11
Jan 2018
Chora Que Eu Te Escuto
Chora Que Eu Te Escuto

Ontem a correria foi intensa então não consegui postar o Chora! Mas hoje vai!

Foi!

Vem!

Chora 01 – Leia

Olá Cony! Apenas para constar, amo o blog, acompanho há anos! Parabéns pelo trabalho! Vamos ao chora: Sou advogada, tenho 27 anos, e um emprego relativamente estável. Olhando minha vida, eu não tenho um grande problema, um drama passível de discussão. Mas olhando com atenção, ela como um todo, parece que nada está completo sabe, está tudo “maomenos”. Quando eu era nova, tiver vários namorados, mas nos últimos anos, minha vida amorosa está mais parada que água de poço, antes eu não tinha nenhum problema com autoestima, sempre soube que não era a pessoa mais linda do mundo, mas me aceitava bem como eu era. Aconteceu que eu engordei, uns 20kg, e isso atingiu demais a forma com que me vejo. E o pior é que, eu sei que se, esse é o problema, eu preciso me regrar, cuidar minha alimentação, fazer exercícios físicos, mas eu simplesmente não consigo!!! Já comecei e parei esse novo “estilo de vida” umas 500 vezes. Outra coisa que mudou foi que, eu sempre gostei de sair, estar com pessoas, rir, mas de um tempo pra cá só consigo pensar em chegar em casa e ver netflix. Salvo engano, a última vez que tive um namorado foi há mais de 05 anos. Tentei me aventurar no tinder, até sai com uns caras, mas não adianta, não é do meu perfil essa forma de relacionamento. Moro em uma cidade pequena, e aqui todo mundo me conhece, então, por conta da minha profissão, não posso nem sair e encher a cara pra extravasar. E pra ajudar, não tenho amigos. Quer dizer, eu tenho, mas não morram na mesma cidade que eu, então não tenho parceria pra nada. Eu até tento me motivar sabe, pensar que em algum momento as coisas vão melhorar, mas isso já faz tanto tempo que estou perdendo a esperança. Ano que vem vou fazer a minha primeira viajem internacional sozinha, decidi não depender de ninguém pra nada, mas nem viajar me motiva mais. Nem vou me aprofundar no drama familiar que vivo, mas de forma resumida, moro sozinha, meus pais são separados e moram em outras cidades, mas ambos são complicados, com dramas enormes, e, aparentemente, eu sou a única pessoa capaz de solucionar os problemas deles. Enfim, tentei resumir tudo, pra vocês entenderem que, não tenho um GRANDE problema… mas nada está legal, nada está como eu pensei que estaria nessa fase da vida. Mais alguém se identifica comigo? Estou a algum tempo pensando que estou deprimida, será que estou? Devo procurar ajuda profissional? 

Miga, você está deprimida sim. Procure ajuda. Essa falta de vontade de fazer as coisas, é um sinal bem claro que tá rolando uma depressão. Realmente não existe um GRANDE problema, existem pequenas coisas te chateando mas acho que são contornáveis! Olha só: peso a mais – malhar e fazer dieta. O difícil é começar mas comece AGORA, caso contrário esses 20kg vão virar 25, 30, 40 kg a mais! Eu tô com 8 kg a mais e ontem dei o start na dieta, porque se deixar, o peso só vai aumentando. E outra, estar acima do peso diminui sua auto estima, consequentemente, tira a vontade de se arrumar, seja para sair seja para tentar um relacionamento. Lembre-se, quando a gente está bem internamente, isso transparece em atitudes positivas e as coisas/pessoas acontecem. Só nessa de começar a se cuidar já resolveu três coisas: perder peso, aumenta a auto estima, e aparece a vontade de sair e conhecer pessoas. Outra coisa, seus amigos moram em outra cidade. Miga, se organiza e vai passar os finais de semana na cidade dos seus amigos! Você tem emprego estável e se mantém sozinha, então vai visitar eles! E outro problema resolvido, numa cidade onde não te conhecem, você poderá extravasar. Tudo tá “fácil” mas tem que sair de você essa vontade de mudar as coisas. Ninguém vai entrar na sua casa do nada, pegar pela mão, te emagrecer, te levar pra sair, te namorar. A porta tá aberta sabe? Levanta e sai!!!! 

 

 

Chora 02 – Rey

Oi Cony! Segue meu chora sem enrolação. rs Então, casei aos 22 anos e hoje estamos há 7 anos juntos. É um cara por quem tenho muito respeito e amor. Nos damos bem em praticamente tudo. Ocorre que, atualmente, tem batido em mim a vontade de viver outras coisas, conhecer outras pessoas. E o pior: eu conheço caras e logo fico a fim, imaginando como seria ficar com eles, desejo de flertar, etc. Me sinto péssima sobre isso e uma culpa enorme quando olho pro meu marido lindo, que pensa que tá tudo muito bem, confia muito em mim e espera passarmos o resto da vida juntos.

Já li naquele blog que você comentou um dia desses que isso é uma velha história: aquela que casou jovem e passa uns anos bate o siricotico de querer aproveitar o que não viveu. Tenho muito medo de tomar uma decisão precipitada, mas isso já vem martelando na cabeça há alguns meses. Queria perguntar a você se isso é normal, ficar a fim de outras pessoas sendo alguém casada, se o melhor é terminar tudo e machucar meu marido, ou se tenho que tomar vergonha na cara e me controlar, aceitar minhas escolhas.

Peço orientação sua, que já foi noiva, tem experiência e sei que vai ser bem dura comigo. E das leitoras também, as casadas principalmente. Podem falar! Sejam sinceras comigo. Obrigada desde já! 

Nega, cria vergonha na cara, ajoelha e agradece por ter um marido bacana. A vida solteira é muito boa, mas achar alguém que REALMENTE vale a pena e que quer dividir o resto da vida com você, é quase raridade hoje em dia. Sim, já fui noiva mas terminei porque não dava certo. Se tivesse dado certo, estaria casada e curtindo a minha escolha. Cuidado para não concretizar esses desejos e trair seu marido. Depois dá uma merda gigante e você vai se arrepender… Acredito que é uma fase e logo vai passar, já que você reconhece as qualidades do seu bofe. Tá autorizada a flertar mentalmente por enquanto, mas não leve isso pra vida real por favor. Valorize o que tem, e acredite, ter uma aventura apenas por ter, para matar vontade e arriscar um casamento bom, é muito perigoso e com altas chances de você perder tudo o que tem de bom hoje. Vai por mim, sossega a periquita.

 

 

Chora 03 – Padmé

Oi Cony, tudo bem? Sinta todo meu carinho por você, pelo que você representa para nós, pela força e pela proximidade!

Seguinte meninas, estou com meu marido há quase 10 anos, sendo 01 de casada. O que se passa? Eu não sei se estou feliz neste relacionamento, às vezes me sinto sufocada, com tanta, mas tanta vontade de conhecer coisas novas, de ter novas experiências, conhecer pessoas novas. Aquele friozinho gostoso na barriga sabem? Já me peguei pensando: Será que tenho a síndrome do peter pan, por isso não me aqueto hahahaha, mas aí chego no meu querido “eu não sei de nada”, não sei nem ao menos se me conheço, se me perdi dentro do relacionamento e não reconheço mais, se estou acomodada. São tantos “se”.

Outro ponto que pesa na minha relação é o ranço que eu tenho da minha sogra, não faço questão nenhuma de me dar bem com ela, nem ela comigo, não temos nada em comum, meu marido sabe disso, mas finge que tá tudo certo… Minha sogra sempre tenta passar a imagem de que tomei o lugar da única mulher que existiria na vida do meu marido (ele é filho único), só de pensar em passar alguns dias com os pais dele, em especial com a mãe, eu fico extremamente irritada. Eu sei que é mãe e tudo mais, mas…. Tem dias que quero me separar. Tem dias que tenho medo. Às vezes penso que estou acomodada, outras vezes penso que seja uma fase. Gente, tô muito doida? Não tenho migues com experiência de casada para trocar figurinhas. Vamos conversar sobre essa inquietação que bate e não sabemos para onde ir? Quem mais tá perdida por aí? O que fazemos? Terapia? Yoga? Cony, obrigada!!!

Hoje é o Chora das casadas mesmo rsrsrsrs. Miga, cê casou com seu marido, não com a mãe dele. Não se dar bem com ela nem deveria ser pauta de preocupação. É totalmente contornável e normal. Ruim seria se ela morasse com vocês, mas não mora, então, engole esse sapo e bola pra frente. Agora uma coisa que aprendi depois de ter namorado praticamente a vida toda: tem que ter um tempo de loucura solteira SIM. Justamente para não ficar nessa de “eu poderia ter aproveitado mais minha vida”. Eu fiquei um ano na loucura desenfreada e prefiro nem comentar o que aprontei, chegou uma hora que cansei, que vi que tinha chegado e conhecido todos meus limites, conheci MUITAS pessoas, frequentei os mais diferentes lugares, fiz o que quis e pronto. Vivi meu lado B sabe? E isso é super necessário para todas as pessoas. Eu prefiro me arrepender das coisas que FIZ do que NÃO FIZ. Obviamente não dá para ficar nessa o tempo todo, mas é bom conhecer coisas, pessoas, situações mesmo porque ajuda a gente na escolha, a saber o que realmente queremos. ENFIM, isso tudo pra te dizer que não sei como te aconselhar porque nunca fui casada e seu caso é diferente do da menina anterior porque ela tá felizona com o marido dela. Leitoras casadas, ajudem!

  • Choras FECHADOS! E sim, ontem assisti pela primeira vez um Star Wars. Não gostei (e não me julguem rs)