Lifestyle
Decoração, Mi Casa Su Casa
10 fev 2019, 14 comentários

Mi departamento, su departamento – Reunião de condomínio.(Não foge!)

Fufulândia! Tudo certo por aí?

Ainda que existam reuniões também em condomínios horizontais, achei que brincar com o título do Mi Casa seria uma bromita bem engraçadita.

Como você sabe, o que acontece na minha vida profissional e pessoal acaba rendendo alguns posts aqui e esse caso não é diferente. Minha mãe tem tanto medo do que eu posso falar pros vizinhos que eu sou solenemente proibido de entrar no grupo de uatizápi ou de participar das reuniões de condomínio. Que são aqueles eventos sociais lindos:

Cobri o cofrinho do moço com amor porque quero respeitar as pessoas que podem estar lendo essa matéria enquanto fazem um lanchinho.

Porém, aqui no condomínio está rolando uma treta feia sobre alteração em uma unidade, e eu achei relevante comentar sobre isso.

Contextualizando: Os prédios aqui, contruídos na década de 90 foram eregidos em um sistema construtivo de “Blocos estruturais” ou, comumente chamado de “Alvenaria estrutural” onde todas as paredes tem a função de suportar o peso de tudo que vem por cima delas.

Visualmente, são aqueles prédios ou casas que você vê sendo construídos inteiramente de bloquinhos cinza. Diz a lenda que eles não tem colunas e vigas, mas na prática a cada tanto espaço existem blocos que são “recheados” com ferragem e concreto, igualzinho uma coluna, e também temos as canaletas (abaixo tem imagem) sobre todas as paredes, que recebem ferragem e concreto, gerando viginhas. Claro que essas duas coisas são “reforços” não estrutura propriamente dita.

O modo mais utilizado em Terra Brasilis, é a “alvenaria convencional”, onde vemos antes aquele “esqueletinho” com colunas e vigas cinza, e aqueles cabelinhos de ferros espetados pra cima na obra… e que depois são fechados com tijolinhos laranja… as cores porem variar, é só para você terem uma visão global do que estou dizendo.

Em tempos de estrutura em aço e paredes de drywall, falar disso pode parecer meio “atrasado” mas a verdade é que aquele apartamento incrível, com uma cozinha de tamanho decente, numa localização especial que você tanto deseja pode ter sido construído assim e vai melar a sua chance de fazer dele um apartamento modernão, é bom perguntar antes de comprar.

O sistema de blocos estruturais é mais rápido, cerca de 15% mais barato gera de 20 a 30% menos de entulho e ainda é amplamente utilizado, especialmente em cidades mais do interior. Ele tem limitações, pois não permite grandes portas e janelas e muito menos aquelas fachadas inteiriças em vidro de prédios – geralmente comerciais. E as medidas deles são regradas pelo tamanho dos blocos:

Os blocos de vedação são como os tijolinhos laranja, só servem para ” fechar” a parede, não para segurar o peso do que está acima. Nenhum destes blocos deve ser cortado, por isso os formatos dos ambientes são bem limitados.

Voltando para a realidade: Eis que um vizinho quer reformar a unidade dele e modernizar o local. Super concordo! Afinal se a construção é dos 90 o projeto é anterior e desde 1985 o comportamento das pessoas mudou e a forma que vivemos e interagimos definitivamente é outra. Temos paredes enormes aqui onde não tem nenhuma tomada. NENHUMA! Nem do outro lado para poder puxar.

Eu mesmo, quando adquiri esse imóvel, contratei um arquiteto que veio aqui e me mostrou onde e quanto eu poderia abrir numa parede entre a cozinha e a sala. Estamos falando de 2001, quando eu era um feto que estudava Letras Português / Inglês e Literaturas. Depois de uns 3 ou 4 anos uma síndica pediu um laudo, eu tava paupérrimo na época e não pude fazer, então fechei o burakin e depois quando comecei arquitetura falei com um engenheiro e ele liberou a abertura novamente. Meu erro foi não registrar isso no órgão devido lá em 2005/2006.

O vizinho contratou um escritório de arquitetura que sugeriu retirar 4 paredes completamente no apartamento. Então quando eu soube, perguntei: OK, como está o laudo do engenheiro?

Pois é, não tinha laudo. E a convivência virou um circo. O condomínio que proibir a obra, o menino quer o apto renovado, meu buraco (da cozinha) virou pauta, descobrimos uma outra unidade que retirou uma parede praticamente inteira sem autorização, sem laudo, só no amor do coração do pedreiro mesmo… e o pior, o antigo morador revendeu o apartamento e o atual morador nem sabia do problema todo no qual estava enfiado.

O fato é que vivendo em um condomínio, estamos fadados a algumas regras. E algumas eu gostaria de deixar expressas aqui:

1º Nenhuma convenção de condomínio se sobrepões a leis municipais, estaduais ou federais. Por exemplo: Proibir animais. Não existe isso. Dentro do seu apartamento, ou do seu pátio, se você tiver espaço, autorização do Ibama e manter tudo limpo você pode ter um zoológico inteiro.

2º Você tem SIM que notificar seu síndico previamente de alterações que serão feitas no seu imóvel, e caso ele pedir, liberar a entrada para fiscalização.

3º Os condônimos não tem direito de votar “sim ou não” ou proibir alterações dentro da sua unidade, desde que esteja amparado por um projeto registrado nos devido órgãos públicos competentes. Contudo podem pedir uma análise de um outro técnico.

4º Não pode haver mudanças que afetem a parte externa de um prédio.

Digo isso porque tiveram algumas pessoas insolentes que sugeriram que invés de fazer a obra, o rapaz mudasse de prédio. Até onde eu lembro, o ditado diz “os incomodados que se retirarem.”

Teve gente que foi além e disse que não entendia porque fazer a reforma, porque o projeto nem ficou bonito.

Não, um imóvel não necessariamente precisa se manter pela eternidade exatamente como foi concebido. Entretanto precisamos nos atentar a segurança de todos. Por isso alterações precisam se notificadas. Lembram de um prédio de alto padrão que desabou tempos atrás? (não estou falando do incêndio de 2018) o laudo final foi que houveram TANTAS mudanças internas que a estrutura “colapsou”. Adoro esse termo muito de engenheiro para um bom e verdadeiro: foi pra chóm!

Então mesmo que seja uma mudancinha, o síndico precisa receber um laudo e todas as alterações precisam ser levadas em consideração na hora de uma nova mudança. O último andar é sempre o que menos influencia na estrutura, especialmente ao retirar paredes, contudo, ainda assim precisa de um laudo.

O mundo vai ser bem mais fácil quando aprendermos a seguir os caminhos corretos. Eu incluso, já peguei os projetos estruturais – ainda desenhados a mão, tudo escritinho em caligrafia técnica, uma fotura. E pedi para o engenheiro que trabalha com a gente na Nest preparar meu laudo. E oremos para o engenheiro prévio estar certo.

Caso haja alguma intervenção no edificio que você mora, fiquem atentos a pequenas trincas, rachaduras e etc. Pois são sintomas de que algo está errado. Aqui nunca aconteceu nada.

Em 2018 fizemos várias obras em prédios, novos e antigos e aprendi muito sobre os percalços de fazer mudanças. Teve cliente que quis banheira onde não havia. Teve uma porta que pedimos para arrastar 40 centímetros que atrasou a obra 50 dias por causa do laudo.

Tem um prédio aqui que fez um estudo com engenheiro e tem locais específicos por onde a tubulação de ar split pode passar. Nicho para Shampoo no banheiro? De jeito nenhum.

Sabe aquelas facilidades de usar “piso sobre piso”? Pode afetar muito a quantia de peso sobre uma estrutura. Então #vemkotio e fiquem de olho nas movimentações nos prédios de vocês.

Super beijo, #Bença!

Escreva seu Comentário

Quer que sua foto apareça nos comentários? Clique aqui
14 comentários em “Mi departamento, su departamento – Reunião de condomínio.(Não foge!)”
  1. Renata11/02/19 • 00h09

    Boa noite.
    Estamos passando por este mesmo problema no meu condominio. Apesar de ser predio novo 2011, aqui tbm eh alvenaria estrutural.
    Varios vizios instalaram split sem qquer respaldo tecnico , apenas c o pedreiro dizendo q poderia sim fazer . Eu nao sou da area, meu marido sim, eng civil, e o 3º ponto que citou acho q não contempla todos os empreendimentos. Aqui alem do manual do proprietario informar q nao pode retirar, rasgar em hipótese alguma as paredes, existe um aviso ao lado do elevador em todos os andares informando dessa proibicao , independente de ter art, rrt, laudo … Isso porque , se cada unidade fizer uma modificacao mesmo c respaldo tecnico o predio colapsa. Meu marido conseguiu implantar juntoa adm do condominio regras para obra , onde existe um check list q o mrador deve antecipadamente enviar para a adm e aguardar q um engenheiro civil avalie e de o ok (mesmo com ART ) pois como disse anteriormente , mesmo c anotacao eh proibido (pelo menos aqui no RJ) . Sobre tomadas aqui conseguimos em alguns ambientes solucionar o problema c painel .
    Beijos
    Renata

    • Tio Lelo28/02/19 • 13h44

      Hey Renatildes,
      Realmente, eu deveria ter deixado mais claro que é necessário uma análise global, e para isso toda e qualquer modificação deve ser documentada com a ADM do prédio.
      Lá no meu prédio tá todo mundo caladinho… acho até que o vizinho desistiu da obra, HAHAHA.

      Obrigado por participar, beijo!

  2. Jucilene Bonelli11/02/19 • 09h28

    Assunto de extrema relevância! Trabalho num prédio que era residencial e hoje é comercial. Seguro na mão de Deus para ir pro trabalho todos os dias… KKKK, há muitas rachaduras nas paredes internas do prédio. E onde moro é bem como você falou, blocos de concreto e praticamente nenhuma tomada, terrível! Beijos Lelo, amo seus posts!

    • Tio Lelo28/02/19 • 13h53

      Jucilene amiga,
      Chama os bombeiros, pede uma análise para algum órgão público. Rachadura inclinadas e profundas são muito preocupantes. as verticais e horizontais rasinhas são menos.
      Não queremos vc toda trabalhada na tijolada no lombo.
      #tmj na falta de tomada, HAHAHAHA
      Beijão!

  3. Flavinha11/02/19 • 11h37

    Eu me preocupo com isso… O prédio que eu moro é dos anos 70. Eu moro no 7o andar e meus pais no 1o andar. O prédio tem 9 andares.
    Eu tenho reparado que a parede ao lado da porta do banheiro deles está rachando, dos dois lados, do lado do banheiro e do lado de fora. Do lado do banheiro dá a impressão de que o azulejo foi pressionado e rachou.
    E com certeza todo mundo já fez alguma obra, meus pais mesmos derrubaram a parede entre a cozinha e o quarto de empregada pra aumentar a cozinha. Se bem que lá ficou a viga…. da pra ver.

    • Tio Lelo28/02/19 • 13h56

      Hey Flavinha, você sabe se as paredes aí são de alvenaria estrutural ou tijolo comum?
      As vezes é legal chamar um engenheiro para dar uma olhadinha, para avaluar se é preocupante ou não.
      Se o condomínio chamar e ratear entre todos apartamentos fica bem mais leve, e como é uma ação de segurança e para todos, acredito que consiga aprovar a ideia.
      Super beijo do tio!

  4. Izabela Ribeiro11/02/19 • 13h06

    Nossa que mega UTIL esse post!!!
    Eu vejo as pessoas derrubando parede a torto e a direito sem responsabilidade técnica nenhuma e sem percepção do risco que estão causando para TODOS os moradores do prédio!!
    Como você disse, quanto mais informados estivermos, mais seguros também!

    • Tio Lelo28/02/19 • 14h02

      Exatamente Izabela,
      Viver em condomínio, seja ele vertical ou horizontal, é um exercício de sociedade e é preciso que se entenda essa coisa do melhor para todos.
      Obrigado por ler a gente, super beijo!

  5. Aline11/02/19 • 13h17

    Adorei o post! Seria legal fazer mais alguns posts aprofundando esse tema.

    • Tio Lelo28/02/19 • 14h03

      Farei Chef Aline!
      Vou pesquisar mais e contar para vocês.
      Obrigado por participar, mega bêxo!

  6. Cindy12/02/19 • 11h56

    Jéssssiuxxxx brigaduuuu pelo meu lar ser na chòm sem nadinha em cima… E sem vizinhos!

    Lelo sobre as tomadas, dias atras eu vi o Mauricio Arruda, do Decora GNT, ele usou eletrofitas. Pode ser um recurso para seus problemas de tomada

    Beijussss boa sorte no seu grupo do condomínio, eu não consigo participar nem dos de família kkkk

    • Tio Lelo28/02/19 • 14h08

      Olá Cindy!

      Sim a eletrofita é uma opção, porém para ficar decente, precisa fazer o buraco da caixinha, depois emassar e pintar, e tenho algumas ressalvas quanto a durabilidade disso. Mas já usei algumas vezes e tão vivas ainda. hahahah
      Olha, eu não entrei no grupo não, e assim como voc~e, não participo dos da família tbm. HAHAHHAHA
      Beijo enorme pra ti.

  7. Leila15/02/19 • 19h21

    Fiz uma reforma grande em meu apto, o que gerou MUITAS dores de cabeça e a necessidade de laudos de engenheiros que custam uma pequena fortuna, mas fiz tudo certinho. Quando fui ver a parte elétrica tinham vários fios desencapados, em péssimo estado. Fico a pensar nos aptos dos vizinhos que nunca foram reformados e por isso possuem a mesma fiação da rede elétrica. Prédio com mais de 20 anos. #medo

    • Tio Lelo28/02/19 • 14h45

      Leila, você está certíssima.
      Ano passado fizemos obras em dois edificios mais antigos e realmente é preocupante essa falta de manutenção na parte elétrica.
      Não é exatamente barato, aqui em Foz, um apartamento de 55m2 ficou em torno de R$ 7.000,00 a troca de toda a fiação, criação de alguns novos pontos, e a substituição de todas as tomadas/interuptores, a caixa de luz + disjuntores e iluminação (sem contar lustres). Então é um número expressivo, mas será que a cada 10 anos não podemos fazer esse tipo de renovação? até porque muita coisa se moderniza, a demanda de energia aumentou muito e os disjuntores precisam estar adequados para evitar, por exemplo, incêndio.
      Obrigado por ler e participar.
      Beijão!