Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
11 jul 2018, 102 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!

Nussa, pesado hoje. Vou até tomar um vinho quando chegar em casa. Há um tempo, parei de fazer o Chora porque eu estava ficando mal. É complicado receber casos em que a pessoa precisa de ajuda e eu não ter muito o que fazer. Hoje me senti assim… amarrada, triste, impotente. Não dei conta. Conto com vocês.

Chora 01 – Florzinha

Cony, amo seu blog! Resolvi escrever por que preciso de ajuda. Estou passando por uma crise no trabalho que está afetando a minha vida pessoal.

Tenho 33 anos, trabalho em uma multinacional gigante a muitos anos, que é e sempre foi, um inferno. A empresa em si é ótima, tem excelentes benefícios, mas o dia a dia é infernal, mas me acostumei. Muita cobrança, muita pressão, carga de trabalho e horário pesadíssimos, mas tenho um excelente salário, que me permite ter uma vida bastante confortável.

Em todos estes anos, houveram muuuitos altos e baixos,  fases terríveis, mas nada comparado a fase que estamos passando agora. Trocamos de chefia e a empresa está num processo duro de reestruturação, MUITAS demissões, pressão  insana, as metas estão impossíveis (logo, isto impactou diretamente no meu bolso) e a chefia é muito difícil. Muito, muito, muito difícil.

A nova diretoria é tirana, centralizadora, todo mundo anda trabalhando aterrorizado, os processos estão terríveis e os clientes, emputecidos. E eu acabo sofrendo demais com a situação, por que recebo reclamações de clientes o dia inteiro…além disso, tenho dificuldade em dizer não (porque tenho medo de não ser competente o suficiente) e por causa disso, meu chefe ultra super me sobrecarrega. Eu ando surtada. Ando chateada, engordei, me sinto triste, feia, pra baixo. Tenho vontade de jogar tudo para o alto, mas não posso.

Meu marido está desempregado. E eu tenho sonhos. De ter uma casa maior, de juntar dinheiro, de continuar fazendo as coisas que fazemos. Eu sempre amei o meu trabalho, sempre fui workaholic, mas tenho me sentido desmotivada. Não aguento mais trabalhar todo final de semana, de ser pressionada o tempo todo…Não sei o que fazer. A empresa que eu trabalho é a melhor do meu setor… e saindo de lá, a tendência é que eu permaneça no mesmo segmento, ganhando menos e sofrendo igual… além disso, ramos fora da minha área não pagam o mesmo salário. Eu estou lutando contra o apego que sinto pela empresa, por que além de me sentir grata por tudo que conquistei,  já passei por fases terríveis e elas passaram, pois mudanças no meu ramo sempre acontecem.

As vezes me sinto uma farsa. As pessoas me vêem uma mulher bonita e bem sucedida, mas dentro de mim, eu me sinto feia, gorda, incompetente … eu chego em casa e como, como, como… este ano já engordei 3 kilos. Me sinto péssima, fico mantendo as aparências e dentro de mim está um caos. Eu não sei se insisto e aprendo a levar as coisas mais de boa (o que para mim é dificil por causa do meu perfil) e espero esta tormenta passar… ou se procuro um emprego mais tranquilo, mas eu não sei se consigo lidar com um trabalho mais calmo e que consequentemente me pague menos (gosto de trabalhar e novamente, tenho meus sonhos) ou se sei lá… compro uma bicicleta…rs.

alguém já passou por isto e pode me dar um conselho?

Tudo o que tira sua paz, é muito caro. Vale a pena pagar esse preço? Você tem que por na balança sua saúde mental x dinheiro, até que ponto isso não te faz mal. Talvez ganhar menos, mas ter uma vida mais calma, vai te fazer muito mais feliz. Claro que depois que a gente se acostuma com um padrão de vida, é muito difícil sair dele para algo inferior, mas adianta ter um padrão bem e estar com a cabeça estragada? Como li por aí esses dias: “Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde. E por pensarem ansiosamente no futuro esquecem do presente de forma que acabam por não viver nem no presente nem no futuro. E vivem como se nunca fossem morrer… e morrem como se nunca tivessem vivido.” Pra pensar.

 

Chora 02 – Lindinha

Cony! Um belo dia estava me sentindo uma mendiga e joguei no Google “como começar um guarda roupa do zero”…aí te achei e foi amor ao primeiro clique! kkkk Li seu blog TODO e virei sua fã nº 1! Adoro vc e parabéns pelo trabalho!

Meu chora é o seguinte: Namoro um cara há 1 ano e ficamos noivos recentemente. Eu o amo muito, ele me trata como uma princesa, super me agrada, é extremamente carinhoso, atencioso, romântico, etc…mas é extremamente distante e grosseiro com a própria família. Isso tem me incomodado muito!
Ele tem 33 anos e mora com a mãe e com o irmão, que é 5 anos mais novo. O pai dele faleceu há 10 anos. Reclama muito do irmão, que é encostado demais, folgado e vagabundo, não gosta de trabalhar, metido a hiponga. Reclama tbm da mãe, que diz ser fria e distante. Mas venho reparando que o problema é ele. Conversei com a mãe dele esses dias e ela me disse que depois que começamos a nos relacionar ele melhorou muito com ela, mas que tem um gênio desgraçado. Que é extremamente rude, grosseiro e mandão. Reparei que eles não tem UMA atitude de carinho entre eles….eu fico muito chocada com tudo isso, pq venho de uma família meio doida, mas muuuito amorosa. Eles mal se falam..parecem estranhos dentro de casa..quando se falam é pra se estranharem. Pra ter uma ideia, eles não dão nem bom dia um ao outro, nunca vi ninguém trocando um abraço ou uma palavra doce.
Enfim, conversei com ele sobre isso e ele me prometeu tentar mudar. Disse que sente muita falta do carinho deles, que gostaria de ter uma vida diferente, mas que não sabe nem por onde começar. Pensei em tentar fazer eles procurarem uma terapia em família, tipo Constelação Familiar, algo assim, mas sei lá…
Agora que noivamos estou com muito receio de casar, pq sempre achei que se vc quisesse saber se um cara seria bom marido, era só observar como ele tratava a mãe dele. Comigo ele nunca foi assim, mas penso que posso ser a próxima a ser maltratada. Ele age com ela como se fossem patrão e empregada. Comigo é um doce, mas tenho realmente muito medo dele se transformar nisso que é com ela comigo dentro da nossa casa.
Queria a sua opinião e a das leitoras nisso. Será que ele muda ou será que tô entrando numa cilada??

Esteja preparada para a possibilidade dele começar a te tratar como ele trata a mãe. É bem sensato e real seu medo. Mas ao mesmo tempo, não sabemos o motivo dele ser assim. Já perguntou pra sua sogra se ele foi SEMPRE assim ou se foi desencadeado em um determinado momento? O fato dele topar mudar de atitude com a família e de sentir falta de carinho é um bom sinal, ele vê que a situação não é legal. EU, euzínea, no seu lugar, continuaria noiva, mas de olho nas mudanças dele. Até faria um test drive morando junto antes. Vai enrolando, não é porque ficou noiva que tem que casar amanhã. Analise muito antes!

 

 

Chora 03 – Docinho

Olá, Cony. Acho que meu Chora é muito pesado, mas preciso contar em algum lugar. Não tive coragem de contar para nenhum terapeuta e nem para meu namorado, e isso me faz mal, me deixa angustiada. Acredite, está pouco detalhado. Mesmo assim, desculpa o textão rs

Tenho 28 anos e sou virgem. Tenho medo/nojo de sexo. Já tentei transar, mas sinto dor. Ultimamente nem vontade tenho mais, libido zero. A minha ginecologista recomendou que eu procurasse uma sexóloga, mas eu sei qual é o meu problema. Só tenho vergonha/medo de falar.

Tive uma infância muito difícil. Muito mesmo. Passei fome, sofria bullying na escola, apanhava em casa do meu pai bêbado. Nunca tive amigos, de sair e tudo mais. Sempre fui fechada, deprimida, por causa da minha criação, do jeito que vivi. Meu pai tinha comportamentos inadequados comigo. Hoje ainda fico confusa e sinto receio de rotular isso, mas sei que ele abusava de mim. Falava coisa inadequadas para mim, perguntava se eu já tinha “pelinhos”, sempre que eu passava ele esticava a mão para pegar em mim. Já puxou minha mão para eu pegar nele. Minha mãe viu, mas usou a justificativa da bebida para dizer que ele me confundiu com ela. Isso tudo começou por volta dos meus 8 anos. Fora isso ele sempre se masturbava na minha frente. Me dava banho e eu não lembro o que acontecia, só sei que me sentia muito incomodada e não gostava. Depois de adolescente os olhares dele sempre me incomodaram. Ele reparava no meu corpo, dizia que eu tinha “bundão”. Eu só usava roupas largas em casa, nunca usava shorts nem nada que mostrasse muito meu corpo. Fora tantas outras situações de abuso físico e psicológico. São tantas coisas, tantas situações. Não dá para contar todos os detalhes, mas é por tudo isso, Cony, que eu sempre tive vergonha do meu corpo. Nunca me senti à vontade sexualmente porque me lembro de tudo isso, mesmo que inconscientemente. Quando meu namorado comenta sobre meu corpo fico incomodada. Não consigo usar roupas justas nem curtas até hoje. Continuo me escondendo. Sinto muita culpa por tudo que aconteceu.  Não me sinto mulher como deveria. Quero muito me libertar de todos esses sentimentos e ser uma mulher normal. Acho que é minha maior vontade.

Tem 1 ano que moro sozinha. 1 ano que tive coragem de sair de casa. Mas isso me incomoda muito ainda, todas essas lembranças. Acho que só sentirei paz quando ele morrer. Evito ir visitar minha mãe por causa dele e de todas as lembranças que aquela casa me traz. Ninguém desconfia de nada da minha vida, porque aparento ser uma pessoa feliz e que teve uma infância de mimos e cuidados. Não gosto e não quero parecer vítima, por isso guardo tudo para mim. Mas isso me faz muito mal.

Na verdade esse Chora é mais um desabafo do que um pedido de conselho rs Precisava falar isso em algum lugar. Obrigada pelo espaço!

Ps: faço terapia há anos, tomo remédio para ansiedade. Meu problema é conseguir contar para alguém. Acho que com isso poderei me sentir mais aliviada.

Minha linda, vem cá, aliás vem todo mundo: ABRAÇO COLETIVO AGOOOOOORAAAAAAA! Nem sei o que te falar, tô com os olhos cheios d’agua aqui, como queria poder te ajudar!!!!! O que posso fazer por você? Me diz??? Se queria contar pra alguém para se aliviar, está contando e tenho certeza que as meninas vão ser solidárias com você. Me promete que nunca vai largar a terapia?? Pense numa vida nova, por mais que tudo pareça muito difícil, você é uma pessoa amada, certeza que é linda, forte, determinada, independente, uma mulher merecedora do amor e uma vida cheia de felicidades. Não sei o que sua terapeuta diz, mas dependendo do tipo de namoro que você tem (me refiro a maturidade e confiança), contar para ele não seria uma possibilidade? Pode ser um cara muito bacana que vai reprogramar sua cabeça e tirar de você a idéia que sexo é algo sujo e feio. A superação de algo tão pesado assim é um caminho longo, ainda mais vindo de um ser que deveria ser o exemplo de homem na sua vida. Ele NÃO é exemplo, ele é EXCEÇÃO, jamais considere as ações dele como algo NORMAL, NUNCA PENSE QUE FOI SUA CULPA ou que você provocou isso de alguma maneira. Infelizmente isso é mais comum do que se imagina, e contar, falar sobre o que aconteceu, é um dos caminhos para aliviar a alma. Estamos com você!

 

 

 

Pesquisei um pouco sobre abuso sexual infantil e achei matérias bem interessantes. Acho válido todo mundo dar uma olhada, pelo menos nesta aqui, que ensina a interpretar desenhos infantis. LINK É aterrorizante, mas infelizmente muito mais comum do que se imagina.

 

  • CHORAS LIBERADOS! Pode mandar seu mail com sua dúvida, angústia ou desabafo para constanza@futilish.com e no assunto coloque CHORA QUE EU TE ESCUTO. Estaremos aqui prontas para ler, palpitar, aconselhar e ajudar.