Comportamento
Chora Que Eu Te Escuto
27 maio 2016, 37 comentários

Chora Que Eu Te Escuto!!!

Gente tive uma ideia legal!!! (Eu e minhas ideias mirabolantes né? kkkk) Então. como recebi vários Choras e li TODOS, anotei o tema de cada um e vou fazer por assuntos!!! De três em três, por assunto. Quando ficarem sobrando Choras que não se encaixarem em tema algum, faço post com eles assim mesmo.

Bom, hoje o tema é: FAMÍLIA!

Caso 1 – Arya

¨Oi Cony! Pensei muito antes de mandar esse chora, mas como li todos e não consegui achar semelhança com nenhum, aí vai.
Tenho 28 anos, moro com a minha mãe e sempre tive um ótimo relacionamento com ela. Sempre fomos amigonas mesmo, desde a adolescência, nunca precisei esconder nada, sempre compartilhamos tudo. Meus pais são separados há 14 anos e desde então minha mãe tem os rolos dela e meu pai tbm. Só que, minha mãe conheceu pela internet um cara, conversou com ele durante anos, nunca se encontraram. Até que há 2 anos ele decidiu vir morar na nossa cidade (mais de 2 mil km da cidade dele) sem nada! Sem emprego, sem casa, sem dinheiro. Minha mãe não é rica, mas temos uma condição estável, moramos bem, temos carros, mas nada de muita folga. No início fiquei com os dois pés atrás, investiguei a vida do cara, porém não encontrei nada demais. Minha mãe meio que mudou nesse tempo, se tornou bastante ciumenta com ele, vivem brigando, ela se desgastando, já pegou várias mensagens dele com outras mulheres, mas acho que por carência ou até por gostar dele, ela “aceita”. Ele no início morou num apartamento que temos, obviamente sem pagar aluguel, atualmente conseguiu um emprego (ganhando bem pouco) e consegue se manter bem dificilmente. O fato é: o meu relacionamento com ela não é o mesmo. Eu não tenho ciúmes, só acho que ela tá se doando demais, financeiramente e emocionalmente pra um cara que não a valoriza. Mas sempre que eu tento falar isso, a situação entre a gente piora. Eis a questão: aceitar tudo isso e apoia-la nessa escolha ou continuar tentando fazê-la enxergar o óbvio?!
Beijo e obrigada pela ajuda!!¨

Arya, Arya, que díficil! Como fazer sua mãe ver que esse cara é UM FOLGADO! Se mudar pra sua cidade com uma mão na frente e outra atrás, morar em propriedade suas sem pagar e ainda ele ficar de mensagenzinha com outras mulheres? Menina, tem que trabalhar muito o amor próprio de sua mãe. Meu lado perverso faria um mini inferninho com esse cara até ele sumir da vida dela, mas como isso não é coisa que se aconselhe, acho que você vai ter que conversar muito com sua mãe sim, mesmo que a situação entre vocês duas piore. Fale com carinho, com amor, senta com ela, pega na mão dela, fala o quanto você a ama e o quanto quer o bem dela. Mostre para ela que esse cara só está se aproveitando, mas não fale CONTRA ele, fale a FAVOR dela. Diga o quanto ela merece um homem bacana, que some (de somar) à vida dela, que ela é linda, que é uma mulher batalhadora que merece o melhor, que ela pode ter TODOS os namorados do mundo, desde que façam ela feliz e a valorizem. Dá banho de loja nela, vai no salão, faz ela se sentir maravilhosa para ela conseguir enxergar o quanto é maior e mais poderosa do que esse cara que só quer sugar ela. Deixe claro que você está a apoiando, que se ela quiser continuar nessa, é uma opção mas que você está vendo que não está sendo bom e é sua obrigação como filha que zela pela mãe, avisar da enrascada que ela está se metendo e perdendo tempo e possibilidades de encontrar alguém a altura dela. Boa sorte migs…

24e934c3bbb3a7f304fdda0d933bb005

Para sua mami…

Caso 2 – Sansa

É o seguinte. Eu tenho 27 anos, moro com meus pais ainda.

O problema é a minha irmã. Ela tem 37 e saiu de casa com 20. Desde então sempre tem dado dor de cabeça aos meus pais. Aos 20 foi casamento, depois filho logo em seguida, divórcio, desemprego. Até que nos últimos tempos, ela inventou de morar com um cara, logo engravidou e separou dele também. Teve o meu sobrinho nº2, que está com um aninho. Aí arrumou um novo trabalho.

Desde então, ela tem ‘transferido’ algumas obrigações da criança para os meus pais e como eu trabalho em casa, consequentemente para mim. Pegamos ele na creche, damos janta, banho, cuidamos até a hora que ela volta do trabalho. Até entao, beleza. So que cada dia ela tem voltado mais tarde. Antes chegava as 7, agora é 8, 9, 10 da noite. A gota dágua foi quando ela se ofereceu para fazer um treinamento em outro estado por duas semanas e sequer perguntou a nossa opinião. Cheguei a ficar doente até, de tão exausta que fiquei. Claro que meus pais jamais negam ajuda a ela, mas acho isso uma baita folga em vários aspectos. Sem contar que no final de semana, ela, que mora 5 minutos a pé da minha casa, passa o dia todo aqui, só para cuidarmos do menino. Quando reclamo com o argumento de que: o filho não é meu, não fui eu quem fez, tenho que ouvir dos meus pais que sou obrigada a ajudar. Poxa, amo ser tia, mas ser tia como se fosse uma mãe, full time, tem me desgastado muito. Já tentei conversar com meus pais sobre, mas não tive sucesso. Minha outra irmã e meu cunhado vivem dizendo para eu tentar sair de casa para ‘me livrar’ dessas responsabilidades que não são minhas. Eu não consigo sair de casa no momento. Sou profissional liberal mas ainda não estou 100% estabelecida na minha profissão. Já tentei arrumar alguma coisa registrada, mas a crise só tem dificultado bastante. Estou fazendo cada vez mais coisas fora de casa para evitar esse tipo de trabalho (estudo, palestras, trabalho voluntário). O pior é que me sinto super mal, sabe. Como se fosse a vilã da história. Só que não é bem assim. Minha irmã eh super geniosa, cabeça dura, teimosa, não ouve nenhum conselho. Se conto isso para ela, ela já faz um mega escândalo, fala em se matar até. Acha que todo mundo conspira contra ela e que ninguém ajuda. Enfim, essa é a minha história. Não sei bem o que fazer. Não sei se estou certa nisso ou errada. Me sinto mal por deixar meus pais com esse fardo sozinhos, mas quanto mais tiro deles, mais vem pra mim. Espero que você e suas leitoras consigam me ajudar e aconselhar sem achar sou um ser egoísta que olha pro próprio umbigo o tempo todo. Pois não sou. Só acho que ajuda é uma coisa que tem passado muito longe do que temos feito por ela. Obrigada por ajudar! Bjs.

Que FOLGADAAAAA! Por isso acho que nem toda mulher nasce pra ser mãe! Cara, se não tem a capacidade de cuidar sozinha, não tenha filhos! Uma ajuda de vez quando ok, mas já cansei de ver avós estrupiados por cuidar de netos a semana inteira. Gente, pai e mãe na velhice, tem que descansar e não servir de babás! Vez ou outra ok, em alguma situação tipo festa, jantar, ok, mas largar o filho na casa dos avós e tchau-volto-a-hora-que-der é muita folga SIM. E sinto que você ajuda mais seus pais do que sua irmã, isso está bem claro. Novamente meu lado perverso fala mais alto: uma conversa com todo mundo e falando isso tudo na cara dela mas acredito que seus pais vão tomar partido de sua irmã e netos e você vai ficar como a vilã mesmo. Sua outra irmã está certa… Respira fundo, tenha paciência até sair de casa. Acho muito triste você ter que ficar na rua para não ficar em casa cuidado dos sobrinhos, mas atualmente é o jeito. E também acho que você deveria confrontar a sua irmã, mesmo que seja louca e que ameace se matar. Ela não vai fazer isso. Vai ter ataque de pelanca mas pelo menos vai saber BEM o que você pensa. Fale firme, forte, com segurança e mostre o quanto ela está abusando da boa vontade alheia. Os filhos são dela, então ela que cuide!

02c2e5d1e79b8af67629e0fac2624ffc

Caso 3 – Cersei

Cony, nunca lí nenhum caso desses no chora, e confesso que tô totalmente perdida. Meus pais são casados há 35 anos, tiverem três filhas. Todos trabalhamos juntos (eu, minhas irmãs e meu pai) minha mãe desde quando casou se tornou uma mulher do lar. Somos uma família bem unida, fazemos muita coisas juntos, vamos e voltamos para o trabalho, churrascos e festas nos finais de semana, passeios e compras e até viagens, é uma relação muito gostosa.

Há um mês a caçula chorando confessou que suspeitava que nosso pai estava traindo nossa mãe, e que ela desconfiava que já era um caso antigo, nisso, minha irmã mais velha suspeitou de algo que já tinha visto no passado com uma ex-funcionária da empresa. Achamos a tal pessoa no facebook e constatamos que era ainda a tal funcionária que não trabalha mais na empresa há 15 anos. Mas meu pai é um pouco “analfabeto” digital, ele não tem facebook, tem dificuldade de mandar e-mail e começou a usar whatsapp em novembro/2015, e sempre que tem dificuldade me pede para ajuda-lo. Eu sempre tive a senha do e-mail dele, e o máximo que encontrei, foi uma tentativa de enviar e-mail para essa tal “amante”.

Desde que isso veio a tona, começamos a olhar o celular dele direto, apesar de várias suspeitas não há nada que prove que houve traição, mas ele sempre apaga a conversa que tem com as pessoas no whatsapp (uma vez eu disse pra ele que tinha que apagar as coisas do celular senao não teria memoria, mas me referi as figurinhas/imagens q ele recebe, mas ele levou a serio e começou a apagar tudo), sabemos que eles se falam todos os dias, e que ela quer trocar de emprego, ele a convidou para um café, mas ela não respondeu e depois disso não conseguimos mais ler. Ah, outro detalhe, o nome dela gravado no celular dela, não é o verdadeiro, é o nome de um diretor de cinema.

Aí fico me perguntando: porque eles ainda tem contato? Porque conversam tanto todos os dias? (menos ao final de semana). vamos e voltamos juntos de casa para o trabalho, mas vira e mexe ele almoça fora com clientes. Não consigo encaixar um período para eles se encontrarem, fico mal em xeretar as coisas dele, e muitas vezes fico brava com ele e morrendo de raiva, e acabo tratando ele mal, sem ele saber o porque. E minha mãe no momento está passando por uma depressão (desde o ano passado),

Já pensamos em contratar detetive particular, em ligar pra mulher ameaçando, em perguntar pra ele o que está acontecendo, mas não sabemos como agir, e nisso, temos medo dele ter algum ataque do coração, porque ele toma remédio pra pressão alta. Cony, me ajuda, será que alguem pode me dar uma luz?! ps: adoro a coluna e adoro o blog também. Você e as leitoras são ótimas! 

Que situaçãaaaaaao!!!! Gzuis, vamos lá. Ó, pode ser que seja amante, pode ser que tenha SIDO uma amante, pode ser alguém que ele tem um crush mas não teve nada demais. Em todos os casos, ele conversa com ela porque gosta de conversar com ela. Tem um sentimento sim Cersei 🙁 Olha só, eu sei de um caso de uma pessoa que desconfiava que o pai dele tinha um caso extraconjugal. Os pais também eram casados há muito tempo, ele desconfiou de algo e sabe o que fez? Marcou um almoço com o papi, e todo tranquilo contou de tudo o que sabia. Falou que se ele quisesse continuar com a amante, que continuasse, mas que por favor fosse discreto e que NUNCA contasse para a mãe ou fizesse algo que ela pudesse desconfiar. Ele ficou de todas as cores, não confessou nem negou e ficou por isso mesmo. Dê o recado, mas escolha uma de vocês (das irmãs) para falar com ele e ser a porta voz. Ter as 3 filhas na frente desmascarando o caso pode ser muito pra ele sim. Exponham a situação, do que desconfiam, não acusem, deixem ele falar e coloquem uma pedra nisso. Acho que se esse affair existe há muito tempo e sua mãe está com depressão, não vale a pena expor tudo pra ela e deixar isso vir a tona. Já se foram 35 anos de casados, você conta que são uma família unida, viajam e fazem muitas coisas juntos, não joguem isso pro alto. Todas as famílias tem problemas e se seu pai é e foi um cara bacana com sua mãe, não compensa por tudo por água abaixo. 

b8244c0626e61be328391033d3fd0c49

  • Vamos ajudar as meninas??? E o Chora continua suspenso para receber emails ok? Mas prometo que desta vez não vai demorar muito!
Escreva seu Comentário

Quer que sua foto apareça nos comentários? Clique aqui
37 comentários em “Chora Que Eu Te Escuto!!!”
  1. joana27/05/16 • 13h57

    oi, legal o formato Coni.

    Vamos lá, só gostaria de falar sobre a questão da menina com o pai que diz que acha que ele tem uma amante. Bem, me parece que sim, e me parece que isso pode ser mais antigo do que vc pensa. Isso é muito comum. Agora não acho que vc deva chegar para seu pai o indagando. Nao vai ajudar, talvez piore. Pelo visto vcs vivem bem, e tem condiçÕes em pagar um detetive para averiguar a situação dessa mulher, saber quem é, o que faz, até onde seu pai está envolvido com ela, se tem filhos e etc. Em ultimo caso, esperar sua mae melhorar para saber se ela não teria o direito de saber e escolher o que fazer. Acho pertinente. Ja que tem mulheres que assumem essa situaçao como tem mulheres que não admitem e seguem sua vida, muitas vezes de uma maneira melhor. Imagino a decepção de vcs, a gente constroi um castelo lindo e no final, acabando vendo que é de areia, certo? enfim, o ser humano tem seus defeitos, e acho que vcs tb podem perdoa-lo, já que isso é uma situaçao com sua mae e nao com vcs, pelo que parece é um otimo pai. enfim, pense a respeito… mas nao tome uma medida precipitada. boa sorte!

  2. Paula27/05/16 • 14h16

    Caso 3, sei q gostamos de por nossos pais num pedestal, mas eles sao tao humanos qnto nós, acho q vc nao deveria tratar seu pai mal, afinal ele nao é seu marido, sua mae esta em depressão, entao concordo que vcs podem fazer o q fez o amigo da cony uma conversa com ele visando proteger a sua mãe. E com base em outros casos q vi como esse, as mães sabem ou desconfiam, mas nao se divorciam e nao querem q os filhos se metam.

  3. Érica Diniz27/05/16 • 14h17

    Jesuis “Casos de Familia real” Caso 1: Por experiencia própria já vivi isso com minha mãe, conversei, chorei, fiquei sem ir na casa dela, fiz um mini inferno e nada adiantou, só largou o traste depois que descobriu que ele usava drogas pesadas, portanto miga tenha paciência é a unica coisa que vc pode fazer por ela e por vc. Caso 2: Não vejo outra forma a não ser sair de casa mesmo já que todo mundo apoia a folgada da sua irmã, aluga uma kitnete, vai dividir aluguel com alguem sei lá de fome vc não morre. Caso 3: Tenha calma, faça tudo bem pensado, não estrague uma família aparentemente feliz por conta de desconfianças, e outra será que sua mãe não desconfia disso também? A melhor forma é descobrir algo mais concreto e aí sim conversar com seu pai.

  4. Maira27/05/16 • 14h35

    Gostei da ideia Cony…vamos lá ajudar essas meninas.

    Arya…você já recebeu da Cony o melhor conselho que poderia ter recebido, então prefiro não repetir o que ela já disse, só torço pra que dê tudo certo no final e você consiga a se relacionar com a sua mãe como antes…toda sorte pra vocês.

    Sansa…fia, sua irmã é folgada heim…afffe maria, discordo totalmente da sua mãe quando ela fala que você é obrigada a ajudar a sua irmã, a única pessoa obrigada a cuidar da criança é a sua irmã, ninguém mais, a ajuda que vocês dão, dão por causa da criança e só por ela. Eu sou pavio curto pra gente folgada sabe, eu no seu lugar, já juntava a família toda e soltava os cachorros, fala que não é obrigação sua cuidar dos seus sobrinhos e que acha falta de respeito para com os seus pais, que se eles querem continuar a ajudar, ok, mas que ela não precisa mais contar com você…ponto final…desculpe, mas não consigo dar conselho mais sensato que esse pq infelizmente a sua irmã é uma folgada, exploradora…pronto…falei…boa sorte pra você e que tudo termine bem.

    Cersei…ixi, que problemão fiote, tão difícil conseguir passar por cima de uma traição e quando essa traição envolve as pessoas que a gente mais pega como exemplo de vida, é um milhão de vezes pior. Olha, já passei por esse mesmo problema dentro da casa dos meus pais, com a diferença que o desenrolar todo foi diferente do seu, éramos pequenas, etc e tal, então o que posso falar pra você, é que converse com o seu pai como a Cony disse, o que ele vai fazer depois da conversa é outra história, mas nunca, jamais, conte para a sua mãe o que está acontecendo, o quadro de depressão que ela está já é um problema e tanto pra ela resolver e se você conseguir, depois que tudo passar, tente não ver o seu pai com outros olhos; o da condenação, e lembre-se que mesmo com a traição (se for confirmada), ele é a mesma pessoa que ama vocês…boa sorte viu.

    Bjocas

  5. Beta27/05/16 • 15h10

    Vou comentar somente o chora #3, eu concordo com a Cony. Não acho que vocês devam “se meter” tão invasivamente na relação de seus pais. Casamento é difícil, eles são casados há 35 anos com uma família feliz. Muito provavelmente, pelo que você fala, seu pai muito mais acertou do que errou nessa jornada. Vale a conversa de 1 filha com ele, para “mostrar” que vocês estão atentas e que não vão deixar, de forma alguma a mãe de vocês ser machucada nessa história. Mas, isso acima de tudo é uma história deles.

  6. Vanessa27/05/16 • 15h59

    Morri com os nomes de Game of Thrones.

    Não sabia que você era fã!

    Já pode criar um tópico pro vício que é essa serie.

  7. Adelize Jacomelli Tavares27/05/16 • 16h12

    Ounn Cony, me da um abraço?? Que maneira linda e humana de aconselhar o caso 3!

  8. Bruna27/05/16 • 16h17

    Cersei, passei recentemente pelo mesmo que vc, a diferença é que foi com minha mãe. Não fui mais a mesma depois do que aconteceu, mas uma coisa que aprendi na terapia é que o casamento é deles, e por mais que a gente queira ajudar, não podemos tomar decisões por eles. Seus pais são adultos, e não são perfeitos. Vc pode pedir a seu pai que tenha discrição e respeite os sentimentos da sua mãe, mais nada além disso. Não faça como eu, que tomei os problemas deles pra mim, e não consigo mais me livrar deles.

  9. Ana luisa27/05/16 • 16h19

    Gente, não dá pra deixar passar esse caso 3 não… A mãe não merece isso, apesar de toda a falsa estabilidade entre a família. Ela está em depressão, e depressão é doença, não é brinquedo não. Tem que ser medicada, fazer terapia, não é esperar passar porque não passa. E se o pai busca subterfugio numa relação extra-conjugal, tem que entender que isso não vai ajudar. E numa conversa franca e com carinho, ele não tem um piripaque não. Agora continuar a viver na duvida e numa mentira é que não dá pé. Respeito é tudo numa família, tá na hora de vocês filhas terem uma conversa séria e de adultos com o pai, até mesmo para achar uma forma de ajudar a mãe.

  10. Fernanda27/05/16 • 17h25

    Cersei, honestamente, se vc não fizer terapia, indico que procure uma psicóloga pq todo esse fardo enorme nas suas costas é muita coisa! É pesado demais que essa escolha tenha que ser de vcs e das suas irmãs, eu buscaria auxílio. Boa sorte e espero que esse problema se resolva! <3

  11. Carol27/05/16 • 18h03

    Para variar Cony arrasando… Rs!!
    Concordo com você em todos os casos!!
    Coloca essas frases no instagram de feelings pra gente dar um repost e dar uma “direta” em quem precisa??? Hehehhehe
    Super beijos

  12. Gabi Andrade27/05/16 • 18h18

    Eu achei a Ideia genial! Assim é até bom para as pessoas que escrevem verem que não estão sozinhas…Problema, infelizmente todo mundo tem!

  13. Priscila27/05/16 • 18h29

    Sobre o caso 2.
    Ser mãe solteira de dois filhos não é fácil. Tem de trabalhar e precisa muito da ajuda da família. Pelo que conta, as crianças ficam na creche o dia inteiro. Da maneira como vejo, o que mais poderia a mãe delas estar fazendo além do que já faz? Trabalha o dia inteiro e, apesar de todas as dificuldades que ela certamente encontra no trabalho, especialmente o preconceito por ter filhos pequenos (e isso existe muito), ainda enfrenta uma rotina de malabarismos para dar conta de todos os deveres que ela possui. Conhece o ditado: It takes a village! ? Significa que, para criar crianças, são necessárias muitas pessoas, toda a coletividade e principalmente família que as envolve, é uma coisa muito trabalhosa, como a própria conta em seu relato. Sejamos mais sensíveis e generosas com essa mãe solteira. Não é uma folgada não. A verdade é que vc tb mora com seus pais e certamente dá trabalho a eles, assim como os sobrinhos, mas a sua vontade é que tudo retorne a como era antes, sem crianças que certamente lhe tiram o sossego e a atenção que vc tinha dos seus próprios pais, além de lhe exigir trabalho e dedicação. A minha sugestão é a mesma da sua própria família, saia de casa e vá morar sozinha, ao invés de ficar na dependência de seus pais, sem a menor necessidade, ao contrário da sua irmã, que precisa muito de ajuda para criar essas duas crianças.

    • Constanza27/05/16 • 19h31

      Ah acho folgada sim, no final de semana que tá livre ao invés de dar um descanso pros avos e cuidar ela mesma dos filhos, ela ainda vai pra casa deles e fica por lá? É folga!

    • Luara27/05/16 • 22h32

      É folgada, sim! Ser mãe solteira não significa que ela seja incapaz de cuidar dos filhos sozinha nem no fim de semana. Alias, mae solteira nao é incapaz de nada! Ela faz o queu muitas fazem, com ou sem marido. Sou mãe, sei o trabalho que criancas pequenas dão, mas isso não dá o direito de sobrecarregar ninguém da família e transferir a resposabilidade de cuidar dos filhos. Falta de marido não significa nada.

    • Jackeline28/05/16 • 03h25

      Como assim a mulher é mãe de duas crianças pequenas e SE OFERECE pra ficar fora duas semanas e não consulta as pessoas que a ajudam com os filhos ? E que pode chegar as 19 em casa,mas ta chegando as 22 fazendo não sei fazendo o que ? É folgada SIM, folgada e sem um pingo de consideração pelos pais.A responsabilidade deles de cuidar integralmente de crianças já passou.

    • amanda28/05/16 • 08h37

      Desculpa, mas filhos são uma decisão. Se ela quis tê-los tem sim que cuidar deles em tempo integral menos quando estiver no trabalho. Eu tenho uma filha e precisei deixá-la por alguns meses com minha mãe (ela tinha 5 anos à época) pois eu morava do outro lado do Brasil sozinha porque assumi um concurso, e não teria como deixá-la sozinha com a babá num lugar onde eu não conhecia ninguém, – quem assume concurso sabe que você chega num estado sem conhecer nada e nem ninguém – mas assim que retornei para outro concurso eu a peguei, nunca deixava minha filha com minha família a não ser que fosse extremamente necessário e olha, era uma só. Acho que vale muito um certo ditado que diz que quem pariu, balance. A gente tem filhos porque quer, os outros podem ajudar, mas não são obrigados e nem podem se sentir constrangidos a isso, como é o caso da irmã do depoimento. Tanto assim que ela hoje tem 13 anos e só agora estou grávida de novo pois moro em outro estado longe d família e só posso contar com meu esposo e minha filha que agora é adolescente, mas ela vai me ajudar se quiser, não será obrigada.

      • Constanza28/05/16 • 12h24

        Parabéns!

    • Sansa28/05/16 • 11h27

      Fico muito feliz em ver que não sou só eu que penso na folga da minha irmã e que meu pensamento vai de encontro com muitos.

      Um pouco de ajuda é bom, mas quando ultrapassa os limites, deixa demais de ser ajuda. Cony, a imagem usada não poderia ser melhor!!!!

      Ser mãe não significa que você é incapaz de cuidar das suas coisas, da sua casa, da sua vida, do seu trabalho e ter que ‘terceirizar’ os cuidados do pequeno.

      Nesse caso, até as refeições básicas da casa são fornecidas pelos meus pais. Isso significa que janta, almoço e a louça também sobram para a minha mãe. Minha mãe trabalha em dupla jornada como professora, das 7 as 19 e chega em casa e tem que cuidar de um bebê até as 22 hrs.

      Eu, adoraria sair da minha casa para ter a minha paz e adoraria também viver uma vida onde a vida nos outros não afetasse diretamente a minha. Mas adoraria mais ainda que meus pais pudessem ter uma vida mais tranquila sem se preocupar com fraldas de bebê, se ele tem leite, se tem papinha pronta, se tem comida na despensa da minha irmã, que trabalha, ganha razoavelmente bem e pode muito bem se preocupar com isso.

      Minha outra irmã também acabou de ter bebê e se eu precisei ficar com ele um dia em 4 meses, foi muito. E olha que o marido foi viajar durante duas semanas a trabalho e nem por isso ela abusou disso.

      Meus pais tem mais de 60 anos e deveriam levar uma vida mais tranquila. Mas agora não podem nem se dar ao prazer de viajar em feriado prolongado pq tem a criança para cuidar, fazer a papinha, etc.

      Qualquer um no meu lugar se revoltaria em ver os pais se desgastando. Eles são pessoas boas que colocam os interesses dos netos na frente de qualquer outro e por isso o motivo de várias brigas aqui em casa.

      Acho fácil se esconder atrás do rótulo de MÃE SOLTEIRA. Conheço mães solteiras que não precisam de ninguém e são mais mães que muitos pais e mães por ai. A obrigação de quem faz o filho É DE QUEM FAZ O FILHO. Por mais que tenha ajuda, não é bacana ficar contando com isso, afinal, as outras pessoas tem vida própria e quando foi feito, só tinha duas pessoas envolvidas né.

      Obrigada pelos conselhos, meninas. Vou continuar lendo tudo!

    • Carla29/05/16 • 21h47

      Gostei da sua ponderação, Priscila, acho que uma ajuda da família sempre é bem vinda e necessária, principalmente em casos como o descrito, mas na minha opinião precisamos pensar no papel do pai, muita gente dizendo que se teve filho é obrigada a dar conta sozinha, só que ninguém faz filho sozinha não, a responsabilidade é dos dois e se o cara não colabora, justiça nele, se não vier a ajuda afetiva e a cooperação no dia a dia, que venha a financeira, pelo menos. Quanto às atitudes da irmã, me parecem ser de folga mesmo, ela precisa amadurecer, talvez… e as atitudes dos pais não estão ajudando nesse processo.

    • Jane30/05/16 • 14h10

      Priscila, eu acho a mãe folgada sim! Uma coisa é “precisar” de ajuda a outra é entregar TODA A RESPONSABILIDADE nas mãos de outra pessoa. E o avós também tem sua parcela de culpa (aliás grande! e eu digo com total conhecimento de causa porque vivi situação semelhante na minha família), porque se não assumissem os netos como “seus filhos” com certeza a mãe já teria se virado a muito tempo. A irmã “não tem que” ajudar se não quiser. Ninguém é obrigado a nada! Eu sei exatamente o que a Sansa está vivendo! Pelo relato a mãe das crianças é maior de idade, tem cognição perfeita e está trabalhando (portanto tem dinheiro para se sustentar e sustentar as crias), mas como os avós já assumiram os netos, pra ela está tudo bem! Eu sei que pra quem tá de fora é fácil falar e julgar. Mas sei também que se você escolheu ter filhos, você tem que assumí-los. Os filhos são seus! É você quem tem que educar, não os avós, não os tios! Enquanto não devolverem pra ela a responsabilidade que é dela ela não vai mudar a atitude!
      E digo mais, dependendo da situação as crianças vão crescer distante da mãe, querendo a atenção dela e podem se tornar adolescentes/adultos imaturos e problemáticos porque não tiveram a mãe como “referência” na criação (digo isso com conhecimento de causa. Vi e vejo isso acontecer com alguém beeem próximo). E a tia vai estar tão cansada e exausta por assumir a responsabilidade de criar sobrinhos que no futuro pode não querer ter os seus próprios filhos (sim!! não é exagero! Eu tive responsabilidades de sobrinhos muito cedo e hoje não tenho mais vontade de ter filhos. Já vivi todo o stress!)
      Sansa amiga, tome a sua decisão. Você pode ajudar sim, mas a responsabilidade de criar, educar e cuidar não é SUA. É da sua irmã. Comece a devolver pra ela a responsabilidade. Tenha paz irmã e não se estresse demais. E não brigue com seus pais. Tente conversar com eles, mas sem brigar! bjs

    • Poliana03/06/16 • 17h55

      Priscila, li o chora e o tempo todo também não “concordei” muito com a folga.
      Sou casada, tenho uma filha de 3 anos e ainda estava na faculdade quando ela nasceu.
      Deixei ela por 6 meses na casa da minha mãe todas as noites pra ir pra faculdade. Minha irmã, acostumada em ser a rainha do pedaço, me disse uma vez que cuidar da minha filha vez ela ver que jamais teria filhos, que dava muito trabalho e que cólica de bebê era estressante pra ela.
      Terminei a faculdade e me mudei de cidade para fazer pós (sim, assumi pós graduação com uma filha de 6 meses).
      Eu e meu marido éramos jovens, sou advogada e vida de escritório não é fácil.
      Fomos morar com meus sogros para nos ajudar. Eles cuidavam da minha filha todos os dias da semana quando a babá ia embora (eu pagava a babá).
      Eu sei o peso que carrego por ter uma filha, todas as entrevistas de emprego que fiz, se não fosse pós graduada (aquela pós que fiz sacrificando de ficar com a minha filha e “terceirizando” para os meus sogros) eu certamente não seria contratada.
      Hoje ela tem 3 anos, se a empresa que eu trabalho me der a oportunidade de um congresso de 2 semanas EU VOU, porque preciso me afirmar como profissional, já que o peso de ser mãe jovem me deixa SIM em desvantagem.
      Então concordo com você, tem que ajudar. Ou melhor, não tem nada, porque se isso não for de coração, melhor não fazer.

  14. Raquel27/05/16 • 19h51

    Misericórdia de mim que não sou evoluída como vocês. Não estou ironizando não, viu? Quisera eu ser uma pessoa assim.
    Acho que gentileza em excesso nos faz ser gente lesa. Se eu percebesse a folga da minha irmã, mas nunquinha que ia ficar me matando pelos filhos dela. Se os pais (avós) querem cuidar, não ia interferir, mas eu mesmo não ia me matar não. Uma coisa é a pessoa precisar de ajuda e outra é achar que é obrigação dos familiares tomar conta dos filhos e continuar vivendo a vida como se fosse livre, leve e solta.
    Sobre o pai…olha colega, já passei por isso quando tinha uns 11 anos. Minha mãe sempre se matou de trabalhar para dar o melhor para gente e o meu pai traia com a cidadã que trabalhava lá em casa. Ele saia do trabalho no meio do expediente e voltava para casa para ficar na p…com a cidadã. E detalhe, minha irmã (que é Down) estava em casa nesses momentos. Ou seja, eu até hoje não perdoei. Não considero pai. É o marido da minha mãe e pronto. Ela não separou…a família dela pressionou (aquela coisa de você não pode ficar só com duas meninas para criar) e eu acho até hoje que por falta de apoio e medo ela “aceitou”. O casamento deles não é o mesmo. Ela se afundou no trabalho e é muito bem sucedida…convive bem com ele, mas não com vida marital propriamente dita.
    E sim, eu fiz terapia…entendi que ela deve ter as razões dela para não ter separado, mas eu não me vejo como filha dele. Não tenho um pingo de vontade de perdoar.Tolero e pronto. Mas o amor que eu tenho é todo dela, da minha mãe.
    E sei lá…tlvz a sua mãe até saiba ou desconfie de algo e esse seja o motivo da depressão dela. Por isso o meu conselho é: dê muito amor para sua mãe. Se o seu pai tiver mesmo um caso e se for antigo, não é a conversa com você que vai fazer ele parar.

  15. Michele27/05/16 • 20h16

    Vou comentar o caso 2. A irmã é folgada sim, como muitas mães e pais que vemos por aí. A escolha foi dela de ter 2 filhos, logo, a responsabilidade é dela e dos pais das crianças e não dos avós, que imagino já terem uma certa idade, tampouco da irmã pelo fato de morar com os pais. Concordo com você Cony, essa mãe é FOLGADA!

  16. Jackeline28/05/16 • 03h24

    Minha sogra cuidou exatamente assim dos dois sobrinhos do meu noivo ja que a irma dele era uma folgada também, e hoje se arrepende,estragou a coluna e os joelhos de fazer esforço.
    Gente,como assim a mulher é mãe de duas crianças pequenas e SE OFERECE pra ficar fora duas semanas e não consulta as pessoas que a ajudam com os filhos ? E que pode chegar as 19 em casa,mas ta chegando as 22 fazendo não sei fazendo o que ? É folgada SIM, folgada e sem um pingo de consideração pelos pais.A responsabilidade deles de cuidar integralmente de crianças já passou.

  17. Daniela28/05/16 • 09h08

    #3: será que sua mãe não está depressiva porque sabe?ela faz terapia e se consulta com psiquiatra? Acho que vocês deveriam colocar seu pai contra a parede (pode ser num local na frente de um hospital, se ele passar mal já está lá) e pedir para ele largar a amante. Se eh amor e ele não quer largar, que fique esperto que vocês estão em cima e que ele deixe de ser rapado para sua mãe não desconfiar. Sei como é ter depressão (tenho e trato) e sei que é difícil para quem convive com a gente e sei que ela iria piorar se descobrisse.

  18. Mari28/05/16 • 09h41

    Olá meninas! Eu gosto muito do chora e sempre leio tudo, inclusive os comentários.

    Cersei, vivi uma história parecida com a sua. Com 15 anos desconfiei do meu pai atraves de uma conversa no já falecido MSN, cheguei a contar para minha mãe e foi horrivel. Eu não sei se era só conversa ou se chegaram nas vias de fato, a questão é que minha mãe acabou aceitando e tudo foi colocado em panos quentes. Na epoca eu adorava meu pai e nosso relacionamento simplesmente acabou, nunca voltamos a ter um bom relacionamento, sempre brigavamos demais. Por volta dos 24 anos eu fui num retiro espiritual e acabei conseguindo perdoar meu pai.
    Aos 27 depois de namorar dois anos me casei, nesta epoca o casamento dos meus pais não estava bom, mas viviam em paz. Meu pai decidiu mudar de emprego, foi para uma cidade a mais de 2 mil km da nossa dois meses antes do meu casamento, eu não gostei mas acabei aceitando. ENfim, resumindo, na festa do meu casamento, meu pai que se dizia crente, tinha mania de tudo colocar o nome de DEus nas coisas encheu a cara, fez a maior vergonha na frente da familia e amigos, ou seja estragou meu casamento para mim, minha mãe e irmão e eu realmente vi quem ele era, o que doeu demais, claro. Nesse meio tempo minha mãe descobriu que ele mantinha conversa com uma conhecida da familia, não sabiamos se ele também chegou a trair e depois de algum tempo acabaram se separando.
    Pra mim que carreguei esse fardo por tanto tempo só te falo uma coisa: procura ajuda médica.
    Eu sempre fui contra a ir em psicologos, mas toda essa situação arruinou o inicio do meu casamento (estou casada a 10 meses), não consigo confiar no meu marido em coisas bobas e percebi que no fundo só espero ele me trair pra acabar nosso casamento. Toda essa historia com meu pai destruiu minha auto confiança, minha confinça no meu marido e só depois de mais de 10 anos (contando a partir da primeira desconfiança) eu vi o quanto fui afetada e preciso de ajuda. Independente do que decidirem fazer, não carregue esse problema sozinha. Espero de coração que as coisas se acertem.

  19. Djeine28/05/16 • 15h22

    Cersei, eu concordo demais com o que a Cony lhe sugeriu. Já estive nessa situação e acho que esse conselho é o que traria menos dor pra sua família.
    Boa sorte! <3

  20. Margaery28/05/16 • 20h31

    Cersei, o meu comentário vai para você. Já passei por uma situação semelhante. Descobri na adolescência uma carta do meu pai para uma amante. Isso me doeu demais, apesar de já não ter à época a ilusão de que ele não era perfeito nunca imaginei que ele seria capaz disso.
    Há alguns anos atrás rolou na família um furdunço porque minha tia (irmã da minha mãe) descobriu que o marido a traía, contou pra família toda (inclusive os filhos) e depois acabou perdoando-o. Quando minha mãe conversou comigo sobre o assunto meio que deu a entender que homem era assim, e tal… vi que ela estava me testando para ver se contava algo do meu pai. Cortei o assunto dizendo que minha tia havia agido errado em contar para todo mundo, inclusive os filhos, ainda mais tendo perdoado depois. Que isso era assunto deles e que ela não tinha o direito de colocar os filhos contra o pai, porque para ela poderia ter sido fácil perdoá-lo, mas que os filhos poderiam não perdoá-lo. Dito e feito, minha prima nunca mais teve a mesma relação com o pai.
    Nesse episódio, vi que minha decisão de não contar nada a ninguém na época foi a correta. O casamento só pertence ao casal, a sua mãe pode já saber e ter optado por perdoá-lo, já pensou nisso? A atitude de você e de suas irmãs pode estar muito mais ligada a vocês quererem desmascará-lo como pai, querer puni-lo por desfazer a imagem de família perfeita do que em querer o bem da sua mãe.
    Hoje meus pais vivem super bem juntos e se eu tivesse contribuído para a infelicidade deles acho que jamais teria vivido em paz comigo mesma.
    De qualquer maneira, recomendo que você e suas irmãs façam terapia. Vocês não estão sabendo lidar com essa situação.

    • Marina30/05/16 • 11h04

      CERSEI, LEIA ESTE COMENTÁRIO! MELHOR ORIENTAÇÃO DE TODAS.

      Passei por isso, não agi exatamente assim, mas hoje, após muita terapia, é o meu conselho, pois seria o que eu faria.

  21. Amanda28/05/16 • 20h32

    Para a menina do caso 2 (Sansa): eu tive que comentar porque me vi em vc! Não no relato propriamente dito, mas na maneira deturpada de enxergar a si própria. Olha como vc é uma pessoa bacana, super colaborativa, tá segurando um “perrengue” (desculpe o termo! Mas me refiro à situação, não às crianças) que não é da sua responsabilidade por amor, e ainda se pergunta ao final se é “um ser egoista que só olha pro próprio umbigo”! Senti a semelhança entre nós justamente por esse medo de desagradar, por parecer que estar de saco cheio disso é algo errado, já que se trata de pessoas que amamos… Olha, em primeiro lugar, entenda que você é uma ótima pessoa, e o fato de estar cansada dessa situação não te faz pior de maneira alguma. Pelo contrário, sua irmã está realmente abusando da sua boa vontade e dos seus pais! Ter filhos é uma doação enorme e aparentemente você está se doando mais que ela à causa! Meu conselho é que você enxergue, em primeiro lugar, o quanto está sendo bacana e muito, muito generosa, e tem toda razão de estar insatisfeita. Não se culpe, independentemente do que seus pais ou irmã acham, porque nada muda o fato de que você já tem feito muito mais do que qualquer tia. Tenha força interior pra não deixar isso te abater! Depois disso, entre mesmo numa conversa franca com a sua irmã, e seja forte aos ataques melodramáticos que vão rolar. Pelo que vc descreveu é de se esperar… Mas desculpe a sinceridade, ela parece bem manipuladora, mesmo sem querer. Por favor, não estou dizendo que ela é má pessoa, mas meu cunhado é assim tbm, acaba fazendo um drama e minha sogra faz tudo que ele quer, sabe? Tem gente que te pega pelo coração, mesmo sem ter a intenção… Enfim. Encara mesmo, se poe em primeiro lugar. Diga que vc quer ser tia, e sempre estará presente, mas não mãe, e que vc está num momento de cuidar de vc e da sua carreira. Boa sorte!!

  22. Leila28/05/16 • 21h50

    Sansa: sua irmã é folgada e vc tem que parar de ser tão boazinha. Seus pais são tontos demais, mas como pais eu imagino que seja difícil não ajudar sua irmã. E tem o bebê, que não tem culpa… Talvez vc possa limitar sua responsabilidade, como dizer que só cuida da criança tal dia e tal período. Fora disso, desculpe falar assim, mas finja que não é com você. Seus pais é que devem dar o basta, a relação ocorre entre eles e sua irmã, pense que você não em nada a ver com isso. É duro, mas é a realidade.
    A escolha é deles. O dia em que eu parei de me meter nas coisas dos meus pais foi libertador.
    Tenho 3 filhos pequenos e bem sei que cuidar de cianças é exaustivo. Não acho que uma pessoa ou um casal deve cuidar de um filho sozinho, quanto mais gente ajudando, melhor, mas esporadicamente. Quando vc tem um filho, planejado ou não, tem que se conscientizar que, a partir dali, sua vida vai mudar e a criança é prioridade. Sua irmã fica na folga pq seus pais deram espaço pra isso, mas a escolha deles não é a sua. Tem que haver equilíbrio, que a sua irmã parece não querer saber, pq dá um trabalho…
    Por fim, tenho uma notícia boa: a primeira infância e a trabalheira passam tão depressa… Daqui a pouco ele já estará grandinho e vai dar um respiro. Passa tão depressa que eu fui esquecendo rápido e tendo um monte de filhos, um atrás do outro!

  23. Constanza29/05/16 • 19h39

    Nao vou nem aprovar seu comentário de tao absurdo que é!

  24. 30/05/16 • 11h49

    Cony, você é uma pessoa muito sensata!! Sempre arrasando nos conselhos! Parabéns!
    Concordo com tudo o que a Cony disse, no caso 3 não sei se eu teria essa sabedoria, mas certamente é o melhor a se fazer. No caso 01, gente, que irmã mais folgada do mundo! Mas o pior é que se os avós não derem um basta, isso não acabar nunca. E pelo o que foi relatado, eles jamais darão esse basta, tendo em vista o amor que sentem pela filha e pelos netos. Bom mesmo seria se a irmã folgada desenvolvesse uma coisa chamada BOM SENSO.
    Beijos

  25. Eleonora30/05/16 • 13h13

    Sansa: a sua irmã parece folgada e você parece acomodada. Desculpa falar.
    Sobre sua irmã: ela tem que cuidar dos filhos. Ponto.
    Minha mãe sempre me disse: se você engravidar eu não vou deixar você trabalhar. Você vai cuidar do filho em tempo integral! Imagina meu MEDOOOO. Chefe é fácil, criança 24h é PUXADO.
    Sobre você: o que te incomoda é a sobrecarga dos seus pais? Mesmo? O que eles acham disso? Pq se eles não veem problema nenhum…pq vc está vendo? Ou vc faz seus pais enxergarem o que vc enxerga, ou vc sai de casa. Não precisa morar num apto de 4 quartos, piscina e pé direito de 3 mts. Pode ser numa republica? Dividir com amigas? Seus pais não te ajudariam? Saia desse ambiente ou molde-se a ele.
    =)

  26. Marcella01/06/16 • 12h58

    Arya passei por algo MUITO parecido a pouquíssimo tempo!
    A +/- 5 anos atrás eu morava com meu pai e minha mãe morava sozinha, ela sempre teve seus rolos, mas nada MUITO sério.. até que de um dia pro outro um cara foi morar lá em casa, isso mesmo, de um dia pro outro, sem falar nada com ninguém… e ele foi de mala e cuia, tomou conta da casa inteira e fez AQUELA zona… minhã mãe sempre foi muito organizada, e até neurótica com limpeza, mas ele foi pra lá e simplesmente virou tudo de cabeça pra baixo (pra vc ter uma ideia, temos uma quitinete que minha mãe locava p/ ajudar na renda… ele se mudou lá pra casa, e de quebra ocupou TODA a quitinete com tranqueiras de pesca, acampamento, coisas de carro… e além de ela não conseguir alugar, começaram a aparecer ratos, pensa nisso… no dia que vi fiz um escândalo, e no final sai de ruim da história), ele era agente penitenciário contratado, e de um dia p/ o outro foi demitido, então ele decidiu que não era justo e arrumou um jeito de encostar… só que nessa ele encostou no governo e na minha mãe… ela trabalha como instrumentadora cirúrgica, e não tem hora, é a hora que chama, por vários dias sai de casa as 7 e volta as 23, isso quando não tem que ir de madrugada… e o bonitão lá, deitadinho o dia inteiro, sem poder lavar um copo… bom, voltei a morar com ela, e foi ai que tivemos a verdadeira dimensão do negócio, ele sugava ela por completo, minhã mãe sempre gostou de sair p/ dançar, dar uma volta, é extremamente vaidosa e adora se arrumar, e depois dele ela foi perdendo isso, já não saia mais, só trabalhava, estava sempre cheia de serviço e extremamente desgastada… foi ai que eu e meus irmãos decidimos intervir, ele sempre ia “pescar” (uhum tá) e nessa chegava a ficar até mais de semana… e SIM, fizemos um inferno, mostramos pra ela tudo o que ela estava perdendo, como era a vida dela antes e como estava sendo no momento, tudo o que ELE NÃO fazia e tudo o que ELA FAZIA por eles… até que ela começou a enxergar, e decidiu dar um basta nisso tudo.
    E foi ai que descobrimos mais ainda, em 1º lugar, quando ela mandou ele ir embora, ele simplesmente foi pra quitinete e pediu um tempo pra arrumar algum lugar (até ai beleza), só que se passaram 1 mês e ele nem sinal, entrava lá em casa e fazia pouco caso ainda, como se estivesse fazendo um favor pra gente, até que meu irmão teve que colocá-lo pra correr, e de quebra ele ainda ligava p/ ela, seguia ela… foram tempos difíceis, mas graças a Deus acabou!
    Então sim, converse com ela e mostre TUDO, faça ela enxergar… mostre o antes e o depois e tudo o que ela anda perdendo com essa vida!!! Vc vai conseguir tirar este “encosto” da vida de vcs! rs

    • Marcella01/06/16 • 13h05

      Só mais uma coisa pra vcs rirem…. quando meu irmão colocou ele pra fora, foi lá conversar com ele numa boa, e chegando lá, adivinhem o que ele tinha feito… a quitinete era um quarto (com cama, guarda-roupas), sala, cozinha e banheiro… ai ele teve a brilhante ideia de montar uma barraca de Camping no meio da sala e colocar um colchão lá dentro, e dormia lá… pra fazer um drama! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      não consigo lembrar disso que morro de rir! kkkkkkkkkk