc não depende de favor alheio né. Não se abale. Siga firme. Ela vai cansar.
    Chora 2 – Não existe trabalho fácil. Mas fazer outra faculdade não é ilusão. Eu acho que deveria ser proibido mandarem a gente escolher carreira com 17 anos…sinceramente. E outra: você não é o seu trabalho. Faz a faculdade de psicologia, quem sabe vc não descobre que gosta? Ou quem sabe, descobre que não gosta, e dos dois jeitos segue sua vida. Não precisa deixar seu emprego, já que ele te garante estabilidade, mas não tenha medo de tentar conhecer outra opção.
    Chora 3 – Pode ser que em uma sala de aula as pessoas tenham uma trajetória diferente da sua, mas nesse momento vocês estão todos no mesmo lugar. Abraça sem medo. Num país com 13 milhoes de desempregados tá difícil dizer “larga seu emprego e vai atrás daquele dos seus sonhos”, então seja persistente. Tudo bem se nesse momento você faz o que ninguém quer fazer, de qualquer forma precisa ser feito, não é? E bem, aí está você. E você sabe que você pode ir além, então você vai. Te desejo sucesso.

  48. Maria26/04/19 • 13h18

    Caso 01 – Indo para o lado das energias indico esse vídeo: https://youtu.be/L9o3QXgQKBM
    Veja os relatos, trata-se de todo tipo de relação, inclusive me ajudou a ficar livre de amarras com meu ex.

  49. Gabi26/04/19 • 22h26

    Chora 1: Vou te conta uma estorinha que aconteceu comigo. Quando entrei na minha segunda graduação, eu tinha uma grupinho de amigas em que todo mundo estava começando a se conhecer, mas se dava muito bem. Daí chegou uma outra, que não sei por que cargas d´água, não gostava de mim. Ela não me cumprimentava, e mesmo quando eu falava com ela, ela não respondia. Só sei que ela começou a fazer de tudo para me excluir e dominar as outras meninas contra mim. Fazia maldades mesmo. Aí um dia, eu não estava mais aguentando, pensei comigo mesma, não preciso de ninguém, vou fazer o que vim fazer aqui, que é estudar e pronto. Mas eu estava achando tudo aquilo insuportável, até pensei em largar a faculdade. Sabe o que eu fiz? Rezei! Entreguei nas mãos de Deus! E Deus é muito justo e misericordioso! Só sei que no dia seguinte, não sei como, de repente eu me vi cercada das minhas amigas, todas conversando comigo e ela tentando puxar papo comigo, para se enturmar. Acredite ou não, duas semanas depois ela largou a faculdade!!! Hoje eu e as meninas somos amigas inseparáveis! Deus é justo! Acredite, Ele faz milagres! Reze, amiga! Deus vai te ajudar!

    Chora 2: também sou formada em Direito e concursada, em um concurso muito bom, mas menos top que o seu. Comecei a ficar extremamente insatisfeita com o trabalho, muito decepcionada com tudo, o que acabou desencadeando um problema de ansiedade muito forte, com crises de pânico e lapsos de memória terríveis! Na época, eu tentava estudar para o concurso da Defensoria Pública, mas acabei desistindo porque eu percebi que tinha pegado um abuso tão grande do Direito, que toda vez que tentava estudar, passava mal. Foi aí que resolvi fazer algo que eu sempre quis, mas achava meio insensato a essa altura do campeonato, comecei a faculdade de Nutrição! Esse era um sonho meu, mas eu não sabia se suportaria banco de faculdade de novo, e eu achava que faria mais sentido estudar para outro concurso jurídico que mudar de área. Só sei que estou no último ano de faculdade, me formo no final do ano. A saúde anda muito bem, obrigada:) Não sei o que vai ser da minha vida profissional, mas, pelo menos, preenchi um vazio que eu tinha fazendo algo que gosto. Talvez eu tenha que permanecer no meu cargo, apesar de não gostar, mas pelo menos fiz algo que eu sempre quis e preencho uma parte da minha vida com algo que amo. É bem verdade que faculdade tem o dom de acabar com a paixão que temos pela matéria, mas procuro estudar o que gosto por fora e, quando eu pegar meu diploma, estudarei realmente o que me faz feliz. Isso tudo é pra dizer que acho que deve fazer a faculdade de Psicologia, nem que seja pra ter a certeza que não era o que você queria. Ou pode se apaixonar também e levar como hobby. Ou sabe-se lá o que a vida pode te reservar. Mas comece… curse uma semana, um semestre ou o curso inteiro, mas tente! Não passe a vida com o “se”!!

    Chora 3: nunca é tarde para nada! Não pense no que poderia ter sido! Pense no que poderá ser! Estude e acredite que a vida pode ser boa de verdade, do jeito que você sempre sonhou! Seu lugar é onde você acreditar que seja 😉

  50. Thassia27/04/19 • 01h23

    Ravióli: já teve muitos comentários ótimos pra ela, queria só fazer um adendo: criatura de Deus, você tem 38 anos, família, amigos, um bom emprego, paga suas contas, como assim vai se acovardar diante de uma pessoa porque ela não gosta de você? Desde quando todo mundo tem que gostar de você? Você também não gosta dela. Vida que segue. Seja profissional, de o seu melhor no trabalho, se relacione com ela de forma profissional e educada, e segue o jogo. E se ela atrapalhar o serviço, cabe reportar a ouvidoria do órgão.

  51. Daniele28/04/19 • 15h41

    Caso 2

    Amiga…Vivo o seu sonho…sou delegada de polícia há 12 anos. Antes disso foi investigadora de polícia (por cinco anos). Tenho 43 anos e como você também sonhava em der delegada. Fui fazer direito e aos 21 anos estava formada. Na fase de concurseira (que só quem vive sabe o quanto é difícil e frustrante) tive um problema de saúde e fui obrigada a dar um tempo nos estudos. REcomecei do zero e exatos dez anos depois de formada assumi como delegada. Achei que meu sonho tivesse sido realizado e eu finalmente poderia vivê-lo. AMO minha profissão e meu trabalho mas a estrutura de trabalho da Polícia Civil de São Paulo é péssima. É o pior salário do Brasil e, por ser mulher continuo fazendo exatamente a mesma coisa que fazia há 12 anos…sou plantonista. Já tive oportunidade de ser titular de uma delegacia, entretanto, era Delegacia da Mulher; como é algo que detesto, declinei e preferi continuar no plantão. Isso significa que trabalho à noite, sábados, domingos feriados e dias santos. Não se iluda, não tem glamour. Não existe hora para descansar, tirar uma sonequinha à noite.

  52. Tatiany28/04/19 • 22h59

    Boa noite meninas!! Sou a ravioli (adorei o pseudônimo Cony rsrs). Primeiro quero agradacer à vc Constanza, pelo blog, pela sensatez e principalmente por ser real oficial kkk. MARAVILHOSA. Segundo vim dizer que os comentários sobre meu caso me emocionaram, me senti muito acolhida e grata a cada uma de vcs, cada linha que eu lia enchia meu coração de paz. Obrigada mesmo, de coração. E por fim vim contar a vcs o que aconteceu dia 23/04, dois dias antes do meu chora ser publicado: estava voltando de uma mini férias de 10 dias, pois realmente estava surtando e resolvi me afastar um pouco, e algumas horas depois de iniciado o expediente recebo uma ligação do RH pedindo pra fulana comparecer lá. Ela foi EXONERADA, pois precisavam enxugar a folha de pagamento. Sem qualquer intromissão minha. Ou seja, além de voltar a ter paz, posso dormir com a consciência tranquilaaaaaaa!! Beijo em todas, vcs são pé quente rsrs!!

    • Constanza30/04/19 • 16h10

      AMEMMMM o universo conspirou a seu favor!

  53. Tuca29/04/19 • 10h36

    Ravioli – Aguente firme. Também sou servidora pública e posso bem imaginar como é, já vi situações assim acontecerem, mas com o tempo aprendi que mais cedo ou mais tarde esse povo vai embora. Se além de tudo ela também não presta um bom serviço, registre, notifique e faça a população saber que se foram mal atendidos podem se queixar na ouvidoria. Fora que se for um serviço municipal, como eu entendi que é, a própria câmara tem o papel de fiscalizar o bom atendimento.
    Caneloni – Fico pensando como deve ser duro conciliar uma faculdade de 5 anos que exige um volume imenso de leitura densa e produção com um trabalho que já te absorve até a última energia diariamente. Talvez fosse bom procurar uma terapia primeiro e amadurecer essa ideia antes de começar.
    Lasanha – Leia bons livros, procure uns romances clássicos pra começar, ou outro gênero que você goste, procure por algum clube de leitura perto de você (é legal discutir e comparar a nossa ivisão com a dos outros) uns filmes bacanas na Netflix, um curso de idiomas. É muito bom que você valorize a educação, mas leve isso pro lado onde você encontre prazer aliado ao desenvolvimento e acho que essa experiencia pode enriquecer o seu trabalho.

  54. Raquel29/04/19 • 14h16

    Chora 3

    Te indico a professora de português Flávia Rita. Ela é de Belo Horizonte, mas pelo site vc pode comprar os cursos e fazer a distância. Ela foca bastante em concurso público, ainda que esse não seja o seu interesse, tudo o que vc aprender vai te ajudar a escrever e a falar melhor. Talvez o curso online te ajude, já que vc não precisa “entrar na sala de aula”. Não desista de vc! Vc já fez muito e se continuar vai mais longe ainda!!

    • Constanza30/04/19 • 16h09

      AMEI sua dica! Parabéns!

  55. Nubia29/04/19 • 16h45

    Para Caneloni
    Vi seu chora, me coloquei no seu lugar,acho você deveria tentar outra área do direito até achar uma que gosta.São muitas opções. Você vai conseguir, já é uma vencedora. Já pensou em pedir transferência para uma cidade que tenha Justiça Especializada para que possa ficar em algo especifico que você goste? Já pensou em alguma pós para Lecionar? Quem sabe assim você sai de situações estressantes, tem trabalho mais teórico e possa utilizar algo de pisicologia. Comentei com meu esposo e ele disse que queria comentar também para te ajudar. Sinta-se abraçada.

  56. Camila Mendonça29/04/19 • 16h55

    1- Essa colega, é servidora comissionada municipal ou estadual? Seja qual for, pense no seguinte: uma hora o mandato do superior dela vai acabar, e ela vai embora junto com ele. E vc? vc é servidora efetiva, é “para sempre”, você é honrada por estar nesse cargo, e ela? foi só uma troca de favor… ela não é digna de você perder seu cargo efetivo por causa dela.

  57. Sheila30/04/19 • 20h50

    Chora 2: Canelonni, sou Promotora de Justiça também e entendo perfeitamente como a profissão pode ser desgastante. Mas, mesmo assim, adoro o que faço. Se quiser entrar em contato, acredito que a Cony pode passar meu email. Será ótimo conversar melhor com você!

  58. Anelise01/05/19 • 15h51

    Pro chora 3: Vc tem que ter muito orgulho de vc mesma! Com todas as pedras que vc teve pelo caminho, conseguiu se formar no curso superior, ser financeiramente independente e ainda juntar uma graninha! Nao e pra qualquer um nao! Vc e uma guerreira! Em relacao ao portugues, nao se sinta mal, tem muita gente com muito mais condicao que vc, com o portugues muito pior, mas nem por isso se acomode, tem muito espaco pra melhorar, veja a dica da Cony como uma oportunidade. Mana, vc precisa muito de terapia! Todo mundo precisa de terapia, mas muito mais quem teve pais abusivos e eu falo aqui por experiencia propria. Problemas com pai e mae sao as principais causas da maioria das dificuldades que a gente enfrenta quando adultas, sabia? A gente herda um monte de crenca negativa, contra o mundo e principalmente contra nos mesmas. Nao receber o amor necessario dos pais traz um problema muito grande de autoestima que faz com que a gente fique se auto-sabotando infinitamente, inclusive sentimentalmente com esse namorido babaca que vc tem. Mas eu nao falo isso pra ficar a vida toda responsabilizando os pais por todos os problemas nao. Acho importante entender a causa, pra seguir a diante e superar. Eu precisei entender que eu nasci filha dos meus pais, irma dos meus irmaos, por um motivo. Nada na vida acontece sem motivo! Cada um deles, nos conflitos e nas coisas boas, tinham licoes valiosas que eram e continuam sendo necessarias na minha evolucao enquanto pessoa, assim como eu na vida deles. Tente nao ver seu pai apenas como uma pessoa que te causou sofrimento e nao proporcionou as oportunidades que vc gostaria, mas como uma fonte de aprendizado e evolucao, ainda que seja ensinando o tipo de pessoa que vc nao quer ser. Vc tem 34 anos, essa infancia sofrida ja passou ha bastante tempo, ta na hora de tomar as redeas da sua vida pra si! Eu odeio a palavra vitimizar, pq normalmente quem usa, quer subestimar o que o outro passou, e normalmente vem desacompanhada de empatia, mas no seu caso, vc precisa parar de ser vitima do seu pai, e de ser vitima de vc mesma (a questao da auto-sabotagem), e a unica pessoa que pode fazer isso por vc e vc mesma e ninguem mais!
    Nao se compare com outras pessoas, com os pais das outras pessoas, com as oportunidades das outras pessoas, por experiencia propria, isso so vai te causar sofrimento e frustracao. Cada um tem sua propria jornada, e a gente nao sabe nada do que o outro ta passando. Vai pra terapia, vai ser um bom investimento pro seu pezinho de meia. E procura o canal da Gisela Vallin, uma terapeuta holistica maravilhosa, com videos transformadores, mas amorosos e empaticos. Te mando muita forca e muita energia positiva!